Dobradinha pernambucana | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carta de um jovem contestador
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
Mais Recentes
>>> Superação da Lógica Classificatória e Excludente da Avaliação 2ªed. de Celso Dos S. Vasconcellos pela Libertad (1998)
>>> A Prática Educativa Como Ensinar de Antoni Zabala pela Artmed (1998)
>>> Masculino e Feminino no Imaginário Católico de Zaíra Ary pela Annablume (2000)
>>> A Bíblia A História de Deus e de Todos Nós de Roma Downey / Mark Burnett pela Sextante (2014)
>>> O sujeito da educação - Estudos Foucaultianos de Tomaz Tadeu Da Silva pela Vozes (2002)
>>> A Reencarnação Segundo a Bíblia e a Ciência de José Reis Chaves pela Martin Claret (1998)
>>> Fundamentos de Filosofia de Manuel Garcia Morente pela Mestre Jou
>>> Fundamentos de Matemática Elementar Volume 2 Logaritmos de Gelson Iezzi / Osvaldo Dolce / Carlos Murakami pela Atual (2004)
>>> As Estruturas da História de Christopher Lloyd pela Jorge Zahar (1995)
>>> Introdução à Filosofia História e Sistemas de Roberto Rossi pela Loyola (1996)
>>> A Felicidade Paradoxal de Gilles Lipovetsky pela Companhia das Letras (2007)
>>> Consiência e Cosmos de Menas Kafatos / Thalia Kafatou pela Teosófica (1994)
>>> Matemática Temas e Metas Volume 3 Sistemas Lineares e Combinatória de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1986)
>>> Matemática Temas e Metas Volume 2 Trigonometria e Progressões de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1986)
>>> Aventuras no marxismo de Marshall Berman pela Companhia Das Letras (2001)
>>> Cartas do Cárcere 4ªed. de Antonio Gramsci pela Civilização Brasileira (1991)
>>> Resumo dos cursos do collège de france 1970-1982 de Michel Foucault pela Jorge Zahar (1997)
>>> Socialismo - Impasses e Perspectivas de César Benjamin e outros pela Scrita (1992)
>>> Revolting Rymes N1 - de Roald Dahl pela Puffin Books (2015)
>>> O Avesso do Trabalho de Ricardo Antunes/ Maria A. Moraes Silva (Orgs.) pela Expressão Popular (2004)
>>> Odisseia de Homero de Ana Maria Machado pela Atica (2015)
>>> Iracema -Lenda do Ceara de Jose de Alencar pela Sol-no final do livro traz questionario e respostas - coleção vestibular (2010)
>>> Divinas desventuras outras historias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das letrinhas (2009)
>>> Aurelio Mirim -Dicionario ilustrado da letra N a R- de Aurelio Buarque pela Positivo (2015)
>>> Dubliners de James Joyce pela Penguin (1996)
>>> As Chaves Perdidas da Maçonaria de Manly P. Hale pela Madras (2006)
>>> Metamorphosis and Other Stories - de Franz Kafka pela Penguim (1996)
>>> O Homem em busca de Deus de Varios editores internacionais pela Watch tower (2010)
>>> Os Irmãos Sagrados - de R.Waingarten pela Lubavitch (2012)
>>> Almanaque Ilustrado Símbolos de Mark O'Connell & Raje Airey pela Escala (2017)
>>> Francisco Valdomiro Lorenz - Uma Obra com Vida de Waldomiro Lorenz pela Parma (2000)
>>> O Retorno à Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1992)
>>> Episódio da Vida de Tibério de Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2011)
>>> Férias Pagãs - Na Trilha dos Antigos Turistas Romanos de Tony Perrottet pela Rocco (2006)
>>> A Luz que Cura Oração Pelos Doentes de Agnes Sanford pela Loyola (1985)
>>> Doze Passos Para os Cristãos Jornada Espiritual Com Amor-Exigente de Pe Haroldo J Rahm pela Loyola (2000)
>>> A Águia e a Galinha de Leonardo Boff pela Vozes (1997)
>>> Ele andou entre nós Evidências do Jesus Histórico de Josh Mcdowell pela Candeia (1998)
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2007

Quarta-feira, 23/1/2008
Dobradinha pernambucana
Luiz Rebinski Junior

+ de 5500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Há pelo menos uma década e meia, quando o Mangue Bit tomou de assalto o Brasil, nos idos de 1994, Recife vem se especializando em produzir bons artistas e discos. Em 2007 não foi diferente. Dois grandes álbuns vieram da terra de Gilberto Freyre, dando mais frescor e elevando o nível do rock nacional. Além da Nação Zumbi, que lançou seu aguardado sétimo álbum, Fome de Tudo, é de outro recifense, também saído das entranhas do movimento encabeçado por Chico Science e Fred Zeroquatro, um dos discos mais interessantes do ano. China, ex-vocalista da banda de hardcore Sheik Tosado, colocou na praça Simulacro, uma das gratas surpresas do ano que passou.

Em comum, os trabalhos dos conterrâneos trazem "conceitos" pré-estabelecidos para suas obras. Depois da psicodelia em preto-e-branco empreendida em Futura (2005), a Nação Zumbi utiliza a fome como metáfora para falar de cultura, miséria, conhecimento etc. Algo que lembra, de imediato, "Comida", música do clássico Cabeça Dinossauro (1986), dos Titãs. A idéia, visível nas letras, é falar sobre os diversos tipos de fome que arrebatam o homem contemporâneo. Conceito que retoma também Josué de Castro e seu Geografia da Fome, livro que influenciou não só a Nação Zumbi, mas todo o Mangue Bit. Já China discute, mais em seu som do que nas letras, a idéia de "apropriação" na arte. Algo muito pertinente hoje, onde a fusão de sons e estilos é vista como a saída para se buscar novas sonoridades em um cenário que, parece, está saturado.

Nesse sentido a inspiração de China encontra eco no trabalho da Nação Zumbi, pois a banda de Jorge du Peixe é o exemplo mais bem-acabado de como o Mangue Bit passou de um movimento musical com forte pegada regionalista ― a banda detesta o termo ―, para um tipo de som que ultrapassa os limites da mistura entre alfaias e guitarras distorcidas. Desde 2003, quando ressurgiu das cinzas e fez de músicas como "Blunt of judah" e "Prato de flores" clássicos do rock nacional, a banda vem renovando seu repertório de idéias com trabalhos inspirados que fogem do óbvio.

"Carnaval", terceira faixa do álbum, é um bom exemplo de como a banda assimila de maneira fácil diferentes sonoridades. À guitarra suingada de Lucio Maia, juntam-se elementos de percussão e sons eletrônicos, dando origem a uma espécie de frevo funkeado. Brasileiríssima. Além de ser uma das melhores músicas do álbum, é a canção em que Du Peixe está mais solto, cantado com desenvoltura.

Fome de Tudo é também o disco do combo recifense menos "dependente" das guitarras de Maia, um dos melhores guitarristas do rock nacional. "Bossa Nostra", que abre a bolachinha, é uma das poucas músicas em que as guitarras dominam. "Onde tenho que ir" é outra canção em que a guitarra de Maia se faz presente de maneira imponente. Mas agora há mais elementos sonoros perceptíveis nas músicas, o que tira da guitarra a responsabilidade de ser o carro-chefe das canções. Há, por exemplo, a inserção de naipe de metais, como na ótima "Nascedouro". Os tambores, outra marca registrada da banda, também aparecem menos, agora estão bem mais sutis. Em compensação a bateria dub de Pupillo, também já bastante característica, e as programações de Du Peixe, ganham cada vez mais espaço, o que dá às músicas texturas interessantes.

A banda acerta também a mão nas parcerias. A mais bacana é com o também pernambucano Junio Barreto, que canta em "Toda surdez será castigada", e que marca outro ótimo momento do disco. Barreto é mais um artista bastante original vindo do Nordeste e que ainda é pouco conhecido fora de Pernambuco e São Paulo, onde está radicado. Já a participação da cantora Céu, que canta na sugestiva e soturna "Inferno", é bem discreta. Fome de Tudo fecha com "No Olimpo", uma alfinetada no mundo das celebridades com forte presença dos tambores.

Simulacro
Se em Fome de Tudo a Nação Zumbi foi ainda mais longe em sua busca por novos e originais sons, China não ficou atrás com seu Simulacro, ainda que não seja tão radical nas experimentações. Ao juntar idéias já existentes, "roubando" um teclado brega aqui, uma guitarra oitentista ali, um riff dos Beatles acolá, e misturando tudo com o delicioso sotaque pernambucano, China conseguiu um resultado inusitado. O que poderia parecer uma babel sonora baseada em pequenos plágios, na verdade se tornou uma obra de difícil classificação, original e de muito fôlego.

Repleto de texturas sonoras, Simulacro traz à tona músicas dançantes que se destacam pela versátil mistura de ritmos. As batidas eletrônicas, bem ao gosto de Pupillo, que produziu o disco, casam perfeitamente com as boas guitarras presentes. Assim China passeia por sonoridades distintas como a psicodelia, o brega dos anos 70 feito por artistas como Odair José, a bossa nova de Tom Jobim, e, principalmente, no Roberto Carlos dos anos 60/70, período que concentra o melhor da obra do rei. Em faixas como "Jardim de inverno" e "Asas nos pés", China reinventa com sucesso os teclados rasgados presentes em O Inimitável, um dos clássicos trabalhos de Roberto. Ao longo de todo o disco, os teclados vão se fundir com bastante precisão às guitarras tocadas por Marcelo Machado, membro do também pernambucano Mombojó e que participou das gravações.

O disco emplaca uma saraivada de boas canções, que resgatam, cada uma do seu jeito, os mais variados estilos. A trinca que abre o disco, composta por "Um dia lindo de morrer", "Jardim de inverno" e "Sem paz" é excelente. O álbum cai um pouco com "Câncer", uma ode ao cigarro, e "Colocando sal nas feridas", mas volta a subir com "Durmo acordo", que mescla com eficiência guitarra suingada aos característicos teclados, e com a belíssima "Canção que não se morre no ar", a melhor do disco. A música é uma balada dançante levada ao violão e com letra inspirada, que diz: "Sintonize o seu rádio, procure em alguma estação/ se eu entrar nos seus ouvidos, acelera o seu coração... coração, ah coração/ minha voz vai se espalhar no ar/ cada verso que eu cantar, os falantes te lembrarão/ minha voz é canção que não morre no ar".

Além de conceber bons discos, Nação Zumbi e China fizeram de seus últimos trabalhos exemplos de como a música pode transcender a rótulos e estilos. Desde que surgiu, a Nação Zumbi vem se reinventando de forma surpreendente ao agregar diferentes sonoridades e idéias às suas criações. Mesmo com a visível inclinação para as experimentações, a banda traz em seu som uma brasilidade pouco vista no rock nacional. Algo que, parece, vem fazendo escola na música pernambucana.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 23/1/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O feitiço do tempo de Renato Alessandro dos Santos
02. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos
03. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
04. A futebolização da política de Luís Fernando Amâncio
05. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


Mais Especial Melhores de 2007
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/2/2008
16h17min
Como bom fã que sou do rock brasileiro, vou dar uma conferida no álbum do "China". Valeu!
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
5/3/2008
18h55min
Eu só vim conhecer o China quando ele já estava como vocal da banda Del Rey, que eu acho o máximo. Adoro ele todo desmilingüido cantando os sucessos do tal Rei... Aí um dia, vi no jornal, "Show do China". Então eu fui, sem pretensão, sem nada... sem saber até do que se tratava. Fui pelo nome, não vou negar. Quando ele começou a cantar... eu terminei de fumar meu cigarro, e fui mais pra perto, pra dançar. É muito bom. Final do show fui lá e comprei o "Simulacro", cheguei em casa, ouvi antes de mandar para um amigo em Brasília. Foi assim. Abraço, valeu pela matéria, muito boa mesmo.
[Leia outros Comentários de dora nascimento]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LÓZ : A EVOLUÇÃO
PAULO SINIGAGLIA
PANDORGA
(2014)
R$ 25,71



O MESTRE E MARGARITA
MIKHAIL BULGAKOV
ED, NOVA FRONTEIRA
R$ 38,90



REVISTA RUMO. ED.10 KILDARE
VÁRIOS
PALLOTTI
(2020)
R$ 24,00



OS AMANTES
MORRIS WEST
CIRCULO DO LIVRO
R$ 7,50



PRONTUARIO DE ORTOGRAFIA
ANTONIO DA COSTA LEITÃO
EMPRESA NACIONAL DE PUBLICI
(1939)
R$ 46,69



ARTE EM PORCELANA Nº 32
UNIÃO BRASILEIRA DE ARTE EM PORCELANA
UNIÃO BRASILEIRA DE ARTE EM PORCELANA
(1996)
R$ 50,00
+ frete grátis



VOLUME 2 - REDAÇÃO EM GRUPO
HILDEBRANDO A. DE ANDRÉ, FLÁVIO AFONSO DE ANDRÉ
MODERNA
(1988)
R$ 8,86



COISAS DA COSA NOSTRA: A MÁFIA SICILIANA VISTA POR SEU PIOR INIMIGO
GIOVANNI FALCONE; MARCELLE PADOVANI
ROCCO
(2012)
R$ 25,00



JORGE, UM BRASILEIRO
OSWALDO FRANÇA JR.
NOVA FRONTEIRA
(1988)
R$ 6,90



"... E ENTÃO VIRÁ O FIM"
RODOLPHO BELZ
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(1967)
R$ 12,00





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês