Dobradinha pernambucana | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Preacher O Cavaleiro Altivo de Garth Ennis pela Pixel Media (2007)
>>> Planetary LJA - Terra Oculta de Warren Ellis, Jerry Ordway pela Pixel (2002)
>>> Gritos e Sussurros de Ingmar Bergman pela Nórdica (1977)
>>> Funções da Linguagem de Samira Chalhub pela Ática (2003)
>>> História do Brasil de Murilo Mendes pela Nova Fronteira (1990)
>>> Antologia Poética - 52ª edição de Carlos Drummond de Andrade pela Record (2003)
>>> Enclausurado de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2016)
>>> Antonio Candido de O observador literário pela Ouro sobre azul (2004)
>>> O Caminho do Louco de Alex Mandarino pela Avec (2016)
>>> Ubu-Rei de Alfred Jarry pela Max Limonad (1986)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Meus Fantasmas Dançam no Silêncio de Nádia Camuça pela Independente (2021)
>>> Nova York 2140 de Kim Stanley Robinson pela Planeta (2019)
>>> Pêcher d`Islande de Pierre Loti pela folio classique (1988)
>>> Jogo Duro de Lia Zatz pela Dimensão (2004)
>>> Monstro do Pântano nº 10 de Alan Moore e John Totleben pela Abril Jovem (1990)
>>> Henri Cartier-Bresson de Henri Cartier-Bresson pela Lunwerg - Photo Poche (2006)
>>> O que fazer? Falando de convivência de Liliana Iacocca e Michele Iacocca pela Ática (2006)
>>> O Natal de Poirot de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2009)
>>> Superboy nº 1 de Karl Kesel e Tom Grummet pela Abril (1994)
>>> Os Filhos da Meia-Noite de Salman Rushdie pela Companhia das Letras (2006)
>>> A Cizânia de Uderzo e Goscinny pela Cedibra (1974)
>>> O cavaleiro inexistente de Italo Calvino pela Companhia de bolso (2005)
>>> Imagen de Madrid de José del Corral pela El Pais Aguilar (1990)
>>> João das Fábulas nº 1 de Bill Willingham e Matthew Sturges pela Panini (2006)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2007

Quarta-feira, 23/1/2008
Dobradinha pernambucana
Luiz Rebinski Junior
+ de 6800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Há pelo menos uma década e meia, quando o Mangue Bit tomou de assalto o Brasil, nos idos de 1994, Recife vem se especializando em produzir bons artistas e discos. Em 2007 não foi diferente. Dois grandes álbuns vieram da terra de Gilberto Freyre, dando mais frescor e elevando o nível do rock nacional. Além da Nação Zumbi, que lançou seu aguardado sétimo álbum, Fome de Tudo, é de outro recifense, também saído das entranhas do movimento encabeçado por Chico Science e Fred Zeroquatro, um dos discos mais interessantes do ano. China, ex-vocalista da banda de hardcore Sheik Tosado, colocou na praça Simulacro, uma das gratas surpresas do ano que passou.

Em comum, os trabalhos dos conterrâneos trazem "conceitos" pré-estabelecidos para suas obras. Depois da psicodelia em preto-e-branco empreendida em Futura (2005), a Nação Zumbi utiliza a fome como metáfora para falar de cultura, miséria, conhecimento etc. Algo que lembra, de imediato, "Comida", música do clássico Cabeça Dinossauro (1986), dos Titãs. A idéia, visível nas letras, é falar sobre os diversos tipos de fome que arrebatam o homem contemporâneo. Conceito que retoma também Josué de Castro e seu Geografia da Fome, livro que influenciou não só a Nação Zumbi, mas todo o Mangue Bit. Já China discute, mais em seu som do que nas letras, a idéia de "apropriação" na arte. Algo muito pertinente hoje, onde a fusão de sons e estilos é vista como a saída para se buscar novas sonoridades em um cenário que, parece, está saturado.

Nesse sentido a inspiração de China encontra eco no trabalho da Nação Zumbi, pois a banda de Jorge du Peixe é o exemplo mais bem-acabado de como o Mangue Bit passou de um movimento musical com forte pegada regionalista ― a banda detesta o termo ―, para um tipo de som que ultrapassa os limites da mistura entre alfaias e guitarras distorcidas. Desde 2003, quando ressurgiu das cinzas e fez de músicas como "Blunt of judah" e "Prato de flores" clássicos do rock nacional, a banda vem renovando seu repertório de idéias com trabalhos inspirados que fogem do óbvio.

"Carnaval", terceira faixa do álbum, é um bom exemplo de como a banda assimila de maneira fácil diferentes sonoridades. À guitarra suingada de Lucio Maia, juntam-se elementos de percussão e sons eletrônicos, dando origem a uma espécie de frevo funkeado. Brasileiríssima. Além de ser uma das melhores músicas do álbum, é a canção em que Du Peixe está mais solto, cantado com desenvoltura.

Fome de Tudo é também o disco do combo recifense menos "dependente" das guitarras de Maia, um dos melhores guitarristas do rock nacional. "Bossa Nostra", que abre a bolachinha, é uma das poucas músicas em que as guitarras dominam. "Onde tenho que ir" é outra canção em que a guitarra de Maia se faz presente de maneira imponente. Mas agora há mais elementos sonoros perceptíveis nas músicas, o que tira da guitarra a responsabilidade de ser o carro-chefe das canções. Há, por exemplo, a inserção de naipe de metais, como na ótima "Nascedouro". Os tambores, outra marca registrada da banda, também aparecem menos, agora estão bem mais sutis. Em compensação a bateria dub de Pupillo, também já bastante característica, e as programações de Du Peixe, ganham cada vez mais espaço, o que dá às músicas texturas interessantes.

A banda acerta também a mão nas parcerias. A mais bacana é com o também pernambucano Junio Barreto, que canta em "Toda surdez será castigada", e que marca outro ótimo momento do disco. Barreto é mais um artista bastante original vindo do Nordeste e que ainda é pouco conhecido fora de Pernambuco e São Paulo, onde está radicado. Já a participação da cantora Céu, que canta na sugestiva e soturna "Inferno", é bem discreta. Fome de Tudo fecha com "No Olimpo", uma alfinetada no mundo das celebridades com forte presença dos tambores.

Simulacro
Se em Fome de Tudo a Nação Zumbi foi ainda mais longe em sua busca por novos e originais sons, China não ficou atrás com seu Simulacro, ainda que não seja tão radical nas experimentações. Ao juntar idéias já existentes, "roubando" um teclado brega aqui, uma guitarra oitentista ali, um riff dos Beatles acolá, e misturando tudo com o delicioso sotaque pernambucano, China conseguiu um resultado inusitado. O que poderia parecer uma babel sonora baseada em pequenos plágios, na verdade se tornou uma obra de difícil classificação, original e de muito fôlego.

Repleto de texturas sonoras, Simulacro traz à tona músicas dançantes que se destacam pela versátil mistura de ritmos. As batidas eletrônicas, bem ao gosto de Pupillo, que produziu o disco, casam perfeitamente com as boas guitarras presentes. Assim China passeia por sonoridades distintas como a psicodelia, o brega dos anos 70 feito por artistas como Odair José, a bossa nova de Tom Jobim, e, principalmente, no Roberto Carlos dos anos 60/70, período que concentra o melhor da obra do rei. Em faixas como "Jardim de inverno" e "Asas nos pés", China reinventa com sucesso os teclados rasgados presentes em O Inimitável, um dos clássicos trabalhos de Roberto. Ao longo de todo o disco, os teclados vão se fundir com bastante precisão às guitarras tocadas por Marcelo Machado, membro do também pernambucano Mombojó e que participou das gravações.

O disco emplaca uma saraivada de boas canções, que resgatam, cada uma do seu jeito, os mais variados estilos. A trinca que abre o disco, composta por "Um dia lindo de morrer", "Jardim de inverno" e "Sem paz" é excelente. O álbum cai um pouco com "Câncer", uma ode ao cigarro, e "Colocando sal nas feridas", mas volta a subir com "Durmo acordo", que mescla com eficiência guitarra suingada aos característicos teclados, e com a belíssima "Canção que não se morre no ar", a melhor do disco. A música é uma balada dançante levada ao violão e com letra inspirada, que diz: "Sintonize o seu rádio, procure em alguma estação/ se eu entrar nos seus ouvidos, acelera o seu coração... coração, ah coração/ minha voz vai se espalhar no ar/ cada verso que eu cantar, os falantes te lembrarão/ minha voz é canção que não morre no ar".

Além de conceber bons discos, Nação Zumbi e China fizeram de seus últimos trabalhos exemplos de como a música pode transcender a rótulos e estilos. Desde que surgiu, a Nação Zumbi vem se reinventando de forma surpreendente ao agregar diferentes sonoridades e idéias às suas criações. Mesmo com a visível inclinação para as experimentações, a banda traz em seu som uma brasilidade pouco vista no rock nacional. Algo que, parece, vem fazendo escola na música pernambucana.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 23/1/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
02. Mosaico de Rancores, romance de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
03. Lições literárias de Gian Danton
04. John Lennon, o homem de Marco Antonio Santos Silva
05. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto de Marcelo Spalding


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008
05. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008


Mais Especial Melhores de 2007
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/2/2008
16h17min
Como bom fã que sou do rock brasileiro, vou dar uma conferida no álbum do "China". Valeu!
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
5/3/2008
18h55min
Eu só vim conhecer o China quando ele já estava como vocal da banda Del Rey, que eu acho o máximo. Adoro ele todo desmilingüido cantando os sucessos do tal Rei... Aí um dia, vi no jornal, "Show do China". Então eu fui, sem pretensão, sem nada... sem saber até do que se tratava. Fui pelo nome, não vou negar. Quando ele começou a cantar... eu terminei de fumar meu cigarro, e fui mais pra perto, pra dançar. É muito bom. Final do show fui lá e comprei o "Simulacro", cheguei em casa, ouvi antes de mandar para um amigo em Brasília. Foi assim. Abraço, valeu pela matéria, muito boa mesmo.
[Leia outros Comentários de dora nascimento]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Se Transformar Em Um Operador E Investidor De Sucesso
Alexander Elder
Alta Books
(2021)



Livro Didáticos Historia Teláris 6
Cláudio Vicentino e José Bruno
Ática
(2019)



Como Falar Dragonês - por Soluço Spantosicus Strondus III
Cressida Cowell
Intrinseca
(2010)



Coleção Grandes Obras Do Pensamento Universal - Ensaio Sobre A Liberdade)
Stuart Mill
Escala



Cinquenta Vergonhas De Cinza
Fanny Merkin
Novo Século
(2013)



Guia Prático de Alquimia
Frater Albertus
Pensamento
(1974)



Maré Baixa, Maré Alta
Ana Maria Machado
Global
(2002)



Títulos de Crédito - 17ª Edição
Fran Martins
Forense
(2016)



O Diabo Veste Prada
Lauren Weisberger
Record
(2017)



Zona Erogena
Philippe Djian
Brasiliense
(1984)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês