Dobradinha pernambucana | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2007

Quarta-feira, 23/1/2008
Dobradinha pernambucana
Luiz Rebinski Junior

+ de 5300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Há pelo menos uma década e meia, quando o Mangue Bit tomou de assalto o Brasil, nos idos de 1994, Recife vem se especializando em produzir bons artistas e discos. Em 2007 não foi diferente. Dois grandes álbuns vieram da terra de Gilberto Freyre, dando mais frescor e elevando o nível do rock nacional. Além da Nação Zumbi, que lançou seu aguardado sétimo álbum, Fome de Tudo, é de outro recifense, também saído das entranhas do movimento encabeçado por Chico Science e Fred Zeroquatro, um dos discos mais interessantes do ano. China, ex-vocalista da banda de hardcore Sheik Tosado, colocou na praça Simulacro, uma das gratas surpresas do ano que passou.

Em comum, os trabalhos dos conterrâneos trazem "conceitos" pré-estabelecidos para suas obras. Depois da psicodelia em preto-e-branco empreendida em Futura (2005), a Nação Zumbi utiliza a fome como metáfora para falar de cultura, miséria, conhecimento etc. Algo que lembra, de imediato, "Comida", música do clássico Cabeça Dinossauro (1986), dos Titãs. A idéia, visível nas letras, é falar sobre os diversos tipos de fome que arrebatam o homem contemporâneo. Conceito que retoma também Josué de Castro e seu Geografia da Fome, livro que influenciou não só a Nação Zumbi, mas todo o Mangue Bit. Já China discute, mais em seu som do que nas letras, a idéia de "apropriação" na arte. Algo muito pertinente hoje, onde a fusão de sons e estilos é vista como a saída para se buscar novas sonoridades em um cenário que, parece, está saturado.

Nesse sentido a inspiração de China encontra eco no trabalho da Nação Zumbi, pois a banda de Jorge du Peixe é o exemplo mais bem-acabado de como o Mangue Bit passou de um movimento musical com forte pegada regionalista ― a banda detesta o termo ―, para um tipo de som que ultrapassa os limites da mistura entre alfaias e guitarras distorcidas. Desde 2003, quando ressurgiu das cinzas e fez de músicas como "Blunt of judah" e "Prato de flores" clássicos do rock nacional, a banda vem renovando seu repertório de idéias com trabalhos inspirados que fogem do óbvio.

"Carnaval", terceira faixa do álbum, é um bom exemplo de como a banda assimila de maneira fácil diferentes sonoridades. À guitarra suingada de Lucio Maia, juntam-se elementos de percussão e sons eletrônicos, dando origem a uma espécie de frevo funkeado. Brasileiríssima. Além de ser uma das melhores músicas do álbum, é a canção em que Du Peixe está mais solto, cantado com desenvoltura.

Fome de Tudo é também o disco do combo recifense menos "dependente" das guitarras de Maia, um dos melhores guitarristas do rock nacional. "Bossa Nostra", que abre a bolachinha, é uma das poucas músicas em que as guitarras dominam. "Onde tenho que ir" é outra canção em que a guitarra de Maia se faz presente de maneira imponente. Mas agora há mais elementos sonoros perceptíveis nas músicas, o que tira da guitarra a responsabilidade de ser o carro-chefe das canções. Há, por exemplo, a inserção de naipe de metais, como na ótima "Nascedouro". Os tambores, outra marca registrada da banda, também aparecem menos, agora estão bem mais sutis. Em compensação a bateria dub de Pupillo, também já bastante característica, e as programações de Du Peixe, ganham cada vez mais espaço, o que dá às músicas texturas interessantes.

A banda acerta também a mão nas parcerias. A mais bacana é com o também pernambucano Junio Barreto, que canta em "Toda surdez será castigada", e que marca outro ótimo momento do disco. Barreto é mais um artista bastante original vindo do Nordeste e que ainda é pouco conhecido fora de Pernambuco e São Paulo, onde está radicado. Já a participação da cantora Céu, que canta na sugestiva e soturna "Inferno", é bem discreta. Fome de Tudo fecha com "No Olimpo", uma alfinetada no mundo das celebridades com forte presença dos tambores.

Simulacro
Se em Fome de Tudo a Nação Zumbi foi ainda mais longe em sua busca por novos e originais sons, China não ficou atrás com seu Simulacro, ainda que não seja tão radical nas experimentações. Ao juntar idéias já existentes, "roubando" um teclado brega aqui, uma guitarra oitentista ali, um riff dos Beatles acolá, e misturando tudo com o delicioso sotaque pernambucano, China conseguiu um resultado inusitado. O que poderia parecer uma babel sonora baseada em pequenos plágios, na verdade se tornou uma obra de difícil classificação, original e de muito fôlego.

Repleto de texturas sonoras, Simulacro traz à tona músicas dançantes que se destacam pela versátil mistura de ritmos. As batidas eletrônicas, bem ao gosto de Pupillo, que produziu o disco, casam perfeitamente com as boas guitarras presentes. Assim China passeia por sonoridades distintas como a psicodelia, o brega dos anos 70 feito por artistas como Odair José, a bossa nova de Tom Jobim, e, principalmente, no Roberto Carlos dos anos 60/70, período que concentra o melhor da obra do rei. Em faixas como "Jardim de inverno" e "Asas nos pés", China reinventa com sucesso os teclados rasgados presentes em O Inimitável, um dos clássicos trabalhos de Roberto. Ao longo de todo o disco, os teclados vão se fundir com bastante precisão às guitarras tocadas por Marcelo Machado, membro do também pernambucano Mombojó e que participou das gravações.

O disco emplaca uma saraivada de boas canções, que resgatam, cada uma do seu jeito, os mais variados estilos. A trinca que abre o disco, composta por "Um dia lindo de morrer", "Jardim de inverno" e "Sem paz" é excelente. O álbum cai um pouco com "Câncer", uma ode ao cigarro, e "Colocando sal nas feridas", mas volta a subir com "Durmo acordo", que mescla com eficiência guitarra suingada aos característicos teclados, e com a belíssima "Canção que não se morre no ar", a melhor do disco. A música é uma balada dançante levada ao violão e com letra inspirada, que diz: "Sintonize o seu rádio, procure em alguma estação/ se eu entrar nos seus ouvidos, acelera o seu coração... coração, ah coração/ minha voz vai se espalhar no ar/ cada verso que eu cantar, os falantes te lembrarão/ minha voz é canção que não morre no ar".

Além de conceber bons discos, Nação Zumbi e China fizeram de seus últimos trabalhos exemplos de como a música pode transcender a rótulos e estilos. Desde que surgiu, a Nação Zumbi vem se reinventando de forma surpreendente ao agregar diferentes sonoridades e idéias às suas criações. Mesmo com a visível inclinação para as experimentações, a banda traz em seu som uma brasilidade pouco vista no rock nacional. Algo que, parece, vem fazendo escola na música pernambucana.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 23/1/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
02. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
03. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
04. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
05. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


Mais Especial Melhores de 2007
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/2/2008
16h17min
Como bom fã que sou do rock brasileiro, vou dar uma conferida no álbum do "China". Valeu!
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
5/3/2008
18h55min
Eu só vim conhecer o China quando ele já estava como vocal da banda Del Rey, que eu acho o máximo. Adoro ele todo desmilingüido cantando os sucessos do tal Rei... Aí um dia, vi no jornal, "Show do China". Então eu fui, sem pretensão, sem nada... sem saber até do que se tratava. Fui pelo nome, não vou negar. Quando ele começou a cantar... eu terminei de fumar meu cigarro, e fui mais pra perto, pra dançar. É muito bom. Final do show fui lá e comprei o "Simulacro", cheguei em casa, ouvi antes de mandar para um amigo em Brasília. Foi assim. Abraço, valeu pela matéria, muito boa mesmo.
[Leia outros Comentários de dora nascimento]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VANGUARDA OPERÁRIA: ELITE DE CLASSE?
VANIA MALHEIROS BARBOSA ALVES
PAZ E TERRA POLÍTICA
(1984)
R$ 12,00



DICIONÁRIOS ELETRÔNICOS AURÉLIO E HOUAISS
LIDIA ALMEIDA BARROS
ANNABLUME
(2005)
R$ 4,24



MARKETING EDIÇÃO COMPACTA
KOTLER
ATLAS
(1980)
R$ 14,00



O SÓCIO
JOHN GRISHAM
ROCCO
(1997)
R$ 15,00



PROGRAMMING INTERVIEWS EXPOSED
ERIC GIGUERE; JOHN MONGAN; NOAH SUOJANEN
JOHN WILEY PROFESSIO
(2012)
R$ 110,00



THE GOLDEN DREAM: SUBURBIA IN THE SEVENTIES
STEPHEN BIRMINGHAM (CAPA DURA)
HARPER & ROW (NY)
(1978)
R$ 47,28



REINO INFANTIL (VOLUME 3) - LITERATURA INFANTIL/CONTOS DE FADAS
HANS CHRISTIAN ANDERSEN, CHARLES PERRAULT E OUTROS
LEP
(1958)
R$ 7,00



A CABEÇA DE STEVE JOBS
LEANDER KAHNEY
AGIR
(2009)
R$ 17,00



AS AVENTURAS DO CAPITÃO CUECA
DAV PILKEY
COSAC & NAIFY
(2001)
R$ 15,00



ANÁLISE TRANSACIONAL
JUT MEININGER
ARTENOVA
(1973)
R$ 7,11





busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês