Avatar e um mundo novo | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
53897 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Nascentes Criativas promove ações culturais gratuitas no interior de Minas
>>> Pekka Pylkkänen (FIN) - Brazil Tour 2024
>>> Domingo, 19, 17h, tem 'Canta Teresa' - Roda Cultural com os rappers Ramonzin e Emitê OG
>>> HOJE E AMANHÃ - JÁ ESTAMOS BEM - IMPROVISO DE DANÇA ABORDA ADOECIMENTO HUMANO E PLANETÁRIO
>>> Selvageria synth pop no Pantera Clube
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Room Full of Mirrors no Royal Albert Hall (1969)
>>> Machado e a AR-15
>>> Religioso, mágico, sofisticado, profano
>>> O iPod por Da Vinci
>>> Gleiser, o cientista pop
>>> Faustão sobre protestos #full
>>> As sobras completas, poesias de Jovino Machado
>>> 7 que sigo
>>> Quem tem medo de Gerald Thomas? (Parte I)
>>> Os 33 mineiros e nossa visão limitada
Mais Recentes
>>> Mônica Jovem Especial Lembranças de Érico Rodrigo Maioli Rosa pela Panini (2013)
>>> Memorias Do Subsolo de Fiodor Dostoievski pela Penguin (2021)
>>> Ensaio Sobre A Cegueira de José Saramago pela Companhia Das Letras (2021)
>>> Dicionário Prático De Regência Verbal de Celso Pedro Luft pela Atica (2011)
>>> Lambisgóia 5ª edição. (ilustrações de Eva Furnari) de Edson Gabriel Garcia pela Nova Fronteira (1984)
>>> Wider World 3 American Edition de Carolyn Barraclough, Suzanne Gaynor pela Pearson (2020)
>>> O Monstro Medonhento - coleção girassol 20ª edição. de Mário Lago pela Moderna (1992)
>>> O Livro da Psicologia de Clara M. Hermeto e Ana Luisa Martins pela Globo (2012)
>>> Uma Breve Historia da Literatura de John Sutherland pela LePM (2017)
>>> Fundamentos de Matemática Elementar 4 de Gelson Iezzi e Samuel Hazzan pela Atual (2013)
>>> Volume 1: Textos Compreensão, Interpretação e Produção de Antonio Simplício Rosa Farias; Agostinho Dias Carneiro pela Ao Livro Técnico (1987)
>>> Hitler - Volume Único de Joachim C. Fest pela Nova Fronteira (1976)
>>> Mandingas da Ilha Quilomba 4ª edição. de Ana Maria Machado pela Salamandra (1984)
>>> O Lado Escuro de Clara de Maria da Graça Ivo (ilustrações de Noemi Silva Ribeiro) pela José Olympio (1988)
>>> Mal-entendido Em Moscou de Simone de Beauvoir pela Record (2016)
>>> Leonardo da Vinci - A Alma de Um Gênio de Marislei Espíndula Brasileiro pela Lúmen (2004)
>>> O Corsário e a Rosa de Sveva Casati Modignani pela Círculo do Livro (1995)
>>> Como Era Verde o Meu Vale de Richard Llewellyn pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Ultimo Templário de Raymond Khoury pela Ediouro (2006)
>>> O Tempo e o Vento - Volume 2 - O Retrato de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> A Grande Cozinha - Saladas de Vários Autores pela Abril Coleções (2007)
>>> Hotel de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1966)
>>> O Tigre Branco de Aravind Adiga pela Agir (2015)
>>> Negociação: Fortalecendo o Processo de Eugenio do Carvalhal pela Vision (2004)
>>> Comunidade e Sociedade no Brasil de Florestan Fernandes pela Companhia Nacional (1974)
COLUNAS >>> Especial Futuro do Cinema

Segunda-feira, 28/12/2009
Avatar e um mundo novo
Daniel Bushatsky
+ de 6600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Vivemos em uma época estranha. Enquanto os líderes mundiais estavam reunidos em Copenhague para discutir uma nova agenda mundial de combate ao aquecimento global, substituindo o Protocolo de Kioto, um proeminente professor da MIT (Massachusetts Institute of Technology) publicava artigo no The Wall Street Journal com o título: "The Climate Science isn't settled ― Confident predictions of catastrophe are unwarranted" (a tradução seria algo próximo de "A ciência do clima não está decidida ― Previsões de catástrofe garantida são injustificáveis").

O autor do artigo explica, entre outras coisas, que o CO2 não é o grande responsável pelo aumento da temperatura da terra, que, por sinal, desde o século XIX só aumentou 1,5 graus fahrenheit. Para completar, o aumento não pode nem ser provado, haja vista que as bases de registro no século XIX não são confiáveis.

Os fatos continuam estranhos quando lemos que a COP 15 foi um fracasso, já que os países ricos estavam mais interessados em proteger a si mesmos (grande novidade) e a presidente da conferência nem disfarçava sua indiferença ― Connie Hedegaard, ministra do Meio Ambiente da Dinamarca, teve que renunciar após duras críticas dos países participantes, que a acusaram de estar privilegiando países ricos nas negociações. E, para completar, o melhor comentário, vibrem, foi do presidente Lula, quando afirmou que os líderes atuais serão lembrados como os: "dirigentes que foram incompetentes para salvar o planeta enquanto era possível". Não é incapaz!

Em outra seara, os fatos também estão esquisitos. O Bradesco já tem barcos para dar crédito aos indígenas na Amazônia. Não sou contra. Pelo contrário, acho o crédito essencial para o crescimento do Brasil, mas, que é esquisito, é. Até porque mal começou e já tem gente reclamando ― com certeza, os pequenos agiotas.

Caminhando pelas esquisitices, quero falar sobre os estranhos seres de Pandora, planeta fictício de um dos mais belos filmes que já assisti: Avatar.

Primeiro, o modo como James Cameron, diretor do longa, aborda temas sérios e reflexivos, em clima de ficção científica, com amor e seus sacrifícios, é sinérgico.

A caixinha de surpresa está mais para os sentimentos que o filme desperta junto com suas mensagens subliminares do que pelos estranhos animais que habitam Pandora.

Frases rápidas e ditas como pano de fundo falam sobre a cobiça humana, a escassez de riquezas materiais, o capitalismo e o papel do acionista nas empresas modernas.

Discussões como essas aparecem quando o gerente da empresa que banca o empreendimento extraterrestre topa matar os habitantes deste planeta a fim de conseguir minérios que valem bilhões de dólares. Vale um parêntese para comentar que este minério calharia bem ao Brasil: com ele é possível resolver o problema de energia da terra.

Quando o gerente resolve levar a cabo o sanguinário plano do general mercenário, a cientista eco-chata lhe apela para mudar de ideia. A resposta vem em forma de pergunta: e o que eu faço com os acionistas que bancam, inclusive, seu salário?

Tudo muito real e passado de tal forma que o espectador se comove e torce pelos estranhos animais desta terra desconhecida. Bem que eles precisavam de uma COP 15 para resolver o problema.

Mas não é só isso que o filme trata. Enquanto um padre anglicano prega para fiéis roubarem de grandes varejistas, porque o preço será repassado para os mais ricos mesmo (quanta decência, não?), o filme tenta demonstrar que destruir um povo por causa de suas riquezas não é exatamente certo e justo. E que a cobiça tem seu preço e seus efeitos negativos. No filme de Cameron os bonzinhos vencem, mas a história da humanidade não tem o mesmo registro.

Quando os espanhóis conquistaram o Império Inca, não só roubaram o ouro, mas também destruíram a civilização que vários historiadores taxam como uma das mais desenvolvidas para o seu período.

Mas o que mais me chamou a atenção no filme e que achei ao mesmo tempo genial, super estranho e aflitivo foi a rede com que todos os habitantes de Pandora conseguem se conectar uns com os outros, por meio de "fios" que saem do seu cabelo.

É como se todos tivessem entradas USB. A memória do povo é guardada por uma espécie de Deus. A inspiração deve ter sido a internet, mas não deixa de trazer uma reflexão: com a internet armazenando cada vez mais textos, informações, notícias, livros, ou seja, a cultura da humanidade, será um perigo se um dia isso for destruído por alienígenas que queiram roubar nossa terra.

Serão essas bases de informações o que deixaremos de mais sagrado para as próximas gerações? A resposta eu realmente não sei, mas o caminho, por enquanto, é este. Não precisaremos de extraterrestres para destruírem estas informações. Como dito no começo, o mundo está cada vez mais estranho e é bem capaz que os nossos líderes, privilegiando os países ricos, com a ganância natural do homem, junto com os acionistas e as novas formas de crédito, cheguem a um consenso: precisamos recontar a história para poder lucrar mais. Vamos destruir as informações (prática comum na antiguidade de domínio de um povo sobre o outro) para nos reinventar.

Só me resta terminar este texto copiando a plateia do filme: aplausos para o novo mundo!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 28/12/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
02. O Anvil e o amor à música de Rafael Fernandes


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky
01. Agonia - 18/10/2010
02. Palavra de Honra - 9/9/2013
03. Big Brother da Palmada - 9/8/2010
04. Plágio - 4/4/2011
05. Simplicidade ou você quer dormir brigado? - 31/5/2010


Mais Especial Futuro do Cinema
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/12/2009
12h20min
O mais intrigante nessas questões é a figura do homem ganancioso, que fica traduzida na imagem do europeu, que destruiu culturas e civilizações. Será que os INCAS fariam algo semelhante com os "europeus", se tivessem tempo? Será que é da natureza humana a ganância? Podemos generalizar dessa forma? Uma cultura que se sobrepõe à outra deve ser considerada mais desenvolvida?
[Leia outros Comentários de Miguel Lannes Fernan]
29/12/2009
10h15min
Ótimo, Dani. Veja que até mesmo o seu artigo é acompanhado nos dois lados por ofertas comerciais. Mas o que vale mesmo é ficar atento a como as coisas e as pessoas são. Nelson.
[Leia outros Comentários de Nelson]
28/1/2010
11h54min
Gostei do artigo. Assisti ao filme surpreendido pela sua beleza. O cenário é estonteante, as criaturas nos conquistam pela doçura, pela integridade. Apesar de longo, não senti cansaço. Fui preparado pra ver mais um panfleto americano - ele existe -, mas Avatar é mais que isso: uma obra de arte. E o artigo do Daniel comenta com competência essas peculariedades da obra de Cameron.
[Leia outros Comentários de Sebastião Aimone]
28/1/2010
14h39min
Devo dizer que nem pisquei durante o filme, e nem tinha grandes expectativas antes do início da sessão. Gostei muito do texto, realmente acho estranho que ao mesmo tempo em que formamos um estranho acervo cultural na internet, onde podemos acessar e incluir de tudo, ao mesmo tempo em que o mundo se torna cada vez menor em termos das facilidades de comunicação em todos os aspectos, parecemos estar cada vez mais desumanizados. A impressão é a de que todo mundo está tendo que tomar remédios para suportar esta crise de valores. Abraço!
[Leia outros Comentários de Arislane Straioto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sob as Cinzas do Tempo
Carlos A, Baccelli; Inácio Ferreira
Didier
(2009)



Tratado Teórico e Prático dos Contratos - Volume 4
aria Helena Diniz
Saraiva
(2002)



Forca Da Comunicacao
Frank M. Corrado
Makron Books
(1994)



Encruzilhadas da Liberdade
Walter Fraga Filho
Unicamp
(2006)



Breve Cartografia de Lugares Sem Nenhum Interesse
Marcilio França Castro
7Letras
(2011)



Princípio básico da felicidade
Masaharu Taniguchi
Seicho NO IE
(2012)



Arte Naïf: Adivinha o que é?
Edna Ande e Sueli Lemos
Edebê
(2017)



Auditoria da Qualidade dos Recursos Humanos - Teoria e Prática
Thadeu Do Couto
Qualitymark
(2022)



Mulheres solitárias enfrentando a realidade 310
Caio Fábio
Press Abba
(1995)



Calunga Tudo pelo Melhor
Luiz Antonio Gasparetto
Vida & Consciência
(1997)





busca | avançada
53897 visitas/dia
2,4 milhões/mês