Filosofia de boteco | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
>>> Em nome do caos
Mais Recentes
>>> Por Onde Andou Meu Coração de Maria Helena Cardoso pela Nova Fronteira/ RJ. (1984)
>>> O Brasileiro Perplexo de Rachel de Queiroz pela Edautor (1963)
>>> Se a Memória não Me Falha de Sylvia Orthof/ Ilustrações: Tato pela Nova Fronteira/ RJ. (1987)
>>> João Miguel de Rachel de Queiroz pela Siciliano/ SP. (1992)
>>> Maria Ruth de Ruth Escobar/ Prefácio: Hélio Pellegrino pela Guanabara/ RJ. (1986)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1982)
>>> Um Nome pra Matar (Prêmio Walmap) de Maria Alice Barroso/ Prefácio: Antonio Olinto pela Bloch editores (1967)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia- Roza pela Record/ RJ. (2001)
>>> Contos de Amor Rasgados de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> Uma Ideia Toda Azul (Sem manuseio) de Marina Colasanti pela Global/ SP. (2013)
>>> O Verde Brilha no Poço de Marina Colasanti/ Ilustr: Rogério Borges pela Melhoramentos (1990)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1986)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> Brava Gente Brasileira (Sem uso) de Marcio Moreira Alves pela Nova Fronteira/ RJ. (2001)
>>> O Milionario Instantaneo de Carolina Caires Coelho; Mark Fisher pela Figurati (2014)
>>> Scrum - a Arte de Fazer o Dobro na Metade do Tempo de Jeff Sutherland & J. J. Sutherland pela Leya (2014)
>>> Como Fracassar Em Quase Tudo e Ainda Ser Bem Sucedido de Scott Adams pela Figurati (2016)
>>> Contagem Regressiva de Alice Klesck; Alan Weisnan pela Leya (2014)
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
>>> Letras de exortação e reflexão para homens que se atrevem a ser cristãos de Dom Antonio Duarte S.R. pela Scortecci (2019)
>>> A Ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2002)
>>> Como investigar crimes com a ajuda Divina de Daniel Gomes pela Cpad (1999)
>>> O Diário de Um Mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Compendio de botânica de Paulo Benzzoni pela Itatiaia (1973)
>>> A Ditadura Derrotada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2003)
>>> O despertar do Buda de Vicente Blasco Ibanez pela Landy (2000)
>>> Católicos Perguntam de Estevão Tavarez Bettencourt ,Osb pela Mensageiros de Santo Antonio (1998)
>>> God Is Dead de Ron Currie Jr pela Penguin Paperbacks (2008)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Cia das Letras (1994)
>>> Novo Testamento de Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Sbb-Rao (1969)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela Circulo do Livro (1987)
>>> Filho de ninguém: dualismo e bastardia no romance "Dois imãos", de Milton Hatoum de Vera Ceccarello pela Luminária Academia (2016)
>>> Quando se pretende falar da vida de Francisco Candido Xavier ,Roberto Muskat,David Muszkat pela Grupo Espírita Emmanuel -Sociedade Civil (1984)
>>> Eu sou o Mensageiro de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/3/2002
Filosofia de boteco
Adriana Baggio

+ de 4200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O que faz a personalidade de um bar? Dá pra ter uma idéia do clima do lugar pelas pessoas que freqüentam, pela localização, pelas dicas de algum roteiro cultural, pelo boca-a-boca. Mas só dá pra saber se a personalidade do bar combina com a sua quando você entra e começa a interagir: com o ambiente, com o banheiro, com o garçom, com os outros freqüentadores. O que determina se você vai se sentir em casa ou não? Se você está pensando que bar não é um lugar para se sentir em casa, melhor parar de ler por aqui. Bares são lugares onde a gente precisa se sentir à vontade, como entre amigos, entre CDs, entre livros. Já fui em muitos bares com a sensação de ser penetra em uma festa. Pessoas nada a ver, ambiente nada a ver. Por outro lado, já me senti imediatamente à vontade em lugares dos quais não tinha nenhuma referência.

Essa última situação aconteceu com o Havana, aqui em João Pessoa. E olha que o começo não foi dos mais promissores. Era uma noite chuvosa. Chuva, por aqui, faz as pessoas ficarem em casa. Portanto, a quinta-feira, dai de boa freqüência no Baixo Tambaú, estava comprometida. Eram mais de 10 horas quando cheguei, e o bar estava vazio. Meia dúzia de gatos pingando se espalhavam entre as mesas altas, perto do balcão, as mesas baixas mais afastadas, e o próprio balcão. Escolhemos uma das mesas altas, com bancos altos também, daqueles que dão dor na perna por falta de apoio para os pés. O tampo é de mosaico de azulejos, formando um desenho abstrato geométrico qualquer, e a coluna que sustenta o tampo é envolta por feixes de galhos ou algo parecido. Todas as mesas são assim, as baixinhas também. O balcão com tampo de madeira é uma esquina, ou seja, tem dois lados onde a gente pode sentar. Para completar a decoração rústica, umas máscaras rituais na parede. Não entendi bem qual a relação com a capital cubana, mas deixa pra lá...

O lugar é escuro na medida certa. Tem luz generosa o suficiente para enxergarmos as outras pessoas, e tímida no ponto certo para proporcionar aquele clima de “à noite todos os gatos são pardos”. Já estava me sentindo completamente à vontade no Havana. Foi uma agradável surpresa encontrar Miller Genuine Draft no cardápio. Chamamos Saulo, o garçom, para providenciar a bebida. Aqui vale um aparte: é estrategicamente interessante fazer amizade com os garçons. Eles são os responsáveis pelo abastecimento da mesa, pela agilidade ao providenciar comidas e bebidas, e pelo controle de qualidade da temperatura da cerveja. Saulo é um amor, mas não é perfeito. Sua falta de experiência como garçom, fato que só vim a conhecer em outra ocasião, ficou patente. Pedi minha Miller com limão. Ele me olhou como se eu fosse louca, mas não falou nada. Voltou com a cerveja e um copo com limão e gelo. Olhei para Saulo com um certo desprezo, mas controlei minha língua a tempo, antes de explicar a diferença entre cerveja e coca light, essa sim, servida com gelo e limão. Educadamente tentei ensinar a ele como o limão deveria ser cortado e colocado na garrafa. “Você quer que eu traga o limão cortado aqui?” Não, darling, gostaria que você cortasse o limão em cruz e colocasse um dos gomos dentro da garrafa. “Dentro?” É, dentro. Fui até o bar, expliquei ao barman e eles providenciaram minha Miller conforme a encomenda. Pode tirar o copo, tomamos no gargalo mesmo. Faltou o guardanapo no long neck da cerveja, mas essa aula acabou ficando para outro dia.

Depois dessa, Saulo ficou nosso amigo e todas as cervejas vieram devidamente servidas com limão. A essas alturas eu já me sentia como em casa de amigos muito íntimos. O Havana tem um clima que faz com que seja fácil conhecer pessoas, e o melhor, pessoas interessantes. Quem estava lá não era necessariamente bonito, bem vestido, com ar inteligente, ou outro aspecto superficial que pudesse despertar o interesse à primeira vista. Mas todo mundo – homens e mulheres - tinha algo que fazia a gente ter vontade de conversar. E não sei se pela arrumação das mesas, ou pelo balcão acolhedor, mas essas conversas acabavam acontecendo facilmente. O que deu pra perceber é que o Havana deve ser um ponto de reunião dos exilados da cidade. Em duas noites, conhecemos um paulista, dois cariocas, dois franceses.

A noite foi tão boa e agradável que voltamos no sábado. Neste dia a freqüência já estava um pouco diferente. Mais quantidade, uma ligeira alteração na qualidade, mas isso acontece aos sábados em muitos lugares. Fomos recebidos por um caloroso “oi” de Saulo, o garçom. Vi que ele estava especialmente ocupado naquela noite, e fui buscar minha cerveja diretamente no balcão. Na verdade, adoro balcões de bar, e esse foi o pretexto para ir até lá. Encostei na madeira escura e nem deu tempo de abrir a boca. “Miller com limão”?, perguntou o barman. É isso aí, moço!

Nesse dia achei que Saulo estava preparado para segunda aula de como servir cerveja. Expliquei a ele que é importante ter um guardanapo para segurar a garrafa, porque com o calor a condensação acontece muito rápido, os dedos ficam molhados e a garrafa pode escorregar. “Você faz assim, ó: pega o guardanapo, dobra no meio na diagonal e coloca em volta do pescoço da garrafa. Junta as duas pontas e dá uma torcidinha, para o guardanapo não cair. Pronto! Agora é só segurar a garrafa pelo pescoço, para que a cerveja não esquente muito rápido.” Saulo ficou me olhando embasbacado, e mais uma vez não falou nada. Vai entender os garçons... Mais tarde ele disse que dava pra conquistar qualquer homem com aquela aula de como colocar o guardanapo na garrafa. Não entendi bem o porquê, mas vou guardar a informação e testar quando for o caso.

Faltou falar do banheiro, um item de fundamental importância na classificação de um bar, ainda mais para mulheres que bebem cerveja. O toalete do Havana é muito simpático. Tem uma espécie de saguão com pias e espelho coletivo. Do lado esquerdo ficam os reservados, um de cada cor: primeiro o vermelho, depois o amarelo e por último o azul. Os mais obtusos escolhiam o vermelho ou o azul, dependendo da noção que cada um tem de identificação de gênero, mas evitavam o amarelo do meio. O legal é que não tem aquela fila interminável no banheiro das mulheres enquanto o dos homens fica vazio. Como todos são, por assim dizer, unissex, a rotatividade é maior e quase não há fila.

Enfim, chegou a hora da saideira, expulsadeira, terminadeira. De volta ao balcão, outro barman perguntando: “Miller com limão?”. Não, meu querido, um guaraná light com laranja e gelo. Chega de cerveja por hoje. Com esse eles não tiveram problemas. Assim, o guaraná foi o acompanhamento dos meus últimos momentos no Havana. Enquanto o refrigerante descia e o sono começava, percebi que só nosso grupo estava no bar. Até Saulo já estava se preparando pra ir embora. Os barmans lavavam copos. Invadi a parte de dentro do balcão para trocar o CD e levei uma amável bronca de Fred, o dono. Batíamos papo com o barman, com o DJ, com o garçom. Até ganhamos flores feitas de guardanapo! Ah, se os homens soubessem como as mulheres se derretem com essas gentilezas... Mas isso é outro papo.

Tentei convencer meus amigos que o pessoal do bar queria ir embora, que nós éramos uns malas-sem-alça por ficar até aquela hora enchendo o saco deles. Não consegui persuadir ninguém, e saí sozinha. Não uso mais relógio desde que os meus quebraram, por isso não tinha idéia da hora. Só sei que lá fora a luz do dia bateu no meu rosto com a força da realidade. Pelo menos não tinha sol. Um céu cinza previa um dia mais calmo, introspectivo, e egoisticamente eu torci para que chovesse. Olhei para os que ainda estavam na rua àquela hora. Endireitei a coluna, fiz a cara mais digna e sóbria que pude e caminhei majestosamente para o carro, batendo os saltos no asfalto e passando incólume por entre os restos da noite de sábado. Apesar de tudo parecer um pouco sórdido a essa hora, é bacana ver como as pessoas que sobrevivem à noitada se olham como cúmplices: enquanto os normais estão nas suas camas, na última e melhor parte do sono, nós estamos aqui, terminando nossa noite. Fui dormir feliz. A última coisa que vi foram os numerozinhos vermelhos mostrando que faltavam 15 minutos para as seis da manhã. Boa noite, João Pessoa.


Adriana Baggio
Curitiba, 14/3/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait
02. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
04. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti
05. Canadá, de Richard Ford de Celso A. Uequed Pitol


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/3/2002
18h09min
Dois sentimentos me assaltam ao final desse simpático texto da Adriana..primeiro, a curiosidade, que desde já alimenta a vontade de conhecer o citado barzinho paraibano. E depois, ou misturado a isso, uma boa dose de surpresa-decepção..não pela descrição do bar, pelos comentários procedentes sobre o banheiro feminino, ou a ode aos balcões de bar, cuja admiração compartilho. O que me deixou passado, incrédulo e em dúvida sobre a sanidade da autora foi a parte etílica. Será que estava falando sério mesmo quando falou da alegria em descobrir que no tal bar havia Miller (ainda mais genuine e , pasmem ,draft !)..e, logo adiante, ao pedir o tal líquido gazoso amarelado que eles vendem como cerveja (certamente não ouviram falar das tchecas, Staropramen à frente, das tantas belgas, como Delirium tremens ou Stella Artois, ou até mesmo das nossa Bohemia, Antarctica pilsen extra..isso pra não falar de chopes..). Pra completar , a escriba ainda teve a pachorra de pedir um quarto de rodela de limão ao coitado do garçom ..!! aí eu pergunto, pra que essa mexicanização boba de tãonobre líquido, com raízes , dizem, no Egito antigo..? pra que estragar uma cerveja que já não é lá essas coisas..? e por que tratar esse nefasto hábito como um sinal de bom gosto moderno ? enfim, dúvidas que me assaltam e só poderiam ser dirimidas numa mesa, com muita cerveja boa, e sem limão. Nada pessoal.
[Leia outros Comentários de Marcelo Lins]
15/3/2002
18h06min
Caro Marcelo Em primeiro lugar, obrigada pelos seus comentários. Posso perceber, por eles, que você talvez entenda um pouco de cerveja, mas não entende nada do país onde mora (considerando que você viva no Brasil..). Aqui em JP é difícil encontrar alguma marca de cerveja que seja um pouquinho diferente do tradicional, e Miller encontra-se entre elas. Não venha me falar de cervejas tchecas. Quanto às nacionais que você citou, aqui existem sim, mas reservo-me o direito de gostar de Miller: fraca, refrescante. Quanto ao limão, porque mexicanização boba? Provavelmente você não acha que servir tão nobre líquido gelado seja um brasilização boba, não é mesmo? Por que se formos entrar no mérito da maneira que se toma cerveja, vamos encontrar hábitos diversos em diferentes países... Por último, não acho que seja de bom ou mau gosto tomar a cerveja com limão. É o meu gosto, e é uma maneira comum de servir a cerveja, não deveria parecer estranha ao pessoal do bar. O que me incomoda um pouco são atitudes pernósticas em relação a uma manifestação de gosto, que como você sabe, não se discute. Talvez suas dúvidas tenham sido dirimidas aqui neste espaço. Mas se um dia surgir a oportunidade, posso tentar explicar melhor o que falei acima em uma mesa de bar. Tome a cerveja que você quiser. Eu vou tomar a minha Miller com limão, dá licença?:)
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTRATÉGIA, CULTURA E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS
ALBERTO DE FREITAS
ELSEVIER
(2016)
R$ 56,00



VARIÁVEIS COMPLEXAS
MURRAY R. SPIEGEL
MCGRAW HILL DO BRASIL
(1972)
R$ 69,00



REVISTA CAPIXABA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA - A. 6 Nº10 (681)
DIVERSOS
IFTAV/FSV
(2008)
R$ 18,00



AVALIAÇÃO E APRENDIZAGEM COM O MOODLE
ANA JÚLIA VIAMONTE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00



CULTURA E DEMOCRACIA VOLUME 2
CELSO DE RUI BEISIEGEL E OUTROS
FUNARTE
(2001)
R$ 16,28



SELEÇÕES DO READERS DIGEST ABRIL DE 1954
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1954)
R$ 10,00



SANTOS
RICARDO LUIZ DE SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



CABEÇA DE HUGO CHAVEZ
FLAVIO BRAGA (APRESENTAÇÃO LUIZ COSTA LIMA)
ROCCO
(2011)
R$ 10,00



O EVANGELHO DE COCO CHANEL
KAREN KARBO E CHESLEY MCLAREN
SEOMAN
(2010)
R$ 20,00
+ frete grátis



GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUÊSA - CURSO SUPERIOR
SILVEIRA BUENO
SARAIVA
(1963)
R$ 5,00





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês