Brasil brochou na Copa | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Copa 2014

Terça-feira, 15/7/2014
Brasil brochou na Copa
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4200 Acessos

A derrota foi vergonhosa. Humilhante. Arrasadora. Não se deveria esperar diferente, embora todo brasileiro iludido carregasse a certeza de que aconteceria o contrário. Essa derrota explica muito do atual rumo do futebol brasileiro e, mais do que isso, explica o próprio Brasil que se tem (auto)construído como ilha da fantasia desde sempre.

O princípio da realidade não é o forte do Brasil, como pudemos ver depois da derrota de 7 a 1 para a Alemanha. O brasileiro me lembra daquele sujeito que não estudou para o concurso, ficou na vadiagem, mas que tem esperança absoluta de que vai passar. Não dá outra: o princípio da realidade, como uma luva pesada e dolorosa, o atinge em cheio, levando-o a nocaute. Acabou reprovado.

O time brasileiro esteve mal durante toda a Copa, ganhando sofregamente de times que iam de médio a pequeno desempenho. Suou para vencer os fracos. Estava revelada a verdade: assim que encontrássemos um time de peso, como foi o caso da Alemanha, seríamos duramente derrotados. Não deu outra.

A escalação foi equivocada, a qualidade da maioria dos jogadores duvidosa, salve-se um ou outro, que se esforçou para nada quando enfrentou a gloriosamente vitoriosa Alemanha. Só um cego ultranacionalista não via o equívoco da escalação do "professor" Felipão e seu medíocre esquema tático.

O que de fato aconteceu foi a vitória da razão sobre a ginga. O time espartano, pragmático (?), racionalista, preparado a fogo e aço, como o alemão, se sobrepôs à ideologia ultrapassada da expertise brasileira. Não dá mais para cavar faltas, o que, aliás, soou anti-ético ao time alemão, assustado com essa prática vergonhosa dos brasileiros de querer ganhar com a lei do "tirar vantagem em tudo", propagada pelo famigerado ex-jogador Gerson. As já famosas quedas mentirosas de nossos jogadores, com nossos pênaltis e faltas cavadas na malandragem, começam a nos envergonhar diante de um esporte que exige ética na sua prática.

Com a globalização da economia, da cultura e da informação não adianta mais tentar se manter o modelo fazenda-quintal. Não adianta gingar no vazio, com o papai Felipão (e a mídia que coroa um jogador meia boca como o Neymar) que leva todo o time a uma prática puramente emocional e infantil, quando nossos oponentes constroem com suas práticas rigorosas, com seus traçados táticos práticos e racionais, o caminho que é o da vitória. Seus resultados serão, assim, sempre positivos, enquanto nadamos no reino da fantasia narcísica de uma "potência criativa espontânea" ― que se revelou inútil, senão infame, nessa partida com a seleção alemã.

Eis o Brasil, país das esperanças fantasiosas, de onde até Deus foi gerado, e do qual somos os habitantes de uma geografia parecida com o reino dos céus, da felicidade, da não-repressão (como cantada por Oswald de Andrade no seu ingênuo Manifesto Antropofágico), da criatividade livre e da "virtude" pré-civilizatória. Nossa verdade tropical funciona no reino dos sonhos, mas torna-se uma decepção quando confrontada com a realidade.

A derrota do Brasil foi boa, exemplar, educativa. Cortou o coração dos brasileiros, mas também boa parte de sua ingenuidade que despencou montanha abaixo. O país da bunda, dos cervejeiros, da alegria e, no caso que nos interessa aqui, da seleção, tratada como "família" e não empresa, teve seu cordão umbilical cortado na marra. (Ou será que ainda não?)

Tudo mudou no reino do esporte no Brasil. Antes o futebol era o esporte dos pobres, de "gente da periferia", que tinha como único lazer, que poderia ser pago por seu salário de fome, assistir aos jogos nos fins de semana. Agora o público (e o esporte) se elitizou. A cor da plateia mudou, o preço dos ingressos salgou, sendo sequestrado o único (e último) prazer coletivo que restava aos "vencidos da história". Longe dos teatros, dos concertos, dos shows internacionais, da educação de qualidade, do sistema de saúde eficiente... Poderia ainda se iludir com a ideologia de grupo, que faz da vitória do seu time a vitória ilusória ao menos em alguma coisa nessa vida mínima de perdedores. A Copa veio revelar esse novo estado do capital: os ricos monopolizaram a maior festa popular do Brasil, como já fizeram com o Carnaval. E o povo assiste, de fora, embasbacado, sua nova condição de excluído.

No entanto, é difícil desfazer-se de ilusões. A ideologia da identidade do povo, ligada ao amor pelo futebol brasileiro, à defesa do nosso estado de "preguiça criativa" (onde o criativo está, ainda estamos esperando por ver), precisa de mais porrada para fazer acordar a consciência entorpecida de nosso país. Essa pancada veio agora, bem dada, certeira, levando nosso narcisismo a se arrastar da lama da depressão.

Para que serve uma derrota como a que assistimos? Que nos faça ver que nossos melhores jogadores não são mais nossos. São do capital, do lucro internacional, de quem pode pagar por quem vai multiplicar seu lucro estratosfericamente. Que nos alerte para o fato de que a ginga está com seus dias contados, que a profissionalização (de todos os setores do sistema) é necessidade mínima de sobrevivência no mundo do capital. Que não basta acreditar, mas fazer por merecer. Que não basta ter o diploma e a festinha de formatura, é também necessário dominar o conteúdo da matéria.

Que será assim, ou será pior, pois quem domina o capital, como ensinou Marx, domina as ideias. E capturada nossa subjetividade, capturada está nossa alma e nossa força de trabalho e colonizada nossa riqueza. Que se aprenda isso... que se mude ou se mude o sistema. Mas para isso é preciso que se faça uma revolução.

O futebol no Brasil é uma questão para ser pensada sociologicamente, antropologicamente, mas também psicanaliticamente. Altera nossa razão os afetos que nos envolvem quando nossos times estão em campo. Esses afetos não são naturais, não são puramente uma vivência da experiência lúdica. São fruto de um controle social que passa pela dimensão em que experimentamos a violência, a injustiça, a frágil democracia brasileira. Buscamos vencer no campo da ilusão aquilo que perdemos no campo do real.

Futebol: campo de guerra, válvula da panela de pressão, comércio de corpos e almas. Fábrica de falsos heróis, que existem não com o símbolo do Superman no peito (hipotético protetor dos oprimidos), mas de marcas comerciais poderosas.

Quando perdemos no campo da ilusão, que realidade nos sobra?


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 15/7/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ação Social de Ricardo de Mattos
02. Momento ideal & conciliação de Ana Elisa Ribeiro
03. Pantanal de Marilia Mota Silva
04. O gosto da cidade em minha boca de Elisa Andrade Buzzo
05. Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2) de Diogo Salles


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


Mais Especial Copa 2014
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




KUNDALINI UMA EXPERIENCIA OCULTA
G. S. ARUNDALE
PENSAMENTO
(1993)
R$ 44,00



A LEI DO CÃO
LUIZ PHILIPPE FLORENCE BORGES
DESCONHECIDA
(1984)
R$ 10,00



UM MOMENTO, UMA MANHÃ
SARAH RAYNER
ONYRIA
(2015)
R$ 14,00



A DANÇA DOS DRAGÕES - AS CRÔNICAS DE GELO E FOGO
GEORGE R. R. MARTIN
LEYA
(2014)
R$ 24,90



AGAPE
PADRE MARCELO ROSSI
GLOBO
(2010)
R$ 6,00



LIVRO QUEBRA-CABEÇA - PINÓQUIO
EQUIPE BLU
BLU
(2019)
R$ 29,00



LOS JUEGOS SEXUALES DE LOS NIÑOS
NICOLE DALLAYRAC
GRANICA
(1974)
R$ 40,00



GRAMÁTICA FUNDAMENTAL 3
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(2014)
R$ 20,00



VIRANDO MULHER VIVENDO MELHOR
M. LUISA ELUF
CEVAM
R$ 9,00



HISTORIA DAS IDEIAS POLITICAS VOLUME II
MARCEL PRÉLOT E GEORGES LESCUYER
PRESENÇA
(2001)
R$ 54,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês