Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
46447 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
>>> O Pequeno Príncipe in Concert
>>> Estreia da Orquestra Jovem Musicarium ocorre nesta quarta, dia 21, com apresentação gratuita
>>> Banda Yahoo se apresenta na Blue Note SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
>>> HORA MARCADA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 14 de Outubro #digestivo10anos
>>> Scott Henderson, guitarrista fora-de-série
>>> O primeiro parágrafo
>>> O prazer da literatura em perigo
>>> Aulas de filosofia on-line
>>> Mezzo realidade, mezzo ficção
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Esquema Dilma opta por Russomano
>>> Chiaroscuro
>>> Internet e Videocasts
Mais Recentes
>>> Criando Filhos em Tempos Difíceis (capa. dura) de Dr Benjamin Spock pela Círculo do Livro (1976)
>>> A Investigação (capa. dura) de Dorothy Uhnak pela Círculo do Livro (1981)
>>> A Arte de Educar de Flávio Gikovate pela Nova Didática (2001)
>>> Zugaib Obstetrícia de Marcelo Zugaib pela Manole (2012)
>>> Educação Para o Trabalho no Ensino de 1º Grau - série ensino fundamental 16 de Ministério da Educação e Cultura pela Departamento Comunicação (1976)
>>> Colposcopia - Patologia e Tratamento do Trato Genital Inferior de Adhemar Longatto Filho pela Revinter Ltda. (2002)
>>> Livro História Geral A Enxada e a Lança a África Antes dos Portugueses de Alberto da Costa e Silva pela : Nova Fronteira (2006)
>>> A Saúde da Mulher baseada em Evidências de Adriana Bittencourt Campaner et al. pela Limay (2019)
>>> Livro História Da Pedagogia de Franco Cambi pela Unesp (2024)
>>> Livro História Geral Teorias da Historia de Patrick Gardiner pela Calouste Gulbenkian
>>> Livro História Geral Colapso Como as Sociedades Escolhem o Fracasso Ou o Sucesso de Jared Diamond pela Record (2005)
>>> Livro Capa Dura História Geral 365 Dias Que Mudaram o Mundo de Não Encontrado pela Planeta do Brasil (2014)
>>> Ginecologia de Manoel João Batista Castello Girão pela Manole (2009)
>>> Livro Economia de Paul e Ronald Wonnacott pela Willey (1994)
>>> Livro Saúde Manual de Medicina Legal de Delton Croce e Delton Croce Filho pela Saraiva (1998)
>>> Mal dos Séculos: o melhor da literatura clássica brasileira e tiras de Álvares de Azevedo-Luiz Gê pela Melhoramentos (1988)
>>> Livro Comportamento O Investidor Inteligente de Benjamin Graham pela Harper Collins (2017)
>>> Livro Capa Dura Literatura Estrangeira La Fiesta del Chivo de Mario Vargas Llosa pela Alfaguara
>>> Livro Literatura Estrangeira Musashi Volume 1 de Eiji Yoshikawa pela Liberdade (1999)
>>> O Desafio do Pantanal de Silvia Cintra Franco pela Ática (1991)
>>> Vogue The Shoe de Harriet Quick pela Conran (2018)
>>> Endocrinologia Feminina e Andrologia de Ruth Clapauch pela AC Farmacêutica (2012)
>>> Livro Literatura Estrangeira Musashi Volume II de Eiji Yoshikawa pela Estação Liberdade (1999)
>>> Livro Literatura Brasileira Casa-grande, Senzala de Joaquim Pedro de Andrade pela Aeroplano (2001)
>>> Livro Linguística Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa de Não Encontrado pela Global (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 20/6/2002
Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
Adriana Baggio
+ de 12100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Era uma vez um médico da corte, que queria que seu filho também fosse médico. Mas esse filho apaixonou-se por uma acrobata de circo e abandonou o prestígio e a glória do convívio com reis e rainhas para fundar seu próprio circo. Ele teve uma filha, que se casou com o clown, e eles tiveram um filho e uma filha. O filho casou-se com a estrela do cabaré, e eles tiveram uma filha, que queria entrar para o convento, mas o pai não deixou. Ela então tatuou a Via Sacra em seu ventre, e seu marido não teve mais desejo por ela. Mas outro homem, ateu, violou a mulher tatuada, e depois morreu. Do estupro nasceram duas gêmeas, puras e virgens, que de tão boas e de alma tão leve dançam, não, flutuam, e deslocam os membros, como se não fossem delas...

Essa é a história que, 20 anos depois da estréia, O Grande Circo Místico volta para contar. O roteiro original de Naum Alves de Souza, baseado no poema de Jorge de Lima, com músicas de Chico Buarque e Edu Lobo, tem origem na verdadeira história do Circo Knie da Áustria, cuja dinastia preserva até hoje as tradições da arte dos saltimbancos. O Grande Circo Místico foi criado especialmente para o Balé Teatro Guaíra, de Curitiba, em 1982. Foi um dos grandes momentos da companhia. E eu estava lá, naquele início da década de 80. Tinha 8 anos, e não dormi, ao contrário do que aconteceu durante o Lago dos Cisnes, que eu vi mais ou menos na mesma época.

Apesar de não lembrar de muita coisa, a magia do espetáculo ficou para sempre. Mas de um detalhe eu recordo bem: ganhamos um botton, com um desenho estilizado de um circo, que guardei por muito tempo, mas que acabou se perdendo. Enfim, a imagem mais nítida que eu tenho da montagem de 1982 é estática. A possibilidade de rever O Grande Circo Místico envolvia mais do que uma oportunidade estética, de lazer ou sei lá o quê. Era a chance de reviver um pedaço da minha infância, de um dia que foi especial para mim, do qual não consigo lembrar das imagens, mas resgato, sem nenhuma dificuldade, os sentimentos que me envolveram naquela época. Quantas pessoas têm a oportunidade de reviver os melhores momentos de suas vidas?

O espetáculo já começava fora do teatro. Artistas faziam estripulias na rua que separa o Guaíra da Praça Santos Andrade. As pessoas que, normalmente, nesta hora, estão voltando para casa entediadas, desiludidas e cansadas, puderam tirar uma casquinha da beleza do espetáculo no caminho entre o trabalho e um desolador ponto de ônibus. A promessa de uma noite mágica transparecia através dos vidros do teatro. As pretensas suntuosas escadarias do teatro, nas quais muitos longos e saltos já se enroscaram, estavam todas enfeitadas com coloridas e prosaicas bexigas. Chegando no saguão, fantasticamente iluminado e decorado, percebi que não era apenas eu que tinha a oportunidade de reviver uma época mágica e feliz. O dia da estréia reuniu pessoas que eram ligadas ao Teatro Guaíra 20 anos atrás. Pessoal da parte administrativa, atores, bailarinos, famosos e anônimos, alguns ainda na classe artística, outros que saíram dessa vida, políticos e vips. Me senti menina novamente, sendo apresentada para senhores e senhoras que me chamavam de bonitinha, que arrulhavam exclamações do tipo "como cresceu!". Só faltou mesmo apertarem minhas bochechas. Sem saída, desisti da pose adulta-culta-e-madura e assumi a volta no tempo. Eu era criança novamente, e podia me encantar com o espetáculo sem ter que parecer crítica, exigente ou enfastiada.

E encantamento é o mínimo que a gente sente vendo a nova montagem d´O Grande Circo Místico. A coreografia é de autoria do argentino Luis Arrieta. Segundo me disseram, é completamente diferente da versão de 1982. O coreógrafo inovou. Passos que lembram o balé clássico se misturam com dança moderna, acrobacias, balé aéreo (com um dedo de Dani Lima) e recursos avançados, como partes do palco que sobem ou descem. Um movimento recorrente na coreografia me deixou hipnotizada. Os bailarinos mexem o pescoço e depois o quadril, como se o corpo fosse uma rosca, um saca-rolhas. Que angústia tentar explicar um movimento com essa ferramenta tão estática que é a palavra!

Os cenários são móveis, e os bailarinos interagem com barras, plataformas e faixas coloridas que descem das alturas do palco, como se esses pedaços de ferro, tecido e madeira fizessem parte do corpo de baile. Os figurinos às vezes são coloridos, às vezes neutros, mas são fundamentais para contar a história. Alguns são brilhantes como fantasia de escola de samba, outros parecem a própria pele dos bailarinos.

A música é uma atração à parte. O Grande Circo Místico talvez seja mais famoso pelas composições do que pelo espetáculo em si. Muita gente fungou na hora de "Beatriz", na voz de Milton Nascimento, no momento em que o filho do médico conhece a acrobata do circo. Outro momento marcante é a descrição das bailarinas, aquelas que não têm pereba nem chulé, com "Ciranda da Bailarina". Mas a música mais legal é a "História de Lily Braun", na voz de Gal Costa, que conta a decepção da moça do cabaré com o casamento.

Como em um picadeiro, acontece tanta coisa ao mesmo tempo que a gente não sabe direito para onde olhar. Seria preciso assistir o espetáculo duas, três, quatro vezes, para não perder nenhum detalhe. Para aproveitar tudo que O Grande Circo oferece, o ideal é conseguir o programa antes do espetáculo. Essa foi uma das poucas falhas que percebi no evento. O material só esteve disponível para o público no intervalo. Uma pena, porque além de informações importantes para a compreensão da montagem, o programa também é graficamente belíssimo. E para não soar muito ufanista, sou obrigada a dizer que o balé do Teatro Guaíra apresentou uma pequena deficiência técnica. Às vezes os bailarinos não conseguiam suportar com o devido equilíbrio algumas posições mais exigentes. Nada que prejudique a beleza do espetáculo. Talvez seja um aspecto que precise ser melhorado, talvez seja apenas o nervosismo na estréia. E para encerrar a sessão defeitos, uma última crítica: o Teatro Guaíra não está preparado para receber o grande público com vontade de fazer xixi. O banheiro feminino ficou lotado durante todo o intervalo, e até a primeira-dama do estado teve que enfrentar a fila. Nessas horas, todo mundo é igual...

Noite de estréia pede uma recepção para os convidados após a apresentação. E já que o espetáculo era de circo, o saguão do teatro foi transformado em algo próximo a uma quermesse de igreja. Garçons passavam com refrigerantes e taças de ponche saindo fumacinha. Para comer, maçãs-do-amor, pipoca, algodão, sanduichinhos e pirulitos coloridos. A noite terminou da mesma maneira que começou: alegre e nostálgica, como tudo que se relaciona com o circo. Não era meia-noite, minha fantasia infantil ainda não tinha virado abóbora. Antes de sair, peguei um pirulito, uma maçã-do-amor, uma bexiga amarela e pipoca. Sem poder lidar com tudo aquilo com apenas duas mãos, fiz como toda criança: dei a maior parte para meu pai segurar e me atraquei na pipoca com saquinho estampado de palhacinhos.

Depois da estréia em Curitiba, O Grande Circo Místico segue em turnê pelo Brasil.

São Paulo - 21 a 23 de junho - Teatro Alfa
Rio de Janeiro - 27 a 29 de junho e 4 a 6 de julho - Teatro Odylo Costa Filho
Recife - 12 e 13 de julho - Teatro Guararapes
Salvador - 19 a 21 de julho - Teatro Castro Alves
Brasília - 26 a 28 de julho - Teatro Nacional
Belo Horizonte - 3 e 4 de agosto - Palácio das Artes


Adriana Baggio
Curitiba, 20/6/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
03. Dos sentidos secretos de cada coisa de Ana Elisa Ribeiro
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos de Humberto Pereira da Silva
05. Preconceitos de Daniel Bushatsky


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Querido, eu me rendo - 2/5/2002
05. Homens, cães e livros - 15/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/6/2002
14h05min
Genial Adriana. Assino embaixo de suas impressões sobre aquela noite mágica porque tive a sorte de estar lá também. Tomara que as outras cidades brasileiras aproveitem tanto quanto nós paranaenses, que devemos ter orgulho de nosso Ballet Guaíra. Abraços.
[Leia outros Comentários de Anelise]
21/6/2002
15h57min
Obrigada, Anelise! Realmente, O Grande Circo Místico, para a gente, tem um sabor todo especial!
[Leia outros Comentários de Adriana]
24/6/2002
11h15min
Adriana, Depois de ler seu texto, me apressei em reservar um ingresso pra ver "O Grande Circo Místico" aqui em São Paulo. E tudo que vc disse, eu pude confirmar pessoalmente. Tudo tão lindo, tão perfeito que a gente fica achando que é fácil dançar, fica com vontade de sair dando piruetas por aí! Olha, tive que me segurar pra não fugir com o circo...*s*. Beijos, Obrigada pela dica, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
24/6/2002
20h12min
Obrigada pelo comentário, Ana! Fico muito feliz que você tenha gostado. Realmente, dá vontade de sair dançando, de ter o corpo elástico como o deles, para fazer aqueles movimentos incríveis. Já imaginou que delícia deve ser escorregar por aquelas faixas coloridas?
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Totalmente Amável
Ardis Dick Stenbakken
Casa Publicadora Brasileira
(2016)



Mobilização Social
José Bernardo Toro e Nísia Maria Duarte Werneck
Autêntica
(2007)



Livro História Geral An Introduction to Greek Tragedy
Ruth Scodel
Cambridge
(2010)



Como Educar Seus Pais
Obrigado Esparro
Objetiva
(2001)



Bençãos de Outono 2022 Capa Dura Gospel
R. R. Soares
Graça
(2021)



A mulher que escreveu a Bíblia
Moacyr Scliar
Companhia das Letras
(2003)



Cleophas e seus Milênios
Renato Benevides
Revan
(2006)



Marketing Basico: uma Perspectiva Brasileira
Marcos Cobra
Atlas
(1985)



O Cronista da América
Francis Ford Coppola
Voa
(2015)



Métodos e Técnicas de Pesquisa Em Turismo
Ada de Freitas Maneti Dencker
Futura
(1998)





busca | avançada
46447 visitas/dia
1,8 milhão/mês