Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A primeira batalha do resto da guerra
>>> Metal for babies, o disco
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Sidney Lumet, invisível
>>> Bananalização
>>> Como começar uma carreira em qualquer coisa
>>> Pensando em você
>>> 7 de Setembro
>>> Sombras Persas (III)
>>> Crônica do Judiciário: O Processo do Sapo
Mais Recentes
>>> Anais da Academia Fluminense de Medicina 1974-19981 de Comissão dos Anais pela Academia Fluminense de Medicina (1998)
>>> Cozinha de Montanha de Alda Maria de Oliveira pela Fross (2021)
>>> El Problema del Conocimiento IV de Ernst Cassirer pela Fondo de Cultura Económica (1993)
>>> Crônicas do Rio de Raul Pompéia pela Secretaria Municipal de Cultura, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural (1996)
>>> A Jornada de uma Mulher ao Coração de Deus de Cynthia Heald pela Candeia (2000)
>>> Histórias de Mulheres de Rosa Montero pela Agir (2008)
>>> Cinquenta Tons de Liberdade de E. L. James pela Intrínseca (2012)
>>> O Fim de Lemony Snicket pela Companhia da Letras (2007)
>>> Revista da Academia Fluminense de Letras - Volume XVI de Edmo Rodrigues Lutterbach, Eneida Fortuna Barros, Gracinha Rego e Neide Barros Rêgo pela Academia Fluminense (2005)
>>> A Gruta Gorgônea de Lemony Snicket pela Companhia da Letras (2005)
>>> O Penúltimo Perigo de Lemony Snicket pela Companhia da Letras (2006)
>>> Revista da Academia Fluminense de Letras - Volume XIV de Albertina Fortuna, Alberto Tôrres, Carlos Maul e Salomão Cruz pela Academia Fluminense (1970)
>>> Segredos do Altar de Romualdo Panceiro pela Universal (2002)
>>> Trilogia Millennium de Stieg Larsson pela Companhia das Letras (2009)
>>> Deixados Para Trás: uma ficção dos últimos dias de Tim LaHaye e Jerry B. Jenkins pela United Press (1997)
>>> Quitutes Salgados para Festas - Coleção Delícias da Cozinha 6 de Luciane Pimentel pela Julho
>>> Arte da Confeitaria Especial Entremet 4 - Bolos de Vidro de Rosely Ribeiro pela Minuano
>>> Mitologias de Roland Barthes pela Difel (1985)
>>> Cineastas e Imagens do Povo de Jean-Claude Bernardet pela Brasiliense (1985)
>>> Os Parceiros do Rio Bonito: Estudo Sobre o Caipira Paulista e a Transformação dos Seus Meios de Vida de Antonio Candido pela Edusp (2017)
>>> Por uma sociologia pública de Ruy Braga; Michael Burawoy pela Alameda (2009)
>>> A ética protestante e o "espírito" do capitalismo de Max Weber pela Companhia das Letras (2004)
>>> Configuração do Windows 7 - Kit de Treinamento de Ian McLean e Orin Thomas pela Bookman (2011)
>>> A Revoada dos Galinhas Verdes: Uma História da Luta Contra o Fascismo no Brasil de Fúlvio Abramo pela Veneta (2014)
>>> Orientações e Ações para a Educação das Relações Étnico-Raciais de Ministério da Educação pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 20/6/2002
Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
Adriana Baggio

+ de 10200 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Era uma vez um médico da corte, que queria que seu filho também fosse médico. Mas esse filho apaixonou-se por uma acrobata de circo e abandonou o prestígio e a glória do convívio com reis e rainhas para fundar seu próprio circo. Ele teve uma filha, que se casou com o clown, e eles tiveram um filho e uma filha. O filho casou-se com a estrela do cabaré, e eles tiveram uma filha, que queria entrar para o convento, mas o pai não deixou. Ela então tatuou a Via Sacra em seu ventre, e seu marido não teve mais desejo por ela. Mas outro homem, ateu, violou a mulher tatuada, e depois morreu. Do estupro nasceram duas gêmeas, puras e virgens, que de tão boas e de alma tão leve dançam, não, flutuam, e deslocam os membros, como se não fossem delas...

Essa é a história que, 20 anos depois da estréia, O Grande Circo Místico volta para contar. O roteiro original de Naum Alves de Souza, baseado no poema de Jorge de Lima, com músicas de Chico Buarque e Edu Lobo, tem origem na verdadeira história do Circo Knie da Áustria, cuja dinastia preserva até hoje as tradições da arte dos saltimbancos. O Grande Circo Místico foi criado especialmente para o Balé Teatro Guaíra, de Curitiba, em 1982. Foi um dos grandes momentos da companhia. E eu estava lá, naquele início da década de 80. Tinha 8 anos, e não dormi, ao contrário do que aconteceu durante o Lago dos Cisnes, que eu vi mais ou menos na mesma época.

Apesar de não lembrar de muita coisa, a magia do espetáculo ficou para sempre. Mas de um detalhe eu recordo bem: ganhamos um botton, com um desenho estilizado de um circo, que guardei por muito tempo, mas que acabou se perdendo. Enfim, a imagem mais nítida que eu tenho da montagem de 1982 é estática. A possibilidade de rever O Grande Circo Místico envolvia mais do que uma oportunidade estética, de lazer ou sei lá o quê. Era a chance de reviver um pedaço da minha infância, de um dia que foi especial para mim, do qual não consigo lembrar das imagens, mas resgato, sem nenhuma dificuldade, os sentimentos que me envolveram naquela época. Quantas pessoas têm a oportunidade de reviver os melhores momentos de suas vidas?

O espetáculo já começava fora do teatro. Artistas faziam estripulias na rua que separa o Guaíra da Praça Santos Andrade. As pessoas que, normalmente, nesta hora, estão voltando para casa entediadas, desiludidas e cansadas, puderam tirar uma casquinha da beleza do espetáculo no caminho entre o trabalho e um desolador ponto de ônibus. A promessa de uma noite mágica transparecia através dos vidros do teatro. As pretensas suntuosas escadarias do teatro, nas quais muitos longos e saltos já se enroscaram, estavam todas enfeitadas com coloridas e prosaicas bexigas. Chegando no saguão, fantasticamente iluminado e decorado, percebi que não era apenas eu que tinha a oportunidade de reviver uma época mágica e feliz. O dia da estréia reuniu pessoas que eram ligadas ao Teatro Guaíra 20 anos atrás. Pessoal da parte administrativa, atores, bailarinos, famosos e anônimos, alguns ainda na classe artística, outros que saíram dessa vida, políticos e vips. Me senti menina novamente, sendo apresentada para senhores e senhoras que me chamavam de bonitinha, que arrulhavam exclamações do tipo "como cresceu!". Só faltou mesmo apertarem minhas bochechas. Sem saída, desisti da pose adulta-culta-e-madura e assumi a volta no tempo. Eu era criança novamente, e podia me encantar com o espetáculo sem ter que parecer crítica, exigente ou enfastiada.

E encantamento é o mínimo que a gente sente vendo a nova montagem d´O Grande Circo Místico. A coreografia é de autoria do argentino Luis Arrieta. Segundo me disseram, é completamente diferente da versão de 1982. O coreógrafo inovou. Passos que lembram o balé clássico se misturam com dança moderna, acrobacias, balé aéreo (com um dedo de Dani Lima) e recursos avançados, como partes do palco que sobem ou descem. Um movimento recorrente na coreografia me deixou hipnotizada. Os bailarinos mexem o pescoço e depois o quadril, como se o corpo fosse uma rosca, um saca-rolhas. Que angústia tentar explicar um movimento com essa ferramenta tão estática que é a palavra!

Os cenários são móveis, e os bailarinos interagem com barras, plataformas e faixas coloridas que descem das alturas do palco, como se esses pedaços de ferro, tecido e madeira fizessem parte do corpo de baile. Os figurinos às vezes são coloridos, às vezes neutros, mas são fundamentais para contar a história. Alguns são brilhantes como fantasia de escola de samba, outros parecem a própria pele dos bailarinos.

A música é uma atração à parte. O Grande Circo Místico talvez seja mais famoso pelas composições do que pelo espetáculo em si. Muita gente fungou na hora de "Beatriz", na voz de Milton Nascimento, no momento em que o filho do médico conhece a acrobata do circo. Outro momento marcante é a descrição das bailarinas, aquelas que não têm pereba nem chulé, com "Ciranda da Bailarina". Mas a música mais legal é a "História de Lily Braun", na voz de Gal Costa, que conta a decepção da moça do cabaré com o casamento.

Como em um picadeiro, acontece tanta coisa ao mesmo tempo que a gente não sabe direito para onde olhar. Seria preciso assistir o espetáculo duas, três, quatro vezes, para não perder nenhum detalhe. Para aproveitar tudo que O Grande Circo oferece, o ideal é conseguir o programa antes do espetáculo. Essa foi uma das poucas falhas que percebi no evento. O material só esteve disponível para o público no intervalo. Uma pena, porque além de informações importantes para a compreensão da montagem, o programa também é graficamente belíssimo. E para não soar muito ufanista, sou obrigada a dizer que o balé do Teatro Guaíra apresentou uma pequena deficiência técnica. Às vezes os bailarinos não conseguiam suportar com o devido equilíbrio algumas posições mais exigentes. Nada que prejudique a beleza do espetáculo. Talvez seja um aspecto que precise ser melhorado, talvez seja apenas o nervosismo na estréia. E para encerrar a sessão defeitos, uma última crítica: o Teatro Guaíra não está preparado para receber o grande público com vontade de fazer xixi. O banheiro feminino ficou lotado durante todo o intervalo, e até a primeira-dama do estado teve que enfrentar a fila. Nessas horas, todo mundo é igual...

Noite de estréia pede uma recepção para os convidados após a apresentação. E já que o espetáculo era de circo, o saguão do teatro foi transformado em algo próximo a uma quermesse de igreja. Garçons passavam com refrigerantes e taças de ponche saindo fumacinha. Para comer, maçãs-do-amor, pipoca, algodão, sanduichinhos e pirulitos coloridos. A noite terminou da mesma maneira que começou: alegre e nostálgica, como tudo que se relaciona com o circo. Não era meia-noite, minha fantasia infantil ainda não tinha virado abóbora. Antes de sair, peguei um pirulito, uma maçã-do-amor, uma bexiga amarela e pipoca. Sem poder lidar com tudo aquilo com apenas duas mãos, fiz como toda criança: dei a maior parte para meu pai segurar e me atraquei na pipoca com saquinho estampado de palhacinhos.

Depois da estréia em Curitiba, O Grande Circo Místico segue em turnê pelo Brasil.

São Paulo - 21 a 23 de junho - Teatro Alfa
Rio de Janeiro - 27 a 29 de junho e 4 a 6 de julho - Teatro Odylo Costa Filho
Recife - 12 e 13 de julho - Teatro Guararapes
Salvador - 19 a 21 de julho - Teatro Castro Alves
Brasília - 26 a 28 de julho - Teatro Nacional
Belo Horizonte - 3 e 4 de agosto - Palácio das Artes


Adriana Baggio
Curitiba, 20/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A sujeira embaixo do tapete de Renato Alessandro dos Santos
02. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
03. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
04. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras de Marilia Mota Silva
05. A poeira do outros e o sabor da realidade de Fred Linardi


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. Querido, eu me rendo - 2/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/6/2002
14h05min
Genial Adriana. Assino embaixo de suas impressões sobre aquela noite mágica porque tive a sorte de estar lá também. Tomara que as outras cidades brasileiras aproveitem tanto quanto nós paranaenses, que devemos ter orgulho de nosso Ballet Guaíra. Abraços.
[Leia outros Comentários de Anelise]
21/6/2002
15h57min
Obrigada, Anelise! Realmente, O Grande Circo Místico, para a gente, tem um sabor todo especial!
[Leia outros Comentários de Adriana]
24/6/2002
11h15min
Adriana, Depois de ler seu texto, me apressei em reservar um ingresso pra ver "O Grande Circo Místico" aqui em São Paulo. E tudo que vc disse, eu pude confirmar pessoalmente. Tudo tão lindo, tão perfeito que a gente fica achando que é fácil dançar, fica com vontade de sair dando piruetas por aí! Olha, tive que me segurar pra não fugir com o circo...*s*. Beijos, Obrigada pela dica, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
24/6/2002
20h12min
Obrigada pelo comentário, Ana! Fico muito feliz que você tenha gostado. Realmente, dá vontade de sair dançando, de ter o corpo elástico como o deles, para fazer aqueles movimentos incríveis. Já imaginou que delícia deve ser escorregar por aquelas faixas coloridas?
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diário de Zama
Tiago de Melo Andrade
Ao Livro Técnico
(2007)



Ensine Ciência a seu Filho
Michael Shermer
Jsn
(2011)



Escritos nas Estrelas 30ª
Sidney Sheldon
Record
(2014)
+ frete grátis



Liberdade, Sim. Autoridade, Não?
Dr. Ernesto Lima Gonçalves
Paulinas
(1988)



As Cartas de Ernest Hemingway - Volume I: 1907-1922
Desconhecido
Desconhecido
(2015)



Antologia de Rui Barbosa
Luís Viana Filho
Tecnoprint



Juca Mulato
Menotti del Picchia
Ediouro
(1998)



Criando Filhos Em Tempos Difíceis
Dr Benjamin Spock
Arte Nova
(1974)



O Misterioso Caso de Styles
Agatha Christie
Círculo do Livro



Fundação Ataulpho de Paiva
Lourival Ribeiro
Rio de Janeiro
(1985)





busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês