Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
>>> Inscrições abertas para 4ª Residência Artística Virtual Compartilhada
>>> Exposição 'Mundo Sensível dos Mitos' abre dia 29 de julho em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A memória vegetal
>>> VergonhaBrasil
>>> Juditha Triumphans, de António Vivaldi
>>> A trilogia Qatsi
>>> A pata da gazela transviada
>>> dinosonic
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> E assim se passaram dez anos...
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> Sermão ao cadáver de Amy
Mais Recentes
>>> Livro Mulheres Dos Anos Dourados de Carla Bassanezi Pinsky pela Contexto (2014)
>>> Liveo Eclipse - Série Crespúslo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> 100 Camisas Que Contam As Historias De Todas As Copas de Marcelo Duarte pela Panda Books (2024)
>>> Speakout Advanced 2nd Edition Students' Book With Dvd-rom And Myenglishlab Access Code Pack de Antonia Clare, Jj Wilson pela Pearson Education (2018)
>>> Traits Writing Student Handbook Grade 4 de Ruth Culham pela Ruth (2024)
>>> Livro Do Queijo de Juliet Harbutt (org. ) pela Globo (2010)
>>> Scooby Doo And The Weird Water Park (scooby-doo 8x8) de Jesse Leon Mccann pela Scholastic Paperbacks (2000)
>>> Spider-man 2: Hurry Up, Spider-man! de Kate Egan pela Festival (2004)
>>> Spider-man 3: Meet The Heroes And Villains (i Can Read: Level 2) de Harry Lime pela Harper Trophy (2024)
>>> Bakugan: Finding Drago de Tracey West pela Scholastic Inc. (2009)
>>> Medicina Integrativa: A Cura Pelo Equilibrio de Lima pela Mg (2024)
>>> Bem-vindo, Doutor: A Construção De Uma Carreira Baseada Em Credibilidade E Confiança de Renato Gregorio pela 62608 (2024)
>>> Problemas Atuais De Bioética de Leocir Pessini pela Edições Loyola (2020)
>>> À Meia Noite Levarei Sua Alma - O Estranho Mundo do Zé do Caixão de Laudo pela Nova Sampa (1995)
>>> Inglês Em Medicina de Vários Autores pela Manole (2024)
>>> Firestone de Roberto, Firestone Tire And Rubber Company Bascchera pela Dezembro Editorial (2024)
>>> Guia Josimar Melo 2004 de Josimar Melo pela Dba Dória Books And Art (2024)
>>> O Que Todo Médico Deve Saber Sobre Impostos, Taxas E Contribuições de Fábio K. Ejchel pela Edgard Blücher (2009)
>>> Compass American Guides: California Wine Country, 5th Edition (full-color Travel Guide) de John Doerper, Constance Jones, Sharron Wood Fodor's pela Compass America Guides (2007)
>>> Professoras Na Cozinha. Pra Você Que Não Tem Tempo Nem Muita Experiencia de Laura De Souza Chaui pela Senac (2024)
>>> The Penguin Good Australian Wine Guide 2007 de Huon Hooke pela Penguin Books Australia (2007)
>>> Guia Ilustrado Zahar: Azeite - Eyewitness Companio de Charles Quest-ritson pela Jorge Zahar (2011)
>>> Vinho Sem Segredos de Patricio Tapia pela Planeta (2024)
>>> Sentidos Do Vinho, Os de Kramer pela Conrad (2024)
>>> Buyer's Guide To New Zealand Wines 2007 de Michael Cooper pela Michael (2024)
COLUNAS

Terça-feira, 5/12/2017
Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 4000 Acessos

Carlos Ávila (Belo Horizonte, MG, 1955). Poeta, ensaísta e jornalista. Estudou Letras na UFMG, porém não concluiu o curso – optando pelo jornalismo, que exerceu por mais de trinta anos (ainda trabalha como free-lancer na área). Sua estreia se deu com o livro de poemas Aqui & Agora, em 1981. Publicou, em seguida, entre outros, os livros de poesia Sinal de Menos, em 1989; Bissexto Sentido, em 1999; e Área de Risco, em 2012. Como ensaísta publicou Poesia Pensada, em 2004. Entre 1995 e 1998, foi editor do Suplemento Literário de Minas Gerais. Foi técnico do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais - IEPHA/MG e Assessor para Conteúdos da Rede Minas de Televisão. Foi também editor do caderno de cultura do jornal Hoje em Dia e colunista da revista eletrônica Dom Total. Tem poemas traduzidos para o inglês, espanhol e francês. Participou de mais de vinte antologias no país e no exterior. Tem poemas musicados por Gilberto Mendes e por Willy Corrêa de Oliveira. Em breve, Ávila estará lançando dois novos trabalhos: a plaquete tipográfico-artesanal Azul & verde e o volume de antidísticos “Anexo de ecos”.

JARDEL: Você vem de uma importante família mineira (filho de Affonso Ávila e Laís Corrêa de Araújo) que engloba poetas, pesquisadores e ensaístas, às vezes a mesma pessoa praticando todos esses três gêneros. Qual a medida da influência desse ambiente intelectual sobre sua decisão de ser poeta e sobre sua poesia?

CARLOS ÁVILA: Pois é, nasci num ambiente literário. Meus pais eram escritores. Sempre me lembro de minha casa repleta de livros (muitas bibliotecas de parede inteira!). Foi um privilegio contar com esse ambiente, com esse material e também com a interlocução com meus pais. Affonso, Laís e eu acabamos formando o que o querido e saudoso amigo Bóris Schnaiderman chamou de uma “tróica de poetas”.



JARDEL: Você começou sua formação acadêmica como estudante de Letras e terminou trabalhando como jornalista. Como o universo do jornalismo (que trabalha com a comunicação dentro de uma linguagem para lá de simplória) se reconciliou com as exigências da poesia?

CA: Não considero que o jornalismo (digo, o bom e verdadeiro jornalismo) trabalhe com uma linguagem “simplória”. Sim, com uma linguagem não acadêmica, que procura ser clara – concisa e precisa. Drummond, que foi jornalista, acreditava que “o jornalismo é escola de aperfeiçoamento para o escritor”. Acrescentando: “Ele ensina a concisão, a escolha das palavras, dá noção do tamanho do texto”. E mais: “o jornalismo é uma escola de clareza de linguagem, que exige antes clareza de pensamento”. Imagino que consegui, sim, conciliar poesia e jornalismo na minha trajetória.

JARDEL: Existe uma avaliação de sua poesia, escrita por Maria Esther Maciel, que o coloca na linhagem dos poetas voltados para a pesquisa da linguagem, interessados no rigor da criação que prevê invenção e debate sobre o próprio fazer poético. Fale um pouco sobre a sua poética.

CA: Prefiro que outros falem sobre o meu “fazer poético” – como a ensaísta e professora/UFMG Maria Esther Maciel, que escreveu um ensaio sobre o meu trabalho. Mas posso afirmar que procuro sim – sempre procurei – a pesquisa da linguagem, também o rigor e a concisão. Se consegui, não sei.

JARDEL: No seu ensaio “Poesia presente & (possível) futuro”, você faz uma avaliação da situação da poesia atual, demarcando um problema que seria o pouco cruzamento entre poesia e novas tecnologias na atual poesia. Aproveitando um termo adorniano, a poesia não estaria, por isso, passando por um momento de “regressão da linguagem”?

CA: Acho difícil (e temeroso) afirmar que a poesia passa por um momento de “regressão de linguagem”, como você afirma. Mas sinto hoje, por exemplo, o desgaste da repetição e diluição de certos padrões modernistas; e também o uso acrítico e “gratuito” das novas tecnologias. O que importa (sempre importou) são ideias novas, que parecem estar um tanto em falta no momento.



JARDEL: Você diz, no ensaio acima citado, que a poesia atual “mesmo quando opera no nível verbal, deixa de lado os recursos das diversas artes que podem ser mobilizados para a produção de obras inéditas em nível de procedimento.” Não seria esse retorno a uma poesia menos experimental e antenada com as tecnologias contemporâneas o resultado do desgaste das proposições das vanguardas (muitas vezes autoritárias, quando querem fazer tábula rasa do passado “conservador”) e/ou mesmo em razão da já assimilação dos procedimentos vanguardistas pela mídia comercial?

CA: Repito o que disse anteriormente: precisamos de novas ideias. Só o passado (inclusive o vanguardista) ou um pretenso futuro (apenas tecnológico) não bastam. É preciso pensar mais, com mais profundidade – para fazer a poesia DE HOJE.

JARDEL: Temos notado ultimamente na jovem poesia brasileira um retorno ao “eu lírico”, a uma introspecção e descrição de situações íntimas vividas pelo poeta. Não seria esse retorno um dado da razão da existência de um “mínimo eu” como foi diagnosticado por Christopher Lasch? Em seu desconcerto em relação a uma realidade absurda e aos fenômenos sociais e políticos os escritores “tomam o eu como tema (...) o simples fato do eu, a visão do eu como inviolado, poderoso e audaz, do eu como a única coisa real num meio circundante onde predomina a irrealidade”.

CA: A meu ver, quanto menos “eu” melhor; quanto menos “ego” – melhor ainda. O “eu” não pode ser refúgio diante de uma realidade complexa e difícil como a que estamos enfrentando. Acredito que os poetas devem “responder” ao seu tempo.

JARDEL: Pensando agora nessa volta ao “mínimo eu” dentro da problemática exclusivamente da linguagem, já que ela cria também uma poesia mais “comunicativa”, você acredita que haveria aí uma perda da qualidade formal na questão da linguagem poética?

CA: “O que pensas e sentes, isso ainda não é poesia”, afirmou em verso Drummond. Sem linguagem e forma não existe poesia, a meu ver.



JARDEL: Como você avalia a produção poética brasileira da atualidade? Há algo de novo ou importante sob o sol das letras?

CA: É difícil avaliar a produção poética atual: são tantos nomes, tantos livros, tantas dicções diferentes... Agora, não é preciso ser sempre novo, querer ser “le dernier cri” (ainda mais depois de tantas vanguardas e experiências com a linguagem). Bons são os poetas que criam sua própria linguagem (inclusive dentro de seus limites) e dão o seu recado.

JARDEL: A emergência do social, na vertente das minorias (raça e gênero, principalmente, e a ideia de uma postura sempre politicamente correta), tem invadido a área das artes e o discurso sobre a cultura. Isso é bom ou ruim para a poesia? Ou você concordaria com Adorno que diz o seguinte: “Na arte, o social é o seu movimento imanente contra a sociedade, não a sua tomada de posição manifesta”.

CA: No final das contas o que interessa mesmo (independente dos aspectos que você assinala) é a eficiência da linguagem, a fatura, a competência poética.

JARDEL: Todo poeta tem uma lista de criadores com quem tem afinidades estéticas. Qual a sua lista de poetas (ou aponte apenas alguns) e o que os torna importante para você?

CA: Uma lista talvez resultasse infinita (se penso a tradição poética, pelo menos no Ocidente, desde Homero). Rapidamente, apenas no séc. 20, no Brasil, alguns preferidos meus: Oswald, Bandeira, Drummond, Murilo Mendes, Cabral, os concretos, Affonso Ávila, Mário Faustino... Lá fora: Apollinaire, Reverdy, Eluard, Pessoa, Sá-Carneiro, Lorca, Rilke, Eliot, Maiakovski, Ungaretti, Octavio Paz...



JARDEL: Nos conte um pouco sobre sua experiência como editor do Suplemento Literário de Minas Gerais.

CA: Fui editor do SLMG de 1995 a 98. Renovei inteiramente o jornal em forma e conteúdo – ele estava um tanto “abandonado” e desprestigiado. Retomei a força do veículo impresso. Foi um período ótimo, de belas colaborações e edições – e que terminou com reconhecimento nacional (finalista do Prêmio Estadão de Cultura).

JARDEL: Um dos grandes momentos da vida literária brasileira foi o Concretismo e seus desdobramentos em uma teoria da tradução e a prática de transcriações, como também numa exigência muito grande quanto a elaboração das criações poéticas, além de eleger um grupo de poetas como referência norteadora de seu pensamento. Como você vê o papel dos poetas concretistas na cultura brasileira?

CA: Foi um papel importantíssimo, talvez até mais abrangente, em alguns pontos (como na tradução, como você assinala, e na reavaliação de certos poetas), do que o modernismo – que é, também, muito importante, é óbvio.

JARDEL: Como pergunta a música, eu te pergunto: “Poetas para que?

CA: Não sei mesmo...



OBS: Na última foto aparecem Carlos Ávila e Augusto de Campos.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 5/12/2017

Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2017
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri - 9/5/2017
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal - 26/12/2017
03. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto - 5/9/2017
04. A poesia afiada de Thais Guimarães - 3/10/2017
05. Amy Winehouse: uma pintura - 28/3/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Gato, Castelo, Elefante?
Maxs Portes
Rhj
(2011)



Meryl Streep - Seus Filmes, Sua Vida
Andrea Thain
Ediouro
(1992)



Livro Direito Perfil Sistemático da Tutela Antecipada
Fábia Lima de Brito
Oab
(2004)



O Berço Da Maça Brasileira
Willy Frey
Videira
(2002)



Modern wicca a history from gerald gardner to the present
Michael howard
Llewellyn
(2009)



Minha Vida De Terrorista
Carlos H. Knapp
Prumo
(2013)



Se abrindo para a vida
Zibia Gasparetto; Lucius
Vida e Consciência
(2010)



O Dinheiro e a Economia em Pequenos Passos
Michel le duc, Nathalie Tordjman
Companhia Nacional
(2007)



Livro Brasil Zumbi
Joel Rufino dos Santos
Global
(2006)



Critique Of Pure Reason
Immanuel Kant
Unabridged
(1965)





busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês