Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
35940 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO
>>> FERNANDA CABRAL SE APRESENTA NA CAIXA CULTURAL BRASÍLIA
>>> Projeto Entrecruzados lança livro e videodança documental
>>> Inscrições Abertas || Residência Artística no Jardim Botânico de Brasília
>>> Gravação de videoclipe quase provoca prisão do irmão de Gabriel o Pensador
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
>>> Nada de novo no front
>>> A Belém pulp, de Edyr Augusto
>>> Fatos contábeis
>>> Jaula de sombras
>>> Camadas tectônicas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Melhores Podcasts
>>> Aqui sempre alguém morou
>>> A imprensa dos ruivos que usam aparelho
>>> Entrevista a Ademir Pascale
>>> Leitura vertical e leitura horizontal
>>> O Direito à Estupidez
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Salinger: uma vida
>>> Pessach: entre o social e o existencial
>>> Entrevista com João Moreira Salles
Mais Recentes
>>> Contos reunidos do mestre do horror cósmico de Howard Phillips Lovecraft pela Ex Machina (2016)
>>> Arte e Sociedade nos Cemitérios Brasileiros (2 volumes) de Clarival do Prado Valladares pela Conselho Federal de Cultura - MEC (1972)
>>> Veja--1649--o silvio que voce nunca viu. de Editora abril pela Abril (2000)
>>> Veja--2219--voo af 447--panico na cabine. de Editora abril pela Abril (2011)
>>> Revista dos curiosos--3--tira-teima das copas. de Editora europa pela Europa
>>> Tadeu Chiarelli de A Fotografia e o Tempo, Prêmio Porto Seguro 2009 pela Matavelli (2009)
>>> Galileu--7--historia--por que israel nao tem paz. de Editora globo pela Globo (2006)
>>> As Mil e Uma Noites, Contos Árabes III Volume de Anônimo pela Vademecum
>>> Introdução à Antropologia Cultural de Mscha Titiev pela Fundação Calouste Gulbenkian (1969)
>>> Tempo Brasileiro 70 Em Torno de Freud de Joel Birman, Chaim Samuel Katz e outros pela Tempo Brasileiro (1982)
>>> Vivências de Hermann Hesse pela Record
>>> Vidas Paralelas (Rainhas do Romance 52) de Linda Lael Miller pela Harlequin (2011)
>>> Caminhos da Sedução (Harlequin Primeiros Sucessos Livro 53) de Diana Palmer pela Harlequin (2014)
>>> O Gosto Do Pecado - Coleção Harlequin Primeiros Sucessos. Número 37 de Diana Palmer pela Harlequin (2013)
>>> Desafio de uma Vida (Harlequin Primeiros Sucessos Livro 49) de Diana Palmer pela Harlequin (2014)
>>> Amor Eterno - Special 81 de Caroline Anderson pela Harlequin (2013)
>>> Negócios À Parte - Sabrina 1618 de Fern Michaels pela Nova Cultural (2010)
>>> Se houver amanhã - Julia 1354 de Suzanne McMinn pela Nova Cultural (2005)
>>> Um Novo Amor! - Sabrina 1617 de Jerri Corgiat pela Nova Cultural (2004)
>>> Sete anos de feitiço - Coleção Desejo Novo, N° 38 de Heidi Betts pela Harlequin (2006)
>>> Amor fora-da-lei - Série Mavericks - Os Indomáveis 06 de Pat Warren pela Harlequin (2008)
>>> Beijos & Desejos - Coleção Harlequin Desejo Clássicos. Número 5 de Charlene Sands pela Harlequin (2014)
>>> Paixão e Atração - Harlequin Paixão #151 de Lucy Monroe e Trish Morey pela Harlequin (2009)
>>> Uma Noite Inesquecível / Doce Proposta - Harlequin Desejo Livro 227 de Brenda Jackson pela Harlequin (2015)
>>> Paixão Total de Jackie Braun pela Harlequin Books (2009)
>>> A ilha dos deuses de Nora Roberts pela Harper Collins (2016)
>>> Bruxa da noite de Nora Roberts pela Arqueiro (2015)
>>> Um Amor Para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2005)
>>> Anjos à mesa de Debbie Macomber pela Novo Conceito (2013)
>>> Nunca diga adeus de Doug Magee pela Arqueiro (2012)
>>> O amor mora ao lado de Debbie Macomber pela Novo Conceito (2013)
>>> Melhor que chocolate: Uma história sobre amor, Paris e teimosia de Laura Florand pela Única (2015)
>>> O lago místico de Kristin Hannah pela Novo Conceito (2014)
>>> O Jeito que me Olha de Bella André pela Novo Conceito (2014)
>>> Não Posso me Apaixonar de Bella André pela Novo Conceito (2013)
>>> Quero ser seu de Bella André pela Novo Conceito (2013)
>>> Um Olhar de Amor de Bella André pela Novo Conceito (2012)
>>> Perto de Você de Bella André pela Novo Conceito (2014)
>>> A arte da ilusão de Nora Roberts pela Harper Collins (2015)
>>> O Presente do Meu Grande Amor. Doze Histórias de Natal de Stephanie Perkins pela Intrínseca (2014)
>>> Para Sempre de Kim e Krickitt Carpenter pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Perfeito Cavalheiro de Julia Quinn pela Arqueiro (2014)
>>> Felizes Para Sempre de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Bem Casados de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Mar de Rosas de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Álbum de Casamento de Nora Roberts pela Arqueiro (2013)
>>> Á Primeira Vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Pode Beijar a Noiva de Patricia Calbot pela Essência (2012)
>>> Professional PHP4 Programming (Programmer to programmer) Importado de Deepak Thomas pela Wrox (2002)
COLUNAS

Terça-feira, 5/12/2017
Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1900 Acessos

Carlos Ávila (Belo Horizonte, MG, 1955). Poeta, ensaísta e jornalista. Estudou Letras na UFMG, porém não concluiu o curso – optando pelo jornalismo, que exerceu por mais de trinta anos (ainda trabalha como free-lancer na área). Sua estreia se deu com o livro de poemas Aqui & Agora, em 1981. Publicou, em seguida, entre outros, os livros de poesia Sinal de Menos, em 1989; Bissexto Sentido, em 1999; e Área de Risco, em 2012. Como ensaísta publicou Poesia Pensada, em 2004. Entre 1995 e 1998, foi editor do Suplemento Literário de Minas Gerais. Foi técnico do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais - IEPHA/MG e Assessor para Conteúdos da Rede Minas de Televisão. Foi também editor do caderno de cultura do jornal Hoje em Dia e colunista da revista eletrônica Dom Total. Tem poemas traduzidos para o inglês, espanhol e francês. Participou de mais de vinte antologias no país e no exterior. Tem poemas musicados por Gilberto Mendes e por Willy Corrêa de Oliveira. Em breve, Ávila estará lançando dois novos trabalhos: a plaquete tipográfico-artesanal Azul & verde e o volume de antidísticos “Anexo de ecos”.

JARDEL: Você vem de uma importante família mineira (filho de Affonso Ávila e Laís Corrêa de Araújo) que engloba poetas, pesquisadores e ensaístas, às vezes a mesma pessoa praticando todos esses três gêneros. Qual a medida da influência desse ambiente intelectual sobre sua decisão de ser poeta e sobre sua poesia?

CARLOS ÁVILA: Pois é, nasci num ambiente literário. Meus pais eram escritores. Sempre me lembro de minha casa repleta de livros (muitas bibliotecas de parede inteira!). Foi um privilegio contar com esse ambiente, com esse material e também com a interlocução com meus pais. Affonso, Laís e eu acabamos formando o que o querido e saudoso amigo Bóris Schnaiderman chamou de uma “tróica de poetas”.



JARDEL: Você começou sua formação acadêmica como estudante de Letras e terminou trabalhando como jornalista. Como o universo do jornalismo (que trabalha com a comunicação dentro de uma linguagem para lá de simplória) se reconciliou com as exigências da poesia?

CA: Não considero que o jornalismo (digo, o bom e verdadeiro jornalismo) trabalhe com uma linguagem “simplória”. Sim, com uma linguagem não acadêmica, que procura ser clara – concisa e precisa. Drummond, que foi jornalista, acreditava que “o jornalismo é escola de aperfeiçoamento para o escritor”. Acrescentando: “Ele ensina a concisão, a escolha das palavras, dá noção do tamanho do texto”. E mais: “o jornalismo é uma escola de clareza de linguagem, que exige antes clareza de pensamento”. Imagino que consegui, sim, conciliar poesia e jornalismo na minha trajetória.

JARDEL: Existe uma avaliação de sua poesia, escrita por Maria Esther Maciel, que o coloca na linhagem dos poetas voltados para a pesquisa da linguagem, interessados no rigor da criação que prevê invenção e debate sobre o próprio fazer poético. Fale um pouco sobre a sua poética.

CA: Prefiro que outros falem sobre o meu “fazer poético” – como a ensaísta e professora/UFMG Maria Esther Maciel, que escreveu um ensaio sobre o meu trabalho. Mas posso afirmar que procuro sim – sempre procurei – a pesquisa da linguagem, também o rigor e a concisão. Se consegui, não sei.

JARDEL: No seu ensaio “Poesia presente & (possível) futuro”, você faz uma avaliação da situação da poesia atual, demarcando um problema que seria o pouco cruzamento entre poesia e novas tecnologias na atual poesia. Aproveitando um termo adorniano, a poesia não estaria, por isso, passando por um momento de “regressão da linguagem”?

CA: Acho difícil (e temeroso) afirmar que a poesia passa por um momento de “regressão de linguagem”, como você afirma. Mas sinto hoje, por exemplo, o desgaste da repetição e diluição de certos padrões modernistas; e também o uso acrítico e “gratuito” das novas tecnologias. O que importa (sempre importou) são ideias novas, que parecem estar um tanto em falta no momento.



JARDEL: Você diz, no ensaio acima citado, que a poesia atual “mesmo quando opera no nível verbal, deixa de lado os recursos das diversas artes que podem ser mobilizados para a produção de obras inéditas em nível de procedimento.” Não seria esse retorno a uma poesia menos experimental e antenada com as tecnologias contemporâneas o resultado do desgaste das proposições das vanguardas (muitas vezes autoritárias, quando querem fazer tábula rasa do passado “conservador”) e/ou mesmo em razão da já assimilação dos procedimentos vanguardistas pela mídia comercial?

CA: Repito o que disse anteriormente: precisamos de novas ideias. Só o passado (inclusive o vanguardista) ou um pretenso futuro (apenas tecnológico) não bastam. É preciso pensar mais, com mais profundidade – para fazer a poesia DE HOJE.

JARDEL: Temos notado ultimamente na jovem poesia brasileira um retorno ao “eu lírico”, a uma introspecção e descrição de situações íntimas vividas pelo poeta. Não seria esse retorno um dado da razão da existência de um “mínimo eu” como foi diagnosticado por Christopher Lasch? Em seu desconcerto em relação a uma realidade absurda e aos fenômenos sociais e políticos os escritores “tomam o eu como tema (...) o simples fato do eu, a visão do eu como inviolado, poderoso e audaz, do eu como a única coisa real num meio circundante onde predomina a irrealidade”.

CA: A meu ver, quanto menos “eu” melhor; quanto menos “ego” – melhor ainda. O “eu” não pode ser refúgio diante de uma realidade complexa e difícil como a que estamos enfrentando. Acredito que os poetas devem “responder” ao seu tempo.

JARDEL: Pensando agora nessa volta ao “mínimo eu” dentro da problemática exclusivamente da linguagem, já que ela cria também uma poesia mais “comunicativa”, você acredita que haveria aí uma perda da qualidade formal na questão da linguagem poética?

CA: “O que pensas e sentes, isso ainda não é poesia”, afirmou em verso Drummond. Sem linguagem e forma não existe poesia, a meu ver.



JARDEL: Como você avalia a produção poética brasileira da atualidade? Há algo de novo ou importante sob o sol das letras?

CA: É difícil avaliar a produção poética atual: são tantos nomes, tantos livros, tantas dicções diferentes... Agora, não é preciso ser sempre novo, querer ser “le dernier cri” (ainda mais depois de tantas vanguardas e experiências com a linguagem). Bons são os poetas que criam sua própria linguagem (inclusive dentro de seus limites) e dão o seu recado.

JARDEL: A emergência do social, na vertente das minorias (raça e gênero, principalmente, e a ideia de uma postura sempre politicamente correta), tem invadido a área das artes e o discurso sobre a cultura. Isso é bom ou ruim para a poesia? Ou você concordaria com Adorno que diz o seguinte: “Na arte, o social é o seu movimento imanente contra a sociedade, não a sua tomada de posição manifesta”.

CA: No final das contas o que interessa mesmo (independente dos aspectos que você assinala) é a eficiência da linguagem, a fatura, a competência poética.

JARDEL: Todo poeta tem uma lista de criadores com quem tem afinidades estéticas. Qual a sua lista de poetas (ou aponte apenas alguns) e o que os torna importante para você?

CA: Uma lista talvez resultasse infinita (se penso a tradição poética, pelo menos no Ocidente, desde Homero). Rapidamente, apenas no séc. 20, no Brasil, alguns preferidos meus: Oswald, Bandeira, Drummond, Murilo Mendes, Cabral, os concretos, Affonso Ávila, Mário Faustino... Lá fora: Apollinaire, Reverdy, Eluard, Pessoa, Sá-Carneiro, Lorca, Rilke, Eliot, Maiakovski, Ungaretti, Octavio Paz...



JARDEL: Nos conte um pouco sobre sua experiência como editor do Suplemento Literário de Minas Gerais.

CA: Fui editor do SLMG de 1995 a 98. Renovei inteiramente o jornal em forma e conteúdo – ele estava um tanto “abandonado” e desprestigiado. Retomei a força do veículo impresso. Foi um período ótimo, de belas colaborações e edições – e que terminou com reconhecimento nacional (finalista do Prêmio Estadão de Cultura).

JARDEL: Um dos grandes momentos da vida literária brasileira foi o Concretismo e seus desdobramentos em uma teoria da tradução e a prática de transcriações, como também numa exigência muito grande quanto a elaboração das criações poéticas, além de eleger um grupo de poetas como referência norteadora de seu pensamento. Como você vê o papel dos poetas concretistas na cultura brasileira?

CA: Foi um papel importantíssimo, talvez até mais abrangente, em alguns pontos (como na tradução, como você assinala, e na reavaliação de certos poetas), do que o modernismo – que é, também, muito importante, é óbvio.

JARDEL: Como pergunta a música, eu te pergunto: “Poetas para que?

CA: Não sei mesmo...



OBS: Na última foto aparecem Carlos Ávila e Augusto de Campos.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 5/12/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
02. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
03. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
04. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
05. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2017
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri - 9/5/2017
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal - 26/12/2017
03. A poesia afiada de Thais Guimarães - 3/10/2017
04. Amy Winehouse: uma pintura - 28/3/2017
05. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux - 17/1/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIÁRIO DE UM BANANA - 3 A GOTA D'ÁGUA
JEFF KINNEY
VERGARA & RIBA
(2010)
R$ 37,00
+ frete grátis



UM LENÇO, UM FOLHETO E A ROUPA DO CORPO
CLÁUDIO AMARAL
CLÁUDIO AMARAL
(2016)
R$ 35,00



FUNDAMENTOS DA ANÁLISE ECONÔMICA
PAUL A. SAMUELSON
ABRIL CULTURAL
(1983)
R$ 19,90



VIDAS SÊCAS
GRACILIANO RAMOS
MARTINS
(1968)
R$ 39,00



DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA
DALMO DE ABREU DALLARI
MODERNA
(2004)
R$ 29,90



ANJOS E DEMÔNIOS
DAN BROWN
SEXTANTE
(2018)
R$ 10,00



MAÇONARIA E MUSEU - 1ª EDIÇÃO
CLAUDIO ROQUE BUONO FERREIRA
MADRAS
(2013)
R$ 20,95



CHE GUEVARA
EDER SADER & FLORESTAN FERNANDES
ÁTICA
(1981)
R$ 20,00



O PEREGRINO E A HISTORIA DE A PEREGRINA
JOHN BUNYAN
LITERATURA MONTE SIAO
(2012)
R$ 37,00
+ frete grátis



A IRA DOS ANJOS
SIDNEY SHELDON
RECORD
(2011)
R$ 39,00





busca | avançada
35940 visitas/dia
1,0 milhão/mês