Na hora do batismo | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Dia de confissão de Allan Folsom pela Rocco (2004)
>>> Evolução uma Introdução de Stephen C. Stearns e Rolf F. Hoekstra pela Atheneu (2003)
>>> O x da questão de Eike Batista pela Primeira pessoa (2011)
>>> Ruth Cardoso - Fragmentos de uma vida de Ignácio de Loyola Brandão pela Globo (2010)
>>> O trem partiu de Maria Luiza Pereira Ervilha pela Thessaurus (2013)
>>> O pomar de laranjeiras de Kathryn Harrisson pela Objetiva (1995)
>>> Como Trabalhar para um Idiota de John Hoover pela Futura (2005)
>>> O Segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Cultura (2002)
>>> As sete irmãs de Lucinda Riley pela Novo conceito (2014)
>>> Manual ilustrado dos remédios florais do Dr. Bach de Philip M. Chancellor pela Pensamento (1995)
>>> Star Wars : Sombras do império (como novo) de Steve Perry pela Aleph (2015)
>>> Princesa de Jean P. Sasson pela Best Seller (2002)
>>> O desafio japonês de Hakan Hedberg pela Lia (1970)
>>> História do Automóvel - Fascículo 4 de Expressão e Cultura pela Expressão e Cultura
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Entardecer de Menotti Del Picchia pela MPM (1978)
>>> Viagem ao centro da Terra de Júlio Verne pela Pé da letra (2019)
>>> Introduccion a la economia (Espanhol) de Maurice Dobb pela Popular (1959)
>>> Under the duvet de Marian Keyes pela Penguin books (2001)
>>> Bala na agulha de Marcelo Rubens Paiva pela Siciliano (1992)
>>> Número zero de Umberto Eco pela Record (2015)
>>> Perspectivas do novo sindicalismo de José Ibrahim pela Loyola
>>> A Direção do Olhar do Adolescente de Ana Luiza O. Buratto / Maria Rita C. Dantas pela Artmed (1998)
>>> A vida da igreja de Dong Yu Lan pela Alimento diário (2012)
>>> A mídia e a modernidade de John B. Thompson pela Vozes (1998)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/8/2016
Na hora do batismo
Marta Barcellos

+ de 4000 Acessos

Tenho 214.262 xarás no Brasil. A maioria, nascida entre 1960 e 1970. É curiosa a percepção que temos do próprio nome. Achava que éramos uma pequena quantidade, eternamente confundida com as Márcias. Elas, sim, representariam um batalhão: precisavam ser chamadas pelo sobrenome em sala de aula. Ok, não eram tantas assim, mas minha sensação tinha lá suas razões: das 551.855 Márcias brasileiras, 204 mil nasceram justamente nos anos 1970, e principalmente no Rio de Janeiro. E quanto aos Marcelos? Também foram um fenômeno da mesma época e do mesmo estado (no país, somam hoje 690.098), daí terem também nome e sobrenome, para diferenciar, na minha lembrança escolar.

Minha filha adolescente não tem nenhum amigo Marcelo, Marta ou Márcia, para ficarmos apenas na letra M. Ora, as Márcias que perambulam por aí não são jovens, e sim quarentonas ou cinquentonas. Em compensação, certa vez ela fez uma colônia de férias em que havia oito Júlias. Não resisto, e retorno ao site que me viciou: a frequência de Júlias passou de 20 mil, nos anos 1980, para 264 mil, nos anos 2000. Ao todo, elas já são 430.067 no país, e parecem estar em vertiginosa ascensão, a julgar pelo gráfico apresentado instantaneamente pelo IBGE na página “Nomes no Brasil”.

O banco de dados disponibilizado pelo órgão governamental é inesgotável. A primeira consulta, quase automática, é ao próprio nome. Mas depois começa o vício. Nomes de conhecidos, nomes que parecem raros ou comuns (e não é bem assim), até que você se flagra confirmando que o nome esquisito de sua tia-avó era uma modinha da época. Sabe-se lá o motivo. O boom de Martas, aparentemente, tem relação com concursos de miss, enquanto as Simones hoje balzaquianas foram impulsionadas pela personagem da novela “Selva de pedra”. Mas, por que será que tantas Alziras nasceram em 1930?

Se você é um ficcionista, o vício de consultar o “Nomes no Brasil” pode ir além. O nome daquele personagem é banal ou esdrúxulo demais? Está adequado à idade? É nesta fase da adição que me encontro...

Escritores, porém, muitas vezes, batizam seus personagens buscando simbolismos, menos ou mais evidentes. Homenagens a personagens clássicos são comuns, sem falar em anagramas (a primeira “brasileira”, Iracema=América), nomes inexistentes ou pra lá de enigmáticos. O batismo da personagem mais famosa da escritora mais estudada no Brasil, por exemplo, permanece como mistério. De onde Clarice teria tirado as sílabas que formam o fonema hoje tão adequado à Macabéa, de A hora da estrela? Há hipóteses sobre uma referência aos macabeus, sem grandes embasamentos além da fonética semelhante.

Um escritor deve manter a “inspiração” deste batismo oculta, como fez Clarice? Em geral, eles gostam de ser descobertos, em suas referências, pelos críticos. Trata-se da famosa piscadela, do autor para o crítico literário. Eu mesma adorei quando a escritora Cláudia Nina, que resenhou meu livro “Antes que seque” para o jornal Rascunho, percebeu que o nome de Norma, do conto “Depois do Natal”, não era nada gratuito. Se já houvesse o site do IBGE quando escrevi, teria confirmado que o nome era também adequado a uma mulher de meia idade. E teria me certificado da inexistência do nome que inventei para a personagem de “À moda antiga”, Myrea (anagrama de Yerma, peça de Federico Garcia Lorca). Não resisti à piscadela - que obviamente ninguém entendeu.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 12/8/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
02. Eleições nos Estados Unidos de Marilia Mota Silva
03. Minha Terra Tem Palmeiras de Marilia Mota Silva
04. Machado de Assis, Huysmans e os rabos de gato de Eugenia Zerbini
05. Sobre Jobs e Da Vinci de Noah Mera


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ao Deus Desconhecido: Um Ensaio Ontológico
Wilson Silva
Kúrios
(2015)



Curso de Direito Comercial - Falência e Recuperação de Empresa
Sérgio Campinho
Saraiva Jur
(2018)



Reiki Universal (Sistema Usui, Tibetano, Osho, Kahuna)
Johnny De' Carli
Madras
(1999)



O Estado Babá
David Harsanyi
Litteris
(2011)



Sampaio Bruno Prosa
Joel Serrão
Agir
(1960)



Saude - Série Bem-estar (2007)
Lilian Rossetti; Heloisa Noronha
Publifolha
(2007)



Tex Nº 104
G. L. Bonelli
Vecchi
(1979)



Administração de Hotelaria Hospitalar
Fadi Antoine Taraboulsi
Atlas
(2003)



Batismo de Fogo
Mario Vargas Llosa
Record/Altaya
(1995)



De La Grâce et de Lhumanité de Jésus
Jacques Maritain
Desclee de Brouwer
(1967)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês