Essa São Paulo que ri, essa São Paulo que chora | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Maiores audiências da internet
>>> Amando quem não existe
>>> 18 de Outubro #digestivo10anos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Geração abandonada
>>> O dia em que a Terra parou
>>> A Geração Paissandu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Publicar em papel? Pra quê?
Mais Recentes
>>> Condessa de Barral: a Paixão do Imprerador de Mary del Priore pela Objetiva (2008)
>>> Isso Me Traz Alegria de Marie Kondo pela Sextante (2016)
>>> As Aventuras de Benjamim: o Muiraquitã de Camila Franco; Marcela Catunda; e Outros pela Companhia das Letrinhas (2004)
>>> Vitrines e Coleções de Christine Ferreira Azzi pela Memória Visual (2010)
>>> El Nacimiento de Europa de Robert S. López pela Editorial Labor (1963)
>>> O Que é Isso, Companheiro? de Fernando Gabeira pela Companhia das Letras (1997)
>>> Mística e Espiritualidade de Leonardo Boff; Frei Betto pela Vozes (2010)
>>> As Aventuras de Pinóquio de Carlo Collodi pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Livro das Perguntas de Ferreira Gullar; Pablo Neruda; Isidro Ferrer pela Cosac & Naify (2008)
>>> Entrevista Com o Vampiro de Anne Rice pela Rocco (1991)
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Ciranda de Pedra de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (1998)
>>> Uma Janela Em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2001)
>>> Trópico de Câncer de Henry Miller pela Biblioteca Folha (2003)
>>> Our Man in Panama de John Dinges pela Random House (1990)
>>> Os Princípios da Competição Empresarial de Luís Paulo Luppa; Johnny Duarte pela Landscape
>>> O Supermanager de Robert Heller pela Mcgraw - Hill (1987)
>>> Limites sem Trauma de Tania Zagury pela Record (2008)
>>> Iracema de José de Alencar pela Travessias (1984)
>>> Rachel de Queiroz - o Quinze de Rachel de Queiroz pela Jose Olympio (2010)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Iracema de José de Alencar pela Ciranda Cultural
>>> Iracema / Senhora - 2 Romances pelo Preço de 1 de José de Alencar pela Scipione (1994)
COLUNAS

Quinta-feira, 27/9/2012
Essa São Paulo que ri, essa São Paulo que chora
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2800 Acessos

Tem coisa mais fina do que ser convidado para ir ao teatro ou tomar um vinho? Definitivamente, é mais elegante do que convidar alguém para "tomar um uísque" ou "sair". De modo que teatro denota algo objetivo e pressupõe mil e uma utilidades básicas da paquera séria: justifica vestir-se melhor e perfumar-se com bom-gosto; cochichar no decorrer da peça rente ao pescoço alheio; um possível jantar mais tarde, com interessantes conversas sobre a natureza humana, o amor e a traição (temas recorrentes no mundo teatral). Ou seja, é um programa que completa a si mesmo.

Tudo isso porque o teatro é acima de tudo um lugar para ir acompanhado. Eu mesma só fui uma vez sozinha porque meu acompanhante desistiu e o lugar, ótimo por sinal, ficou vazio. As pessoas tendem a querer socializar e aparecer bem-postas quando vão ver uma peça, elas já estão predispostas aos encantos da conversa — diferente do cinema, onde os solitários, tanto quanto os apaixonados, ficam todos bem resguardados pela escuridão. E não é comum um grupo de terceira idade sair de uma van para acompanhar uma peça de sucesso ou com atores estrelados? Ou mesmo amigos irem juntos ("o nosso teatro") ou famílias?

No final de 1999 fui com minha família assistir à "Honra" no teatro Cultura Artística. Eu não me dava conta direito daquilo que acontecia ao redor, na Nestor Pestana, a movimentação de gente vendendo impressos e guloseimas na entrada, as boates próximas fervilhando. Aquilo, ao menos o local, era teatro puro. De todo modo, o que mais me impressionou foi uma peça de Beethoven tocada ao vivo como introito. Lá também, já em 2007, vi Paulo Autran, meio de longe, na última peça que encenou, "O Avarento", de Molière. Mas aqui não se trata exatamente de se fazer uma lista de agrados e desagrados de vária incursão teatral.

Algumas peças, no entanto, como "Pessoas absurdas", esta, uma montagem deste ano no Teatro Jaraguá, me deixam meio cabisbaixa: é esta a vil essência do homem, então? Não há escapatória para nós? Apesar de ser classificada como comédia, para mim o texto tratou-se mais de uma tragédia, do ridículo da alma humana, seu amor que mais é desamor pelos mais próximos, a busca desenfreada por status, os valores fora de lugar. Ótimo texto de Alan Ayckbourn, de cuja obra foi adaptado o roteiro do filme "Medos privados em lugares públicos", conhecido por ter ficado por quase quatro anos em cartaz no Belas Artes.

Já em "Totatiando", espécie de musical em que a cantora Zélia Duncan canta e faz pequenas representações com texto inspirado na obra de Luiz Tatit — estreado no Tuca há duas semanas —, é um frescor na noite paulistana. Num palco ornado com grandes letras do alfabeto, cada música traz uma história sobre amor, relacionamentos, poesia, literatura, com leveza e rimas e a simpatia da cantora. Zelia ainda tece, num tom longe do declarativo e sim quase numa fala cantada, breves considerações sobre sua formação musical e biográfica.

Pois essa porção bem iluminada da vida é fantástica e se ao mesmo tempo ela dá a entender que as personagens são de carne e osso, a luminosidade e o figurino ostentam uma certa plasticidade perfeita, até mesmo em se tratando da feiura. Há algo no corpo dos atores que chama a atenção: mesmo se houver gordura, ela se revestirá de capa brilhante e musculosa. A palavra chave é "representação". Sim, o teatro não é a realidade, mas um recorte intenso de nós mesmos, pleno e tenso, quase uma caricatura do que há de melhor e pior no homem, a partir do qual ficamos divididos entre o choro e riso. É o espetáculo da vida do qual não se sai impune. E, se há uma predisposição ao amor quando se sai de uma peça é porque vida pulsando ao vivo, tão próxima em sua encenação, traz uma excitação que busca continuidade fora dos palcos, como se fosse possível encontrar uma sequência gloriosa.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 27/9/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
02. A pérola do cinema sul-americano de Guilherme Carvalhal
03. Bonecas russas, de Eliana Cardoso de Eugenia Zerbini
04. Vitrine das vaidades de Elisa Andrade Buzzo
05. Um pouco de conservadorismo de Eduardo Mineo


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2012
01. Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian - 1/3/2012
02. O lilás da avenida sou eu - 13/9/2012
03. Perdidos em Perdizes - 28/6/2012
04. Ode ao outono - 12/4/2012
05. O crime da torta de morango - 18/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Operação Zibelina
Isis Muller Salgado Serra
Nova Razão Cultural
(2008)



Piadas para Morrer de Rir
Paiva e Sueli
Gênero



Política e Poder Nacional
José Luiz Bittencourt
Oriente
(1976)



Faca na Garganta
Hermes Leal
Geração
(2006)



Pontos para o Gordo !
Dr. Alfredo Halpern
Record
(2000)



Writing Southern History: Essays in Historiography in Honor Of
Arthur Link, Rembert W. Patrick
Louisiana State University Pr
(1967)



Índice de Biobibliografia Brasileira
Instituto Nacional do Livro
Inl; Mec (rj)
(1963)



Ex Libis Eroticis
Massimo Rotundo
Lpm
(1997)



Kilimanjaro
Gustavo Ziller
7cumes



Mestres as Artes Claude Monet
Mike Venezia
Moderna
(2004)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês