Ode ao outono | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Tom Wolfe
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
Mais Recentes
>>> A Inquisicção de Sonia A Siqueira pela FTD (1998)
>>> Cartas Portuguesas de Nuno Júdice (edição e prefácio) pela Sibila (2019)
>>> O Amor todas as horas de Luiz Torlei Aragão pela Andre Quice (1996)
>>> Legado de Amor de Paulo Afonso Silva pela Cefak (2018)
>>> Parasitologia Humana e Seus Fundamentos Gerais de Sérgio Cimerman; Benjamin Cimerman pela Atheneu (1999)
>>> Proteção Internacional dos Direito Humanos de Emerson Garcia pela Lumen (2009)
>>> historia abreviada da UFC de antonio martins filho pela Unb (1996)
>>> A Ronda da Noite de Agustina Bessa-Luís pela Relógio D´Água (2019)
>>> Homens Que Não Conseguem Amar de Steven Carter & Julia Sokol pela Sextante (2009)
>>> O Café de Lenine de Nuno Júdice pela D. Quixote (2019)
>>> Terras de Sombras de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> Regência de Ossos de Marcelo Paschoalin pela Letra Impressa (2013)
>>> Pensamentos sem Fronteiras de Paulo Webber Gil pela Autografia (2017)
>>> O ano sabático de João Tordo pela Companhia das Letras (2018)
>>> Fábulas italianos de Italo Calvino pela Companhia de Bolso (1990)
>>> Golpe de Vista de V J Palaoro pela Atual (2010)
>>> Trilhas para o Rio de André Urani pela Campus (2008)
>>> Hotel Memória de João Tordo pela Companhia das Letras (2021)
>>> Ler, Viver e Amar de Jennifer Kaufman pela Casa da Palvra (2011)
>>> Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> Pesquisa de Marketing de Carl Mcdaniel pela Cengage (2002)
>>> A Arte dos Relacionamentos Saudáveis e Duradouros de José Augusto Lima Goldoni pela Textos & Livros
>>> Lá Fora de Pedro Mexia pela Tinta-da-China (2020)
>>> O Nosso Jeito de Wiliam V. K. de Matos Silva pela Holy Acts
>>> A Conquista da Matemática 8 : Caderno de Atividades - Bncc de Giovanni pela Didáticos
COLUNAS

Quinta-feira, 12/4/2012
Ode ao outono
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4100 Acessos


Alfons Mucha: "Les saisons" (Automne, 1896)

Dizem que o lado bom do outono é não chegar suado ao trabalho depois de pegar o metrô cheio, aproveitar uma temperatura mais amena, optar indistintamente entre uma inútil blusa de manga comprida e uma regata. Alguns habitantes do hemisfério norte podem se regozijar em usufruir de um belíssimo tapete de folhas multicores, ainda que temendo o que está por vir: um inverno glacial, a retomada do aquecimento central, de uma infinidade de acessórios que, quando necessários, de empolgantes e fashion pouco têm. Falemos do outono, o primo esquecido da primavera, que mal começou por estas bandas e o paulistano já sente na pele.

Nada como um trenchcoat para não passar um dia mal vestido, num desanimante tira e põe de roupa? Errado, do lado debaixo do Equador tudo que passa abaixo da cintura e não é leve soa meio desconcertante. Vivemos como D. João VI e sua trupe, nos travestindo num sonho de moda europeia. Séculos já se passaram e ainda estamos nos adaptando em termos de vestimentas ao clima tropical de altitude.

Há algo de sisudo no outono, esse interstício entre calor e frialdade. Não terá algo a ver com a minha própria personalidade? Este não sei quê dúbio de folha alvoroçada no momento do voo e dolorosa crocância quando pisada. Serei eu um pouco assim, outonal, oscilando entre um polo aconchegante e reluzente, desmembrando-me em nervuras esparsas?

O outono europeu não deixa de ter um apelo a mais, uma demarcação que realmente faz parte da vida das pessoas. Caem tão bem as estações do ano nas voluptuosas figuras femininas de Mucha! Recorro a um de seus outonos e não me surpreendo com suas mãos carregadas de uvas - o outono é a época da colheita. A mulher envolta numa diáfana bata oferta aos olhos do observador suas curvas, ela não se entrega totalmente como a musa do verão, não tem um retraimento quase pueril da musa da primavera, nem se encurva sobre si mesma como a do inverno: a musa outonal de olhar misterioso dispõe seu corpo curvo num convite obtuso, venha, quem sabe aqui encontrarás fertilidade, com sorte, amor. Muito próspero e sugestivo este outono Art Nouveau...

O prenúncio natural do inverno, vejo em retrospecto pela janela, duas fileiras de árvores de caule cinza, plantadas geometricamente na grande avenida. Quando a última folha se desgarrar do conjunto de galhos secos que se transformou sua copa, ele é chegado. Ainda, antes, o gramado do jardim público será recoberto por fantástica camada de folhas, cujas cores se codificam numa mistura entre o marrom, o verde, o cinza, o laranja e o avermelhado. Que sensação de outono verdadeiro sentir a lentidão crespa das folhas secas, pisar nessa camada descompactada cuja finura protege e oculta a vida. Os cisnes então logo serão retirados dos lagos, em algumas regiões, muitos irão congelar. E fica difícil acreditar que, num futuro nem tão distante assim, aquelas mesmas árvores por completo despeladas irão se reaver em verde pálido, mas que é o verde do recomeço deles.

Este meu outono, um oito, um outro... Que simpatia tenho por esta palavra obscura, de algo marrom e fresco, de cor luminosa e terrosa. Todas as coleções da Side Walk são eternamente outonais: um tecido de lavagem desgastada, um tie-dye, um verde musgo, um azul intenso, um vinho desgastado, um cinza queimado de secura úmida e vulcânica... E as sensações corporais se pautam pelo o que o ambiente e as estações nos propõem. Até qual medida seremos forjados pelo clima? e a moda resulta em seu rol de coleções, que aqui até se juntam em outono-inverno de tão frágeis e ligadas. Saudades das demarcações climáticas, de um tempo de degraus facilmente identificáveis.

Eu, sem me ater às tendências de cores para esta estação de 2012, e me esquecendo da chegada do outono, me apego no momento em que vejo a uma cor indescritível numa blusa. É como se eu sempre tivesse gostado dela, como se ela estivesse há tempos apartada e agora se endereçasse a mim. Sim, esta cor tem a tonalidade de uma folha em especial - a síntese de um momento passado -, é como se ela tivesse outonalmente amarelecido num álbum de retratos, mas estivesse ali, palpitando (apesar de despegada do galho, ela é quente e bela), prestes a se inflar de vigor.

Pois estamos entre o desbunde do verão e a severidade do inverno, vento cortante embebido em calor supremo. Que meio termo empolgante, que vida em suspenso! Pois não é possível acreditar que agora é tempo de se escolher entre um lado e outro? Se eu quero ambos e, nem mais um do que outro, todos, por que não ficar entre, entregue aos melhores pontos? Assim é este tempo findo, o feliz e inconsequente outono.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 12/4/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg de Jardel Dias Cavalcanti
02. As maravilhas do modo avião de Julio Daio Borges
03. Intervenção militar constitucional de Gian Danton
04. Palavra de Honra de Daniel Bushatsky
05. Cinema de autor de Marta Barcellos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2012
01. Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian - 1/3/2012
02. O lilás da avenida sou eu - 13/9/2012
03. Perdidos em Perdizes - 28/6/2012
04. Ode ao outono - 12/4/2012
05. O crime da torta de morango - 18/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Presidentes
Rodrigo Vizeu
Harper Collins
(2019)



A Poluição - Biblioteca Salvat de Grandes Temas - 1
Juan Senent
Salvat
(1979)



Tecnologia da Informação
Alberto Luiz Albertin / Rosa Maria de Moura
Atlas
(2004)



Juntos Nessa 2 - Portugues
Daniela Passos
Leya
(2014)



Do B - Crônicas Críticas para o Caderno B do Jornal do Brasil
Eugênio Bucci
Record
(2003)



O Piano e a Orquestra: Romance
Carlos Heitor Cony
Companhia das Letras
(1996)



Introdução ao Estudo da Filosofia
Antônio Xavier Teles
Ática
(1982)



Assistente de Administração 2 - Colégio Pedro II - nível médio
Emanuela Amaral de Souza
Nova Concursos
(2017)



Revista Bohemia 27 de Octubre 1989 Ano 81 No 43
Não Informado
Não Informado



Indomada
P. C. Cast e Kristin Cast
Intrínseca
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês