Os Doze Trabalhos de Monika. 6. Nas Asas da Panair | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
>>> Live: Como a cultura nos livros didáticos influencia a formação da criança
>>> Projeto: Encontro ás escuras - Contos e cantos ancestrais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Meu bem, meu mal
>>> Galvão responde ao Cala a Boca
>>> A Velhice
>>> Ser intelectual dói
>>> Memória Visual dos Aborígenes Australianos
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Novas leis de Murphy
>>> Yamandu+Dominguinhos, no Auditório Ibirapuera
>>> O cinema segundo Borges
Mais Recentes
>>> O Chalé de Danielle Steel pela Record (2005)
>>> The Wonders of The World de Stephen L. Harris pela National Geographic Society (1998)
>>> Monet And The Mediterranean de Joachim Pissarro pela Rizzoli (1997)
>>> Manual de Criação de Peixes de Dr. José Roberto Rezende de Menezes e Outro pela Instituto Campineiro (1983)
>>> Avaliação de Impacto Ambiental Conceitos e Métodos de Luis Enrique Sánchez pela Oficina de Textos (2008)
>>> Comportamento do Consumidor Construindo a Estratégia de Marketing de DelI. Hawkins David L. Mothersbaugh e Outro pela Campus (2007)
>>> Dicionário Houaiss da Lingua Portuguesa Edição de Luxo de Antônio Houaiss pela Objetiva (2001)
>>> Tempos da História de Voltaire Schilling pela SoLivros (1995)
>>> História Ilustrada da Ciência Da Renascença à Revolução Científica de Colin A. Ronan pela Círculo do Livro (1991)
>>> História Ilustrada da Ciência Das Orifens à Grécia de Colin A. Ronan pela Círculo do Livro (1991)
>>> História Ilustrada da Ciência Oriente Roma e Idade Média Vol II de Colin A. Ronan pela Círculo do Livro (1991)
>>> História Ilustrada da Ciência A Ciência nos Séculos XIX e XX Vol IV de Colin A. Ronan pela Círculo do Livro (1991)
>>> Heráldica de Fabricius Lucas de Almeida pela Chiado Books (2018)
>>> Quincas Borba no Folclore Político de Ivanildo Sampaio Ernani Régis pela Raiz (1991)
>>> O Incesto Contos de Milton Oliveira pela Não Informado (1978)
>>> Aquários Ornamentais Marinhos Vol 2 Doenças dos Peixes de Yanko Seljan Jr. E Eduardo Sá de Sá Rêgo pela Nobel (1983)
>>> O Aquário Moderno Peixes Tropicais de Márcio Infante Vieira pela Nobel (1982)
>>> Peixes Criação Simples e Rentável de Américo Menezes pela Nobel (1986)
>>> Criação Lucrativa de Patos e Gansos de Claudio Artigas Rosell pela Agricola Litexa
>>> Adolf - V. 01 de Osamu Tezuka pela Conrad (2006)
>>> Manual Prático de Marcenaria de Domingos Marcellini pela Ediouro
>>> Fabricação de Queijo de Leite de Cabra de Múcio Mansur Furtado pela Nobel (1984)
>>> Adolf - V. 02 de Osamu Tezuka pela Conrad (2006)
>>> Adolf - V. 03 de Osamu Tezuka pela Conrad (2006)
>>> Silo Trincheira Misto de Breno G. Reis pela Nobel (1979)
>>> Aquários Ornamentais Marinhos Vol 1 de Yanko Seljan Jr. pela Nobel (1983)
>>> Adolf - V. 04 de Osamu Tezuka pela Conrad (2006)
>>> The Shining A Luz 2 Volumes de Stephen King pela Pendulo (1977)
>>> Adolf - V. 05 de Osamu Tezuka pela Conrad (2008)
>>> Ele Se Acha o Centro do Universo de Wendy T. Behary pela Best Seller (2011)
>>> Ética e Práxis Histórica de Manfredo Araújo de Oliveira pela Ática (1995)
>>> História da Antiguidade, A Grécia de V. Diakov; S. Kovalev pela Estampa (1976)
>>> Manuscrito Encontrado em Accra de Paulo Coelho pela Sextante (2012)
>>> Momentos de Paixão de Danielle Steel pela Círculo do Livro (1991)
>>> Memórias Inventadas: a Infância de Manoel de Barros pela Planeta (2003)
>>> Meditação Transcendental e Saúde de Dr. Wolfgang Schachinger; Dr. Ernst Schrott pela Pensamento (2005)
>>> O Rancho de Danielle Steel pela Record (1998)
>>> A Energia da Sabedoria: Ensinamentos Básicos do Budismo de Lama Yeshe; Zopa Rinpoche pela Pensamento (1982)
>>> Michelangelo e o Teto do Papa de Ross King pela Record (2004)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2006)
>>> Hikikomori - a Vida Enclausurada Nas Redes Sociais de Christine Greiner; Cecília Noriko Ito Saito pela Intermeios (2013)
>>> Calçada de Verão - Poemas de Flora Figueiredo pela Nova Fronteira (1989)
>>> Orgônio. Reiche e Eros. a Teoria Energia Vital de Wilhelm Reich de W. Edward Mann pela Summus Editorial (1989)
>>> Leis e Regulamentos da Instrução Pública do Império em Mato Grosso EAN: 9788574960067 de Nicanor Palhares pela Autores Associados (2000)
>>> Assassinato no Monte Fuji de Shizuko Natsuki pela Brasiliense (1989)
>>> Saúde e Juventude - os Segredos do Antigo Egito de Rolland pela Instituto Nefru (2000)
>>> Os Mitos Gregos - Volume 1 de Robert Graves pela Publicações Dom Quixote (1990)
>>> Os Parceiros do Rio Bonito de Antônio Cândido pela Livraria Duas Cidades (1979)
>>> Cartas na Mesa de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1976)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/12/2017
Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
Heloisa Pait

+ de 2800 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

– Quem vai, então?

Mónika buscou a todos com o olhar para ver se entendia a quê o aviador estava convidando.

– Puxa, Helmut, – disse um colega – hoje minha mulher marcou um almoço com toda a família dela. Vou te contar, viu.

– Adorei a idéia, – respondeu uma recém-doutora, prestes a se aposentar – olha que coisa bacana, mas não dá mesmo, tem reunião do conselho.

As negativas se sucediam mas Mónika não sabia a quê. Perguntou. Era como fazia sempre, ia perguntando.

– Ir aonde, Helmut?

– Vou voar. Sobrou gasolina no avião do Cavaletti, grande amigo lá da época da instrução, e ele me emprestou para uma volta.

– Mas teu brevê tá em ordem? – Mónika sempre checando o mundo.

– Claro que está. Vou deixar vencer? De modo algum. Voar não me tiram.

Helmut tinha sido piloto da Varig. Fazia pesquisas, dava aulas, era professor. Mas nunca ia deixar de ser piloto da Varig, que era mais que uma empresa aérea, era uma escola, uma missão.

– Posso ir? – perguntou nossa heroína. Mas fez-se um certo silêncio.

Mónika tinha chegado no Brasil, pasmem, de Varig. Não era fácil, naquela época, simplesmente sair do país, ainda mais com a família toda, inclusive os avós. Os pais de Mónika pensaram então num plano incrível. Compraram as passagens mais caras do vôo inaugural de Budapest da ambiciosa companhia paraestatal brasileira. E se apresentaram serenos no aeroporto, repleto de autoridades de ambos os países. Viajavam com o tanto certo de bagagem: nem muita que parecesse uma imigração, nem pouca que sugerisse uma fuga. Levaram também o pequeno cãozinho da família, o que era expressamente proibido e distraiu os burocratas da infração maior, transpor a cortina de ferro.

Imaginem agora a pequena Mónika, chorosa pela perda do cão, dos amigos, de tudo o que ela então conhecia, sendo recebida pelas afetuosas aeromoças da Varig e pelo comandante que veio pessoalmente, até falando umas palavras de húngaro, cumprimentar todos os passageiros da primeira classe, feitos na maioria de gordos burocratas e generais nacionais! Foi dentro daquele avião que Mónika primeiro entendeu que amaria seu novo país. Também foi naquele vôo, tendo se tornado mascote provisório dos afáveis militares brasileiros, em suas fardas verde-oliva, que percebeu que nunca o entenderia completamente.

Voltemos pois a Ambaíba, onde Mónika implorava o passeio aéreo.

O aviador hesitou. Não queria voar com ela. Respondeu, sem esconder a concessão, jogando o pulso para cima:

– Vamos lá, então! Leve só sua carteira e vamos.

Ia voar com o Helmut. Seu jeito direto, sem floreios, a deixava tranquila. Mónika não precisava ficar adivinhando o que ele pensava e ele, por sua vez, não estava nem aí para o que Mónika pensasse, ao contrário dos colegas, intimidados com os estudos esotéricos de nossa heroína.

Quem comanda um Boeing com 300 passageiros a bordo teme coisas de verdade, gelo na asa, terrorista ou pane no motor. Não intriga acadêmica. Seu braço esquerdo pendente, com músculos levemente atrofiados por uma paralisia que teve na infância, também o lembrava dos inimigos reais dos homens: a morte, e a doença. Continuava voando não por coragem, mas para não esquecer o que é ter medo.

Enfim, moreno, meio cigano, era impossível não olhar para ele, seus gestos, o braço bom gesticulando expressivo, como se para compensar o outro, os olhos azuis atrás de sobrancelhas muito pretas. Pensava no pai, talvez cigano também, como é que saberia? Como é que saberia de onde os homens vinham?

Foram em silêncio para o hangar. Ele descreveu a rota e informou o que ela devia fazer e o que não devia durante o vôo, como se ela fosse um novo copiloto. Ela fez que entendeu, mas não prestava atenção. Só pensava, um pouco como criança mesmo, que estava do lado do aviador! Que incrível.

Aí ele se desligou de tudo, concentrou-se nos controles, em botar o troço no ar. Sentia-se bem. Até melhor que antes, quando era trabalho, responsabilidade, formação, dedicação. Agora voava. A cidade, as plantações, os conjuntos habitacionais, os desmanches. Condomínios fechados. As estradas, ligando o país, ladeadas por acampamentos de lona. Uma represa. Voava. As imensas ravinas que circundavam a cidade. Viu a geografia particular de Ambaíba de um ângulo espetacular, onde o platô se projetava cortando uma ravina ao meio, como um ferro de passar roupa. Lembrou que havia ao lado alguém para quem mostrar, deu um pequeno soco com a palma da mão na coxa da Mónika e apontou para a ravina cindida.

Ela se assustou. Também tinha esquecido que estava ao lado do aviador. Via de cima a cidade, via o mesmo que ele. Via o campus ali pequeno, à beira do precipício, via o horizonte ali longe, mais longe. E, sim, via a ravina cortada, quis perguntar se ele já tinha ido lá embaixo, o barulho era grande, apenas assentiu com o rosto. Era hora de voltar, tinham conhecido a cidade juntos. Ele ainda deu um rasante pelo campus, riu, se divertia. Ela riu também, cada uma. E aí voltaram de vez.

Ele foi se despregando do assento, cintos, luvas, óculos, quando foi descer ela estava parada. Parada não, sacolejava. Helmut não sabia se ela ria, chorava, se tinha uma convulsão. Ela se virou para explicar, não conseguiu dizer nada, voltou a olhar para baixo. Estava chorando. Se fosse sua mulher – mãe, esposa ou filha – ele ia abraçá-la e dizer que estava tudo bem, que seja lá o que fosse, não era nada. Mas não era mulher sua. Não era de ninguém. Só podia esperar passar.

Perguntou-se se tinha feito algo errado, dito algo que a ofendesse. Não. Tinha certeza que não. Apaixonada ela não estava, e se estivesse também, não era problema seu, pensou de modo técnico, como se verificasse um equipamento. Mas não era isso também. Era que tinha sido um passeio bonito. A terra era bonita. Que terra bonita que era.

– Que bonita que é essa terra, não? – ele disse.

– Bonita demais – ela concordou. – Demais. – E aí derramou um choro normal, que foi passando, até secar.

E o passeio terminou.

Está no ar a sétima aventura de Mónika, Um Senador da República.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência


Heloisa Pait
São Paulo, 28/12/2017



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Big Brother da Palmada de Daniel Bushatsky
02. Uma virada especial de Rodrigo Herrero
03. O Segredo do Vovô Coelhão de Adriana Baggio


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2017
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo - 13/4/2017
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky - 21/12/2017
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico - 13/7/2017
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair - 28/12/2017
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker - 29/6/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Caca Aos Turistas
Carl Hiaasen
Companhia Das Letras
(1993)
R$ 10,00



Israel x Palestina: origens, história e atualidade do conflito
Maria José Aragão
Revan
(2006)
R$ 10,00



Só é Gordo Quem Quer
João Uchoa Jr.
Guanabara
(1986)
R$ 10,00



A Eletrônica Volume 99
Manuel Moralejo e Edelmiro Pascual
Biblioteca Salvat
(1979)
R$ 10,00



Todo Dia
David Levithan; Ana Resende
Galera Record
(2013)
R$ 10,00



As Sete Maravilhas do Mundo
Readers Digest
Readers Digest
(1979)
R$ 10,00



A Constituiçao Divina
Richard Simonetti
Ceac
(1997)
R$ 10,00



S.O.S. Tartarugas Marinhas
Rogério Andrade Barbosa
Melhoramentos
(2000)
R$ 10,00



Contos de Grimm Volume 2: o Príncipe Sapo e Outras Histórias
Irmãos Grimm
L&pm
(2002)
R$ 10,00



Subdesenvolvimento e Revolução
Paulo de Castro
Fundo de Cultura
(1962)
R$ 10,00





busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês