A São Paulo em dias de greve geral | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva
>>> Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe
>>> 2006, o ano dos livros
>>> Na toca dos leões
>>> O nome da morte
>>> 7 de Setembro
>>> Sobre Paraíso Tropical
>>> Bernardo Carvalho e a arte da fuga
>>> Uma feira (in)descritível
>>> Quem tem medo do Besteirol?
Mais Recentes
>>> A Educação Sexual de Nossos Filhos- Uma Visão Contemporânea de Ronald Pagnoncelli de Souza pela Mercado Aberto (1993)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Autores Diversos pela Feesp (1991)
>>> O Monge e o Executivo de James C. Hunter pela Sextante (2004)
>>> Quem Mexeu no mau Queijo de Spencer Jonhson, M.D. pela Record (2007)
>>> O Quinto Evangelho de Apóstolo Tomé pela Martin Claret (2005)
>>> Companheiros de Jornada de Anngela Marcondes Jabor pela Mystic (2004)
>>> Curso de Educação Mediúnica 2º Ano de Autores Diversos pela Feesp (1991)
>>> Vendo o Invisível de Argemiro Figueiro pela Adhonep (1998)
>>> Meu Anjo de Fausto Oliveira pela Seame (1996)
>>> Anjos da Caridade de Irmão Virgílio pela Petit (2007)
>>> Sou Exu Eu sou a Luz ... de Joice Piacente pela Madras (2013)
>>> Combatendo o Inimigo de Antonio Carlos Rodrigues de Moraes pela Gente (1999)
>>> Maiores de 40 de Maria Tereza Maldonado e Alberto Goldin pela Saraiva (1995)
>>> A Maior Esperança de Luís Gonçalves E Diego Cavalcanti pela Cpb (2019)
>>> Descubra sua Essência Espiritual de Iyanla Vanzant pela Sextante (2007)
>>> 208 Maneiras de Deixar um Homem Louco de Desejo de Margot Saint- Loup pela Ouro (1999)
>>> Me Apaixonei por um Idiota de Marcelo Puglia pela Matrix (2009)
>>> A Maior Jornada de Todos os Tempos de Amilcar Del Chiaro Filho pela Minas (2002)
>>> Milagres que A Medicina não Contou de Dr. Roque Marcos Savioli pela Ágape (2002)
>>> Gotas de Cura Interior de Pe. Léo, SCJ pela Canção Nova (2006)
>>> Encanto Das Fabulas - V. 2 de Mauricio Heitor pela Base (2012)
>>> De Menina a Mulher de Drica Pinotti pela Alegro (2001)
>>> Dez Amores de Mlacolm Montgomery pela Gente (2000)
>>> Não Leve a Vida tão a Sério de Hugh Prather pela Sextante (2003)
>>> A Hora da Virada de Cyro Masci pela Saraiva (1994)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/8/2013
A São Paulo em dias de greve geral
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3000 Acessos


ilustra: Renato Lima

"De que são feitos os mais belos dias?
De combates, de queixas, de terrores!
De que são feitos? de ilusões, de dores,
De misérias, de mágoas, de agonias!"

("Hino da manhã", Antero de Quental)


A delícia que é andar pela cidade atropelada em seus dias calmos... O sol perpassa tímido os vãos entre os prédios da Avenida, palco de trabalho e guerra. Passamos em câmera-lenta, como que dando um tempo, um merecido descanso da implacabilidade da vida, dos confrontos entre manifestantes e polícia. Tudo vai parecendo tão distante, como se tivesse sido encenado imerso em gás diáfano. Não são as férias de inverno o motivo de tal disparate que afaga o coração dos paulistanos: são os dias de greve geral.

No entanto, esta greve não é uma greve de fato. Nesta cidade tudo se inverte, sua lógica ultrapassa nosso raciocínio e, então, o rico convive com o pobre, as casas são demolidas indistintamente e a dita greve não é deveras uma paralisação. Sim, o povo, com medo de sair nas ruas e enfrentar protestos, trânsito, caos, falta de transporte coletivo, fica em casa. Por outro lado, as lideranças são desastradas, mil vozes em que não se distingue uma unicidade, uma só leitura audível que fale alto aos corações. E que seja justa, e boa. Este continua sendo um tempo de homens partidos.

Assim, é uma experimentação, um andar num laboratório de gente meio viva, meio morta, andar por uma cidade levemente adormecida. Os ladrões dão uma trela na criminalidade, as gentes caminham numa profusão de desfile, em bandos pantaneiros pela Avenida. Isso porque a cidade não parou, não, ela entrou apenas e simplesmente em um estado latente de dormência, difícil mesmo de se ver. Uma doença que dorme, cheia de piedade, mas que não se dissuadirá da sua vocação de dor. Bastará o pouso mais aflito de uma mosca para despertá-la.

Enquanto isso, alguns paulistanos aproveitam para percorrer a cidade tal como ela nunca mais será. Nunca mais a cidade será como ela tem sido agora, branca, julgando-se na iminência da querida liberdade, igualmente. Quem viajou neste julho de sol e frio não viu. Apenas os cidadãos que, pacientemente, dispendem seu tempo e descanso em observar as sutis mudanças porque passam nosso lugar. Temido, sentido, pisado, porém submisso aos nossos terríveis desejos, famintos que somos por movimento e prazer justamente por aqui estarmos em ritmo de roda-viva.

O interlúdio se acaba. Brilhosa, rara e pacífica, a cidade vai arrefecendo. Precisamos, cada um de seus habitantes, encontrar motivos para levantar amanhã, unir força e decisão para o impulso inicial, lavar o corpo e colocá-lo em desalinho na rua. Estaremos vulneráveis, mas preparados para o sempre novo. Pois é esta a delícia de se viver, mesmo que numa diminuta fração de tempo, nesta São Paulo em que o povo lentamente se subleva.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 8/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Discutir, debater, dialogar de Duanne Ribeiro


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2013
01. Reflexões de um desempregado - 11/4/2013
02. A Casa de Ramos - 31/1/2013
03. Tempo de nebulosas - 31/10/2013
04. A cidade do improvável - 16/5/2013
05. De tinta e fio é feito o homem - 14/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guerra Submarina
Revista Militar Ciência e Tecnologia, Vol 23
Bibliex
(2006)



Quatro Baianos Porretas: Castro Alves, Carlos Marighella, Glauber
Silvio Tendler
Garamond Universitaria
(2011)



Três Autos
Gil Vicente
Ediouro
(1997)



Que Nossos Olhos Se Abram
Conferência dos Religiosos do Brasil
Nacional
(2011)



A Exclusão Legal da População Carente - Política Públicas Direitos Fun
Alexandre Lobão Rocha
Thesaurus
(2009)



Orientação Educacional - uma Experiência Em Desenvolvimento
Maria Teresa Freitas Ribeiro / Teresinha de Pai...
E. P. U.
(1984)



Negative Schizophrenic Symptoms: Pathophysiology and Clinical Imp
John F. Greden, Rajiv Tandon (edited) Capa Du
American Psychiatric Press
(1990)



La France Communiste: un Etat Dans Letat
Jean Montaldo
Albin Michel (paris)
(1978)



Dona Flor da Cidade da Bahia
Benedito Veiga
7 Letras
(2006)



Perdas & Ganhos
Lya Luft
Record
(2004)





busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês