O canteiro de poesia de Adriano Menezes | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
>>> Return to the Little Kingdom, by Michael Moritz
>>> O que mais falta acontecer?
Mais Recentes
>>> Você na Vitrine( a ) de Benjamim Silva pela Insular (2003)
>>> Larissa de Ganymédes José pela Brasiliense (1985)
>>> Manual de Processo do Trabalho de Valton Pessoa pela Podivm (2007)
>>> Catarina, a Mamelouca- uma Rapsódia Prosaica de Ana Brancher pela Letradágua (2006)
>>> Novo Código Civil - Exposição de Motivos e Texto Sancionado de Senador Jose Agripino pela Brasilia (2006)
>>> Exercício e o Coração: 3º Edição de Victor F. Froelicher e Outros pela Revinter
>>> Segredos de Justiça: Disputas, Amores e Desejos nos Processos de ... de Andréa Maciel Pachá pela Agir (2014)
>>> Jogando para Ganhar - Manual de Condicionamento Fisico de Simon Cook & Tony Toms pela Hemus (1979)
>>> Criatividade para Administração de José Luiz Hesken Ph. D. pela Vozes (1980)
>>> Perfis /problemas na Literatura Brasileira de Luís Felipe Ribeiro e Outros pela Tempo Brasileiro (1985)
>>> Capitão América: o Soldado Invernal (45) de Ed Brubaker & Steve Epting pela Salvat (2014)
>>> Heróis de Verdade - Pessoas Comuns Que Vivem Sua Essência de Roberto Shinyashiki pela Gente (2005)
>>> Neuroanatomia Funcional - 2° Edição de Angelo Machado pela Atheneu
>>> Fundamentos de Matemática Elementar 4: Sequências Matrizes Deter... de Gelson Iezzi e Outros pela Atual (2013)
>>> Análise Técnica de Ações de Carlos Alberto Debastiani pela Novatec (2008)
>>> Vitaminas Filosóficas: a Arte de Bem Viver de Theo Roos pela Casa da Palavra (2006)
>>> A Outra de Mirian Goldenberg pela Revan (1990)
>>> Constituição e Política de Janaína Santin e Liton Lanes Sobrinho (orgs.) pela Upf (2006)
>>> Zoologia de Fernando Roma pela Sistema Coc
>>> A Terapia da Reencarnação de Harald Wiesendanger pela Pensamento
>>> Redes Locais de Computadores - Protocolos de Alto Nível e Avaliação de Giozza Araújo Moura Sauvé pela Mc Graw-hill / Embratel (1986)
>>> A Grave no Direito Brasileiro de Raimundo Simão de Melo pela Ltr (2017)
>>> Tráfico de Anjos de Luiz Puntel pela Ática (2003)
>>> Dias Melhores Virão de Max Lucado pela Thomas Nelson (2018)
>>> Escrevo Desde um Interstício: a Ficção de Júlio Cortázar de Jayro Schmidt pela Fcc (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 31/5/2022
O canteiro de poesia de Adriano Menezes
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3500 Acessos


Pois é, o autor de Canteiro Aéreo não está mais aqui. Este é um livro póstumo. No entanto, a publicação do livro de Adriano Menezes, pela editora Scriptum, nos faz pensar na poesia como resposta ao caráter agônico da vida. A poesia como permanência do Ser, como uma revolta contra a impotência ontológica de nossa condição submissa à fluidez destrutiva do tempo e à lei inelutável da morte. A obra de arte, afinal, pode ser a única e definitiva vitória sobre as ruínas do tempo e os desertos do espaço infinito (como queria Proust).

São 22 poemas. No geral, eles falam da vida que não é possível, mas que a palavra, o verbo, pode iluminar. São os espaços e acontecimentos fadados ao desalento que invadem os versos. No entanto, a percepção deles faz brotar a inesperada revelação de sua poeticidade.

Talvez o melhor poema do livro, nesse sentido, seja (embora todos sejam bons) “Praça Tiradentes”. Aqui se fotografa o irrealizável. O desejo brota da visão das “pernas cruzadas”. Mas a desamorosa perna “alheia aos olhos do chofer” o faz desaparecer “empedrado e invisível dentro do carro”.

Não se tome o poema como um afã erótico normal, pois aqui se revela a distância entre a imagem e a vida, entre aquilo que é o elã vital da existência e seu fracasso subsequente. “Uma coisa bela é uma alegria para sempre”, dizia Keats. Sim, se essa beleza tornar-se poesia, se for resgatada do momento em que desvanece efêmera, se repercute entre as palavras do poeta ganhando novamente anima. A lembrança de determinada imagem, de determinado instante, reacende o fogo do desejo antes que ele caia em desalento, reafirmando, assim, seu poder de permanência poética.

A “brutalidade da paisagem congelada/ para o corpo que passa” (como em “Meus olhos”), parece nos dizer que o leitmotiv dos poemas de Adriano Menezes se faz através dessa oposição entre o que é visto (e desejado) e o que é experimentado como frustração. Essa diferença, ou mesmo contraposição, entre a imagem-signo e o corpo que a observa, é o aditivo que alimenta seus poemas. Os versos “Petrificado/ por suas sandálias amarelas de mulher”, ainda no mesmo poema, retoma essa diferenciação entre a imagem e sua observação petrificada. Mas, tornada matéria dura pelo poeta, a imagem naufraga por uma lado e, em seguida, é resgatada, por outro lado, como poesia.

Outro poema marcante é “Cavalo”, que apresenta a mesma oposição entre a imagem e a força orgânica, exibindo novamente a contraposição entre imagem e vida. Além de sua aparência de domesticado, que serve para os retratos apenas, o cavalo guarda uma força interior, “a corrente crua da brutalidade”, que arde como uma força antiga, resguardada imemorialmente.

São impressões autênticas as que brotam da poesia de Adriano Menezes. Fixadas nos poemas, revelam grande sensibilidade na observação daquilo que se dispersa, como se o “eu” que experimenta o que se perde lutasse para revelar a inquietação dessa percepção.

Desse modo, a verdadeira existência do poeta resulta de um fracasso: a impossibilidade de se unir o que se vê - o que se desejav- e a vida. Só numa dimensão extratemporal, para além da vida e da morte, na constituição da POESIA, se pode encontrar o sentido da “verdadeira vida”, que está para além da memória do escritor (já que também a “memória é estado de vapor”, como no poema “Lugar errado”).

Não há permanência senão na concretude da linguagem, lugar errante (o poema), onde o fim, derradeira página da existência, é derrotado pelo afirmar-se e revivescer-se da leitura do livro de poesias por seus amantes.



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 31/5/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara de Elisa Andrade Buzzo
02. Uma alucinação chamada dezembro de Luís Fernando Amâncio
03. O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis de Jardel Dias Cavalcanti
04. Poética e política no Pântano de Dolhnikoff de Jardel Dias Cavalcanti
05. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) de Fabio Gomes


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
02. Gramática da reprodução sexual: uma crônica - 7/6/2022
03. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022
04. O canteiro de poesia de Adriano Menezes - 31/5/2022
05. Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça - 26/4/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Inovadores: Como um Grupo de Hackers, Gênios e Geeks...- 1ª Edição
Walter Isaacson / 1ª Ed
Intrínseca
(2020)



Manual de Massagem Em Casa
Chen Zhaoguang
Andrei
(2006)



Management For Productivity (second Edition)
John R. Schermerhorn Jr.
John Wiley e Sons
(1986)



Marcos Duprat
Jacob Klintowitz
Raizes
(1985)



Foi Ela Que Começou ; foi Ele Que Começou
Toni Brandão
Melhoramentos
(2000)



Três Deuses e uma Trindade
David Raskin
Age
(2009)



As Memórias do Livro
Geraldine Brooks
ediouro
(2008)



A Solidez do Sonho
Carlos Vogt
papirus
(1993)



Criando Meninas (2004)
Gisela Preuschoff
Fundamento
(2004)



Fragmentos de um Discurso Amoroso
Roland Barthes
Francisco Alves
(1994)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês