A busca | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva
>>> Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe
>>> 2006, o ano dos livros
>>> Na toca dos leões
>>> O nome da morte
>>> 7 de Setembro
>>> Sobre Paraíso Tropical
>>> Bernardo Carvalho e a arte da fuga
>>> Uma feira (in)descritível
>>> Quem tem medo do Besteirol?
Mais Recentes
>>> Var - Cálculo do Var de uma Carteira de Renda Fixa de Rafael Paschoarelli Veiga pela Saint Paul (2005)
>>> Redes de Cooperação Empresarial de Alsones Balestrin, Jorge Verschoore pela Bookman (2016)
>>> Almanaque Brasilaeiro de Tatuagem de Autores Variados pela Escala
>>> Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem Cipe 2015 de Telma Ribeiro Garcia pela Artmed (2016)
>>> Conhecendo Melhor a Fé Católica de Roberto Andrade Tannus pela Santuário (1996)
>>> Oração de Amorização A Cura do Coração de Pe. Alírio J. Pedrini, SCJ pela Loyola (2000)
>>> Viva Esperança de Valdemiro Santiago de Oliveira pela Classica (2013)
>>> Know-how de Ram Charan pela Campus (2019)
>>> Orações de Poder de Varios Autores pela Raboni (1992)
>>> Transformando Lágrimas em Vitória de Bruno André S. Ortega pela Bruno André S. Ortega (2018)
>>> Viva com Esperança de Mark Finley e Peter Landless pela Cpb (2014)
>>> Corporate Zombies - Manual de Sobrevivência Corporativa de Andre Ferreira, Victor Sardinha pela Giostri (2014)
>>> Os Mistérios do Código Da Vinci de Amy Welborn pela Cultrix (2006)
>>> Os Arquétipos da Umbanda de Rubens Saraceni pela Madras (2016)
>>> Quem me Roubou de Mim de Fábio de Melo pela Canção Nova (2008)
>>> A Estratégia Global da Hyundai de Russell D. Lansbury, Chung-sok Suh pela Bookman (2016)
>>> Surpresas para Hoje Meditações Diárias de Christel Grigull pela União Cristã (2018)
>>> A Graça de Deus de Rev. Aldo Quintão pela Sextante (2012)
>>> Outras Histórias de Andréa Casa Nova Maia pela Ponteio (2012)
>>> O Conciso Livro das Mitzvot de Rabi Israel Meir HaCohem pela Mekor Máim Jaim (2008)
>>> Patriarcas e Profetas de Ellen G. White pela Cpb (2007)
>>> O Sucesso não Ocorre por Acaso Você pode Mudar sua Vida de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos Tempos (1992)
>>> História Bizarra da Matemática de Luciana Galastri pela Planeta (2020)
>>> Encontros com Deus de Amin A. Rodor pela Cpb (2014)
>>> Se a Vida é um Jogo, Estas são as Regras de Chérie Carter, Scott, Ph.D. pela Rocco (2000)
COLUNAS

Sexta-feira, 30/9/2011
A busca
Marta Barcellos

+ de 3000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A busca por uma palavra - uma palavra existente e exata - é um prazer e uma aflição. Uma aflição tão intensa que pode paralisar: difícil "tapar o buraco" e deixar correr o texto, para retornar depois, como a experiência mostra ser mais efetivo. Ao reler o trecho, reembarcando em seu sentido sem a peso da aflição, a palavra se revelará, como se estivesse lá todo o tempo, esperando apenas a tinta mágica emergir do papel.

Mas como também é prazer, a busca, uma vez encerrada, ganha ares de anticlímax. Que ótimo, era esta a palavra, perfeita, mas agora... o que fazer? Preciso de novas ideias, ainda mais originais e sofisticadas - ou, ao contrário, banais e descomplicadas - para poder me deparar novamente com o desafio (ô palavra desgastada) da busca.

Esta reflexão me vem porque acabo de dar uma daquelas paradas recomendadas pela experiência, com intuito de voltar ao texto mais tarde. Escrevo um trabalho acadêmico, a monografia da minha especialização em Literatura, Arte e Pensamento Contemporâneo (quanta pompa quando se juntam as palavras certas...). A primeira busca neste trabalho surgiu ontem, quando em vão tentei escrever uma palavra. A palavra. Era daquelas únicas, sem variações ou sinônimos próximos, por se tratar de expressão encerrada numa palavra. Nem adiantava recorrer ao dicionário de sinônimos sobre a minha mesa - sempre um momento apreciado. Tasquei algumas ideias no Google, entre outras a palavra contradição, e de repente ela surgiu, se fazendo de sonsa:

"Eu? É comigo? Mas eu estava aqui na prateleira o tempo todo! Pra que tanto fuzuê?" Ah, respondi, talvez porque não tinhas esse ar descomplicado de fuzuê (que beleza de palavra), estavas na pasta em que coloco as sofisticadas, dessas que se evita numa crônica, mas, preciso reconhecer, parece bastante apropriada em uma monografia. Não foi à toa que nem ao te checar no dicionário eletrônico te achavas: és paroxítona, e eu jurava que eras proparoxítona. Oximoro me respondeu: "Eu ganho a fama de pedante e acadêmica, mas é você quem gosta de complicar nos pronomes e acentos..."

Resolvido ontem meu problema com oximoro (quase me respinga o acento), hoje empaquei num verbo. E é aí que preciso de ajuda. Da sua ajuda. Tenho esperanças de, apenas usando este novo método de falar da busca em uma coluna, chegar ao fim dela com a pendenga resolvida. Mas sempre haverá a possibilidade, nesses tempos de internet (embora a interação já não seja grande coisa fora do Twitter e do Facebook), de precisar do seu assopro no meu ouvido (digo, nos comentários). Aí vou exclamar: "Isso! A palavra! Muito obrigada. Não acredito em como ela foi me fugir por tantos parágrafos, agora que está tão óbvia."

Pois sigamos na busca, por enquanto usando a minha própria rede de pescar palavras, feita de palavras, como dizia o poeta Octavio Paz. Sou refém da linguagem, mas sofro da Síndrome de Estocolmo - me afeiçoei a ela, à minha dominadora. Comecemos pela gramática: trata-se de um verbo. Por algum motivo (que pode ser falso e me conduzir a caminhos equivocados), cismei que é mais usado como transitivo, mas no meu caso seria intransitivo. Assim como sucumbir, que intransitivo torna-se morrer. Não que tenha significado parecido - e já me arrependo dessa associação, com jeito também de desvio de rota.

O tal verbo que busco é algo entre abrir mão e rejeitar. Explicando melhor, ele fica exatamente no ponto neutro da recusa. Quando se rejeita algo, fica subentendido que se trata de coisa ruim; quando se abre mão, de coisa boa, mas... Neste momento, no instante exato deste raciocínio, a palavra me passou de raspão. Escapuliu da ponta da língua da memória e escafedeu-se novamente. Se fosse jogo de quente-frio, eu estaria fria em sucumbir e morna em... qual era mesmo o raciocínio que me levava a ela?

Abrir mão, estar abdicando de algo. Talvez valha a pena digitar abdicar no dicionário eletrônico; pode surgir um sinônimo próximo. Ou no Google. Nada. Nenhuma associação de ideias surge das palavras distanciadas e embaralhadas na tela. É preciso cuidado com os desvios. Nem tento o dicionário de sinônimos.

Volto ao texto original, onde tudo começou. Sei que você, aqui comigo nesta empreitada, percebeu a dificuldade de me ajudar se eu não forneço um mínimo do contexto no qual o tal verbo precisa ser empregado. Tem razão. Mas é uma monografia, lembra? Se eu fosse tentar resumir aqui a ideia do parágrafo acabaria escrevendo todo o capítulo, na verdade introdução, e isso tudo já anda um tanto árduo para mim. Mais de 20 anos lidando basicamente com o texto jornalístico, e agora preciso recorrer à engavetada linguagem acadêmica. Não vou negar que me divirto com o passeio, faço "pontes" entre termos acadêmicos e não acadêmicos (pontes, e não associações como seria no jornalismo, ou links como caberia na internet), mas no fim só eu acho graça de colocar na mesma frase problematização, entrelugar e pertencimento. Ninguém entende a piada.

Pois o contexto - é só o que você precisa saber - é o de se referir a algo que se convencionou positivo e nobre. Mas que algumas pessoas estão rejeitando, ou melhor, abrindo mão, ou melhor... Elas dizem: "passo". Estão neutras. O verbo não traz nele o juízo sobre o objeto rejeitado (então é transitivo???). Mais que isso, é importante que o autor, ao descrever o fenômeno, não perpasse um julgamento de que essas pessoas estão certas ou erradas, ou insinue um posicionamento político em sua atitude.

Compliquei, né? Pois agora me ocorre um paralelo. As pessoas - as tais mencionadas no estudo - estão apenas dizendo: prefiro não. Como em Bartleby, o escriturário de Herman Melville. Corro ao Google novamente. Bartleby, e as letras vão preenchendo sozinhas analysis. Nada. Nenhuma associação, ponte ou link.

Melhor deixar o texto dormir. Nessas alturas, já são dois textos - a monografia e a crônica. Observarei amanhã se a tinta mágica brotou na tela. Eles dormirão e eu também, ainda com a sensação da busca. Sei que a palavra pode dar as caras no meio da noite, como um fantasma alegre. Já aconteceu. (Será mesmo que quero acabar a busca, sem a certeza da próxima?)

No dia seguinte, pela manhã, leio no Globo um ensaio de Francisco Bosco que parece referir-se à minha busca na véspera. O assunto, entretanto, é a dificuldade do escritor diante da língua estrangeira:

"O escritor é aquele que sabe o peso de cada palavra, é quem fez de si um instrumento de alta precisão, um semantômetro, capaz de submeter cada palavra, em frações infenitesimais de um segundo, a cálculos complexos que levam em conta as suas significações possíveis, o contexto (por sua vez formado por outras palavras, submetidas ao mesmo cálculo, ao mesmo tempo) que determinará sua significação, a história de seu uso, a sua incidência atual na língua falada e escrita, entre muitas outras variáveis. É esse instrumento que, ao contato com a língua estrangeira, desafina. A língua sai do registro de alta definição para o da imagem desfocada."

Já pensou uma busca daquelas, a da monografia e da crônica, em inglês? Prefiro não. Declinaria da tarefa. Declinar.

Ei-la.

Ela chega marota, com medo da bronca por ter escapulido, mas acabo sorrindo de sua travessura. Faz uma reverência, inclina-se, em nome de seu outro sentido, e eu complemento com a minha mão o ritual, abrindo passagem. Entre, sente-se no meu texto - que agora são dois - e não me apronte outra dessas.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 30/9/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2021, o ano da inveja de Luís Fernando Amâncio
02. Contentamento descontente: Niketche e poligamia de Renato Alessandro dos Santos
03. Meu reino por uma webcam de Ana Elisa Ribeiro
04. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti
05. Ação Social de Ricardo de Mattos


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2011
01. A internet não é isso tudo - 14/1/2011
02. Entre livros e Moleskines - 11/2/2011
03. Somos todos consumidores - 8/4/2011
04. Em busca da adrenalina perdida - 4/3/2011
05. A novíssima arquitetura da solidão - 4/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/10/2011
04h07min
A palavra que foge, não deixa dormir, voa esperta ao redor da cabeça. Quando encontramos um significado, blop: vem outro, e outro, e mais um. E a palavra conhecida? Aquela de que temos todas as definições do dicionário decoradas e ainda corremos para buscá-la. A palavra que tem de se juntar a outra, e se recusa: quer escolher suas próprias companheiras. O coitado do texto lá, paradinho, esperando. Esperando sem poder dizer nada. Fazer o quê? Ele depende das palavras. Pobres de nós, escritores, que também dependemos delas! Felizes de nós! Marta, parabéns pelo artigo. "Parabéns"... Será que existe "parabem"?
[Leia outros Comentários de Adriano Cândido]
11/10/2011
11h31min
Marta, foi demais a sua crônica. Perfeita! Nós que escrevemos, por prazer e por pressão, muitas vezes empacamos, o termo é a palavra perfeita para expressar esse acontecimento, na busca dessas companheiras que dão o ponto, quando tecemos a trama do texto (vide texere). O tecido literário é a sua morada. Obrigado pela argumentação que me fez liberar dos meus libelos quando não encontro a palavra certa. Sucesso na sua monografia. Antes, coragem e paciência.
[Leia outros Comentários de Jopin Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Material de Construção
Francisco Cândido Xavier
Ideal



Encontrando a Sua Cara Metade
Décio Mendes de Almeida
Marco Zero
(2001)



Atm Internetworking With Atm Volume III
Uyless Black
Prentice Hall Series
(1998)



O Som e a Fúria
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo
(2013)



Rios no Deserto: Palestras Sobre Evangelização de Muçulmanos
Federico A. Bertuzzi
Sepal (sp)
(1993)



Condomínio e Locação Volume II
Darnley Villas Boas
Dam Jur
(1987)



Francisco Sanches na Renascença Portuguêsa
Evaristo de Moraes Filho (dedicatória)
Mec
(1953)



Language Or Race? the Choice of Core Values in the Development Of
Ethnic and Racial Studies: Vol 13 - Nº 1 Jan
Routledge Journals
(1990)



Ilha da Trindade: a Ocupação Britânica e o Reconhecimento da Sobe
Martin Normann Kämpf
Fundação Alexandre de Gusmão
(2016)



O Liminar da Liberdade Gilberto Martins
Gilberto Martis
Moderna
(1997)





busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês