Em busca da adrenalina perdida | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Casa Flutuar apresenta agenda cultural com grandes nomes da música eletrônica brasileira
>>> Sarau do Vale participa do projeto de 10 anos do Grupo Rosas Periféricas
>>> Cia Linhas Aéreas serve aperitivo para a temporada presencial de 2022
>>> Rosas Periféricas apresenta Labirinto Selvático e Ladeira das Crianças em novembro
>>> SESI-SP apresenta Filó Machado 60 Anos de Música em teatros de São Paulo e Piracicaba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Velhice
>>> I know you
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Um piano pela estrada
>>> The Good Wife visita Private Practice
>>> Glamour e mistério em Belíssima
>>> Um fim de semana no campo
>>> O PSDB e o ensino superior
>>> Avatar e um mundo novo
Mais Recentes
>>> Venda Mais - Os 14 mitos do Marketing - Ano 6 - Nº77 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Por que as empresas quebram? - Ano 6 - Nº80 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Você pode realizar seus sonhos - Ano 6 - Nº 75 de Vários pela Quantum (2021)
>>> Venda Mais - Porque você é do jeito que é - Ano 6 - Nº 78 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Edição aniversário - 7 anos - Vendendo mais e melhor de Vários pela Quantum (2001)
>>> Venda Mais - Negociando para ganhar - Ano 6 Nº 81 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Venda Mais! Venda para nichos de Mercado de Vários pela Quantum (2001)
>>> Torto arado de Itamar Vieira Junior pela Todavia (2020)
>>> O Investidor Inteligente de Benjamin Graham; Lourdes Sette pela Harper Collins (2017)
>>> O Profeta de Gibran Khalil Gibran pela Acigi
>>> Duna 1 - Edição Especial de Neil Gaiman; Frank Herbert; Maria Do Carmo Zanini pela Aleph (2017)
>>> Duna 1 - Edição Especial de Neil Gaiman; Frank Herbert; Maria Do Carmo Zanini pela Aleph (2017)
>>> Quando o Amor Triunfa de Giseti Marques pela Boa Nova (2016)
>>> Baía da Esperança de Jojo Moyes pela Intrinseca (2016)
>>> Milena de Denise Corrêa de Macedo pelo espírito Milena pela Eme (2019)
>>> Episódio da Vida de Tibério de J.W.Rochester Vera Kryzhanovskaia pela Eme (2018)
>>> Técnicas de Venda - Vendas X Produção de Vários pela Quantum (2000)
>>> O Livro da Verdadeira Cruz de Caravaca de Naasson Vieira Peixoto pela Eco
>>> Música, Ídolos e Poder: do Vinil ao Download de Andre Midani pela Nova Fronteira (2008)
>>> La Grande Aventure de La Criminologie de Jurgen Thorwaldo pela Albin Michel (1967)
>>> Português no Ginásio - Gramática e Antologia para 3ª Série de Raul Moreira Lêllis pela Companhia Nacional (1960)
>>> Tipos e Aspectos do Brasil de Sem Autor pela Ibge (1966)
>>> Historia Gráfica del Arte de Joseph Gauthier pela Victor Leru (1944)
>>> Garibaldi una Grande Vita in Breve de Denis Mack Smith pela Lerici (1959)
>>> Arte de Ensinar e Arte de Aprender de Varios pela Fundação Getúlio Vargas (1974)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/3/2011
Em busca da adrenalina perdida
Marta Barcellos

+ de 4400 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Havia alguma expectativa de, durante a viagem, descobrir por que eu nunca quis ir à Disney. Algo estranho na infância, quem sabe um desejo velado, inconsciente pela impossibilidade de realização do sonho, ou um traço de personalidade intocado pela análise. Outro adulto do grupo, também estreando por insistência dos filhos, atribuiu o desinteresse comum ao antiamericanismo que acompanhou nossa geração. Pode ser. Mas, diante da primeira "parada" de personagens, acenos da Minnie e do Pateta, encontro uma explicação mais simples: a intuição de que aquilo seria tolo, mesmo na infância. Sempre preferi Asterix ao Pato Donald.

Com a rotina de parques se estabelecendo, porém, pareceu surgir uma motivação. Para tudo. Para a noite econômica no avião, a paisagem barra-da-tijuca de Orlando, a comida horrível. Tudo seria compensado por dois minutos e meio em uma montanha-russa radical. É preciso se superar, colocar a Sheikra no currículo, despencar na vertigem furiosa do Hulk, enfrentar a escuridão alucinada ao som do Aerosmith, temer o confronto de trilhos dos Dragons, mergulhar de cabeça na Manta, ou de costas no Everest. Atrás do tal sentido, me submeti.

Fomos programados para receber altas doses de adrenalina na juventude, quando deveríamos sobreviver a ataques de animais ferozes, vencer privações e estresses inimagináveis, reagir rápido ao imponderável da natureza. Agora, com vidas seguras e previsíveis (especialmente na Flórida), pré-adolescentes e jovens adultos buscam sua droga nas armações metálicas intimidadoras, na superação de limites prometida pelas novas tecnologias. Os simuladores se sobrepujam e enganam os sentidos recém acostumados à ilusão do brinquedo anterior: é preciso dissimular a realidade. Sempre. Harry Potter me acena, e sigo suas manobras ousadas em minha vassoura, esquecendo os 40 minutos de fila.

Consta que o segredo do sucesso da Disney, multiplicado por outros parques de Orlando, é a fidelização. As pessoas - famílias e grupos - voltam. Por isso, além do serviço impecável, é preciso oferecer novidades de última geração. A cereja do bolo é a montanha-russa-troféu, onde todos provam sua bravura, com mais ou menos sofrimento. Descubro que a atração foi mesmo inventada na Rússia, onde trenós desciam por montes especialmente construídos no gelo. Não sei como era naquele tempo, mas hoje as únicas habilidades necessárias são a coragem de entrar no carrinho e a paciência para resistir à fila.

Não por acaso, as montanhas-russas mais extremas fazem alusão a monstros que precisam ser vencidos, como dragões ou o abominável monstro das neves. Nós, que insistimos na busca de um sentido, teremos o consolo de ser considerados heróis ao final do trajeto. Todo o tédio do fast-food será compensado com piruetas, sacolejos, reviravoltas no estômago. Depois da condecoração de hoje, outra deverá ser conquistada no parque programado para amanhã: a maior queda livre, a maior aceleração ou a maior velocidade. Na próxima montanha-russa, sou informada, acrescentarei ao currículo o maior looping invertido do mundo, seja lá o que isso for.

Nessas alturas (com o perdão do trocadilho), percebo a função da foto tirada no exato momento em que despencamos no abismo. Os heroísmos de hoje em dia precisam deixar registro. Assim como a festa não aconteceu se as fotos não foram parar no Facebook, o efêmero momento de bravura precisa de um flash para aumentar seu prazo de validade. Depois de sair do carrinho, e antes de passar pela loja de souvenires que também servem para validar a experiência, somos apresentados às nossas caretas fotografadas: sorrisos nervosos ou sofrimento explícito. No primeiro caso, compra-se a foto, a partir de módicos US$ 18.

Na tal montanha do looping invertido, a personalização do "passeio" vai além da foto. É preciso oferecer novidades, lembram? Novidades de última geração, que garantam o retorno anual das famílias e grupos de adolescentes. Na recauchutada Hollywood Rip Ride Rockitt, é possível escolher a trilha sonora do percurso e levar para casa a própria performance registrada em um DVD que mistura imagens externas com as caretas filmadas durante todo o tempo. Em breve, o flash único vendido em porta-retrato temático será tão ultrapassado quanto o bicho da seda ou o trem-fantasma do Tivoli Park. O que vão inventar para a próxima temporada?

Prefiro não saber. Voei, trepidei, dei cambalhotas no ar, me encharquei em falsas corredeiras, agüentei horas na fila, comprei a foto de meu sorriso nervoso. Ver a alegria e o êxtase das crianças fez valer o programa, sem dúvida. Mas "o sentido" continua me escapando. Difícil compreender por que uma tarde de domingo no Tivoli deve durar agora uma semana na Disney. São os novos tempos, as novas crianças, o novo Brasil globalizado. Somente depois de sete parques, os pais podem descansar ao final. Ufa.

Na noite econômica e exausta da volta, diretamente do último parque, brasileiros me repreendem por não ter arrumado tempo para compras. Era tanta bagagem de mão que o voo quase atrasa para se acomodarem os pacotes. Os preços realmente valem a pena, eu respondo, mas preferia ter arrumado tempo para garimpar um bom jantar. Aliás, trocaria minha dose de adrenalina diária por um bom jantar. Nesse momento percebo que, definitivamente, não fui "fidelizada" pela Disney. Se for para repetir um destino, que seja sempre Paris.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 4/3/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) de Fabio Gomes
02. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
03. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol
04. Um socialista na Casa Branca? de Celso A. Uequed Pitol
05. Predadores humanos de Gian Danton


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2011
01. A internet não é isso tudo - 14/1/2011
02. Entre livros e Moleskines - 11/2/2011
03. Somos todos consumidores - 8/4/2011
04. Em busca da adrenalina perdida - 4/3/2011
05. A novíssima arquitetura da solidão - 4/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/3/2011
22h07min
A adrenalina se perdeu, mas eu me encontrei...
[Leia outros Comentários de Rebeca Lira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Maçãs Envenenadas
Lily Archer
Galera Record
(2012)



O Livro dos Humanos
Adam Rutherford
Record
(2020)



Transplante
Frank G. Slaughter
Record
(1986)
+ frete grátis



Receitas Para Pratos Rápidos
Michelle Berriedale Johnson
Melhoramentos
(1986)



A Desapropriação a Luz da Doutrina e da Jurisprudência
José Carlos de Moraes Salles
Revista dos Tribunais
(1992)



Direito Processual Civil: Processo Cautelar
Nelton Agnaldo Moraes dos Santos
Campus
(2007)



Bacon - Os Pensadores
Francis Bacon
Nova Cultural
(1997)



A Construção Social dos Regimes Autoritários - Europa
Denise Rollemberg
Civilização Brasileira
(2011)



O Primo Basílio
Eça de Queiroz
Folha de S. Paulo
(1997)



Sketchbook
Will Conrad
Criativo
(2013)





busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês