Em busca da adrenalina perdida | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
34692 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Sessão da peça infantil
>>> Consulado Geral da Hungria promove na capital paulista:
>>> Monja Cohen, Rabino Schlesinger e Gilberto Dimenstein vão debater sobre a mentira como um obstáculo
>>> Caixa de Fuxico estreia Cabeças Trocadas, da obra de Thomas Mann, na SP Escola de Teatro
>>> Saraus do Plástico Bolha
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jackie O., editora
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> Não estou lá, com Cate Blanchett
>>> Little Joy, o disco
>>> O Vendedor de Passados
>>> O que é crítica, afinal?
>>> O massacre da primavera
>>> Feedback risonho
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> E se... Você Começasse a Agir?
>>> Choques Cósmicos: Transformando Crises em Oportunidades de Crescimento
>>> Elite da Tropa
>>> A Sabedoria de São Bento para o nosso Tempo
>>> A Reunificação da Alemanha: do Ideal Socialista ao Socialismo Real
>>> Miséria da Filosofia
>>> Crônica de um Amor Louco
>>> O Correio Continua
>>> Os Adoradores do Sol
>>> Eat Pray Love
>>> Pronto Socorro
>>> Ego e Arquétipo
>>> Mulheres Cheias de Graça
>>> Manual Completo de Ascensão
>>> Religião, Psicoterapia e Aconselhamento Espiritual
>>> O poder cósmico da mente
>>> Éléments de Syntaxe Structurale - Lucien Tesnière
>>> História do cerco de Lisboa
>>> Estate Gardens of California
>>> Raios de luz espiritual ensinos esotéricos
>>> O Morro das Ilusões
>>> Introduccion Al Oleo
>>> Kg 200 - O Esquadrão Fantasma
>>> História dos Clubes de Cabo Frio
>>> Poesia Portuguesa Erótica e Satírica Séculos XVIII e XIX
>>> A Revolta de Seis de Setembro (a Ação de S. Paulo)
>>> Gramática grega
>>> Almanaque de Sorocaba 1950
>>> Derivativos no Brasil
>>> Tornar-se Pessoa
>>> Eneagrama para os Pais
>>> O Rio de Janeiro do Meu Tempo - 5 Volumes - Luiz Edmundo
>>> La Novela Picaresca Española - Angel Valbuena y Prat
>>> Coleção Fernando Sabino 12 Volumes Editora Record 1984
>>> A Grande Aventura de Cousteau - 37 Volumes - Jacques Cousteau
>>> Manual Completo de Análise Transacional
>>> Panelinha
>>> Comer Bem
>>> Almanaque Light
>>> don quijote de la mancha I
>>> don quijote de la mancha II
>>> True colors
>>> Yôga Antigo Para Iniciantes
>>> The Hound of the Baskervilles
>>> Felicidade Roubada
>>> Dom Quichote de la Mancha - Cervantes / Dom Quixote
>>> Aspectos surrealistas em O Agressor de Rosário Fusco
>>> Bíblia de Jerusalém - Antiguo Testamento - Nuevo Testamento (em espanhol)
>>> Revista Língua Portuguesa 30 Volumes - do nº 1 ao 30
>>> Os Mistérios de Paris
COLUNAS

Sexta-feira, 4/3/2011
Em busca da adrenalina perdida
Marta Barcellos

+ de 3400 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Havia alguma expectativa de, durante a viagem, descobrir por que eu nunca quis ir à Disney. Algo estranho na infância, quem sabe um desejo velado, inconsciente pela impossibilidade de realização do sonho, ou um traço de personalidade intocado pela análise. Outro adulto do grupo, também estreando por insistência dos filhos, atribuiu o desinteresse comum ao antiamericanismo que acompanhou nossa geração. Pode ser. Mas, diante da primeira "parada" de personagens, acenos da Minnie e do Pateta, encontro uma explicação mais simples: a intuição de que aquilo seria tolo, mesmo na infância. Sempre preferi Asterix ao Pato Donald.

Com a rotina de parques se estabelecendo, porém, pareceu surgir uma motivação. Para tudo. Para a noite econômica no avião, a paisagem barra-da-tijuca de Orlando, a comida horrível. Tudo seria compensado por dois minutos e meio em uma montanha-russa radical. É preciso se superar, colocar a Sheikra no currículo, despencar na vertigem furiosa do Hulk, enfrentar a escuridão alucinada ao som do Aerosmith, temer o confronto de trilhos dos Dragons, mergulhar de cabeça na Manta, ou de costas no Everest. Atrás do tal sentido, me submeti.

Fomos programados para receber altas doses de adrenalina na juventude, quando deveríamos sobreviver a ataques de animais ferozes, vencer privações e estresses inimagináveis, reagir rápido ao imponderável da natureza. Agora, com vidas seguras e previsíveis (especialmente na Flórida), pré-adolescentes e jovens adultos buscam sua droga nas armações metálicas intimidadoras, na superação de limites prometida pelas novas tecnologias. Os simuladores se sobrepujam e enganam os sentidos recém acostumados à ilusão do brinquedo anterior: é preciso dissimular a realidade. Sempre. Harry Potter me acena, e sigo suas manobras ousadas em minha vassoura, esquecendo os 40 minutos de fila.

Consta que o segredo do sucesso da Disney, multiplicado por outros parques de Orlando, é a fidelização. As pessoas - famílias e grupos - voltam. Por isso, além do serviço impecável, é preciso oferecer novidades de última geração. A cereja do bolo é a montanha-russa-troféu, onde todos provam sua bravura, com mais ou menos sofrimento. Descubro que a atração foi mesmo inventada na Rússia, onde trenós desciam por montes especialmente construídos no gelo. Não sei como era naquele tempo, mas hoje as únicas habilidades necessárias são a coragem de entrar no carrinho e a paciência para resistir à fila.

Não por acaso, as montanhas-russas mais extremas fazem alusão a monstros que precisam ser vencidos, como dragões ou o abominável monstro das neves. Nós, que insistimos na busca de um sentido, teremos o consolo de ser considerados heróis ao final do trajeto. Todo o tédio do fast-food será compensado com piruetas, sacolejos, reviravoltas no estômago. Depois da condecoração de hoje, outra deverá ser conquistada no parque programado para amanhã: a maior queda livre, a maior aceleração ou a maior velocidade. Na próxima montanha-russa, sou informada, acrescentarei ao currículo o maior looping invertido do mundo, seja lá o que isso for.

Nessas alturas (com o perdão do trocadilho), percebo a função da foto tirada no exato momento em que despencamos no abismo. Os heroísmos de hoje em dia precisam deixar registro. Assim como a festa não aconteceu se as fotos não foram parar no Facebook, o efêmero momento de bravura precisa de um flash para aumentar seu prazo de validade. Depois de sair do carrinho, e antes de passar pela loja de souvenires que também servem para validar a experiência, somos apresentados às nossas caretas fotografadas: sorrisos nervosos ou sofrimento explícito. No primeiro caso, compra-se a foto, a partir de módicos US$ 18.

Na tal montanha do looping invertido, a personalização do "passeio" vai além da foto. É preciso oferecer novidades, lembram? Novidades de última geração, que garantam o retorno anual das famílias e grupos de adolescentes. Na recauchutada Hollywood Rip Ride Rockitt, é possível escolher a trilha sonora do percurso e levar para casa a própria performance registrada em um DVD que mistura imagens externas com as caretas filmadas durante todo o tempo. Em breve, o flash único vendido em porta-retrato temático será tão ultrapassado quanto o bicho da seda ou o trem-fantasma do Tivoli Park. O que vão inventar para a próxima temporada?

Prefiro não saber. Voei, trepidei, dei cambalhotas no ar, me encharquei em falsas corredeiras, agüentei horas na fila, comprei a foto de meu sorriso nervoso. Ver a alegria e o êxtase das crianças fez valer o programa, sem dúvida. Mas "o sentido" continua me escapando. Difícil compreender por que uma tarde de domingo no Tivoli deve durar agora uma semana na Disney. São os novos tempos, as novas crianças, o novo Brasil globalizado. Somente depois de sete parques, os pais podem descansar ao final. Ufa.

Na noite econômica e exausta da volta, diretamente do último parque, brasileiros me repreendem por não ter arrumado tempo para compras. Era tanta bagagem de mão que o voo quase atrasa para se acomodarem os pacotes. Os preços realmente valem a pena, eu respondo, mas preferia ter arrumado tempo para garimpar um bom jantar. Aliás, trocaria minha dose de adrenalina diária por um bom jantar. Nesse momento percebo que, definitivamente, não fui "fidelizada" pela Disney. Se for para repetir um destino, que seja sempre Paris.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 4/3/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait
04. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
05. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2011
01. A internet não é isso tudo - 14/1/2011
02. Entre livros e Moleskines - 11/2/2011
03. Somos todos consumidores - 8/4/2011
04. Em busca da adrenalina perdida - 4/3/2011
05. A novíssima arquitetura da solidão - 4/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/3/2011
22h07min
A adrenalina se perdeu, mas eu me encontrei...
[Leia outros Comentários de Rebeca Lira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COLÔNIA CECÍLIA - RENATA PALLOTTINI (TEATRO ANARQUISTA)
RENATA PALLOTTINI
ACHIAMÉ
(2001)
R$ 10,00



HISTÓRIA DO DIREITO
VICENTE BAGNOLI ET AL
CAMPUS - ELSEVIER
(2009)
R$ 40,90



BACEN - APOSTILA PREPARATÓRIA - TÉCNICO NÍVEL MÉDIO
AUTOR OBCURSOS
OBCURSOS
(2009)
R$ 39,90



OS NOVOS DESEJOS
MIRIAN GOLDENBERG
RECORD
(2000)
R$ 13,90



OS GOONIES
STEVEN SPIELBERG
RECORD
(1985)
R$ 12,99



OUTRAS MORADAS
ADELICE SOUZA ET AL.
EPP PUBLICAÇÕES / PUBLICIDADE
(2007)
R$ 15,00



PEQUENA HISTÓRIA DE D. PEDRO II
COLEÇÃO BRASIL Nº 10
MEC
R$ 8,97



O PROFETA TRICOLOR
NELSON RODRIGUES
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 50,00



MANGÁ YUKI - VINGANÇA NA NEVE Nº 2
KAZUO KOIKE - KAZUO KAMIMURA
CONRAD
R$ 7,00



A CONSTRUÇÃO DO ESPETÁCULO
LUIZ NORONHA E ROGÉRIO FAISSAL
AEROPLANO
(2000)
R$ 15,00





busca | avançada
34692 visitas/dia
773 mil/mês