Entre as cordas, os contos são contundentes | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
50836 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 17/9/2009
Entre as cordas, os contos são contundentes
Vicente Escudero

+ de 2800 Acessos


F.X. Toole

Não me recordo da primeira vez que assisti a uma luta de boxe profissional. A lembrança mais remota que tenho do esporte é a de dois lutadores fora de forma, um deles de calção azul e o outro vestindo branco, lutando num ringue improvisado sob uma tenda de circo. Devia ter meus doze, treze anos, talvez fosse durante as férias na casa dos meus avós numa cidade do interior de São Paulo, ou em algum lugar próximo de onde morava, numa época em que o circo era programa de final de semana e não havia lei proibindo a participação de animais nos espetáculos.

Encerrada a apresentação dos palhaços, eu e alguns colegas espiávamos a próxima atração escondidos debaixo de uma parte desativada da arquibancada suja. O apresentador, falando em um microfone no meio do picadeiro empoeirado, anunciou que haveria um desafio entre dois pesos pesados. Um ringue foi improvisado no meio do picadeiro enquanto a platéia escassa tratava de engolir gominhas e pipoca. Os dois lutadores gordos entraram, cada um por um lado das cordas, retiraram os roupões e se aqueceram enquanto o apresentador anunciava seus cartéis de lutas: nenhum deles jamais havia sido derrotado, e o sujeito usando calção branco ainda era campeão de uma associação repleta de vogais.

Trocamos alguns olhares de espanto após anúncio de que a luta seria repetida na noite seguinte, afinal, se os boxeadores eram invencíveis, qual seria a graça de assistir a mesma luta um dia depois da queda de um deles? "Amanhã tem revanche!", um de nós disse, empolgado com a reprise, desatino só justificável pela infância.

A alegria acabou antes da luta. O segurança percebeu que não compramos entradas e tratou de nos enxotar da tenda. Naquela noite, fomos banidos por indisciplina. Mas conseguimos ouvir o couro das luvas batendo no couro ainda vivo de algum dos lutadores.

No dia seguinte, voltamos ao circo à tarde, durante os preparativos para o espetáculo da noite. Um dos pesos pesados fumava um cigarro, sentado na porta de entrada de um trailer. Naquela tarde, éramos cinco: eu, duas garotas e dois colegas. O segurança passou por nós e fez questão de recordar que era necessário pagar para assistir à luta e que, naquela noite, se tivéssemos dinheiro, poderíamos ver os dois campeões se enfrentarem novamente. Antes que decidíssemos, o lutador desceu de sua casa sobre rodas e ofereceu algumas aulas grátis de boxe para a "molecada que teve a cara-de-pau de entrar no circo sem pagar".

Vesti luvas grandes. Tive a sensação de estar usando uma couraça pesada que retirava toda a sensibilidade das mãos durante os golpes. Aprendemos a disparar jabs, posicionar corretamente as pernas, saltitar e não caminhar durante a luta, além dos fundamentos que diferenciam o boxe de uma briga de rua: lutadores são classificados de acordo com o peso, golpes só são permitidos acima da cintura e os juízes trabalham separando os lutadores que se agarram, durante o clinch. Saímos de lá com os ombros doloridos, trocando socos com fantasmas no caminho de volta para o descanso noturno.

Só depois de muito tempo fui conhecer o boxe profissional. Lá pelos dezesseis anos, quando o mexicano Julio Cesar Chavez vencia todo mundo por nocaute e aumentava seu cartel de vitórias, que chegou à espantosa sequência de 90 lutas sem derrota. Chavez era um lutador inteligente, sabia domar seus adversários ainda que fossem mais fortes, mais rápidos ou mais resistentes ― enfim, melhores do que ele. Tinha a agilidade de um lêmure, a resistência de um lobo e um cruzado de direita tão forte quanto a patada de um leão. Foi, para os estatísticos da arte de socar, o maior pugilista de todos os tempos. Considero sua luta mais espetacular a defesa do título contra o norte-americano Meldrick Taylor, derrotado no décimo segundo assalto por nocaute, a dois segundos do fim da luta. Detalhe: Taylor vencia a luta por pontos e, por não conseguir responder às perguntas do juiz quando se levantou depois do golpe fatal, foi declarado o nocaute. O cruzado de direita de Chavez era infalível.



Talvez essa imprevisibilidade do boxe, a dificuldade de se definir o resultado pelo retrospecto dos lutadores, seja a grande atração desse esporte. Impossível definir um vencedor simplesmente por características pessoais como força, treinamento e coragem. A dois segundos do fim da luta, meses de preparo podem ruir por um ombro caído, uma defesa fraca. Ofegantes, os lutadores se engalfinham até o desgaste quase fatal, ou até serem interrompidos pelo juiz encerrando a luta, impedindo o fim da carreira de um dos lutadores. Se um deles é nocauteado e levanta rapidamente, num espasmo animal de força e garra, como fez Meldrick Taylor, de nada adianta se a consciência foi jogada para fora do ringue por um golpe certeiro do adversário, capaz de fazê-lo esquecer o próprio nome.

Apenas um lutador impôs a matemática entre as cordas: Myke Tyson. Até o dia em que foi derrubado por James "Buster" Douglas e, posteriormente, por Evander Holyfield. Enquanto estava em forma e fora da cadeia, Tyson foi imbatível. Depois de cumprir pena por estupro, não tinha mais a condição física e psicológica que intimidava e derrubava os rivais no primeiro assalto. Tyson não demorava mais de três assaltos para terminar o serviço. Não trabalhava as pernas muito bem, respirava o suficiente para distribuir dois ou três golpes fatais. Aquele som de "freada de caminhão", feito pelos lutadores quando respiram durante um golpe poderoso não fazia parte de seu repertório. Foi derrotado pela falta de preparo físico.



Fora das arenas o boxe sempre foi mostrado como tragédia e redenção: a luta entre dois homens que arriscam tudo dentro e fora do ringue para ganhar respeito, provar que são mais durões que o oponente. O cinema tratou disso desde Sindicato de ladrões, a história trágica e redentora de Terry Malloy (Marlon Brando), boxeador aliciado pela máfia do sindicato de estivadores, que luta para acabar com a influência do grupo criminoso sobre a população da cidade e sobre o sindicato; passando por Touro indomável, com Robert De Niro no papel do boxeador Jake LaMotta do seu auge à decadência; até Menina de Ouro, a história de Maggie Fitzgerald (Hillary Swank), boxeadora tardia que se torna campeã mundial, mas acaba sofrendo um acidente que a torna paraplégica, fato que coloca seu treinador, Frankie Dunn (Clint Eastwood) entre a cruz e a espada para decidir sobre a prática de eutanásia.

Baseado nas histórias do escritor ― até então desconhecido ― F.X. Toole, Clint Eastwood filmou um drama muito além das cordas, retratando a condição humana quando colocada em situações extremas: o físico combatendo a transitoriedade da vida, o carinho pela lutadora em clinch com os dogmas cristãos. A vida de Maggie Fitzgerald sendo golpeada diariamente pelo tempo não difere das sequências de jabs e ganchos trocadas no ringue, enquanto a dúvida sobre sua tenacidade e coragem vai assumindo ares de redenção, até a transformação em tragédia na luta pelo título.

Maggie e Frankie são personagens extraídos do cotidiano das academias de boxe, da vida dupla levada por F.X. Toole, enquanto conhecido por Jerry Boyd no canto dos ringues. Pouco se conhece sobre a vida deste escritor que se tornou um sucesso tardio. Toreador, boxeador a partir dos quarenta anos de idade e mais tarde cutman (responsável pela contenção dos sangramentos do lutador durante a luta), Jerry Boyd adotou o pseudônimo para esconder dos parceiros de boxe a vida de escritor. Como num golpe de sorte, passou mais de quarenta anos enviando originais e sendo recusado por editoras, a partir da década de cinquenta e, por acaso, aos setenta anos de idade, foi descoberto por uma pequena revista literária de São Francisco. Morreu antes de ver nas telas a personagem que criou, embora tenha lutado para que o enredo não fosse mudado. Venceu, embora não tenha visto a glória. Deixou um romance de quase mil páginas inacabado, encerrado pelos filhos e um restaurador, publicado em 2007, chamado Pound by Pound, ainda não traduzido para o português.

F.X. Toole viveu as lutas que escreveu. Ainda que não tenha alcançado em vida o reconhecimento literário, foi capaz de produzir uma pequena obra-prima, As cordas queimam, coletânea de contos ao estilo de Hemingway, onde só o essencial basta e os ossos, músculos e sangue batalham contra as adversidades com o mesmo vigor de um peso pesado na luta pelo título. Com apenas cinco contos, ficou acima dos frufrus de Norman Mailer e a inocência de Jack London no tratamento do boxe.

Um dos poucos registros do autor, na internet, é esta entrevista. Nela, o escritor recém-descoberto se mostra ansioso, um contador de histórias nato à espera da primeira oportunidade para narrar os episódios que permeiam a doce ciência do boxe. No final dessa luta com a literatura, o resultado foi o seguinte: viveu muito, escreveu pouco, bateu forte. Seguindo Muhammad Ali, teve a chance de voar como uma borboleta e picar como uma abelha. Na literatura e como cutman, foi preciso como uma navalha.


Vicente Escudero
São Paulo, 17/9/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sociedade dos Poetas Mortos de Rafael Rodrigues
02. Comunicado importante: TV mata! de Pilar Fazito
03. Preguiça culinária de Adriana Carvalho


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2009
01. Amor aos pedaços - 7/5/2009
02. O naufrágio é do escritor - 12/3/2009
03. E a lei cedeu diante dos costumes - 11/6/2009
04. 2008, o ano de Chigurh - 2/1/2009
05. Amantes, tranquila inconsciência - 8/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DESPEDIDA EM VENEZA - GRANDES ESCRITORES DA ATUALIDADE
LOUIS BEGLEY
PLANETA
(2004)
R$ 12,00
+ frete grátis



70º ANIVERSARIO DA SEGUNDA GUERRA MUMDIAL - VOLUMES 1/2/3/4/7 VER DESCRIÇAO
VARIOS
ABRIL COLEÇOES
R$ 70,00



XML PROGRAMAÇÃO COM VB E ASP
MARK E TRACEY WILSON
CIÊNCIA MODERNA
R$ 30,00



DIALOGOS SOBRE A BOCA
CARLOS BOTAZZO
HUCITEC
(2013)
R$ 34,00



THE BATTLE OF NEWTON ROAD (SEM CD)
LESLIE DUNKLING
PENGUIN READERS
(2008)
R$ 15,00



PÍPI A BORDO
ASTRID LINDGREN
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2009)
R$ 24,00



PÃO DIÁRIO DEVOCIONAL ANUAL. UMA MEDITAÇÃO PARA CADA DIA DO ANO
HENRY G. BOSCH ET AL
PÃO DIÁRIO
(2016)
R$ 5,00



FROZEN UMA AVENTURA CONGELANTE - PASSATEMPOS DIVERTIDOS
EDITORA GIRASSOL
GIRASSOL
(2014)
R$ 8,38



NA MARGEM DO RIO PIEDRA EU SENTEI E CHOREI
PAULO COELHO
ROCCO
(1994)
R$ 5,00



VIAGEM A UM BRASIL INSÓLITO: E OUTRAS DESTINAÇÕES
RENATO BARROS DE CASTRO (DEDICATÓRIA)
BPM EDIÇÕES (FORTALEZA)
(2015)
R$ 38,00





busca | avançada
50836 visitas/dia
1,8 milhão/mês