E a lei cedeu diante dos costumes | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
42918 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Equilibrando” oferece oficinas e apresentações gratuitas de circo
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Early Years
>>> Ruy Proença: poesia em zona de confronto
>>> E a Turma da Mônica cresceu
>>> FLIP 2006 III
>>> Franz Kafka, por Louis Begley
>>> Solidariedade é ação social
>>> ¿Cómo sobrevivo?
>>> Deixa se manifestar
>>> Falta Política
>>> No caminho de Sterne
Mais Recentes
>>> Incidente Em Antares de Érico Veríssimo pela Globo (1994)
>>> O Alfaiate Polonês de Debora Finkielsztejn pela Babilonia (2017)
>>> Aventuras de um Geólogo Pioneiro na Amazônia de Francisco Mota Bezerra da Cunha pela Ibp (2012)
>>> Cavalos da Chuva de Cadão Volpato pela Sesi-SP (2018)
>>> O Alienista Em Cordel de Machado Assis pela Nova Alexandria (2010)
>>> Johnny Vai à Guerra de Dalton Trumbo pela Biblioteca Azul (2017)
>>> Meu anjo da guarda - Novo e completo Manual de piedade para meninos e meninas de Não encontrado pela Oficinas gráficas Aparecida (1944)
>>> The Culture of the Copy de Hillel Schwartz pela Zone Books (1998)
>>> Você, Líder do Seu Sucesso de Inácio Dantas pela Clube de Autores (2018)
>>> As Plantas Mágicas: Botânica Oculta de Paracelso pela Hemus (1976)
>>> O Advogado de Henri Robert pela Martins Fontes (2002)
>>> Como Compreender Símbolos de Clare Gibson pela Senac (2012)
>>> Michaelis Minidicionário Inglês - Português, Português - Inglês de Vários Autores pela Melhoramentos (1989)
>>> Escritos Políticos de Max Weber pela Martins Fontes (2014)
>>> A Imagem do Corpo: As Energias Construtivas da Psique de Paul Schilder pela Martins Fontes (1981)
>>> Michaelis Minidicionário Francês - Português, Português - Francês de Jelssa Ciardi Avolio e Mara Lucia Faury pela Melhoramentos (2007)
>>> Ciência e Comportamento Humano de B. F. Skinner pela Martins Fontes (1978)
>>> Mussolini e a Ascensão do Fascismo de Donald Sassoon pela Agir (2009)
>>> A Presença de Castello de Edilene Matos e Neuma Cavalcante pela Humanitas (2003)
>>> A Tragédia Shakeasperiana de A. C. Bradley pela Martins Fontes (2009)
>>> O Teatro de Shakespeare de Sérgio Viotti pela Martins Fontes (2013)
>>> Gramática Metódica da Língua Portuguesa de Napoleão Mendes de Almeida pela Saraiva (1981)
>>> A Consolação da Filosofia de Boécio pela Martin Fontes (1998)
>>> Mãos Unidas - 22ª ED (Otimo Estado) de Francisco Candido Xavier pela Instituto de Difusão Espírita (2002)
>>> Sonhos de Einstein de Alan Lightman pela Companhia Das Letras (1993)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/6/2009
E a lei cedeu diante dos costumes
Vicente Escudero
+ de 5200 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Debate na Câmara dos Comuns, do Reino Unido.

Acompanhar o noticiário político atual, vindo do Congresso Nacional, é entrar num estado de frustração que parece existir há séculos no Brasil: por mais que se espere da classe política decisões sobre temas sensíveis, importantes para o desenvolvimento do país e o avanço da sociedade, as atuações dos congressistas apenas mantêm o ritmo de desmoralização da função legislativa, fazendo temer os defensores do evolucionismo, afinal, se o mais forte acaba suplantando o mais fraco, o Poder Legislativo conseguiria permanecer entre os outros dois poderes atuando de forma tão pífia?

CPI atrás de CPI. Escândalo seguido por escândalo. O Congresso Nacional parece estar em coma e respirando por aparelhos, atuando apenas em temas relacionados a sua própria existência e até mesmo em outros menores, como a manutenção do mandato de seus membros ou a reestruturação para manter o status quo (há termo para isso?). Como num corpo sobrevivendo sem personalidade, o dinheiro corre pelas veias e alimenta a estrutura burocrática que se mantém inerte. É necessário esconder da sociedade os gastos de cada um dos parlamentares? É discutível pagar viagens aos familiares com dinheiro público? Se na Inglaterra um parlamentar renunciou ao mandato por ter sido pego usando dinheiro público para pagar uma faxineira particular, por que os nossos brigam com a imprensa diariamente para justificar gastos ainda mais ilegais, mesmo o nosso Congresso Nacional sendo o mais gastador do mundo?

É nesse vácuo estatal que o poder Judiciário e o Executivo vêm trabalhando, substituindo o Poder Legislativo sem a mesma legitimidade fundamental para a criação do direito. Os piores exemplos disso são as medidas provisórias do Executivo e o ativismo legislativo do Judiciário. As velhas conhecidas MPs , desde o final da ditadura, são leis editadas nas hipóteses de relevância e urgência, pelo chefe do Executivo, e referendadas pelo Legislativo. É unânime o entendimento de que a maioria avassaladora das medidas provisórias é inconstitucional por não possuir um destes requisitos. Além de subtrair parcela do poder de legislar, estes atos normativos também trancam a pauta, impedindo a votação de outras leis pelo Congresso Nacional. O Executivo acaba legislando e impedindo o funcionamento do Legislativo numa só tacada. Isso há mais de vinte anos...

O ativismo legislativo do Judiciário também causa estragos. Recentemente, o Supremo Tribunal Federal decidiu manter a demarcação da Reserva Raposa Serra do Sol e discutiu as limitações da reserva do território, além dos poderes que a população indígena teria sobre ele. Desnecessário lembrar que todas as limitações, como disse o Ministro Marco Aurélio na respectiva sessão do tribunal, estão presentes na Constituição Federal, tornando desnecessária a criação de qualquer regra no julgamento da ação para a efetivação da decisão. O maior temor dos julgadores, trazido pelo comando do Exército, seria de que haveria a possibilidade da população indígena impedir o acesso dos militares e dos membros dos poderes do Estado à reserva, já que apenas um antigo decreto garantiria este direito. Tal entendimento não é correto. A reserva faz parte do território nacional e apenas o Brasil possui soberania, fundamento de nossa república que impede a autonomia excludente de qualquer parte do território. Criou-se um clima de insegurança sobre um tema vencido, sob o argumento da demonstração aos povos indígenas de quais seriam os limites da reserva instituída. O tal efeito educativo-legislativo da discussão na seara judicial contribuiu para o surgimento de dúvidas sobre o futuro da região demarcada.

Outra recente incursão do Judiciário sobre as atribuições do Poder Legislativo foi o reconhecimento da inconstitucionalidade da Lei de Imprensa. Com apenas um voto contra este entendimento, numa ADPF (ação de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental), proposta pelo PDT, o Supremo Tribunal Federal reconheceu a inconstitucionalidade da lei desde a promulgação da atual Constituição Federal, em 1988. Promulgada em 1967, durante o regime militar e anterior ao AI-5, a Lei de Imprensa criminalizava várias condutas jornalísticas atualmente tratadas pela legislação comum, além de permitir medidas absurdas como a apreensão cautelar de exemplares de periódicos visando evitar danos oriundos de práticas que qualificava como criminosas. A descaracterização judicial da constitucionalidade da lei, que vinha sendo aplicada desde a promulgação da atual Constituição em diversas condenações criminais, criou um estranho vácuo onde os condenados durante o período de vinte anos entre a Constituição de 1988 e o reconhecimento da não-recepção da Lei de Imprensa permanecem. Se as condutas ali definidas como crime não foram recepcionadas pela Constituição de 1988, como várias pessoas foram condenadas durante vinte anos? Pessoas que cumpriram penas alternativas foram sentenciadas com base em crimes que, na verdade, não eram crimes?

Como explicar a bagunça ao cidadão comum? Quem vai reparar os prejudicados pela morosidade do Estado neste reconhecimento?

Resta claro que a Lei de Imprensa deveria ter sido revogada através de outra lei editada pelo Poder Legislativo. A discussão sobre a necessidade da vigência da arcaica Lei de Imprensa era uma tarefa da sociedade e de seus representantes, não do Supremo Tribunal Federal, onde os ministros não foram eleitos pelo povo e nem escolhidos para legislar. Diante da inércia do Congresso no trato do assunto, o tribunal deveria ter dado apenas um "puxão de orelha" no Legislativo para instigá-lo a discutir o tema no momento mais breve possível, buscando que a sociedade reconhecesse a importância da liberdade de imprensa e trazendo o debate para o espaço público, como ocorre nas democracias desenvolvidas.

Aos poucos o próprio Legislativo vai abrindo mão de suas atribuições. Na petição inicial da ação distribuída pelo PDT para reconhecimento da inconstitucionalidade da Lei de Imprensa, em determinado momento, na página 48, o partido político explica:

"Sendo o Autor da ADPF, um partido político, pode gerar perplexidade a judicialização da matéria, que poderia ser atacada pela via congressual. A explicação está em MAQUIAVEL, n'O Príncipe:

... não há coisa mais difícil, nem de êxito mais duvidoso, nem mais perigosa, do que o estabelecimento de novas leis. O novo legislador terá por inimigos todos aqueles a quem as leis antigas beneficiavam, e terá tímidos defensores nos que forem beneficiados pelo novo estado das coisas. Essa fraqueza nasce parte do medo dos adversários, parte da incredulidade dos homens, que não acreditam na verdade das coisas senão depois de uma firme experiência."

Depois de quase quinhentos anos, Maquiavel parece ter alcançado seu intento: concentrar todos os poderes nas mãos de poucos e convencer aqueles que abriram mão dele da importância do absolutismo.


Vicente Escudero
São Paulo, 11/6/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Guignard, retratos de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner de Wellington Machado
03. São Luiz do Paraitinga de Ricardo de Mattos
04. Tarantino e o espírito do tempo de Luiz Rebinski Junior
05. Elvis e Michael: do extrativo ao industrial de Diego Viana


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2009
01. Amor aos pedaços - 7/5/2009
02. O naufrágio é do escritor - 12/3/2009
03. E a lei cedeu diante dos costumes - 11/6/2009
04. 2008, o ano de Chigurh - 2/1/2009
05. Amantes, tranquila inconsciência - 8/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/6/2009
13h49min
Tenho menos de 20 anos e cresci vendo o "teatro dos vampiros" que é nosso cenário político. Sempre fico impressionado quando vejo como é diferente em países de primeiro mundo, como a Inglaterra: o que para nós é sempre resolvido com um "abafa" da imprensa, e pela substituição por um novo escândalo, lá é motivo de vergonha e desistência do cargo. Quando penso nisso, só sinto vergonha de ser eleitor e pagador de impostos em um país como este, onde elegemos salafrários para desperdiçar nosso dinheiro e estagnar nossa sociedade...
[Leia outros Comentários de Daniel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Colcha de Leitura
Jonas Ribeiro
Elementar
(2002)



Livro - Depois de Você
Jojo Moyes
Intrínseca
(2016)



Filtro Solar
Mary Schmich
Sextante
(2004)



Dom Casmurro - Classicos Saraiva
Machado de Assis
Saraiva
(2009)



Mana Maria - Aventura do Clássico
Alcântara Machado
Nova Alexandria
(2001)



Cordel Em Arte e Versos
Moreira da Acopiara
Duna Dueto
(2009)



Homem Manual da Proprietaria
Carlos Queiroz Telles
Best Seller



Festas e Datas Comemorativas Brincando Com Dobradura (1997)
Gláucia Lombardi
Paulus
(1997)



David Strauss sectário e escritor
Nietzsche
Escala
(2008)



Livro - Minhas Orações: Livro de Bolso
Masaharu Taniguchi
Seicho-no-ie
(2014)





busca | avançada
42918 visitas/dia
1,4 milhão/mês