E a lei cedeu diante dos costumes | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Bowie, David
>>> A guerra das legendas e o risco da intolerância
>>> À beira do caminho
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> internet jornalismo revolução
>>> Façam suas apostas
Mais Recentes
>>> Olhos Virtuais de 1lucas Diemer pela Abdr (2018)
>>> O Dom Supremo de Paulo Coelho / Henry Drummond pela Rocco (1994)
>>> Supply Chain Trust de Osvaldo de Salles Guerra Cervi pela Dvs (2006)
>>> Licitação - Teoria e Prática de João Carlos Mariense Escobar pela Livraria do Advogado (1999)
>>> 1° Ato de Renan Chiaparini pela Modo (2016)
>>> Manual do Advogado de Valdemar P. da Luz pela Sagra-d. C. Luzzatto
>>> Comece Em Propaganda Com uma Idéia de Alexandre Peralta pela Jaboticaba (2006)
>>> O Cavaleiro da Ilha do Corvo de Joaquim Fernandes pela Bussola (2011)
>>> Os Mandamentos da Qualidade Total de Alvaro José de Almeida Calegare pela Inter Qual
>>> Pegadas de Roberto Adami Tranjan pela Gente (2005)
>>> Defending the History of Economic Thought de Steven Kates pela Edward Elgar (2013)
>>> Desnutrição Intra-uterina de Nóbrega Tonete Trindade pela Panomed Editorial (1982)
>>> Nietzche para Estressados de Allan Percy pela Sextante (2011)
>>> Mensalão de Merval Pereira pela Record (2013)
>>> O Fã Clube de Irving Wallace pela Nova Cultural (1987)
>>> Um Coach Grego de Eduardo Bomfiglio pela Besourolux (2015)
>>> Jdbc 2 - Guia de Consulta Rápida de Fábio Ramon pela Novatec
>>> O Segredo do Quadro de Carey Roberts pela Nova Cultural (1989)
>>> Terapia - Avareza de Ariel Dorfman pela Objetiva (1999)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Nova Cultura
>>> Lula: a Opção Mais Que o Voto de Candido Mendes pela Garamond (2002)
>>> Out of the Blue - Blueprint One Video Workbook de Nick Dawson pela Longman do Brasil (1996)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século de Italo Moriconi; Diversos Autores pela Objetiva (2001)
>>> American Headway 3 - Second Edition - Teachers Pa de Liz Soars; John Soars pela Oxford do Brasil (2010)
>>> As Campânulas Azuis - Crônicas e Poesias de Maria do Céu Coutinho Louzã pela Rumo Editorial (2015)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/6/2009
E a lei cedeu diante dos costumes
Vicente Escudero

+ de 4900 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Debate na Câmara dos Comuns, do Reino Unido.

Acompanhar o noticiário político atual, vindo do Congresso Nacional, é entrar num estado de frustração que parece existir há séculos no Brasil: por mais que se espere da classe política decisões sobre temas sensíveis, importantes para o desenvolvimento do país e o avanço da sociedade, as atuações dos congressistas apenas mantêm o ritmo de desmoralização da função legislativa, fazendo temer os defensores do evolucionismo, afinal, se o mais forte acaba suplantando o mais fraco, o Poder Legislativo conseguiria permanecer entre os outros dois poderes atuando de forma tão pífia?

CPI atrás de CPI. Escândalo seguido por escândalo. O Congresso Nacional parece estar em coma e respirando por aparelhos, atuando apenas em temas relacionados a sua própria existência e até mesmo em outros menores, como a manutenção do mandato de seus membros ou a reestruturação para manter o status quo (há termo para isso?). Como num corpo sobrevivendo sem personalidade, o dinheiro corre pelas veias e alimenta a estrutura burocrática que se mantém inerte. É necessário esconder da sociedade os gastos de cada um dos parlamentares? É discutível pagar viagens aos familiares com dinheiro público? Se na Inglaterra um parlamentar renunciou ao mandato por ter sido pego usando dinheiro público para pagar uma faxineira particular, por que os nossos brigam com a imprensa diariamente para justificar gastos ainda mais ilegais, mesmo o nosso Congresso Nacional sendo o mais gastador do mundo?

É nesse vácuo estatal que o poder Judiciário e o Executivo vêm trabalhando, substituindo o Poder Legislativo sem a mesma legitimidade fundamental para a criação do direito. Os piores exemplos disso são as medidas provisórias do Executivo e o ativismo legislativo do Judiciário. As velhas conhecidas MPs , desde o final da ditadura, são leis editadas nas hipóteses de relevância e urgência, pelo chefe do Executivo, e referendadas pelo Legislativo. É unânime o entendimento de que a maioria avassaladora das medidas provisórias é inconstitucional por não possuir um destes requisitos. Além de subtrair parcela do poder de legislar, estes atos normativos também trancam a pauta, impedindo a votação de outras leis pelo Congresso Nacional. O Executivo acaba legislando e impedindo o funcionamento do Legislativo numa só tacada. Isso há mais de vinte anos...

O ativismo legislativo do Judiciário também causa estragos. Recentemente, o Supremo Tribunal Federal decidiu manter a demarcação da Reserva Raposa Serra do Sol e discutiu as limitações da reserva do território, além dos poderes que a população indígena teria sobre ele. Desnecessário lembrar que todas as limitações, como disse o Ministro Marco Aurélio na respectiva sessão do tribunal, estão presentes na Constituição Federal, tornando desnecessária a criação de qualquer regra no julgamento da ação para a efetivação da decisão. O maior temor dos julgadores, trazido pelo comando do Exército, seria de que haveria a possibilidade da população indígena impedir o acesso dos militares e dos membros dos poderes do Estado à reserva, já que apenas um antigo decreto garantiria este direito. Tal entendimento não é correto. A reserva faz parte do território nacional e apenas o Brasil possui soberania, fundamento de nossa república que impede a autonomia excludente de qualquer parte do território. Criou-se um clima de insegurança sobre um tema vencido, sob o argumento da demonstração aos povos indígenas de quais seriam os limites da reserva instituída. O tal efeito educativo-legislativo da discussão na seara judicial contribuiu para o surgimento de dúvidas sobre o futuro da região demarcada.

Outra recente incursão do Judiciário sobre as atribuições do Poder Legislativo foi o reconhecimento da inconstitucionalidade da Lei de Imprensa. Com apenas um voto contra este entendimento, numa ADPF (ação de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental), proposta pelo PDT, o Supremo Tribunal Federal reconheceu a inconstitucionalidade da lei desde a promulgação da atual Constituição Federal, em 1988. Promulgada em 1967, durante o regime militar e anterior ao AI-5, a Lei de Imprensa criminalizava várias condutas jornalísticas atualmente tratadas pela legislação comum, além de permitir medidas absurdas como a apreensão cautelar de exemplares de periódicos visando evitar danos oriundos de práticas que qualificava como criminosas. A descaracterização judicial da constitucionalidade da lei, que vinha sendo aplicada desde a promulgação da atual Constituição em diversas condenações criminais, criou um estranho vácuo onde os condenados durante o período de vinte anos entre a Constituição de 1988 e o reconhecimento da não-recepção da Lei de Imprensa permanecem. Se as condutas ali definidas como crime não foram recepcionadas pela Constituição de 1988, como várias pessoas foram condenadas durante vinte anos? Pessoas que cumpriram penas alternativas foram sentenciadas com base em crimes que, na verdade, não eram crimes?

Como explicar a bagunça ao cidadão comum? Quem vai reparar os prejudicados pela morosidade do Estado neste reconhecimento?

Resta claro que a Lei de Imprensa deveria ter sido revogada através de outra lei editada pelo Poder Legislativo. A discussão sobre a necessidade da vigência da arcaica Lei de Imprensa era uma tarefa da sociedade e de seus representantes, não do Supremo Tribunal Federal, onde os ministros não foram eleitos pelo povo e nem escolhidos para legislar. Diante da inércia do Congresso no trato do assunto, o tribunal deveria ter dado apenas um "puxão de orelha" no Legislativo para instigá-lo a discutir o tema no momento mais breve possível, buscando que a sociedade reconhecesse a importância da liberdade de imprensa e trazendo o debate para o espaço público, como ocorre nas democracias desenvolvidas.

Aos poucos o próprio Legislativo vai abrindo mão de suas atribuições. Na petição inicial da ação distribuída pelo PDT para reconhecimento da inconstitucionalidade da Lei de Imprensa, em determinado momento, na página 48, o partido político explica:

"Sendo o Autor da ADPF, um partido político, pode gerar perplexidade a judicialização da matéria, que poderia ser atacada pela via congressual. A explicação está em MAQUIAVEL, n'O Príncipe:

... não há coisa mais difícil, nem de êxito mais duvidoso, nem mais perigosa, do que o estabelecimento de novas leis. O novo legislador terá por inimigos todos aqueles a quem as leis antigas beneficiavam, e terá tímidos defensores nos que forem beneficiados pelo novo estado das coisas. Essa fraqueza nasce parte do medo dos adversários, parte da incredulidade dos homens, que não acreditam na verdade das coisas senão depois de uma firme experiência."

Depois de quase quinhentos anos, Maquiavel parece ter alcançado seu intento: concentrar todos os poderes nas mãos de poucos e convencer aqueles que abriram mão dele da importância do absolutismo.


Vicente Escudero
Campinas, 11/6/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vandalizar e destituir uma imagem de estátua de Elisa Andrade Buzzo
02. Tecnologias e borboletas de Ana Elisa Ribeiro
03. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
04. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
05. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2009
01. Amor aos pedaços - 7/5/2009
02. O naufrágio é do escritor - 12/3/2009
03. E a lei cedeu diante dos costumes - 11/6/2009
04. 2008, o ano de Chigurh - 2/1/2009
05. Amantes, tranquila inconsciência - 8/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/6/2009
13h49min
Tenho menos de 20 anos e cresci vendo o "teatro dos vampiros" que é nosso cenário político. Sempre fico impressionado quando vejo como é diferente em países de primeiro mundo, como a Inglaterra: o que para nós é sempre resolvido com um "abafa" da imprensa, e pela substituição por um novo escândalo, lá é motivo de vergonha e desistência do cargo. Quando penso nisso, só sinto vergonha de ser eleitor e pagador de impostos em um país como este, onde elegemos salafrários para desperdiçar nosso dinheiro e estagnar nossa sociedade...
[Leia outros Comentários de Daniel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Aprendiz
Bill Rancic
Landscape
(2005)



A Grammar of Spoken Brazilian Portuguese
Earl W. Thomas
Vanderbilt University Press
(1974)



A Viagem ao Sucesso
Pedro Cardoso
Gente
(2007)



Magnificat iii
Silvia Maria D. Domingos
Scortecci
(2014)



Competindo na Terceira Onda
Jeremy Hope e Tony Hope
Campus



Planos e Adaptações de Deus
Otto S. Joas
Adventista
(1999)



Pânico em Nova Iorque
Irwin Lewis
Edameris
(1966)



Pré-vestibular Matemática - Livro 3
Sistema de Ensino Poliedro
Sistema de Ensino Poliedro
(2015)



Coleção Octa + - Volume 2.
Cassia Cristina S. Pereira e Outros.
Poliedro
(2018)



A Estranha Tia da Rua dos Maracujás
Liliana Iacocca
Ftd
(1991)





busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês