Amor aos pedaços | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um Furto
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Raduan Nassar
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Ação Afirmativa, Injustiça Insuspeita
>>> A mulher madura
>>> 15 de Dezembro #digestivo10anos
>>> A arte da crônica
Mais Recentes
>>> A Fantástica Fábrica de Chocolate de Roald Dahl pela Martins Fontes (2016)
>>> On the Bus - Coleção Short & Tall Stories de Nara Mattoso pela Ática (2006)
>>> Sujeitos e objetos do sucesso: antropologia do Brasil emergente de Diana Nogueira de Oliveira Lima pela Gramond- Faperj (2008)
>>> Os essênios e os manuscritos do mar morto- 2ª ed. de Fernando Moretti pela Escala
>>> Adultos sem Filtro e Outras Crônicas de Thalita Rebouças pela Rocco (2012)
>>> 100 Receitas de Saúde - Alimentos para Rejuvenescer de Sarah Merson pela Publifolha (2007)
>>> Manual de Direito Civil de Luiz Fernando do Vale de Almeida Guilherme pela Manole (2020)
>>> Crafts in plastics de Nicholas Roukes pela Pitman (1972)
>>> Athos Bulcão 80 anos. de Sem autor pela Ccbb (1998)
>>> The art and craft of papier mâché de Juliet Bawden pela Chronicle books (1995)
>>> Ismael Nery 100 anos. A poética de um mito de Sem autor pela Ccbb (2000)
>>> Druckgrafik de Liebermann Slevogt Corinth pela Ifa (1980)
>>> The later work (174 plates with 2 in color) de Aubrey Beardsley pela Dover
>>> The Potters Companion. The complete guide to pottery making de Tony Birks pela Collins (1974)
>>> Adoro o Brasil de Sig Bergamin pela A Girafa (2003)
>>> Georges Braque - Oeuvre Gravé de Catalogo pela Maeght ccbb (1994)
>>> História da locomoção terrestre de Maurice Fabre pela Morais (1966)
>>> Vincent Van Gogh - Wie was Who was qui était quien fué de Dr. J Hulsker pela Bert Bakker (1958)
>>> Cultura - Favela é Cidade e o Futuro das Nossas Cidades de João Paulo dos Reis Velloso Coordenação pela Fórum Nacional (2014)
>>> Orquídeas. 430 ilustrações a cores (coleção pequeno guia) de Floyd S. Shuttleworth pela Livraria Bertrand (1970)
>>> Do sonho às coisas: retratos subversivos de José Carlos Mariátegui pela Boitempo (2005)
>>> Gramsci: Periferia e Subalternidade de Marcos Del Roio pela Marcos Del Roio (2017)
>>> A legalização da classe operária de Bernard Edelman pela Boitempo (2016)
>>> Lenin - Um estudo sobre a unidade de seu pensamento de György Lukács pela Boitempo (2012)
>>> Caminhos divergentes: judaicidade e crítica do sionismo de Judith Butler pela Boitempo (2017)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/5/2009
Amor aos pedaços
Vicente Escudero

+ de 6000 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Amor Sagrado Versus Amor Profano,
de Giovanni Baglione

Richard Batista é um filantropo? Em 2001, este cirurgião norte-americano decidiu doar um dos rins para Dawnell, sua esposa, que sofria de insuficiência renal. Em 2005, veio a retribuição: Richard descobriu a traição dela com o fisioterapeuta e, algum tempo depois, Dawnell pediu o divórcio. Primeiro, a esposa roubou o coração de Richard; depois, Richard decidiu doar o rim para a amada. Finalmente, em 2009, eles abandonaram a dignidade. Uma sucessão de atos de desprendimento transformada em liquidação de bens.

Difícil não simpatizar com Richard enquanto ele está de pé, ao lado do advogado, em frente ao juiz de Long Island, pleiteando a devolução do órgão ou uma indenização de um milhão e meio de dólares para reparar a concretização frustrada dos laços sanguíneos com a ex-esposa. Dawnell até agora não se manifestou publicamente. Parece estar acostumada a viver com uma parte do corpo de outra pessoa, que está lutando para matá-la, afinal, se o rim for retirado de Dawnell, provavelmente ela ficará atada a uma máquina de hemodiálise, à espera de outro órgão, enquanto Richard reintegra-se na sua mesquinha perfeição.

Um episódio lamentável por todos os ângulos. Alguns mais obtusos que os outros. Se por um lado Richard praticou uma liberalidade que não poderia ser remunerada, pois no mundo todo a venda de órgãos é proibida ou tratada como crime, Dawnell parece ter se aproveitado da cegueira provisória do ex-marido para manter-se viva, iludindo-o enquanto testava a potência do rim doado nos encontros com o amante.

Os juristas norte-americanos dão como certa a derrota de Richard. Segundo a lei do país, ainda que tenha sido enganado, o doador não tem direito a reaver o órgão ou ser indenizado. A lei também veda qualquer tipo de remuneração pela doação e impede que o doador disponha da vida do receptor ao desfazer o ato: o doador pode garantir a sobrevivência daquele que recebe o órgão, mas não tem poderes para dispor da saúde do receptor por qualquer motivo, desfazendo a doação. No Brasil, a lei tratando da doação de órgãos, em linhas gerais, dá o mesmo tratamento ao caso.

A decisão do processo Richard versus Dawnell poderia ser diferente se o julgamento fosse realizado por um júri composto por leigos, ao invés de ser proferida apenas por um juiz togado, versado no direito. Em diversas ocasiões, principalmente nos países que utilizam o sistema da Common Law ― baseado na solidificação das normas através de precedentes judiciais, decisões de casos semelhantes utilizadas como lei em julgamentos posteriores ― a decisão sobre a ocorrência dos fatos alegados pelo autor de uma ação judicial cabe a um grupo de cidadãos leigos, componentes de um júri, acompanhados pelo aplicador do direito, um juiz togado, garantidor do trâmite de acordo com o devido processo legal e seguidor dos precedentes judiciais consolidados. Este sistema apresenta pequenas variações quanto ao quorum decisório e ao número de julgamentos necessários para decisão de uma causa, podendo ser utilizado tanto para julgamentos cíveis quanto para julgamentos criminais. No processo criminal dos EUA, que varia entre os estados, a regra geral é a existência de uma primeira fase de julgamento, para indiciamento do réu, outra fase para a delimitação da culpa ou inocência do réu pelos fatos imputados, e uma terceira fase, normalmente integrada na segunda, para delimitar a pena aplicada no caso de condenação.

Todo leitor atento ao caso de Richard talvez tenha uma opinião própria, abalizada em valores morais angariados durante a vida e ensejadores de uma decisão única, eventualmente diferente de todas as outras, seja quanto à existência da responsabilidade ou de sua medida. Este exercício de avaliação, de valoração dos fatos, nada mais é do que a criação do direito, o exercício de criação de uma norma aplicável a um determinado caso concreto. Há um fato social determinado (a tentativa de reintegração do rim ao corpo de Richard), um valor aplicado ao fato pelo intérprete (a reintegração e a indenização podem ser justas ou não) e a criação de uma norma (a reintegração deve ou não ser realizada, a indenização deve ser ou não concedida.

No sistema jurídico nacional, seguidor da tradição romana, a criação do direito é competência exclusiva do Legislativo, legitimado pelo cidadãos votantes nas eleições e, excepcionalmente, também do Executivo e Judiciário. Já no sistema da Common Law, o direito é criado a partir dos precedentes judiciais, de casos concretos julgados que acabam se transformando em norma, com as decisões das cortes superiores vinculando as inferiores. Na Inglaterra, por exemplo, a Constituição não é escrita, não está presente em um único documento como a do Brasil. Alguns precedentes judiciais são erigidos à condição de princípios constitucionais, como o caso Entick versus Carrington, do ano 1030, sobre uma invasão de domicílio por um representante do Poder Executivo, fora das hipóteses permitidas. A decisão estabeleceu limites ao poder público e criou o princípio constitucional, vigente até os dias atuais, de que "é permitido ao indivíduo praticar qualquer ato que não seja proibido pela lei (leia-se norma), e só é permitido ao Estado praticar atos permitidos pela lei". Uma invasão de domicílio irregular originou a limitação dos poderes do Estado perante os cidadãos.

Essa criação direta da norma pelo próprio Judiciário ensejou a extensão do instituto do júri para os mais diversos tipos de julgamentos cíveis e criminais, visando legitimar a criação dessa norma, estabelecer uma interferência democrática na construção do direito da Common Law. Ainda que decisões absurdas possam surgir, um sistema de julgamento que incorpore o instituto do júri pode, aos poucos, aparar as arestas e incorporar os valores reinantes na sociedade, agregando valor à discussão sobre a aplicação da justiça.

Duvido que este tema tenha passado pela cabeça de Richard, quando decidiu processar Dawnell. Se o julgamento sobre a doação fosse realizado por um júri, a sala de discussão seria tomada por opiniões furiosas, que dividiriam o amor em pedaços ou discutiriam a tabela de preços do mercado de órgãos, como fazem os lendários ladrões chineses que abandonam a vítima sedada, numa banheira de gelo. Imagino que em algum momento um dos jurados levantaria a questão: O amor tem preço? Se eu estivesse lá, responderia: Acredito que não. Ainda mais quando homem e mulher não valem nada.


Vicente Escudero
Campinas, 7/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pendurados no Pincel de Marilia Mota Silva
02. Pecados de Mariana Fazzini
03. O elogio do Silêncio ou duas ou mais antipolêmicas de Paulo Polzonoff Jr


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2009
01. Amor aos pedaços - 7/5/2009
02. O naufrágio é do escritor - 12/3/2009
03. E a lei cedeu diante dos costumes - 11/6/2009
04. 2008, o ano de Chigurh - 2/1/2009
05. Amantes, tranquila inconsciência - 8/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/5/2009
10h04min
É sempre possivel cantar e rever o amor, embora as leis possam estar descontroladas. Vale o olhar, a ternura, o jeito preciso de cuidar do outro sem possui-lo, como algo que adquire-se em lojas de pequenas quinquilharias.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




De Parte de La Princesa Muerta
Kenizé Mourad
Tusquets
(2001)



Polícia Federal - Delegado e Agente
Ana Flávia Messae Ricardo Antonio Andreucc...
Saraiva
(2012)



Fundador
Nelida Piñon
Labor
(1976)



Rei Édipo - Antigona // Prometeu Acorrentado
Sófocles - Ésquilo
Ediouro
(1981)



Reza Braba
Tereza de Alvarenga Simões
Do Autora
(1968)



50 Anos de Comunicação: História, Causos e Poesias
Fernando Sérgio
Novo Ser
(2012)



Roteiro de Direito Constitucional
Roberta Carvbalho
Fortium
(2007)



Ce Que les Femmes Disent des Femmes
Marie Gasquet (capa Dura)
Americ
(1936)



Variação Linguística, no Espaço, no Tempo e na Sociedade
Associação Portuguesa de Linguística
Apl; Edição Colibri
(1994)



América Latina: Hacia La Integración
Antonio Perez Amuchástegui e Outros
Comite Ejecutivo del Bicentena
(1980)





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês