Amor aos pedaços | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Se você não fosse tão burro...
>>> Freud segundo Zweig
>>> Informação, Redes Sociais e a Revolução
>>> Raul Gil e sua usina de cantores
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Mais Recentes
>>> Como Administrar Pequenas Empresas: Série Gestão Empresarial de Hélvio T. Cury Prazeres pela Centro de Produções Técnicas
>>> De Dores Somos: Para Todas as Mães que Perderam seus Filhos de Lauricy Belletti Rodrigues pela São José (2016)
>>> A História de Águida de Águida Duarte Perdigão pela Do Autor (2004)
>>> O Ouro e o Altar de Edir Macedo pela Unipro (2018)
>>> Nascido da Luz de Marcelo Drumond Furtado pela Código (2011)
>>> Degraus de Glória de Antônio E. S. Moreira pela Do Autor
>>> O Tempo Nosso de Cada Dia de Ruibran Januário dos Reis pela Tcs (2014)
>>> De Volta à Essência de José Moreira Guedes Filho pela Sinai (2009)
>>> Esquizofrenia: Dois Enfoques Complementares de Mário Rodrigues Louzã; Luiz Barros; Itiro Shirakawa pela Lemos (1999)
>>> Work in Progress de Michael Eisner; Tony Schwartz pela First Paperback (1999)
>>> 150 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Jennifer Keller pela Ediouro (2005)
>>> Chi Prega Si Salva de Joseph Ratzinger pela 3Ogiorni (2005)
>>> Donum Vitae: Istruzione e Commenti: Congregazione per La Dotrina Della Fedde de Joseph Ratzinger pela Vaticana (1990)
>>> Il Calice di don Mario de Associazone Amici di Mario Gerlin pela Edizioni (2004)
>>> Per l Opera di un Altro: Vita de Don Virgilio Resi de Gianfranco Lauretano pela Raffaelli (2012)
>>> Cristo Speranza dell Umanità de Don Mario Pieracci pela Pro Sanctitate (2007)
>>> Che Cosa Cercate? de Comunione e Liberazione pela Tracce Quaderni (2008)
>>> Un Metro Lungo Cinque de Lorenzo Vecchio pela Editrice (2005)
>>> Il Tesoro Nascosto e La Perla Preziosa de Tarcisio Bertone pela Fassicomo (2004)
>>> Apertura Dell Anno Della Fede de Cappella Papale pela Vaticana (2012)
>>> La Giustizia è Uguale per Tutti, ma... de Franco Coppi pela 3Ogiorni (2004)
>>> Sono Stanco di Subire! Soltanto Io? de Tommaso Calculli pela Omaggio Dell Autore (2015)
>>> Riscoprire l Eucaristia de Laici Oggi: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2004)
>>> Redescubrir la Eucaristia de Laicos Hoy: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2005)
>>> Un Prete di Montagna: Gli Anni Bellunesi di Albino Luciani de Patrizia Luciani pela Messagero (2003)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/5/2009
Amor aos pedaços
Vicente Escudero
+ de 6500 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Amor Sagrado Versus Amor Profano,
de Giovanni Baglione

Richard Batista é um filantropo? Em 2001, este cirurgião norte-americano decidiu doar um dos rins para Dawnell, sua esposa, que sofria de insuficiência renal. Em 2005, veio a retribuição: Richard descobriu a traição dela com o fisioterapeuta e, algum tempo depois, Dawnell pediu o divórcio. Primeiro, a esposa roubou o coração de Richard; depois, Richard decidiu doar o rim para a amada. Finalmente, em 2009, eles abandonaram a dignidade. Uma sucessão de atos de desprendimento transformada em liquidação de bens.

Difícil não simpatizar com Richard enquanto ele está de pé, ao lado do advogado, em frente ao juiz de Long Island, pleiteando a devolução do órgão ou uma indenização de um milhão e meio de dólares para reparar a concretização frustrada dos laços sanguíneos com a ex-esposa. Dawnell até agora não se manifestou publicamente. Parece estar acostumada a viver com uma parte do corpo de outra pessoa, que está lutando para matá-la, afinal, se o rim for retirado de Dawnell, provavelmente ela ficará atada a uma máquina de hemodiálise, à espera de outro órgão, enquanto Richard reintegra-se na sua mesquinha perfeição.

Um episódio lamentável por todos os ângulos. Alguns mais obtusos que os outros. Se por um lado Richard praticou uma liberalidade que não poderia ser remunerada, pois no mundo todo a venda de órgãos é proibida ou tratada como crime, Dawnell parece ter se aproveitado da cegueira provisória do ex-marido para manter-se viva, iludindo-o enquanto testava a potência do rim doado nos encontros com o amante.

Os juristas norte-americanos dão como certa a derrota de Richard. Segundo a lei do país, ainda que tenha sido enganado, o doador não tem direito a reaver o órgão ou ser indenizado. A lei também veda qualquer tipo de remuneração pela doação e impede que o doador disponha da vida do receptor ao desfazer o ato: o doador pode garantir a sobrevivência daquele que recebe o órgão, mas não tem poderes para dispor da saúde do receptor por qualquer motivo, desfazendo a doação. No Brasil, a lei tratando da doação de órgãos, em linhas gerais, dá o mesmo tratamento ao caso.

A decisão do processo Richard versus Dawnell poderia ser diferente se o julgamento fosse realizado por um júri composto por leigos, ao invés de ser proferida apenas por um juiz togado, versado no direito. Em diversas ocasiões, principalmente nos países que utilizam o sistema da Common Law ― baseado na solidificação das normas através de precedentes judiciais, decisões de casos semelhantes utilizadas como lei em julgamentos posteriores ― a decisão sobre a ocorrência dos fatos alegados pelo autor de uma ação judicial cabe a um grupo de cidadãos leigos, componentes de um júri, acompanhados pelo aplicador do direito, um juiz togado, garantidor do trâmite de acordo com o devido processo legal e seguidor dos precedentes judiciais consolidados. Este sistema apresenta pequenas variações quanto ao quorum decisório e ao número de julgamentos necessários para decisão de uma causa, podendo ser utilizado tanto para julgamentos cíveis quanto para julgamentos criminais. No processo criminal dos EUA, que varia entre os estados, a regra geral é a existência de uma primeira fase de julgamento, para indiciamento do réu, outra fase para a delimitação da culpa ou inocência do réu pelos fatos imputados, e uma terceira fase, normalmente integrada na segunda, para delimitar a pena aplicada no caso de condenação.

Todo leitor atento ao caso de Richard talvez tenha uma opinião própria, abalizada em valores morais angariados durante a vida e ensejadores de uma decisão única, eventualmente diferente de todas as outras, seja quanto à existência da responsabilidade ou de sua medida. Este exercício de avaliação, de valoração dos fatos, nada mais é do que a criação do direito, o exercício de criação de uma norma aplicável a um determinado caso concreto. Há um fato social determinado (a tentativa de reintegração do rim ao corpo de Richard), um valor aplicado ao fato pelo intérprete (a reintegração e a indenização podem ser justas ou não) e a criação de uma norma (a reintegração deve ou não ser realizada, a indenização deve ser ou não concedida.

No sistema jurídico nacional, seguidor da tradição romana, a criação do direito é competência exclusiva do Legislativo, legitimado pelo cidadãos votantes nas eleições e, excepcionalmente, também do Executivo e Judiciário. Já no sistema da Common Law, o direito é criado a partir dos precedentes judiciais, de casos concretos julgados que acabam se transformando em norma, com as decisões das cortes superiores vinculando as inferiores. Na Inglaterra, por exemplo, a Constituição não é escrita, não está presente em um único documento como a do Brasil. Alguns precedentes judiciais são erigidos à condição de princípios constitucionais, como o caso Entick versus Carrington, do ano 1030, sobre uma invasão de domicílio por um representante do Poder Executivo, fora das hipóteses permitidas. A decisão estabeleceu limites ao poder público e criou o princípio constitucional, vigente até os dias atuais, de que "é permitido ao indivíduo praticar qualquer ato que não seja proibido pela lei (leia-se norma), e só é permitido ao Estado praticar atos permitidos pela lei". Uma invasão de domicílio irregular originou a limitação dos poderes do Estado perante os cidadãos.

Essa criação direta da norma pelo próprio Judiciário ensejou a extensão do instituto do júri para os mais diversos tipos de julgamentos cíveis e criminais, visando legitimar a criação dessa norma, estabelecer uma interferência democrática na construção do direito da Common Law. Ainda que decisões absurdas possam surgir, um sistema de julgamento que incorpore o instituto do júri pode, aos poucos, aparar as arestas e incorporar os valores reinantes na sociedade, agregando valor à discussão sobre a aplicação da justiça.

Duvido que este tema tenha passado pela cabeça de Richard, quando decidiu processar Dawnell. Se o julgamento sobre a doação fosse realizado por um júri, a sala de discussão seria tomada por opiniões furiosas, que dividiriam o amor em pedaços ou discutiriam a tabela de preços do mercado de órgãos, como fazem os lendários ladrões chineses que abandonam a vítima sedada, numa banheira de gelo. Imagino que em algum momento um dos jurados levantaria a questão: O amor tem preço? Se eu estivesse lá, responderia: Acredito que não. Ainda mais quando homem e mulher não valem nada.


Vicente Escudero
São Paulo, 7/5/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2021, o ano da inveja de Luís Fernando Amâncio
02. A Velhice de Marilia Mota Silva
03. Senhores turistas, apressem-se! de Carla Ceres
04. Guimarães Rosa em Buenos Aires de Wellington Machado
05. A questão do fim do livro de Marcelo Spalding


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2009
01. Amor aos pedaços - 7/5/2009
02. O naufrágio é do escritor - 12/3/2009
03. E a lei cedeu diante dos costumes - 11/6/2009
04. 2008, o ano de Chigurh - 2/1/2009
05. Amantes, tranquila inconsciência - 8/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/5/2009
10h04min
É sempre possivel cantar e rever o amor, embora as leis possam estar descontroladas. Vale o olhar, a ternura, o jeito preciso de cuidar do outro sem possui-lo, como algo que adquire-se em lojas de pequenas quinquilharias.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Caminhos da Glória (1985)
Hulet Bucquoy
Meribérica
(1985)



Código Tributário Nacional e Legislação Correlata
Petrúcio Malafaia Vicente
Lumen Juris
(2006)



Visconde Todo Prosa - Arrogancia
Sônia Travassos
Globo Antigo
(2008)



Greve na Escola
Ivana Versiani
Ftd
(1987)



Nutrição Infantil
Alan Lucas, Stanley Zlotkin
Fast Facts
(2014)



Televizinhos 2ªed 4ªimp (2011)
Toni Brandão
Melhoramentos
(2011)



Til - Col. Lit Brasileira
José de Alencar
Escala
(2012)



Dona Benda: Vol 6
Vários Autores
Gold
(2007)



A Mansão Renoir
Dolores Bacelar Espírito Alfredo
Correio Fraterno
(1981)



O Seminarista
Bernardo Guimares
Ftd
(1999)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês