Nas redes do sexo | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
Mais Recentes
>>> 12 Meses para Enriquecer - o Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> A Filha do Restaurador de Ossos de Amy Tan pela Rocco (2002)
>>> Outsiders: Vidas sem Rumo de Susan E. Hinton pela Brasiliense (1985)
>>> Repensando uma Cultura de Paz e Liberdade de Carlos Góes / Acácio Alvarenga / Átila da Veiga pela Unb (2010)
>>> Míni Aurélio de Marina Baird Ferreira pela Positivo (2006)
>>> Vaticano de Edizioni Musei Vatican pela Portoghese
>>> Konig de Ana Rita Petraroli pela Scortecci (2012)
>>> Comentários ao Código Tributário Nacional, Vol. II de Hugo de Brito Machado pela Atlas (2004)
>>> Chic Homen: Manual de Moda e Estilo de Gloria Kalil pela Senac (2004)
>>> O Ciclo das Aguas de Moacyr Scliar pela L&pm (2010)
>>> Contos de Lugares Distantes de Shaun Tan pela Cosac Naify (2008)
>>> B is For Burglar: Intermediate (macmillan Readers) de Sue Grafton pela Macmillan Education (2005)
>>> Sucessão: Charges no Jornal do Brasil de Barcímio Amaral e Outros pela Jornal do Brasil (1983)
>>> Os cientistas e seus experimento de arromba de Dr. Mike Goldsmith pela Seguinte (2007)
>>> Ninguém Pode Saber de Karin Slaughter pela Harper Collins (2019)
>>> Aqui e Agora de Saul Bellow pela Bloch (1967)
>>> Innovation - the Attackers Advantage de Richard Foster pela vSummit Books (1986)
>>> Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Filosofia de Paul Kleinman pela Gente (2014)
>>> Ana Terra de Erico Verissimo pela Globo (1979)
>>> Quando é Preciso Ser Forte Autobriografia de De Rose pela Egrégora (2012)
>>> The Bat Scientists de Mary Kay Carson pela Desconhecida
>>> Poesia Completa de Alberto Caeiro (de Bolso) de Fernando Pessoa pela Companhia das Letras (2005)
>>> Estrelas Fritas com Açúcar de Leticia Wierzchowski pela Planeta (2020)
>>> Derivatives in Financial Markets With Stochastic Volatility de Jean-pierre Fouque; George Papanicolaou pela Cambridge University Press (2000)
>>> Contos de Voltaire pela Abril (1972)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/8/2010
Nas redes do sexo
Guilherme Pontes Coelho

+ de 16100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O nome dela pode ser Renata. Suponha que formou-se aos 22 anos em secretariado executivo, numa faculdade não muito longe de casa, custeada tanto pelo auxílio dos pais quanto pelo próprio esforço. Ela teve alguns empregos durante o curso. O mais estável deles foi numa agência de eventos, onde ainda estava quando se graduou, que realizava modestas formaturas universitárias (ela foi responsável pela formatura da própria turma), casamentos em áreas pouco abastadas e festas infantis bem aquém da opulência que vemos nas novelas do horário nobre. Sempre teve o que comer, o que vestir, onde estudar, onde dormir. Sempre morou na mesma casa. É a mais velha de duas filhas. Seu pai formou-se contador e era funcionário público (aposentado), e sua mãe costura para fora.

Ela perdeu o emprego. A agência fechou. Ela aceitou o primeiro bico que apareceu. Demonstradora numa feira erótica. Manequim de lingerie. "Vamo lá, você tem o corpo bonito, não quero ir nessa sozinha", disse a ela uma amiga também desempregada. Esta amiga, 14 meses depois da tal feira erótica, passaria num concurso público ― para o qual estudou dez meses com afinco ― e seria transferida para outra cidade. Contato só virtual.

Nada de mais aconteceu durante a feira. Ao contrário do que pensou quando a amiga a convidou para o trabalho, o ambiente lá era dos mais profissionais (o que não a livrou das cantadas baratas, às quais toda mulher está sujeita, seja onde for). Mas, no segundo dia de trabalho, conheceu uma mulher educada, aparentando uns quarenta anos, que lhe elogiou a beleza e lhe deu um cartão de visitas, onde leu Fulana de Tal, caça-talentos, telefone.

Esse encontro tão despretensioso abriria um novo mundo a Renata. Um mundo no qual ela pode bancar a faculdade que faz hoje, fisioterapia; no qual ela pode morar bem, um flat só para ela; no qual ela pode ajudar a família a ter um pouco mais de conforto. Aos 25 anos de idade, Renata é garota de programa e faz aparições na indústria pornô brasileira.

Demorou para que seus pais aceitassem sua atividade profissional (eles não sabem da prostituição). Muitas brigas, muitas conversas. Mas ela deixou claro que é uma atividade temporária. Ela tem para si que o pornô é só uma maneira de "se colocar na vitrine" e poder cobrar mais caro pelos programas.

* * *

A história da nossa personagem Renata poderia ser uma das histórias reais do livro Nas redes do sexo ― Os bastidores do pornô brasileiro, de María Elvíra Díaz-Benítez (Jorge Zahar, 2010, 240 págs). Renata ilustra bem o quanto de clichê e de verdade há na vida de quem ingressa no pornô. Ela quebra o preconceito dos mais retrógrados, aqueles que desclassificam quem trabalha com pornô ― mas que não param de consumir seus filmes ― porque não há nada traumático na vida dela que a tenha feito escolher este "negócio sujo". Infelizmente, o mesmo não se pode dizer dos atores gays, em alguns casos, e, na maioria deles, dos travestis: pessoas que sofrem preconceito de forma cruel, desde dentro de casa.

Renata personifica um comportamento habitual dos performers do pornô: o de que fazer sexo por dinheiro em frente às câmeras é um meio de bancar projetos de vida ― o pornô em si não é um projeto de vida, pelo menos não é para maioria das mulheres. Renata dá exemplo de duas realidades: a de que não é tão fácil viver do pornô no Brasil e a de que a prostituição de luxo é um ramo paralelo rentável e confortável.


Terry Richardson © (http://www.terryrichardson.com/)

Não existia na nossa indústria do entretenimento a figura da porn star. Figuras como Jenna Jameson, Janine Lindemulder, Silvia Saint. São estrelas genuinamente pornôs. Recentemente, tendo por desbravador Alexandre Frota, muitas celebridades decadentes emprestaram sua fama a produções eróticas. Esta "migração", digamos, não diminuiu o desdém hipócrita em relação aos atores e atrizes pornôs, porque as tais celebridades fazem incursões rápidas nesse meio (da mesma forma como almeja Renata), deixando claro que é indigno viver disso, ou mesmo ter uma carreira longeva. Não há, no pornô nacional, atrizes genuinamente pornôs com a longevidade de uma Nina Hartley. Hoje, Mônica Mattos é a atriz pornô brasileira que encarna a porn star nos moldes profissionais como conhecemos noutros países. (Curiosamente, o status de porn star é conferido a mulheres e atores gays. Atores heterossexuais como Rocco Siffredi são exceções.)

* * *

María Elvíra Díaz-Benítez, antropóloga, a autora do Nas redes do sexo, pesquisou durante dois anos a indústria pornô brasileira onde ela é mais forte, São Paulo. Trabalhou com os três tipos principais de filmes eróticos: hétero, gay e travesti. Por meio da observação participante, Díaz-Benítez escreveu um livro esclarecedor. Um estudo antropológico, escrito em linguagem acessível e repleto de notas, sobre como funciona o milionário mundo do sexo audiovisual, desde a hora em que são recrutados novos performers até o momento em que o consumidor final verá o desempenho deles na tela.

Desempenho é a palavra-chave. É o que liga todos os elos da cadeia de produção do pornô. O espectador tem sede de desempenho, os atores e atrizes têm sede de desempenho, assim como os diretores. O filme erótico é a espetacularização do sexo, feita tanto para quem carece de desempenho quanto para quem emula o que vê na tela.

Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 25/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O humor no divã de Freud de Carina Destempero
02. A poética anárquica de Paulo Leminski de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/8/2010
07h59min
Essas atividades eróticas, pornográficas, fazem parte de um comércio e de um mercado no qual o objeto da venda e o obejto do desejo do comprador é simplesmente o corpo humano.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
12/6/2012
15h50min
A galera que cresceu aprendendo sexo com vídeo pornô não sabe lidar com uma mulher de verdade na cama. Na vida real mulher não gosta de ser "pegada" nem de "pegar" do jeito que aparece nesse tipo de vídeo. Aí abrem-se as portas do brejo dentro do relacionamento. Pior - o homem também não gosta, só que, se foi assim que aprendeu, demora um tempo para desaprender e aprender a ter uma relação mais quente, bem mais quente e apimentada do que o que se mostra nesses vídeos.
[Leia outros Comentários de Débora Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escravidão no Brasil: Trabalho e Resistência
Júlio Quevedo
Ftd
(1996)



Estude e Viva
Chico Xavier
Federação Espírita Brasileira
(2008)



Tudo Pode Dar Certo
Paulo Henrique Durci
Intelítera
(2013)



L'arte Des Origines A Nos Jours Tomo 1 - Leon Deshairs
Leon Deshairs
Larousse
(1932)



Seu Horóscopo Chines para 2014
Neil Somerville
Best Seller
(2013)



The Last Sherlock Holmes Story
Michael Dibdin
Oxford BookWorms
(2003)



Marcel and the White Star
Stephen Rabley
Penguin Readers
(1999)



À Prova de Fogo
Consuelo de Castro
Hucitec
(1977)



7 de Setembro Independência Até Onde Se Chegou?
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(1997)



Ria da Minha Vida Antes Que Eu Ria da Sua
Evandro Augusto Daolio
Arx
(2006)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês