Literatura, quatro de julho e pertencimento | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Maiores audiências da internet
>>> Amando quem não existe
>>> 18 de Outubro #digestivo10anos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Geração abandonada
>>> O dia em que a Terra parou
>>> A Geração Paissandu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Publicar em papel? Pra quê?
Mais Recentes
>>> Condessa de Barral: a Paixão do Imprerador de Mary del Priore pela Objetiva (2008)
>>> Isso Me Traz Alegria de Marie Kondo pela Sextante (2016)
>>> As Aventuras de Benjamim: o Muiraquitã de Camila Franco; Marcela Catunda; e Outros pela Companhia das Letrinhas (2004)
>>> Vitrines e Coleções de Christine Ferreira Azzi pela Memória Visual (2010)
>>> El Nacimiento de Europa de Robert S. López pela Editorial Labor (1963)
>>> O Que é Isso, Companheiro? de Fernando Gabeira pela Companhia das Letras (1997)
>>> Mística e Espiritualidade de Leonardo Boff; Frei Betto pela Vozes (2010)
>>> As Aventuras de Pinóquio de Carlo Collodi pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Livro das Perguntas de Ferreira Gullar; Pablo Neruda; Isidro Ferrer pela Cosac & Naify (2008)
>>> Entrevista Com o Vampiro de Anne Rice pela Rocco (1991)
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Ciranda de Pedra de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (1998)
>>> Uma Janela Em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2001)
>>> Trópico de Câncer de Henry Miller pela Biblioteca Folha (2003)
>>> Our Man in Panama de John Dinges pela Random House (1990)
>>> Os Princípios da Competição Empresarial de Luís Paulo Luppa; Johnny Duarte pela Landscape
>>> O Supermanager de Robert Heller pela Mcgraw - Hill (1987)
>>> Limites sem Trauma de Tania Zagury pela Record (2008)
>>> Iracema de José de Alencar pela Travessias (1984)
>>> Rachel de Queiroz - o Quinze de Rachel de Queiroz pela Jose Olympio (2010)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Iracema de José de Alencar pela Ciranda Cultural
>>> Iracema / Senhora - 2 Romances pelo Preço de 1 de José de Alencar pela Scipione (1994)
COLUNAS

Quinta-feira, 20/7/2017
Literatura, quatro de julho e pertencimento
Guilherme Carvalhal

+ de 2500 Acessos

Uma lista divulgada pelo site Nexo com base de dados do PublishNews, indica os livros mais vendidos do Brasil nos últimos anos. O campeão de vendas, Edir Macedo, seguido por Marcelo Rossi e um livro de colorir. Nenhum livro de poesia na lista. Quanto a ficção, nenhuma obra escrita por brasileiros, apenas ficção de língua inglesa (apesar de O Pequeno Príncipe costumar figurar nessas listas). Li essa lista em um 4 de julho, e coincidiu de ver comentários de brasileiros enaltecendo o Dia da Independência dos Estados Unidos pelo Twitter, desde uns dando parabéns pela data até outros afirmando que gostariam de comemorá-la presencialmente nesse país.

Não há como desassociar um fato do outro. Literatura é um forte formador de senso de pertencimento. Ela define padrões de linguagem, e linguagem foi um dos principais delimitadores do senso de pertencimento que originou os estados atuais. Ela remete a uma série de valores próprios de cada sociedade, algo que apenas um país ou uma determinada sociedade possui. Balzac mostrou em seus livros o que era a França burguesa, Kawabata nos mostra uma série de hábitos japoneses, Os Lusíadas remete ao pioneirismo naval português. O livro cria senso de nacionalidade e fortalece a cultura da nação.

A ausência de contato de grande parte do público brasileiro com a literatura nacional mostra o quanto processar a realidade de nosso país — e falamos de um dos maiores países em dimensões territoriais e com a quinta maior população do planeta — é algo que não passa pelos textos de alta qualidade. Essa interpretação se dá por meios diferenciados, principalmente pelo audiovisual, e nem sempre de forma eficiente. A própria TV Globo alegou que sua série Os dias eram assim teve baixa audiência por desconhecimento popular do que foi a Ditadura Militar. E olha que são eventos de memória recente e de repercussão viva.

O Brasil é formado por muitos povos diversificados, que se instalaram em ambientes também distintos. Nosso passado e presente é de multiplicidade cultural. E absorver uma parcela considerável desse universo tem por urgência a literatura. Deveríamos possuir uma capacidade de criação e de publicação de obras que abarquem essas realidades com maior abrangência, junto a um público leitor interessado. E não é isso o que ocorre.

Uma população tão ampla sem ter uma formação de consciência através da literatura será alvo fácil para a enxurrada de conteúdo que recebe dos Estados Unidos. E isso se reflete em percepções muitas vezes distorcidas, como a de enaltecer a Independência de um país estrangeiro. Não é de hoje que esse processo ocorre (em 1987 a Legião Urbana lançava a música Geração Coca-Cola, que tratava desse assunto), mas as gerações nascidas e criadas em um ambiente plenamente globalizado correm o risco de cada vez se enxergar menos enquanto brasileiro, e isso pode prejudicar ainda mais uma sociedade sempre marcada pela falta de senso de pertencimento.

Essa observação engloba ainda outros dois pontos: o quanto o contato com literatura de qualquer país que não seja de língua inglesa ainda é bastante restrito para o grosso da população e o quanto textos que causem mais exigência por parte do leitor são pouco absorvidos.

Quanto ao primeiro caso, temos o fator indústria cultural. Recebemos enxurrada de conteúdo dos Estados Unidos, e da Inglaterra por tabela. Um livro que se torna filme facilmente galga ao padrão de mais vendido — basta ver que após o Oscar os livros que foram adaptados têm alta vendagem. E, como consequência, o contato com obra que abordem realidades diferenciadas dificilmente serão lidos.

No segundo, vemos um dos resultados do déficit educacional. Arte, infelizmente, é para o alcance de poucos. A imensa maioria, em qualquer expressão, tende a optar pelo conteúdo massificado, seja em música, cinema, literatura, etc. Apreciar uma poesia com maior grau de complexidade se encontra fora da órbita de muitos, e isso é uma grave perda para todos.

Essa série de problemas se demonstra no dia a dia. Pessoas com baixo pensamento crítico, visão de mundo limitada, dificuldade para aceitar o outro e pontos de vista diferentes do seu. A alienação territorial aumenta e um brasileiro acaba mais identificado com valores, usos e costumes dos Estados Unidos do que com os do solo onde pisa. Problemas como alto grau de corrupção e a baixa capacidade de inovação tecnológica se associam à ausência da elevação da visão de mundo e do senso criativo que a literatura pode suprir.

A globalização tem colocado todos perante um processo de poucos globalizadores e muitos globalizados. O Brasil, na condição de periferia, entra na roda como um daqueles que são atropelados por conteúdo estrangeiro sem que sua representatividade possa ser compartilhada em outros países. Assim, vamos olhar para os Estados Unidos impressionados com suas festas de independência enquanto eles continuarão nos olhando como o país das bundas.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 20/7/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Você é rico? de Luís Fernando Amâncio
02. Pobre rua do Vale Formoso de Elisa Andrade Buzzo
03. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
04. Contentamento descontente: Niketche e poligamia de Renato Alessandro dos Santos
05. Freud explica de Renato Alessandro dos Santos


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2017
01. Sabemos pensar o diferente? - 21/9/2017
02. Aquarius, quebrando as expectativas - 6/4/2017
03. A pós-modernidade de Michel Maffesoli - 8/6/2017
04. Mais espetáculo que arte - 16/3/2017
05. Literatura, quatro de julho e pertencimento - 20/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Gestão por Valores
Simon Dolan e Salvador Garcia
Qualitymark
(2006)



The Collapse of the Common Good
Philip Howard
Ballantine Books
(2001)



Já é Tempo de Saber...
Gladys Denny Shultz
Brasiliense
(1968)



Aquele Tombo Que Eu Levei
Toni Brandão
Melhoramentos
(1991)



A culpa não é minha!?
Adryanah Carvalho, Allessandra Canuto, Ana Luiza Isoldi
Literare Books International
(2018)



Estudos de Direito Processual Civil 3º Vol.
José Fernando da Silva Lopes (capa Dura)
Jalovi
(1983)



Contos de Perrault - Clássicos da Infância
Vários Autores
Círculo do Livro
(1995)



Journey to Tricon
Travis
Aurora Productions
(1998)



Constituição e Responsabilidade Fiscal
Mário Antonio Sussmann
Valer (manaus)
(2013)



Rabos de Lagartixa
Juan Marsé
Arx
(2004)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês