Literatura, quatro de julho e pertencimento | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
>>> Misturando música, filosofia e psicanálise, Poisé lança seu primeiro single
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Contabilidade - Escola de Administração Fazendária - ESAF de Ricardo J. Ferreira pela Ferreira (2014)
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
>>> Mojo 159 February 2007 de Joy Division pela Mojo (2007)
>>> Mojo 170 January 2008 de Amy Whinehouse pela Mojo (2008)
>>> Mojo 229 December 2012 de Led Zeppelin pela Mojo (2012)
>>> Retrato do Artista Quando Velho de Joseph Heller pela Cosac & Naify (2002)
>>> No Tempo das Catástrofes de Isabelle Stengers; Eloisa Araújo pela Cosac & Naify (2015)
>>> Manual de esquemas de Klöckner- Moeller pela Do autor (1971)
>>> Inesgotáveis Enigmas do Passado de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Evidências dos Ovnis - As Ciências Proibidas de Vários pela Século Futuro (1987)
COLUNAS

Quinta-feira, 20/7/2017
Literatura, quatro de julho e pertencimento
Guilherme Carvalhal

+ de 2200 Acessos

Uma lista divulgada pelo site Nexo com base de dados do PublishNews, indica os livros mais vendidos do Brasil nos últimos anos. O campeão de vendas, Edir Macedo, seguido por Marcelo Rossi e um livro de colorir. Nenhum livro de poesia na lista. Quanto a ficção, nenhuma obra escrita por brasileiros, apenas ficção de língua inglesa (apesar de O Pequeno Príncipe costumar figurar nessas listas). Li essa lista em um 4 de julho, e coincidiu de ver comentários de brasileiros enaltecendo o Dia da Independência dos Estados Unidos pelo Twitter, desde uns dando parabéns pela data até outros afirmando que gostariam de comemorá-la presencialmente nesse país.

Não há como desassociar um fato do outro. Literatura é um forte formador de senso de pertencimento. Ela define padrões de linguagem, e linguagem foi um dos principais delimitadores do senso de pertencimento que originou os estados atuais. Ela remete a uma série de valores próprios de cada sociedade, algo que apenas um país ou uma determinada sociedade possui. Balzac mostrou em seus livros o que era a França burguesa, Kawabata nos mostra uma série de hábitos japoneses, Os Lusíadas remete ao pioneirismo naval português. O livro cria senso de nacionalidade e fortalece a cultura da nação.

A ausência de contato de grande parte do público brasileiro com a literatura nacional mostra o quanto processar a realidade de nosso país — e falamos de um dos maiores países em dimensões territoriais e com a quinta maior população do planeta — é algo que não passa pelos textos de alta qualidade. Essa interpretação se dá por meios diferenciados, principalmente pelo audiovisual, e nem sempre de forma eficiente. A própria TV Globo alegou que sua série Os dias eram assim teve baixa audiência por desconhecimento popular do que foi a Ditadura Militar. E olha que são eventos de memória recente e de repercussão viva.

O Brasil é formado por muitos povos diversificados, que se instalaram em ambientes também distintos. Nosso passado e presente é de multiplicidade cultural. E absorver uma parcela considerável desse universo tem por urgência a literatura. Deveríamos possuir uma capacidade de criação e de publicação de obras que abarquem essas realidades com maior abrangência, junto a um público leitor interessado. E não é isso o que ocorre.

Uma população tão ampla sem ter uma formação de consciência através da literatura será alvo fácil para a enxurrada de conteúdo que recebe dos Estados Unidos. E isso se reflete em percepções muitas vezes distorcidas, como a de enaltecer a Independência de um país estrangeiro. Não é de hoje que esse processo ocorre (em 1987 a Legião Urbana lançava a música Geração Coca-Cola, que tratava desse assunto), mas as gerações nascidas e criadas em um ambiente plenamente globalizado correm o risco de cada vez se enxergar menos enquanto brasileiro, e isso pode prejudicar ainda mais uma sociedade sempre marcada pela falta de senso de pertencimento.

Essa observação engloba ainda outros dois pontos: o quanto o contato com literatura de qualquer país que não seja de língua inglesa ainda é bastante restrito para o grosso da população e o quanto textos que causem mais exigência por parte do leitor são pouco absorvidos.

Quanto ao primeiro caso, temos o fator indústria cultural. Recebemos enxurrada de conteúdo dos Estados Unidos, e da Inglaterra por tabela. Um livro que se torna filme facilmente galga ao padrão de mais vendido — basta ver que após o Oscar os livros que foram adaptados têm alta vendagem. E, como consequência, o contato com obra que abordem realidades diferenciadas dificilmente serão lidos.

No segundo, vemos um dos resultados do déficit educacional. Arte, infelizmente, é para o alcance de poucos. A imensa maioria, em qualquer expressão, tende a optar pelo conteúdo massificado, seja em música, cinema, literatura, etc. Apreciar uma poesia com maior grau de complexidade se encontra fora da órbita de muitos, e isso é uma grave perda para todos.

Essa série de problemas se demonstra no dia a dia. Pessoas com baixo pensamento crítico, visão de mundo limitada, dificuldade para aceitar o outro e pontos de vista diferentes do seu. A alienação territorial aumenta e um brasileiro acaba mais identificado com valores, usos e costumes dos Estados Unidos do que com os do solo onde pisa. Problemas como alto grau de corrupção e a baixa capacidade de inovação tecnológica se associam à ausência da elevação da visão de mundo e do senso criativo que a literatura pode suprir.

A globalização tem colocado todos perante um processo de poucos globalizadores e muitos globalizados. O Brasil, na condição de periferia, entra na roda como um daqueles que são atropelados por conteúdo estrangeiro sem que sua representatividade possa ser compartilhada em outros países. Assim, vamos olhar para os Estados Unidos impressionados com suas festas de independência enquanto eles continuarão nos olhando como o país das bundas.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 20/7/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal
02. Você é África, Você é Linda: abaixo o preconceito! de Fabio Gomes
03. Solidão Moderna de Mentor Muniz Neto
04. Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos de Gian Danton
05. O que em silêncio sabemos de Marilia Mota Silva


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2017
01. Sabemos pensar o diferente? - 21/9/2017
02. Aquarius, quebrando as expectativas - 6/4/2017
03. A pós-modernidade de Michel Maffesoli - 8/6/2017
04. Mais espetáculo que arte - 16/3/2017
05. Literatura, quatro de julho e pertencimento - 20/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




KERABAN
JULIO VERNE
MATOS PEIXOTO
(1966)
R$ 6,90



HISTORIA CONTEMPORANEA
JVOSTOV E ZUBOK
CENTRO DO LIVRO BRASILEIRO
(1985)
R$ 8,90



PSICOLOGIA DO COTIDIANO - REPRESENTAÇÕES SOCIAIS EM AÇÃO
MARÍLIA VERÍSSIMO VERONESE E PEDRINHO A. GUARESCHI
VOZES
(2007)
R$ 34,90



ARTE LITERÁRIA PORTUGAL BRASIL
CLENIR BELLEZI DE OLIVEIRA
MODERNA
(1999)
R$ 22,00



BÍBLIA E RELIGIOSIDADE POPULAR
COOR.) J. E. M. TERRA S. J.
LOYOLA LEB
(1984)
R$ 5,00



THE ACROPOLIS AND ITS MUSEUM
GEORGE DONTAS
CLIO EDITIONS
(1990)
R$ 15,82



MÈRE ET FILLE
FRANCESCA SANVITALE
SALVY
(1993)
R$ 52,37



UM MUNDO DESCONHECIDO
HEINZ G. KONSALIK
RECORD
R$ 6,90



SONHOS EM AMARELO
LUIZ ANTONIO AGUIAR
MELHORAMENTOS
(2014)
R$ 15,00



EM BUSCA DO RIGOR E DA MISERICÓRDIA: REFLEXÕES DE UM ERMITÃO URBANO
LOBÃO
RECORD
(2015)
R$ 15,00





busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês