Sabemos pensar o diferente? | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> BELIZARIO 365 e GOROROBAS no aniversário da Belizario Galeria
>>> As Batalhas de Maria Auxiliadora da Silva
>>> Pará recebe projeto itinerante e gratuito que traz cultura a bordo de um caminhão
>>> Condecorada em Paris, brasileira é co-autora da maior coletânea de livros escrita por mulheres
>>> Cirandança tem inspiração na Semana de Arte Moderna e em coleção de Di Cavalcanti
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Desapega, só um pouquinho.
>>> Menos, Redentor. Menos
>>> Sou grato a Deus
>>> Água das águas
>>> Súplica
>>> Por que me abandonastes
>>> Política na corda bamba
>>> Aonde anda a liberdade
>>> Calar não é consentir
>>> Eu já morri, de Edyr Augusto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Cabelo, cabeleira
>>> Viagens e viajantes
>>> Terminar o ano correndo
>>> A imprensa dos ruivos que usam aparelho
>>> O futuro do ritual do cinema
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Abelhas afogadas em mel
>>> Desconstruindo o Russo
>>> Ode a Pablo Neruda
Mais Recentes
>>> Corpo a Corpo de Alex Varenne pela Martins Fontes (1988)
>>> Querida Mamae Obrigado por Tudo de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> O Mundo Insone e Outros Ensaios de Stefan Zweig pela Jorge Zahar (2013)
>>> Quatro Gigantes da Alma: O Medo, A Ira, O Amor, O Dever de Emilio Mira Y Lopez pela José Olympio (1980)
>>> Português - Vozes do Mundo -volume 2 - Literatura, Língua E de Maria Tereza Arruda Campos Lucas Sanches Oda pela Saraiva Didáticos (2013)
>>> Investigacao Sobre os Modos de Existencia de Bruno Latour pela Vozes (2019)
>>> Os caminhos para a modernidade de Gertrude Himmelfarb pela Realizações (2011)
>>> De Sonhos e Utopias - Anita e Giuseppe Garibaldi de Yvonne Capuano pela Melhoramentos (1999)
>>> Tribunal de Honra de Dominique Fernandez pela Record (1999)
>>> A Revelação Frutosa de Guido Viaro pela Ideale (2011)
>>> O Môço Loiro - Edição Didática de Joaquim Manuel de Macedo pela Cultrix (1971)
>>> Redução Fenomenológica e Suspensão do Juízo de Jose de Ribamar Barreiros Soares pela Clube dos Autores (2019)
>>> Livro - Repensando: A Pesquisa Participante de Carlos Rodrigues Brandão pela Brasiliense (1985)
>>> Obra Completa 8 de Manoel Joaquim de Almeida Coelho pela Ihgsc (2005)
>>> Cartas Apaixonadas de Frida Kahlo de Martha Zamora pela José Olympio (2006)
>>> Paris é uma Festa de Ernest Hemingway pela Bertrand Brasil (2014)
>>> Erma Jaguar de Alex Varenne pela Martins Fontes (1988)
>>> A Política da Prudência de Russell Kirk pela É Realizações (2013)
>>> Por Que os Homens Preferem as Divas de Miss Piggy pela Leya Casa da Palavra (2011)
>>> Exportação: Aspectos Práticos e Operacionais de José Augusto de Castro pela Aduaneiras (1998)
>>> Os grandes sistemas jurídicos de Mario G Losano pela Martins Fontes (2007)
>>> Livro - A Arte de Pesquisar: Como Fazer Pesquisa Qualitativa em Ciências Sociais de Mirian Goldenberg pela Record (2007)
>>> Manual Prático de Mindfulness (Meditação da Atenção Plena) de John Teasdale, Mark Williams, Zindel Segal pela Pensamento (2016)
>>> Desperte o Talento das Crianças de Diretoria Seicho-no-ie pela Seicho-no-ie (1992)
>>> Trechos Tecidos Com Palavras de Renata Carone Sborgia pela Madras (2014)
COLUNAS

Quinta-feira, 21/9/2017
Sabemos pensar o diferente?
Guilherme Carvalhal

+ de 26400 Acessos



Toda a atual celeuma em torno da exposição Queermuseu não é inesperada. O Brasil, por tradição, é composto por uma ampla dificuldade de formar um pensamento dialético, em uma sociedade composta por pessoas enfurnadas em suas bolhas e incapazes de interagir com o que existe fora dela. De tempos em tempos essas dificuldades de dialética se demonstram, fenômeno atualmente explanado ao extremo com o advento das redes e das mídias sociais digitais, que tiram pequenos pensamentos dos cômodos residências e lançam online.

Padre Landell de Moura, na virada do século XIX para o XX, é uma demonstração de como nos tempos da crença na ciência enquanto libertação do homem, o Brasil andava na contramão do fluxo. Cientista à frente de seu tempo, foi pioneiro na transmissão radiofônica, porém encontrou forte resistência tanto por parte da população quanto por parte do poder público (seu laboratório chegou a ser atacado, sendo chamado de satanista devido às suas ideias). Poderia ter entrado para a história como um dos maiores inovadores da ciência, mas essa dificuldade dialética atrapalhou e o relegou a herói local.

Podemos constatar essas manifestações nos mais amplos aspectos. Nosso país já constatou pedido de prisão contra Sófocles, a população do começo do século XX assistiu espantada aos médicos querendo vaciná-las à força, teve apresentadora de televisão atestando o uso de cúrcuma ao invés de pasta de dente, e segue uma sequência de crenças em xamanismo e resistência ao pensamento científico (a recente crença na capacidade da fosfoetanolamina curar o câncer baseado em evidências não-científicas nos mostra isso).

Compreender essa falta de dialética está estritamente ligado a todo um passado de desigualdades sociais, de uma população sem acesso a educação e afunilada em contextos de limitação de pensamentos, sem a condição de interagir com um plano mais amplo. O xamanismo medicinal, seja na tradição indígena ou em diversas outras, como nas oriundas de religiões europeias e africanas, se manifesta entre pessoas para quem a medicina científica não pode ser acessada. A figura do curandeiro será próxima a quem a do médico é distante. O afastamento institucional leva as pessoas a se virarem com o que tem, e o pensamento dialético passa longe.

De igual forma, o aspecto da educação formal causa danos diretos. Um exemplo é a baixa capacidade de pensamento matemático e, por conseguinte, de pensamento lógico, fruto da má educação. Esse prejuízo oriundo da escola gera uma sociedade para quem o questionamento acaba inexistindo. O resultado disso é a crença em argumentos rasos, o populismo político, o baixo empreendedorismo. Junte, ainda, a dificuldade em absorver conteúdo relacionado a história, artes, literatura: o resultado é bastante negativo.

Outro aspecto de cunho histórico é quanto à relação do indivíduo com a sociedade. Somos um país “forjado”. Falamos da formação de vilas e cidades em que suas elites muitas vezes contavam com total poder sobre o indivíduo. Falamos de uma ampla população oriunda de escravos africanos removidos de sua terra, de sua cultura, de sua língua, de sua sociedade. Isso todo sob um complexo administrativo nascido na metrópole, criando uma sociedade de cima para baixo, com suas normas e regras impostas sem saber o que a plebe queria.

Vivemos então o reflexo dessa formação: pessoas que não se relacionam naturalmente com a sociedade, mas de maneira mecanicista, artificial. Uma população que não compreende as próprias leis (o caráter disciplinador de um sistema legal feito apesar da população, e não para ela). O próprio pensar a coisa pública e zelar por ela é difícil ao brasileiro, já que ele próprio não se sente pertencente a ela. Direitos são transformados em privilégios por uma casta de elite política, utilizando toda essa falta de pertencimento para se perpetuar em suas posições.

A isso tudo, podemos somar impactos recentes da modernização. A sociedade midiática nos últimos anos tem tornado cada vez menor a pluralidade cultural das pessoas, notoriamente no aspecto musical. Há uma forte enxurrada de uma mesmice repetitiva, sendo vedado o plural. O conteúdo de cinema e, de certa forma em seu arrasto, o literário, cada vez mais é exclusivamente focado em conteúdo de natureza anglófila, em especial dos Estados Unidos. As favelas do Rio de Janeiro, localidades onde nasceu o samba, hoje se veem sem ele, cada vez mais exclusivo para uma classe média intelectual.

Esse somatório de fatores nos levam a compreender como o Brasil é uma sociedade onde pensar o diferente, em que pensar os contrapontos, é algo bastante difícil. As manifestações hoje em dia são notórias: baixa pluralidade no fazer político, restrições a uma exposição de artes, até mesmo a opressão através da violência de grupos de umbanda e candomblé por parte de traficantes influenciados por pastores.

Fico pensando como seria caso Francis Bacon (o pintor) ou Pasolini tivessem nascido no Brasil. Ou então se um gênio do calibre de Einstein tentasse pelo nosso universo pensante proferir uma teoria que colocasse abaixo as plenas convicções existentes até então pela física. Assim, temos um país que tende a permanecer na retaguarda dos avanços em todas as formas de pensamento.

Infelizmente, não se pode acreditar que estejamos dando passos a fim de alcançar uma mudança significativa. Uma pesquisa bem atual aponta que menos da metade dos adultos do Brasil não chegam ao ensino médio. O presente momento de crise indica que a tendência para os próximos anos não será de maior investimento em educação, e é bastante improvável que algum mudança consistente em questões de cidadania seja motivada pela iniciativa privada. Seguiremos sendo uma sociedade em que o pensar diferente será visto com espanto e rejeição. E continuaremos quebrando o laboratório de Landell de Moura.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 21/9/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu carcereiro predileto de Ana Elisa Ribeiro
02. Duas noites, dois momentos culturais de Ricardo de Mattos
03. DVDteca Arte na Escola: uma luz no fim do túnel de Jardel Dias Cavalcanti
04. Elvis e Michael: do extrativo ao industrial de Diego Viana
05. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha de Marcelo Spalding


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2017
01. Sabemos pensar o diferente? - 21/9/2017
02. Aquarius, quebrando as expectativas - 6/4/2017
03. A pós-modernidade de Michel Maffesoli - 8/6/2017
04. Mais espetáculo que arte - 16/3/2017
05. Literatura, quatro de julho e pertencimento - 20/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Biblioteca Pública na Educação do Adulto
Maria Alice Barroso
expressão e cultura
(1998)



Livro - Trabalhando Com Poesia - Volume 2
Alda Beraldo
Ática
(1990)



Linguagens /lingua Portuguesa-lingua Inglesa-arte e Música - 2ºano
Varios Autores
Aymará
(2011)



Diário de um Perfumista
Jean-Claude Ellena
record
(2013)



O tarô de marselha - SEM AS CARTAS
Carlos Godo
Pensamento
(1997)



Sushi
Marian Keyes
Best Bolso
(2012)



Porque Lima Barreto - Confira !!!
Paula Beiguelman
Brasiliense
(1981)



Desvendar Pessoas
Mel Silberman
Campus
(2001)



Mais Sexo e Sexo Mais Seguro
Steven Landsburg
Elsevier
(2008)



Filha da fortuna
Isabel Allende
Bertrand Brasil
(1999)





busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês