Sobre o preço dos livros 2/2 | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
>>> Integridade Garantida, peça de Alberto Santoz sobre violência urbana, estreia no Cacilda Becker
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
>>> O Sol é Para Todos
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> De volta às férias I
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
Mais Recentes
>>> Almas de lama e de aço de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> Civilização E Barbárie N'Os Sertões: Entre Domingo Faustino Sarmiento E Euclides Da Cunha de Miriam V Gárate pela Fapesp (2001)
>>> Herois E Bandidos - Os Cangaceiros Do Nordeste de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> O Cabeleira de Franklin Távora pela Abc (2021)
>>> Recados da Vida de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1983)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini pela Globo Livros (2013)
>>> Novas Mensagens de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1987)
>>> Bellini e o Demônio de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Problema do Ser, do Destino e da Dor de Léon Denis pela Feb (1999)
>>> Energia Elétrica e Integração na América do Sul de Ligia Maria Martins Cabral pela Centro da Memória da Eletric (2004)
>>> Sylvio Pinto. 55 anos de pintura de José Maria Carneiro pela Rbm (1993)
>>> Jornal Nacional - Modo de Fazer de William Bonner pela Globo (2008)
>>> Design sem Fronteiras: a Relação Entre o Nomadismo e a Sustentabilidade de Lara Leite Barbosa pela Edusp (2012)
>>> Dicionário de sociologia: Guia prático da linguagem sociológica de Allan Johnson pela Jorge Zahar (1997)
>>> Quando fui outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2006)
>>> Português Alemão Português Vocabulário Básico de Curso de Idiomas Globo pela Globo (1991)
>>> Os espiões de Luis Fernando Verissimo pela Alfaguara (2009)
>>> Minidicionário Alemão Português Portugues Alemão de Erich Ronald Zwickau pela Edelbra
>>> Dicionário Inglês Português - Português Inglês de Liege Maria de Souza Marucci pela Bicho Esperto (2012)
>>> Morrer de Prazer de Ruy Castro pela Foz (2013)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Par Ou Ímpar - Vivendo a Matemática de José Jakubovic pela Scipione (1992)
>>> The Brothers Karamazov de Fyodor Dostoyevsky pela University of Chicago (1989)
>>> Capítulos de História Colonial 1500-1800 de J. Capistrano de Abreu pela Publifolha (2000)
COLUNAS

Sexta-feira, 27/8/2010
Sobre o preço dos livros 2/2
Rafael Rodrigues

+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Ilustra: o urso azul

Como disse colunas atrás, "vocês que me perdoem, mas preço de livro não é mais desculpa para quem gosta de ler". Leitores sempre dão um jeito de conseguir o livro pelo qual estão interessados, seja indo a um sebo, seja aproveitando promoções de livrarias. Não se pode dizer que determinados livros são baratos, mas dizer que livro é caro ― assim mesmo, generalizando ― já não é mais possível. Até porque não se mede o preço de um livro apenas por seu valor financeiro, mas também pelo que ele representa para cada leitor.

Um exemplo: qualquer uma das obras mais recentes de Rubem Fonseca é cara, para mim. Já as reedições dos seus livros que estão saindo pela editora Agir, não são. Tampouco acho caros os livros de Nelson Rodrigues que essa mesma editora tem reeditado. É como reclamar do preço de um romance de Dostoiévski (a citação do autor russo foi involuntária, em um primeiro momento, mas depois percebi que faz todo o sentido citá-lo junto a Nelson Rodrigues). Imaginemos que livros fossem comprados em leilões. Crime e castigo certamente seria disputado centavo a centavo.

Na primeira parte deste texto falei das porcentagens destinadas a cada participante da cadeia do livro. E muita gente joga a culpa do "preço alto" nas livrarias. É certo que na maioria dos casos 40% do preço do livro fica com a loja, mas quantas livrarias não dão descontos de 15% a 20% para professores, por exemplo?

A maioria dos estabelecimentos trabalha no esquema de consignação, ou seja, as editoras ou distribuidoras enviam os títulos para as lojas para que eles sejam "expostos", para que os clientes/leitores possam ver os livros e quem sabe comprá-los. Sendo mais claro: as livrarias não são donas de todos os livros que estão sob seu teto. Caso eles não sejam vendidos, ela os devolve sem maiores prejuízos, talvez apenas pagando os custos com transporte. Quando acontece um "livro-evento", como o mais recente de Dan Brown, ou os romances de vampiros da Stephanie Meyer, as lojas arriscam comprar uma grande quantidade de exemplares, já que a venda é tida como certa. Mas e quando esses livros encalham? Está feito o estrago. Sem contar as despesas que livrarias têm com funcionários, luz, água etc. Não sou um expert no assunto, mas as pessoas acham que, por venderem livros, as livrarias não pagam impostos, não pagam aluguel ou condomínio (no caso de a loja estar num shopping), não têm conta de água, luz e telefone.

Livreiros devem ter lá seus benefícios, isenções ou descontos em alguns impostos, mas livrarias são empresas como qualquer outra ― assim como as editoras. Colocar nelas a culpa de o livro ser caro no Brasil é um ato irresponsável, e o advento dos e-books mostrou que a coisa não é tão simples assim. Pelo menos por enquanto, os preços dos e-books ainda é alto por aqui, se compararmos esses valores com os das versões impressas das obras. O livro eletrônico elimina a distribuição e os gastos com impressão. Então por que ainda assim o preço continua quase o mesmo? Em alguns casos, é possível comprar um determinado livro impresso na Estante Virtual ― detalhe: livro novo, não usado ― por um preço inferior ao da sua versão digital. Teriam as editoras aumentado o preço de custo dos e-books? Ou as livrarias têm mesmo culpa no cartório? Na minha opinião, esta última possibilidade não parece ter muito sentido.

Na verdade, o mercado de e-books e e-readers, no Brasil, ainda vai passar por muitas transformações. A iniciativa de implantação de lojas de livros eletrônicos é louvável e necessária, bem como a criação de leitores eletrônicos por empresas nacionais. Mas a questão do preço ainda precisa ser melhor discutida. Como dito no texto anterior, hoje é possível comprar um Kindle por 600 reais. Nesse preço já estão incluídos os gastos com frete e as taxas de importação. Enquanto isso, a Positivo está comercializando o seu e-reader, o Alfa, por um preço de R$ 699,00.

Enfim. Estamos no início de uma revolução. E ela não se restringe à plataforma de leitura, mas atinge todo o mercado e até mesmo hábitos das pessoas. Consequentemente, os efeitos disso serão sentidos pela sociedade. Afinal, se o futuro dos livros for mesmo a digitalização e a substituição do impresso pelo eletrônico, as livrarias físicas estão destinadas à extinção. O leitor não poderá mais abrir um livro e cheirá-lo, tampouco poderá emprestar uma obra ou ter um autógrafo do autor na folha de rosto.

Por outro lado, e paradoxalmente, nos últimos anos, talvez até mesmo por conta de todo o frisson ligado à digitalização, os livros impressos passaram a ser mais valorizados. Há quem os utilize até como peças decorativas em casas e escritórios. Além disso, livros são motivo de orgulho e vaidade. Não há nada mais belo para um bibliófilo do que suas próprias estantes recheadas de títulos (muito embora a maioria deles não tenha sido lida pelos seus donos).

Um livro não é apenas seu conteúdo. Dizer isso seria reduzir a invenção de Gutenberg a algo pequeno demais, que não condiz com sua importância. Há muito mais coisas em jogo. A digitalização de obras é algo que precisa ser feito, lógico, mas é necessário pensar com cuidado em maneiras de se preservar o modelo impresso e tudo o que depende dele. Não se pode querer acabar com o livro físico. Pensar nisso e torcer contra a plataforma impressa é, na minha opinião, mesquinho demais.

Nota do autor
Leia também "Sobre o preço dos livros 1/2".


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 27/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tecnologias e borboletas de Ana Elisa Ribeiro
02. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry
03. Era uma vez um inverno de Elisa Andrade Buzzo
04. Na hora do batismo de Marta Barcellos
05. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2010
01. Meus melhores livros de 2009 - 22/1/2010
02. O altar das montanhas de Minas - 21/5/2010
03. O grande jogo de Billy Phelan - 2/4/2010
04. O petista relutante - 29/10/2010
05. Sobre o preço dos livros 1/2 - 20/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/9/2010
16h27min
Ótimo texto, a comparação entre o preço do impresso e do digitalizado mostra como esse mercado tem de evoluir e como o preço "alto" dos livros não é parte unicamente da "fome capitalista das empresas por trás deles". E dizer que o livro é muito mais que conteúdo foi genial, quem realmente gosta de ler, gosta também do objeto livro, de sentir as folhas ásperas sob os dedos, do ato de manuseá-lo, de marcar as páginas e, claro, exibi-los por aí. Esse ritual faz parte da magia de uma boa leitura.
[Leia outros Comentários de Guilherme]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Franchise Affair
Josephine Tey
Heinemann



Tenente, onde fica o alegrete?
Boaventura Martins Braga
Marbra
(2012)



Estudos de Pele
Floriano Martins
Lamparina
(2004)



A Epistemologia Genética (1970)
Jean Piaget
Abril Cultural
(1980)



Crises Monetárias
Paul Krugman
Pearson
(2001)



O Clube dos Sete
Marconi Leal
34
(2005)



Gerenciando Vendedores Pit Bulls
Luis Paulo Luppa
Landscape
(2005)



And the winner is... - Os bastidores do Oscar
Emanuel Levy
Trajetória
(1990)
+ frete grátis



Cal Ou Tinta - Qual Profissional Você Quer Ser?
Anderson Tonnera
Elsevier - Alta Books
(2014)



Índia Thiara - Romance Indígena
Lindberg Albuquerque Brito
Região
(2008)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês