Um Oscar para Stallone | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
>>> Cia de Teatro Heliópolis realiza debates sobre Cárcere, projeto que celebra 20 anos de grupo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler, investir, gestar
>>> Top 10 da literatura
>>> A Eclosão do Twitter, de Nick Bilton
>>> Queime depois de ler, de Joel e Ethan Coen
>>> Chorões e seresteiros
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> O fim dos livros físicos?
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Toda maneira de amor vale a pena de Bety Orsini pela Primeira pessoa
>>> Transformando suor em ouro de Bernadinho pela Sextante
>>> Ora, Vírgulas! de Rosana Rios pela Global (2008)
>>> O Livro da Escrita de Ruth Rocha; Otavio Roth pela Melhoramentos (2000)
>>> Midias sociais transformadoras de Beth Kanter e Allison H. Fine pela Évora
>>> Gabi e o Tesouro do Oriente de Tiago de Melo Andrade pela Melhoramentos (2009)
>>> Pense como patrão de Barry Eigen pela Saraiva
>>> Trabalho de Criança Não é Brincadeira, Não! de Rossana Ramos pela Cortez (2011)
>>> Urso Benjamim Pede Desculpas de Claire Freedman pela Hagnos (2008)
>>> O corpo em terapia a abordagem bioenergética de Alexander Lowen pela Summus
>>> Shakespeare para apaixonados de Allan Percy pela Sextante
>>> O Pintinho Que Nasceu Quadrado de Regina Chamlian; Helena Alexandrino pela Global (2007)
>>> A Margarida Friorenta de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2008)
>>> Bebel, a Gotinha Que Caiu do Céu de Patrícia Engel Secco; Cris Alhadeff pela Melhoramentos (2012)
>>> Superação da Lógica Classificatória e Excludente da Avaliação de Celso dos Santos Vasconcellos pela Libertad (1998)
>>> O vendedor de sonhos de Augusto Cury pela Academia
>>> Disciplina - Construçao da Disciplina Consciente de Celso dos Santos Vasconcellos pela Libertad (2000)
>>> O futuro da humanidade de Augusto Cury pela Sextante
>>> IRPJ/CSLL 2012 de Aldenir Ortiz Rodrigues e outros pela IOB
>>> Manual de produção de textos acadêmicos e cientificos PLT 772 de Ada Magaly e Matias Brasileiro pela Atlas
>>> O pequeno principe de Antoine de Saint - Exupéry pela Agir
>>> Educação Em Primeiro Lugar de Arnaldo Niskier pela Moderna (1992)
>>> Cem dias entre o céu e mar de Amyr Klink pela Companhia das letras
>>> Como Sobreviver no Espaço de Anita Ganeri pela Abril (1995)
>>> Tex Nº 54 - 2ª Edição - Quando Explodem os Canhões de Giovanni Luigi Bonelli pela Vecchi
COLUNAS

Terça-feira, 1/3/2016
Um Oscar para Stallone
Luís Fernando Amâncio

+ de 2400 Acessos

Em 1992, eu tinha uma missão e Sylvester Gardenzio Stallone estava comigo. Eu contava cinco anos de existência e, basicamente, os consumira exclusivamente para brincar e ver TV. Era feliz assim. Até que a farra acabou e, naquele ano, meu desafio foi sobreviver à escola. A partir de então, eu teria que lidar com um ambiente hostil, manejando instrumentos de alta complexidade, como lápis de cor, tesoura sem ponta, cola... Não era o Vietnã, mas também era complicado.

Para o recreio, porém, eu tinha uma parceira: minha lancheira do Rambo que ostentava com orgulho. Afinal, além do herói estampado, ela me confortava com bolo e achocolatado. Um garoto não precisa de muito mais do que aquilo.

Passaram-se um bocado de anos e agora, em 2016, Sly Stallone está vivendo um momento especial em sua carreira. No próximo domingo, dia 28 de março, ele cruzará o tapete vermelho do Oscar para concorrer ao prêmio de melhor ator coadjuvante por Creed, sequência da série Rocky*. A atuação já lhe rendeu o Globo de Ouro neste ano na mesma categoria.

Aparentemente, a indicação pode não parecer algo tão glorioso. Inclusive porque Sylvester Stallone já ganhou a estatueta de melhor filme, em 1977, por Rocky, filme que o catapultou para o estrelato. Mas concorrer numa categoria de melhor atuação é um feito para um ator reconhecidamente limitado nos dotes cênicos – vencedor, aliás, de seis prêmios Framboesa de Ouro de “pior atuação”, sendo um como “pior ator da década de 1980”.

Porém, por mais que os deuses da atuação possam torcer o nariz, não tenho dúvidas de que haverá uma grande torcida pela vitória do Sly. Para minha geração, Stallone é quase um tio querido, alguém que nos acompanhou em nosso crescimento. Quando o aluguel de fitas de vídeo se popularizava no país, alugávamos as séries Rambo, Rocky ou víamos o personagem Cobra afugentar um criminoso dizendo “você é a doença e eu sou a cura”. Isso sem falar em Falcão, campeão dos campeões na queda de braço e na Sessão da Tarde.

Eram tempos diferentes. John Rambo, o ex-combatente que é uma máquina de matar, estrelou uma série de animação, que no Brasil foi exibida no Xou da Xuxa. A Rainha dos Baixinhos até cantou uma música para o personagem em seu segundo disco. Meus pais, que sempre foram muito zelosos com minha educação, não viram mal em me dar a metralhadora do Rambo, um dos meus brinquedos prediletos. Eles também não censuravam que eu visse, em plena tarde, o herói lançar flechas explosivas na Ásia e destruir praticamente um exército inteiro. Hoje, há mais cuidados nesse sentido, evitando exposição de crianças a produtos culturais violentos. Concordo. Mas, bem ou mal, sobrevivi àquela infância.

Creed não é um filme ruim. Ele cumpre aquilo que o público espera dele – ação, superação e triunfo. Soa, a bem da verdade, como um repeteco de Rocky, uma variação do mesmo tema. Mas duvido que alguém tenha ido ao cinema esperando algo diferente da produção.

Porém, para quem cresceu vendo Stallone no centro da ação, é diferente encontrá-lo quase septuagenário, como coadjuvante. Diferente da trilogia Os Mercenários, em Creed Sly vive um personagem que enfrenta a velhice, não a nega. Talvez por isso o destaque em sua atuação e a nomeação ao Oscar.

Para nós, espectadores oriundos dos anos 1980, fica a reflexão: o tempo passar até para os heróis que resolviam tudo do alto de seus músculos. Mas, convenhamos, a reflexão não é inédita. Pelo contrário, ela é a nossa realidade diária. Também não estamos rejuvenescendo. Bons os tempos em que uma lancheira do Rambo, com achocolatado e bolo, era o suficiente para nos encorajar nos desafios.

* Atualizado em 29/02/2016 - Não foi dessa vez que o Stallone teve uma atuação consagrada pela Academia. O vencedor na categoria "Melhor Ator Coadjuvante" do Óscar 2016 foi Mark Rylance (Ponte dos espiões). Ainda assim, a indicação já foi um feito, bem como a vitória no Globo de Ouro.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 1/3/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alma indígena minha de Elisa Andrade Buzzo
02. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio
03. Consumidor, você tem toda a razão! de Daniel Bushatsky
04. Voto em qualquer um! de Marilia Mota Silva
05. Feira do Estudante de Daniel Bushatsky


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2016
01. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão - 30/8/2016
02. Tricordiano, o futebol é cardíaco - 26/4/2016
03. Nos tempos de Street Fighter II - 31/5/2016
04. Meu pé quebrado - 18/10/2016
05. Radiohead e sua piscina em forma de lua - 28/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lévi-strauss
Edmund Leach
Fontana Modern Masters
(1982)
R$ 28,90



Hp 12c Financial Calculator - Users Guide
Hewlett-packard
Hp
(2004)
R$ 10,00



Práticas Pediátricas - Segunda Edição
Vera L T Aires
Atheneu
(2006)
R$ 36,17



Revista Civilização Brasileira - 1 (caderno especial)
Vários
Civilização Brasileira
(1967)
R$ 5,00



50 Pequenas Coisas Que Você Pode Fazer para Salvar a Terra
The Earth- Works Group
Cículo do Livro
R$ 6,90



Otosclerosis
Philip H. Beales
Wright
(1981)
R$ 23,00



Gramática de Español- Paso a Paso
Adrián Fanjul
Santillana
(2005)
R$ 30,00



Boa Companhia - Haicai
Rodolfo Witzig Guttilla - Org
Companhia das Letras
(2009)
R$ 5,00



Céus Derretidos
Teixeira Coelho Jean-claude Bernardet
Ateli
(1996)
R$ 12,00



Headway Student´s Book + Work Book Beginner
Liz and John Soars
Oxford University Press
(2002)
R$ 30,00





busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês