Um Oscar para Stallone | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 1/3/2016
Um Oscar para Stallone
Luís Fernando Amâncio

+ de 2200 Acessos

Em 1992, eu tinha uma missão e Sylvester Gardenzio Stallone estava comigo. Eu contava cinco anos de existência e, basicamente, os consumira exclusivamente para brincar e ver TV. Era feliz assim. Até que a farra acabou e, naquele ano, meu desafio foi sobreviver à escola. A partir de então, eu teria que lidar com um ambiente hostil, manejando instrumentos de alta complexidade, como lápis de cor, tesoura sem ponta, cola... Não era o Vietnã, mas também era complicado.

Para o recreio, porém, eu tinha uma parceira: minha lancheira do Rambo que ostentava com orgulho. Afinal, além do herói estampado, ela me confortava com bolo e achocolatado. Um garoto não precisa de muito mais do que aquilo.

Passaram-se um bocado de anos e agora, em 2016, Sly Stallone está vivendo um momento especial em sua carreira. No próximo domingo, dia 28 de março, ele cruzará o tapete vermelho do Oscar para concorrer ao prêmio de melhor ator coadjuvante por Creed, sequência da série Rocky*. A atuação já lhe rendeu o Globo de Ouro neste ano na mesma categoria.

Aparentemente, a indicação pode não parecer algo tão glorioso. Inclusive porque Sylvester Stallone já ganhou a estatueta de melhor filme, em 1977, por Rocky, filme que o catapultou para o estrelato. Mas concorrer numa categoria de melhor atuação é um feito para um ator reconhecidamente limitado nos dotes cênicos – vencedor, aliás, de seis prêmios Framboesa de Ouro de “pior atuação”, sendo um como “pior ator da década de 1980”.

Porém, por mais que os deuses da atuação possam torcer o nariz, não tenho dúvidas de que haverá uma grande torcida pela vitória do Sly. Para minha geração, Stallone é quase um tio querido, alguém que nos acompanhou em nosso crescimento. Quando o aluguel de fitas de vídeo se popularizava no país, alugávamos as séries Rambo, Rocky ou víamos o personagem Cobra afugentar um criminoso dizendo “você é a doença e eu sou a cura”. Isso sem falar em Falcão, campeão dos campeões na queda de braço e na Sessão da Tarde.

Eram tempos diferentes. John Rambo, o ex-combatente que é uma máquina de matar, estrelou uma série de animação, que no Brasil foi exibida no Xou da Xuxa. A Rainha dos Baixinhos até cantou uma música para o personagem em seu segundo disco. Meus pais, que sempre foram muito zelosos com minha educação, não viram mal em me dar a metralhadora do Rambo, um dos meus brinquedos prediletos. Eles também não censuravam que eu visse, em plena tarde, o herói lançar flechas explosivas na Ásia e destruir praticamente um exército inteiro. Hoje, há mais cuidados nesse sentido, evitando exposição de crianças a produtos culturais violentos. Concordo. Mas, bem ou mal, sobrevivi àquela infância.

Creed não é um filme ruim. Ele cumpre aquilo que o público espera dele – ação, superação e triunfo. Soa, a bem da verdade, como um repeteco de Rocky, uma variação do mesmo tema. Mas duvido que alguém tenha ido ao cinema esperando algo diferente da produção.

Porém, para quem cresceu vendo Stallone no centro da ação, é diferente encontrá-lo quase septuagenário, como coadjuvante. Diferente da trilogia Os Mercenários, em Creed Sly vive um personagem que enfrenta a velhice, não a nega. Talvez por isso o destaque em sua atuação e a nomeação ao Oscar.

Para nós, espectadores oriundos dos anos 1980, fica a reflexão: o tempo passar até para os heróis que resolviam tudo do alto de seus músculos. Mas, convenhamos, a reflexão não é inédita. Pelo contrário, ela é a nossa realidade diária. Também não estamos rejuvenescendo. Bons os tempos em que uma lancheira do Rambo, com achocolatado e bolo, era o suficiente para nos encorajar nos desafios.

* Atualizado em 29/02/2016 - Não foi dessa vez que o Stallone teve uma atuação consagrada pela Academia. O vencedor na categoria "Melhor Ator Coadjuvante" do Óscar 2016 foi Mark Rylance (Ponte dos espiões). Ainda assim, a indicação já foi um feito, bem como a vitória no Globo de Ouro.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 1/3/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fragmentos de Leituras e Sentido de Ricardo de Mattos
02. Notas confessionais de um angustiado (II) de Cassionei Niches Petry
03. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
04. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte I de Gian Danton
05. A convergência das mídias de Gian Danton


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2016
01. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão - 30/8/2016
02. Tricordiano, o futebol é cardíaco - 26/4/2016
03. Nos tempos de Street Fighter II - 31/5/2016
04. Meu pé quebrado - 18/10/2016
05. Radiohead e sua piscina em forma de lua - 28/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DA LITERATURA REALISTA
FIDELINO DE FIGUEIREDO
ANCHIETA
(1946)
R$ 17,64



ESTUDO DE LÍNGUA E LITERATURA 1
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(1985)
R$ 6,00



COLEÇÃO PROFESSOR PASQUALE EXPLICA 1 - ORTOGRAFIA
PASQUALE CIPRO NETO
GOLD
(2011)
R$ 6,90



VIAGENS NA MINHA TERRA
ALMEIDA GARRETT
MARTIN CLARET
(2012)
R$ 5,50



O CONTO BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO
ALFREDO BOSI (ORG.)
CULTRIX
R$ 12,00



O MUNDO VEGETAL
XAVIER LLIMONA
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00



KNAURS KONVERSATIONS LEXIKON A-Z
KNAURS KONVERSATIONS LEXIKON
VERLAG VON TH. KNAUR NACHF
(1936)
R$ 41,00



TURISMO GLOBAL
WILLIAM F. THEOBALD (ORG.)
SENAC
(2002)
R$ 75,00



ARMAS & CORAÇÕES
AUTRAN DOURADO
ROCCO
(2006)
R$ 14,90



OS LUSÍADAS
LUÍS DE CAMÕES; RUBEM BRAGA; EDSON R. BRAGA
SCIPIONE
(2002)
R$ 12,00





busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês