Triste fim de meu cupcake | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Camila Venturelli e Dani Lima falam sobre os nossos gestos na pandemia
>>> 36Linhas lança Metropolis segunda graphic novel da Coleção Graphic Films
>>> Acervo digital documenta a história da Cantina da Lua - símbolo de resistência cultural
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mandic, por Pedro e Cora
>>> A Separação de Bill e Melinda Gates
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIP 2006 IV
>>> Como você vê a internet?
>>> Inimigos da política
>>> God save the newspapers!
>>> O homem visto do alto
>>> O homem visto do alto
>>> A quinta temporada de Lost
>>> Os primeiros volumes da Penguin Companhia
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Princípio ativo
Mais Recentes
>>> Quatro-olhos e um Sorriso Metálico de Thomas Brezina pela Ática (2006)
>>> O Destino de Perseu - Série Aventuras Mitológicas de Luiz Galdino pela Ftd (1999)
>>> A Perseguição de Sidney Sheldon pela Record (1994)
>>> Muito Barulho por Nada - Série Reencontro de William Shakespeare Adap Leonardo Chianca pela Scipione (2006)
>>> The Picture of Dorian Gray - Level 4 de Oscar Wilde pela Penguin (2008)
>>> The Diary of a Young Girl - Level 4 de Anne Frank pela Penguin (2008)
>>> O Mundo de Crestomanci Vida Encantada de Diana Wynnejones pela Geração (2001)
>>> Três Mistérios: Série Clássicos Juvenis Três por Três de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer; Ryta Vinagre pela Intrinseca (2008)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E L James; Adalgisa Campos da Silva pela Intrinseca (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas - Texto Integral de Machado de Assis pela Ftd (2010)
>>> Healing Grief de James Van Praagh pela New American Library (2000)
>>> Enquanto o Papa Silenciava de Alexander Ramati pela Clube do Livro (1985)
>>> Onde Andara Dulce Veiga? de Caio Fernando Abreu pela Cia das Letras (1990)
>>> Arte e Manhas da Seducão de Marion V Penteado pela Saraiva (1993)
>>> Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos de Rubem Fonseca pela Cia das Letras (1988)
>>> A Revolução do Silêncio de Mario Benevides pela Design (2007)
>>> Persian Painting de Sheila R. Canby pela British Museum Press (2008)
>>> Edmund Dulac de Colin White pela Cassel & Collier Macmillian Publishers (1976)
>>> Dominando a Técnica do Esboço - Curso completo em 40 lições de Judy Martin pela Martin Fontes (2014)
>>> The Mysterious Affair At Styles (Poirot's First Case) c/CD de Agatha Christie pela Collins (2012)
>>> Marvellous to Behold: Miracles in Illuminated Manuscripts de Deirdre Jackson pela The British Library (2007)
>>> Muder in Mesopotamia (em inglês) de Agatha Christie pela Harper Collins (2016)
>>> The Fine Art of Chinese Brush Painting de Walter Chen pela Sterling Publishing (2006)
>>> Comunicação em Prosa Moderna de Othon Moacyr Garcia pela fundação Getúlio Vargas (1988)
COLUNAS

Quinta-feira, 17/2/2011
Triste fim de meu cupcake
Elisa Andrade Buzzo

+ de 5800 Acessos
+ 2 Comentário(s)


ilustra: Luli Penna

Em todos os shoppings centers, lá está a loja colorida, infantil. Mais pareceria um espaço para deixar as crianças brincando enquanto os pais podem fazer compras tranquilamente (então, para que levar as crianças ao shopping?). Falo, por enquanto, das lojas de frozen yogurt, aquele iogurte em formato cocolino. Seguindo o estilo de apresentação visual vibrante e impecável estão as brigaderias, lojas especializadas em "brigadeiros gourmet", que cobram por volta de três reais por uma massa doce enrolada em castanhas trituradas, raspas de frutas, o típico granulado etc. Deve haver alguma boa explicação naquela fila e na satisfação de mocinhas magérrimas em devorar um pote de iogurte congelado, ou nas adolescentes sedentas em tocar e morder os docinhos decorados.

Depois da decepção da falta de gosto do frozen yogurt, chegou a hora de experimentar os tais de cupcakes, os típicos muffins anglo-americanos com cobertura de diversos tipos. Dessa vez, no entanto, o pecado foi pelo excesso. É irritante, pois é como se fosse uma blasfêmia dizer que não se gosta de cupcake. Como ficar de fora desta moda fofa?

O mundo era ingênuo no final da década de 1980, quando chegaram às prateleiras dos supermercados o Moça Fiesta nas versões em lata brigadeiro e beijinho. As novidades se resumiam a esse tipo de coisa. Hoje, a rebimboca da parafuseta está à venda em mil versões, inclusive diet e light. E se agora até nesses docinhos tipicamente brasileiros podemos ver em seu topo um incólume confeito de M&M'S, como se fosse a aceitação da primazia cultural norte-americana? A exuberância dos cupcakes está bem acomodada na era da imagem.

Na internet vejo um álbum dos bolinhos "coloridos e saborosos", um mais bonito que o outro, mas não consigo sentir exatamente aquela sensação de água na boca, antes uma veneração (que nada tem a ver com apetência) diante da profusão visual daqueles arranjos. Talvez seja isto que surte admiração: a beleza de um arranjo de flores, a palavra "arranjo" numa das acepções do Houaiss, "disposição ou colocação com propósito estético através da harmonia dos elementos".

Os jornais induzem ao consumo de cupcakes especiais, as opções salgadas, temáticas de Natal etc. Tudo bem, decerto deve haver os melhores e os piores. Só que minha experiência foi como passar meses lendo na internet que Lady Gaga revolucionou o pop, e, ao ouvi-la, perceber que tudo aquilo não passava de um engodo bem construído, música sem gosto. Demorei meses, mas precisava experimentá-lo.

Primeira incursão no mundo dos cupcakes (pelo shopping): tento fazer uso dos meus conhecimentos de culinária francesa. Avisto uma pequena fruta azul-arroxeada no topo de um creme lilás (dá vontade de comer algo lilás?). "Ahá, mirtilo!" Aquele mesmo, das pequenas tortas francesas de mirtille. Ao tentar decifrar os inúmeros bolinhos dispostos na vitrine, confirmo com a atendente, "Esse aqui é de mirtilo, né?", ao que ela responde com uma ponta de indisposição "NÃO, é blueberry". "É, mas é mirtilo em português...", respondo, descrente do mundo. "É mais conhecido como blueberry".

A conversa continuou, eu queria saber de sua boca que gosto tinha aquela montanha lilás. "Tem gosto de quê, isto?", pergunta pretensiosa e indiscreta, pois se o cupcake era de mirtilo, ele só poderia ter gosto ― em algum lugar, seja no recheio ou na cobertura ― de mirtilo. Mas não, a história iria ainda mais longe. "Parece danoninho". Incrédula, entre inúmeras outras opções, escolhi aquele mesmo.

Repentinamente, me vi em meio à praça de alimentação lotada, na hora do almoço, com aquela escultura glaceada em mãos. Como comer aquilo? Nem mesmo garfo e faca dariam conta, apenas destruiriam aquela obra de arte em miniatura, prestes a desmoronar. Meus amigos dão apoio moral, sentenciam "é só morder". Era a primeira vez que eu necessitava de encorajamento para comer um doce. O que eu faço, inicio lambendo a montanha de gordura? Achei nojento e então resolvi mordê-lo pela massa da parte de baixo, mantendo o mínimo de contato possível. Deparo-me com o recheio gosmento. Deve haver uma esperança nas garotas de Sex and the city de que o beijo no sapo-cupcake renda um encontro com um príncipe perfeito.

Segunda incursão no mundo dos cupcakes (pelo bairro): afinal, vez ou outra é saudável caminhar ao ar livre, respirar um pouco de ar puro, sair do ambiente fechado dos shoppings centers. Encontro na rua uma escultura gigante de cupcake em frente a uma "cupcaqueria". São uma daquelas casinhas deformadas por constantes reformas que encontramos ainda salvas do desabamento. O café se rende aos pequenos detalhes que fazem dele um ambiente parecido com uma casa de bonecas. Na vitrine, uma bela profusão de cores me confunde. Qual sabor escolher? Pensei logo no cupcake de brigadeiro ― este não falharia ao meu paladar brasileiro. "Oi, quero este de brigadeiro com o Mickey em cima". A moça de avental responde com cara de dor de barriga, "Te aconselho a não escolher esse". Fico intrigada, mas nos detemos no jogo de olhares, a dona do estabelecimento estava presente. Poderia ter sido um blefe. O que quereria ela, afinal, comer todos os cupcakes de brigadeiro sozinha? Acato e pergunto sobre o cupcake de tiramisù, cujo mascarpone há tempos não dá as caras nem em restaurantes chiques. "É uma delícia!". Seria em um cupcake que haveria o verdadeiro queijo?

É nessas horas que me lembro das massas doces e singelas que acompanham a vida. Bolos caseiros, roscas açucaradas de padaria, sonhos, rabanadas, o Bebezinho! A receita industrializada brasileira do muffin, a base do cupcake, que já acompanhou gerações de crianças no Brasil. Até ele se rendeu ao cupcake-mãe, ainda que de modo sub-reptício, pois antigamente havia a versão "pura" do bolo, seguida da opção recheio de baunilha. Agora, restam nos supermercados as versões um tanto enjoativas recheadas de morango, laranja e chocolate.

Pois os cupcakes nada parecem ter a ver com a cultura brasileira. De todo modo, eles já foram vistos nas padarias, o que demonstra que sua aceitação de certo modo começou. O tempo dirá se os bolinhos vão encontrar espaço cativo, quais matizes tropicalientes vão disfarçá-los por aqui. A torta de morango, a bomba de chocolate, os petit-fours, não os encontramos todos em qualquer canto da cidade? A forte influência da confeitaria francesa remonta ao início do século XIX, e de elitista passou em parte a popular; cópia malfeita ou recriação bem-sucedida ao paladar nacional.

Por fim, acabo por me convencer de que devo confiar no paladar da gata Latifa. Ela adora um bem-casado, um bolo de laranja molhadinho, um pão-de-ló bem feito. Sobe na mesa, implora quando adivinha algo de sutil e doce miolo. Faz das tripas coração para abocanhar um bocadinho que seja. Quem não quer viver no bem-bom? E cupcake, convenhamos, não parece comida de gente de carne e osso, por mais que Carry Bradshaw queira me convencer disso.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 17/2/2011


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
02. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. Doces bárbaros - 23/6/2011
05. Um mundo além do óbvio - 28/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/2/2011
13h15min
Elisa, realmente os cupcakes de shoppings são incomíveis. Gordura pura e um exagero naquela cobertura horrorosa. Se eu fosse de Sampa, mandaria a você um cupcake, adoraria ouvir seu comentário sobre ele. Um beijo :)
[Leia outros Comentários de Michele Pazo]
14/3/2011
22h14min
Elisa, querida, entro no grupo daqueles que se decepcionaram com os cupcakes... também não vejo graça. Tudo modismo importado. Beijos e continue me enviando links de seus deliciosos textos.
[Leia outros Comentários de Flávia Albuquerque]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Inquérito e a Ação Penal
Oswaldo Lim Rodrigue
La Cava (niterói)
(1980)



Magistratura do Trabalho: Sentenças de Concursos Resolvidas
Otavio Calvet (2ª Edição)
Elsevier
(2005)



Ingenium - um Curso Rápido e Eficaz Sobre Criatividade
Tina Seelig
Virgiliae
(2012)



Salvem os Monstros
Fernando Paiva
7 Letras
(2010)



Agropecuária Orgânica Em Dose Homeopáticas e Romantizadas
Santiago Dorremim
Do Ré Mi
(2007)



Desenho Geométrico Métodos e Exercícios Volume 2
Rubens
Loyola
(1980)



O Outro Lado da Memória
Beatriz Cortes
Novo Século
(2015)



Soldados de Papel - Cine-romance
Raul Paulo da Rocha e Miklós Palluch
Do Autor
(2003)



Na Alcova: Três Histórias Licenciosas
Guilleragues, Crébillon e Denon
Companhia das Letras
(2001)



Concise Oxford American Dictionary
Oxford
Oxford
(2006)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês