Triste fim de meu cupcake | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O primeiro livro que li
>>> Uma Obra-Prima Sertaneja
>>> O Chileno
>>> 17 de Julho #digestivo10anos
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Chuck Berry
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> E se tivesse dado certo?
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Um gourmet apaixonado por Paris
Mais Recentes
>>> As Crônicas do Rei Gormath de Nonato Peixoto nogueira pela Chiado Books (2021)
>>> Kaluana Kami de Nonato Peixoto nogueira pela Arte (2016)
>>> Arlindo de Ilustralu pela Seguinte (2021)
>>> Ver Bem Sem Óculos de Dr. Vander pela Mestre Jou (1967)
>>> Soma Uma Terapia Anarquista vol 2 -A Arma é o corpo de Roberto Freire pela Guanabara Koogan (1991)
>>> Dicionário Jurídico Italiano - Portoghese /Português-Italiano de Romolo Traiano pela Centro Studi Ca'Romana (1997)
>>> História da Umbanda: Uma Religião Brasileira de Alexandre Cumino pela Madras (2019)
>>> Cromoterapia Técnica de René Nunes pela Linha Gráfica (1987)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Principis (2019)
>>> A Vida Secreta das Árvores de Peter Wohlleben pela Sextante (2017)
>>> Macaco Preso para Interrogatório de João Aveline pela Age (1999)
>>> O Mal Não Vem de Fora de Lourdes Carolina Gagete pela Panorama (2004)
>>> Croma - O Oráculo de Atlon (Ficção Científica)li de Leandro Garcia Estevam pela Do Autor (2003)
>>> Cruzadox turbante Livro 15- Nível Médio de Coquetel pela Coquetel (2021)
>>> Palavras cruzadas Livro 52- Nível fÁCIL de Coquetel pela Coquetel (2020)
>>> Caça Palavras ouro euro nº 21- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Sob o vulcão de Malcolm Lowry pela Artenova (1975)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 16 de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> História da dança no ocidente de Paul Bourcier pela Martins Fontes (1987)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 11- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Cidades da noite escarlate de William Burroughs pela Siciliano (1995)
>>> Caça Palavras ouro euro nº 15- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Zenzele - Uma carta para minha filha de J. Nozipo Maraire pela Mandarim (1996)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 10- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Lasar Segall e o modernismo paulista de Vera D'Horta Beccari pela Brasiliense (1984)
COLUNAS

Quinta-feira, 17/2/2011
Triste fim de meu cupcake
Elisa Andrade Buzzo

+ de 6000 Acessos
+ 2 Comentário(s)


ilustra: Luli Penna

Em todos os shoppings centers, lá está a loja colorida, infantil. Mais pareceria um espaço para deixar as crianças brincando enquanto os pais podem fazer compras tranquilamente (então, para que levar as crianças ao shopping?). Falo, por enquanto, das lojas de frozen yogurt, aquele iogurte em formato cocolino. Seguindo o estilo de apresentação visual vibrante e impecável estão as brigaderias, lojas especializadas em "brigadeiros gourmet", que cobram por volta de três reais por uma massa doce enrolada em castanhas trituradas, raspas de frutas, o típico granulado etc. Deve haver alguma boa explicação naquela fila e na satisfação de mocinhas magérrimas em devorar um pote de iogurte congelado, ou nas adolescentes sedentas em tocar e morder os docinhos decorados.

Depois da decepção da falta de gosto do frozen yogurt, chegou a hora de experimentar os tais de cupcakes, os típicos muffins anglo-americanos com cobertura de diversos tipos. Dessa vez, no entanto, o pecado foi pelo excesso. É irritante, pois é como se fosse uma blasfêmia dizer que não se gosta de cupcake. Como ficar de fora desta moda fofa?

O mundo era ingênuo no final da década de 1980, quando chegaram às prateleiras dos supermercados o Moça Fiesta nas versões em lata brigadeiro e beijinho. As novidades se resumiam a esse tipo de coisa. Hoje, a rebimboca da parafuseta está à venda em mil versões, inclusive diet e light. E se agora até nesses docinhos tipicamente brasileiros podemos ver em seu topo um incólume confeito de M&M'S, como se fosse a aceitação da primazia cultural norte-americana? A exuberância dos cupcakes está bem acomodada na era da imagem.

Na internet vejo um álbum dos bolinhos "coloridos e saborosos", um mais bonito que o outro, mas não consigo sentir exatamente aquela sensação de água na boca, antes uma veneração (que nada tem a ver com apetência) diante da profusão visual daqueles arranjos. Talvez seja isto que surte admiração: a beleza de um arranjo de flores, a palavra "arranjo" numa das acepções do Houaiss, "disposição ou colocação com propósito estético através da harmonia dos elementos".

Os jornais induzem ao consumo de cupcakes especiais, as opções salgadas, temáticas de Natal etc. Tudo bem, decerto deve haver os melhores e os piores. Só que minha experiência foi como passar meses lendo na internet que Lady Gaga revolucionou o pop, e, ao ouvi-la, perceber que tudo aquilo não passava de um engodo bem construído, música sem gosto. Demorei meses, mas precisava experimentá-lo.

Primeira incursão no mundo dos cupcakes (pelo shopping): tento fazer uso dos meus conhecimentos de culinária francesa. Avisto uma pequena fruta azul-arroxeada no topo de um creme lilás (dá vontade de comer algo lilás?). "Ahá, mirtilo!" Aquele mesmo, das pequenas tortas francesas de mirtille. Ao tentar decifrar os inúmeros bolinhos dispostos na vitrine, confirmo com a atendente, "Esse aqui é de mirtilo, né?", ao que ela responde com uma ponta de indisposição "NÃO, é blueberry". "É, mas é mirtilo em português...", respondo, descrente do mundo. "É mais conhecido como blueberry".

A conversa continuou, eu queria saber de sua boca que gosto tinha aquela montanha lilás. "Tem gosto de quê, isto?", pergunta pretensiosa e indiscreta, pois se o cupcake era de mirtilo, ele só poderia ter gosto ― em algum lugar, seja no recheio ou na cobertura ― de mirtilo. Mas não, a história iria ainda mais longe. "Parece danoninho". Incrédula, entre inúmeras outras opções, escolhi aquele mesmo.

Repentinamente, me vi em meio à praça de alimentação lotada, na hora do almoço, com aquela escultura glaceada em mãos. Como comer aquilo? Nem mesmo garfo e faca dariam conta, apenas destruiriam aquela obra de arte em miniatura, prestes a desmoronar. Meus amigos dão apoio moral, sentenciam "é só morder". Era a primeira vez que eu necessitava de encorajamento para comer um doce. O que eu faço, inicio lambendo a montanha de gordura? Achei nojento e então resolvi mordê-lo pela massa da parte de baixo, mantendo o mínimo de contato possível. Deparo-me com o recheio gosmento. Deve haver uma esperança nas garotas de Sex and the city de que o beijo no sapo-cupcake renda um encontro com um príncipe perfeito.

Segunda incursão no mundo dos cupcakes (pelo bairro): afinal, vez ou outra é saudável caminhar ao ar livre, respirar um pouco de ar puro, sair do ambiente fechado dos shoppings centers. Encontro na rua uma escultura gigante de cupcake em frente a uma "cupcaqueria". São uma daquelas casinhas deformadas por constantes reformas que encontramos ainda salvas do desabamento. O café se rende aos pequenos detalhes que fazem dele um ambiente parecido com uma casa de bonecas. Na vitrine, uma bela profusão de cores me confunde. Qual sabor escolher? Pensei logo no cupcake de brigadeiro ― este não falharia ao meu paladar brasileiro. "Oi, quero este de brigadeiro com o Mickey em cima". A moça de avental responde com cara de dor de barriga, "Te aconselho a não escolher esse". Fico intrigada, mas nos detemos no jogo de olhares, a dona do estabelecimento estava presente. Poderia ter sido um blefe. O que quereria ela, afinal, comer todos os cupcakes de brigadeiro sozinha? Acato e pergunto sobre o cupcake de tiramisù, cujo mascarpone há tempos não dá as caras nem em restaurantes chiques. "É uma delícia!". Seria em um cupcake que haveria o verdadeiro queijo?

É nessas horas que me lembro das massas doces e singelas que acompanham a vida. Bolos caseiros, roscas açucaradas de padaria, sonhos, rabanadas, o Bebezinho! A receita industrializada brasileira do muffin, a base do cupcake, que já acompanhou gerações de crianças no Brasil. Até ele se rendeu ao cupcake-mãe, ainda que de modo sub-reptício, pois antigamente havia a versão "pura" do bolo, seguida da opção recheio de baunilha. Agora, restam nos supermercados as versões um tanto enjoativas recheadas de morango, laranja e chocolate.

Pois os cupcakes nada parecem ter a ver com a cultura brasileira. De todo modo, eles já foram vistos nas padarias, o que demonstra que sua aceitação de certo modo começou. O tempo dirá se os bolinhos vão encontrar espaço cativo, quais matizes tropicalientes vão disfarçá-los por aqui. A torta de morango, a bomba de chocolate, os petit-fours, não os encontramos todos em qualquer canto da cidade? A forte influência da confeitaria francesa remonta ao início do século XIX, e de elitista passou em parte a popular; cópia malfeita ou recriação bem-sucedida ao paladar nacional.

Por fim, acabo por me convencer de que devo confiar no paladar da gata Latifa. Ela adora um bem-casado, um bolo de laranja molhadinho, um pão-de-ló bem feito. Sobe na mesa, implora quando adivinha algo de sutil e doce miolo. Faz das tripas coração para abocanhar um bocadinho que seja. Quem não quer viver no bem-bom? E cupcake, convenhamos, não parece comida de gente de carne e osso, por mais que Carry Bradshaw queira me convencer disso.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 17/2/2011


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
02. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. Doces bárbaros - 23/6/2011
05. Um mundo além do óbvio - 28/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/2/2011
13h15min
Elisa, realmente os cupcakes de shoppings são incomíveis. Gordura pura e um exagero naquela cobertura horrorosa. Se eu fosse de Sampa, mandaria a você um cupcake, adoraria ouvir seu comentário sobre ele. Um beijo :)
[Leia outros Comentários de Michele Pazo]
14/3/2011
22h14min
Elisa, querida, entro no grupo daqueles que se decepcionaram com os cupcakes... também não vejo graça. Tudo modismo importado. Beijos e continue me enviando links de seus deliciosos textos.
[Leia outros Comentários de Flávia Albuquerque]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Acorda Brasil
Gilberto Vieira Cotrim
Saraiva
(1989)



Turismo Ecológico Bahia Brasil
Editora Isto é
Isto é
(2004)



Procurando Firme
Ruth Rocha
Ática
(1996)



Abra e descubra! como funciona o computador?
Alex Frith e Rosie Dickins
Usborne
(2016)



Maria breve introdução à mariologia
José Lélio Mendes Ferreira
Santuário
(2000)



Bio Volume Único Teste de Vestibulares e Enem
Sonia Lopes
Saraiva



A Pequena Sereia
Disney
Edelbra



Dedinhos Agitados A Menor das Raposas Um Livro Fantoche
The Clever Factory
TodoLivro



Tank Too
Masoud Golsorkhi
Thames & Hudson
(2006)



Os Ásperos Tempos Vol Xiii
Jorge Amado
Martins
(1971)





busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês