Triste fim de meu cupcake | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 17/2/2011
Triste fim de meu cupcake
Elisa Andrade Buzzo

+ de 5200 Acessos
+ 2 Comentário(s)


ilustra: Luli Penna

Em todos os shoppings centers, lá está a loja colorida, infantil. Mais pareceria um espaço para deixar as crianças brincando enquanto os pais podem fazer compras tranquilamente (então, para que levar as crianças ao shopping?). Falo, por enquanto, das lojas de frozen yogurt, aquele iogurte em formato cocolino. Seguindo o estilo de apresentação visual vibrante e impecável estão as brigaderias, lojas especializadas em "brigadeiros gourmet", que cobram por volta de três reais por uma massa doce enrolada em castanhas trituradas, raspas de frutas, o típico granulado etc. Deve haver alguma boa explicação naquela fila e na satisfação de mocinhas magérrimas em devorar um pote de iogurte congelado, ou nas adolescentes sedentas em tocar e morder os docinhos decorados.

Depois da decepção da falta de gosto do frozen yogurt, chegou a hora de experimentar os tais de cupcakes, os típicos muffins anglo-americanos com cobertura de diversos tipos. Dessa vez, no entanto, o pecado foi pelo excesso. É irritante, pois é como se fosse uma blasfêmia dizer que não se gosta de cupcake. Como ficar de fora desta moda fofa?

O mundo era ingênuo no final da década de 1980, quando chegaram às prateleiras dos supermercados o Moça Fiesta nas versões em lata brigadeiro e beijinho. As novidades se resumiam a esse tipo de coisa. Hoje, a rebimboca da parafuseta está à venda em mil versões, inclusive diet e light. E se agora até nesses docinhos tipicamente brasileiros podemos ver em seu topo um incólume confeito de M&M'S, como se fosse a aceitação da primazia cultural norte-americana? A exuberância dos cupcakes está bem acomodada na era da imagem.

Na internet vejo um álbum dos bolinhos "coloridos e saborosos", um mais bonito que o outro, mas não consigo sentir exatamente aquela sensação de água na boca, antes uma veneração (que nada tem a ver com apetência) diante da profusão visual daqueles arranjos. Talvez seja isto que surte admiração: a beleza de um arranjo de flores, a palavra "arranjo" numa das acepções do Houaiss, "disposição ou colocação com propósito estético através da harmonia dos elementos".

Os jornais induzem ao consumo de cupcakes especiais, as opções salgadas, temáticas de Natal etc. Tudo bem, decerto deve haver os melhores e os piores. Só que minha experiência foi como passar meses lendo na internet que Lady Gaga revolucionou o pop, e, ao ouvi-la, perceber que tudo aquilo não passava de um engodo bem construído, música sem gosto. Demorei meses, mas precisava experimentá-lo.

Primeira incursão no mundo dos cupcakes (pelo shopping): tento fazer uso dos meus conhecimentos de culinária francesa. Avisto uma pequena fruta azul-arroxeada no topo de um creme lilás (dá vontade de comer algo lilás?). "Ahá, mirtilo!" Aquele mesmo, das pequenas tortas francesas de mirtille. Ao tentar decifrar os inúmeros bolinhos dispostos na vitrine, confirmo com a atendente, "Esse aqui é de mirtilo, né?", ao que ela responde com uma ponta de indisposição "NÃO, é blueberry". "É, mas é mirtilo em português...", respondo, descrente do mundo. "É mais conhecido como blueberry".

A conversa continuou, eu queria saber de sua boca que gosto tinha aquela montanha lilás. "Tem gosto de quê, isto?", pergunta pretensiosa e indiscreta, pois se o cupcake era de mirtilo, ele só poderia ter gosto ― em algum lugar, seja no recheio ou na cobertura ― de mirtilo. Mas não, a história iria ainda mais longe. "Parece danoninho". Incrédula, entre inúmeras outras opções, escolhi aquele mesmo.

Repentinamente, me vi em meio à praça de alimentação lotada, na hora do almoço, com aquela escultura glaceada em mãos. Como comer aquilo? Nem mesmo garfo e faca dariam conta, apenas destruiriam aquela obra de arte em miniatura, prestes a desmoronar. Meus amigos dão apoio moral, sentenciam "é só morder". Era a primeira vez que eu necessitava de encorajamento para comer um doce. O que eu faço, inicio lambendo a montanha de gordura? Achei nojento e então resolvi mordê-lo pela massa da parte de baixo, mantendo o mínimo de contato possível. Deparo-me com o recheio gosmento. Deve haver uma esperança nas garotas de Sex and the city de que o beijo no sapo-cupcake renda um encontro com um príncipe perfeito.

Segunda incursão no mundo dos cupcakes (pelo bairro): afinal, vez ou outra é saudável caminhar ao ar livre, respirar um pouco de ar puro, sair do ambiente fechado dos shoppings centers. Encontro na rua uma escultura gigante de cupcake em frente a uma "cupcaqueria". São uma daquelas casinhas deformadas por constantes reformas que encontramos ainda salvas do desabamento. O café se rende aos pequenos detalhes que fazem dele um ambiente parecido com uma casa de bonecas. Na vitrine, uma bela profusão de cores me confunde. Qual sabor escolher? Pensei logo no cupcake de brigadeiro ― este não falharia ao meu paladar brasileiro. "Oi, quero este de brigadeiro com o Mickey em cima". A moça de avental responde com cara de dor de barriga, "Te aconselho a não escolher esse". Fico intrigada, mas nos detemos no jogo de olhares, a dona do estabelecimento estava presente. Poderia ter sido um blefe. O que quereria ela, afinal, comer todos os cupcakes de brigadeiro sozinha? Acato e pergunto sobre o cupcake de tiramisù, cujo mascarpone há tempos não dá as caras nem em restaurantes chiques. "É uma delícia!". Seria em um cupcake que haveria o verdadeiro queijo?

É nessas horas que me lembro das massas doces e singelas que acompanham a vida. Bolos caseiros, roscas açucaradas de padaria, sonhos, rabanadas, o Bebezinho! A receita industrializada brasileira do muffin, a base do cupcake, que já acompanhou gerações de crianças no Brasil. Até ele se rendeu ao cupcake-mãe, ainda que de modo sub-reptício, pois antigamente havia a versão "pura" do bolo, seguida da opção recheio de baunilha. Agora, restam nos supermercados as versões um tanto enjoativas recheadas de morango, laranja e chocolate.

Pois os cupcakes nada parecem ter a ver com a cultura brasileira. De todo modo, eles já foram vistos nas padarias, o que demonstra que sua aceitação de certo modo começou. O tempo dirá se os bolinhos vão encontrar espaço cativo, quais matizes tropicalientes vão disfarçá-los por aqui. A torta de morango, a bomba de chocolate, os petit-fours, não os encontramos todos em qualquer canto da cidade? A forte influência da confeitaria francesa remonta ao início do século XIX, e de elitista passou em parte a popular; cópia malfeita ou recriação bem-sucedida ao paladar nacional.

Por fim, acabo por me convencer de que devo confiar no paladar da gata Latifa. Ela adora um bem-casado, um bolo de laranja molhadinho, um pão-de-ló bem feito. Sobe na mesa, implora quando adivinha algo de sutil e doce miolo. Faz das tripas coração para abocanhar um bocadinho que seja. Quem não quer viver no bem-bom? E cupcake, convenhamos, não parece comida de gente de carne e osso, por mais que Carry Bradshaw queira me convencer disso.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 17/2/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que te move? de Fabio Gomes
02. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
03. Sarkozy e o privilégio de ser francês de Celso A. Uequed Pitol
04. Hitler e outros autores de Marta Barcellos
05. Um socialista na Casa Branca? de Celso A. Uequed Pitol


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
02. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. Doces bárbaros - 23/6/2011
05. Um mundo além do óbvio - 28/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/2/2011
13h15min
Elisa, realmente os cupcakes de shoppings são incomíveis. Gordura pura e um exagero naquela cobertura horrorosa. Se eu fosse de Sampa, mandaria a você um cupcake, adoraria ouvir seu comentário sobre ele. Um beijo :)
[Leia outros Comentários de Michele Pazo]
14/3/2011
22h14min
Elisa, querida, entro no grupo daqueles que se decepcionaram com os cupcakes... também não vejo graça. Tudo modismo importado. Beijos e continue me enviando links de seus deliciosos textos.
[Leia outros Comentários de Flávia Albuquerque]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INQUISIÇÃO - A ÉPOCA DAS TREVAS
ABEL GLASER
ALVORADA NOVA
(1999)
R$ 12,00



REVISTA GALILEU / EDIÇÃO 290
AUT. DIVERSOS
GLOBO
(2015)
R$ 8,00



ENSINAR E APRENDER A PENSAR
MARIA HELENA SALEMA
TEXTO
(1997)
R$ 23,10



O PODER MÁGICO DAS CORES
RAYMOND BUCKLAND
SICILIANO
(1989)
R$ 12,00



AS ESTGRATÉGIAS DE ZEUS
GARY HART
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 13,00
+ frete grátis



O TEATRO NA FRANÇA
RENÉ LALOU
DIFUSÃO EUROPEIA DO LIVRO
(1956)
R$ 12,00



PRÍNCIPE VALENTE Nº 16 - 9174
HAROLD FOSTER
SABER
(1974)
R$ 25,00



HISTÓRIA DA INGLATERRA
HUME, DAVID
UNESP
(2017)
R$ 57,13



EU SOU ASSIM E VOU TE MOSTRAR
HEINZ JANISCH
BRINQUE BOOK
(2017)
R$ 35,00



MINISTÉRO PÚBLICO - REFLEXÕES SOBRE PRINCIPIOS E FUNÇOES INSTITUCIONAI
CARLOS VINICIUS ALVES RIBEIRO
ATLAS
(2010)
R$ 33,90





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês