Bataille, o escritor do exagero | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 23/10/2007
Bataille, o escritor do exagero
Daniel Lopes

+ de 6300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Georges Bataille (1897-1962) foi um exagerado. Sua proposta intelectual foi nada menos que desvendar a totalidade da condição humana. Mesmo que soubesse ser isso impossível, não poupou esforços em sua busca e, para tanto, dedicou-se à ficção e à filosofia, que por sua vez englobava os mais diversos ramos do conhecimento. E, enquanto é bastante comum que escritores tenham sua ficção invadida por sua história pessoal e por suas idéias filosóficas, podemos dizer que poucos conseguiram se igualar a esse francês no que toca ao seguinte ponto: nele, essas três esferas formam um triângulo que em nenhum momento consegue ser rompido.

Assim é que eu encontrei no prefácio escrito para sua novela Madame Edwarda (inédito no Brasil) a filosofia que norteia toda sua obra. E assim é que lemos nas "reminiscências" de Histoire de l'oeil (no Brasil História do olho, Cosac Naify, 2003, 138 págs.) as experiências pelas quais o autor passou na infância e que basearam a construção dessa história de outra forma estranhíssima. Volto já a esses pontos.

Antes, é preciso dizer que também na vida pessoal Bataille freqüentou os extremos. Se, filho de pais não religiosos, após a morte destes resolveu adotar o cristianismo, chegando a matricular-se num tradicional seminário em 1917, na década de 30 ele se tornaria um membro do Círculo Comunista Democrático. Isso para, no final das contas, ficar conhecido como o "novo Marquês de Sade" - só que um Sade surrealista!

Mas, à Histoire de l'oeil. Como é de praxe em Bataille, trata-se de um livro pequeno, que narra as aventuras de dois jovens de dezesseis anos (de dezesseis anos!) que saem em busca do prazer que os sentidos podem proporcionar. Os jovens - Simone e o narrador - se conhecem numa praia, e, a partir de então, passam a dar asas à imaginação.

Não se trata, no entanto, de um livro que possa ser classificado como pornográfico e ponto final (como o foi logo após ser lançado, em 1928). Bataille tinha uma visão peculiar da realidade, que, numa peça de ficção, deveria ser mostrada em seu extremo. Onde encontramos isso dito explicitamente? No citado prefácio a Madame Edwarda: "O que significa a verdade fora da representação do excesso, se assim não vemos o que excede a possibilidade de ver, o que é intolerável de ver, como o que, no êxtase, é proibido de ser fruído? Se assim não pensamos o que excede a possibilidade de pensar...?"

A realidade extremada inclui a inversão de papéis. Assim, em Histoire..., é a mãe que surpreende a filha (Simone) em atos, hum..., heterodoxos com seu colega (o narrador), quando na maioria dos contos e romances o que ocorreria, no máximo, seria a filha surpreender a mamãe com a boca na botija do papai ou de outrem. E qual a reação da filha ao ser surpreendida pela mãe? Ela ordena: "Faça de conta que não viu nada". E assim se fez.

E, quando um bando de pré-adolescentes se reúne, o resultado não é o que comumente se esperaria, mesmo se imaginamos alguma diversão entre eles. A congregação da meninada dá nisso: "Resultou um odor de sangue, de esperma, de urina e de vômito que fazia recuar de horror". De fato, os personagens de Bataille só atingem o prazer por meios não convencionais. Assim, pululam em cada página os líquidos vitais - não apenas suor, sêmen e saliva, como também muito sangue e urina. São eles que, digamos assim, lubrificam a máquina da novela, e a mantém seguindo em frente.

Nos extremos de Bataille, obviamente não poderia faltar o sacrilégio. Simone, o narrador e um senhor inglês amigo dela vão aprontar das suas na Espanha - lugar-chave na formação do escritor, pois foi lá que ele descobriu e se impressionou com a tourada (presente na Histoire...), e onde deixou-se apaixonar por Nietzsche. No país ibérico, dentro de uma igreja, o trio envolve em orgia um pacato padre, que, mesmo a contragosto, tem ereção, goza e morre. Na seqüência, tem seu olho arrancado pelo inglês, a pedido de Simone, que quer realizar a fantasia de enfiá-lo no próprio ânus. Antes de morrer, o padre teve de escutar a "missa" que o inglês rezou a Simone: "(...) essas hóstias que você vê são o esperma de Cristo em forma de petit gâteau. Quanto ao vinho, os eclesiásticos dizem ser o sangue. Eles nos enganam. Se fosse mesmo o sangue, eles beberiam vinho tinto, mas eles bebem vinho branco, sabendo bem que se trata da urina".

Todas as referências a olhos e ânus ficam mais ou menos esclarecidas no texto que o autor escreve ao final do livro. É onde explica que foi filho de um pai sifilítico que acabaria cego e de uma mãe que, com a doença do marido, começara a se comportar como uma louca, tendo que ser vigiada pelo filho. "Na puberdade", lemos, "a afeição que eu sentia por meu pai se transforma em uma inconsciente aversão". A imagem da brancura dos olhos que não mais enxergam passa a repugná-lo. E Bataille fecha esse posfácio com um parágrafo que ilumina Histoire de l'oeil: "Essas lembranças, geralmente, não me incomodam mais. Elas, depois de longos anos, perderam o poder de me incomodar: o tempo lhes a neutralizado. Elas não podem retornar à vida a não ser deformadas, irreconhecíveis, sendo, ao curso da deformação, revestidas de um sentido obsceno".

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 23/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Em busca de cristãos e especiarias de Carla Ceres
02. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2007
01. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
02. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007
03. Bataille, o escritor do exagero - 23/10/2007
04. A dimensão da morte - 2/8/2007
05. Dando a Hawthorne seu real valor - 2/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/10/2007
01h03min
Daniel nos deixa mal acostumados, pois torna a resenha tão agradável, que a vontade é seguir lendo o original e comentando com ele (Daniel), que só faz enxergar onde, normalmente, nosso míope olhar não alcança.
[Leia outros Comentários de Paulo Vilmar]
9/12/2007
11h20min
Muito interessante o texto. Talvez, via O Erotismo, chamá-lo de pensador "do excesso" ou da "pletora", seria mais interessante do que do "exagero", precisamente por Bataille ter diante das vistas uma coleção de pensamentos "da falta". Muito interessantes também as considerações do Fucô sobre ele. Muito boas as referências, especialmente das obras literárias! um abraço,
[Leia outros Comentários de Catatau]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIAS AZUIS
MOACIR SADER
FLOR&CULTURA
(2017)
R$ 12,00



A VIDA NOS MUNDOS INVISÍVEIS
ANTHONY BORGIA
PENSAMENTO
(1960)
R$ 40,00



AMOR DE PERDIÇÃO
CAMILO CASTELO BRANCO
CIRANDA CULTURAL
(2008)
R$ 9,90



INTELIGÊNCIA PRÁTICA - ARTE E CIÊNCIA DO BOM SENSO
KARL ALBRECHT
M. BOOKS
(2008)
R$ 59,90



ABSINTO - UMA HISTÓRIA CULTURAL
PHIL BAKER
NOVA ALEXANDRIA
(2010)
R$ 26,00



SUN CERTIFIED - JAVA PROGRAMMER
CAMILO LOPES
CIÊNCIA MODERNA
(2010)
R$ 37,00



UMA VEZ SÓ É POUCO
JACQUELINE SUSAN
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 6,90



SALTO PARA O FUTURO, EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
VÁRIOS
MEC
(1999)
R$ 7,50



ALGUÉM QUE JÁ NÃO FUI
ARTUR DA TÁVOLA
SALAMANDRA
(1978)
R$ 10,00



LA MEMORIA DE LOS SERES PERDIDOS
JORDI SIERRA I FABRA
EASY READER
(2006)
R$ 70,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês