A dimensão da morte | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
>>> Para ler no botequim
>>> O blog da Bundas
>>> Introdução à lógica do talento literário
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Nada a comemorar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O desafio de formar leitores
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> O pensamento vivo de Rui Barbosa de Américo Jacobina Lacombe pela Livraria Martins (1944)
>>> Jornal Pasquim ANO X de 1979- Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1979)
>>> Memórias inacabadas de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> O cortiço de Aluis Azevedo pela Circulo do Livro (1991)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade Gráfica (1962)
>>> O leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1974)
>>> O amigo fritz de Erckmann Chatrian pela Saraiva (1955)
>>> Não Posso Deixar-te de Luciana Peverelii pela Vecchi (1961)
>>> O País das uvas de Fialho D Almeida pela Livraria Clássica (1946)
>>> Literatura Comentada Oswald de Andrade de (Oswald de Andrade) pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1986)
>>> Compêndio da Cambridge sobre Voltaire de Nicholas Cronk (Editor) pela Madras (2010)
>>> O Jornal da Noite de Arthur Hailey pela Record (1990)
>>> As meninas de Lygia Fagundes Telles pela Circulo do Livro (1979)
>>> Um estranho no espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> O Universo Das Comunicaçoes Humanas - Comunicação de Eneas Machado de Assis pela Mageart (1997)
>>> Literatura Comentada Guimarães Rosa de (Guimarães Rosa) pela Nova Cultural (1988)
>>> O Peregrino de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> O livro de san michele de Axel Munthe pela Círculo Do Livro (1985)
>>> Vargas E A Crise Dos Anos 50 - C. Politica de Org. Angela de Castro Gomes pela Relume (2011)
>>> Noel Rosa (literatura Comentada) de (Noel Rosa) pela Nova Cultural (1981)
>>> A Peregrina de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> Para Falar E Escrever Melhor O Portugues - Linguistica de Adriano Dagamakury pela Nova Fronteira (1989)
>>> O navegante de Morris West pela Circulo do Livro (1980)
>>> Conjunção Dos Verbos Em portugues -Pratico e Eficiente - Linguistica de Maria Aparecida Ryan pela Atica (1995)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/8/2007
A dimensão da morte
Daniel Lopes

+ de 6400 Acessos

Talvez eu não devesse dizer que o mistério central do livro, o assassinato de uma garota, nunca é esclarecido. Mas, já que Um doce aroma de morte (Gryphus, 2007, 172 págs.), do mexicano Guillermo Arriaga, não é um romance policial, resolvi dizer. Além do que, também fiquei sabendo disso antes de abrir o romance, ao ver uma entrevista com o escritor em recente edição do Roda Viva, quando ele veio ao Brasil lançar a obra na Flip. E mais: segundo contou, ele mesmo não sabe quem matou a tal garota.

Arriaga é impressionado com os temas da morte e violência. Roteirista de filmes como Babel e 21 Gramas, já deixou claro em entrevistas que o que quer mesmo é resgatar o valor, digamos, sagrado da morte, inclusive para destacar a importância da vida. Inimigo declarado da banalização da violência nos veículos de comunicação contemporâneos, o escritor sabe que por trás de cada um daqueles milhares de números de mortos na guerra civil nossa de cada dia há, ou havia, uma vida pulsante. Que quase sempre nos passa batida, porque, francamente, quem vai parar para pensar em vidas perdidas, quando já temos problemas demais na cabeça? Muito melhor ficar num insípido número de mortos.

Publicado originalmente em 1994, Um doce aroma de morte gira em torno, portanto, de Adela, uma adolescente encontrada morta numa manhã de domingo, à beira de um rio, no povoado de Loma Grande. Encontrada nua, com muito sangue ao redor, por conta de uma facada no coração. Encontrada por Ramón, um jovem e pacato vendeiro, que chegou até o corpo acudindo gritos desesperados de crianças.

Ramón, que mal havia visto a moça antes, uma moradora nova na localidade, é logo identificado como "o namorado de Adela", por ter cometido o ato instintivo de - constrangido ao ver o corpo nu e sem vida estendido na terra, e não podendo dar-lhe vida - cobrir a nudez da moça com sua camisa.

A falácia de que Ramón era o namorado de Adela logo toma corpo, e o livro de Arriaga também é sobre a mentira. Sobre como uma mentira, repetida várias vezes, se torna verdade. A tal ponto que o próprio Ramón a incorpora: "Apanhado como estava na armadilha de um namoro invisível, não tinha como recuar e negar seu romance, sem passar por covarde ou pouco macho. Dali por diante, teria de viver como real aquele passado imaginário".

Outra mentira se impõe: a de que o assassinato teria sido cometido por Cigano, um forte e mulherengo contrabandista que não tem lugar certo e vive a rodar por aí com sua caminhonete preta, e volta e meia passa por Loma Grande, onde tem caso com uma mulher casada. Mais uma vez, a mentira, que certamente só favorece ao verdadeiro criminoso, toma de assalto o imaginário coletivo. Pode até haver uma pitada de verdade nas histórias que todos passam a contar, mas essas versões só servem para solidificar a grande mentira, como fica claro neste divertido parágrafo:

"(...) tinham surgido várias outras (versões) sobre o proceder do Cigano e que confirmavam sua culpa: Torcuato Garduño se lembrou de tê-lo visto rondando a casa de Adela durante várias madrugadas; Macedonio Macedo asseverou que o encontrara amolando uma faca idêntica à que havia sido furtada de Lucio Estrada; Pascual Ortega narrou as grosseiras cantadas que o Cigano lançava a Adela, e às quais ela respondia com eloqüente indiferença; Juan Carrera ouvira-o falar do tremendo ciúme que sentia de uma mulher do povoado, a quem dizia amar mas cujo nome jamais mencionara; e Pedro Salgado afirmou ter notado nele, desde algum tempo antes, um comportamento estranho. Tudo indicava que o assassino era o Cigano".

O administrador comunal Justino Téllez sabe que Cigano não é o assassino, por conta de investigações que o fazem constatar que o suspeito não tem o número de calçado igual ao da bota que deixou pegadas ao lado do corpo de Adela. Mas, numa terra onde a maior parte das autoridades é corrupta ou relapsa, Justino prefere não se complicar, e deixa a vingança prometida por Ramón contra o Cigano correr seu curso natural. Sim, porque essa também é uma terra de revide, onde é, mais que natural, uma obrigação do marido ou namorado vingar a morte da amada.

Como Arriaga traz a morte à tona para mostrar a vida, os principais personagens têm suas histórias contadas, notadamente Cigano e a própria Adela. Esta, ainda que palidamente, revive por meio da lembrança dos pais, das cartas de amor que deixou (supostamente, cartas de amor a seu algoz) e das poucas fotos que tirara em sua curta vida, de uma das quais Ramón toma posse e passa a estimar como se tivesse consigo a própria Adela.

Um doce aroma de morte é um livro forte, que se passa no México profundo, árido, quente, violento, machista, supersticioso, de camponeses miseráveis cujos filhos mais bem sucedidos são aqueles que se encontram subempregados no sul dos Estados Unidos, e Arriaga, dono de um estilo que lembra em alguns momentos escritores como o cubano Pedro Juan Gutiérrez, um nome da nova literatura latino-americana que merece a atenção de todos nós. Seu maior defeito, se isso é um defeito, talvez seja o de escrever pouco - além de Um doce aroma..., publicou mais dois romances, O búfalo da noite e Esquadrão guilhotina, e o livro de contos Retorno 201, em uma carreira que vem se desenrolando desde o início dos anos 90.

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 2/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Criação em tempos de Crise de Marcelo Spalding
02. Literatura é coisa para jovem? de Marcelo Spalding
03. O cânone na berlinda de Luiz Rebinski Junior
04. Razoavelmente desinteressante de Eduardo Mineo
05. É, não ser vil, que pena de Guga Schultze


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2007
01. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007
02. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
03. Bataille, o escritor do exagero - 23/10/2007
04. Dando a Hawthorne seu real valor - 2/10/2007
05. A dimensão da morte - 2/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Se Preparar para o Exame de Ordem 1ª e 2ª Fases
Vauledir Ribeiro Santos
Método
(2000)



Natal Especial
Halia Pauliv de Souza
Vozes
(2003)



Tradição, Cultura e Protesto Popular no Brasil (1780-1880); Escra
Projeto Historia 16 - Cultura e Trabalho
Puc Sp
(1998)



O Que é Contracepção
Kurt Kloetzel
Brasiliense
(1987)



As Mulheres na Guerra: 1939 - 1945 - Dois Volumes
Claude Quétel
Larousse
(2009)



A Questão Urbana - Industrialização na Bahia; Politica Salarial;
Cláudio Penani (responsável) Cadernos do Ceas
Ceas (salvador)
(1976)



Missão Reciclar Papai
Pete Johnson
Melhoramentos
(2005)



1º de Abril
Cloder Rivas Martos
Escrituras
(2013)



Reb - Revista Eclesiástica Brasileira Volume 30
Frederico Vier
Ltr
(1970)



You Can Draw
Adrian Hill
Hart Publishing (nova Iorque)
(1966)





busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês