A dimensão da morte | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
59122 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
>>> Ensaios Perversos traz papo cabeça com drag, performances e festa pra dançar
>>> Chega a São Paulo projeto cultural que vai levar teatro a crianças de seis estados
>>> Clube do Disco - Os Saltimbancos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Kindle, da Amazon
>>> God save the newspapers!
>>> O Prêmio Nobel para Mario Vargas Llosa
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Ser intelectual dói
>>> A invenção da imprensa
>>> Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 3
>>> Coetzee, um escritor inventivo
>>> O vampiro de almas
>>> 7º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
Mais Recentes
>>> Como dizer tudo em francês em viagens de Ron Martinez e Angela F. Perricone Pastura pela Elsevier (2011)
>>> Araca - Arquiduquesa do Encantado de Herminio Bello de Carvalho pela Folha Seca (2014)
>>> Nunca Deixe de Tentar de Michael Jordan pela Sextante (2009)
>>> O mercado de trabalho feminino na região metropolitana de são paulo de Fundação seade pela Fundação seade (2001)
>>> Como dizer tudo em inglês em viagens de Ron Martinez pela Elsevier (2006)
>>> Dicionário de Idéias Semelhantes - 4 Volumes de Everton Florenzano pela Tecnoprint (1961)
>>> 1822 de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2010)
>>> Jornalista pra Quê? os Profissionais Diante da ética de Chico nelson, nilton santos e outros pela Sjpmrj (1989)
>>> Preparatório para Residência Médica SUS/SP de Juliano Silveira de Araújo pela Sanar (2017)
>>> RT Mini Códigos Coletânea de Legislação Administrativa Constituição Federal de Odete Medauar pela Revista Dos Tribunais (2005)
>>> Belezas imaginárias: antropologia do corpo e do parentesco de Pierre-Joseph Laurent pela Ideias & Letras (2013)
>>> Como escolher a sua Residência Médica de Caio Nunes e Marco Antônio Santana pela Sanar (2014)
>>> Legend de David Gemmell pela Orbit Books (2012)
>>> A Educação pela Pedra de João Cabral de Melo Neto pela Alfaguara (2008)
>>> The Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Harper Collins (1997)
>>> Vitória de Joseph Conrad pela Dublinense (2016)
>>> Arquitetura: uma experiência na área de saúde de João Filgueiras Lima pela Romano Guerra (2012)
>>> O viés médico na literatura de Guimarães Rosa de Eugênio Marcos Andrade Goulart pela Faculdade de Medicina da UFMG (2011)
>>> Introducao à isostatica de Eloy Ferraz Machado Junior pela Eesc Usp (2021)
>>> Manual Prático de Arquitetura Hospitalar de Ronald de Góes pela Blucher (2011)
>>> O Xará de Jhumpa Lahiri pela Globo (2017)
>>> Cavalo de Tróia 2 - Massada de J. J. Benitez pela Planeta (2013)
>>> RT Mini Códigos Penal Processo Penal Constituição Federal de Luiz Flávio Gomes pela Revista Dos Tribunais (2004)
>>> Vida e Proezas de Aléxis Zorbás de Nikos Kazantzákis pela Grua (2011)
>>> Maíra de Darcy Ribeiro pela Record (2007)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/8/2007
A dimensão da morte
Daniel Lopes

+ de 6500 Acessos

Talvez eu não devesse dizer que o mistério central do livro, o assassinato de uma garota, nunca é esclarecido. Mas, já que Um doce aroma de morte (Gryphus, 2007, 172 págs.), do mexicano Guillermo Arriaga, não é um romance policial, resolvi dizer. Além do que, também fiquei sabendo disso antes de abrir o romance, ao ver uma entrevista com o escritor em recente edição do Roda Viva, quando ele veio ao Brasil lançar a obra na Flip. E mais: segundo contou, ele mesmo não sabe quem matou a tal garota.

Arriaga é impressionado com os temas da morte e violência. Roteirista de filmes como Babel e 21 Gramas, já deixou claro em entrevistas que o que quer mesmo é resgatar o valor, digamos, sagrado da morte, inclusive para destacar a importância da vida. Inimigo declarado da banalização da violência nos veículos de comunicação contemporâneos, o escritor sabe que por trás de cada um daqueles milhares de números de mortos na guerra civil nossa de cada dia há, ou havia, uma vida pulsante. Que quase sempre nos passa batida, porque, francamente, quem vai parar para pensar em vidas perdidas, quando já temos problemas demais na cabeça? Muito melhor ficar num insípido número de mortos.

Publicado originalmente em 1994, Um doce aroma de morte gira em torno, portanto, de Adela, uma adolescente encontrada morta numa manhã de domingo, à beira de um rio, no povoado de Loma Grande. Encontrada nua, com muito sangue ao redor, por conta de uma facada no coração. Encontrada por Ramón, um jovem e pacato vendeiro, que chegou até o corpo acudindo gritos desesperados de crianças.

Ramón, que mal havia visto a moça antes, uma moradora nova na localidade, é logo identificado como "o namorado de Adela", por ter cometido o ato instintivo de - constrangido ao ver o corpo nu e sem vida estendido na terra, e não podendo dar-lhe vida - cobrir a nudez da moça com sua camisa.

A falácia de que Ramón era o namorado de Adela logo toma corpo, e o livro de Arriaga também é sobre a mentira. Sobre como uma mentira, repetida várias vezes, se torna verdade. A tal ponto que o próprio Ramón a incorpora: "Apanhado como estava na armadilha de um namoro invisível, não tinha como recuar e negar seu romance, sem passar por covarde ou pouco macho. Dali por diante, teria de viver como real aquele passado imaginário".

Outra mentira se impõe: a de que o assassinato teria sido cometido por Cigano, um forte e mulherengo contrabandista que não tem lugar certo e vive a rodar por aí com sua caminhonete preta, e volta e meia passa por Loma Grande, onde tem caso com uma mulher casada. Mais uma vez, a mentira, que certamente só favorece ao verdadeiro criminoso, toma de assalto o imaginário coletivo. Pode até haver uma pitada de verdade nas histórias que todos passam a contar, mas essas versões só servem para solidificar a grande mentira, como fica claro neste divertido parágrafo:

"(...) tinham surgido várias outras (versões) sobre o proceder do Cigano e que confirmavam sua culpa: Torcuato Garduño se lembrou de tê-lo visto rondando a casa de Adela durante várias madrugadas; Macedonio Macedo asseverou que o encontrara amolando uma faca idêntica à que havia sido furtada de Lucio Estrada; Pascual Ortega narrou as grosseiras cantadas que o Cigano lançava a Adela, e às quais ela respondia com eloqüente indiferença; Juan Carrera ouvira-o falar do tremendo ciúme que sentia de uma mulher do povoado, a quem dizia amar mas cujo nome jamais mencionara; e Pedro Salgado afirmou ter notado nele, desde algum tempo antes, um comportamento estranho. Tudo indicava que o assassino era o Cigano".

O administrador comunal Justino Téllez sabe que Cigano não é o assassino, por conta de investigações que o fazem constatar que o suspeito não tem o número de calçado igual ao da bota que deixou pegadas ao lado do corpo de Adela. Mas, numa terra onde a maior parte das autoridades é corrupta ou relapsa, Justino prefere não se complicar, e deixa a vingança prometida por Ramón contra o Cigano correr seu curso natural. Sim, porque essa também é uma terra de revide, onde é, mais que natural, uma obrigação do marido ou namorado vingar a morte da amada.

Como Arriaga traz a morte à tona para mostrar a vida, os principais personagens têm suas histórias contadas, notadamente Cigano e a própria Adela. Esta, ainda que palidamente, revive por meio da lembrança dos pais, das cartas de amor que deixou (supostamente, cartas de amor a seu algoz) e das poucas fotos que tirara em sua curta vida, de uma das quais Ramón toma posse e passa a estimar como se tivesse consigo a própria Adela.

Um doce aroma de morte é um livro forte, que se passa no México profundo, árido, quente, violento, machista, supersticioso, de camponeses miseráveis cujos filhos mais bem sucedidos são aqueles que se encontram subempregados no sul dos Estados Unidos, e Arriaga, dono de um estilo que lembra em alguns momentos escritores como o cubano Pedro Juan Gutiérrez, um nome da nova literatura latino-americana que merece a atenção de todos nós. Seu maior defeito, se isso é um defeito, talvez seja o de escrever pouco - além de Um doce aroma..., publicou mais dois romances, O búfalo da noite e Esquadrão guilhotina, e o livro de contos Retorno 201, em uma carreira que vem se desenrolando desde o início dos anos 90.

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 2/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil de Adriane Pasa
02. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol
03. Tarantino, Quentin de Humberto Pereira da Silva
04. O verdadeiro legado de 68 de Luiz Rebinski Junior
05. A ponte para as formigas de Andréa Trompczynski


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2007
01. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007
02. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
03. Bataille, o escritor do exagero - 23/10/2007
04. Dando a Hawthorne seu real valor - 2/10/2007
05. A dimensão da morte - 2/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História do Dia - um Olhar Sobre o Cotidiano pela Trajetória de 50 Pes
Daniela Penha
Outras Palavras



A Décima Profecia
James Redfield
Objetiva



A demolição do homem
Konrad Lorenz
Brasiliense
(1986)



Poesia Vicente de Carvalho
Fausto Cunha
Agir
(1977)



O Enigma de Teotihuacán
P. Guirao
Hemus
(1984)



Amor sem Adeus
Francisco Cândido Xavier
Ide
(2008)



Amor de Perdição
Camilo Castelo Branco
Ftd
(1999)



Querido Diário Otário 4 - Nunca Faça Nada, Nunca
Jim Benton
Fundamento
(2011)



O Enigma em Édipo Rei e Outros Estudos de Teatro Antigo
Jacyntho Lins Brandão
Ufmg
(1985)



The International Journal of Psychoanalysis Volume 78 Part 3
Vários Autores
David Tuckett
(1997)





busca | avançada
59122 visitas/dia
1,8 milhão/mês