A dimensão da morte | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/8/2007
A dimensão da morte
Daniel Lopes

+ de 5900 Acessos

Talvez eu não devesse dizer que o mistério central do livro, o assassinato de uma garota, nunca é esclarecido. Mas, já que Um doce aroma de morte (Gryphus, 2007, 172 págs.), do mexicano Guillermo Arriaga, não é um romance policial, resolvi dizer. Além do que, também fiquei sabendo disso antes de abrir o romance, ao ver uma entrevista com o escritor em recente edição do Roda Viva, quando ele veio ao Brasil lançar a obra na Flip. E mais: segundo contou, ele mesmo não sabe quem matou a tal garota.

Arriaga é impressionado com os temas da morte e violência. Roteirista de filmes como Babel e 21 Gramas, já deixou claro em entrevistas que o que quer mesmo é resgatar o valor, digamos, sagrado da morte, inclusive para destacar a importância da vida. Inimigo declarado da banalização da violência nos veículos de comunicação contemporâneos, o escritor sabe que por trás de cada um daqueles milhares de números de mortos na guerra civil nossa de cada dia há, ou havia, uma vida pulsante. Que quase sempre nos passa batida, porque, francamente, quem vai parar para pensar em vidas perdidas, quando já temos problemas demais na cabeça? Muito melhor ficar num insípido número de mortos.

Publicado originalmente em 1994, Um doce aroma de morte gira em torno, portanto, de Adela, uma adolescente encontrada morta numa manhã de domingo, à beira de um rio, no povoado de Loma Grande. Encontrada nua, com muito sangue ao redor, por conta de uma facada no coração. Encontrada por Ramón, um jovem e pacato vendeiro, que chegou até o corpo acudindo gritos desesperados de crianças.

Ramón, que mal havia visto a moça antes, uma moradora nova na localidade, é logo identificado como "o namorado de Adela", por ter cometido o ato instintivo de - constrangido ao ver o corpo nu e sem vida estendido na terra, e não podendo dar-lhe vida - cobrir a nudez da moça com sua camisa.

A falácia de que Ramón era o namorado de Adela logo toma corpo, e o livro de Arriaga também é sobre a mentira. Sobre como uma mentira, repetida várias vezes, se torna verdade. A tal ponto que o próprio Ramón a incorpora: "Apanhado como estava na armadilha de um namoro invisível, não tinha como recuar e negar seu romance, sem passar por covarde ou pouco macho. Dali por diante, teria de viver como real aquele passado imaginário".

Outra mentira se impõe: a de que o assassinato teria sido cometido por Cigano, um forte e mulherengo contrabandista que não tem lugar certo e vive a rodar por aí com sua caminhonete preta, e volta e meia passa por Loma Grande, onde tem caso com uma mulher casada. Mais uma vez, a mentira, que certamente só favorece ao verdadeiro criminoso, toma de assalto o imaginário coletivo. Pode até haver uma pitada de verdade nas histórias que todos passam a contar, mas essas versões só servem para solidificar a grande mentira, como fica claro neste divertido parágrafo:

"(...) tinham surgido várias outras (versões) sobre o proceder do Cigano e que confirmavam sua culpa: Torcuato Garduño se lembrou de tê-lo visto rondando a casa de Adela durante várias madrugadas; Macedonio Macedo asseverou que o encontrara amolando uma faca idêntica à que havia sido furtada de Lucio Estrada; Pascual Ortega narrou as grosseiras cantadas que o Cigano lançava a Adela, e às quais ela respondia com eloqüente indiferença; Juan Carrera ouvira-o falar do tremendo ciúme que sentia de uma mulher do povoado, a quem dizia amar mas cujo nome jamais mencionara; e Pedro Salgado afirmou ter notado nele, desde algum tempo antes, um comportamento estranho. Tudo indicava que o assassino era o Cigano".

O administrador comunal Justino Téllez sabe que Cigano não é o assassino, por conta de investigações que o fazem constatar que o suspeito não tem o número de calçado igual ao da bota que deixou pegadas ao lado do corpo de Adela. Mas, numa terra onde a maior parte das autoridades é corrupta ou relapsa, Justino prefere não se complicar, e deixa a vingança prometida por Ramón contra o Cigano correr seu curso natural. Sim, porque essa também é uma terra de revide, onde é, mais que natural, uma obrigação do marido ou namorado vingar a morte da amada.

Como Arriaga traz a morte à tona para mostrar a vida, os principais personagens têm suas histórias contadas, notadamente Cigano e a própria Adela. Esta, ainda que palidamente, revive por meio da lembrança dos pais, das cartas de amor que deixou (supostamente, cartas de amor a seu algoz) e das poucas fotos que tirara em sua curta vida, de uma das quais Ramón toma posse e passa a estimar como se tivesse consigo a própria Adela.

Um doce aroma de morte é um livro forte, que se passa no México profundo, árido, quente, violento, machista, supersticioso, de camponeses miseráveis cujos filhos mais bem sucedidos são aqueles que se encontram subempregados no sul dos Estados Unidos, e Arriaga, dono de um estilo que lembra em alguns momentos escritores como o cubano Pedro Juan Gutiérrez, um nome da nova literatura latino-americana que merece a atenção de todos nós. Seu maior defeito, se isso é um defeito, talvez seja o de escrever pouco - além de Um doce aroma..., publicou mais dois romances, O búfalo da noite e Esquadrão guilhotina, e o livro de contos Retorno 201, em uma carreira que vem se desenrolando desde o início dos anos 90.

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 2/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait
02. Era uma vez um inverno de Elisa Andrade Buzzo
03. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol
04. O que não fazer em época de crise de Fabio Gomes
05. As sombras e os muros de José J. Veiga de Cassionei Niches Petry


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2007
01. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
02. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007
03. Bataille, o escritor do exagero - 23/10/2007
04. A dimensão da morte - 2/8/2007
05. Dando a Hawthorne seu real valor - 2/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OBRAS INDIONISTAS
MANOEL RODRIGUES FERREIRA / HAROLDO CANDIDO DE OLIVEIRA / HAROLDO SCHULTZ
MELHORAMENTOS
R$ 45,00



FLÁVIO DE CARVALHO (COLEÇÃO ENCANTO RADICAL) (BIOGRAFIA)
ANTONIO CARLOS ROBERT MORAES
BRASILIENSE
(1986)
R$ 7,00



VAMOS ADIVINHAR
CHA MI-JEONG E CHOI YU-MI
CALLIS
(2010)
R$ 25,00



FRAGMENTOS DA SABEDORIA ORIENTAL - VOL 3: O LIVRO DE ARDA VIRAF
AMORC
AMORC
(1993)
R$ 12,00



QUE CHITA BACANA
RENATA MELLÃO; RENATO IMBROISI
A CASA
(2005)
R$ 199,90



A ILHA CARIBOU
DAVID VANN
RECORD
(2014)
R$ 17,00



DEMOCRACIA ,PARTICIPAÇÃO E AUTONOMIA COOPERATVA
JOSÉ ODELSO SCHNEIDER
UNISINOS
(1991)
R$ 60,00



A ECONOMIA POLÍTICA DA CRISE
MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES
VOZES
(1982)
R$ 7,00



TURISMO - FORMAÇÃO E PROFISSIONALIZAÇÃO - 30 ANOS DE HISTÓRIA
MARLENE MATIAS
MANOLE
(2002)
R$ 24,99



O COTIDIANO E A HISTÓRIA - 8ª EDIÇÃO
AGNES HELLER
PAZ E TERRA
(2008)
R$ 179,95





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês