Dando a Hawthorne seu real valor | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diga: trinta e três
>>> O Casal 2000 da literatura brasileira
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Do desprezo e da admiração
>>> A pulsão Oblómov
>>> Arte Brasileira Hoje: um arquipélago
>>> Sobre o som e a fúria
>>> O fim do livro, não do mundo
>>> Jornal: o cadáver impresso
>>> O naufrágio é do escritor
Mais Recentes
>>> O Castelo De Otranto de Horace Walpole pela Nova Alexandria (1996)
>>> O Ânus Solar de Georges Bataille pela Hiena (1985)
>>> O Perigo das Radiações de Jack Schubert; Ralph E. Lapp pela Ibrasa (1960)
>>> Apometria: Um instrumento para a harmonia e para a felicidade a nova ciencia da alma de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> The Little Prince de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Livro MILAGRES de Vera Nappi pela A Vida é Bela (2003)
>>> Você Pode Curar Sua Vida 126ª edição. de Louise L Hay pela Best Seller (2021)
>>> Livro CANTO ALGUM de Flávia Reis pela Reformátório (2020)
>>> Apologia de Sócrates - clássicos de bolso ediouro de Platão ( tradução de Maria Lacerda de Moura) pela Ediouro (2002)
>>> Mediunidade e Apometria: Terapêutica e Apometria edição. revista e atualizada de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> Livro Mulher V Moderna, à moda antiga de Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2013)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Karl Rauch
>>> Brief an Den Vater de Franz Kafka pela Fischer (1989)
>>> Sonhos de Bunker Hill de John Fante pela L&pm (2003)
>>> I Ching - O Livro das Mutações de Desconhecido pela Trevo (2004)
>>> O Mistério dos Temperamentos de Rudolf Steiner pela Antroposofica (1994)
>>> O Verdadeiro Livro dos Sonhos e da Sorte de Ahmed El-Khatib pela Rígel
>>> Capitães de Areia de Jorge Amado pela Companhia de Bolso (2009)
>>> Baudolino de Umberto Eco pela Record (2001)
>>> Dangerous - O Maior Perigo é a Censura de Milo pela Milo Yannopoulos (2018)
>>> Los Celtas: Magia, Mitos Y Tradicion de Roberto Rosaspini Reynolds pela Continente (1998)
>>> Cinco Anos - Julgamento Político na União Soviética de J. Oliveira Freitas Trad pela Intercontinental
>>> Feng Shui no Trabalho de Darrin Zeer pela Sextante (2008)
>>> O Poder do Hábito de Charles Duhigg pela Objetiva (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 2/10/2007
Dando a Hawthorne seu real valor
Daniel Lopes
+ de 7300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Pode parecer desperdício de espaço, mesmo de espaço virtual, dedicar um texto a um clássico da literatura, nessa época em que os leitores (escritores incluídos) cada vez mais tacham primeiro a crítica literária e, depois, os próprios clássicos como insignificantes. E, no entanto, é de um clássico que trata este artigo. The scarlet letter, de Nathaniel Hawthorne, foi publicado pela primeira vez em 1850 (no Brasil, A letra escarlate, Martin Claret, 2006, 247 págs.). Se passa na Nova Inglaterra e remete a um acontecimento fictício do século XVIII, a saber, de como Hester Prynne, mulher de meia-idade, foi punida por ter tido uma filha fora do casamento e, juntando ofensa ao pecado, se recusado a revelar o pai da criança.

De fato, esse drama é bem conhecido; já foi transposto para o cinema várias vezes, a última delas em 1995, com Demi Moore no papel de Hester. O que é importante, a cada vez que se falar do livro, é desfazer um mito que o cerca, aquele que diz que sua protagonista principal é uma mulher "forte", "revolucionária" mesmo.

Tampouco o livro é revolucionário, quanto à forma - lembra muito as obras do período romântico na rija linearidade de seus capítulos. Além disso, embora seu autor seja tido como um divisor de águas na literatura estadunidense, por ser o primeiro a adotar uma prosa mais distinta da dos ingleses, ele emprega aqui várias passagens de puro romantismo, ainda que no geral trate-se de uma peça realista, levantando questões sociais importantes.

Hester Prynne. Esta é vista por vários leitores de Hawthorne como uma pessoa extremamente corajosa, de pensamento avançado muito além de seu tempo. Alguns podem ver mesmo em sua figura uma precursora das lutas feministas. Nada disso, no entanto, encontra fundamento em The scarlet letter, e só pode resultar de uma leitura desatenta ou pré-determinada.

Vejamos o enredo. Devido ao relacionamento ilegal que gerou uma criança, a menina Pérola, Hester, logo após o nascimento da filha, e com ela nos braços, é exposta em praça pública com uma letra "A" de tom escarlate no peito. "A" de adúltera. Eis seu castigo - carregar a vestimenta que contém essa letra pelo resto da vida, como uma mácula. O castigo é uma cortesia da Justiça da Nova Inglaterra setecentista, que nada mais faz que representar os anseios de uma população de moralismo radical e misticismo vulgar.

Com a condenação efetivada, Hester recusa-se a deixar os Estados Unidos rumo à Inglaterra, onde poderia passar despercebida e recomeçar a vida. Isso porque ela internalizou a pena que os outros lhe imputaram, raciocinando que a Nova Inglaterra "foi o cenário de sua culpa, e aqui deveria ser o cenário de sua punição terrena; e então, talvez, a tortura que seria sua vergonha diária acabaria por purgar sua alma, e gerar uma outra pureza além da que ela havia perdido; uma mais beatífica, porque resultado de um martírio" (tradução livre a partir do texto original editado pela Dover Thrift). Essa visão da protagonista não é em nenhuma medida revolucionária, convenhamos.

Adiante, o autor apresenta mais detalhadamente Arthur Dimmesdale. Ele é o pai de Pérola. Ou seja, aquele que pecou junto com Hester. Só que no seu caso tudo se complica ainda mais, por ser ele um respeitado religioso. Tão respeitado que, quando começa a ficar pálido por conta das angústias decorrentes de sua falta junto aos rigores da conduta cristã, algumas pessoas, sem suspeitar da verdadeira causa de sua palidez, "declaravam que, se o Sr. Dimmesdale estava morrendo, isso se dava porque o mundo não era mais digno de ser trilhado por seus pés".

O peso na consciência faz Dimmesdale ter alucinações, e, além disso, há um simbolismo aqui: ele vive com a mão no peito, como se a sua letra escarlate estivesse não exposta, como a de Hester, mas escondida no coração e, assim, muito mais lancinante. Aqui, surge em cena Roger Chillingworth, marido de Hester que, quando retorna de um longo período em meio aos nativos da América do Norte, é cheio de surpresa e decepção que a encontra exposta em praça pública, com uma filha fruto de pecado nos braços. Conhecedor da medicina natural que usa ervas e raízes, Roger acaba sendo encarregado de curar o reverendo Dimmesdale de seus maus ares. Imediatamente ele suspeita no religioso a existência de um segredo guardado a sete chaves, o qual, por meio de longas conversas onde vai deixar transparecer uma despretensão inexistente, tentará descobrir, mesmo que tal mistério não seja dito com todas as letras por Arthur. É para isso que existe a malícia, e Roger é cheio dela.

As situações vão ficando tensas e levam a um final que não é genial, chega mesmo a ser cansativo, com muita prosa poética e diálogos previsíveis. Mas o que nos interessa é o comportamento de Hester. Ela, além de se decidir por ficar na Nova Inglaterra para viver sua sentença, nem mesmo cria antipatia pela sociedade que a puniu. Pelo contrário, passa a servir os cidadãos em épocas de surtos de doenças, o que faz com que muitos passem a ver em seu "A" não a inicial de "adúltera", mas de "able" (capaz). Nada como o tempo.

Também, Hester Prynne reconhece seu lugar não apenas como determinado pela hierarquia dos gêneros (um homem que tem um filho ilegal, naquela sociedade, não sofre nenhuma retaliação, já uma mulher... e isso parece muito natural), mas também pela das classes sociais - "Hester nunca exigiu mesmo nem o mais humilde direito de compartilhar dos privilégios do mundo, a não ser respirar o ar comum e ganhar o pão de cada dia para a pequena Pérola e para si mesma através do leal trabalho de suas mãos". Desse modo ela se auto-habilita a ocupar o patamar de mulher humilde e pecadora.

Não é que, nos momentos de placidez que às vezes invadiam sua solidão, ela não se tenha permitido alguns pensamentos heterodoxos (ou "liberdade de especulação", na época mais comum no outro lado do Atlântico), mas a presença de Pérola a seu lado lhe dava um "senso de maternidade" que acalmava os ânimos. Não fosse por isso, talvez, em dando curso a tais pensamentos e os convertendo em ação, ela pudesse acabar por "solapar as fundações do establishment puritano", embora Hawthorne não explique quais ações de sua personagem poderiam levar a isso, e sobre as quais podemos apenas especular.

É interessantíssimo notar que a atitude mais "revolucionária" (ou menos convencional) de Hester não é em relação à libertação feminina, mas contra o celibato, e ainda assim de forma bastante indireta, despropositada, pode-se dizer mesmo inconsciente. São de suas conversas a sós com Dimmesdale que podemos inferir tal atitude. Ela lhe diz: "O que tens tu a ver com todos esses homens de ferro e suas opiniões? [referindo-se aos superiores do amante na hierarquia da igreja] Eles mantiveram o melhor de ti em escravidão por muito tempo já!". E sugere: "O futuro ainda está cheio de experiência e sucesso. Há felicidade para ser desfrutada! (...) Pregue! Escreva! Aja! Faça qualquer coisa, menos ficar parado até morrer!".

Ora, é assaz lógica e surpreendente a conclusão a que chegamos: nenhuma das atitudes que Hester urge serem tomadas pelo amante, ela própria teria coragem de assumir. Ela, que depois da sentença recolheu-se com a filha em uma casinha isolada, decidida a remoer calada sua desgraça. Ela, que em nenhum momento sequer aventa a possibilidade de revelar a seus algozes o nome do respeitável Arthur como co-reponsável por toda aquela infâmia.

Resumo da ópera. Nathaniel Hawthorne, até hoje elogiado por gente como seus conterrâneos Paul Auster e Philip Roth, através de sua mais conhecida obra não quis traçar a saga de uma mulher injustiçada que se rebela contra a opressão de uma sociedade puritana e hipócrita, utilizando para isso uma linguagem e/ou formato literário inovador. Não. Ele quis, isso sim, através de uma técnica convencional (e quase sempre eficaz), retratar uma mulher a tal ponto inserida numa sociedade puritana e hipócrita, que não vislumbra nada além de suas fronteiras e juízos, não vendo como ou por que se rebelar, e não fazendo qualquer esforço nessa direção. Está aí a grande contribuição de Hawthorne às letras e ao pensamento social estadunidense, que, para não passar despercebida, deve tomar o lugar de interpretações equivocadas que vêem em sua célebre personagem aquilo que ela não é.

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 2/10/2007

Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2007
01. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007
02. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
03. Bataille, o escritor do exagero - 23/10/2007
04. Dando a Hawthorne seu real valor - 2/10/2007
05. A dimensão da morte - 2/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/9/2007
00h53min
Talvez mostrar a hipocrisia da sociedade seja mais válido que mostrar alguém rebelando-se conta ela. E, além de mais válido, talvez seja mais elegante e discreto. No mais, bom resgatar os clássicos, meu caro.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
2/10/2007
00h59min
Muito boa a leitura de Hawthorne que, provavelmente, estaria ao lado dos que costuraram a letra escarlate em Hester. Mas ele, aparentemente, tinha dúvidas e, com elas, escreveu o livro, gerando a interpretação errônea que se costuma fazer da sua personagem. Suponho que Hawthorne se identificasse mais com Dimmesdale, naquela palidez toda e passando mal só por levantar a questão da regiliosidade versus pecado.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
6/10/2007
05h16min
Maus tempos esses, em que se começa um texto quase pedindo desculpas porque se vai falar de um clássico... Mas, enfim: a visão "politicamente correta" de Hester Prynne é só isso - a imposição do século XXI a uma obra do passado. Penso que a força da personagem é de outro tipo - uma persistência silenciosa, por vezes mais heróica do que a gritaria de hoje.
[Leia outros Comentários de Claire]
10/10/2007
10h14min
É verdade, Claire. Apesar da ironia no pedido de desculpas do Daniel, é duro ouvir o que ouvi outro dia de um jovem de 22 anos: agora ele estava se dedicando a ler apenas os clássicos e citou como exemplo "O monge o executivo". Tremi na base. Com certeza, mais do que nunca é hora de falar de artistas como Hawthorne, Melville, Kafka, Hemingway, Borges, Sándor Màrai... Antes que os "clássicos" da auto-ajuda ocupem seus lugares para sempre...
[Leia outros Comentários de Joel Macedo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Administracao de Marketing no Brasil
Marcos Cobra
Elsevier
(2009)



Os Usos da Filosofia
Mary Warnock
Papirus
(1994)



Livro Infanto Juvenis As Leis de Allie Finkle para Meninas Volume 5 Garotas, Glitter e a Grande Fraude
Meg Cabot
Galera Junior
(2014)



Os Olhos Amarelos Dos Crocodilos
Katherine Pancol
Suma De Letras
(2012)



Paulo Climachauska
Tales Ab'sáber, Fernando Aq Mota
Coletiva Projetos Culturais Ltda
(2013)



Beethoven - Breves Biografias
Edmund Morris
Objetiva
(2007)



Edital sistematizado - magistratura federal
Leonardo de medeiros
JusPodivm
(2011)



A Divina Comédia - Box com 3 Volumes
Dante Alighieri
34
(2011)



A Psicologia na Saúde Suplementar: Aspectos Regulatorios
Conselho Regional de Psicologia Sp
Conselho Regional de Psicologi
(2007)



Livro Didático Ciências Entendendo a Natureza 9
Cesar; Sezar; Bedaque
Saraiva
(2018)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês