Dando a Hawthorne seu real valor | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
78105 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Escrevendo um currículo
>>> Frases que soubessem tudo sobre mim
>>> Por que somos piratas musicais
>>> 6 pedras preciosas do rock
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST)
>>> Para você que vai votar...
>>> A medida do sucesso
>>> Fuvest divulga lista de livros para 2017
>>> 35 anos do Clube da Esquina
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> O Sítio no Descobrimento: a turma do Picapau amarelo na expedição de Pedro Álvares Cabral de Luciana Sandroni pela Globo (2000)
>>> Zelia, uma Paixão de Fernando Sabino pela Record (1989)
>>> Volta ao Lar de Nora Roberts pela Harlequin Books (2006)
>>> Você Pode Curar Sua Vida de Louise L. Hay pela Best Seller (1984)
>>> Você é Tímido? de Núria Roca pela Companhia Nacional (2008)
>>> Vivências de Vozes pela Vozes
>>> Violetas na Janela de Vera Lucia Marinzeck de Carvalho Tipo: Semin pela Petit (2013)
>>> Vinte Anos de David Nicholls pela Intrínseca (2011)
>>> Vingadores Todos Querem Dominar o Mundo Marvel de Dan Abnett pela Novo Século (2015)
>>> Vidas Secas de Graciliano Ramos pela Record (1981)
>>> Vida Depois da Vida o Que Acontece Quando uma Pessoa Morre? de Dr. Raymond A. Moody pela Círculo de Livro (1979)
>>> Vida de Droga Sinal Aberto de Aberto Walcyr Carrasco pela Ática (2007)
>>> Vice-versa ao Contrário de Heloisa Prieto; Spacca pela Cia das Letrinhas (1994)
>>> Viagens de Gulliver Série Reencontro de Jonathan Swift pela Scipione
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift - Ad. Paulo Sergio de Vasconcellos pela Objetivo
>>> Vestido de Noivo de Pierre Lemaitre pela Vertigo (2013)
>>> Veronika Decide Morrer de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> Vencendo o Passado ( Bolso) de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (2017)
>>> Várias Histórias Coleção a Obra-prima de Cada Autor de Machado de Assis pela Martin Claret (2003)
>>> Van Gogh Museum Vida, Obra y Coetáneos de Vicent Van Gogh pela Ne
>>> Valores para Viver Inspirações para Refletir de Maria Isabel Borja e Márcio Vassallo pela Guarda Chuva (2005)
>>> Urso Com Música na Barriga Ilustrações de Eva Furnari de Erico Verissimo pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Uma Torre Além do Tempo: a Colmeia de Almas de Francisco José B. Sá pela Mnêmio Túlio (1999)
>>> Uma Questão de Tempo de Alvaro Esteves pela Objetiva
>>> Uma História de Sabedoria e Riqueza de Mark Fisher pela Ediouro
>>> Um Pai Criminalista um Ensaio Sobre Educação Infantil e Administração de Chistian Mirkos pela Ceitec (2008)
>>> Um Homem de Sorte Edição de Bolso de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Um Estranho Segredo de Marcos Diego Mogami pela Db (2014)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Klick (1997)
>>> Um Dia de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Um Caso Muito Sujo de Shirley Souza pela Paulus (2011)
>>> Um Caldeirão de Poemas Vol 2 de Tatiana Belinky pela Companhia das Letrinhas (2007)
>>> Um Anjo Em Nossa Vida de Célia Xavier de Camargo pela Petit (2014)
>>> Um Amor Conquistado de Danielle Steel pela Record (1984)
>>> Ubirajara Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1998)
>>> Turma da Mônica Jovem um Novo Amor? Número 82 de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2015)
>>> Turma da Mônica Jovem N° 63 Dia das Bruxas de Mauricio de Sousa pela Panini Brasil (2013)
>>> Turma da Mônica Jovem no País das Maravilhas Parte 2 de 2 de Mauricio de Sousa pela Panini (2010)
>>> Tudo Tem Seu Preço de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência
>>> Tudo Aquilo Que Nunca foi Dito de Marc Levy pela Suma de Letras (2011)
>>> Tudo a Ganhar de Barbara Taylor Bradford pela Record (1995)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma Ler é Aprender Volume 18 de Lima Barreto pela Klick
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma Ler é Aprender Volume 18 de Lima Barreto pela Klick
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma (pocket) de Lima Barreto pela L&pm Pocket
>>> Tio Sam Chega ao Brasil a Penetração Cultural Americana de Gerson Moura pela Brasiliense (1988)
>>> Til Coleção a Obra-prima de Cada Autor de José de Alencar pela Martin Claret
>>> The Testament de John Grisham pela Penguin Readers (1999)
>>> The Plays and Sonnets of William Shakespeare Vol 2 de Shakespeare pela Britannica
>>> The New Illustrated Treasury of Disney Songs de Hal Leonard pela Hal Leonard (1998)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Corgi Books
COLUNAS

Terça-feira, 2/10/2007
Dando a Hawthorne seu real valor
Daniel Lopes

+ de 6300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Pode parecer desperdício de espaço, mesmo de espaço virtual, dedicar um texto a um clássico da literatura, nessa época em que os leitores (escritores incluídos) cada vez mais tacham primeiro a crítica literária e, depois, os próprios clássicos como insignificantes. E, no entanto, é de um clássico que trata este artigo. The scarlet letter, de Nathaniel Hawthorne, foi publicado pela primeira vez em 1850 (no Brasil, A letra escarlate, Martin Claret, 2006, 247 págs.). Se passa na Nova Inglaterra e remete a um acontecimento fictício do século XVIII, a saber, de como Hester Prynne, mulher de meia-idade, foi punida por ter tido uma filha fora do casamento e, juntando ofensa ao pecado, se recusado a revelar o pai da criança.

De fato, esse drama é bem conhecido; já foi transposto para o cinema várias vezes, a última delas em 1995, com Demi Moore no papel de Hester. O que é importante, a cada vez que se falar do livro, é desfazer um mito que o cerca, aquele que diz que sua protagonista principal é uma mulher "forte", "revolucionária" mesmo.

Tampouco o livro é revolucionário, quanto à forma - lembra muito as obras do período romântico na rija linearidade de seus capítulos. Além disso, embora seu autor seja tido como um divisor de águas na literatura estadunidense, por ser o primeiro a adotar uma prosa mais distinta da dos ingleses, ele emprega aqui várias passagens de puro romantismo, ainda que no geral trate-se de uma peça realista, levantando questões sociais importantes.

Hester Prynne. Esta é vista por vários leitores de Hawthorne como uma pessoa extremamente corajosa, de pensamento avançado muito além de seu tempo. Alguns podem ver mesmo em sua figura uma precursora das lutas feministas. Nada disso, no entanto, encontra fundamento em The scarlet letter, e só pode resultar de uma leitura desatenta ou pré-determinada.

Vejamos o enredo. Devido ao relacionamento ilegal que gerou uma criança, a menina Pérola, Hester, logo após o nascimento da filha, e com ela nos braços, é exposta em praça pública com uma letra "A" de tom escarlate no peito. "A" de adúltera. Eis seu castigo - carregar a vestimenta que contém essa letra pelo resto da vida, como uma mácula. O castigo é uma cortesia da Justiça da Nova Inglaterra setecentista, que nada mais faz que representar os anseios de uma população de moralismo radical e misticismo vulgar.

Com a condenação efetivada, Hester recusa-se a deixar os Estados Unidos rumo à Inglaterra, onde poderia passar despercebida e recomeçar a vida. Isso porque ela internalizou a pena que os outros lhe imputaram, raciocinando que a Nova Inglaterra "foi o cenário de sua culpa, e aqui deveria ser o cenário de sua punição terrena; e então, talvez, a tortura que seria sua vergonha diária acabaria por purgar sua alma, e gerar uma outra pureza além da que ela havia perdido; uma mais beatífica, porque resultado de um martírio" (tradução livre a partir do texto original editado pela Dover Thrift). Essa visão da protagonista não é em nenhuma medida revolucionária, convenhamos.

Adiante, o autor apresenta mais detalhadamente Arthur Dimmesdale. Ele é o pai de Pérola. Ou seja, aquele que pecou junto com Hester. Só que no seu caso tudo se complica ainda mais, por ser ele um respeitado religioso. Tão respeitado que, quando começa a ficar pálido por conta das angústias decorrentes de sua falta junto aos rigores da conduta cristã, algumas pessoas, sem suspeitar da verdadeira causa de sua palidez, "declaravam que, se o Sr. Dimmesdale estava morrendo, isso se dava porque o mundo não era mais digno de ser trilhado por seus pés".

O peso na consciência faz Dimmesdale ter alucinações, e, além disso, há um simbolismo aqui: ele vive com a mão no peito, como se a sua letra escarlate estivesse não exposta, como a de Hester, mas escondida no coração e, assim, muito mais lancinante. Aqui, surge em cena Roger Chillingworth, marido de Hester que, quando retorna de um longo período em meio aos nativos da América do Norte, é cheio de surpresa e decepção que a encontra exposta em praça pública, com uma filha fruto de pecado nos braços. Conhecedor da medicina natural que usa ervas e raízes, Roger acaba sendo encarregado de curar o reverendo Dimmesdale de seus maus ares. Imediatamente ele suspeita no religioso a existência de um segredo guardado a sete chaves, o qual, por meio de longas conversas onde vai deixar transparecer uma despretensão inexistente, tentará descobrir, mesmo que tal mistério não seja dito com todas as letras por Arthur. É para isso que existe a malícia, e Roger é cheio dela.

As situações vão ficando tensas e levam a um final que não é genial, chega mesmo a ser cansativo, com muita prosa poética e diálogos previsíveis. Mas o que nos interessa é o comportamento de Hester. Ela, além de se decidir por ficar na Nova Inglaterra para viver sua sentença, nem mesmo cria antipatia pela sociedade que a puniu. Pelo contrário, passa a servir os cidadãos em épocas de surtos de doenças, o que faz com que muitos passem a ver em seu "A" não a inicial de "adúltera", mas de "able" (capaz). Nada como o tempo.

Também, Hester Prynne reconhece seu lugar não apenas como determinado pela hierarquia dos gêneros (um homem que tem um filho ilegal, naquela sociedade, não sofre nenhuma retaliação, já uma mulher... e isso parece muito natural), mas também pela das classes sociais - "Hester nunca exigiu mesmo nem o mais humilde direito de compartilhar dos privilégios do mundo, a não ser respirar o ar comum e ganhar o pão de cada dia para a pequena Pérola e para si mesma através do leal trabalho de suas mãos". Desse modo ela se auto-habilita a ocupar o patamar de mulher humilde e pecadora.

Não é que, nos momentos de placidez que às vezes invadiam sua solidão, ela não se tenha permitido alguns pensamentos heterodoxos (ou "liberdade de especulação", na época mais comum no outro lado do Atlântico), mas a presença de Pérola a seu lado lhe dava um "senso de maternidade" que acalmava os ânimos. Não fosse por isso, talvez, em dando curso a tais pensamentos e os convertendo em ação, ela pudesse acabar por "solapar as fundações do establishment puritano", embora Hawthorne não explique quais ações de sua personagem poderiam levar a isso, e sobre as quais podemos apenas especular.

É interessantíssimo notar que a atitude mais "revolucionária" (ou menos convencional) de Hester não é em relação à libertação feminina, mas contra o celibato, e ainda assim de forma bastante indireta, despropositada, pode-se dizer mesmo inconsciente. São de suas conversas a sós com Dimmesdale que podemos inferir tal atitude. Ela lhe diz: "O que tens tu a ver com todos esses homens de ferro e suas opiniões? [referindo-se aos superiores do amante na hierarquia da igreja] Eles mantiveram o melhor de ti em escravidão por muito tempo já!". E sugere: "O futuro ainda está cheio de experiência e sucesso. Há felicidade para ser desfrutada! (...) Pregue! Escreva! Aja! Faça qualquer coisa, menos ficar parado até morrer!".

Ora, é assaz lógica e surpreendente a conclusão a que chegamos: nenhuma das atitudes que Hester urge serem tomadas pelo amante, ela própria teria coragem de assumir. Ela, que depois da sentença recolheu-se com a filha em uma casinha isolada, decidida a remoer calada sua desgraça. Ela, que em nenhum momento sequer aventa a possibilidade de revelar a seus algozes o nome do respeitável Arthur como co-reponsável por toda aquela infâmia.

Resumo da ópera. Nathaniel Hawthorne, até hoje elogiado por gente como seus conterrâneos Paul Auster e Philip Roth, através de sua mais conhecida obra não quis traçar a saga de uma mulher injustiçada que se rebela contra a opressão de uma sociedade puritana e hipócrita, utilizando para isso uma linguagem e/ou formato literário inovador. Não. Ele quis, isso sim, através de uma técnica convencional (e quase sempre eficaz), retratar uma mulher a tal ponto inserida numa sociedade puritana e hipócrita, que não vislumbra nada além de suas fronteiras e juízos, não vendo como ou por que se rebelar, e não fazendo qualquer esforço nessa direção. Está aí a grande contribuição de Hawthorne às letras e ao pensamento social estadunidense, que, para não passar despercebida, deve tomar o lugar de interpretações equivocadas que vêem em sua célebre personagem aquilo que ela não é.

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 2/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De louco todos temos um pouco de Cassionei Niches Petry
02. Precisa-se de empregada feia. Bem feia. de Yuri Vieira
03. Buenos Aires: guia de viagem de Gian Danton
04. O chamado de Cthulhu de Gian Danton
05. Texto Otimista de Fim de Ano de Duanne Ribeiro


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2007
01. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
02. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007
03. Bataille, o escritor do exagero - 23/10/2007
04. Dando a Hawthorne seu real valor - 2/10/2007
05. A dimensão da morte - 2/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/9/2007
00h53min
Talvez mostrar a hipocrisia da sociedade seja mais válido que mostrar alguém rebelando-se conta ela. E, além de mais válido, talvez seja mais elegante e discreto. No mais, bom resgatar os clássicos, meu caro.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
2/10/2007
00h59min
Muito boa a leitura de Hawthorne que, provavelmente, estaria ao lado dos que costuraram a letra escarlate em Hester. Mas ele, aparentemente, tinha dúvidas e, com elas, escreveu o livro, gerando a interpretação errônea que se costuma fazer da sua personagem. Suponho que Hawthorne se identificasse mais com Dimmesdale, naquela palidez toda e passando mal só por levantar a questão da regiliosidade versus pecado.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
6/10/2007
05h16min
Maus tempos esses, em que se começa um texto quase pedindo desculpas porque se vai falar de um clássico... Mas, enfim: a visão "politicamente correta" de Hester Prynne é só isso - a imposição do século XXI a uma obra do passado. Penso que a força da personagem é de outro tipo - uma persistência silenciosa, por vezes mais heróica do que a gritaria de hoje.
[Leia outros Comentários de Claire]
10/10/2007
10h14min
É verdade, Claire. Apesar da ironia no pedido de desculpas do Daniel, é duro ouvir o que ouvi outro dia de um jovem de 22 anos: agora ele estava se dedicando a ler apenas os clássicos e citou como exemplo "O monge o executivo". Tremi na base. Com certeza, mais do que nunca é hora de falar de artistas como Hawthorne, Melville, Kafka, Hemingway, Borges, Sándor Màrai... Antes que os "clássicos" da auto-ajuda ocupem seus lugares para sempre...
[Leia outros Comentários de Joel Macedo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A GUERRA DO PARAGUAI - O COTIDIANO DA HISTÓRIA
JÚLIO JOSÉ CHIAVENATO
ATICA
(1995)
R$ 9,90



GRAMÁTICA : NUNCA MAIS - O ENSINO DA LÍNGUA PADRÃO SEM O ESTUDO DA
LUIZ CARLOS DE ASSIS ROCHA
UFMG
(2002)
R$ 14,90



CIÊNCIAS. 6º ANO - COLEÇÃO PROJETO ARARIBÁ PLUS
VÁRIOS AUTORES
MODERNA
(2014)
R$ 14,90



INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA
ELISA PEREIA GONSALVES
ALÍNEA
(2003)
R$ 26,91



CREIO NA ALEGRIA - LIVRO DO CATEQUISTA, V. 1
TANIA FERREIRA PULIER; SANDRA REGINA DE SOUSA
PAULUS
(2011)
R$ 6,90



CONQUISTA DA MORTE
ALVIN SILVERSTEIN
CIRCULO DO LIVRO
(1979)
R$ 9,00



O GOSTO DO PECADO
ANGELA MENDES DE ALMEIDA
ROCCO
(1993)
R$ 25,90



CIDADE DE DEUS: ROMANCE
PAULO LINS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1997)
R$ 8,00



DIGA AO MUNDO QUE SOU JOVEM - 3ª EDIÇÃO
PE. ZEZINHO
PAULINAS
(1973)
R$ 7,00



A CAMPONESA DA CASA DE PEDRA
WANDA A. CANUTTI
EME
(2002)
R$ 6,00





busca | avançada
78105 visitas/dia
2,2 milhões/mês