Entre a simulação e a brincadeira | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sugestão de pauta - Lançamento 'Presenças' de Millo Ribeiro
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma análise sociossemiótica do trabalho
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Poesia em Xadrez, BH
>>> O filósofo da contracultura
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> 1984, de George Orwell, com Fromm, Pimlott e Pynchon
>>> Hora de parar... ou de voltar!
>>> Do Comércio Com Os Livros
>>> Em Londres, à caça do mito elementar
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
Mais Recentes
>>> Amor - 14ª Estação de Miguel Jorge pela Kelps (1997)
>>> O Médico e o Monstro - Lpm Pcket 267 de R. L. Stevenson pela LPM Pocket (2003)
>>> Amizade Que Vale a Pena de Adriana Rosa e Outros pela Prazer de Ler (2021)
>>> O amor está no ar de Jennifer Echols pela Pandorga (2014)
>>> De repente de Nichole Chase pela Pandorga (2013)
>>> Veleiros ao mar de Sarah Mason pela Bertrand Brasil (2013)
>>> A Salamandra de Morris West pela Record (1973)
>>> Longe demais de Jennifer Echols pela Pandorga (2012)
>>> A rainha da fofoca fisgada de Meg Cabot pela Galera (2013)
>>> A rainha da fofoca em Nova York de Meg Cabot pela Galera (2010)
>>> A rainha da fofoca de Meg Cabot pela Galera (2010)
>>> Férias, amor e chocolate quente de Patrícia Barboza pela Verus (2017)
>>> Quase Santo de Anne Tyler pela Companhia das Letras (1992)
>>> Preparacion de motores para auto de competicion de Federico Kirbus pela Federal-Mogul (1974)
>>> Introdução ao novo testamento de Raymond E. Brown pela Paulinas (2004)
>>> Você Sabe Estudar? de Claudio de Moura Castro pela Penso Editora Ltda
>>> Você sabe conversar? de Pedro Bloch pela Revinter (2003)
>>> O Mestre e o Herói de Domingos Pellegrini pela Moderna (2006)
>>> Escola estadual especial Renascença: Cinquenta anos de história (1956-2006) de WS editor pela WS editor (2006)
>>> Contra a Maré Vermelha de Rodrigo Constantino pela Editora Record
>>> Missão como com-paixão de Roberto E. Zwetsch pela Sinodal (2008)
>>> História das ideias pedagógicas de Moacir Gadotti pela Ática (2005)
>>> A Irmã de Freud de Goce Smilevski pela Editora Bertrand Brasil Ltda
>>> Os Des Mandamentos (+1) de Luiz Felipe Pondé pela Três estrelas
>>> Meu Colóquio Litúrgico Com Deus Vol 3 - A Liturgia Contemplada de Dom Dadeus Grings pela Evangraf (2008)
>>> O livro de Marina: a formiguinha que se enamorou do sol de Adelino Gabriel Pilonetto pela ESTEF (2018)
>>> Monsignor Luigi Talamoni: Tutto è nulla se non è nell'amore di Dio de Cristina Siccardi pela San Paolo (2004)
>>> Farewell de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1996)
>>> Tristão e Isolda - O Mito da Paixão de Maria Nazareth Alvim de Barros pela Mercuryo (1996)
>>> Apostila manual de peças e serviços Faet de Parcelias pela Parcelias (2006)
>>> Apostila Parâmetros Curriculares Nacionais. História - Geografia. de Ministério da Educação pela Mec (1997)
>>> Soul Mates: Honoring the Mysteries of Love and Relationship de Thomas Moore pela Harper Collins (1998)
>>> Apostila "A mais nova maneira de trabalhar em casa" de Vários pela Herba (2006)
>>> Apostila Sebrae "As relações Humanas no trabalho" de Sarah Araújo da Silva pela Sebrae (2001)
>>> Ciências Para Nosso Tempo 9° Ano de Washington Carvalho - João Alves - Laércio Caetano. pela Positivo (2011)
>>> Puer Aeternus: a Luta do Adulto Contra o Paraíso da Infância de Marie-Louise von Franz pela Paulinas (1992)
>>> A Era da Manipulação de Wilson Bryan Key pela Scritta (1993)
>>> Revista a Bíblia no Brasil n°257 ano 69 de Vários pela Sbb (2018)
>>> Relações humanas na família e no trabalho de Pierre Weil pela Vozes (1992)
>>> Alter Ego+ A1 - Cahier d'activités de Annie Berthet, Emmanuelle Daill, Catherine Hugot e Monique Waendedries pela Hachette (2015)
>>> Educar para um outro mundo possível de Moacir Gadotti pela Publisher (2007)
>>> Contabilidade 3D - questões comentadas FCC + teoria sintetizada de Sérgio Adriano pela Método (2012)
>>> Planejar gêneros acadêmicos de Anna Rachel Machado (coordenadora) pela Parábola (2009)
>>> Resumo de Anna Rachel Machado (coordenadora) pela Parábola (2010)
>>> Mobile A1 - Méthode de Français, com DVD de Alice Reboul, Anne-Charlotte Boulinguez e Géraldine Fouquet pela Didier (2013)
>>> Mobile A2 - Méthode de Français, com DVD de Laurence Alemanni e Caherine Girodet pela Didier (2012)
>>> A árvore do conhecimento de Humberto R. Maturana, Francisco J Varela pela Palas Athena (2001)
>>> Crer depois de Freud de Carlos Domínguez Morano pela Loyola (2003)
>>> O poder latente da alma de Watchaman nee pela Publicações pão diario (2019)
>>> A dispensacao do mistério de T. austin-Spacks pela Phileo (2015)
COLUNAS

Quarta-feira, 11/3/2009
Entre a simulação e a brincadeira
Guilherme Pontes Coelho

+ de 6100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

É sempre uma sensação sem adjetivos ver televisão ― para quem não tem esse hábito. É uma coisa muito bizarra, na verdade. Precisei de um certo tempo de aclimatação. Depois de um longo jejum, me rendi à tevê aberta. Quando já me sentia preparado, mergulhei na infinitude da tevê por assinatura. Óbvio, como você já deve saber, é tudo muito mais legal. E mesmo não sendo, os canais animais são sempre a salvação da telelavoura quando não há nada muito interessante. Eu achava que esse fenômeno só existia na tevê aberta.

Enfim, hoje vejo tevê. Já adquiri até uns vícios. Law & Order: Special Victims Unit, por exemplo. Mas continuo me sentindo um alienígena diante dela. Não é possível que eu viva no mesmo mundo daquelas pessoas que fazem aquelas mágicas acontecerem: as atrações. Por exemplo, vi na Oprah uma mulher que deixou a filha de dois anos dentro do carro e foi trabalhar. A menina ficou lá oito horas, sob o calor do verão. Morreu. Até aí eu estava impressionado com o lado humano da coisa, espantado com o fato de uma mãe esquecer a própria bebê dentro do carro, no estacionamento do trabalho. Então me chamou a atenção a maneira como o show acontecia.

Era a primeira vez que via a Oprah, até então só a conhecia de ouvir falar e do adesivo na capa do meu Faulkner, "Oprah's Book Club". Fiquei com a impressão de que ela era uma mistura de Marília Gabriela com Regina Volpato. Não sei se quero permanecer com essa impressão, porque logo depois da história da menina ser parcialmente contada apareceu a mãe no sofá da Oprah para narrar o final, como ela achou a própria filha morta e o que aconteceu depois, o que me deixou extremamente constrangido no meu sofá. Mais, fizeram mais. Veicularam o áudio das ligações para o 911, a descrição que gente desesperada fazia à polícia de uma menina de dois anos sob os efeitos implacáveis da hipertermia (oito horas dentro de um carro, presa ao bebê-conforto). A mãe ali, no sofá, em frente à Oprah, ouvindo tudo pela primeira vez, assim como nós. Tudo bem que ela, a mãe, escolheu estar lá, mas nada ameniza a vileza do espetáculo em todo o conjunto: a exposição, a audiência, o julgamento.

Julgamento porque muitas vezes esses programas de terapia familiar, sei lá como se autodenominam, funcionam mesmo como um tribunal midiático. De mentirinha, mas tribunal. A classe da Regina Volpato e a vulgaridade da Márcia Goldschmidt, no fim das contas, acabam como farinha do mesmo saco, condenando e absolvendo os réus televisivos. Até lembro aqui da Oprah, em relação àquela mãe, dizendo que "isso poderia acontecer com você também". Não, Oprah, essa irresponsabilidade jamais... Ups, olha eu julgando a coitada. Eu, você e aquela mãe fazemos parte do mesmo universo, mas a Oprah, não. Ela é da televisão... (Imagine um tom conspiratório nessas reticências.)

Essa realidade toda na tevê dá náuseas. Não me refiro à realidade dos noticiários, porque essa a gente conhece bem ― seja pelo evento noticiado, seja pela ideologia com que foi noticiado ―, mas àquela fabricada lá pela gangue das Oprahs. Não é propriamente ficção, mas também não é realidade. Um espetáculo confuso. Não quero me alongar muito em investigações à Baudrillard sobre essa pseudorealidade porque seria pesadamente chato. Esse tópico, porém, me lembra outro telepecado de minha parte, os reality shows.

Por um lado, o real vai à tevê mediante a exposição infame de toda sorte de eventos, tendo como exemplo os auditórios terapêuticos (ainda não sei como nomear essas coisas). Por outro, o real vem da tevê para o imaginário da realidade. Mesmo sem conseguir livrar você desse linguajar baudrillardeano, este é o caso dos reality shows.

Há coisas acontecendo ali, num único plano. São interessantes de ver porque, na maioria dos casos, envolvem competição. Competição envolve habilidades e obstáculos. O que nos leva à ululante torcida. A gente se envolve com a coisa. É quase um esporte. Curiosamente, o reality show de maior sucesso aqui no Brasil não exige habilidade alguma, a não ser coragem para ser estúpido e naturalidade para ser dissimulado, não precisando ser ator/atriz para tal. Mesmo assim, há torcidas e envolvimentos e culto a herois. Ninguém entende isso, um programa ocioso que lembra aquelas salas de castigo para crianças desobedientes.

Particularmente, eu não entendo como funciona um programa desses do ponto de vista do telespectador. Os critérios de cada um para escolher seus mocinhos são loucamente subjetivos. É quase como esperar pela famosa química. Parece coisa de mundo real. Ah, começo a entender...

Enfim, subjetividades midiáticas (que expressão insólita!) à parte, é interessante, sim, ver como os reality shows, cujo apelo está em se vender como real, são, na verdade, jogos, brincadeiras que pendem da simulação à dissimulação e vice-versa. Particularmente, quando ligo a tevê acho melhor crer que o espírito de Huizinga paira sobre o plasma, não o de Baudrillard. Se a tevê simula uma brincadeira, brinque com a simulação. É a melhor maneira de curtir o entretenimento televisivo.

P.S.: Na opinião do autor, o melhor reality show já criado foi Ultimate Fighter. Isso, sim, é que é entretenimento de verdade.

Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 11/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
02. Cidade surreal de Elisa Andrade Buzzo
03. 'Um Conto Chinês' e o absurdo da vida de Carina Destempero
04. De tinta e fio é feito o homem de Elisa Andrade Buzzo
05. As redes sociais e a política de Wellington Machado


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2009
01. A morte de Michael Jackson, um depoimento - 5/8/2009
02. Exógeno & Endógeno - 4/11/2009
03. Entre a simulação e a brincadeira - 11/3/2009
04. Meu assassino - 10/6/2009
05. Sobre escrever a História - 17/6/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/3/2009
10h25min
Comungando aqui com o espírito de Baudrillard, de Huizinga e do Guilherme Montana, pairando sobre o caos da TV. Bom isso aí, Guilherme. Lembro-me de um documentário (que eu vi na TV) sobre o autismo. Mostrava um garoto que fazia um prato rodar no chão e ficava abanando as mãos no ar, olhando fixamente o prato rodando. Se deixassem ele ficava o dia inteiro fazendo isso. Muitas pessoas ficariam o dia inteiro, se pudessem, assistindo ao Big Brother. Acredito que uma mente vazia se agarra a alguma coisa que a preencha, já que não consegue pensar sozinha. Esses reality shows simulam alguma atividade mental (julgar, aferir dados, comparar, sentir alguma coisa) que seu público não é capaz de produzir por si mesmo. E, evidentemente, num nível abaixo de qualquer mínima dignidade. Uma grande massa de autistas olha para o prato que a TV põe para rodar indefinidamente. É uma mina de ouro e a TV sabe disso.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
11/3/2009
21h16min
Acho uma bela chatice o tal BBB. Parece que as pessoas têm vontade de assistir a filmes de sacanagem e aí assistem esta boba competição. Porque lá tem gente que dorme com o outro, que tira a roupa, que finge transar debaixo da coberta. Isto é estupidez pura.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
12/3/2009
08h13min
Reality Show: nem os participantes podem chegar a mais e nem a televisão a menos. Trashvisão, para bovinos e voyers em transição para o autismo.
[Leia outros Comentários de Willian]
12/3/2009
11h47min
Nunca vi uma imagem tão fiel como a que o Guga descreveu. É isso mesmo: olha-se o prato rodar indefinidamente na tela colorida da tevê sem expectativa de comer ou saborear alguma coisa, fica-se ali numa hipnose surreal como num culto dos mais habilidosos e satânicos pregadores. É algo que surpreende pelo nada (sem niilismo) e que envolve milhões de seres, estranhos seres. E olha que já me peguei em momentos assim. É inacreditável.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Verso Le Mete
L. Gessi M. Longhi
L Cappelli
R$ 38,77



Indicadores sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações
Paulo de Martino Jannuzzi
Alínea
(2012)
R$ 40,00



Pelas veias da selva.
Vito d* alessio
Ftd
(1992)
R$ 16,00



O Enigma dos Desaparecidos
Leandro Ribeiro
Reggraf
(2009)
R$ 30,00



Plantas de Interior Jardinagem Prática
Pierre Nessmann
Girassol
(1996)
R$ 27,19



TEATRO EM CONFIDENCIA (Entrevistas)
Artur Joseph
Tiempo Nuovo
(1970)
R$ 20,00



Construindo uma Sociedade Mais Justa
Milton Bigucci
Assahi
(2005)
R$ 5,00



Bling Ring: a Gangue de Hollywood
Nancy Jo Sales Cláudio Figueiredo Andrea Gottlieb
Intrinseca
(2013)
R$ 5,00



Ahora Sí Bienvenido Al Idioma Espanõl Básico 1
Manoel Dias Martins - María Teodora R. M. Freire
Novos Livros
(1996)
R$ 12,00



Ejecución Provisional de Sentencias Civiles - Teoría y Práctica
Xulio Ferreiro Baamonde
Juruá
(2014)
R$ 52,82





busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês