Entre a simulação e a brincadeira | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
34463 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 11/3/2009
Entre a simulação e a brincadeira
Guilherme Pontes Coelho

+ de 5700 Acessos
+ 4 Comentário(s)

É sempre uma sensação sem adjetivos ver televisão ― para quem não tem esse hábito. É uma coisa muito bizarra, na verdade. Precisei de um certo tempo de aclimatação. Depois de um longo jejum, me rendi à tevê aberta. Quando já me sentia preparado, mergulhei na infinitude da tevê por assinatura. Óbvio, como você já deve saber, é tudo muito mais legal. E mesmo não sendo, os canais animais são sempre a salvação da telelavoura quando não há nada muito interessante. Eu achava que esse fenômeno só existia na tevê aberta.

Enfim, hoje vejo tevê. Já adquiri até uns vícios. Law & Order: Special Victims Unit, por exemplo. Mas continuo me sentindo um alienígena diante dela. Não é possível que eu viva no mesmo mundo daquelas pessoas que fazem aquelas mágicas acontecerem: as atrações. Por exemplo, vi na Oprah uma mulher que deixou a filha de dois anos dentro do carro e foi trabalhar. A menina ficou lá oito horas, sob o calor do verão. Morreu. Até aí eu estava impressionado com o lado humano da coisa, espantado com o fato de uma mãe esquecer a própria bebê dentro do carro, no estacionamento do trabalho. Então me chamou a atenção a maneira como o show acontecia.

Era a primeira vez que via a Oprah, até então só a conhecia de ouvir falar e do adesivo na capa do meu Faulkner, "Oprah's Book Club". Fiquei com a impressão de que ela era uma mistura de Marília Gabriela com Regina Volpato. Não sei se quero permanecer com essa impressão, porque logo depois da história da menina ser parcialmente contada apareceu a mãe no sofá da Oprah para narrar o final, como ela achou a própria filha morta e o que aconteceu depois, o que me deixou extremamente constrangido no meu sofá. Mais, fizeram mais. Veicularam o áudio das ligações para o 911, a descrição que gente desesperada fazia à polícia de uma menina de dois anos sob os efeitos implacáveis da hipertermia (oito horas dentro de um carro, presa ao bebê-conforto). A mãe ali, no sofá, em frente à Oprah, ouvindo tudo pela primeira vez, assim como nós. Tudo bem que ela, a mãe, escolheu estar lá, mas nada ameniza a vileza do espetáculo em todo o conjunto: a exposição, a audiência, o julgamento.

Julgamento porque muitas vezes esses programas de terapia familiar, sei lá como se autodenominam, funcionam mesmo como um tribunal midiático. De mentirinha, mas tribunal. A classe da Regina Volpato e a vulgaridade da Márcia Goldschmidt, no fim das contas, acabam como farinha do mesmo saco, condenando e absolvendo os réus televisivos. Até lembro aqui da Oprah, em relação àquela mãe, dizendo que "isso poderia acontecer com você também". Não, Oprah, essa irresponsabilidade jamais... Ups, olha eu julgando a coitada. Eu, você e aquela mãe fazemos parte do mesmo universo, mas a Oprah, não. Ela é da televisão... (Imagine um tom conspiratório nessas reticências.)

Essa realidade toda na tevê dá náuseas. Não me refiro à realidade dos noticiários, porque essa a gente conhece bem ― seja pelo evento noticiado, seja pela ideologia com que foi noticiado ―, mas àquela fabricada lá pela gangue das Oprahs. Não é propriamente ficção, mas também não é realidade. Um espetáculo confuso. Não quero me alongar muito em investigações à Baudrillard sobre essa pseudorealidade porque seria pesadamente chato. Esse tópico, porém, me lembra outro telepecado de minha parte, os reality shows.

Por um lado, o real vai à tevê mediante a exposição infame de toda sorte de eventos, tendo como exemplo os auditórios terapêuticos (ainda não sei como nomear essas coisas). Por outro, o real vem da tevê para o imaginário da realidade. Mesmo sem conseguir livrar você desse linguajar baudrillardeano, este é o caso dos reality shows.

Há coisas acontecendo ali, num único plano. São interessantes de ver porque, na maioria dos casos, envolvem competição. Competição envolve habilidades e obstáculos. O que nos leva à ululante torcida. A gente se envolve com a coisa. É quase um esporte. Curiosamente, o reality show de maior sucesso aqui no Brasil não exige habilidade alguma, a não ser coragem para ser estúpido e naturalidade para ser dissimulado, não precisando ser ator/atriz para tal. Mesmo assim, há torcidas e envolvimentos e culto a herois. Ninguém entende isso, um programa ocioso que lembra aquelas salas de castigo para crianças desobedientes.

Particularmente, eu não entendo como funciona um programa desses do ponto de vista do telespectador. Os critérios de cada um para escolher seus mocinhos são loucamente subjetivos. É quase como esperar pela famosa química. Parece coisa de mundo real. Ah, começo a entender...

Enfim, subjetividades midiáticas (que expressão insólita!) à parte, é interessante, sim, ver como os reality shows, cujo apelo está em se vender como real, são, na verdade, jogos, brincadeiras que pendem da simulação à dissimulação e vice-versa. Particularmente, quando ligo a tevê acho melhor crer que o espírito de Huizinga paira sobre o plasma, não o de Baudrillard. Se a tevê simula uma brincadeira, brinque com a simulação. É a melhor maneira de curtir o entretenimento televisivo.

P.S.: Na opinião do autor, o melhor reality show já criado foi Ultimate Fighter. Isso, sim, é que é entretenimento de verdade.

Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 11/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
02. O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim de Julio Daio Borges
03. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
04. Morrer, na literatura de Marta Barcellos
05. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2009
01. A morte de Michael Jackson, um depoimento - 5/8/2009
02. Exógeno & Endógeno - 4/11/2009
03. Entre a simulação e a brincadeira - 11/3/2009
04. Meu assassino - 10/6/2009
05. Sobre escrever a História - 17/6/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/3/2009
10h25min
Comungando aqui com o espírito de Baudrillard, de Huizinga e do Guilherme Montana, pairando sobre o caos da TV. Bom isso aí, Guilherme. Lembro-me de um documentário (que eu vi na TV) sobre o autismo. Mostrava um garoto que fazia um prato rodar no chão e ficava abanando as mãos no ar, olhando fixamente o prato rodando. Se deixassem ele ficava o dia inteiro fazendo isso. Muitas pessoas ficariam o dia inteiro, se pudessem, assistindo ao Big Brother. Acredito que uma mente vazia se agarra a alguma coisa que a preencha, já que não consegue pensar sozinha. Esses reality shows simulam alguma atividade mental (julgar, aferir dados, comparar, sentir alguma coisa) que seu público não é capaz de produzir por si mesmo. E, evidentemente, num nível abaixo de qualquer mínima dignidade. Uma grande massa de autistas olha para o prato que a TV põe para rodar indefinidamente. É uma mina de ouro e a TV sabe disso.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
11/3/2009
21h16min
Acho uma bela chatice o tal BBB. Parece que as pessoas têm vontade de assistir a filmes de sacanagem e aí assistem esta boba competição. Porque lá tem gente que dorme com o outro, que tira a roupa, que finge transar debaixo da coberta. Isto é estupidez pura.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
12/3/2009
08h13min
Reality Show: nem os participantes podem chegar a mais e nem a televisão a menos. Trashvisão, para bovinos e voyers em transição para o autismo.
[Leia outros Comentários de Willian]
12/3/2009
11h47min
Nunca vi uma imagem tão fiel como a que o Guga descreveu. É isso mesmo: olha-se o prato rodar indefinidamente na tela colorida da tevê sem expectativa de comer ou saborear alguma coisa, fica-se ali numa hipnose surreal como num culto dos mais habilidosos e satânicos pregadores. É algo que surpreende pelo nada (sem niilismo) e que envolve milhões de seres, estranhos seres. E olha que já me peguei em momentos assim. É inacreditável.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CASANOVA - GULA - VOL 1
MATT FRACTION, FÁBIO MOON
PANINI
(2014)
R$ 31,00



GESTAO POR COMPETENCIAS E GESTAO DO CONHECIMENTO
HUGO PENA BRANDÃO
FGV
(2009)
R$ 25,00



ÁGAPE
MARCELO ROSSI
GLOBO ANTIGO
(2010)
R$ 8,00



O POÇO DO VISCONDE
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
(1957)
R$ 9,99



OS SEGREDOS DE LADY CHURCHILL
CHARLES HIGHAM
RECORD
(2007)
R$ 16,00



ERA UMA VEZ
BRIGID PASULKA
NOVA FRONTEIRA
(2010)
R$ 15,00



RENASCENDO DA CINZA A DEMOCRACIA É DO POVO
VICTOR MOREIRA
OPHICINA DE ARTE E P
(2014)
R$ 19,90



A ESCALADA POLÍTICA MEU CAMINHO PARA BRASÍLIA VOLUME II
VÁRIOS AUTORES
BLOCH
(1976)
R$ 25,00



INSUSTENTABILIDADE URBANA
CARLOS DOMINGOS NIGRO
IBPEX
(2007)
R$ 6,00



SOMBRAS NO PARAÍSO
ERICH MARIA REMARQUE
RECORD
(1971)
R$ 8,00





busca | avançada
34463 visitas/dia
1,3 milhão/mês