Professoras, maçãs e outras tentações | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
58424 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/11/2010
Professoras, maçãs e outras tentações
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5400 Acessos
+ 4 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Foi uma professora que me disse que títulos de textos devem resumir a ideia principal. Tenho a maior antipatia por esse ensinamento até hoje. Desde que descobri que a vida não é assim, desse jeito, exatamente, comecei a refrear meus impulsos de acreditar em tudo o que os professores diziam. E olhem que eu nem sou dessa tal geração Y ou digital ou nativa isto ou aquilo. Eu era uma pobre estudante de escola pública (boa, frise-se), num mundo ainda popularmente analógico (nos bastidores, o computador e a internet já existiam).

Para compensar a decepção com a professora que desensinava a fazer títulos inteligentes, tive boas aulas de Física, melhores ainda de Química e um espetáculo de aula de Biologia. Só consigo explicar mínimas coisinhas para o meu filho hoje porque as aulas sobre DNA e RNA foram bacanas. E aquelas sobre campo magnético, empuxo e vetores ficaram grudadas na memória, na boa memória, diga-se. Não aquela associada, comumente, à decoreba, mas aquela de longo termo, que guarda as coisas que a gente realmente aprende.

Um único ser (estranho, aliás) nesta vida me fez aprender algo de matemática. O método não era lá muito ortodoxo, mas funcionou (talvez porque a aluna também não fosse muito certinha). O cara, que acreditava em alienígenas e dizia fazer, frequentemente, viagens astrais, dava umas eficientes aulas de escalonamento e, mais fascinante ainda, ensinava teoremas como se fossem poesia pura. Vai ver até são, mas é preciso saber experimentar. Ele se babava de tanto amor aos bichinhos. Gastava alguns quadros (negros, lousas, como preferirem, mas daquelas escritas a giz, com bastante atrito) por aula, escrevendo, escrevendo, escrevendo aquelas fórmulas imensas, cheias de meneios de lógica e visão, para, ao final, deixar a sigla, fantástica, c. q. d. Era o ápice, o auge, a epifania. Até eu, que nem era dada a essas linguagens tão abstratas, curtia demais o "como queríamos demonstrar" assinado ali embaixo, à direita do quadro-negro.

Minha maior nota no vestibular (que ainda existia e era exigente)? Química. Ela mesma, suas fórmulas, ligações, desenhos e forças. Os elementos, suas valências e seus números de massa. Muitos já se foram desta memória tão mais treinada em palavras, mas algo ainda resta.

Outro dia, participando de um trabalho em Brasília, uma equipe de revisores de português lia textos sobre enfermagem, medicina e veterinária. Lá íamos nós, passeando pelos nomes científicos, pelas espécies, pelos prontuários hipotéticos e estudos de caso. E então as aulas da escola e aquelas tidas informalmente com amigos, ex-namorados e parentes surgiam e ressurgiam na leitura dos documentos. "Cair da própria altura", dizia a revisora do Recife. Existe isso? Sim, claro, é o vulgamente conhecido como "tombo". E me lembrei dos amigos médicos e fisioterapeutas comentando sobre os prontuários de bêbados que racharam o coco no chão. E em que momentos a gente não aprende?

Não tem jeito. Aprender é um negócio balístico, inexorável, irrefreável. Aprender é até sem querer. Abriu os olhos, aprende. Inclusive (e principalmente) coisa errada. E também as certas. Aprende com o que os outros dizem e com o que fazem, especialmente. É uma luta incessante ser professor de escola, às vezes contra todos os outros professores que atuam fora da escola. O mestre (diplomado) diz "não jogue lixo na rua, menino"; o pai do menino faz o lixo voar pela janela do carro. A mestra (diplomada) diz "não fale palavrão, menina"; a mãe da guria não se contém nem com a novela das oito, xingando todo tipo de palavra cabeluda. O professor de literatura puxa daqui e dali, adota um livro famoso, desses de autor consagrado. Lá vai a mãe do aluno processar o professor porque o livro tem palavrão. Ai, santa inocência. Santa hipocrisia.

Outro dia foi "dia do professor". É parabéns daqui e da dali. Chuva de elogios no Twitter. Distribuição de livros, cafezinho no corredor, maçãs vermelhinhas em cima da mesa. Oba, alguém me deu os parabéns assim, meio fora de contexto. Que coisa boa. Mas, vejam, eu quero minha parte em respeito. E, por que não, em dinheiro. Não sei qual dos dois renderia mais na minha poupança de dignidade.

Uma grande massa de xingos, desrespeitos e notícias passa o ano acusando o professor e a escola de todas as culpas do mundo. Além de ser malformado, incompetente e pobre, agora o professor também tem a obrigação de estar à frente em todas as tecnologias, de administrar cinco ou seis contas de e-mail e redes sociais da moda e ainda resguardar sua vida privada. Tem de estar atento ao bullying, tirar piolho dos meninos e interceptar beijos mais quentes de adolescentes no corredor. A escola tem de ser creche, prisão, educandário, lan house, restaurante e hospital. Agora é obrigação dela educar, ensinar a ler, escrever, contar, digitar, ter bons modos e colaborar, porque as assimetrias acabaram e o professor tem de assumir a postura de um mediador, facilitador ou seja lá que nome isso tenha.

Os grandes mestres do passado, aqueles da matemática c. q. d. ou da biologia das células, provavelmente já se aposentaram. Não duvido nada que as aulas da Ana Lúcia fossem muito mais bacanas e interativas hoje, com Prezi, efeitos de Flash e projetadas num quadro branco, com alta resolução. Tudo pronto, feito em casa, num pen drive, só pra ela narrar e apontar. Não duvido mesmo. O que me aluga muito é esse choque de discursos que vem atormentar os ouvidos de quem nunca, nem um dia no ano, recebe respeito de fato, especialmente institucional. Os românticos que me desculpem: nada pessoal, mas quero minha parte em salário, formação e respeito.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 5/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Caindo as fichas do machismo de Marta Barcellos
02. Dando conta de Minas de Marta Barcellos
03. Um socialista na Casa Branca? de Celso A. Uequed Pitol
04. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol
05. Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Palavrão também é gente - 26/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/10/2010
15h14min
Eu também quero a minha parte em dinheiro, respeito, e principalmente em atitude. Às vezes penso que esse professor romântico aí, que acha que vai mudar o mundo, acabou se transformando no bode espiatório que se tornou, justamente porque não toma atitudes. Todos podem criticá-lo, mas se é ele quem critica, a sociedade diz que é mal-amado(a). Ou damos um basta nessa hipocrisia toda que ronda a educação, ou seremos apedrejados em praça pública!
[Leia outros Comentários de Fabiula]
12/11/2010
09h10min
Nada mais justo e perfeito! Respeitar, prestigiar, remunerar em justa medida, apoiar e garantir boa qualidade de vida aos professores é obrigação de uma sociedade que se imagina civiizada. Se a família onde a mãe diz palavrões e o pai joga lixo pela janela precisa de ajustes, professores que fazem greve a qualquer hora, apresentam-se como restos de varredura de passeata, comportam-se como "boêmios" e/ou "liberais" em altas medidas também precisam. A escola pública tem que ser despolitizada imediatamente. A escola particular tem que ser fiscalizada rigorosamente. Ninguém tem que pagar "por fora" para aprender inglês, ou usar computadores, hoje substitutos da caligrafia. Alguém lembra de aula de caligrafia? Eu tive. De inglês, francês, latim? Eu tive. Estava no currículo do Ginásio e Científico. A valorização dos professores começa na sua qualificação. E não é só saber, saber ensinar e fazê-lo bem. Devem respeitar-se a si próprios e impor sua condição superior e indispensável.
[Leia outros Comentários de Raul Almeida]
19/11/2010
09h42min
Parabéns pelo seu texto, especialmente o penúltimo parágrafo.
[Leia outros Comentários de marcelo]
28/1/2011
14h47min
Perfeito (infelizmente!). Abs.
[Leia outros Comentários de vanessa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMUNIDADES VIRTUAIS: UM FENOMENO NA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO
SANMYA FEOTOSA TAJRA
ÉRICA (SP)
(2002)
R$ 30,82



A ESTRELA
JENNIFER DUBOIS; WALDEA BARCELLOS
ROCCO
(2015)
R$ 31,35



O MERCADOR DA GUERRA
ERIC AMBLER
NOVA FRONTEIRA
(1959)
R$ 10,00



ASSIM NASCE UM BICHO-PAPÃO
MERKA

(2013)
R$ 19,90



ORCS GUARDIÕES DO RELÂMPAGO
STAN NICHOLLS
PANINI
(2004)
R$ 12,54



MECÂNICA DOS SOLOS E SUAS APLICAÇÕES 1
CAPUTO, HOMERO PINTO
LTC
(1996)
R$ 93,00



OFTALMOJATRIA VETERINARIA VOL I
A. VACHETTA
DOTTOR FRANCESCO VALLARDI
R$ 70,03



A MULHER PINTADA
FRANÇOISE SAGAN
RECORD
R$ 6,00



MÉLANGES DE LITTÉRATURE ET CRITIQUE
ALFRED DE MUSSET
G. CHARPENTIER ÉDITEUR (PARIS)
(1883)
R$ 100,00



MÍDIAS SOCIAIS NAS EMPRESAS
ARTHUR L. JUE, MARY ELLEN KASSOTAKIS
ÉVORA
(2010)
R$ 70,00





busca | avançada
58424 visitas/dia
1,8 milhão/mês