Proust, rugas e colesterol | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Kafka e as narrativas
>>> Raul Cortez no YouTube
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
Mais Recentes
>>> Hagadá Kabalística Pêssach Decodificado de Yehuda Berg pela Kabbalah Publishing (2011)
>>> O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2001)
>>> Pensar pelo Avesso - O Modelo Japonês de Trabalho e Organização de Benjamin Coriat pela Revan/UFRJ (1994)
>>> Vidas dos Santos - 22 Volumes de Padre Rohrbacher pela Das Américas (1959)
>>> Benetton - A Família, a Empresa e a Marca de Jonathan Mantle pela Nobel (1999)
>>> Mais Semelhante a jesus de Alejandro Bullón pela Casa Publicadora Brasileira (1994)
>>> Vencendo com Jesus de Alice P. Cavalieri pela Casa Publicadora Brasileira (1997)
>>> Universo de Amor de Irene Pacheco Machado pela Rema (1998)
>>> Babado Forte Moda Música e Noite de Erika Palomino pela Mandarin (1999)
>>> Babado Forte Moda Música e Noite de Erika Palomino pela Mandarin (1999)
>>> Perguntas Sobre o Dízimo de Roberto R. Roncarolo pela Divisão Sul-Americana (1984)
>>> Uma Viagem Pessoal pelo Cinema Americano de Martin Scorsese e Michael Henry Wilson pela CosacNaify (2004)
>>> A Grande Guerra pela Civilização - a Conquista do Oriente Médio de Robert Fisk pela Planeta (2007)
>>> Asanas de Swami Kuvalayananda pela Cultrix/Pensamento
>>> O Amor que Restaura de Dick Winn pela Casa Publicadora Brasileira (1987)
>>> Colosso - Ascensão e Queda do Império Americano de Niall Ferguson pela Planeta (2011)
>>> Venturas e Aventuras de um Pioneiro de Gustavo S. Storch pela Casa Publicadora Brasileira (1982)
>>> Contradigo de Herminio Bello de Carvalho pela Folha Seca (1999)
>>> Público Cativo de Fabio Cortez pela Oficina (2007)
>>> Andando com Deus Todos os Dias de Moysés S. Nigri pela Casa Publicadora Brasileira (1993)
>>> A Porta do Inferno de Auguste Rodin pela Artmed (2001)
>>> Poemas De Natal de Luiz Coronel pela Sulina (1999)
>>> Buque Cenas de Rua de José de Carvalho pela Córrego (2013)
>>> Opções de Liv Ullmann pela Nórdica (1985)
>>> Perguntas que Eu Faria à Irmã White de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1977)
COLUNAS >>> Especial Idade

Quarta-feira, 9/4/2014
Proust, rugas e colesterol
Wellington Machado
+ de 4800 Acessos

Em certas horas de marasmo cultural, penso que eu poderia ter nascido no ano de 1955, por aí. Fosse assim, teria acompanhado na adolescência a melhor fase dos Beatles, os movimentos de contracultura, o movimento estudantil na França de 1968, Woodstock, Bob Dylan. Certamente teria sido hippie, cabeludo, numa comunidade alternativa vegetariana. Sempre achava que eram uns sortudos, os que acompanharam a efervescência cultural, as mudanças e conquistas sociais ocorridas neste período. Por outro lado, eu teria vivenciado o pior da ditadura militar no Brasil. Certamente teria sido preso, levado umas pauladas e, com muita sorte, sobreviveria para contar alguma história. Melhor não. Mas eu bati na trave na aproximação com esse período negro. Calhou de eu nascer no fim do ano de 1968, ali, pertinho do fatídico AI-5. Cheguei por aqui em péssima hora.

Isso quer dizer que eu já passei dos 40 anos - e já avisto os 50 se delineando em minhas retinas. Passar dos 40, para mim - ao contrário dos traumas simbólicos estigmatizados pela nossa cultura -, não foi nada além do que uma simples transposição do ponteiro de segundos de 23:59:59 para 0:00:01, no relógio de parede do meu quarto. A lenda de que "a vida começa aos 40" é uma falácia. A vida começa mesmo, creio, quando nascemos - e é quando começa a contagem regressiva para a morte, com interstícios de 70, 80, 90 anos, se a sorte andar ao lado.

Mas a morte não existe para nós; ela existe apenas para os outros. Como dizia Saramago, "se estou vivo, sou; se morto, não sou mais". Pode parecer excesso de otimismo, mas no que menos penso é na morte - hoje. Isso tem a ver com Proust, Joyce, colesterol, rugas e manchas. Explico.

Sobre colesterol e manchas
O colesterol mudou minha vida. "Colesterol" é modo de falar. As minhas taxas de colesterol, aos 35 anos, estavam uma bagunça. Eu estava fazendo tudo errado, na alimentação e no sedentarismo. Quando o médico me falou dos exames, tive a primeira sensação de que eu começava o processo de morrer. E eu não tinha lido Proust (Em busca do tempo perdido) ou Joyce (Ulisses) ainda.

"Essas manchas na sua mão são da idade; não saem mais. Quanto às rugas, o que temos a fazer é tentar amenizá-las", disse-me a dermatologista de 20 anos, sem que eu lhe perguntasse absolutamente nada. O engraçado de passar dos 40 anos é perceber a visão que os mais novos têm da gente. É comum ouvirmos algo como "ele 'já' tem 40 anos", como se a distância entre o referente e o referido fosse abissal. Lembrei de uma frase interessante (acho que do Veríssimo), que diz que a gente percebe que está ficando velho quando começa a ganhar meias de aniversário. Ainda não cheguei a este ponto, mas é interessante ver as pessoas me chamarem de "moço", palavra que curiosamente ganhou um sentido inverso da sua semântica.

Tentando prolongar um pouco a minha passagem pela Terra, comecei a comer salada e a andar cerca quatro quilômetros por dia, na esperança de encarar os sete volumes de Proust e, "por fim", me debruçar no tijolo indigesto (para muitos) do Joyce. Fiz, então, um projeto: viver até os 70 anos - se o destino não avacalhar com a brincadeira (o que vier além disto, estarei lucrando). Fui, portanto, caminhando, caminhando... cada vez mais rápido. De tanto caminhar, passei a correr. E não mais quatro quilômetros. Viciei. Passei pra cinco, seis, até chegar a sete quilômetros. Passei dos 38, colesterol ok, salada, bicicleta, corrida. Passei dos 40, sete quilômetros, corridas, saladas. Tudo se intensificou no mesmo ritmo: leituras, filmes, museus etc. Tudo ganhou ritmo de corrida: questões existenciais, reflexões sobre relacionamentos, filhos, longevidade. Menos Proust e Joyce, que me aguardam na estante.

O indivíduo no mosaico
Não existe vida estável. De repente, um homem se vê sozinho depois dos 40. Ela, para um lado; ele, para outro. Sem filhos - de certa forma até melhor. Não mais filhos agora, já passou da idade, pensa. Na verdade nunca soube ao certo se os queria. Pensa, lê, pensa, ouve. O amor acaba - em alguns casos; noutros é eterno. Pensa. Ouve. [Você não vai se casar novamente?] O que queremos nós, contemporâneos: estarmos juntos querendo ficar sós; ou estarmos sós querendo ficar juntos? Pensa, lê, dorme. Trabalho, chateação, supermercado, corrida, museus, saladas. Colesterol ok. Pensa. Vê. Andar a pé, não de carro. [Você não vai ter filhos? Vai se arrepender quando ficar mais velho...] Vai de metrô. Ouve. Traçar mapas imaginários, desenhá-los e percorrer ruas. Beber água.

A vida é um mosaico. Salada com bastantes folhas verdes. Fibras facilitam a digestão e eliminam impurezas. Lê. Pensa. Cenoura é bom para a pele, retarda as manchas e as rugas ampliadas na lupa da dermatologista de 20 anos. Tomar água. [Como é que você consegue viver sozinho?...] Colesterol ok. Sete quilômetros de madrugada. A vida contemporânea é solitária; diferente de solidão - diz um psicólogo famoso no jornal. Vida pocket, agilidade, mobilidade. A arte (estética) é a mais alta forma de sublimação humana. Vida "vivida" é um somatório de sensações. Sensações são como carimbos. "Carimbar" a vida de experiências. Todo janeiro: ler Proust e Joyce, anota na agenda.

Vida portátil. Mosaico. "Carimbar a vida": Kafka, Borges, Bach; um jantar com duas amigas, bate-papo no skype com um amigo distante. Miles Davis, Tarantino. Beber água irriga as células, aumentando a longevidade - para se chegar aos 70 anos. [Você não vai voltar para a sua ex? Tem se encontrado com ela?] Pesquisa aponta que os relacionamentos em que as pessoas vivem em casas separadas têm mais chance de serem bem-sucedidos. Pensa, lê. Cada um faz seu supermercado. [O que você acha da solidão?] Cada um tem seu carro. Ele corre; ela dorme. Os dois comem salada em suas casas. Eles se encontram no cinema. Dormem juntos. Mosaico. Lê. Ela viaja a negócios. Trânsito caótico. Separação, "solidão contemporânea". Lê no jornal que cresce o número de relacionamentos abertos, onde é comum a troca de parceiros dentro de um grupo fechado. Colesterol ok. [Você tem filhos?] Proust e Joyce na estante.

Solidão lúdica
Existe um consenso de que, após os 40 anos, a gente fica mais seletivo. Concordo com a tese, mas a encaro de outro ângulo. Sinto que passei a ter uma relação diferente com o tempo, uma necessidade de otimizá-lo em meio a esse mosaico que se nos apresenta. Para tanto, fiz da minha vida a mais minimalista possível: descartei e doei os excessos. Vida portátil, na sua essência.

Para dar conta dos meus "carimbos", tomei algumas medidas. A primeira decisão foi não acompanhar mais política. Passo batido nos jornais, sites e no noticiário na TV. É pura perda de tempo: os personagens são os mesmos, as práticas seculares não mudam. Abandonar essa corja me proporcionou um ganho de pelo menos uma hora por dia para, por exemplo, ler um clássico da literatura. Não me interesso mais. Voto nulo. Aliás, voto no voto facultativo.

A minha segunda decisão foi abandonar as redes sociais. Estava perdendo uma, duas horas por dia lendo muitas coisas que não me acrescentavam muito. A opção de ficar desconectado me isolou um pouco. Mas acho difícil ler Proust se estou perdendo duas horas lendo fragmentos nas redes sociais.

Woody Allen, numa das últimas cenas do filme Manhattan, aponta algumas coisas pelas quais vale a pena viver. Ele cita Groucho Marx, Luis Armstrong, Flaubert, Marlon Brando, Cézanne. É meio por aí. O tempo escoa pelos dedos como no relógio de Dalí. A vida após os 40, 50, 60 anos é exatamente o que se faz dela - e não o que ela nos apresenta. O mesmo Woody Allen, aos 79 anos, diz que trabalha (arduamente) para enganar a morte. Proust e Joyce ainda estão lá, dormindo na minha estante. Mas são projetos. Tratar a vida com uma pitada lúdica me fez acompanhar a transposição do ponteiro do relógio para os meus 40 anos de forma asséptica. Uma coisa eu posso afirmar: desconheço o tédio. Colesterol ok.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 9/4/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sejamos multiplicadores de Fabio Gomes
02. Uma chave para o longe de Elisa Andrade Buzzo
03. A boa literatura brasileira de Rafael Rodrigues
04. Esses romanos são loucos! de Adriana Carvalho
05. A brasileira de Elisa Andrade Buzzo


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2014
01. Marcador de página inteligente - 3/9/2014
02. Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte - 6/8/2014
03. O luto e o luto de Valter Hugo Mãe - 2/7/2014
04. Proust, rugas e colesterol - 9/4/2014
05. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema - 12/2/2014


Mais Especial Idade
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Face 2 Face Cultura Inglesa Upper-intermediate Sb Wb
Chris Redston Gillian Cunningham
Cambridge University Press
(2008)



Falando de Amor 2ªed(1979)
Flavio Gikovate
Mg Editores Associados
(1979)



Geografia do Brasil: Grande Região Leste: Volume V - Série A
Conselho Nacional de Geografia
Ibge
(1965)



Made in Japan: Akio Morita y Sony (1986)
Akio Morita
Lasser Mexico
(1986)



3 X Amazonia
Tiago de Melo Andrade
Dcl
(2005)



Profecias de Notradamus e Outros Videntes (até Out 1999)
Marques da Cruz
Pensamento
(1999)



Foi Assim! (obra Definitiva de Rampa)
Lobsang Rampa
Record
(1975)



O Que Cabe no Meu Mundo Atividades (2007)
Carol Gonzales
Bom Bom Books
(2017)



Primeiro Mataram Meu Pai / 1ª Ed - Condira !!!
Loung Ung
Harper Collins
(2017)



Vade Mecum Saraiva 2012 13ª Ed.
Obra Coletiva da Saraiva
Saraiva
(2012)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês