Sobre viver em qualquer lugar | Lisandro Gaertner | Digestivo Cultural

busca | avançada
48532 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Exposição sobre direito das mulheres à cidade ocupa o Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica
>>> A Quatro Vozes canta o Clube da Esquina em Guararema pela Caravana Sotaques do Brasil
>>> Série para TV retrata o trabalho da Pecuária brasileira
>>> Naamat promove espetáculo musical beneficente baseado em Aladdin
>>> Concertos gratuitos levam obras de Mozart e Schumann para a população em outubro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Graham Allison no All-In Summit (2023)
>>> Os mestres Alfredão e Sergião (2023)
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O chimpanzé, esse nosso irmão
>>> O blogueiro: esse desconhecido
>>> PodSemFio, da Garota Sem Fio
>>> Essa o Homer não vai entender
>>> Capacidade de expressão X capacidade linguística
>>> Aleksander Dugin e a marcha da Tradição
>>> Público, massa e multidão
>>> Thereza Simões
>>> Get your flight... lounge music
>>> Programas infantis na TV
Mais Recentes
>>> Histórias que Elevam a Alma de Guilherme Victor M. Cordeiro pela Dpl (2002)
>>> Expositio in Cantica canticorum. de Goffredo di Auxerre pela Storia e Letteratura (1974)
>>> Falando de Deus aos Pequeninos de Haydée Araújo Pôrto; ilustrações de Maria do Céu pela Do Professor (1967)
>>> O Poder Flutuante - série diálogo de Ivan Jaf pela Scipione (1996)
>>> Traite D'acupuncture tomo 2 de Roger de La Fuye pela Librairie E. Le François (1955)
>>> Em Carne Viva 23ª edição. - coleção veredas de Maria da Glória Cardia de Castro pela Moderna (1994)
>>> Catalogue des textes hittites. de Emmanuel Laroche. pela Klincksieck. (2000)
>>> Grammaire homérique. Tome I de Pierre Chantraine. pela Klincksieck (1958)
>>> Les Verbes Signifiant Voir En Latin: Etude D'Aspect (Etudes Et Commentaires). de Charles Guiraud pela Klincksieck. (1964)
>>> La formation des noms grecs ancien / Collection Linguistique - société de linguistique de Paris XXXVIII; de Chantraine P. pela Ancienne honoré champion (1933)
>>> Judges (The Anchor Yale Bible Commentaries). de Robert G. Boling. pela Yale University Press. (2005)
>>> Devoradores de Mortos de Michael Crichton pela Rocco (1997)
>>> 75 Anos de Humor Com Seleções de Readers Digest pela Reader (2023)
>>> O Jogo dos gatos Partos de Jorge Sá Earp pela Eldorado (2001)
>>> A Palavra Em Construção de Marilena Moraes e Outros pela Empresa Carioca de Engenharia (1992)
>>> Há 200 Anos de Francisco Cândido Xavier - pelo espírito Emmanuel pela Feb
>>> Indomável de S. C. Stephens pela Valentina (2017)
>>> Os Carolinos - Crônica de Carlos XII - Prêmio Nobel de Literatura de 1916 de Verner Von Heidenstam pela Opera Mundi (1973)
>>> O faroleiro e outros contos - Prêmio Nobel de Literatura de 1905 de Henryk Sienkiewicz pela Opera Mundi (1973)
>>> Estórias que fazem História de Chaia Zisman pela Notrya (1993)
>>> Histórias do Himmerland - Prêmio Nobel de Literatura de 1944 de Johannes V. Jensen pela Opera Mundi (1973)
>>> Platão: República - série reencontro filosofia de adaptação de Marcelo Perine pela Scipione (2002)
>>> Conto Expressão - o poder terapêutico dos contos de Claudine Bernardes ( Org.) pela Literare Books (2022)
>>> Miréia - Prêmio Nobel de Literatura de 1904 de Frédéric Mistral pela Opera Mundi (1973)
>>> Sementes de Vida Eterna de Divaldo P. Franco pela Alvorada (1978)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/8/2007
Sobre viver em qualquer lugar
Lisandro Gaertner
+ de 3400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Nunca fui um grande entusiasta de mudanças. Acredito que alguns poderiam até discordar de mim devido ao grande número de vezes em que troquei de apartamento (cinco) e emprego (oito) desde os meus 21 anos. Aos que discordam, esclareço: não gosto de mudanças, sofro de instabilidade.

Mudança é um movimento consciente em prol de atingir um determinado objetivo. Instabilidade, o mal ou bem de que sofro, é a incapacidade de se manter na mesma situação, lugar ou ocupação por muito tempo. Uma mudança sempre implica num compromisso e na intenção de permanecer no próximo estágio por tempo suficiente para criar algumas raízes. A instabilidade te faz girar e girar em volta do mesmo ponto sem que você consiga, ou queira, se ligar a nada. Mudança é natural. Instabilidade? Um pequeno sinal de neurose.

Apesar dessa minha psicopatologia, nos últimos tempos a idéia de mudar do Brasil tem me perseguido. Talvez seja obra da exacerbação de brasilidade que o país vem experimentando desde o início do governo Lula, ou, simplesmente, da constatação de que minha carreira (se é que posso chamar disso) chegou onde poderia chegar. O fato é que, dentro da minha instabilidade funcional, acho que aqui já deu o que tinha que dar. Aliado a isso, tenho visto amigos indo e/ou fugindo para o exterior a 3 por 4. Alguns atrás oportunidades de emprego. Outros simplesmente correndo na frente de algo que querem evitar. Em suma, também não quero ser o proverbial caboclo que vai apagar a luz. Literalmente.

Sem saber onde começar, deixei a cargo do destino - outro vício da instabilidade - me mostrar sinais de onde devia ir. Nisso chega, através do Digestivo, a oportunidade de resenhar um livro chamado Como é viver nos Estados Unidos? (Gazeta, 2007, 111 págs.). Ciente de que meus prováveis destinos são os países de língua inglesa, já que o meu francês só dá pra ler Asterix e o meu espanhol não me permite nem cantar a "Macarena", egoisticamente assumi a função.

O livro chegou rapidamente, com uma dedicatória escrita em letra miúda me convidando a ser inspirado por "(...)este livro de cultura e emoção(...)". A leitura foi também rápida, mas, confesso, pouco agregou.

Aline Tonini, a autora, relata, num misto de biografia e guia, a experiência de fazer a América, ou seja, ir aos Estados Unidos para trabalhar que nem um cavalo e fazer dinheiro. Passando pelos empregos de praxe para os imigrantes, cadeias de fast-food, mercearias e tal, ela explica como efetivamente sobreviver na terra do tio Bush. Sobreviver? Exatamente. Sobreviver.

Acho que aí reside o primeiro grande problema do livro. Ao invés de se chamar Como é viver nos Estados Unidos, o título deveria ser "Como é sobreviver nos Estados Unidos". Desde os horários horripilantes de trabalho, até as agruras emocionais sofridas devido à distância da família e à frieza dos WASPs, passando por mini-aulas do idioma local, o livro se apresenta como um manual para o imigrante que não deseja aprender mais do que o inglês funcional, ralar que nem um louco e voltar para o Brasil com a conta bancária um pouco mais gorda. Em momento algum, Aline faz menção a qualquer descoberta interessante sobre o novo país. Seu espanto e admiração seriam os mesmos se ela tivesse vindo de um país de quarto mundo para cá sem saber o português. Visitas a shoppings, pequenos passeios turísticos e o convívio com a comunidade brasileira local recheiam suas esparsas e aparentemente tediosas folgas. Nada de novo. Nada que ela não pudesse fazer numa grande cidade brasileira.

Acredito que um livro bastante interessante de mesmo teor poderia ter sido escrito sobre os nossos migrantes chegando a São Paulo na década de 60. No último capítulo, fica claro que o propósito dela ao sair do Brasil não era ir para qualquer lugar que fosse, mas, sim, voltar, em melhores condições financeiras, mas simplesmente voltar. Para a sua família e para a cidade em que diz se sentir tão bem e segura. Voltar para o lugar de onde ela, de certa maneira, nunca saiu.

Pensei no que escreveria numa resenha, e fiquei empacado. O livro é razoavelmente interessante e bem escrito, mas não era para mim. E para fazer um artigo frio em que corria o risco de malhar algo que não merecia ser malhado, me calei.

O tempo passou, uma crítica sobre o livro foi lançada aqui no Digestivo e, apesar de discordar dela em diversos pontos, me senti um pouco mais liberado dessa obrigação. No entanto, ainda me passava pela cabeça, ainda mais depois do famigerado acidente da TAM, sair do país. Então, semana passada, como o desenganado que vai buscar uma segunda opinião para a sua evidente doença terminal, comprei o novo livro do Polzonoff.

Em A face oculta de Nova York (Globo, 2007, 128 págs.) lemos sobre um outro país. Não um país de trabalho duro e acumulação, mas um ambiente curioso e de descobertas. Apesar da racionalidade aparente, Polzonoff, quando discorre sobre pequenos e interessantes detalhes que propositadamente busca em suas andanças, incute nos textos uma emoção sincera e, por que não dizer, quase infantil. As inevitáveis comparações com o Brasil, que no livro da Aline são focadas em questões familiares, no livro do Polzonoff servem para nos mostrar com mais clareza quem somos e para onde estamos indo. Se o primeiro livro trata de como sobreviver na América, o segundo fala despudorada e deliciosamente de como vivenciá-la.

Apesar de ter adorado o livro, ele também não respondeu as minhas questões. E, pensando bem, não deveria ser esse o objetivo de livro algum. Tanto Aline quanto Paulo me serviram apenas como interlocutores, atiçando ainda mais a minha dúvida: vale realmente a pena sair do país?

Aline me contou o lado prático da questão, esclarecendo como é a segurança, a saúde e a alimentação. Polzonoff me falou dos prazeres estéticos e das oportunidades de auto-realização da cidade que nunca dorme. Cada um na sua respectiva extremidade da pirâmide de Maslow.

Quando comecei a fazer essa comparação, não pude deixar de pensar num comentário que ouvi recentemente de outro viajante contumaz: Rafael Lima. Discutindo com ele se a Austrália, seu atual pouso, é um bom lugar de se viver, recebi a seguinte resposta:

- Só se você estiver disposto a mudar e tiver a cabeça aberta para repensar o que é e o que quer ser. Assim qualquer lugar vale a pena.

Olhando dessa maneira, tanto Aline quanto Polzonoff estariam, em seus livros, apenas se projetando em seus ambientes, mostrando quem realmente são, ao invés de expor simples considerações sobre seus destinos de viagem. Cada um, óbvio, na sua própria visão da realidade.

Pensando bem, isso aconteceria com qualquer um. Se fosse eu a visitar e falar da América, aposto que me concentraria nos subúrbios de Nova Jersey, nos nerds que circulam pelas Gen-Cons da vida, nas esquisitices cotidianas e acabaria encontrando pouso numa cidade no interior do Texas onde a cerveja fosse barata e a vida corresse da mesma e desesperante maneira todo santo dia. Que papel eu teria lá? O mesmo daqui: bufão local. Instável, sempre girando, agora, em outro lugar.

Como eu disse, não sou chegado a mudanças, contudo, a instabilidade gerada pela troca de cenário relatada nos dois livros me pareceu divertida. Mesmo que as visões alheias não se encaixem exatamente na minha. Afinal, ao contrário do que dizem, carregar o gueto dentro de você, Deus me perdoe por parafrasear Marcelo D2, é uma das melhores maneiras de mudar o mundo à sua volta. Para isso, não precisa muito. Basta dar uma olhada ao seu redor.

Para ir além











Lisandro Gaertner
Rio de Janeiro, 29/8/2007

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
02. 10 razões para esquecer 2005 de Marcelo Maroldi
03. Maior que São Paulo, só o Masp de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Lisandro Gaertner
Mais Acessadas de Lisandro Gaertner
01. E Viva a Abolição a peça - 1/6/2006
02. A História das Notas de Rodapé - 3/1/2002
03. Cuidado: Texto de Humor - 28/7/2006
04. Blogueiros vs. Jornalistas? ROTFLOL (-:> - 23/4/2008
05. Orkut: fim de caso - 10/2/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/9/2007
11h15min
Oi, Lisandro. Sou o André, autor da outra resenha de "Como viver..". Apesar de minha análise positiva do livro tenha lhe dado uma maior tranquilidade para exprimir sua própria opinião sobre o livro, digo que concordo com seu texto. Assim como você, confesso que esperava algo diferente quando abri o livro da Aline, e senti logo no primeiro parágrafo que o mesmo tampouco "era para mim". Mas percebi que o livro podia não ser para mim, mas era para a autora e uma parcela imensa de nossos conterrâneos. Parcela essa com certeza muito maior daquela em que estamos inseridos. Para eles, os percalços e aventuras que a autora narra em suas páginas não são meramente sobrevivência, pelo contrário: são a exata realização do sonho que imaginavam enquanto juntavam suas economias para seguir rumo ao "sonho americano". Talvez, por culpa do mensageiro (Digestivo) estivéssemos esperando algo diferente. Mas, relativizando um pouco, o livro é perfeito no que se propõe e se coloca muito acima de seus similares!
[Leia outros Comentários de André Pires]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Jogando Com Sorte
Luiz Carlos Amorim
Rosa dos Tempos
(2000)



Graziella - Raphael
A. de Lamartine
Illustrée
(1960)



Livro de Bolso Religião Livro da Sabedoria
Dalai Lama
Martins Fontes
(2000)



O Museu Paulista da Universidade de São Paulo
Orlando Marques de Paiva
Banco Safra
(1984)



I Puzzle Di Relax ( Caça-palavras Em Italiano)
Editrice Fiesta
Fiesta / Milano



Deixe - Me Ir
Daniela Sacerdoti
Universo dos Livros
(2014)



Iniciação à técnica dos testes
Émile Planchard
Coimbra
(1970)



Anjo De Quatro Patas A Verdadeira Amizade entre um homem e seu cachorro - Literatura
Walcyr Carrasco
Gente
(2008)



O Evangelho de Tomé
Marvin Meyer
Imago
(1993)



Livro Biografia De Volta Para Casa Memórias
John Grogan
Ediouro
(2009)





busca | avançada
48532 visitas/dia
1,8 milhão/mês