Orkut: fim de caso | Lisandro Gaertner | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
Mais Recentes
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift e Cláudia Lopes pela Scipione (1970)
>>> Líderes e Lealdade - as Leis da Lealdade de Dag Heward-mills pela Central Gospel (2011)
>>> Revista Manchete , Nº 1 , 907 - Novembro de 1988 de Varios pela Bloch (1988)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (1984)
>>> Álbum de família de Mercedes Teixeira João pela Gente (1993)
>>> O Amor Verídico de Tânia Leite Motta pela Própria (1999)
>>> Martelo: uma salada literária de Selma Horta pela Própria (1999)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Rocco (1990)
>>> Milagres e Aparições de Nossa Senhora de Bridget Curran pela Fundamento (2010)
>>> Bible Time Bible readong era de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2000)
>>> El puñal magico de Vários Autores pela Ediciones en lenguas extranjeras beijing (1980)
>>> Epitaph of a small winner de Machado de Assis pela Bard (1979)
>>> The Peter Principles de Dr. Laurene J. Peter e Raymond Hull pela William Morrow and Company (1969)
>>> Mistery behind the wall de Gertrude Chandler Warner pela Scholastic inc (1991)
>>> Trotz allem ein Stuck Himmel de Max Ronner pela Gotthelf Verlag (1979)
>>> There is a tide de Agatha Christie pela Dell (1970)
>>> Cantora Revelação de Roberto Belli pela BrasiLeitura (2015)
>>> He - A Chave do Entendimento da Psicologia masculina de Robert A, Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> She - A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> Samuel Hazzan e José Nicolau Pompeo de Matemática Financeira pela Saraiva (2007)
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1998)
>>> Ao ponto da tristeza de Aaron Appelfeld pela Kinnet, Zmora-Bitan, Dvir (2012)
>>> Conhecer & Aprender - Sabedoria dos Limites e Desafios de Pedro Demo pela Artmed (2021)
>>> Stiletto de Harold Robbins pela Record (1980)
>>> Tudo Pela Vida de Danielle Steel pela Record (2003)
COLUNAS >>> Especial Orkut

Sexta-feira, 10/2/2006
Orkut: fim de caso
Lisandro Gaertner

+ de 8800 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Querida,

Eu sei que pode parecer um pouco estranho eu lhe enviar essa carta usando o correio normal, mas a privacidade necessária ao assunto que vou tratar tornou essa a única opção. Afinal, um e-mail poderia ser facilmente repassado e uma mensagem do Orkut iria acabar atingindo pessoas que não tem nada a ver com o caso. Por falar em Orkut, vou começar o nosso papo daí, já que ele foi o responsável pelo começo de tudo ou melhor pelo nosso recomeço.

Fazia uns anos que a gente não se via. Desde a nossa formatura no segundo grau, quando você foi estudar em Sampa, eu lamentavelmente perdi o contato contigo. Claro que você surgia no meu pensamento. Uma amiga tão legal não se esquece da noite pro dia. Mas os anos passaram, a faculdade acabou, você ficou em Sampa mesmo, entramos na vida adulta e enfim você se tornou apenas uma boa lembrança.

Um dia tudo mudou: um amigo me convidou para o Orkut. Ele me disse que o Orkut era uma ferramenta maneira, em que a gente reunia os amigos e encontrava ou reencontrava pessoas legais. Assim, logo que aceitei o convite, uma das primeiras coisas que fiz foi te procurar. Só que toda a vez que eu procurava o teu nome, nada de te encontrar. Eu já tinha até esquecido disso, quando, um dia eu recebi o seu convite. Para ser seu amigo.

Eu já era seu amigo, isso a gente sabe, mas naquele ponto, ser chamado para ser seu amigo virtual, era reviver todos os nossos bons momentos de adolescência. Sabe aqueles momentos que a gente usa para acalmar a mente antes de dormir? São bons, né? Essa era a minha oportunidade de tirar isso da memória direto pro mundo real. Então, sem pestanejar, eu te adicionei.

Fiz o de praxe. Li o teu profile, vi as suas fotos (você continuava uma gata), e, sem perceber, acabei te mandando um scrap engraçadinho. Até pensei em redigir um testimonial, mas, apesar de seu profile mostrar que você estava solteira, como fazia muito tempo que não nos víamos, achei isso um pouco precipitado. Para a minha surpresa, você respondeu rapidamente e recomeçamos a nos comunicar. Um scrap aqui, um scrap alí, um convite para uma comunidade que nós dois íamos curtir, como aquela do Garfield, e pimba: eu te escrevi um testimonial. Você não deixou por menos. Retribuiu com um testimonial carinhoso e meigo e, meio sem querer, só para saber aonde as coisas iam chegar, te botei na minha crush list. Qual não foi a minha surpresa receber a mensagem dizendo que você me tinha na sua crush list também. Era o amor...

Não perdi tempo e arrumei uma viagem para Sampa a pretexto de trabalho e nos reencontramos. Fisicamente. Confesso que, a princípio, foi meio constragedor te rever depois de tanto tempo, mas assunto, graças ao Orkut, não faltou. Falamos das comunidades que odíavamos, das pessoas chatas que queriam nos adicionar e de como as pessoas tinham a cara dura de participar da comunidade "Como ou não como". Com tantas afinidades, as coisas não podiam terminar de outro jeito: começamos a namorar.

Eu sei que romance à distância não é fácil, mas, convenhamos, o Orkut facilitou muito. Ao contrário de simplesmente trocar e-mail ou falar no telefone, nós fazíamos parte de comunidades ativas onde discutíamos bem mais do que o trivial "eu te amo", "eu também". E os nossos amigos também estavam lá, vivenciando o nosso romance, exatamente como um namoro deve ser. Se lembra? Eles até criaram uma comunidade para nós: "O casal mais fofo da ponte aérea". Ah, se eles soubessem o que estava por vir...

É, o tempo passou, o romance e o Orkut viraram coisa do dia-a-dia. Logo a proximidade virtual não era mais suficiente para aplacar a distância real, e eu sucumbi ao ciúme. Assim, inconscientemente, vez ou outra me pegava passeando pelos seus amigos que eu não conhecia, vendo fotos, lendo os scraps e testimoniais que eles te mandavam, procurando sarna pra me coçar. Enfim achei.

Não negue. Eu sei o que está acontecendo. Aquele seu amiguinho marombado do trabalho, cujas paixões são Curintians (sic) e Asa de Águia, tem te mandado uns scraps bem esquisitos e o testimonial que ele escreveu, valha-me Deus, é justificativa para os mais hediondos crimes passionais. Quando o li, cheguei a me desesperar e fiquei uma semana me perguntando por que você aceitou aquela declaração? Logo de um cara que faz parte de uma comunidade tão imbecil. Mas como eu sou um cara centrado, me acalmei, disse para mim mesmo que estava exagerando, me fiz de morto e engoli o sapo.

Só que hoje, abri o meu Orkut e o meu mundo caiu. Fui só de brincadeira na sua home e descobri que você apagou o campo relacionamento e me tirou das suas paixões no seu profile. Aí também já é demais. Para piorar a situação, só faltava descobrir você numa comunidade dessas bem vagabundas. Mas como eu não faço parte da comunidade "Tenho sangue de Barata", me sinto obrigado a pedir satisfações. E aí? O que eu faço? Posso colocar solteiro e namoro (mulheres) no meu profile ou você tem alguma coisa a dizer que possa me convencer do contrário?

Injuriado,

Seu quase ex-namorado.

P.S. - Caso a gente termine, vamos resolver isso já: qual de nós sai do Orkut e vai para o Gazzag?

* * *

"Querido",

Recebi a sua carta, mas resolvi responder por e-mail. Pode ficar no Orkut, essa coisa já deu o que tinha que dar. Ah, e vê se aproveita para entrar nessa comunidade que tem tudo a ver com você.

Fui,

Sua ex-namorada.

P.S. - Bem que me disseram que quem gosta de Orkut não é lá essas coisas.


Lisandro Gaertner
Belo Horizonte, 10/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado
02. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
03. Mais outro cais de Elisa Andrade Buzzo
04. Zuza Homem de Mello (1933-2020) de Julio Daio Borges
05. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes


Mais Lisandro Gaertner
Mais Acessadas de Lisandro Gaertner em 2006
01. E Viva a Abolição – a peça - 1/6/2006
02. Cuidado: Texto de Humor - 28/7/2006
03. Orkut: fim de caso - 10/2/2006
04. Escritora de Bom Censo - 4/8/2006
05. Um presidente relutante - 18/8/2006


Mais Especial Orkut
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/2/2006
18h24min
Muito interessante o texto de vocês. Ótimo. Parabéns
[Leia outros Comentários de Mauro Gorenstein]
8/2/2006
22h47min
Excelente. Gostei muitíssimo. Interessante as imagens de homem e mulher traçadas aqui. Ele, apaixonado, sonhador e ciumento, colocando a decisão final nas mãos da amada. Ela, segura e determinada, "foi" embora numa boa e ainda debochou. Não pensem que foi pelas imagens que gostei; podia ser o contrário. Gostei porque o texto é bom, bem escrito e bem humorado.
[Leia outros Comentários de cecile]
9/2/2006
14h25min
É extremamente importante que se discuta assuntos como esse. O lance do contato e a forma como se apresentam as pessoas é algo que pode influenciar os desavisados. Como o texto relata, é um instrumento facilitador no contato e integração com o mundo. Todavia, não podemos esquecer de que corremos os ríscos do envolvimento sentimental, uns para com os outros. Embora, o que se deva ter certeza é do que estamos buscando. Fora isso, é maravilhoso fazer parte de um universo de informações, de uma Era onde o conhecimento está cada vez mais ao nosso alcance. Parabéns ao Lisandro Gaertner!
[Leia outros Comentários de Daniel Menacho Lopes]
12/2/2006
20h25min
Toda essa tecnoligia deixa a gente embriagada de tanta informação. O Orkut e' um exemplo disso. As relações humanas estão se transformando com tanta rapidez que o nosso lado pscologico talvez não esteje tão preparado...
[Leia outros Comentários de Patricia Rosa Lara]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Estrutura do Tesão. Melissa
Claudia Riecken
Universidade Quantum
(2012)



Beleza para a Vida Inteira
Cristiana Arcangeli
Senac
(2002)



Comigos de Mim
Rachel Gutiérrez
Massao Ohno
(1995)



A Morte da Justiça do Trabalho
Sylvia Romano
Minelli
(2002)



Mistura de Palavras
Silvia Cristina de Oliveira
Do Autor
(1989)



O Benefício da Dilatação de Prazo para a Fazenda Pública
Revista de Processo, Nº 1 - Ano 1
Revista dos Tribunais
(1976)



Por uma Política de Ciência e Tecnologia Em Saúde no Brasil
Marília Bernardes Marques (org.)
Fund Oswaldo Cruz
(1998)



Direito Constitucional 2ª Edição
Gustavo Barchet
Impetus (niterói Rj)
(2004)



Gente Que Você Não Deveria Conhecer !!!!
Fátima Deitos
ícone
(2007)



Dune Guerre a Lautre: 1914-1945
J P Brunet e M. Launay
Hachete Universite
(1974)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês