Tropa de Elite 2: realidade como osso duro de roer | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
>>> Does God Exist? de A.E. Taylor pela The Macmillan Company (1947)
>>> Administração Básica de Adelphino Teixeira da Silva pela Atlas (2011)
>>> Como Resolver Conflitos no Trabalho de Jerry Wisinski pela Campus (1994)
>>> Administração de Investimentos de Peter L. Bernstein pela Bookman (2000)
>>> Sistemas Organização e Métodos de Tadeu Cruz pela Atlas (1998)
>>> Os 100 melhores livros de negócios de todos os Tempos de Todd Sattersten Jack Covert pela Campus (2010)
>>> Propaganda de Plínio Cabral pela Atlas (1980)
>>> Empresa Como Organizar e Dirigir de Antônio Carlos Ferreira pela Ouro
>>> Marketing Cultural ao Vivo de Vários pela Francisco Alves (1992)
>>> A Dose Certa de John C. Bogle pela Campus (2009)
>>> Já tenho idade para saber de Michael W. Smith pela BomPastor
>>> Sobreviver não é o Bastante de Seth Godin pela Campus (2002)
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu de Mark W. Baker pela Sextante
>>> Aspectos Legais da Documentação em Meios Micrográficos Magnéticos e Ópticos de Ademar Stringher pela Cenadem (1996)
>>> Go Pro de Eric Worre pela Rumo (2019)
>>> Avaliação da aprendizagem - Componente do ato pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Pílulas do Bem-Estar de Daniel Martins de Barros pela Sextante (2019)
>>> Trilha de Diversos pela EuBlack
>>> Apostila de Vestibular Semi FGV 2 de Não Informado pela Cpv (2003)
>>> Documentos Maranhenses Pantheon Maranhense 2 Volumes de Antônio Henrique Leal pela Alhambra (1987)
>>> Economia de João Paulo de Almeida magalhães pela Não sei (2019)
COLUNAS

Terça-feira, 9/11/2010
Tropa de Elite 2: realidade como osso duro de roer
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Uma das cenas mais importantes e intrigantes de Tropa de Elite 2 é quando o Capitão Nascimento inicia uma luta de judô com seu filho adolescente dentro do BOPE. Ali estão intricados todos os elementos que compõem a personalidade do policial e sua relação com o mundo. Um sujeito guiado pela paixão, tendo que enfrentar os dissabores que esta paixão traz (afetiva e profissionalmente) e resolver a complexidade disso tudo no território de um tatame, que simboliza o espaço das emoções conflitantes e do corpo colocando em estado de guerra.

É dentro dessa tensão que o filme, dirigido por José Padilha,também se resolve de forma grandiosa. Somos jogados dentro de um furacão, uma espécie de campo de batalha, onde parar para respirar, nem que seja por um segundo, pode significar a morte. E todo o filme se pauta nessa respiração contida, como a dos atiradores por trás de metralhadoras prontas para serem disparadas, e das emoções de Capitão Nascimento, pronto para explodir como uma granada que detona tudo à sua volta.

O campo visual da tela nos coloca em total estado de apreensão e somos lançados dentro da realidade representada como se ali estivéssemos. Não há como fugir dessa sensação de vertigem quase barroca, de pertencer aos fatos que se mostram, dada a proximidade que temos com os personagens. Há cenas de disparos de metralhadoras, por exemplo, que colocam o espectador como se estivesse na situação do atirador, pois a câmera se coloca ao lado da arma que dispara histericamente, fazendo vibrar a sala do cinema e nos dando a possibilidade não só de assistir, mas de nos sentirmos responsáveis inconscientes pela tragédia desumana que presenciamos com os olhos arregalados e com uma constante falta de ar.

Este não é um filme de ação calculado, previsível, dogmático, como o cinema americano tem feito várias vezes. Se o filme se desenrola na velocidade das rajadas de bala e das ações policiais e, ainda, da turbulência fria e assassina de seus personagens, é porque sua forma necessita dessa respiração tensa, em suspensão, para nos colocar dentro do drama que assistimos. Nesse sentido, forma é conteúdo. Não há possibilidade de distanciamento intelectual num filme desse tipo. Nós saímos do cinema como se tivéssemos atravessado a zona de guerra em que se transformaram algumas regiões periféricas das grandes cidades dominadas por "milícias" (que o filme explica as razões).

A grande atuação dos atores, todos extremamente convincentes, a movimentação ativa da câmera e os cortes perfeitos tornam Tropa de Elite 2 uma obra-prima do cinema contemporâneo. Sua tensão não é apelativa, sua violência não é fetichista (por exemplo, o estupro da jornalista não é mostrado, apenas insinuado). O ator Wagner Moura desaparece na figura do Capitão Nascimento, nos presenteando com uma das mais competentes interpretações não só do cinema brasileiro, mas da cena mundial. Quanto a Seu Jorge, sem comentários, pois, como no caso de Elba Ramalho, a música (com justiça) nos rouba um maravilhoso ator.

A grosseria da realidade, a frieza dos assassinatos, a desumanização das relações sociais e as práticas políticas para lá de fascistóides, que sustentam este mundo, são tratadas esteticamente com a mesma matéria da violência com que se fabrica a realidade. Sem o impacto sonoro e visual turbulento, seja das armas pesadas, dos assassinatos frios e mecânicos, dos estupros desumanos, das jogatinas políticas cínicas e imorais, das relações pessoais à beira da destruição, não teríamos condições nem de raspar de perto nessa realidade.

Tropa de Elite 2 nos joga propositalmente dentro dessa realidade. Quase chegamos a sentir o cheiro do bafo podre dos policiais violentos e inescrupulosos, quase sentimos o cheiro da pólvora das armas se misturando ao cheiro da carne queimada dos repórteres investigativos assassinados friamente pelos policiais. E a náusea que sentimos durante e após o filme revela o quão próximos estivemos disso tudo.

Este é um filme de denúncia radical, que exibe o cheiro podre das relações entre política, polícia e miséria social no Brasil. Todos são acusados, do Governador do Estado ao funcionário público da polícia (sejam delegados, aumentando sua renda com práticas desumanas de exploração e morte, seja um simples policial pronto a cumprir ordens de matar também por alguns trocados ou submissão aos superiores).

A trama do filme trata da passagem do Capitão Nascimento de líder do BOPE à secretário da justiça, onde pensa poder mudar o "sistema" por dentro. As barreiras que encontra são as dos interesses políticos que passam por cima de qualquer ética, moral ou possibilidade de humanismo.

No território imundo da política e de seus escusos interesses que gerenciam os abusos de poder e as desgraças sociais apresentadas pelo filme, Capitão Nascimento sonha ingenuamente em transformar a sociedade num lugar justo, menos corruptível. Esse sonhador vê sua vida pessoal (casamento e filho) e social (líder do BOPE e Secretário de Justiça) serem destruídas por sua paixão pelo trabalho de reformador responsável da sociedade.

Nascimento descobre-se, de repente, como apenas uma entre outras peças de uma máquina de guerra sem controle e perde, por isso, sua ilusão de agente criador da sociedade. Seu trabalho, que o dignificava como peça importante da sociedade e como indivíduo, se revela o contrário: ele é apenas um agente preparado para defender uma estrutura de poder corrupta e sangrenta.

Depois dessa descoberta, passa a agir com mais sapiência e dúvida em relação à própria estrutura que defendia, abrindo os olhos para o complicador maior que é o próprio Estado (que se revela, no filme, o grande criminoso da história).

O filme tem um final quase redentor, quando uma ação judicial, implementada por Nascimento e pelo deputado ligado aos Direitos Humanos, coloca na cadeia parte dos policiais assassinos e dos políticos corruptos. Eu disse quase, pois não se pode sobreviver em estado de redenção com tantos farrapos presos à história de nossos corpos e mentes: as chagas de nossa história são quase incuráveis, pode-se dizer.

Nesse momento, o filme mostra novamente como paixões pessoais e sociais se interpenetram, pois é quando Capitão Nascimento vê sua família ameaçada que ele se move contra o corrupto "estado de coisas" de forma radical, usando as próprias armas do Estado de Direito para punir o Estado. Daí ele supera o ódio pessoal (inclusive, aliando-se ao Deputado que inicialmente era seu opositor na esfera sentimental, casando-se com sua ex-mulher, e social, por defender os direitos humanos de "bandidos") e, racionalmente, empreende uma vingança que mesmo que tenha um fundo pessoal, se alicerça em garantias ainda vigentes numa República com garantias Constitucionais.

Capitão Nascimento simboliza, talvez, o espírito e o desejo de justiça incrustado em cada brasileiro que sonha uma sociedade mais decente, livre dessa canalha política que nos governa e gera, por tabela, os monstros que Tropa de Elite 1 e 2 exibiram de forma crua e sombria.

Durma-se com essa, e bom pesadelo a todos, pois esse osso é duro de roer.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 9/11/2010


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/11/2010
02h23min
O filme inicialmente já demonstra seu caráter documental, abordando, no ligeiro esclarecimento do representante dos Direitos Humanos, a dura realidade brasileira em face às condições do seu sistema prisional. Porém o filme revela em seu desenrolar uma outra ótica acerca da situação lamentável encontrada no Brasil nos dias atuais, obviamente usando para tal a Cidade Maravilhosa, remetendo o problema ao grande sistema que marginaliza o indivíduo, colocando-o na condição de "enfeite" da bela paisagem carioca (será o morro?). Para, assim, um grupo de elite da polícia invadir e, temporariamente, deixar tudo em ordem, com muitos vagabundos estendidos em meio ao sangue derramado. A história evidencia, através do caos da favela e da "vontade" do Estado agir, o resultado puramente vantajoso que é manter a situação como se encontra, para maior benefício da elite.
[Leia outros Comentários de Jean Scheifer Correa]
27/11/2010
07h51min
Realmente, um belo exemplar do cinema nacional. Não é à toa que vai atingir dez milhões de espectadores. Entretanto, saí triste do cinema. Apesar de toda a denúncia estampada no filme, não houve nenhum impacto na vida real. O governador foi reeleito, os deputados suspeitos também, não se viu nenhum expurgo de policiais corruptos, os celulares e as armas continuam entrando nos presídios (agora mesmo, o tal de Marcinho VP comandou os ataques no Rio de dentro de presídio de segurança máxima), o pessoal continua cheirando cocaína por toda cidade. Há muitos interesses em jogo para poder-se mudar alguma coisa.
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AMERICAN MORE! 1 - WORKBOOK - COM CD
HERBERT PUCHTA / JEFF STRANKS E OUTROS
ATICA
(2011)
R$ 20,00



O MUNDO DE UM SÓ DIA
PHILLIP JOSÉ FARMER
FRANCISCO ALVES
(1989)
R$ 15,00



UM LEAO CHAMADO CHRISTIAN - A LION CALLED CHRISTI
ANTHONY BOURKE, JOHN RENDALL
NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 10,80



AS PUPILAS DO SENHOR REITOR
JULIO DINIZ
FIGUEIRINHAS
R$ 5,00



O SUCESSO ESTÁ EM VOCÊ
JOHN C. MAXWELL
THOMAS NELSON BRASIL
(2010)
R$ 11,90



PÔQUER PHIL HELLMUTH APRESENTA:LER E TIRAR PROVEITO
JOE NAVARRO / MARVIN KAR /PHIL HELLMUTH
MADRAS
(2013)
R$ 59,13



DESIGN DE TRANSPORTES: ARTE EM FUNÇÃO DA MOBILIDADE
NEVILLE JORDAN LARICA
PUC RIO
(2003)
R$ 19,82



PETRUCHA
ALBERTUS MARQUES
TOPBOOKS
(1995)
R$ 4,00



O GAÚCHO
JOSÉ DE ALENCAR
IDC
R$ 5,90



A PULGA E O COMPUTADOR
EMMANUEL ROSENCHER
INSTITUTO PIAGET
(1997)
R$ 17,64





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês