Tropa de Elite 2: realidade como osso duro de roer | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28797 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme lança novo videoclipe com faixa do álbum ALUMIA
>>> Almundo traz até 40% de desconto em seu primeiro Outlet 2019
>>> Ex-Titã Paulo Miklos apresenta seu terceiro álbum no Sesc Belenzinho
>>> Companhia de Teatro Heliópolis coloca em cena as duas faces da justiça em nova montagem
>>> Cunha realiza 2ª edição do Verão na Montanha - Cunha Fest, festival de jazz e blues
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
Últimos Posts
>>> Assim eu quero a vida
>>> Um sujeito chamado Benício
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Direções da véspera (Introdução)
>>> O tempo nos ensina - frase
>>> O Cinema onde os fracos não tem vez
>>> Senhor do Corpo e da alma - poema
>>> Fotogenia
>>> É Natal
>>> Canções de amor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jabá é sempre jabá
>>> Guimarães Rosa: um baiano de sangue
>>> Contra reforma ortográfica
>>> Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I)
>>> O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Sobre caramujos e Omolu
>>> Sobre a vida no campo
>>> O óbvio final de Belíssima
>>> Unidade na multiplicidade
Mais Recentes
>>> A Arte da Prudência de Baltasar Gracián pela Martins Fontes (2001)
>>> Vida e Obra de Machado de Assis - Volume.3 - Maturidade de R. Magalhães Júnior pela Civilização Brasileira (1981)
>>> As Regras do Método Sociológico de Émile Durkheim pela Edipro (2012)
>>> A Ética Protestante e o "Espirito" do Capitalismo de Antônio Flávio Pierucci pela Companhia das Letras (2004)
>>> Vocabulário poliglótico do charadista de Derthys Agrícola pela Tupã (1957)
>>> Baratas de Jo Nesbo pela Record (2016)
>>> Curso de Direito Aeronáutico de Luis Ivani de Amorim Araújo pela Forense (1998)
>>> Patologia bucal de William G. Shafer / Maynard K. Hine / Barnet M. Levy pela Mundi (1961)
>>> Dicionário Internacional de Economia e Finanças de Bernard e Colli pela Forense-Universitária (1998)
>>> Tratado de Direito Privado - Tomo 10 de Pontes de Miranda pela BookSeller (2000)
>>> Tratado de Direito Privado - Tomo 22 de Pontes pela BookSeller (2003)
>>> Didático de Enfermagem Teoria e Prática - Volume I de José Jardes da Gama - Sandra Maria da Penha pela Eureka (2017)
>>> Geografia 7º Ano - Espaço e Vivência - Livro do Aluno de Levon Boligian e Outros pela Atual (2016)
>>> The Adventures of Tom Sawayer de Mark Twain pela Sterling (2010)
>>> Ataque do Comando P. Q de Moacyr Scliar pela Ática (2006)
>>> Uma Aventura no Mundo de Tarsila de Mércia M Leitão - Neide Duarte pela Do Brasil (1999)
>>> Educando Filhos Responsáveis de Elizabeth M Ellis pela Ática (1997)
>>> Celebridade de Chris Rojek pela Racco (2008)
>>> O Pagador de Promessas de Dias Gomes pela Ediouro (2006)
>>> Tudo é Poesia - Livro II - 2ª Edição de Ray Lima pela Queima - Bucha (2005)
>>> Os Escravos de Castro Alves pela Cedic
>>> Geografia - Volume Único - Vereda Digital - Livro do Aluno de Bacic Silva Lozano pela Moderna (2012)
>>> Nuevo Listo Parte a - Livro do Aluno de Roberta Amendola pela Santillana (2012)
>>> Jornadas - Português - 6º Ano - Livro do Aluno de Dileta Delmanto - Laiz B de Carvalho pela Saraiva (2016)
>>> Jornadas - Português - 9º Ano - Livro do Aluno de Dileta Delmanto - Laiz B de Carvalho pela Saraiva (2016)
>>> E Agora, Mãe? - 3ª Edição de Isabel Vieira pela Moderna (2018)
>>> É de Morte! de Flávia Savary pela Ftd (2014)
>>> Os Três Mosqueteiros Em Cordel de Klévisson Viana pela Leya (2011)
>>> História 360º - Livro do Aluno de Alfredo Boulos Júnior pela Ftd (2017)
>>> Hyperlink - 2 Edition de Albina Escobar pela Pearson (2014)
>>> Access - Volume 1 - Livro do Aluno de Luiz Otávio Barros pela Richomond (2016)
>>> Davi e a Árvore da Riqueza de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2017)
>>> O Patinho Feio de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2005)
>>> Os Animais do Mundinho de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2007)
>>> Um Mundinho de Paz de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2012)
>>> João e o Pé de Feijão de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2006)
>>> A Riqueza Está Em Toda Parte de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2015)
>>> Dinheiro Nasce Em Árvore? de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2018)
>>> Uma Escada Chamada Vida: Coleção Crescer e Enriquecer de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2018)
>>> A Magia do Lixo - 3ª Edição de Jonar Brasileiro - Kátia Rocha pela Humanidades Educação (2016)
>>> De Olho na Amazônia - 2ª Edição de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2011)
>>> A Receita da Prosperidade de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2017)
>>> Projeto Teláris - História 9º Ano - Livro do Aluno de Gislane Azevedo - Reinaldo Seriacopi pela Ática (2015)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer: um Guia para Toda a Vida de Mara e Outros pela Sextante (2006)
>>> Conexões: George Washington a Compadre Washington de Super Interessante pela Abril (2016)
>>> Super 30 Anos: as Revoluções das Três Últimas Décadas de Abril pela Abril (2017)
>>> Acontecem Há Mais de Cem Anos de Elto Koltz pela Prazer de Ler (2011)
>>> A Bússola e a Balança: por um Mundo Mais Justo de Maria Lúcia de Arruda Aranha pela Moderna (2001)
>>> Sistemas Digitais: Fundamentos e Aplicações - 9ª Edição de Floyd pela Bookman (2007)
>>> Contos de Exemplo de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 9/11/2010
Tropa de Elite 2: realidade como osso duro de roer
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Uma das cenas mais importantes e intrigantes de Tropa de Elite 2 é quando o Capitão Nascimento inicia uma luta de judô com seu filho adolescente dentro do BOPE. Ali estão intricados todos os elementos que compõem a personalidade do policial e sua relação com o mundo. Um sujeito guiado pela paixão, tendo que enfrentar os dissabores que esta paixão traz (afetiva e profissionalmente) e resolver a complexidade disso tudo no território de um tatame, que simboliza o espaço das emoções conflitantes e do corpo colocando em estado de guerra.

É dentro dessa tensão que o filme, dirigido por José Padilha,também se resolve de forma grandiosa. Somos jogados dentro de um furacão, uma espécie de campo de batalha, onde parar para respirar, nem que seja por um segundo, pode significar a morte. E todo o filme se pauta nessa respiração contida, como a dos atiradores por trás de metralhadoras prontas para serem disparadas, e das emoções de Capitão Nascimento, pronto para explodir como uma granada que detona tudo à sua volta.

O campo visual da tela nos coloca em total estado de apreensão e somos lançados dentro da realidade representada como se ali estivéssemos. Não há como fugir dessa sensação de vertigem quase barroca, de pertencer aos fatos que se mostram, dada a proximidade que temos com os personagens. Há cenas de disparos de metralhadoras, por exemplo, que colocam o espectador como se estivesse na situação do atirador, pois a câmera se coloca ao lado da arma que dispara histericamente, fazendo vibrar a sala do cinema e nos dando a possibilidade não só de assistir, mas de nos sentirmos responsáveis inconscientes pela tragédia desumana que presenciamos com os olhos arregalados e com uma constante falta de ar.

Este não é um filme de ação calculado, previsível, dogmático, como o cinema americano tem feito várias vezes. Se o filme se desenrola na velocidade das rajadas de bala e das ações policiais e, ainda, da turbulência fria e assassina de seus personagens, é porque sua forma necessita dessa respiração tensa, em suspensão, para nos colocar dentro do drama que assistimos. Nesse sentido, forma é conteúdo. Não há possibilidade de distanciamento intelectual num filme desse tipo. Nós saímos do cinema como se tivéssemos atravessado a zona de guerra em que se transformaram algumas regiões periféricas das grandes cidades dominadas por "milícias" (que o filme explica as razões).

A grande atuação dos atores, todos extremamente convincentes, a movimentação ativa da câmera e os cortes perfeitos tornam Tropa de Elite 2 uma obra-prima do cinema contemporâneo. Sua tensão não é apelativa, sua violência não é fetichista (por exemplo, o estupro da jornalista não é mostrado, apenas insinuado). O ator Wagner Moura desaparece na figura do Capitão Nascimento, nos presenteando com uma das mais competentes interpretações não só do cinema brasileiro, mas da cena mundial. Quanto a Seu Jorge, sem comentários, pois, como no caso de Elba Ramalho, a música (com justiça) nos rouba um maravilhoso ator.

A grosseria da realidade, a frieza dos assassinatos, a desumanização das relações sociais e as práticas políticas para lá de fascistóides, que sustentam este mundo, são tratadas esteticamente com a mesma matéria da violência com que se fabrica a realidade. Sem o impacto sonoro e visual turbulento, seja das armas pesadas, dos assassinatos frios e mecânicos, dos estupros desumanos, das jogatinas políticas cínicas e imorais, das relações pessoais à beira da destruição, não teríamos condições nem de raspar de perto nessa realidade.

Tropa de Elite 2 nos joga propositalmente dentro dessa realidade. Quase chegamos a sentir o cheiro do bafo podre dos policiais violentos e inescrupulosos, quase sentimos o cheiro da pólvora das armas se misturando ao cheiro da carne queimada dos repórteres investigativos assassinados friamente pelos policiais. E a náusea que sentimos durante e após o filme revela o quão próximos estivemos disso tudo.

Este é um filme de denúncia radical, que exibe o cheiro podre das relações entre política, polícia e miséria social no Brasil. Todos são acusados, do Governador do Estado ao funcionário público da polícia (sejam delegados, aumentando sua renda com práticas desumanas de exploração e morte, seja um simples policial pronto a cumprir ordens de matar também por alguns trocados ou submissão aos superiores).

A trama do filme trata da passagem do Capitão Nascimento de líder do BOPE à secretário da justiça, onde pensa poder mudar o "sistema" por dentro. As barreiras que encontra são as dos interesses políticos que passam por cima de qualquer ética, moral ou possibilidade de humanismo.

No território imundo da política e de seus escusos interesses que gerenciam os abusos de poder e as desgraças sociais apresentadas pelo filme, Capitão Nascimento sonha ingenuamente em transformar a sociedade num lugar justo, menos corruptível. Esse sonhador vê sua vida pessoal (casamento e filho) e social (líder do BOPE e Secretário de Justiça) serem destruídas por sua paixão pelo trabalho de reformador responsável da sociedade.

Nascimento descobre-se, de repente, como apenas uma entre outras peças de uma máquina de guerra sem controle e perde, por isso, sua ilusão de agente criador da sociedade. Seu trabalho, que o dignificava como peça importante da sociedade e como indivíduo, se revela o contrário: ele é apenas um agente preparado para defender uma estrutura de poder corrupta e sangrenta.

Depois dessa descoberta, passa a agir com mais sapiência e dúvida em relação à própria estrutura que defendia, abrindo os olhos para o complicador maior que é o próprio Estado (que se revela, no filme, o grande criminoso da história).

O filme tem um final quase redentor, quando uma ação judicial, implementada por Nascimento e pelo deputado ligado aos Direitos Humanos, coloca na cadeia parte dos policiais assassinos e dos políticos corruptos. Eu disse quase, pois não se pode sobreviver em estado de redenção com tantos farrapos presos à história de nossos corpos e mentes: as chagas de nossa história são quase incuráveis, pode-se dizer.

Nesse momento, o filme mostra novamente como paixões pessoais e sociais se interpenetram, pois é quando Capitão Nascimento vê sua família ameaçada que ele se move contra o corrupto "estado de coisas" de forma radical, usando as próprias armas do Estado de Direito para punir o Estado. Daí ele supera o ódio pessoal (inclusive, aliando-se ao Deputado que inicialmente era seu opositor na esfera sentimental, casando-se com sua ex-mulher, e social, por defender os direitos humanos de "bandidos") e, racionalmente, empreende uma vingança que mesmo que tenha um fundo pessoal, se alicerça em garantias ainda vigentes numa República com garantias Constitucionais.

Capitão Nascimento simboliza, talvez, o espírito e o desejo de justiça incrustado em cada brasileiro que sonha uma sociedade mais decente, livre dessa canalha política que nos governa e gera, por tabela, os monstros que Tropa de Elite 1 e 2 exibiram de forma crua e sombria.

Durma-se com essa, e bom pesadelo a todos, pois esse osso é duro de roer.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 9/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tarifa de ônibus: estamos prontos p/ pagar menos? de Adriana Baggio
02. Consumidor, você tem toda a razão! de Daniel Bushatsky
03. Alguns momentos com Daniel Piza de Eduardo Carvalho
04. A idade que habito de Marta Barcellos
05. Textos movediços de Carla Ceres


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
03. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/11/2010
02h23min
O filme inicialmente já demonstra seu caráter documental, abordando, no ligeiro esclarecimento do representante dos Direitos Humanos, a dura realidade brasileira em face às condições do seu sistema prisional. Porém o filme revela em seu desenrolar uma outra ótica acerca da situação lamentável encontrada no Brasil nos dias atuais, obviamente usando para tal a Cidade Maravilhosa, remetendo o problema ao grande sistema que marginaliza o indivíduo, colocando-o na condição de "enfeite" da bela paisagem carioca (será o morro?). Para, assim, um grupo de elite da polícia invadir e, temporariamente, deixar tudo em ordem, com muitos vagabundos estendidos em meio ao sangue derramado. A história evidencia, através do caos da favela e da "vontade" do Estado agir, o resultado puramente vantajoso que é manter a situação como se encontra, para maior benefício da elite.
[Leia outros Comentários de Jean Scheifer Correa]
27/11/2010
07h51min
Realmente, um belo exemplar do cinema nacional. Não é à toa que vai atingir dez milhões de espectadores. Entretanto, saí triste do cinema. Apesar de toda a denúncia estampada no filme, não houve nenhum impacto na vida real. O governador foi reeleito, os deputados suspeitos também, não se viu nenhum expurgo de policiais corruptos, os celulares e as armas continuam entrando nos presídios (agora mesmo, o tal de Marcinho VP comandou os ataques no Rio de dentro de presídio de segurança máxima), o pessoal continua cheirando cocaína por toda cidade. Há muitos interesses em jogo para poder-se mudar alguma coisa.
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATLAS GEOGRÁFICO DA TURMA DA MÔNICA
MAURÍCIO DE SOUZA
FTD
(2012)
R$ 119,00



NECESSÁRIO VOS É NASCER DE NOVO - ANO 1997
MAÏSA CASTRO
RABONI
(1997)
R$ 4,00



TEATRO LIGEIRO (ATOS E ENTREATOS) - CLAUDIO DE SOUZA (TEATRO BRASILEIRO)
CLAUDIO DE SOUZA
CIA. NACIONAL
R$ 30,00



A MALA DE HANA
KAREN LEVINE
MELHORAMENTOS
(2012)
R$ 25,00



ENCANTAMENTO: CONTOS DE FADA, FANTASMA E MAGIA - KEVIN CROSSLEY-HOLLAND (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
KEVIN CROSSLEY-HOLLAND
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2003)
R$ 5,00



O AMANTE
MARGUERITE DURAS
FOLHA
(2003)
R$ 10,00



CORRA QUE A POLÍTICA VEM AÍ
LEANDRO MAZZINI
LITTERIS
(2010)
R$ 10,00



JANE FONDA COOKING FOR HEALTHY LIVING
JANE FONDA
TURNER
(1996)
R$ 90,00



LITERATURA COMO MISSÃO - NICOLAU SEVCENKO
NICOLAU SEVCENKO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2003)
R$ 50,00



A MONTANHA E O VIDEOGAME
JOÃO FRANCISCO DUARTE JR
PAPIRUS
(2010)
R$ 26,00





busca | avançada
28797 visitas/dia
1,0 milhão/mês