Tropa de Elite 2: realidade como osso duro de roer | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28258 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Animismo
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Entrevista com André Fonseca
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
Mais Recentes
>>> Restaurantes 2014 de Boni Amaral pela Casa da Palavra (2014)
>>> O Duelo: Churchill X Hitler: 80 dias cruciais para a Segunda Guerra Mundial de John Lukacs pela Jorge Zahar Editor (2002)
>>> E Se o Stand-up Virasse Livro de Maurício Meirelles pela Ediouro (2010)
>>> Cinco dias em Londres: negociações que mudaram o rumo da II Guerra de John Lukacs pela Jorge Zahar Editor (2001)
>>> Um Amante Moderno e Outras Histórias de D. H. Lawrence (david Herbert) pela Record/ RJ. (2019)
>>> Espantalhos de Lilian Fontes pela Relume Dumará (1994)
>>> A espionagem militar soviética de Viktor Suvorov pela Record (1984)
>>> Poesia lírica e indianista de Gonçalves Dias pela Ática (2006)
>>> Análise & Conjuntura/ Vol. 2/ Nº 1.- Jan./ Abril de 1987 de Fábricio Augusto de Oliveira/ Marcos Coimbra... pela Fundação João Pinheiro/ MG. (1987)
>>> Perestroika: novas ideias para o meu país e o mundo de Mikhail Gorbachev pela Best Seller (1988)
>>> KAMA SUTRA Vatsyayana de Richard Burton pela L&PM Editores (2006)
>>> O Mundo e Eu de João Mohana (médico e Sacerdote) pela Agir/ RJ. (1978)
>>> Contos Universais - Volume 11. Coleção Para Gostar de Ler de Anton Tchekhov, Edgar Allan Poe, Franz Kafka, etc pela Ática (2004)
>>> O Mundo e Eu de João Mohana (médico e Sacerdote) pela Agir/ RJ. (1963)
>>> Amor e Responsabilidade de João Mohana (médico e Sacerdote) pela Agir/ RJ. (1987)
>>> A política no interior das nações de Joseph La Palombara pela UnB (1982)
>>> O dissenso de Washington: notas de um observador privilegiado sobre as relações Brasil-Estados Unidos de Rubens Barbosa pela Agir (2011)
>>> Saara de Suzane Worcman pela Relume Dumara (2000)
>>> A Antecipação da Tutela Ex Officio de Fernando Luís França pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2003)
>>> Música e Literatura de Federico Sopena pela Nerman (1989)
>>> Paz e guerra entre as nações de Raymond Aron pela UnB (1979)
>>> Palavra de Advogado de José Anchieta da Silva/ Autografado pela Del Rey/ Belo Horizonte (2012)
>>> Dez Anos da Lei de Arbitragem: Aspectos Atuais e Perspectivas... de Ana Paula Rocha do Bomfim (e outro): Coord. pela Lumen Juris (2007)
>>> Responsabilidade e Eticidade de José Jairo Gomes pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> A Era da Globalismo de Octavio Ianni pela Civilização Brasileira (1996)
>>> História Sincera da República de Leôncio Basbaum pela Alfa-Omega (1985)
>>> Á Sombra de Hipocrates de Orlando de Albuquerque pela Appacdm (1995)
>>> Psicologia del Niño de Jean Piaget - Bärbel Inhelder pela Ediciones Morata, Madrid (1969)
>>> História da Literatura: Oriental, Grega, Latina... S/ Versificação de Marques da Cruz pela Comp. Melhoramentos de SP. (1933)
>>> Cenário Mundial - A Nova ordem Internacional de Cláudio Vicentino , Reinaldo Scalzaretto pela Scipione (1992)
>>> Sexualidade da Mulher Brasileira: Corpo e Classe Social no Brasil de Rose Marie Muraro (e Cola boradores) pela Vozes/ Petrópolis (1983)
>>> Desigualdade Reexaminada de Amartya Sen pela Record (2001)
>>> Eclipse de Lua um Dossiê Sobre a Menopausa de Alberto Goldin pela Relume (1994)
>>> Religião e Politização no Brasil ´A Igreja e o regime Autoritário de Thomas c. Bruneau pela Loyola (1979)
>>> Facts About Israel de Edited By Ellen Hirsch pela Israel Information Center (1996)
>>> Clássicos da Educação Brasileira- Volume 1 de Maria do Carmo Xavier: Organizadora pela Mazza/ Fapemig (2010)
>>> Marxismo Vivo - Revista N: 18 -Crise dos Alimentos -O Imperialismo e a fome -Campo Argentino , A rebelião dos ricos divide a esquerda de Revista Marxismo Vivo pela Marxismo Vivo (2008)
>>> Ritos de Passagem da Nossa Infância e Adolescência de Fanny Abramovich: Organização pela Summus Editorial (1985)
>>> Jakob: o Mentiroso de Jurek Becker pela Companhia das Letras/SP. (1987)
>>> Jakob: o Mentiroso de Jurek Becker pela Companhia das Letras/SP. (1987)
>>> Sociologia & Administração de Reinaldo Dias pela Alínea (2001)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos: ... Contos Psicanalíticos Verídicos de Robert Lindner pela Imago (1972)
>>> Cousteau-Uma Biografia de Axel Madsen pela Campus (1989)
>>> Sexologia Forense de Orlando Soares pela Lfb (1996)
>>> Ética de Newton Bignotto e outros pela Companhia das Letras (1993)
>>> Nanook - Ele está chegando de Gustavo Bernardo pela Rocco (2016)
>>> Design e comunicação visual de Bruno Munari pela Martins Fontes (2006)
>>> Do Luxo ao Fardo de Pedro Salem pela Relume Dumara; (2004)
>>> Administração , Poder e Ideologia de Maurício Tragtenberg pela Unesp (2004)
>>> O caçador de pipas de Khaled Hosseini pela Nova fronteira (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 9/11/2010
Tropa de Elite 2: realidade como osso duro de roer
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Uma das cenas mais importantes e intrigantes de Tropa de Elite 2 é quando o Capitão Nascimento inicia uma luta de judô com seu filho adolescente dentro do BOPE. Ali estão intricados todos os elementos que compõem a personalidade do policial e sua relação com o mundo. Um sujeito guiado pela paixão, tendo que enfrentar os dissabores que esta paixão traz (afetiva e profissionalmente) e resolver a complexidade disso tudo no território de um tatame, que simboliza o espaço das emoções conflitantes e do corpo colocando em estado de guerra.

É dentro dessa tensão que o filme, dirigido por José Padilha,também se resolve de forma grandiosa. Somos jogados dentro de um furacão, uma espécie de campo de batalha, onde parar para respirar, nem que seja por um segundo, pode significar a morte. E todo o filme se pauta nessa respiração contida, como a dos atiradores por trás de metralhadoras prontas para serem disparadas, e das emoções de Capitão Nascimento, pronto para explodir como uma granada que detona tudo à sua volta.

O campo visual da tela nos coloca em total estado de apreensão e somos lançados dentro da realidade representada como se ali estivéssemos. Não há como fugir dessa sensação de vertigem quase barroca, de pertencer aos fatos que se mostram, dada a proximidade que temos com os personagens. Há cenas de disparos de metralhadoras, por exemplo, que colocam o espectador como se estivesse na situação do atirador, pois a câmera se coloca ao lado da arma que dispara histericamente, fazendo vibrar a sala do cinema e nos dando a possibilidade não só de assistir, mas de nos sentirmos responsáveis inconscientes pela tragédia desumana que presenciamos com os olhos arregalados e com uma constante falta de ar.

Este não é um filme de ação calculado, previsível, dogmático, como o cinema americano tem feito várias vezes. Se o filme se desenrola na velocidade das rajadas de bala e das ações policiais e, ainda, da turbulência fria e assassina de seus personagens, é porque sua forma necessita dessa respiração tensa, em suspensão, para nos colocar dentro do drama que assistimos. Nesse sentido, forma é conteúdo. Não há possibilidade de distanciamento intelectual num filme desse tipo. Nós saímos do cinema como se tivéssemos atravessado a zona de guerra em que se transformaram algumas regiões periféricas das grandes cidades dominadas por "milícias" (que o filme explica as razões).

A grande atuação dos atores, todos extremamente convincentes, a movimentação ativa da câmera e os cortes perfeitos tornam Tropa de Elite 2 uma obra-prima do cinema contemporâneo. Sua tensão não é apelativa, sua violência não é fetichista (por exemplo, o estupro da jornalista não é mostrado, apenas insinuado). O ator Wagner Moura desaparece na figura do Capitão Nascimento, nos presenteando com uma das mais competentes interpretações não só do cinema brasileiro, mas da cena mundial. Quanto a Seu Jorge, sem comentários, pois, como no caso de Elba Ramalho, a música (com justiça) nos rouba um maravilhoso ator.

A grosseria da realidade, a frieza dos assassinatos, a desumanização das relações sociais e as práticas políticas para lá de fascistóides, que sustentam este mundo, são tratadas esteticamente com a mesma matéria da violência com que se fabrica a realidade. Sem o impacto sonoro e visual turbulento, seja das armas pesadas, dos assassinatos frios e mecânicos, dos estupros desumanos, das jogatinas políticas cínicas e imorais, das relações pessoais à beira da destruição, não teríamos condições nem de raspar de perto nessa realidade.

Tropa de Elite 2 nos joga propositalmente dentro dessa realidade. Quase chegamos a sentir o cheiro do bafo podre dos policiais violentos e inescrupulosos, quase sentimos o cheiro da pólvora das armas se misturando ao cheiro da carne queimada dos repórteres investigativos assassinados friamente pelos policiais. E a náusea que sentimos durante e após o filme revela o quão próximos estivemos disso tudo.

Este é um filme de denúncia radical, que exibe o cheiro podre das relações entre política, polícia e miséria social no Brasil. Todos são acusados, do Governador do Estado ao funcionário público da polícia (sejam delegados, aumentando sua renda com práticas desumanas de exploração e morte, seja um simples policial pronto a cumprir ordens de matar também por alguns trocados ou submissão aos superiores).

A trama do filme trata da passagem do Capitão Nascimento de líder do BOPE à secretário da justiça, onde pensa poder mudar o "sistema" por dentro. As barreiras que encontra são as dos interesses políticos que passam por cima de qualquer ética, moral ou possibilidade de humanismo.

No território imundo da política e de seus escusos interesses que gerenciam os abusos de poder e as desgraças sociais apresentadas pelo filme, Capitão Nascimento sonha ingenuamente em transformar a sociedade num lugar justo, menos corruptível. Esse sonhador vê sua vida pessoal (casamento e filho) e social (líder do BOPE e Secretário de Justiça) serem destruídas por sua paixão pelo trabalho de reformador responsável da sociedade.

Nascimento descobre-se, de repente, como apenas uma entre outras peças de uma máquina de guerra sem controle e perde, por isso, sua ilusão de agente criador da sociedade. Seu trabalho, que o dignificava como peça importante da sociedade e como indivíduo, se revela o contrário: ele é apenas um agente preparado para defender uma estrutura de poder corrupta e sangrenta.

Depois dessa descoberta, passa a agir com mais sapiência e dúvida em relação à própria estrutura que defendia, abrindo os olhos para o complicador maior que é o próprio Estado (que se revela, no filme, o grande criminoso da história).

O filme tem um final quase redentor, quando uma ação judicial, implementada por Nascimento e pelo deputado ligado aos Direitos Humanos, coloca na cadeia parte dos policiais assassinos e dos políticos corruptos. Eu disse quase, pois não se pode sobreviver em estado de redenção com tantos farrapos presos à história de nossos corpos e mentes: as chagas de nossa história são quase incuráveis, pode-se dizer.

Nesse momento, o filme mostra novamente como paixões pessoais e sociais se interpenetram, pois é quando Capitão Nascimento vê sua família ameaçada que ele se move contra o corrupto "estado de coisas" de forma radical, usando as próprias armas do Estado de Direito para punir o Estado. Daí ele supera o ódio pessoal (inclusive, aliando-se ao Deputado que inicialmente era seu opositor na esfera sentimental, casando-se com sua ex-mulher, e social, por defender os direitos humanos de "bandidos") e, racionalmente, empreende uma vingança que mesmo que tenha um fundo pessoal, se alicerça em garantias ainda vigentes numa República com garantias Constitucionais.

Capitão Nascimento simboliza, talvez, o espírito e o desejo de justiça incrustado em cada brasileiro que sonha uma sociedade mais decente, livre dessa canalha política que nos governa e gera, por tabela, os monstros que Tropa de Elite 1 e 2 exibiram de forma crua e sombria.

Durma-se com essa, e bom pesadelo a todos, pois esse osso é duro de roer.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 9/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
02. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
03. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
04. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo
05. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
03. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/11/2010
02h23min
O filme inicialmente já demonstra seu caráter documental, abordando, no ligeiro esclarecimento do representante dos Direitos Humanos, a dura realidade brasileira em face às condições do seu sistema prisional. Porém o filme revela em seu desenrolar uma outra ótica acerca da situação lamentável encontrada no Brasil nos dias atuais, obviamente usando para tal a Cidade Maravilhosa, remetendo o problema ao grande sistema que marginaliza o indivíduo, colocando-o na condição de "enfeite" da bela paisagem carioca (será o morro?). Para, assim, um grupo de elite da polícia invadir e, temporariamente, deixar tudo em ordem, com muitos vagabundos estendidos em meio ao sangue derramado. A história evidencia, através do caos da favela e da "vontade" do Estado agir, o resultado puramente vantajoso que é manter a situação como se encontra, para maior benefício da elite.
[Leia outros Comentários de Jean Scheifer Correa]
27/11/2010
07h51min
Realmente, um belo exemplar do cinema nacional. Não é à toa que vai atingir dez milhões de espectadores. Entretanto, saí triste do cinema. Apesar de toda a denúncia estampada no filme, não houve nenhum impacto na vida real. O governador foi reeleito, os deputados suspeitos também, não se viu nenhum expurgo de policiais corruptos, os celulares e as armas continuam entrando nos presídios (agora mesmo, o tal de Marcinho VP comandou os ataques no Rio de dentro de presídio de segurança máxima), o pessoal continua cheirando cocaína por toda cidade. Há muitos interesses em jogo para poder-se mudar alguma coisa.
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A REENCARNAÇÃO DE PETER PROUD
MAX EHRLICH
CIRCULO DO LIVRO
R$ 5,00



O FACEBOOK COMO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM
ADRIANA ALVES NOVAIS SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



NOS PILOTES SUR LES ALPES 70 ANS DAVIATION MILITAIRE SUISSE - 8783
DOLF PREISIG - RONALD SONDEREGGER
EDITIONS 24 HEURES
(1984)
R$ 35,00



17 CONTOS DA NOVA LITERATURA BRASILEIRA (SÉRIE PARALELOS) - LITERATURA BRASILEIRA
VÁRIOS AUTORES
AGIR
(2004)
R$ 8,00



EL PATRON ORO: EN LA TEORIA Y EN LA PRACTICA
R. G. HAWTREY (CAPA DURA)
AGUILAR (MADRID)
(1951)
R$ 16,28



TRABALHADORES IDOSOS
WILLIAM VINICIUS KLEINPAUL, ANALIE NUNES COUTO UND NESTOR PEDRO ROOS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ÁGAPE
PADRE MARCELO ROSSI
GLOBO
(1995)
R$ 5,90



MICHAEL KOHLHAAS
HEINRICH VON KLEIST
GRUA
(2014)
R$ 15,00



THE PRICE OF POWER
JAMES W. HUSTON
AVON BOOKS
(1999)
R$ 10,00



LIDIOMA GENTILE
EDMONDO DE AMICIS
FRATELLI TREVES MILÃO
(1920)
R$ 40,00





busca | avançada
28258 visitas/dia
890 mil/mês