Os sapatos confessam | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
74915 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
>>> Madeirite Rosa apresenta versão online de A Luta
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre escrever
>>> Os Axiomas de Zurique, de Max Gunther
>>> Sou diabético
>>> 3 de Maio #digestivo10anos
>>> O Joca me adora
>>> A volta das revistas eletrônicas
>>> As duas divas da moderna literatura romântica
>>> Entrevista com Rogério Pereira
>>> Bafana Bafana: very good futebol e só
>>> Suspense, Crimes ... e Livros!
Mais Recentes
>>> Manual para a Elaboração do Plano de Negócios - Tcc de Equipe Ulbra pela Ulbra (2011)
>>> O Mundo da Arte - Mundo Islâmico de Ernst J. Grube pela Encyclopaedia Britannica (1966)
>>> A Escola e Seu Entorno Como Ferramentas de Ensino da História Local de Aristides Leo Pardo pela Monstro dos Mares (2019)
>>> Descobrindo a gramática : nova proposta de Gilio Giacomozzi, Gildete Valério 50. ano pela Ftd (2006)
>>> O Mundo da Arte - Mundo Oriental de Jeannine Auboyer - Roger Goepper pela Encyclopaedia Britannica (1978)
>>> Luluzinha - Ano II - Nº 23 de Abril pela Abril (1976)
>>> Bolinha - Ano V - Nº 35 de Abril pela Abril (1979)
>>> Manual para a Elaboração do Plano de Negócios - Tcc de Equipe Ulbra pela Ulbra (2011)
>>> 52 Coisas Que Você Precisa Entender nos Homens de Clene Salles pela Melhoramentos (2011)
>>> Postais do Coração de Ella Griffin pela Novo Conceito
>>> Viva Mais Leve de Helnio J. Nogueira pela Cpb Didaticos (2014)
>>> Cinema Pirata de Cory Doctorow pela Galera (2012)
>>> Noções de Primeiros Socorros no Trânsito de Abramet pela Abramet (2005)
>>> 9788582121610 de Regiane Banzzatto Bergamo pela Regiane Banzzatto Bergamo
>>> Posso Conseguir o Que Desejo de Iyanla Vanzant pela Sextante (2005)
>>> Construindo a escrita Língua portuguesa, Textos, gramática e ortografia 50. ano de Carmen Silvia Carvalho et al 2008 pela Ática (2008)
>>> Minhas Esperanças de Raisa Gorbachev pela Globo (1992)
>>> A Juventude Vai ao Cinema de Inês de Castro Teixeira (org) pela Autênrica (2009)
>>> Da Hora, da Onda, da Vinci de Jon Scieszka; Sérgio Alcides; Adam Mccauley pela Companhia das Letras (2006)
>>> O Circo - Coleção Folha Charles Chaplin Nº 7 - Com Dvd de Charles Chaplin - Carlos Cassio Starling pela Folha de São Paulo (2012)
>>> Porno Política - Paixões e Taras na Vida Brasileira de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2006)
>>> Contrapontos em Linguagem & Educação de Luciane de Lima - Márcia Letícia Gomes - Sérgio Nunes de Jesus pela Snj (2005)
>>> Titulo de Aut pela Abc (1999)
>>> Razão e Violência de R D Laing - D G Cooper pela Vozes (1976)
>>> Titulo de Aut pela Abc (1999)
COLUNAS

Segunda-feira, 10/1/2011
Os sapatos confessam
Adriana Baggio

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Dizer que mulheres são loucas por sapatos é clichê mais batido que chinelinho de ficar em casa. Foi a característica que definiu a Carrie Bradshaw em Sex and the City, e olhe que das quatro amigas ela era a mais "inteligente" e menos "fútil" (as aspas servem para alertar que ainda estamos na seara dos clichês).

Precisa ter coragem para gastar aquela grana toda com meros... sapatos. O problema é que eles nunca são "meros". Sapatos, talvez, sejam mais importantes para determinar a personalidade ou a imagem de uma mulher do que roupas. Você até consegue disfarçar uma roupa barata na composição do look. Mas sapatos fuleiros parecem gritar sua origem a cada passo. E olha que eles estão lá embaixo, no pé.

Do jeito que eu falo, até parece que sou milionária e vivo comprando Christian Louboutins de 10 mil reais. A questão dos sapatos de quinta não está exatamente no preço. Tem a ver com design, estilo, material, conforto. No fim das contas, tudo isso custa. E então entra o lance do preço. Mas não necessariamente, porque você consegue sapatos muito legais com precinhos bem camaradas. E aí pode até dar uma relaxada na roupa, porque os sapatos salvam seu modelito e sua reputação.

A outra vantagem do sapato sobre as roupas é a questão do tamanho. Se você calça 38, em 99% das vezes pode confiar que um sapato deste número vai servir direitinho, não importa o modelo, a loja, a coleção ou a estação. O mesmo não acontece com a calça jeans. Se você deu azar de não ter o corpo que combina com a modelagem das marcas de roupa que são do seu gosto e/ou bolso, aposte todas as fichas nos pisantes.

A relação entre mulheres e sapatos não tem nada de fútil. Eles são muito importantes em nossas vidas. Foi isso que eu senti enquanto arrumava meu armário na faxina do fim de ano. Tirar os sapatos das prateleiras foi como folhear um diário, um álbum de fotos. Cada um traz uma lembrança, representa uma época, reflete traços de personalidade. Mas tive a péssima ideia de arrastar meu marido para aproveitar o embalo e limpar a parte dele também.

Quando comecei a enfileirar os pares, o olho dele começou a arregalar. Com todos os sapatos, os meus e os dele, lado a lado no chão, a diferença foi gritante. Bom, eu realmente acho que tenho muitos sapatos, em comparação com a ala masculina do armário. No entanto, deve ser muito menos do que você imagina. São apenas 36 parzinhos, contra 10 do meu marido.

Um grande número de sapatos (considere o número mais adequado à sua realidade) não é algo ruim se eles são bem usados e conservados e se você tem o bom senso de saber que não/nunca/jamais será normal gastar um salário mínimo (mais de dois mínimos, então, só se você rasgar dinheiro no café da manhã) num sapato quando muita família passa o mês com essa verba. Veja, você não precisa deixar de gastar: basta ter noção do valor e da discrepância entre as coisas, o que ainda assim é raro. Então, se você não é uma compradora desvairada e as solas dos seus andantes têm histórias pra contar, tá tudo bem.

Minhas prateleiras acomodam sapatos com dez, doze, quinze anos de idade. Apesar de não serem usados todo dia, também não estão abandonados. Um desses é um modelo boneca de bico quadrado preto, de veludo e salto alto, também quadrado. Ele tem muita história. Comprei quando tinha uns 18 anos, estava no começo da faculdade e namorava um estudante de medicina (outra vantagem dos sapatos: o "manequim" não muda com a idade!). Saí com eles ― o namorado e o sapato ― muitas vezes. Era uma época ingênua e romântica. Sempre que acaricio o veludo preto lembro daquela sensação de friozinho no estômago que só os primeiros namorados provocam. Hoje, quando uso este sapato, me sinto um pouco como a mocinha daquele tempo, mais leve, mais suave, mais despreocupada.

Não tão velha, mas bem rodada, é uma bota que comprei no fim de 2004. É um modelo preto com solado de borracha, bem robusto. Parece um coturno, mas não é de amarrar, fecha com zíper na lateral. O cano fica bem justo na perna e vai até o meio da canela. O que eu mais gosto nela é essa mistura de agressividade e delicadeza. Fica bem com um jeans mais curto e melhor ainda com saia. Acho que é meu sapato preferido, aquele que eu salvaria se fosse o único que pudesse carregar ao fugir de um incêndio. Quando estou com ela me sinto muito poderosa, capaz até de enfrentar um bandido com um chute na canela.

Minhas aquisições mais recentes são sapatilhas. Tenho várias, porque são o sapato mais versátil que existe para mulheres. Vejamos: mesmo sem salto, são chiques e elegantes se tiverem bico fino, abertura peep toes ou algum outro detalhe especial; salvam o look naquele dia de calor em que seus pés estão horríveis para colocar uma sandália; dá para usar no inverno sem meia, desde que não esteja menos que uns 13 ou 14 graus (não indicado para amadores); você tira e põe facilmente; normalmente são super confortáveis (menos uma vermelha da Zara, que me torturou alguns meses até eu conseguir domá-la).

Tenho também algumas peças que chamo de sapato-para-jantar-fora-com-namorado-novo. É aquele liiiindo de morrer, mas que deixa qualquer mulher com a mobilidade reduzida, devido ao extremo desconforto e desequilíbrio. Você usa somente quando não precisa andar e muito menos dirigir, se tem alguém por perto para se apoiar, se vai ficar sentada o tempo todo. Convenhamos: uma situação que reúna todos esses fatores, só mesmo no início de namoro.

Um dos últimos sapatos que ganhei do meu marido é justamente uma dessas: uma sandália flat da Le Lis Blanc, de tiras amarelas bem finas (o nome do modelo é Adriana!). Mesmo sem salto, é um pouco difícil de andar com ela. O pé escapa pela falta de apoio no calcanhar e nas laterais. Usar para trabalhar, bater perna ou dançar, não rola. Então ela fica lá no armário, meio abandonada. A não ser quando eu arranjo uns minutos para dar um trato no pé e não será preciso mais do que 20 passos entre a porta do carro e qualquer outra. Então, coloco as inviáveis sandálias de tira e, não importa a quanto tempo namore ou esteja casada, revivo aquele clima de jantar-fora-com-namorado-novo.

Será que alguém ainda não entende por que a gente gosta tanto de sapatos?


Adriana Baggio
Curitiba, 10/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. Do inconveniente de ter escrito de Cassionei Niches Petry
03. Juan José Morosoli - a solidão, a pureza, a viagem de Eduardo Maretti
04. Futebol: 10 mandamentos e 5 mitos de Rafael Fernandes
05. Solidariedade é ação social de Diogo Salles


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2011
01. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011
02. Bombril: a marca que não evoluiu com as mulheres - 10/5/2011
03. Por que as curitibanas não usam saia? - 22/2/2011
04. Moda em 20 textos - 1/8/2011
05. The Good Wife visita Private Practice - 31/8/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/1/2011
22h24min
Adorei seu texto! Infelizmente ainda não tenho condições para comprar sapatos como tenho vontade, mas você diz no texto uma grande verdade: eles confessam mesmo. Existem sapatos que são comprados e tão raramente usados que acabam por marcar alguns dos momentos mais importantes da vida.
[Leia outros Comentários de Ju]
20/10/2013
17h28min
Amei esse texto, quando conheço uma pessoa sempre observo o que usa. E ultimamente a personalidade diária está sendo exposta tbm pelas sapatilhas com cores ou detalhes fortes.
[Leia outros Comentários de Cristina cavalcante]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sobressalto!
Lilian Sypriano
Formato
(2000)
R$ 6,70



Tributação Efetiva Sobre Consumo e Renda do Trabalho e do Capital
Cadernos Direito Tributário Finanças, Nº 11
Revista dos Tribunais (sp)
(1995)
R$ 19,82



Porto Belo - Sua História Sua Gente
Dieter Hans Bruno Kohl
Outros
R$ 10,00



Qual É a Sua Cor? o Caminho para Saúde Através da Cor
Annie Wilson & Lilla Bek
Martins Fontes
(1985)
R$ 13,90



Inspector Logan - Level 1 - 4ª Ed.
Richard Macandrew
Cambridge University Press
(2004)
R$ 13,19



Primeiro Encontro Sobre o Ensino da História Comunicações
Diversos Autores
Fundação Calouste Gulbenkian
(1992)
R$ 23,45



Hollow Land: Israel's Architecture of Occupation
Eyal Weizman
Verso
(2012)
R$ 250,00
+ frete grátis



Vip Luize Altenhofen Nº 237
Vários Autores
Abril
(2005)
R$ 10,00



Crônicas Escolhidas Lima Barreto
Lima Barreto
Ática
(1995)
R$ 5,99



Iniciação à História da Ciência
David B. Kitts/ Duane H. D. e outros
Cultrix
(1966)
R$ 6,90





busca | avançada
74915 visitas/dia
2,3 milhões/mês