Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
>>> Arte é entropia
>>> Amor fati
>>> 50 anos da língua de Riobaldo
>>> Dando nome aos progres
Mais Recentes
>>> Livro de bolso - Assassins Creed - Renaissance de Oliver Bowden pela Berkley Publishing (2010)
>>> Livro de bolso - Todos os Sonetos de Augusto dos Anjos pela L&pm (2001)
>>> Livro de bolso - The Name Of The Wind de Patrick Rothfuss pela Orion Books
>>> Paladar Brasileiro de Antonio Bellini & Ana Paula Amorim pela Antonio Bellini (2007)
>>> Mara Rúbia A Loura Infernal 372 de Isis Baíão pela Aeroplano (2011)
>>> Livro de bolso - Stravaganza: City of Stars de Mary Hoffman pela Bloomsbury (2003)
>>> Criando Adolescentes 372 de Michael Carr-Gregg pela Fundamento (2003)
>>> 101 Posições Sexuais de Sofia Capablanca pela Marco Zero (2006)
>>> Quantificação dos danos morais e materiais e o acidente do trabalho no setor sucroalcooleiro 372 de José Guido Texeira Júnior pela LTr 75 (2011)
>>> Suceden los Espejos de Miguel Angel B. pela Cn Ap (2000)
>>> Livro de bolso - São Paulo - Folha Explica de Raquel Rolnik pela Publifolha (2001)
>>> Livro de bolso - Stravaganza City Of Flowers de Mary Hoffman pela Bloomsbury Juvenile UK (2008)
>>> Inteligência multifocal de Dr. Augusto Jorge Cury pela Cultrix (2006)
>>> Vidas e Lendas de Jacques Lacan de Catherine Clément pela Moraes (1983)
>>> Livro de bolso - Til de José de Alencar pela Martin Claret (2012)
>>> Livro - O Sol é para Todos de Harper Lee pela Circulo do Livro (1960)
>>> Livro - As Brumas de Avalon - a Senhora da Magia - Livro 1 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Ática (2011)
>>> Sierra Nevada - Santa Marta, Ciudad Perdida, Guajira de Patrick Rouilard pela Cia. Litografica Nacional, Editorial Colina (1988)
>>> Largo do Desterro de Josué Montello pela Nova Fronteira (1981)
>>> Livro - Direito Previdenciário de Miguel Horvath Júnior pela Quartier Latin (2008)
>>> Livro - Aprenda a Viver o Agora - Conceitos de zen-budismo e atenção plena para praticar em até 10 minutos de Monja Coen pela Academia (2020)
>>> A batalha do apocalipse de Eduardo Sophr pela Verus (2013)
>>> De Volta ao Mosteiro - O Monge e o Executivo Falam de Liderança e Trabalho Em Equipe de James C. Hunter pela Sextante (2014)
>>> Livro - Operação Cavalo de Tróia 2 de J. J. Benítez pela Mercuryo (1988)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/8/2014
Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte
Wellington Machado
+ de 5500 Acessos

É conhecida a resistência do poeta Ferreira Gullar a algumas obras de arte contemporâneas. Além de poeta, Gullar é sabidamente um importante crítico de arte, exercendo este ofício desde a década de 1950. É comum lermos em suas crônicas a crítica aos rumos que a arte está tomando. São recorrentes seus apelos contra a falta de habilidade do artista, à completa ausência de sentido nas obras e ao mau gosto.

Gullar reverbera: "Não adianta me chamar pra ver um paletó, um casal nu ou um monte de cocô; eu não vou; isso não é arte!". É comum também, na exemplificação dessas críticas, as menções à famosa obra Bandeira branca, de Nuno Ramos, na qual o artista expôs urubus no pavilhão da Bienal de 2010, em São Paulo. Em princípio, parece haver uma aversão de Gullar em relação ao que Nuno produz. Mas, ao que parece, a crítica está mais na obra em si do que na figura ou na atitude do artista.

Mas está nesse embate entre Gullar e Nuno, ainda que velado, o cerne da discussão sobre os atuais conflitos da arte contemporânea, creio. A pendenga remete a Duchamp, que balançou todos os conceitos do mundo artístico no início do século 20, ao expor um urinol e uma série de objetos aleatórios, sem sentido aparente, denominados read-mades. A noção primária de que "tudo pode" em arte provocou um divisor de águas que se arrasta até os dias de hoje.

Como apreciador de arte, tendo a concordar com alguns argumentos de Ferreira Gullar. A noção de "belo" na arte se esvaiu, por exemplo. A "essência do belo", reivindicada por Platão no Filebo, atribui à obra de arte a necessidade de harmonia (nas cores, temas, proporções, volumes etc.) e, principalmente, de provocar no espectador o prazer em vê-la. A figura de Eros, no Banquete, representa o amor à beleza. "As coisas são belas porque conduzem a alma para além do corpo", uma beleza que "conduz à ascese", dizia Platão. As obras contemporâneas não contemplam mais a noção de beleza e muito menos provocam a ascese do espectador. Provocam, sim, um estado de estupefação, em alguns casos.

A produção contemporânea não exige mais a habilidade do artista, o talento em desenhar, fazer esboços, apurar tonalidades, calcular sombras e perspectivas. E há muito as obras se transpuseram para fora dos quadros ou dos suportes tradicionais, derivando-se em instalações, performances ou vídeos. E isso levanta questões quanto à perenidade das obras. Não necessariamente os trabalhos contemporâneos são feitos para durarem "uma Mona Lisa". Há trabalhos que duram apenas algumas horas, o período em que estão expostas em museus. Sem falar nas obras que se desintegram. Obras feitas com água, mel ou chocolate. Com gelo! Nuno Ramos experimentou parafina e sabão líquido.

Outra questão intrigante é a portabilidade de determinadas obras. Se comparadas com quadros ou esculturas, que podem ser transportados de um lado para outro e atravessar continentes, as obras contemporâneas não saem do lugar de onde foram criadas. Nuno Ramos enterrou pilares de concreto no chão como se fossem esculturas fixas. Existem trabalhos que só funcionam em um determinado lugar, num tempo específico. O ambiente é parte integrante do objeto.

E a situação se complica mais quando discutimos o mercado da arte. O que vem primeiro na era contemporânea: os movimentos artísticos (ainda que fragmentados), que provocam a criação de um mercado, ou o mercado, que influencia e direciona os movimentos? O rio não estaria correndo somente para as mãos de determinados artistas, sufocando as possibilidades de surgirem novos talentos? Qual o papel (ou o poder) dos marchands e curadores na projeção de artistas no mercado de arte?

A impressão que tenho é a de que estamos num mar de possibilidades sem fim, se aceitarmos a condição pós-duchampiana de que "tudo pode". Se tudo pode, até o que não faz o menor sentido é permitido. Outro dia vi numa exposição um tijolo com um tufo de cabelo do lado. E a obra não tinha título. Como espectador de arte, ainda que amador, careço de uma chave de interpretação quando me deparo com alguns trabalhos. Se uma obra carece de "etiquetagem", de algum texto que a explique ou que o próprio artista disserte sobre ela, não a vejo como uma obra que fala por si só.

O curioso é que essa relativização da arte põe em xeque o próprio conceito de arte. E a gente se vê numa espiral conceitual estonteante. Se tudo pode, até fazer da crise do conceito da arte uma própria forma de pensá-la é permitido. É como tentar fazer da não-arte, arte, como aconteceu na surreal "Bienal do Vazio", em 2008, em São Paulo, quando um andar do pavilhão ficou inóspito, representando um possível vácuo da atividade artística. Se tudo pode, não há mais debate sobre arte, pois todas as afirmações, ideias e referências conceituais são aceitas.

Por outro lado, esse tatear em busca de novas formas de expressão produz coisas interessantes. Talvez estejamos presenciando uma tensão que pode nos impulsionar para uma nova realidade, um novo período profícuo, mais "palpável" na produção artística, na sua conceituação e numa democratização do mercado. Não podemos desprezar de forma nostálgica algumas experimentações contemporâneas. É muito interessante ver Daniel Senise arrancar impressões do chão numa lona e articular uma obra com esses recortes. Assim como são curiosas as experimentações de Nuno Ramos com materiais nunca usados no fazer artístico.

A implicância de Gullar com os urubus de Nuno Ramos retrata essa tensão. Tensão esta carente de uma explosão para algum caminho cujo motor é a inquietação de ambos. Talvez o poeta aprovasse algumas obras do Nuno, como a série de quadros pesados, feitos com tubos, panos e plásticos coloridos ou os desenhos em carvão e guache da série Anjo e Boneco - ambos mais palpáveis, concretos, como prefere o poeta. Bom que a arte figurativa, abstrata ou volumétrica não fracassou e está correndo paralelamente, já que "tudo pode". Bom também que existam artistas inquietos, tentando fazer a história caminhar, aqui, hoje, nós, pós-duchampianos.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 6/8/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pós-esquerda identitária e grupalista de Luis Dolhnikoff


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2014
01. Marcador de página inteligente - 3/9/2014
02. Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte - 6/8/2014
03. O luto e o luto de Valter Hugo Mãe - 2/7/2014
04. Proust, rugas e colesterol - 9/4/2014
05. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema - 12/2/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - Entre o Dogmatismo Arrogante e o Desespero Cético
Alberto Oliva
Instituto Liberal
(1993)



Seu Filho Adolescente - Orientação Psicológica para os Pais
Varios
Imago
(1975)



O Advogado de Deus
Zibia Gasparetto
Vida e Consciencia
(1998)



Mensagens do Padre Marcelo Rossi
Vários Autores
Gold
(2011)



Contabilidade e Controle de Operações Com Derivativos
Iran Siqueira Lima, Alexsandro Broedel Lopes
Thomson
(2003)



Direitos Humanos e Hiv Aids um Direito Em Construção
Áurea Celeste da Silva Abbade
Grupo de Apoio a Prevenção



Livro - O Xangô de Baker Street
Jô Soares
Companhia das Letras
(1995)



Bagunça na Cozinha. o 1º Livro do Aprendiz de Cozinheiro
Kiko Farkas
Callis
(2006)



A Evolução do Capitalismo Moderno
John A. Hobson
Nova Cultural
(1985)



Livro - A Moreninha - Coleção Ler é Aprender - Volume 17
Joaquim M. de Macedo
Klick
(1997)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês