Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
>>> Does God Exist? de A.E. Taylor pela The Macmillan Company (1947)
>>> Administração Básica de Adelphino Teixeira da Silva pela Atlas (2011)
>>> Como Resolver Conflitos no Trabalho de Jerry Wisinski pela Campus (1994)
>>> Administração de Investimentos de Peter L. Bernstein pela Bookman (2000)
>>> Sistemas Organização e Métodos de Tadeu Cruz pela Atlas (1998)
>>> Os 100 melhores livros de negócios de todos os Tempos de Todd Sattersten Jack Covert pela Campus (2010)
>>> Propaganda de Plínio Cabral pela Atlas (1980)
>>> Empresa Como Organizar e Dirigir de Antônio Carlos Ferreira pela Ouro
>>> Marketing Cultural ao Vivo de Vários pela Francisco Alves (1992)
>>> A Dose Certa de John C. Bogle pela Campus (2009)
>>> Já tenho idade para saber de Michael W. Smith pela BomPastor
>>> Sobreviver não é o Bastante de Seth Godin pela Campus (2002)
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu de Mark W. Baker pela Sextante
>>> Aspectos Legais da Documentação em Meios Micrográficos Magnéticos e Ópticos de Ademar Stringher pela Cenadem (1996)
>>> Go Pro de Eric Worre pela Rumo (2019)
>>> Avaliação da aprendizagem - Componente do ato pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Pílulas do Bem-Estar de Daniel Martins de Barros pela Sextante (2019)
>>> Trilha de Diversos pela EuBlack
>>> Apostila de Vestibular Semi FGV 2 de Não Informado pela Cpv (2003)
>>> Documentos Maranhenses Pantheon Maranhense 2 Volumes de Antônio Henrique Leal pela Alhambra (1987)
>>> Economia de João Paulo de Almeida magalhães pela Não sei (2019)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/8/2014
Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte
Wellington Machado

+ de 4600 Acessos

É conhecida a resistência do poeta Ferreira Gullar a algumas obras de arte contemporâneas. Além de poeta, Gullar é sabidamente um importante crítico de arte, exercendo este ofício desde a década de 1950. É comum lermos em suas crônicas a crítica aos rumos que a arte está tomando. São recorrentes seus apelos contra a falta de habilidade do artista, à completa ausência de sentido nas obras e ao mau gosto.

Gullar reverbera: "Não adianta me chamar pra ver um paletó, um casal nu ou um monte de cocô; eu não vou; isso não é arte!". É comum também, na exemplificação dessas críticas, as menções à famosa obra Bandeira branca, de Nuno Ramos, na qual o artista expôs urubus no pavilhão da Bienal de 2010, em São Paulo. Em princípio, parece haver uma aversão de Gullar em relação ao que Nuno produz. Mas, ao que parece, a crítica está mais na obra em si do que na figura ou na atitude do artista.

Mas está nesse embate entre Gullar e Nuno, ainda que velado, o cerne da discussão sobre os atuais conflitos da arte contemporânea, creio. A pendenga remete a Duchamp, que balançou todos os conceitos do mundo artístico no início do século 20, ao expor um urinol e uma série de objetos aleatórios, sem sentido aparente, denominados read-mades. A noção primária de que "tudo pode" em arte provocou um divisor de águas que se arrasta até os dias de hoje.

Como apreciador de arte, tendo a concordar com alguns argumentos de Ferreira Gullar. A noção de "belo" na arte se esvaiu, por exemplo. A "essência do belo", reivindicada por Platão no Filebo, atribui à obra de arte a necessidade de harmonia (nas cores, temas, proporções, volumes etc.) e, principalmente, de provocar no espectador o prazer em vê-la. A figura de Eros, no Banquete, representa o amor à beleza. "As coisas são belas porque conduzem a alma para além do corpo", uma beleza que "conduz à ascese", dizia Platão. As obras contemporâneas não contemplam mais a noção de beleza e muito menos provocam a ascese do espectador. Provocam, sim, um estado de estupefação, em alguns casos.

A produção contemporânea não exige mais a habilidade do artista, o talento em desenhar, fazer esboços, apurar tonalidades, calcular sombras e perspectivas. E há muito as obras se transpuseram para fora dos quadros ou dos suportes tradicionais, derivando-se em instalações, performances ou vídeos. E isso levanta questões quanto à perenidade das obras. Não necessariamente os trabalhos contemporâneos são feitos para durarem "uma Mona Lisa". Há trabalhos que duram apenas algumas horas, o período em que estão expostas em museus. Sem falar nas obras que se desintegram. Obras feitas com água, mel ou chocolate. Com gelo! Nuno Ramos experimentou parafina e sabão líquido.

Outra questão intrigante é a portabilidade de determinadas obras. Se comparadas com quadros ou esculturas, que podem ser transportados de um lado para outro e atravessar continentes, as obras contemporâneas não saem do lugar de onde foram criadas. Nuno Ramos enterrou pilares de concreto no chão como se fossem esculturas fixas. Existem trabalhos que só funcionam em um determinado lugar, num tempo específico. O ambiente é parte integrante do objeto.

E a situação se complica mais quando discutimos o mercado da arte. O que vem primeiro na era contemporânea: os movimentos artísticos (ainda que fragmentados), que provocam a criação de um mercado, ou o mercado, que influencia e direciona os movimentos? O rio não estaria correndo somente para as mãos de determinados artistas, sufocando as possibilidades de surgirem novos talentos? Qual o papel (ou o poder) dos marchands e curadores na projeção de artistas no mercado de arte?

A impressão que tenho é a de que estamos num mar de possibilidades sem fim, se aceitarmos a condição pós-duchampiana de que "tudo pode". Se tudo pode, até o que não faz o menor sentido é permitido. Outro dia vi numa exposição um tijolo com um tufo de cabelo do lado. E a obra não tinha título. Como espectador de arte, ainda que amador, careço de uma chave de interpretação quando me deparo com alguns trabalhos. Se uma obra carece de "etiquetagem", de algum texto que a explique ou que o próprio artista disserte sobre ela, não a vejo como uma obra que fala por si só.

O curioso é que essa relativização da arte põe em xeque o próprio conceito de arte. E a gente se vê numa espiral conceitual estonteante. Se tudo pode, até fazer da crise do conceito da arte uma própria forma de pensá-la é permitido. É como tentar fazer da não-arte, arte, como aconteceu na surreal "Bienal do Vazio", em 2008, em São Paulo, quando um andar do pavilhão ficou inóspito, representando um possível vácuo da atividade artística. Se tudo pode, não há mais debate sobre arte, pois todas as afirmações, ideias e referências conceituais são aceitas.

Por outro lado, esse tatear em busca de novas formas de expressão produz coisas interessantes. Talvez estejamos presenciando uma tensão que pode nos impulsionar para uma nova realidade, um novo período profícuo, mais "palpável" na produção artística, na sua conceituação e numa democratização do mercado. Não podemos desprezar de forma nostálgica algumas experimentações contemporâneas. É muito interessante ver Daniel Senise arrancar impressões do chão numa lona e articular uma obra com esses recortes. Assim como são curiosas as experimentações de Nuno Ramos com materiais nunca usados no fazer artístico.

A implicância de Gullar com os urubus de Nuno Ramos retrata essa tensão. Tensão esta carente de uma explosão para algum caminho cujo motor é a inquietação de ambos. Talvez o poeta aprovasse algumas obras do Nuno, como a série de quadros pesados, feitos com tubos, panos e plásticos coloridos ou os desenhos em carvão e guache da série Anjo e Boneco - ambos mais palpáveis, concretos, como prefere o poeta. Bom que a arte figurativa, abstrata ou volumétrica não fracassou e está correndo paralelamente, já que "tudo pode". Bom também que existam artistas inquietos, tentando fazer a história caminhar, aqui, hoje, nós, pós-duchampianos.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 6/8/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Setenta anos do Rio a Chicago de Arcano9


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2014
01. Marcador de página inteligente - 3/9/2014
02. Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte - 6/8/2014
03. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema - 12/2/2014
04. Proust, rugas e colesterol - 9/4/2014
05. O luto e o luto de Valter Hugo Mãe - 2/7/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AJUDA-TE PELA NOVA AUTO-HIPNOSE
PAUL ADAMS
IBRASA
(1978)
R$ 20,00



ADULTOS SEM FILTRO E OUTRAS CRONICAS
THALITA REBOUCAS
ROCCO
(2012)
R$ 21,87



POR QUE OS HOMENS MENTEM E AS MULHERES CHORAM?
ALLAN E BARBARA PEASE
SEXTANTE
(2003)
R$ 6,00



JUAZEIRO DO PADRE CÍCERO
M. B. LOURENÇO FILHO

R$ 44,00



VAMPIROS EM DALLAS
CHARLAINE HARRIS
ARX
(2010)
R$ 10,00



A MÁSCARA DA MORTE VERMELHA
EDGAR ALLAN POE
MELHORAMENTOS
(2013)
R$ 8,00



O JOVEM FUTEBOLISTA
GARY LINEKER
CIVILIZAÇÃO
(1994)
R$ 11,70



DEVOCIONÁRIO NOSSA SENHORA DA PAZ
MARIA DAS NEVES
SANTA MARIA
(1999)
R$ 3,00



PASSADO E FUTURO DA ERA DA INFORMAÇÃO
RICARDO RANGEL
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,60



PARADOXO GLOBAL
JOHN NAISBITT
CAMPUS
(1998)
R$ 7,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês