Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
30385 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Exposição destaca figura feminina com a leveza da aquarela
>>> Obra de paranaense radicada no Amazonas está entre as finalistas do prêmio Jabuti 2018
>>> Festival Dansk!!BR 10 anos de colaboração Dinamarca - Brasil
>>> Terapeuta de Ambientes Miguel Heilborn ministra palestra no Clube Hebraica, em São Paulo
>>> Livro Politicamente Incorreto da Virgem Maria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
>>> A santidade do pecado em Padre António Vieira
>>> Casa de couro III
>>> Nó de Ventos
>>> Letra & Música
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redentor, a versão nacional e atualizada da Paixão
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II)
>>> Filmes on-line
>>> A Trilogia de Máximo Górki
>>> Apresentação
>>> A Estratégia de Barack Obama, por Libert e Faulk
>>> O som na cabeça
>>> Kasabian - Re-Wired
>>> Zicartola
Mais Recentes
>>> Divergente de Veronica Roth pela Rocco (2012)
>>> Migração e Mão-de-obra: Retirantes Cearenses na Economia Cafeeira... de Paulo Cesar Gonçalves pela Humanitas (2006)
>>> Italianos Sob a Mira da Polícia Polícia Política de Viviane Teresinha dos Santos pela Humanitas (2008)
>>> Catatau de Paulo Leminski pela Iluminuras (2010)
>>> Armagedom em Retrospecto de Kurt Vonnegut pela Lpm (2018)
>>> Democracia Sindical no Brasil de Ericson Crivelli pela LTr (2000)
>>> Instituições de Direito Civil - Volume 1 de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense/Gen (2010)
>>> Maçonaria - Coletânea de Trabalhos dos Anais de 10 Anos - Acomp. CD de Loja Francisco Xavier Ferreira pela Grande Oriente do Rio Grande do Sul (2007)
>>> Prática de Contratos e Instrumentos Particulares de Antonio Celso Pinheiro Franco e Celina Raposo do Amaral Pinheiro Franco pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> O Livro do Travesseiro de Sei Shonagon pela 34 (2018)
>>> O Homem Que Ri de Victor Hugo pela Liberdade (2014)
>>> Responsabilidade Civil - Lei 10.406, de 10.01.2002 de Arnaldo Rizzardo pela Forense (2006)
>>> Contratos e Regulamentações Especiais de Trabalho de Alice Monteiro de Barros pela LTr (2001)
>>> O Poder da Arte de Schama, Simon pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Sudário de John Benville pela Biblioteca Azul (2015)
>>> O violão azul de John Benville pela Biblioteca Azul (2016)
>>> Os infinitos de John Benville pela Nova Fronteira (2011)
>>> 2666 de Roberto Bolaño pela Companhia das Letras (2010)
>>> Box Fernando Pessoa: Ficções do interlúdio, Mensagem & Livro do desassossego de Fernando Pessoa pela Novo Século (2018)
>>> O leão e o chacal mergulhador de Anônimo pela Globo (2009)
>>> O Livro de Orações de Equipe da Editora Eco pela Eco (1973)
>>> Jeito de Ser de Marenos Schmidt e Cláudia Bruscagin Schwantes pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Há Poder em Suas Palavras de Don Gossett pela Vida (1993)
>>> Nada É Impossível Para Deus de Jocymar Fonseca pela Casa Nazareno de Publicações (2003)
>>> Quando o Falar É Ouro de Guiomar de Oliveira Albanesi pela Vida & Consciência (2008)
>>> A gazeta esportiva ilustrada nº295 de Fundação Cásper Libero pela Cásper Libero (1966)
>>> Sobrevivência e Comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Feb (1990)
>>> ...E as Vozes Falaram de Fernando do Ó pela Feb (1946)
>>> Instruções Psicofônicas de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1962)
>>> Amarás de Xavier de Chalendar pela Edições Paulinas (1967)
>>> Cristo em Retalhos de Lambert Noben Mo pela Edições Paulinas (1982)
>>> Luz Acima de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1984)
>>> Mãe: Antologia Mediúnica de Francisco Cândido Xavier pela Casa Ed. O Clarim (1971)
>>> Senzala de Salvador Gentile pela Instituto de Difusão Espírita (1992)
>>> Motoqueiros no Além de Eurícledes Formiga pela Instituto de Difusão Espírita (1996)
>>> Síntese de O Livro dos Espíritos de B. Godoy Paiva pela Edições Feesp (1978)
>>> Sulco de Josemaría Escrivá pela Quadrante (1987)
>>> Bezerra de Menezes: Ontem e Hoje de Equipe da Feb pela Feb (2000)
>>> Lições Para o Cotidiano de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ie (2008)
>>> Vida e Atos dos Apóstolos de Cairbar Schutel pela Casa Ed. O Clarim (1981)
>>> Mente, Corpo e Destino de Katsumi Tokuhisa pela Seicho-no-ie (1984)
>>> Estudando a Mediunidade de Martins Peralva pela Feb (1975)
>>> Escuta, Meu Filho de Corina Novelino pela Instituto de Difusão Espírita (1991)
>>> Anjos cabalisticos de Monica buonfiglio pela Rodar (2018)
>>> O zahir de Paulo coelho pela Gold (2018)
>>> Quatro num fusca de Esdras do nascimento pela Ediouro (2018)
>>> Alameda do sexo de Carlos frança pela Sorvil (2018)
>>> Direitos e garantias no processo penal brasileiro de Rogerio laura tucci pela Saraiva (2018)
>>> Contra o abuso dos bancos de Jonair nogueira martins pela Cs (2018)
>>> Arte no xadrez moderno de Barnie f. winkelman pela Hemus (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/8/2014
Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte
Wellington Machado

+ de 4400 Acessos

É conhecida a resistência do poeta Ferreira Gullar a algumas obras de arte contemporâneas. Além de poeta, Gullar é sabidamente um importante crítico de arte, exercendo este ofício desde a década de 1950. É comum lermos em suas crônicas a crítica aos rumos que a arte está tomando. São recorrentes seus apelos contra a falta de habilidade do artista, à completa ausência de sentido nas obras e ao mau gosto.

Gullar reverbera: "Não adianta me chamar pra ver um paletó, um casal nu ou um monte de cocô; eu não vou; isso não é arte!". É comum também, na exemplificação dessas críticas, as menções à famosa obra Bandeira branca, de Nuno Ramos, na qual o artista expôs urubus no pavilhão da Bienal de 2010, em São Paulo. Em princípio, parece haver uma aversão de Gullar em relação ao que Nuno produz. Mas, ao que parece, a crítica está mais na obra em si do que na figura ou na atitude do artista.

Mas está nesse embate entre Gullar e Nuno, ainda que velado, o cerne da discussão sobre os atuais conflitos da arte contemporânea, creio. A pendenga remete a Duchamp, que balançou todos os conceitos do mundo artístico no início do século 20, ao expor um urinol e uma série de objetos aleatórios, sem sentido aparente, denominados read-mades. A noção primária de que "tudo pode" em arte provocou um divisor de águas que se arrasta até os dias de hoje.

Como apreciador de arte, tendo a concordar com alguns argumentos de Ferreira Gullar. A noção de "belo" na arte se esvaiu, por exemplo. A "essência do belo", reivindicada por Platão no Filebo, atribui à obra de arte a necessidade de harmonia (nas cores, temas, proporções, volumes etc.) e, principalmente, de provocar no espectador o prazer em vê-la. A figura de Eros, no Banquete, representa o amor à beleza. "As coisas são belas porque conduzem a alma para além do corpo", uma beleza que "conduz à ascese", dizia Platão. As obras contemporâneas não contemplam mais a noção de beleza e muito menos provocam a ascese do espectador. Provocam, sim, um estado de estupefação, em alguns casos.

A produção contemporânea não exige mais a habilidade do artista, o talento em desenhar, fazer esboços, apurar tonalidades, calcular sombras e perspectivas. E há muito as obras se transpuseram para fora dos quadros ou dos suportes tradicionais, derivando-se em instalações, performances ou vídeos. E isso levanta questões quanto à perenidade das obras. Não necessariamente os trabalhos contemporâneos são feitos para durarem "uma Mona Lisa". Há trabalhos que duram apenas algumas horas, o período em que estão expostas em museus. Sem falar nas obras que se desintegram. Obras feitas com água, mel ou chocolate. Com gelo! Nuno Ramos experimentou parafina e sabão líquido.

Outra questão intrigante é a portabilidade de determinadas obras. Se comparadas com quadros ou esculturas, que podem ser transportados de um lado para outro e atravessar continentes, as obras contemporâneas não saem do lugar de onde foram criadas. Nuno Ramos enterrou pilares de concreto no chão como se fossem esculturas fixas. Existem trabalhos que só funcionam em um determinado lugar, num tempo específico. O ambiente é parte integrante do objeto.

E a situação se complica mais quando discutimos o mercado da arte. O que vem primeiro na era contemporânea: os movimentos artísticos (ainda que fragmentados), que provocam a criação de um mercado, ou o mercado, que influencia e direciona os movimentos? O rio não estaria correndo somente para as mãos de determinados artistas, sufocando as possibilidades de surgirem novos talentos? Qual o papel (ou o poder) dos marchands e curadores na projeção de artistas no mercado de arte?

A impressão que tenho é a de que estamos num mar de possibilidades sem fim, se aceitarmos a condição pós-duchampiana de que "tudo pode". Se tudo pode, até o que não faz o menor sentido é permitido. Outro dia vi numa exposição um tijolo com um tufo de cabelo do lado. E a obra não tinha título. Como espectador de arte, ainda que amador, careço de uma chave de interpretação quando me deparo com alguns trabalhos. Se uma obra carece de "etiquetagem", de algum texto que a explique ou que o próprio artista disserte sobre ela, não a vejo como uma obra que fala por si só.

O curioso é que essa relativização da arte põe em xeque o próprio conceito de arte. E a gente se vê numa espiral conceitual estonteante. Se tudo pode, até fazer da crise do conceito da arte uma própria forma de pensá-la é permitido. É como tentar fazer da não-arte, arte, como aconteceu na surreal "Bienal do Vazio", em 2008, em São Paulo, quando um andar do pavilhão ficou inóspito, representando um possível vácuo da atividade artística. Se tudo pode, não há mais debate sobre arte, pois todas as afirmações, ideias e referências conceituais são aceitas.

Por outro lado, esse tatear em busca de novas formas de expressão produz coisas interessantes. Talvez estejamos presenciando uma tensão que pode nos impulsionar para uma nova realidade, um novo período profícuo, mais "palpável" na produção artística, na sua conceituação e numa democratização do mercado. Não podemos desprezar de forma nostálgica algumas experimentações contemporâneas. É muito interessante ver Daniel Senise arrancar impressões do chão numa lona e articular uma obra com esses recortes. Assim como são curiosas as experimentações de Nuno Ramos com materiais nunca usados no fazer artístico.

A implicância de Gullar com os urubus de Nuno Ramos retrata essa tensão. Tensão esta carente de uma explosão para algum caminho cujo motor é a inquietação de ambos. Talvez o poeta aprovasse algumas obras do Nuno, como a série de quadros pesados, feitos com tubos, panos e plásticos coloridos ou os desenhos em carvão e guache da série Anjo e Boneco - ambos mais palpáveis, concretos, como prefere o poeta. Bom que a arte figurativa, abstrata ou volumétrica não fracassou e está correndo paralelamente, já que "tudo pode". Bom também que existam artistas inquietos, tentando fazer a história caminhar, aqui, hoje, nós, pós-duchampianos.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 6/8/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
02. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
03. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro
04. Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
05. Ação Social de Ricardo de Mattos


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2014
01. Marcador de página inteligente - 3/9/2014
02. Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte - 6/8/2014
03. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema - 12/2/2014
04. O luto e o luto de Valter Hugo Mãe - 2/7/2014
05. Gabo, os escritores e a política - 14/5/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EDUCAÇÃO BATISTA NO BRASIL UMA ANÁLISE COMPLEXA
JOSÉ NEMÉSIO MACHADO
CBB
(1999)
R$ 8,00



PROGRAMAÇÃO JAVA PARA WIRELESS
ÉRICO TAVARES DE MATTOS
DIGERATI
(2005)
R$ 7,00



FORMULÁRIO MÉDICO FARMACÊUTICO
JOSÉ ANTONIO DE OLIVEIRA BATISTUZZO E MASAYUKI ITAYA E YUKIKO ETO
TECNOPRESS
(2002)
R$ 130,00



VIDAS DE ESTADISTAS AMERICANOS - 1º VOLUME - 2ª EDIÇÃO
HENRY THOMAS; DANA LEE THOMAS
GLOBO
(1957)
R$ 10,00



GESCHICHTEN AUS DEM FABELWALD VON DEN TIEREN, ZWERGEN UND RIESEN
TONY WOLF (ILLUSTRATOR)
PESTALOZZI VERLAG
(1984)
R$ 29,90



UM MUNDO TRANSPARENTE
MORRIS WEST
RECORD
(1983)
R$ 7,00



TOBRUK A CHAVE DO EGITO
JAMES W. STOCK
RENES
(1973)
R$ 10,00



CAPACITAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS E DO PBF
MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL
MINISTÉRIO DO DENSENVOLVIMENT
(2008)
R$ 23,90



8 VITAL RELATIONSHIPS FOR THE GROWING CHRISTIAN
HADDON W. ROBINSON - R. LARRY MOYER
BIBLE BELIEVERS CASSETTES
(1982)
R$ 35,00



A NUVEM ENVENENADA
A. CONAN DOYLE
NEWTON COMPTON BRASIL
R$ 8,99





busca | avançada
30385 visitas/dia
851 mil/mês