O luto e o luto de Valter Hugo Mãe | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Homem Aranha Nº 63 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2007)
>>> Homem Aranha Nº 74 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2008)
>>> La Razon de Mi Vida de Eva Peron pela Peuser (1953)
>>> mem Aranha Nº 67 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2007)
>>> Homem Aranha Nº 44 Marvel Millennium - 5G de Marvell pela Panini (2005)
>>> Nw de Zadie Smith pela Penguin Books (2013)
>>> Homem Aranha Nº 59 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2006)
>>> Oi, Gente: Histórias para Você Ler de Evanildo Bechara pela Edicoes Consultor (2008)
>>> Homem Aranha Nº 58 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2006)
>>> Homem Aranha Nº 69 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2007)
>>> Box - A Segunda Guerra Mundial - 3 Volumes de Martin Gilbert pela Leya (2019)
>>> Pato Donald - Perdidos nos Andes de Carl Barks - Walt Disney pela Abril (2016)
>>> A Língua de fora de Carlos Eduardo Novaes pela Nordica (1979)
>>> Psicologia aplicada à administração de empresas de Cecília Whitaker Bergamini pela Atlas (1988)
>>> Vacas, Porcos, Guerras e Bruxas: Os enigmas da Cultura de Marvin Harris pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Nordeste Alternativas da Agricultura de Manuel C. de Andrade pela Papirus (1988)
>>> O Distante Eufrates de Aryeh Lev Stollman pela Bertrand Brasil (2000)
>>> Homem Aranha Nº 25 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2021)
>>> Maravilhas do Conto Francês de Diaulas Riedel (org.) pela Cultrix
>>> O Erotismo: Fantasias e Realidades do Amor e da Sedução de Francesco Alberoni pela Círculo do Livro (1992)
>>> Administração de Marketing: Análise, Planejamento, Implementação e Controle de Philip Kotler pela Atlas (1994)
>>> Ensino Fundamental - 3º Ano, 2ª Série - 1ª Volume de Patrícia Waltiach pela Positivo (2009)
>>> Estudo Geral dos Metais de Bernardo Samu e Chinya Assahina pela Grêmio Politécnico (1953)
>>> Maigret et les Braves Gens de Georges Simenon pela Uge Poche (1996)
>>> Walt Disney World de Walt Disney Company pela Walt Disney Company (1986)
COLUNAS

Quarta-feira, 2/7/2014
O luto e o luto de Valter Hugo Mãe
Wellington Machado

+ de 4300 Acessos


Imagem: Jakeline Lins



Tenho a impressão de que o luto está se esvaindo. Já não se cumprem mais lutos como antigamente. Lembro de, quando garoto, sair pra pescar com meu pai nas redondezas da Cordisburgo de Guimarães Rosa. Quando chegamos no rancho, na beirada do Rio das Velhas, encontramos a dona Maria sentada no quintal, cumprindo o luto do Nhô, o rancheiro amigo de meu pai. Havia por perto um par de sapatos, uma camisa e uma calça do falecido. "Deus levou Nhô, faz três meses", foram as palavras de dona Maria, desamparada. Luto durável. Lembro bem também do luto de dona Risoleta, esposa de Tancredo Neves. Me lembro de vê-la, anos depois da morte do marido, surgindo de preto e óculos escuros nos eventos oficiais. E não consigo me esquecer do provável luto eterno dos Rubens Paiva, que há 40 anos espera enterrar seu patriarca.

O ritual do luto está mais curto, acho. Correria da vida moderna? Estaríamos ludibriando o luto com consumo? Vejo pessoas criando fórmulas de burlar o luto. Uma vizinha, ao perder o marido, arrumou as malas e foi "espairecer" em Paris. Não acreditei quando vi na TV uma personalidade brasileira sair de uma festa badalada, um tanto alterada e numa alegria contagiante, poucos meses depois de ter perdido o filho numa morte trágica. Em raras situações presenciei tamanho desprendimento. O tempo ritualístico do luto de dona Maria, esposa do rancheiro Nhô, não é mais o tempo do homem moderno.

O luto poético de Hugo Mãe
O escritor português Valter Hugo Mãe, em seu mais recente romance, A desumanização, retoma de forma cruel a prática familiar do luto, mas de uma maneira poética. O livro narra a história de duas irmãs gêmeas, Sigridur e Halla. A primeira morre aos 12 anos. Halla passa a viver, portanto, sem a sua "metade", em meio a uma família desestruturada. Ela tem uma relação conflituosa - de ódio, até - com a mãe. Por outro lado, ela se identifica com o pai - uma pessoa lúdica e sensível; um poeta. Como se não bastassem os conflitos familiares, Halla engravida de forma prematura de Einar, um adulto truculento, feio e ingênuo. Um rejeitado pela sociedade. A garota tem de lidar com a rejeição social ainda na adolescência.

Mas o fio que conduz a narrativa é a maneira como a família vivencia o luto de Sigridur, a forma como concebem simbolicamente seu corpo afundado na terra, como se fosse um "plantio" para o renascer de uma árvore. Eles tinham a expectativa de que a irmã "brotasse" da terra. O luto a que a família se impõe é cruel, quase masoquista. A mãe sangrava, "vingava-se de si mesma por não ter sabido salvar uma filha". O luto desumaniza, cria "gente sem gente dentro", nas palavras de Hugo Mãe.

A revolta de Halla é impactante. Ela teme o próprio crescimento com o passar dos anos, como se fosse "abandonar" a irmã na memória e na história. Halla se imagina um bonsai ("corta meu corpo, impede-o de mudar"); ela quer manter a aparência da irmã para não perdê-la com o tempo ("vou passar a andar encolhida, dormir apertada, comer menos").

O luto da família se arrasta quase que infinitamente. O ritual de adoração a Sigridur é uma questão de honra familiar, uma espécie de ética. A esperança de trazer a irmã de volta evidencia a inocência e a pureza dos personagens. Mas o tempo se encarrega de regular as coisas. De tanto Sigridur "não vir", a família vai se descolando dos rituais. Ao mesmo tempo a ausência da irmã cumpre a função de reumanizar as pessoas, transformar as personalidades, amolecer corações e semear poesia nas relações. A reorganização familiar é um exemplo de superação.

Ler Valter Hugo Mãe é ter contato com uma narrativa poética a cada parágrafo. Especificamente em A desumanização, o autor se sai bem na pele de Hallar, uma garota adolescente e imatura. Não há como não detectar, em várias partes do livro, a influência de Guimarães Rosa na forma de narrar de Hugo Mãe. Dono de uma das mais autênticas vozes narrativas portuguesas, o escritor surpreende o leitor com a força das cenas criadas. Eis um um pequeno exemplo, na passagem em que Halla narra seu aborto:

As águas saíram fedendo de dentro de mim. Escorreram como mal cozinhadas, a coagular. Traziam sangue e sangue solidificado. Eram novelos vermelhos que tinham pequenos filamentos, como anémonas do coração. Medusas. Monstros do coração. Perdi os sentidos.

Quando me puseram um filho quieto nos braços, julguei que o meu próprio corpo se tinha ao colo. Julguei que os meus braços se seguravam. O corpo quieto do meu filho ainda mal completo. Enrugado. Uns gramas de filho que não se sustentaram. Estavam no pano postos como uma pressa inexplicável. Era um filho à pressa. A minha mãe disse: fazes tudo assim, maldita, fazes tudo como se fosses um bicho. Vou gostar de te ver morta como um bicho também.

E eu respondi: morra a senhora também, minha mãe.

O Eimar veio gritar de louco ao pé da nossa casa. Souberam todos que eu estava de morte ao colo. Souberam todos como ele chorou e se enfureceu. O meu pai, punido, abraçou o louco. Deixou-o entrar. Eu disse-lhe: está morto. Agora, é mais uma coisa de deus.

A pele de minha barriga estava solta. Era muita pele para nada dentro. E estava seca. Tocava-lhe, sem filho, sentia que o corpo se alheava de mim, como muito distinto de mim, Rejeitando-me. Uma casa assaltada. Não era alguém. Era uma casa assaltada. Um lugar que, subitamente, se desocupara. Um lugar que alguém rejeitara.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 2/7/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
02. Sobreviver à quarentena de Luís Fernando Amâncio
03. 4 filmes sobre publicar livros de Ana Elisa Ribeiro
04. A Casa das Aranhas, de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
05. Crônica à la Caio Fernando Abreu de Elisa Andrade Buzzo


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2014
01. Marcador de página inteligente - 3/9/2014
02. Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte - 6/8/2014
03. Proust, rugas e colesterol - 9/4/2014
04. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema - 12/2/2014
05. O luto e o luto de Valter Hugo Mãe - 2/7/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Twentieth Century Sculpture
E H Ramsden
Pleiades Books (londres)
(1949)



Introdução aos Recursos Cíveis e á Ação Rescisória
Bernardo Pimentel Souza
Saraiva
(2007)



Noções de Literatura Portuguêsa
Y. Fujyama
Ática
(1969)



Macromedia Flashmx 2004
Anielle Damasceno
Visual Books
(2004)



Emancipação, Emancipações: a Libertação dos Judeus no Ocidente
Edgard Leite
Walprint
(2012)



Como Falar Corretamente e sem Inibições - Contém um Cd
Reinaldo Polito
Saraiva
(1999)



Era uma Vez no Instituto de Educação
Zilá Simas Enéas
Autora (rj)
(1998)



Ira Implacável: Indícios de uma Conspiração.
Luis Eduardo Matta
Razão Cultural
(2002)



O Século Dourado
S. Squirra
Summus
(1995)



Planejamento do Controle Administrativo
Ian Holden Peter K. Mcilroy
Ao Livro Técnico
(1972)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês