Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2º Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música que surge do nada
>>> Hackeando o Sistema Democrático
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Vontade de abraçar todo mundo
>>> Italo Calvino: descobridor do fantástico no real
>>> Notícias do Brasil
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
Mais Recentes
>>> Gramática de Hoje - Curso Ilustrado para 5º a 8º Série de Ernani e Nicola pela Scipione (1995)
>>> Guia do Brigadeiro de Sem Autor pela Alto astral (2012)
>>> Dinâmicas de Grupo: Redescobrindo Valores de Giovanna Leal Borges pela Vozes (2002)
>>> A Chave dos Lusíadas 11ª edição. de Luís de Camões (prefacio e notas de José Agostinho pela Figueirinhas Porto
>>> Guia Arte e Artesanato Bonecas de Pano de Varios Autores pela Casadois (2014)
>>> Guia de Ouro: Patch Apliquê - 290 Ideias de Moldes de Guia de Ouro pela Alto Astral (2013)
>>> Páginas Preferidas (versos) primeiro volume de Armando Gonçalves pela Autor (1964)
>>> Guia Arte e Artesanato Applique 52 Modelos Passo a Passo de Janaina Medeiros pela Artesanato (2013)
>>> Market Leader Upper Intermediate Business English Practice File de John Rogers pela Pearson Longman (2006)
>>> Os Temperamentos - a Face Revela o Homem- II de Norbert Glas pela Antroposofica (2011)
>>> Noções fundamentais da língua latina de Napoleão Mendes de Almeida pela Saraiva (1957)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis (14) pela Folha (2008)
>>> Uma Historia de Sabedoria e Riqueza de Mark Fisher pela Ediouro (1997)
>>> Five-minute Activities: a Resource Book of Short Activities de Penny Ur e Andrew Wright pela Cambridge University Press (1992)
>>> Sexo e Sexualidade Adolescência: Feliz... Idade de TodoLivro pela Todolivro
>>> Quem mexeu na minha bagunça ? de Celi Piernikarz pela Cortez
>>> Viagem ao Centro da Terra Em Quadrinhos de Júlio Verne pela Farol Hq (2010)
>>> Crianca Aos 9 Anos, A de Hermann Koepke pela Antroposofica (2014)
>>> Dom Quixote. O Cavaleiro Da Triste Figura - Coleção Reencontro Literatura de Miguel De Cervantes pela Scipione (paradidaticos) (2007)
>>> Quando os Lobos Uivam de Aquino Ribeiro pela Livraria Bertrand (1958)
>>> Amargo Despertar de Sardou Victorien pela O Clarim (1978)
>>> Querida Mamãe: Obrigado Por Tudo de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Os Mais Relevantes Projetos de Conclusão dos Cursos - Mbas 2014 de Strong Educacional pela Fgv (2015)
>>> Mobimento: Educação e Comunicação Mobile de Wagner Merije pela Peirópolis (2012)
>>> Go beyond students book pack 2 workbook de Nina Lauder, Ingrid Wisniewska pela Macmillan Education (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/2/2014
Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema
Wellington Machado
+ de 5100 Acessos

Qual é a gênese da hipersexualidade? Seria um distúrbio inato ou socialmente influenciável? Teria o amor lugar na compulsão erótica? Quem vê as primeiras imagens de Ninfomaníaca, de Lars von Trier, parece estar diante cenas produzidas por Tarkovski em Stalker: um ambiente lúgubre, inóspito e úmido, com líquidos escorrendo e gotejando por todo lado. A cena parece retratar um vazio existencial, ainda que permeado de excitação constante - a umidade é uma metáfora onipresente. Joe ( Charlotte Gainsbourg) está deitada no chão sujo, gravemente ferida. Não sabemos se foi uma tentativa de suicídio, se foi empurrada ou violentada. Ela é amparada por Seligman ( Stellan Skarsgard), um senhor culto e solitário, que a leva para seu apartamento. Ela se propõe a narrar a ele suas compulsões sexuais desde a infância. Eis a história do filme. Simples, narrada em flashbacks.

"Eu vejo o pôr-do-sol diferente das outras pessoas", pensa Joe ao refletir sobre sua condição. Essa "diferença" é percebida ainda na infância pela personagem. Uma ninfomaníaca tem reações multifacetadas e inesperadas; muitas vezes contraditórias e inconstantes. Lars von Trier é didático. Apesar de a história ser narrada de forma elementar, Ninfomaníaca é quase um tratado sobre luxúria, amor, dominação, delírio, sofrimento e manipulação. O filme é permeado por questionamentos filosóficos, analogias com animais, referências a mapas, desenhos, superstições com números e citações literárias (Edgar Allan Poe). Joe, como "objeto de estudo", é uma metáfora para a reflexão não só sobre suas pulsões sexuais, mas também sobre como "o outro lado" - no caso, os homens - reagem a ela, de forma machista, dissimulada, às vezes hipócrita.

Tamanho número de referências dão ao filme um tom caleidoscópico. A gênese da patologia, por exemplo, é narrada por von Trier fazendo uma referência à fase ninfa dos insetos: uma metamorfose, quando estes ainda "não sabem o que serão", uma fase de descoberta em que os caminhos futuros podem estar relegados ao puro acaso. O despertar de uma hiperatividade sexual, na visão do diretor, pode estar numa brincadeira entre duas garotinhas no chão molhado e escorregadio de um banheiro. Elas se tocam eventualmente e se olham, como se um sentimento obscuro e indecifrável as acometesse. Há um corte brusco na cena para a imagem de um sapo gosmento se lançando ao rio, formando um filete viscoso.

Lars von Trier tenta mostrar como uma ninfomaníaca direciona - consciente ou não - aspectos sociais à sua conveniência. Joe, ainda na infância, tem em seu pai um ídolo insuperável. Ele disserta, de forma constante, sobre a beleza de uma árvore oleácea (viscosa?), o freixo - a perfeição de suas folhas, seu fruto preto, suas mutações durante o crescimento. A árvore representa um objeto fálico para a garota: a beleza do tronco que "se isola" ereto no inverno, com a queda das folhas. "É no inverno que as árvores mostram sua alma", diz o pai. Na adolescência, Joe já é sexualmente compulsiva: além do prazer sexual, ela precisa de quantidade e diversidade de parceiros, como se se estabelecesse uma meta numérica de relações.

A inconsequência e a indiferença parecem ser uma constante no comportamento ninfomaníaco. O sentimento alheio é ignorado de forma descartável e cínica. Tudo é manipulado em prol da própria satisfação sexual. Joe destrói casamentos e brinca com o machismo dos seus parceiros insuflando-lhes o ego. Até o sofrimento alheio é transformado em prazer: ela se excita com o agonia do pai, que está à beira da morte no leito do hospital. A dominação para a ninfomaníaca tem nuances ambíguas: ela gosta de dominar, mas sente prazer também em ser dominada. O filme aborda também a condição do "outro", a diversidade de parceiros com os quais Joe se relaciona. Parece ser um objetivo para ela conhecer as várias formas de personalidades masculinas existentes. Ela se relaciona com homens desde os mais gentis até os mais estúpidos e agressivos. E essa diversidade de parceiros também é física: ela se relaciona com homens másculos, magros, gordos, sujos etc.

A "investigação" de Lars von Trier tenta decifrar a visão da ninfomaníaca sobre o amor. Para ela, há um sentimento de revolta contra os padrões tradicionalmente estabelecidos: "combater a sociedade obcecada pelo amor", diz a protagonista, como se empunhasse uma bandeira. Na relação entre erotismo e amor, ela afirma que o erótico é mais sincero (por ser carnal, identificável, decifrável); já no amor, as pessoas dizem sim quando querem dizer não, num simulacro mútuo insincero, cujo único objetivo é a preservação da relação - ainda que a duras penas. Mas há uma contradição na personalidade ninfomaníaca. Ao mesmo tempo em que ela se relaciona com inúmeros parceiros, ela é acometida por uma melancolia profunda, um sentimento de solidão incurável.

Diante de tantos parceiros, a ninfomaníaca não teria predileção por algum? Sim, ela elege "o parceiro", a pessoa que lhe dá um prazer superior ao dos outros. Um parceiro que lhe umedece de forma diferente, que a beija com um movimento de língua peculiar, que a toca nos lugares exatos. Esta é uma relação que parece transcender o êxtase. O "eleito" é insuperável em excitação. Mas tudo é possível para uma ninfomaníaca. Inclusive, no auge da excitação, à beira do orgasmo, ser acometida por uma ruptura total. Aí tudo para, o mundo para, o som para num enorme hiato. Uma ruptura brusca: "Eu não sinto nada", diz.

Lars von Trier filma Ninfomaníaca como se fizesse uma colagem. Os animais são uma analogia constante: o jaguar com uma presa na boca representa uma personalidade dominadora; uma leoa presa numa jaula é uma metáfora para a solidão de Joe. A música polifônica de Bach é um modelo para a diversidade de relacionamentos vividos pela protagonista. Uma sequência de imagens em preto-e-branco representa o sofrimento do pai numa ambientação que remete à "Queda da casa de Usher", de Edgar Allan Poe. Cortes abruptos, troca de tonalidades nas cenas, momentos de secura, movimentos de câmera que simulam o olho humano são características que remetem ao Dogma 95, movimento criado pelo diretor, juntamente com outros cineastas. A trilha sonora pesada da banda alemã Rammstein dão um tom de contemporaneidade ao filme. Tão importante quanto a escolha da trilha é ter a noção exata do melhor momento para executar cortes bruscos na mesma, num contraste seco com silêncios absolutos, promovendo guinadas na narrativa.

Ninfomaníaca só vem a comprovar a versatilidade e a evolução do Lars von Trier, após trilhar pelo debochado Os idiotas, um musical melancólico (Dançando no escuro); filmes claustrofóbicos e impiedosos com o ser humano (Dogville e Manderlay); a simbologia em Anticristo e a explosão de imagens oníricas em Melancolia. Alguns afoitos classificaram o Ninfomaníaca como um filme pornô. Uma atrocidade. As cenas de nudez e sexo explícito, motivo pelo qual os eufóricos correram para os cinemas, não passam de meros adereços ilustrativos.

Segundo Montaigne, escrever ensaios é refletir de forma autônoma sobre um assunto complexo, geralmente alheio à especialidade do autor, atribuindo ao tema uma forma coerente e apresentando-o de maneira organizada (no caso de Ninfomaníaca, em capítulos temáticos). Enfim, apresentar uma reflexão original sobre qualquer assunto, recheando-o de exemplos práticos que elucidem tal ideia, ainda que feita por um não especialista. Essa visão parece bem perto do que Lars von Trier fez no filme, sem ser psicólogo ou psiquiatra (o que não quer dizer que ele não os tenha lido; provavelmente o fez). Apesar de uma vida intensa, Joe está apenas na adolescência nessa primeira parte do filme. Que venha o NINF()MANÍACA - Volume 2.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 12/2/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A perfeição de Spike Lee de Marcelo Miranda


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2014
01. Marcador de página inteligente - 3/9/2014
02. Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte - 6/8/2014
03. O luto e o luto de Valter Hugo Mãe - 2/7/2014
04. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema - 12/2/2014
05. Proust, rugas e colesterol - 9/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Domínio Sombrio
Val Mcdermid
Bertrand Brasil
(2010)



Les Chevaux Arabes
Carl R. Raswan-Ursula Guttmann
Stock
(1967)



Livro Pedagogia Educação Matemática Representação Construção Em Geometria
Estela Kaufman Fainguelernt
Artmed
(1999)



O Melhor do Maior Jornal do Planeta - o Planeta Diário
Desiderata
Desiderata
(2007)



/Negrinha
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1968)



Livro Infanto Juvenis O Fantasma de Canterville / Os Irmãos Corsos / Sonhos Clássicos Juvenis Três por Três
Oscar Wilde; Alexandre Dumas e Outros
Atual
(2006)



Livro Literatura Estrangeira Varennes A Morte da Realeza: 21 de Junho de 1791
Mona Ozouf; Rosa Freire Daguiar
Companhia das Letras
(2009)



Como Organizar e Administrar uma Cooperativa 2ª Edição
Helnom de Oliveira Crúzio
Fgv
(2001)



Atlas de Animais Aquáticos Perigosos do Brasil - Guia Médico de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes
Vidal Haddad Jr.
Roca
(2000)



A Perfect Life
Danielle Steel
Delacorte
(2014)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês