Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/2/2014
Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema
Wellington Machado

+ de 3800 Acessos

Qual é a gênese da hipersexualidade? Seria um distúrbio inato ou socialmente influenciável? Teria o amor lugar na compulsão erótica? Quem vê as primeiras imagens de Ninfomaníaca, de Lars von Trier, parece estar diante cenas produzidas por Tarkovski em Stalker: um ambiente lúgubre, inóspito e úmido, com líquidos escorrendo e gotejando por todo lado. A cena parece retratar um vazio existencial, ainda que permeado de excitação constante - a umidade é uma metáfora onipresente. Joe ( Charlotte Gainsbourg) está deitada no chão sujo, gravemente ferida. Não sabemos se foi uma tentativa de suicídio, se foi empurrada ou violentada. Ela é amparada por Seligman ( Stellan Skarsgard), um senhor culto e solitário, que a leva para seu apartamento. Ela se propõe a narrar a ele suas compulsões sexuais desde a infância. Eis a história do filme. Simples, narrada em flashbacks.

"Eu vejo o pôr-do-sol diferente das outras pessoas", pensa Joe ao refletir sobre sua condição. Essa "diferença" é percebida ainda na infância pela personagem. Uma ninfomaníaca tem reações multifacetadas e inesperadas; muitas vezes contraditórias e inconstantes. Lars von Trier é didático. Apesar de a história ser narrada de forma elementar, Ninfomaníaca é quase um tratado sobre luxúria, amor, dominação, delírio, sofrimento e manipulação. O filme é permeado por questionamentos filosóficos, analogias com animais, referências a mapas, desenhos, superstições com números e citações literárias (Edgar Allan Poe). Joe, como "objeto de estudo", é uma metáfora para a reflexão não só sobre suas pulsões sexuais, mas também sobre como "o outro lado" - no caso, os homens - reagem a ela, de forma machista, dissimulada, às vezes hipócrita.

Tamanho número de referências dão ao filme um tom caleidoscópico. A gênese da patologia, por exemplo, é narrada por von Trier fazendo uma referência à fase ninfa dos insetos: uma metamorfose, quando estes ainda "não sabem o que serão", uma fase de descoberta em que os caminhos futuros podem estar relegados ao puro acaso. O despertar de uma hiperatividade sexual, na visão do diretor, pode estar numa brincadeira entre duas garotinhas no chão molhado e escorregadio de um banheiro. Elas se tocam eventualmente e se olham, como se um sentimento obscuro e indecifrável as acometesse. Há um corte brusco na cena para a imagem de um sapo gosmento se lançando ao rio, formando um filete viscoso.

Lars von Trier tenta mostrar como uma ninfomaníaca direciona - consciente ou não - aspectos sociais à sua conveniência. Joe, ainda na infância, tem em seu pai um ídolo insuperável. Ele disserta, de forma constante, sobre a beleza de uma árvore oleácea (viscosa?), o freixo - a perfeição de suas folhas, seu fruto preto, suas mutações durante o crescimento. A árvore representa um objeto fálico para a garota: a beleza do tronco que "se isola" ereto no inverno, com a queda das folhas. "É no inverno que as árvores mostram sua alma", diz o pai. Na adolescência, Joe já é sexualmente compulsiva: além do prazer sexual, ela precisa de quantidade e diversidade de parceiros, como se se estabelecesse uma meta numérica de relações.

A inconsequência e a indiferença parecem ser uma constante no comportamento ninfomaníaco. O sentimento alheio é ignorado de forma descartável e cínica. Tudo é manipulado em prol da própria satisfação sexual. Joe destrói casamentos e brinca com o machismo dos seus parceiros insuflando-lhes o ego. Até o sofrimento alheio é transformado em prazer: ela se excita com o agonia do pai, que está à beira da morte no leito do hospital. A dominação para a ninfomaníaca tem nuances ambíguas: ela gosta de dominar, mas sente prazer também em ser dominada. O filme aborda também a condição do "outro", a diversidade de parceiros com os quais Joe se relaciona. Parece ser um objetivo para ela conhecer as várias formas de personalidades masculinas existentes. Ela se relaciona com homens desde os mais gentis até os mais estúpidos e agressivos. E essa diversidade de parceiros também é física: ela se relaciona com homens másculos, magros, gordos, sujos etc.

A "investigação" de Lars von Trier tenta decifrar a visão da ninfomaníaca sobre o amor. Para ela, há um sentimento de revolta contra os padrões tradicionalmente estabelecidos: "combater a sociedade obcecada pelo amor", diz a protagonista, como se empunhasse uma bandeira. Na relação entre erotismo e amor, ela afirma que o erótico é mais sincero (por ser carnal, identificável, decifrável); já no amor, as pessoas dizem sim quando querem dizer não, num simulacro mútuo insincero, cujo único objetivo é a preservação da relação - ainda que a duras penas. Mas há uma contradição na personalidade ninfomaníaca. Ao mesmo tempo em que ela se relaciona com inúmeros parceiros, ela é acometida por uma melancolia profunda, um sentimento de solidão incurável.

Diante de tantos parceiros, a ninfomaníaca não teria predileção por algum? Sim, ela elege "o parceiro", a pessoa que lhe dá um prazer superior ao dos outros. Um parceiro que lhe umedece de forma diferente, que a beija com um movimento de língua peculiar, que a toca nos lugares exatos. Esta é uma relação que parece transcender o êxtase. O "eleito" é insuperável em excitação. Mas tudo é possível para uma ninfomaníaca. Inclusive, no auge da excitação, à beira do orgasmo, ser acometida por uma ruptura total. Aí tudo para, o mundo para, o som para num enorme hiato. Uma ruptura brusca: "Eu não sinto nada", diz.

Lars von Trier filma Ninfomaníaca como se fizesse uma colagem. Os animais são uma analogia constante: o jaguar com uma presa na boca representa uma personalidade dominadora; uma leoa presa numa jaula é uma metáfora para a solidão de Joe. A música polifônica de Bach é um modelo para a diversidade de relacionamentos vividos pela protagonista. Uma sequência de imagens em preto-e-branco representa o sofrimento do pai numa ambientação que remete à "Queda da casa de Usher", de Edgar Allan Poe. Cortes abruptos, troca de tonalidades nas cenas, momentos de secura, movimentos de câmera que simulam o olho humano são características que remetem ao Dogma 95, movimento criado pelo diretor, juntamente com outros cineastas. A trilha sonora pesada da banda alemã Rammstein dão um tom de contemporaneidade ao filme. Tão importante quanto a escolha da trilha é ter a noção exata do melhor momento para executar cortes bruscos na mesma, num contraste seco com silêncios absolutos, promovendo guinadas na narrativa.

Ninfomaníaca só vem a comprovar a versatilidade e a evolução do Lars von Trier, após trilhar pelo debochado Os idiotas, um musical melancólico (Dançando no escuro); filmes claustrofóbicos e impiedosos com o ser humano (Dogville e Manderlay); a simbologia em Anticristo e a explosão de imagens oníricas em Melancolia. Alguns afoitos classificaram o Ninfomaníaca como um filme pornô. Uma atrocidade. As cenas de nudez e sexo explícito, motivo pelo qual os eufóricos correram para os cinemas, não passam de meros adereços ilustrativos.

Segundo Montaigne, escrever ensaios é refletir de forma autônoma sobre um assunto complexo, geralmente alheio à especialidade do autor, atribuindo ao tema uma forma coerente e apresentando-o de maneira organizada (no caso de Ninfomaníaca, em capítulos temáticos). Enfim, apresentar uma reflexão original sobre qualquer assunto, recheando-o de exemplos práticos que elucidem tal ideia, ainda que feita por um não especialista. Essa visão parece bem perto do que Lars von Trier fez no filme, sem ser psicólogo ou psiquiatra (o que não quer dizer que ele não os tenha lido; provavelmente o fez). Apesar de uma vida intensa, Joe está apenas na adolescência nessa primeira parte do filme. Que venha o NINF()MANÍACA - Volume 2.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 12/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
02. Fake news, passado e futuro de Luís Fernando Amâncio
03. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti
04. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
05. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2014
01. Marcador de página inteligente - 3/9/2014
02. Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte - 6/8/2014
03. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema - 12/2/2014
04. Proust, rugas e colesterol - 9/4/2014
05. O luto e o luto de Valter Hugo Mãe - 2/7/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MÁGICO DE OZ - COL. CLÁSSICOS PARA SEMPRE
MAURÍCIO DE SOUSA
GIRASSOL
(2015)
R$ 9,00



FLASHES
MANOEL RAMOS E NEIDE RAMOS
EDITORAÇÃO
(2002)
R$ 15,00



A MAQUINA DO AMOR
JACQUELINE SUSANN
ABRIL
(1985)
R$ 6,00



ESCOLA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL
VITOR HENRIQUE
CULTRIX
(1983)
R$ 18,90



A ESCRAVA ISAURA
BERNARDO GUIMARÃES
ATICA
R$ 5,00



DEZ CONVERSAS - DIÁLOGOS COM POETAS CONTEMPORÂNEOS
FABRÍCIO MARQUES
GUTENBERG
(2004)
R$ 17,90



JUS SANGUINIS
MARCOS ELIAS
RAMA
(2009)
R$ 4,00



O ESPAÇO NA POESIA E NA PINTURA ATRAVÉS DO PONTO DE FUGA
MARSHALL MCLUHAN E HARLEY PARKER
HEMUS
(1975)
R$ 38,00



A ARTE DA LINGUAGEM CORPORAL - DIGA TUDO QUE PENSA SEM PRECISAR FALAR
JAMES BORG
SARAIVA
(2011)
R$ 39,90



CARTAS DE MANÚ
MÓNICA PALACIOS
SOUL
(2019)
R$ 35,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês