Tempo de aspargos | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Concerto reunirá Orquestra da Colômbia e Ensemble Multipiano
>>> Poeta cearense Priscilla Pinheiro estreia na literatura infantojuvenil com livro de poemas
>>> Ambulantes leva show de novo álbum para o Centro Cultural Galeria Olido
>>> Nas férias, Festival Allegria reúne atrações gratuitas de teatro, circo e música em São Paulo
>>> Projeto ‘Mulheres Rurais da Montanha’ oferece oficinas gratuitas de tecelagem em Itamonte (MG)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Deleter
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Trio 3-63, de Andrea Ernest, Marcos Suzano e Paulo Braga
>>> Os contistas puros-sangues estão em extinção
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> O que está por baixo do medo de usar saia?
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Meu Amor é Puro Sangue
Mais Recentes
>>> A Utopia ou a Morte (Capa Dura) de René Dumont pela Círculo do Livro
>>> O que é Revolução 2 edição - coleção primeiros passos 25 de Florestan Fernandes pela Brasiliense (1981)
>>> Resistencia de Materiales de Ferdinand L. Singer pela Harla (1971)
>>> Construindo um Blog de Sucesso com o Wordpress 3 de Daniella Borges de Brito pela Brasport (2011)
>>> Elementos de Resistência dos Materiais de Prof. Gerson Cunha pela Universidade Católica de Mina (1973)
>>> Ternura e Desejo de Rita Foelker pela Lachâtre (2011)
>>> Correr é Fácil de Lisa Jackson, Susie Whalley pela Marco Zero (2011)
>>> O Uso dos Jogos Teatrais na Educação de Libéria Rodrigues Nevese Ana Lydia B pela Papirus (2009)
>>> Por dentro da lei de Rabino Itzchak Zilberstein pela Makom (2000)
>>> Desenho Tecnico E Tecnologia Grafica ( 2 ed) de Thomas E. French pela Globo (1989)
>>> Os Lusíadas - Comentada pelo Prof. Othoniel Motta de Luis de Camoes pela Melhoramentos
>>> El Juicio de Nuremberg desde el Punto de Vista Aleman de Wilbourn E. Benton pela Georg Grimm (1959)
>>> Ideias Em Perspectiva de Paul Brunton pela Pensamento
>>> Ingrid Bergman de Curtis F. Brown pela Artenova (1974)
>>> The Posthumous Papers of The Pickwick Club de Charles DIckens pela Oxford University Press (1956)
>>> Escalada de Luz de Jerônimo Mendonça pela Eme (2007)
>>> O Teatro Dos Vicios: Transgressao E Transigencia Na Sociedade Urbana Colonial de Emanuel O Araujo pela J. Olympio (1993)
>>> Les Protégés D'Isabelle de M. Fresneau pela Hachette (1890)
>>> A função manutenção: formação para a gerência da manutenção industrial0 de François Monchy pela Durban (1989)
>>> Lectures Allemandes - Second Partie de Paul Verrier, Marius Nicolas pela Jules Groos (1903)
>>> O Processo Civilizador vol 1 de Norbert Elias pela Jorge Zahar (1994)
>>> A Heresia Dos Indios: Catolicismo E Rebeldia No Brasil Colonial de Ronaldo Vainfas pela Companhia Das Letras (1995)
>>> Contos Escolhidos de Luigi Pirandello pela Verbo (1972)
>>> Novíssimo Testamento: com Deus e o Diabo de Iotti pela L&Pm (2008)
>>> Le Temps D'un Soupir de Anne Philipe pela Julliard (1963)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/5/2004
Tempo de aspargos
Daniela Sandler
+ de 5400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

As cidades, como as pessoas, transformam-se com as estações. Em Berlim esse lugar-comum ganha vida fresca: pode ser clichê, mas é verdade, que salta na cara e faz parte da natureza mutante da cidade. Durante o inverno longo, quando anoitece às três da tarde e o vento se enfia por todas as frestas do casaco, os berlinenses percorrem sisudos as ruas geladas. Sobrecenho amarrado sob o cachecol, silêncio no vagão do metrô. O céu é cinza-escuro quase todo dia, não há luz que baste para avivar a cor dos edifícios e monumentos, que parecem todos cinza também.

Mas no primeiro dia mais longo de céu azul pálido e ar quase morno os berlinenses abrandam o passo, deixando-se ficar na grama puída dos parques e praças, e nas mesas ao ar-livre que os muitos cafés esparramam nas calçadas. Somem os sobretudos negros e as testas franzidas: em seu lugar, a cor das roupas leves e o som de conversas animadas em que até sorrisos escapam.

Os berlinenses, vale dizer, desconfiam do sorriso. Julgam ser falso estampar no rosto um riso gratuito, fingimento de amizade ou alegria. Talvez o inverno lhes embote os sentidos, e não lhes ocorre que é possível ser alegre ou amigável sem motivo, ou por natureza. Alemães de outras paragens dizem também que os berlinenses não têm senso de humor – não entendem ironias, não se entregam a gargalhadas, e suas próprias piadas são ininteligíveis. Em todo caso, passam boa parte do ano cultivando a expressão séria e trombuda que, junto às roupas pretas, é marca registrada do berlinense “cool”.

Quando em abril vem a primavera, tudo isso se derrete, ao menos nas primeiras semanas em que o prazer de estar ao ar livre parece recém-descoberto, depois de tanto tempo frio. Sem aviso, de um dia para o outro, os galhos nus das árvores desfolhadas – que durante cinco meses pontuam a paisagem como esqueletos cinzentos – se enchem de botões. Logo as flores se abrem em profusão, e a cidade se enche de árvores brancas, azuis, cor-de-rosa, roxas, amarelas, cheias como nuvens. O perfume é tão intenso que se distingue mesmo no meio da fumaça dos carros. Em todo lugar há cantos de passarinhos, cantos diferentes, quem diria haver tanto pássaro numa grande cidade? As vistas conhecidas se transformam, agora sombreadas ou interrompidas pela fronde verde das árvores.

A primavera permeia todos os sentidos, incluindo o paladar. Com abril começa a esperada estação de morangos, cerejas, aspargos. A mania alemã por aspargos é tão grande que há até um nome para esta época: Spargelzeit, ou tempo de aspargos. Não só as feiras e mercados exibem os vegetais, mas também restaurantes e cafés de todo calibre festejam os aspargos no menu. De sobremesa igualmente sasonal, morangos – com creme, em crepes, ou numa espécie de sopa doce feita com outras frutas vermelhas e chamada Rote Grütze.

Essa “orgia” de frutas e legumes dura até o meio de junho, quando a estação acaba. Não se celebram aspargos nem antes, nem depois. O respeito à estação apropriada não se estende, no entanto, a outros vegetais: durante o ano inteiro encontram-se bananas, laranjas, abacaxis, kiwis, até mesmo papaias junto às maçãs e peras européias. Quando às vezes há uma caixa de morangos ou rama de aspargos, estão escondidas num canto, envergonhadas – os caules murchos e desbotados, esquecidos na prateleira, que ninguém compra aspargo em dezembro. Fora de época, só os talos afogados e insossos dos aspargos em conserva.

É como se os prazeres da primavera fossem reservados para o seu tempo definido – tanto o perfume de uma taça de morangos como as flores das árvores, que logo irão cair e dar lugar a copas verdes. Chegando julho, a alegria de um dia tépido esmorece, perdida a novidade. Mas, nos três meses entre inverno e verão, Berlim floresce, viva e sorridente, a cada vez como se fosse a primeira.


Daniela Sandler
Berlim, 12/5/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. As luzes se apagam de Cassionei Niches Petry
02. Literatura excitante, pelo sexo e pela prosa de Marcelo Spalding
03. Sombras Persas (VIII) de Arcano9


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2004
01. Olá, Lênin! - 10/3/2004
02. Brasil em alemão - 7/7/2004
03. Muros em Berlim, quinze anos depois - 24/11/2004
04. Dia D, lembrança e esquecimento - 9/6/2004
05. Fritas acompanham? - 18/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/5/2004
11h05min
Através da leitura deste breve texto, pude sentir o sabor, o aroma e todas as sensações desencadeadas pela primavera na Alemanha. Voce está certíssima quando se refere à alteração no espírito do alemão, paralelamente ao aparecimento do sol e do calor. Talvez nós brasileiros tenhamos até dificuldade em entender, mas o sol exerce um efeito neuroendócrino fantástico, propiciando essa euforia toda.
[Leia outros Comentários de Maria Cecilia ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Didático Projeto Múltiplo História Revisão 1
Cláudio Vicentino e Outros
Scipione
(2016)



Preparatorio Pmp Guia Definitivo sem Cd
Rosaldo de Jesus Nocera
Rjn Books
(2015)



Manual de Direito Internacional Público
Hildebrando Accioly
Saraiva
(1996)



ABC do Ocultismo
Papus
Martins Fontes
(1991)



Teláris Geografia 6º Ano De Acordo com a BNCC
J.w. Vesentini; Vania Vlach
Ática
(2020)



Savanna Game - 1
Ransuke Kuroi / Eri Haruno
Jbc
(2015)



Contra a Servidão Voluntária - Volume I
Marilena Chauí
Autêntica
(2013)



Livro de Bolso Sociologia Metamorfoses Do Espaço Habitado Fundamentos Teóricos E Metodológicos da Geografia
Milton Santos
Aucitec
(1996)



O Vendedor de Sonhos o Chamado
Augusto Cury
Academia
(2010)



Arquitetura
Aurélio Martinez Flores
Bei
(2002)





busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês