Nostalgia do país inventado | Marcelo Barbão | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> Nem Aos Domingos
>>> Aprender poesia
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> A Barsa versus o Google
Mais Recentes
>>> Dicionário De Espanhol-português de Porto pela French & European Pubns (2015)
>>> Os Fantasmas Da São Paulo Antiga de Miguel Milano pela Unesp (2012)
>>> Direito Civil Brasileiro 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2011)
>>> Um Grito de Socorro de Alcides Goulart pela Jovem (2014)
>>> Medicina de urgência de Elisa Mieko Suemitsu Higa pela Manole (2008)
>>> Expedição aos Martírios 15 edição de Francisco Marins pela Melhoramentos (1978)
>>> Todo Mundo Tem Uma História Para Compartilhar de Karen Worcman pela Museu da Pessoa (2014)
>>> Os Restos Mortais( com encartes 1994 das obras Ática ) de Fernando Sabino pela Ática (1994)
>>> Ana Cecília Carvalho; Robinson Damasceno dos Reis de O Ourives Sapador do Polo Norte: como fazer pesquisas e anotar informações pela Formato (1995)
>>> Livro Seu Zezinho - A Estrela Eterna de Sumaré de Claúdia Sabadini pela Cult (2016)
>>> Livro Alma Gêmea - Você está pronta para ser encontrada? de Rosana Braga pela Escala (2001)
>>> O Mistério da Fábrica de Livros 23 edição. de Pedro Bandeira pela Hamburg (2024)
>>> Panelinha: Receitas Que Funcionam de Rita Lobo pela Senac São Paulo (2012)
>>> A Crítica Da Razão Indolente. Contra O Desperdício Da Experiência de Boaventura De Sousa Santos pela Cortez (2011)
>>> Educação E Crise Do Trabalho: Perspectivas De Final De Século (coleção Estudos Culturais Em Educação) de Gaudêncio Frigotto (org) pela Vozes (2002)
>>> Era Dos Extremos - The Age Of Extremes de Eric Hobsbawm pela Companhia Das Letras (2003)
>>> A Volta dos Pardais do Sobradinho 3 edição. de Herberto Sales pela Melhoramentos (1990)
>>> O Mistério do Esqueleto - coleção veredas 13 edição. de Renata Pallottini pela Moderna (1992)
>>> Livro Na Vida Dez, Na Escola Zero de Terezinha. Carraher pela Cortez (1994)
>>> Livro Voce Verdadeiramente Nasceu De Novo Da Agua E Do Espirito? de Paul C. Jong pela Hephzibá (2002)
>>> Livro Luz no lar de Francisco Cândido Xavier por Diverso Espíritos pela Feb (1968)
>>> Livro As Perspectivas Construtivista e Histórico-cultural na Educação Escola de Tania Stoltz pela Ibpex (2008)
>>> Livro El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
COLUNAS

Terça-feira, 22/4/2003
Nostalgia do país inventado
Marcelo Barbão
+ de 4000 Acessos

Ah, a nostalgia. Quantos livros, novelas, poemas (bons ou desprezíveis), foram escritos motivados pela nostalgia. Da família, da amada (o), da infância e, como uma mistura de tudo isso, do lugar onde se nasce.

O país abandonado, os restos deixados para trás renderam muitas linhas. E, apesar do tema batido, ainda pode render muitas e muitas histórias interessantes. Inventadas ou reais.

É com esta nostalgia que a escritora chilena Isabel Allende procura se reafirmar depois do seu livro anterior, o fraquíssimo 'La ciudad de las bestias', onde se aventurou por uma espécie de literatura juvenil que conseguiu desagradar até os fãs mais ardorosos da escritora.

Com 'Mi país inventado', Allende (que é parente distante do ex-presidente chileno) retoma o estilo de literatura "jornalística" que marcou os seus primeiros trabalhos. E quando volta ao habitat natural, ela consegue montar um panorama impressionante do povo e da cultura chilena. É preciso dizer, antes de tudo, que os chilenos talvez sejam o povo mais parecido com os brasileiros em toda a América do Sul (para o bem ou para o mal). Isso foi algo que eu já havia percebido na minha única viagem para Santiago.

Mas, com a descrição minuciosa e cheia de coloridos de Allende, essa sensação fica mais forte. Os chilenos vivem num país meio mágico. Primeiro pelo formato, separados do mundo pela cordilheira dos Andes, voltados para o Pacífico e cercados por extremos radicais: ao norte o deserto mais seco e ao sul a maior geleira do mundo. No meio, um povo hospitaleiro, mas que já entrou em guerra com seus três vizinhos. Onde o socialismo democrático teve sua experiência mais importante que terminou numa ditadura sangrenta como poucas no continente latino-americano.

Isabel Allende usa todos esses elementos para montar esse livro onde reflete sobre a questão da identidade cultural que todos temos e que começa a ser moldada desde que nascemos. Apesar da mudança de país, essa influência perdura, como é o caso da própria autora que, hoje em dia, mora em São Francisco e, conforme confessa no começo do livro, foi pega pela onda de comoção que varreu os EUA depois dos atentados de 11 de setembro de 2001. Foi a partir desse primeiro sentimento que ela começou a desenvolver essa volta ao passado.

Uma volta que começa com as memórias do seu avô (que nos levam a outro pensamento depois de ler o primeiro volume das memórias de Gabriel García Márquez - como são importantes os avôs na vida dos escritores latinos!), de sua família pouco convencional mas que permitiu que, ainda jovem, Isabel Allende viajasse por vários países e conhecesse outras cultura. O que a obrigou a conhecer novamente o Chile a cada vez que tinha que voltar, criando uma relação de estranhamento e redescoberta que marca todo o texto. Muitas vezes, ela precisa recorrer às memórias de outros para contar sua própria relação com o país.

A nostalgia só começa em 1973, quando o golpe militar dirigido pelo general Pinochet contra o governo de Allende, muda completamente a face do país. A escritora ainda permanece dois anos, mesmo sendo uma jornalista conhecida e tendo trabalhado numa revista feminina que tinha como objetivo acabar com a situação subalterna da mulher chilena na sociedade. Saiu do país em 1975 levando um pouco de terra chilena na mala.

Foi para a Venezuela onde, apesar da infelicidade, escreveu sua primeira e famosíssima novela, 'La casa de los espíritus'. Foi o começo da carreira da escritora que a levou aos EUA no final dos anos 80, saindo de um divórcio e recomeçando, mais uma vez, sua vida.

Se 'Mi país inventado' foi uma tentativa de reconquistar seus fãs depois do fracasso de 'La ciudad de las bestias', Isabel Allende conseguiu se redimir com estilo. Se o objetivo era fazer uma declaração de amor e saudades ao seu país natal, duvido que algum chileno não se emocione com a história. E quem não conhece o Chile, que planeje as próximas férias. A terra de Pablo Neruda merece:

"Hay exilios que muerden y otros
son como el fuego que consume.
Hay dolores de patria muerta
que van subiendo desde abajo,
desde los pies y las raíces
y de pronto el hombre se ahoga,
ya no conoce las espigas,
ya se terminó la guitarra,
ya no hay aire para esa boca,
ya no puede vivir sin tierra
y entonces se cae de bruces,
no en la tierra, sino en la muerte."

'Exilios', Pablo Neruda

Para ir além:
Mi país inventado
Isabel Allende
Editorial Sudamericana
220 páginas
R$ 55,10


Marcelo Barbão
São Paulo, 22/4/2003

Mais Marcelo Barbão
Mais Acessadas de Marcelo Barbão em 2003
01. Literatura e cinema na obra de Skármeta - 13/5/2003
02. Biblioteca básica latino-americana - 22/10/2003
03. Outro fim de mundo é possível - 11/2/2003
04. Marcos Rey e a Idade de Ouro - 15/7/2003
05. Os cyberpunks e o futuro - 9/9/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Worterbuch Franzosisch Deutsch
Vários Autores
Neuer Honos Verlag



O Que é Política 345
Wolfgang Leo Maar
Brasiliense
(1982)



Bombaim: Cidade Máxima
Suketu Mehta
Companhia das Letras
(2011)



Livro Gibis Wolverine um Demônio Contra os X-men Volume 85 Daken: Wolverine Sombrio
Marvel
Panini Comics
(2011)



O Máscara De Ferro
Alexandre Dumas
Melhoramentos



Senhor dos Anéis mulheres na obra de J.R.R. Tolkien
Rosana Rios
Devir
(2005)



Pluralidade Sindical e Democracia
Rodolfo Pamplona
Ltr
(1997)



Nicarágua Revolução Em Família
Shirley Christian
Record
(1985)



A Cura da Alma
Wagner Fiengo
Era Branca
(2020)



Administração Universitária
Amélia Silveira; Nelson Colossi; Claudia Gonçalves
Insular
(1998)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês