Meu carcereiro predileto | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
87108 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Próxima Live do Grupontapé será realizada com o ator e diretor teatral do Grupo Galpão de Belo Horiz
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feeling lucky today?
>>> Sou, de Marcelo Camelo
>>> 17 de Setembro #digestivo10anos
>>> Valsa para Bruno Stein
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Graaande Michael Jackson
>>> Sacumé?
>>> BizarroBlog by Dan Piraro
>>> Melhor que o JB
>>> Como se faz um best-seller
Mais Recentes
>>> Curso Básico de Astrologia 3 Volumes de Marion D. March e Joan Mcevers pela Pensamento (1989)
>>> Movimento Estudantil e Consciência Social de J. A. Guilhon Albuquerque pela Paz e Terra (1977)
>>> Macário de Álvares de Azevedo pela Francisco Alves (1987)
>>> Terra das Mulheres de Charlotte Perkins Gilman pela Rosa dos Tempos (2018)
>>> Dener - O Luxo de Dener Pamplona de Abreu pela Laudes (1972)
>>> Contos de cães e maus lobos de Valter Hugo Mãe pela Biblioteca Azul (2018)
>>> Cancer de André Barbault pela Seuil (1989)
>>> Só os animais salvam de Ceridwen Dovey pela Darkside (2017)
>>> José de Alencar de Israel de Souza Lima pela Abl (2010)
>>> Mude o país, discuta a política de Pedrinho Guareschi, Áurea Tomatis Petersen e Elizabt Kieling Pedroso pela Fetee-Sul (1998)
>>> Ultra Carnem de Cesar Bravo pela Darkside (2016)
>>> Kamasutra de Vatsyayana pela Ediouro (1997)
>>> A instituição e as instituições - estudos psicanaliticos de R. Kaës , Bleger, Enriquez, Roussillon,vidal pela Casa do psicologo (1991)
>>> A ridícula ideia de nunca mais te ver de Rosa Montero pela Todavia (2019)
>>> Orientação vocacional - a estrategia clinica de Rodolfo bohoslavsky pela Martins fontes (1996)
>>> Deficiencia e propensoes do ser humano de Carlos brenardo gonzales pacotche pela Logosofica (2012)
>>> A criança adotiva e suas famílias de Nazir Hamad pela Companhia de freud (2002)
>>> Desenvolvimento clínico de Melanie klein de Donald meltzer pela Escuta (1990)
>>> O perigo alemão e a repressão policial no Estado Novo de Priscila Ferreira Perazzo pela Imprensa Oficial SP (1999)
>>> Andarilhos de Maurício Melo Júnior pela Bagaço (2007)
>>> Classic Rock Magazine 277 August 2020 de 100 Gratest Songs pela TeamRock (2020)
>>> Classic Rock Magazine 275 June 2020 de Blues Explosion! pela TeamRock (2020)
>>> Guia dos Remédios de Dr. Darcy Roberto Lima pela Brasil S.A (1988)
>>> O homem desenraizado de Tzvetan Todorov pela Record (1999)
>>> Para além do Pórtico de Marcos Vinicius Vilaça pela Consultor (2019)
>>> Classic Rock Magazine 272 March 2020 de The Black Crowes pela TeamRock (2020)
>>> A Luta de Classes no Brasil e o PCB - vol. 1 de Dinarco Reis pela Novos Rumos
>>> Tempestade na proa de Gabriel Nascente pela Grafset (2006)
>>> Operário do Livro de Leonídio Balbino pela Ler (2009)
>>> Versos; Vibrações - Autregésilo de Athayde de Júlia Cortines pela Abl (2010)
>>> Classic Rock Magazine 273 April 2020 de Ac/Dc pela TeamRock (2020)
>>> Rosário de Lembranças de Lita Passos pela Vento Leste (2011)
>>> Estudios Del Trabajo n. 36 de Vários pela Aset (2008)
>>> Nós e os outros. A reflexão francesa sobre a diversidade humana 1 de Tzvetan Todorov pela Jorge Zahar (1993)
>>> Rejeite a preocupação e viva em paz de Silas Malafaia pela Central (2009)
>>> Classic Rock Magazine 274 May 2020 de Rush pela TeamRock (2020)
>>> Expírito: Multiversos de Ruben Mejia pela Escrituras (1995)
>>> Fragmentos y despojos de Harold Alvarado Tenorio pela Arquitrave (2002)
>>> Classic Rock Magazine 276 July 2020 de The Beatles pela TeamRock (2020)
>>> Jugar con la palabra de Juan Cameron pela Lom (2003)
>>> Jazz: das raízes ao pós-bop de Augusto Pellegrini pela Códex (2004)
>>> Más allá de mis manos de Stefaan van den Bremt; Marco Antonio Campos pela Colibri (2006)
>>> Estudios del Trabajo n. 20 de Vários pela Aset (2000)
>>> Malidrânia. Relatos de Adriano Espínola pela Topbooks (2009)
>>> A Realidade Oculta de Brian Greene pela Companhia das Letras (2012)
>>> Sonetos de Jorge Tufic pela Ufc (2000)
>>> A linha Extrema de Majela Colares pela Calliban (1999)
>>> Mais Esperto que o Diabo de Napoleon Hill pela Cdg (2015)
>>> Os Deuses Malditos de Delermando Vieira pela Ucg (2018)
>>> Tupinilândia de Samir Machado de Machado pela Todavia (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/10/2011
Meu carcereiro predileto
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2900 Acessos

Eu fui uma criança que teve férias. E não eram parcos quinze dias e nem um mês de penúria, com intervalos de praia entre as férias do pai e da mãe não. Eram férias, com F maiúsculo, se fizer mais sentido. Terminávamos o ano no final de novembro e só aparecíamos na escola de novo em fevereiro, às vezes mesmo depois do Carnaval. E nesse intervalo grande, podíamos brincar na rua, acordar tarde, andar de bicicleta, soltar pipa, brincar de guerra de mamona, dar os primeiros beijos, ir a festas juninas (quando era meio de ano) ou planejar o amigo oculto do Natal (quando era dezembro). Também podíamos sonhar com os dias na praia (coisa bem mineira, uma espécie de conquista do paraíso). Férias eram meses de dispensar os relógios e os despertadores.

Bom, mas vejo que essa narrativa aí é unilateral demais. Meus pais contariam uma outra história, talvez. Ambos trabalhavam fora, ainda o pai mais do que a mãe, e para eles aqueles longos meses talvez fossem desesperadores. No caso particular desta cronista, éramos quatro (4!) crianças, com dois ou menos anos de diferença entre uma e outra, pulando e correndo pela casa, querendo dormir e acordar tarde, sem para casa ou tarefa que as entretivesse, preocupados com nada e torcendo para que os dias letivos nunca mais voltassem.

Como equilibrar quatro crianças em um prato? Como oferecer lazer a quatro pirralhos ansiosos? Eram quatro para brincar, brigar e pedir atenção. Naquela época ao menos havia o fato de que irmãos se distraem uns aos outros. Nem sempre queríamos a presença da mãe (muito menos a do pai). As confusões aconteciam escondidas e ficávamos nos dando cobertura quando o resultado podia gerar castigo. Quatro piás de férias escolares.

Mas as férias eram aguardadas ansiosamente. O sonho da praia era também dos nossos pais. Eles ajustavam seus períodos de descanso ao nosso e íamos todos para a beira do mar, tomar sol e fazer o que nos parecia o máximo da falta de rotina. Era assim que compensávamos os árduos dias de aula, com tarefas todo dia, deveres, compromissos, provas, chamadas e pontos.

Mas os dois lados desta questão ainda não são suficientes para dar conta deste complexo cenário. Falta o professor, figura central na escola. Os professores (e professoras, mais ainda) passavam o ano lidando conosco, em turmas onde se concentravam cerca de quarenta filhos dos outros. Naquela época, em geral, eram graduados, poucos deles talvez especialistas (não se falava tanto em formação continuada). Davam a matéria, nem sempre em aulas vivas e dinâmicas. Lembro-me especialmente daqueles que nos despertavam alguma admiração: o químico que tinha livros publicados e tomava conta do laboratório, a autora de apostilas de cursinhos famosos, o professsor de literatura que era ator, a mestra que havia morado fora do país. Eles cumpriam horários, reuniões (inclusive aquelas intragáveis com pais), faziam provas e materiais, levavam pilhas e pilhas de textos e provas para corrigir em casa, davam feedback a estudantes desinteressados, suportavam a absoluta falta de educação de alguns semidelinquentes e ganhavam, como todos nós sabíamos, um salário ruim.

Com a carga horária deles, talvez fosse impossível estudar. No entanto, naquelas décadas, o conhecimento não circulava assim, a torto e a direito, como hoje. Os livros e as escolas ainda eram os espaços de saber que deveríamos acessar apenas com mediação. Não éramos pimpolhos conectados desde o berço, como podem ser as crianças de hoje (podem...). Éramos guris que dependiam, em larga medida, do que víamos na escola, do professor que tínhamos, das condições dos pais.

Depois que saí da escola básica, só soube das mudanças de orelhada. Não me comprometi mais com isso, exceto porque atuei como professora de ensino fundamental ou médio em alguns períodos. Os dias letivos aumentaram, as férias encolheram muito, os pais saíram mais ainda de casa, a educação se transferiu ainda mais para os educandários e o salário do professor continuou ruim.

Dia desses eu soube que se está a inventar mais vinte dias para o ano letivo. Pensei logo no meu filho, que tem parcas férias de quinze dias em julho e quase chega em casa para lanchar com Papai Noel no final do ano. As aulas não terminam nunca, assim como os lanches e a necessidade de lavar uniformes. As férias são espremidas, inclusive na praia, e logo se recomeça o que mal acabou.

O professor, de novo ele, trabalha mais e, de forma alguma, trabalha melhor. Tem aumentada sua carga letiva, reduzido seu descanso e nem se toca em seu salário. Frequenta mais reuniões, mais discussões, dá muito mais aulas, corrige mais provas, acessa mais softwares (o trabalho da secretaria foi transferido para ele, depois das novas tecnologias) e, básico, não tem tempo para estudar. Para cumprir as centenas de dias letivos devidos, o professor não pode se ausentar da escola, o que o deixa na condição de mediador quase transparente entre o conhecimento que alguém produz acima dele e os estudantes que nem sempre vêm ávidos por conhecimentos escolares.

Professor tem de estudar. Isso é uma máxima indiscutível. Não, não é. Ou melhor: é apenas uma máxima que não pode ser verificada. Grande parte dos professores que atuam no ensino básico parou de estudar quando se formou na graduação (nem sempre bem-feita). Como é possível algo assim nos dias de hoje (se já era condenável nos dias de ontem)? Uma das atribuições do professor, friso, é estudar. Estudar para saber mais, estudar para se atualizar, estudar para manter o hábito, estudar para motivar os outros, estudar para dar o exemplo, estudar para saber o que se passa com esses meninos nascidos nos 1990, 2000. Professor é estudante. Antes de qualquer coisa, professor precisa saber a quantas andam os conhecimentos (conceituais e procedimentais) de sua área e de outras, em tempos de redes, conexões e intercâmbios de toda sorte. Professor tem de usar tecnologias, professor tem de trocar informações, professor tem de ir a fóruns, congressos, seminários. Professor é aluno.

Mas quando é que se vai pensar nisso? Quando é que se vai entender que professor bom (bem-formado) faz diferença na escola? Quando é que se vai admitir que quantidade de dias letivos não significa qualidade de aulas ou de condições para a educação? Quando é que professor vai ser respeitado? Quando é que professor vai ser considerado um cara que trabalha pra caramba? Quem convive com professor em casa sabe: finais de semana e feriados tomados pela correção disto e daquilo, pelos feedbacks aos alunos, pelas tensões do dia a dia. Quem se casou com professor(a) ou quem tem pai/mãe professor sabe o que é distrair a turminha com carimbos e com o preenchimento de diários de classe. Quem tem professor em casa sabe como é ir para a praia com aqueles livros e textos dentro da mala.

Mas vamos aos 220 dias letivos, minha gente. Vamos transformar o professor num carcereiro, que é isso que querem mesmo fazer.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 14/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
02. Se a vida começasse agora de Luís Fernando Amâncio
03. Em noite de lua azul de Elisa Andrade Buzzo
04. O romance do 'e se...' de Cassionei Niches Petry
05. Xadrez, poesia de Ana Elisa Ribeiro de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011
05. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ALDNY FAYA
MARIA ESTAVA MORTA 4989
DO AUTOR
R$ 10,00



AONDE VAMOS?
KERSTIN E HANNES ALFVÉN
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 12,00



GUIA CUCA EVENTOS CULTURAIS
DA EDITORA
DESENHUM
(2011)
R$ 10,90



CALCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL 2 VOLUMES
PAULO BOULOS
MAKRON BOOKS
(2000)
R$ 99,00



O ELEFANTE NÃO PODE ESPERAR - REMINISCÊNCIAS DE UMA VIAGEM À INDIA
MARIA CHRISTINA PAZ A. MALAB
ND
(2009)
R$ 9,90



O INDIVÍDUO E SUA MARCA - 8445
GIORGIO PRODI
UNESP
(1993)
R$ 7,00



DICIONÁRIO DE INGLÊS COLOQUIAL - A GÍRIA CONTEMPORÂNEA
ROY H. COPPERUD
DIFEL
R$ 15,00



SUAVE É A NOITE - COLEÇÃO IMORTAIS DA LITERATURA UNIVERSAL
FITZGERLD
NOVA CULTURAL
(1995)
R$ 15,00



DIREITO DO TRABALHO
CARLOS EDUARDO PALETTA GUEDES
FUNDAMENTO
(2006)
R$ 12,00



A PRINCESA A ESPERA
MEG CABOT
RECORD
(2003)
R$ 15,00





busca | avançada
87108 visitas/dia
2,2 milhões/mês