Meu carcereiro predileto | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/10/2011
Meu carcereiro predileto
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2800 Acessos

Eu fui uma criança que teve férias. E não eram parcos quinze dias e nem um mês de penúria, com intervalos de praia entre as férias do pai e da mãe não. Eram férias, com F maiúsculo, se fizer mais sentido. Terminávamos o ano no final de novembro e só aparecíamos na escola de novo em fevereiro, às vezes mesmo depois do Carnaval. E nesse intervalo grande, podíamos brincar na rua, acordar tarde, andar de bicicleta, soltar pipa, brincar de guerra de mamona, dar os primeiros beijos, ir a festas juninas (quando era meio de ano) ou planejar o amigo oculto do Natal (quando era dezembro). Também podíamos sonhar com os dias na praia (coisa bem mineira, uma espécie de conquista do paraíso). Férias eram meses de dispensar os relógios e os despertadores.

Bom, mas vejo que essa narrativa aí é unilateral demais. Meus pais contariam uma outra história, talvez. Ambos trabalhavam fora, ainda o pai mais do que a mãe, e para eles aqueles longos meses talvez fossem desesperadores. No caso particular desta cronista, éramos quatro (4!) crianças, com dois ou menos anos de diferença entre uma e outra, pulando e correndo pela casa, querendo dormir e acordar tarde, sem para casa ou tarefa que as entretivesse, preocupados com nada e torcendo para que os dias letivos nunca mais voltassem.

Como equilibrar quatro crianças em um prato? Como oferecer lazer a quatro pirralhos ansiosos? Eram quatro para brincar, brigar e pedir atenção. Naquela época ao menos havia o fato de que irmãos se distraem uns aos outros. Nem sempre queríamos a presença da mãe (muito menos a do pai). As confusões aconteciam escondidas e ficávamos nos dando cobertura quando o resultado podia gerar castigo. Quatro piás de férias escolares.

Mas as férias eram aguardadas ansiosamente. O sonho da praia era também dos nossos pais. Eles ajustavam seus períodos de descanso ao nosso e íamos todos para a beira do mar, tomar sol e fazer o que nos parecia o máximo da falta de rotina. Era assim que compensávamos os árduos dias de aula, com tarefas todo dia, deveres, compromissos, provas, chamadas e pontos.

Mas os dois lados desta questão ainda não são suficientes para dar conta deste complexo cenário. Falta o professor, figura central na escola. Os professores (e professoras, mais ainda) passavam o ano lidando conosco, em turmas onde se concentravam cerca de quarenta filhos dos outros. Naquela época, em geral, eram graduados, poucos deles talvez especialistas (não se falava tanto em formação continuada). Davam a matéria, nem sempre em aulas vivas e dinâmicas. Lembro-me especialmente daqueles que nos despertavam alguma admiração: o químico que tinha livros publicados e tomava conta do laboratório, a autora de apostilas de cursinhos famosos, o professsor de literatura que era ator, a mestra que havia morado fora do país. Eles cumpriam horários, reuniões (inclusive aquelas intragáveis com pais), faziam provas e materiais, levavam pilhas e pilhas de textos e provas para corrigir em casa, davam feedback a estudantes desinteressados, suportavam a absoluta falta de educação de alguns semidelinquentes e ganhavam, como todos nós sabíamos, um salário ruim.

Com a carga horária deles, talvez fosse impossível estudar. No entanto, naquelas décadas, o conhecimento não circulava assim, a torto e a direito, como hoje. Os livros e as escolas ainda eram os espaços de saber que deveríamos acessar apenas com mediação. Não éramos pimpolhos conectados desde o berço, como podem ser as crianças de hoje (podem...). Éramos guris que dependiam, em larga medida, do que víamos na escola, do professor que tínhamos, das condições dos pais.

Depois que saí da escola básica, só soube das mudanças de orelhada. Não me comprometi mais com isso, exceto porque atuei como professora de ensino fundamental ou médio em alguns períodos. Os dias letivos aumentaram, as férias encolheram muito, os pais saíram mais ainda de casa, a educação se transferiu ainda mais para os educandários e o salário do professor continuou ruim.

Dia desses eu soube que se está a inventar mais vinte dias para o ano letivo. Pensei logo no meu filho, que tem parcas férias de quinze dias em julho e quase chega em casa para lanchar com Papai Noel no final do ano. As aulas não terminam nunca, assim como os lanches e a necessidade de lavar uniformes. As férias são espremidas, inclusive na praia, e logo se recomeça o que mal acabou.

O professor, de novo ele, trabalha mais e, de forma alguma, trabalha melhor. Tem aumentada sua carga letiva, reduzido seu descanso e nem se toca em seu salário. Frequenta mais reuniões, mais discussões, dá muito mais aulas, corrige mais provas, acessa mais softwares (o trabalho da secretaria foi transferido para ele, depois das novas tecnologias) e, básico, não tem tempo para estudar. Para cumprir as centenas de dias letivos devidos, o professor não pode se ausentar da escola, o que o deixa na condição de mediador quase transparente entre o conhecimento que alguém produz acima dele e os estudantes que nem sempre vêm ávidos por conhecimentos escolares.

Professor tem de estudar. Isso é uma máxima indiscutível. Não, não é. Ou melhor: é apenas uma máxima que não pode ser verificada. Grande parte dos professores que atuam no ensino básico parou de estudar quando se formou na graduação (nem sempre bem-feita). Como é possível algo assim nos dias de hoje (se já era condenável nos dias de ontem)? Uma das atribuições do professor, friso, é estudar. Estudar para saber mais, estudar para se atualizar, estudar para manter o hábito, estudar para motivar os outros, estudar para dar o exemplo, estudar para saber o que se passa com esses meninos nascidos nos 1990, 2000. Professor é estudante. Antes de qualquer coisa, professor precisa saber a quantas andam os conhecimentos (conceituais e procedimentais) de sua área e de outras, em tempos de redes, conexões e intercâmbios de toda sorte. Professor tem de usar tecnologias, professor tem de trocar informações, professor tem de ir a fóruns, congressos, seminários. Professor é aluno.

Mas quando é que se vai pensar nisso? Quando é que se vai entender que professor bom (bem-formado) faz diferença na escola? Quando é que se vai admitir que quantidade de dias letivos não significa qualidade de aulas ou de condições para a educação? Quando é que professor vai ser respeitado? Quando é que professor vai ser considerado um cara que trabalha pra caramba? Quem convive com professor em casa sabe: finais de semana e feriados tomados pela correção disto e daquilo, pelos feedbacks aos alunos, pelas tensões do dia a dia. Quem se casou com professor(a) ou quem tem pai/mãe professor sabe o que é distrair a turminha com carimbos e com o preenchimento de diários de classe. Quem tem professor em casa sabe como é ir para a praia com aqueles livros e textos dentro da mala.

Mas vamos aos 220 dias letivos, minha gente. Vamos transformar o professor num carcereiro, que é isso que querem mesmo fazer.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 14/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
02. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
03. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011
05. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MULHERES PODEROSAS NO TRABALHO
ELIZABETH HILTS
ACADEMIA
(2013)
R$ 14,00



EDUCAÇÃO E REFLEXÃO
PIERRE FURTER
VOZES
(1976)
R$ 4,00



A SENHA DO MUNDO
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
RECORD
(2006)
R$ 25,90



BALA NA AGULHA
MARCELO RUBENS PAIVA
SICILIANO
(1992)
R$ 15,00



A VIAGEM
JOÃO DUARTE DE CASTRO
EME
(1989)
R$ 7,90



IMPOSTO DE RENDA DAS EMPRESAS
HIROMI HIGUCHI FÁBIO HIROSHI HIGUCHI ET AL...
ATLAS
(2011)
R$ 15,00



PRINCÍPIOS DA FÍSICA 2
PEDRO CARLOS DE OLIVEIRA

(1993)
R$ 5,50



HISTÓRIA DA LITERATURA BRASILEIRA, VOLUME 1
SÍLVIO CASTRO
ALFA
(1999)
R$ 26,40



O ORÁCULO DE JAMAIS
ALTINO DO TOJAL
INCM
(2005)
R$ 44,70



HOMEM-ARANHA SUPERIOR - SEM SAÍDA! - JUNTE-SE À REVOLUÇÃO - Nº 006
MARVEL
PANINI COMICS
(2014)
R$ 10,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês