Meu carcereiro predileto | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
79144 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A discreta crise criativa das novelas brasileiras
>>> Um post sem graça
>>> Política em perguntas
>>> Os Estertores da Razão
>>> Encontro com Marina Silva
>>> Palavrões
>>> Pequena poética do miniconto
>>> Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev
>>> O número um
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Mais Recentes
>>> Esperança Viva. Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora Brasileira (2016)
>>> Esperança Viva. Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora Brasileira (2016)
>>> Cascão 360 - Outubro/2000 - Uma Folha De Jornal, Mil Idéias na cabeça de Maurício de Sousa pela Globo (2000)
>>> Chico Bento 354 - Agosto/2000 - O Fenômeno de Maurício de Sousa pela Globo (2000)
>>> Magali 185 - Julho/1996 - Gato De Guarda - Editora Globo de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Ed & Lorraine Warren Lugar sombrio de Carmen Reed e AL snedeker & Ray Garton pela Darkside (2021)
>>> 1822 de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2010)
>>> A cabana de William P. Young pela Sextante (2008)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta (2014)
>>> Eram os Deus Astronautas? de Erich von Daniken pela Edições Melhoramentos (1977)
>>> Pequena Filocalia - O Livro Clássico da Igreja Oriental de Vários Autores pela Paulus (1985)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> Búfalo - Zodíaco Chinês de Catherine Aubier pela Pensamento (1982)
>>> Sociologia e Sociedade - Leituras de introdução á Sociologia. de José de Souza Martins pela Livros Tecnicos (1977)
>>> Luz Emergente - A Jornada da Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (1993)
>>> Os homens dos Pés Redondos de Antônio Torres pela Francisco Alves (1973)
>>> Maça Profana de Wellington Soares pela The Books (2003)
>>> Teologia do Novo Testamento de George Eldon Laad pela Juerp (1985)
>>> Colette - Uma Biografia de Allan Massie pela Casa Maria (1989)
>>> Enigmas Bíblicos Revelados de Ernesto Barón pela Ceg (1998)
>>> Salvador de Sá e aluta pelo Brasil e Angola 1602-1686 Vol. 353 de C. R. boxer pela Ed. da usp (1973)
>>> Relações da Psicanálise com analistas, instituições e pacientes de David Zimmermann pela Artes Médicas (1988)
>>> Os Africanos no Brasil Vol. 9 de Nina Rodrigues pela Companhia Ed. Nacional (1997)
>>> Na Colméia do inferno - 1ª coleção veredas de Pedro Bandeira pela Moderna (1991)
>>> Os libertos: sete caminhos na liberdade de escravos da Bahia no século XIX de Pierre verger pela Corrupio (1992)
>>> Ao passar das caravanas ciganas de Valéria Sanchez Silva Contrucci pela Zenda (1995)
>>> O Jesus Histórico de Otto Borchert pela Sociedade religiosa edições vida nova (1985)
>>> Contra a Maré: Watchman Nee de Angus Kinnear pela Clc (1989)
>>> Encontro Com a Morte de Agatha Christie pela Record (1987)
>>> Por uma sociologia do protestantismo brasileiro de Vários autores pela Umesp (2000)
>>> Liberdade e Exclusivismo: ensaios sobre os batistas ingleses de Zaqueu Moreira de Oliveira pela STBNB edições (1997)
>>> Teologia Oriental: A identidade das igrejas orientais católicas no Codex Canonum Ecclesiarum Orientalum Vol. III de Thodoro Corrêa de Oliveira pela Gráfica (2009)
>>> Introdução ao estudo do novo testamento de Broadus David Hale pela Juerp (1985)
>>> Aquinas - Selected Philosophical Writings de Tomás De Aquino pela Oxford University Press (1993)
>>> Histórias Com Gente Dentro de Guaracy Pinto pela do Autor (2011)
>>> A Morte da Socialite de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 10 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 1 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse 2 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> O Fazedor de Nuvens de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 13 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 12 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 11 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 6 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 5 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 4 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 8 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Noções Básicas de Citologia, Histologia e Embriologia de L.C. Junqueira; J. Carneiro pela Nobel (1988)
>>> Fairy Tail Zero de Hiro Mashima pela Jbc (2017)
>>> Um Time Muito Especial de Jane Tutikian pela Atual (2009)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/10/2011
Meu carcereiro predileto
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3100 Acessos

Eu fui uma criança que teve férias. E não eram parcos quinze dias e nem um mês de penúria, com intervalos de praia entre as férias do pai e da mãe não. Eram férias, com F maiúsculo, se fizer mais sentido. Terminávamos o ano no final de novembro e só aparecíamos na escola de novo em fevereiro, às vezes mesmo depois do Carnaval. E nesse intervalo grande, podíamos brincar na rua, acordar tarde, andar de bicicleta, soltar pipa, brincar de guerra de mamona, dar os primeiros beijos, ir a festas juninas (quando era meio de ano) ou planejar o amigo oculto do Natal (quando era dezembro). Também podíamos sonhar com os dias na praia (coisa bem mineira, uma espécie de conquista do paraíso). Férias eram meses de dispensar os relógios e os despertadores.

Bom, mas vejo que essa narrativa aí é unilateral demais. Meus pais contariam uma outra história, talvez. Ambos trabalhavam fora, ainda o pai mais do que a mãe, e para eles aqueles longos meses talvez fossem desesperadores. No caso particular desta cronista, éramos quatro (4!) crianças, com dois ou menos anos de diferença entre uma e outra, pulando e correndo pela casa, querendo dormir e acordar tarde, sem para casa ou tarefa que as entretivesse, preocupados com nada e torcendo para que os dias letivos nunca mais voltassem.

Como equilibrar quatro crianças em um prato? Como oferecer lazer a quatro pirralhos ansiosos? Eram quatro para brincar, brigar e pedir atenção. Naquela época ao menos havia o fato de que irmãos se distraem uns aos outros. Nem sempre queríamos a presença da mãe (muito menos a do pai). As confusões aconteciam escondidas e ficávamos nos dando cobertura quando o resultado podia gerar castigo. Quatro piás de férias escolares.

Mas as férias eram aguardadas ansiosamente. O sonho da praia era também dos nossos pais. Eles ajustavam seus períodos de descanso ao nosso e íamos todos para a beira do mar, tomar sol e fazer o que nos parecia o máximo da falta de rotina. Era assim que compensávamos os árduos dias de aula, com tarefas todo dia, deveres, compromissos, provas, chamadas e pontos.

Mas os dois lados desta questão ainda não são suficientes para dar conta deste complexo cenário. Falta o professor, figura central na escola. Os professores (e professoras, mais ainda) passavam o ano lidando conosco, em turmas onde se concentravam cerca de quarenta filhos dos outros. Naquela época, em geral, eram graduados, poucos deles talvez especialistas (não se falava tanto em formação continuada). Davam a matéria, nem sempre em aulas vivas e dinâmicas. Lembro-me especialmente daqueles que nos despertavam alguma admiração: o químico que tinha livros publicados e tomava conta do laboratório, a autora de apostilas de cursinhos famosos, o professsor de literatura que era ator, a mestra que havia morado fora do país. Eles cumpriam horários, reuniões (inclusive aquelas intragáveis com pais), faziam provas e materiais, levavam pilhas e pilhas de textos e provas para corrigir em casa, davam feedback a estudantes desinteressados, suportavam a absoluta falta de educação de alguns semidelinquentes e ganhavam, como todos nós sabíamos, um salário ruim.

Com a carga horária deles, talvez fosse impossível estudar. No entanto, naquelas décadas, o conhecimento não circulava assim, a torto e a direito, como hoje. Os livros e as escolas ainda eram os espaços de saber que deveríamos acessar apenas com mediação. Não éramos pimpolhos conectados desde o berço, como podem ser as crianças de hoje (podem...). Éramos guris que dependiam, em larga medida, do que víamos na escola, do professor que tínhamos, das condições dos pais.

Depois que saí da escola básica, só soube das mudanças de orelhada. Não me comprometi mais com isso, exceto porque atuei como professora de ensino fundamental ou médio em alguns períodos. Os dias letivos aumentaram, as férias encolheram muito, os pais saíram mais ainda de casa, a educação se transferiu ainda mais para os educandários e o salário do professor continuou ruim.

Dia desses eu soube que se está a inventar mais vinte dias para o ano letivo. Pensei logo no meu filho, que tem parcas férias de quinze dias em julho e quase chega em casa para lanchar com Papai Noel no final do ano. As aulas não terminam nunca, assim como os lanches e a necessidade de lavar uniformes. As férias são espremidas, inclusive na praia, e logo se recomeça o que mal acabou.

O professor, de novo ele, trabalha mais e, de forma alguma, trabalha melhor. Tem aumentada sua carga letiva, reduzido seu descanso e nem se toca em seu salário. Frequenta mais reuniões, mais discussões, dá muito mais aulas, corrige mais provas, acessa mais softwares (o trabalho da secretaria foi transferido para ele, depois das novas tecnologias) e, básico, não tem tempo para estudar. Para cumprir as centenas de dias letivos devidos, o professor não pode se ausentar da escola, o que o deixa na condição de mediador quase transparente entre o conhecimento que alguém produz acima dele e os estudantes que nem sempre vêm ávidos por conhecimentos escolares.

Professor tem de estudar. Isso é uma máxima indiscutível. Não, não é. Ou melhor: é apenas uma máxima que não pode ser verificada. Grande parte dos professores que atuam no ensino básico parou de estudar quando se formou na graduação (nem sempre bem-feita). Como é possível algo assim nos dias de hoje (se já era condenável nos dias de ontem)? Uma das atribuições do professor, friso, é estudar. Estudar para saber mais, estudar para se atualizar, estudar para manter o hábito, estudar para motivar os outros, estudar para dar o exemplo, estudar para saber o que se passa com esses meninos nascidos nos 1990, 2000. Professor é estudante. Antes de qualquer coisa, professor precisa saber a quantas andam os conhecimentos (conceituais e procedimentais) de sua área e de outras, em tempos de redes, conexões e intercâmbios de toda sorte. Professor tem de usar tecnologias, professor tem de trocar informações, professor tem de ir a fóruns, congressos, seminários. Professor é aluno.

Mas quando é que se vai pensar nisso? Quando é que se vai entender que professor bom (bem-formado) faz diferença na escola? Quando é que se vai admitir que quantidade de dias letivos não significa qualidade de aulas ou de condições para a educação? Quando é que professor vai ser respeitado? Quando é que professor vai ser considerado um cara que trabalha pra caramba? Quem convive com professor em casa sabe: finais de semana e feriados tomados pela correção disto e daquilo, pelos feedbacks aos alunos, pelas tensões do dia a dia. Quem se casou com professor(a) ou quem tem pai/mãe professor sabe o que é distrair a turminha com carimbos e com o preenchimento de diários de classe. Quem tem professor em casa sabe como é ir para a praia com aqueles livros e textos dentro da mala.

Mas vamos aos 220 dias letivos, minha gente. Vamos transformar o professor num carcereiro, que é isso que querem mesmo fazer.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 14/10/2011


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011
05. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Televisão - a Vida pelo Vídeo
Ciro Marcondes Filho
Moderna
(1988)
R$ 5,00



O privilégio da servidão: O novo proletariado de serviços na era digital (edição revista e ampliada)
Ricardo Antunes
Boitempo
(2020)
R$ 69,00



Teoria e Metodologia (dossiê)
Revista Tempo, Nº 2, Vol 1 - 1996
Relume Dumará
(1996)
R$ 31,28



Exame da Oab Segunda Fase - Área Trabalhista
Agostinho Zechin Pereira
Saraiva
(2007)
R$ 8,38



Seresta Mineira
Lar de Paula
Lar de Paula
R$ 40,00



Diário de uma garota nada popular
Rachel Renée Russe
Verus
(2012)
R$ 15,00



O Jornalismo Canalha
José Arbex Jr
Casa Amarela
(2003)
R$ 20,00



Sciencia Sexual Contribuições para o Seu Estudo Virgindade
Asdrubal Antonio D Aguiar
Livraria Teixeira
(1924)
R$ 106,61



Natal Especial
Halia Pauliv de Souza
Vozes
(2003)
R$ 11,00



Doze Capítulos Sobre Escravizar Gente e Governar Escravos
Roberto Guedes, Denise Demétrio
Mauad
(2017)
R$ 49,00





busca | avançada
79144 visitas/dia
2,4 milhões/mês