A escolha de Gauguin | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> Rindo de nossa própria miséria
>>> História da leitura (V): o livro na Era Digital
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Eu sou fiscal do Sarney
>>> Vamos sentir saudades
>>> Pequena poética do miniconto
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Natural de Luís Taparelli D'Azeglio, Sj;Nicolau Rosseti pela Anchieta (1945)
>>> Tiro no coração de Mikal Gilmore pela Companhia das Letras (1996)
>>> A Crise Do CapitalismoA de A Crise Do Capitalismo pela A Crise Do Capitalismo (1999)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Saraiva (2015)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Ediouro (2004)
>>> Gramatica de la lengua espantola de Emilio Alarcos Llorach pela Espasa (2015)
>>> A costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela HarperCollins (2014)
>>> Grande Sertão. Veredas de Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2010)
>>> The India-Rubber Men de Edgar Wallace pela London hodder & stoughton limited (1940)
>>> Flash Mx Com Actionscript - Orientado A Objetos de Francisco Tarcizo B. Junior pela Érica (2002)
>>> Destros e canhotos de José Quadros Franca pela Melhoramentos (1969)
>>> História da riqueza do homem de Leo Huberman pela Zahar (1971)
>>> Sentimentos Modernos de Maria Angela D'incao pela Brasiliense (1996)
>>> A Criança Saudável de Wilhelm Zur Linden pela Brasiliense (1977)
>>> A Mae Do Freud de Luis Fernando Veríssimo pela L&pm (1987)
>>> Irritacao - O Fogo Destruidor de Torkom Saraydarian pela Aquariana (1991)
>>> Boa Noite Punpun de Inio Asano pela JBc (2019)
>>> Biblioteca Desafios Matemáticos - 7 volumes de Vários Autores pela RBA / Editec (2023)
>>> Mude a sua Mente e Transforme a sua Vida de Gerald G. Jampolsky e Diane V. Cirincione pela Cultrix (1999)
>>> Uns e Outros: Contos Espelhados - Tag de Helena Terra e Luiz Ruffato pela Tag / Dublinense (2017)
>>> A Metafísica do Cinema de Robert Bresson de Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira pela Batel (2011)
>>> Violencia Política en el Siglo XXI de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2011)
>>> Religiões e Homossexualidades de Maria das Dores Campos Machado; Fernanda Delvalhas Piccolo (Orgs.) pela Fgv (2010)
>>> Jerusalém de Gonçalo M. Tavares pela Companhia das Letras (2006)
>>> Cinema, Pipoca e Piruá de Sérgio Klein pela Fundamento (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/1/2013
A escolha de Gauguin
Humberto Pereira da Silva
+ de 3300 Acessos

Autorretrato ou Em Golgota, 1896, Óleo sobre tela, 76 x 64 cm, São Paulo, MASP

Quem quer que tenha conhecimento que não vá além de sobrevoo sobre a história da arte tem em mente que Paul Gauguin (1848-1903) - um perspicaz investidor que fez fortuna na Bolsa de Valores, colecionava quadros de artistas execrados pela crítica e pintava nas horas vagas -, aos trinta e cinco anos de vida, rompeu com tudo que o prendia ao mundo burguês e se entregou à pintura. A partir de então, sua vida, suas escolhas se radicalizam a ponto de ele romper com a civilização - os valores nos quais de início afirmava sua escolha pela arte, em proveito da vida burguesa - e terminar seus dias no Pacífico Sul: primeiro no Taiti e, finalmente, nas ilhas Marquesas.

Na história da arte, essa experiência forja, em grande parte, a lenda em torno de sua figura, de sua persona, na mesma medida em que coloca questões sobre como avaliar devidamente sua produção artística. Em Gauguin, de fato, um exemplo extremo de como a vida tem relevo na medida em que ela, em si, estabelece as balizas sobre as quais o valor de sua obra se sustenta. Nele, não é possível separar devidamente as escolhas que tornam aquilo que ele é (ou foi) da existência de suas telas: seus quadros são as escolhas de vida que fez.

De modo que não se vê um Gauguin impunemente, com a desinformação de que suas telas resultam de escolhas extremas, que culminam no afastamento do mundo em que vivia. Gauguin é um artista cuja obra está irremediavelmente condenada a que se a veja pelo prisma da ruptura com o mundo burguês e a civilização. Nesse sentido, é inócuo traçar paralelos com outros artistas: a poesia do romântico Lord Byron (1788-1824) pode ser lida sem que se saiba de sua decisão de lutar e morrer no movimento de libertação da Grécia; o pintor expressionista Franz Marc (1880-1916) não é mais ou menos relevante na história da arte em função de seu alistamento militar e morte nas trincheiras da Primeira Guerra; a popularização de Nietzsche deve muito ao colapso que o levou à loucura, mas ele não escolheu a patologia mental.

Outros artistas, poetas, romancistas ou pensadores podem ser aqui invocados, mas o caso é que em Gauguin obra e escolhas de vida são inseparáveis. Assim, parece razoável supor que o nexo entre vida e obra oferece uma base segura para entendê-lo e, por conseguinte, sua arte. Ledo engano, esse nexo é mais rugoso do que pode parecer à primeira vista. De um lado estão suas telas, ou seja, aquilo que realizou em decorrência de suas escolhas de vida, e que está devidamente catalogado na história da arte. De outro, um personagem cujas escolhas - as razões por tê-las feito - sempre instigarão as mais variadas especulações. Assim, à medida que é impossível avaliar um Gauguin com um filtro em sua vida, as razões (ou desrazões) que o tornam Gauguin são uma pedra no sapato.

"Se tivesse atuado de forma mais inteligente e previdente, podia agora levar uma vida agradável e sem preocupações", afirma numa carta Claude-Emile Schuffenecker, amigo com disposição artística como ele, que o amparou em momentos difíceis, e com quem trabalhara na época em que era corretor da bolsa. A carta foi escrita no momento em que Gauguin havia voltado de sua primeira estada no Taiti e se preparava para a volta definitiva. As palavras de Schuffenecker, na aparência repreensão moralista feita por alguém que está bem de vida e aponta o dedo para o erro de quem vê como fracassado, estão carregadas de sentido que, provavelmente, ele não quis dar.

Ambos saíram da Bolsa na mesma época e abraçaram a vida artística. Schuffenecker, no entanto, estava bem acomodado na condição de funcionário público, como professor de desenho. Acomodação esta impensável para Gauguin. Desde a infância com a mãe no Peru, fugidos da França sob Napoleão III, ele se acostumara à vida de aventura, errância e rebeldia. Adolescente, seu propósito era viajar e para isso seguir a carreira de marinheiro. Nesse ponto, contudo, o ponto cego: ele abandona a marinha, casa-se, constitui família e passa a viver confortavelmente como um burguês bem sucedido.

Ora, difícil levar ao pé da letra a ideia de que ele vá romper com a comodidade do mundo burguês - um mundo para o qual ele foi conduzido por circunstâncias fortuitas e no qual ascendeu rapidamente -, pois a ruptura ocorreu antes, quando abandonou a marinha e o propósito de uma vida de aventura. Mas não é difícil especular que ele manteve uma vida dupla, situada entre dois mundos excludentes. Não é difícil especular, outrossim, que ele jamais conseguiu se desvincular totalmente de um desses mundos e priorizar um deles em detrimento do outro. Schuffenecker o conhecia bem; em suas palavras, inevitável insinuar que Gauguin jamais se afastou do que de agradável a vida burguesa lhe oferecia.

Pode parecer afoiteza, ou carência de prevenção, essa interpretação de palavras casuais de Schuffenecker. Mas, vamos lá, em 1876, quando Gauguin trabalhava na Bolsa e se dedicava à pintura nas horas vagas, algumas telas dessa época foram acolhidas e expostas no Salão Oficial de Paris (lembremos que Paul Cézanne foi recusado em suas tentativas). E, em 1880, quando ainda estava na Bolsa, ele participou da exposição dos impressionistas, que notoriamente se recusavam a participar dos Salões.

Nenhum problema nisso, senão pelo fato de que o rumo de sua pintura carece de direção: um estilo próprio que o caracterize como artista parece indefinido (até a ida ao Taiti, ele oscilou entre realistas, impressionistas, pontilhistas, simbolistas, cloisonnistas e nabistas); assim como cabe especular a aparente radicalidade de suas escolhas: um penoso exercício de liberdade; uma busca sincera e vivida da natureza, de um modo de vida selvagem. Muitos de seus gestos, num paradoxo, parecem afirmar que sua vida foi assim, daí a lenda em torno de sua persona; mas igualmente muitos de seus gestos embaralham essa percepção de busca de um ideal de vida selvagem.

A estação com Van Gogh, em Arles, foi fruto de acordo com Theo Van Gogh, que se comprometeu a negociar seus quadros. Sua decisão, portanto, estava longe de expressar amor pela arte e pactuar, com Van Gogh, a ideia de formação de uma comunidade de artistas. Vale dizer: os dez anos que separam sua saída da Bolsa e a primeira viagem ao Taiti são marcados pela tentativa de ser bem sucedido no mundo das artes; ou, no limite da vaidade, alcançar a fama, a glória, ser reconhecido, enfim (não à toa, seu esforço para se imiscuir em grupos e movimentos artísticos que se contrapunham). Seus contatos e articulações com marchands, artistas e poetas simbolistas (Stéphane Mallarmé, Paul Verlaine, Jean Moréas) sugerem um espírito calculista, em contraste com a imagem de um rebelde em busca de liberdade para criação.

A decisão de abandonar o mundo civilizado, portanto a busca de um ideal na natureza que lhe pudesse fornecer elementos para uma arte genuína, carrega um tanto da dubiedade de mundos em que Gauguin vivia; um tanto da dubiedade que alimentou a aparência de radicalidade em suas escolhas. No Taiti ou nas ilhas Marquesas ele vivia, de fato, como um europeu. É certo que, na maior da do tempo, as condições nas quais ele viveu não eram as mais cômodas; mas é igualmente certo que, nas maiores dificuldade por que passou, sempre recorreu aos seus contatos na França.

Gauguin, de fato, nunca esteve totalmente isolado e, tampouco, absorveu o universo cultural no qual supõe estariam presentes os elementos que o possibilitariam uma expressão artística autêntica, selvagem, em contraste, pois, com o que se fazia no mundo civilizado. Seus escritos reunidos no livro Nôa, Nôa (1897), em que descreve suas experiências nos mares do sul, deixam evidente que a compreensão que tinha dos nativos não lhe permitia entrar em seu universo de crenças: por decisão consciente ou não, ele não absorveu o que a cultura nativa lhe podia oferecer.

Disso se extrai que ele não rompeu com a civilização. Dois anos no Taiti (1891-1893) e ele retorna à civilização, para retornar novamente aos mares do sul (1895-1903). Nessa segunda estada, um contrato com o marchand Ambroise Vollard lhe permite viver bem, de um ponto de vista que seria reclamado por Schuffenecker. Deve-se, com isso, tributar ao tráfego de suas telas a criação da lenda do artista que rompe com a civilização em busca de um lugar idealizado para sua criação. E essa lenda aumenta na mesma proporção em que suas experiências nos mares do sul ganham contornos de dramaticidade. Em seus últimos anos de vida, ele passa a conviver com problemas crônicos de saúde, provavelmente pela contração de sífilis, em conflito com autoridades locais e, finalmente, tem uma morte agonizante.

Com isso, o que se tem em vista é a dimensão e a ressonância das rupturas de Gauguin. De uma parte, nele não é possível separar vida e obra: esta é vista pelo crivo da ruptura com o mundo civilizado e pela busca de uma natureza que o possibilitasse uma criação genuína. Mas, sua arte reflete os valores do mundo que nega; e, disso ele não escapa: sua obra se afirma efetivamente na civilização. Ele não consegue - ou calculadamente não teve essa intenção - realizar uma arte maori ou algo parecido. Gauguin está na história como um dos grandes artistas da civilização com que ele, supostamente, havia rompido.

O valor da obra de Gauguin, isso é inequívoco, reflete suas escolhas. As razões destas, contudo, jamais serão suficientemente esclarecidas, em decorrência de sua personalidade dúbia. Com isso se quer sugerir tão somente que, artista genuinamente civilizado, como resultado de suas escolhas sua arte é única - ninguém o seguiu em seu atelier nos trópicos. Se sua vaidade chegou a tanto (sua estada nos mares do sul deixa indícios de que queria voltar, mas desaconselhado pelo marchand Daniel de Monfreid, decidiu jogar com a roleta russa até o fim e sustentar a lenda do pintor do Pacífico Sul), seu nome se impõe como experiência absolutamente singular na história da arte.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 9/1/2013

Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
03. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
04. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Presente a Dádiva Que Abençoa a Quem o Dá
R. R. Soares
Graça Editorial
(2000)



Marketing de Relacionamento e Competição Em Tempo Real Com Crm
M. Bretzke
Atlas
(2000)



O Desafio do Fórum Social Mundial - um Modo de Ver
Chico Whitaker Prefácio de Oded Grajew
Perseu Abramo
(2005)



Pollyanna - the Heinle Reading Library Series
Eleanor H. Porter
Cengage
(2009)



Três Estilos de Mulher - a Domestica. Col o Mundo Hoje Nr 39
Susana Pravaz
Paz e Terrra
(1981)



Brinque-book Conta Fábulas: o Conselho do Leão e Outras Histórias
Bob Hartman, Susie Poole
Brinque Book
(2002)



A Dinâmica do Amor 3ªed. 1984
Yves S. Arnaud
Paulinas
(1984)



Coleção Supergasbras Salgadinhos
Gold Editora
Gold
(2011)



Alegria e Triunfo
Lourenço Prado
Pensamento
(2012)



Pintura Aventura
Katia Canton
Dcl
(2009)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês