A escolha de Gauguin | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/1/2013
A escolha de Gauguin
Humberto Pereira da Silva

+ de 2600 Acessos

Autorretrato ou Em Golgota, 1896, Óleo sobre tela, 76 x 64 cm, São Paulo, MASP

Quem quer que tenha conhecimento que não vá além de sobrevoo sobre a história da arte tem em mente que Paul Gauguin (1848-1903) - um perspicaz investidor que fez fortuna na Bolsa de Valores, colecionava quadros de artistas execrados pela crítica e pintava nas horas vagas -, aos trinta e cinco anos de vida, rompeu com tudo que o prendia ao mundo burguês e se entregou à pintura. A partir de então, sua vida, suas escolhas se radicalizam a ponto de ele romper com a civilização - os valores nos quais de início afirmava sua escolha pela arte, em proveito da vida burguesa - e terminar seus dias no Pacífico Sul: primeiro no Taiti e, finalmente, nas ilhas Marquesas.

Na história da arte, essa experiência forja, em grande parte, a lenda em torno de sua figura, de sua persona, na mesma medida em que coloca questões sobre como avaliar devidamente sua produção artística. Em Gauguin, de fato, um exemplo extremo de como a vida tem relevo na medida em que ela, em si, estabelece as balizas sobre as quais o valor de sua obra se sustenta. Nele, não é possível separar devidamente as escolhas que tornam aquilo que ele é (ou foi) da existência de suas telas: seus quadros são as escolhas de vida que fez.

De modo que não se vê um Gauguin impunemente, com a desinformação de que suas telas resultam de escolhas extremas, que culminam no afastamento do mundo em que vivia. Gauguin é um artista cuja obra está irremediavelmente condenada a que se a veja pelo prisma da ruptura com o mundo burguês e a civilização. Nesse sentido, é inócuo traçar paralelos com outros artistas: a poesia do romântico Lord Byron (1788-1824) pode ser lida sem que se saiba de sua decisão de lutar e morrer no movimento de libertação da Grécia; o pintor expressionista Franz Marc (1880-1916) não é mais ou menos relevante na história da arte em função de seu alistamento militar e morte nas trincheiras da Primeira Guerra; a popularização de Nietzsche deve muito ao colapso que o levou à loucura, mas ele não escolheu a patologia mental.

Outros artistas, poetas, romancistas ou pensadores podem ser aqui invocados, mas o caso é que em Gauguin obra e escolhas de vida são inseparáveis. Assim, parece razoável supor que o nexo entre vida e obra oferece uma base segura para entendê-lo e, por conseguinte, sua arte. Ledo engano, esse nexo é mais rugoso do que pode parecer à primeira vista. De um lado estão suas telas, ou seja, aquilo que realizou em decorrência de suas escolhas de vida, e que está devidamente catalogado na história da arte. De outro, um personagem cujas escolhas - as razões por tê-las feito - sempre instigarão as mais variadas especulações. Assim, à medida que é impossível avaliar um Gauguin com um filtro em sua vida, as razões (ou desrazões) que o tornam Gauguin são uma pedra no sapato.

"Se tivesse atuado de forma mais inteligente e previdente, podia agora levar uma vida agradável e sem preocupações", afirma numa carta Claude-Emile Schuffenecker, amigo com disposição artística como ele, que o amparou em momentos difíceis, e com quem trabalhara na época em que era corretor da bolsa. A carta foi escrita no momento em que Gauguin havia voltado de sua primeira estada no Taiti e se preparava para a volta definitiva. As palavras de Schuffenecker, na aparência repreensão moralista feita por alguém que está bem de vida e aponta o dedo para o erro de quem vê como fracassado, estão carregadas de sentido que, provavelmente, ele não quis dar.

Ambos saíram da Bolsa na mesma época e abraçaram a vida artística. Schuffenecker, no entanto, estava bem acomodado na condição de funcionário público, como professor de desenho. Acomodação esta impensável para Gauguin. Desde a infância com a mãe no Peru, fugidos da França sob Napoleão III, ele se acostumara à vida de aventura, errância e rebeldia. Adolescente, seu propósito era viajar e para isso seguir a carreira de marinheiro. Nesse ponto, contudo, o ponto cego: ele abandona a marinha, casa-se, constitui família e passa a viver confortavelmente como um burguês bem sucedido.

Ora, difícil levar ao pé da letra a ideia de que ele vá romper com a comodidade do mundo burguês - um mundo para o qual ele foi conduzido por circunstâncias fortuitas e no qual ascendeu rapidamente -, pois a ruptura ocorreu antes, quando abandonou a marinha e o propósito de uma vida de aventura. Mas não é difícil especular que ele manteve uma vida dupla, situada entre dois mundos excludentes. Não é difícil especular, outrossim, que ele jamais conseguiu se desvincular totalmente de um desses mundos e priorizar um deles em detrimento do outro. Schuffenecker o conhecia bem; em suas palavras, inevitável insinuar que Gauguin jamais se afastou do que de agradável a vida burguesa lhe oferecia.

Pode parecer afoiteza, ou carência de prevenção, essa interpretação de palavras casuais de Schuffenecker. Mas, vamos lá, em 1876, quando Gauguin trabalhava na Bolsa e se dedicava à pintura nas horas vagas, algumas telas dessa época foram acolhidas e expostas no Salão Oficial de Paris (lembremos que Paul Cézanne foi recusado em suas tentativas). E, em 1880, quando ainda estava na Bolsa, ele participou da exposição dos impressionistas, que notoriamente se recusavam a participar dos Salões.

Nenhum problema nisso, senão pelo fato de que o rumo de sua pintura carece de direção: um estilo próprio que o caracterize como artista parece indefinido (até a ida ao Taiti, ele oscilou entre realistas, impressionistas, pontilhistas, simbolistas, cloisonnistas e nabistas); assim como cabe especular a aparente radicalidade de suas escolhas: um penoso exercício de liberdade; uma busca sincera e vivida da natureza, de um modo de vida selvagem. Muitos de seus gestos, num paradoxo, parecem afirmar que sua vida foi assim, daí a lenda em torno de sua persona; mas igualmente muitos de seus gestos embaralham essa percepção de busca de um ideal de vida selvagem.

A estação com Van Gogh, em Arles, foi fruto de acordo com Theo Van Gogh, que se comprometeu a negociar seus quadros. Sua decisão, portanto, estava longe de expressar amor pela arte e pactuar, com Van Gogh, a ideia de formação de uma comunidade de artistas. Vale dizer: os dez anos que separam sua saída da Bolsa e a primeira viagem ao Taiti são marcados pela tentativa de ser bem sucedido no mundo das artes; ou, no limite da vaidade, alcançar a fama, a glória, ser reconhecido, enfim (não à toa, seu esforço para se imiscuir em grupos e movimentos artísticos que se contrapunham). Seus contatos e articulações com marchands, artistas e poetas simbolistas (Stéphane Mallarmé, Paul Verlaine, Jean Moréas) sugerem um espírito calculista, em contraste com a imagem de um rebelde em busca de liberdade para criação.

A decisão de abandonar o mundo civilizado, portanto a busca de um ideal na natureza que lhe pudesse fornecer elementos para uma arte genuína, carrega um tanto da dubiedade de mundos em que Gauguin vivia; um tanto da dubiedade que alimentou a aparência de radicalidade em suas escolhas. No Taiti ou nas ilhas Marquesas ele vivia, de fato, como um europeu. É certo que, na maior da do tempo, as condições nas quais ele viveu não eram as mais cômodas; mas é igualmente certo que, nas maiores dificuldade por que passou, sempre recorreu aos seus contatos na França.

Gauguin, de fato, nunca esteve totalmente isolado e, tampouco, absorveu o universo cultural no qual supõe estariam presentes os elementos que o possibilitariam uma expressão artística autêntica, selvagem, em contraste, pois, com o que se fazia no mundo civilizado. Seus escritos reunidos no livro Nôa, Nôa (1897), em que descreve suas experiências nos mares do sul, deixam evidente que a compreensão que tinha dos nativos não lhe permitia entrar em seu universo de crenças: por decisão consciente ou não, ele não absorveu o que a cultura nativa lhe podia oferecer.

Disso se extrai que ele não rompeu com a civilização. Dois anos no Taiti (1891-1893) e ele retorna à civilização, para retornar novamente aos mares do sul (1895-1903). Nessa segunda estada, um contrato com o marchand Ambroise Vollard lhe permite viver bem, de um ponto de vista que seria reclamado por Schuffenecker. Deve-se, com isso, tributar ao tráfego de suas telas a criação da lenda do artista que rompe com a civilização em busca de um lugar idealizado para sua criação. E essa lenda aumenta na mesma proporção em que suas experiências nos mares do sul ganham contornos de dramaticidade. Em seus últimos anos de vida, ele passa a conviver com problemas crônicos de saúde, provavelmente pela contração de sífilis, em conflito com autoridades locais e, finalmente, tem uma morte agonizante.

Com isso, o que se tem em vista é a dimensão e a ressonância das rupturas de Gauguin. De uma parte, nele não é possível separar vida e obra: esta é vista pelo crivo da ruptura com o mundo civilizado e pela busca de uma natureza que o possibilitasse uma criação genuína. Mas, sua arte reflete os valores do mundo que nega; e, disso ele não escapa: sua obra se afirma efetivamente na civilização. Ele não consegue - ou calculadamente não teve essa intenção - realizar uma arte maori ou algo parecido. Gauguin está na história como um dos grandes artistas da civilização com que ele, supostamente, havia rompido.

O valor da obra de Gauguin, isso é inequívoco, reflete suas escolhas. As razões destas, contudo, jamais serão suficientemente esclarecidas, em decorrência de sua personalidade dúbia. Com isso se quer sugerir tão somente que, artista genuinamente civilizado, como resultado de suas escolhas sua arte é única - ninguém o seguiu em seu atelier nos trópicos. Se sua vaidade chegou a tanto (sua estada nos mares do sul deixa indícios de que queria voltar, mas desaconselhado pelo marchand Daniel de Monfreid, decidiu jogar com a roleta russa até o fim e sustentar a lenda do pintor do Pacífico Sul), seu nome se impõe como experiência absolutamente singular na história da arte.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 9/1/2013


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
03. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
04. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE CHARLIE BROWN DICTIONARY
CHARLES M. SCHULZ (CAPA DURA)
RANDOM HOUSE
(1973)
R$ 22,82



VISÍVEL ESCURIDÃO
WILLIAM GOLDING
FRANCISCO ALVES
(1982)
R$ 7,00



CONQUERING DIABETES: A CUTTING-EDGE, COMPREHENSIVE PROGRAM FOR....
ANNE PETERS
HUDSOM STREET
(2005)
R$ 10,00



ESCRITURA A ALMA DA TEOLOGIA
JOSEPH A. FITZMYER
LOYOLA
(1997)
R$ 14,00



A STARTUP DE 100
CHRIS GUILLEBEAU
SARAIVA
(2013)
R$ 25,00



LEITURAS OBRIGATÓRIAS
DÉBORA LUCIENE PORTO; MÁRCIO DE SOUZA; WILLIAM MORENO BOENAVIDES (ORG.)
METAMORFOSE
(2016)
R$ 4,00



BLED LES 50 REGLES DOR DE LA GRAMMAIRE
BERLION DANIEL
HACHETTE FRANCE
(2009)
R$ 50,00



VITÓRIA
ANKA MUHLSTEIN
CIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 31,50
+ frete grátis



CATOLICISMO PARA LEIGOS
JOHN TRIGILIO E KENNETH BRIGHENTI
ALTABOOKS
(2008)
R$ 79,00



QUESTÕES RECENTES NA ANÁLISE COMPORTAMENTAL
B. F. SKINNER
PAPIRUS
(1991)
R$ 190,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês