A escolha de Gauguin | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Atmosphere
>>> O Segredo do Vovô Coelhão
>>> Separações é Amores II
>>> 10 de Abril #digestivo10anos
>>> Não presta, mas vá ver
>>> Sobre o Jabá
>>> Crise da Democracia
>>> Bill Gates e o Internet Explorer
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
Mais Recentes
>>> A Resposta de Kathryn Stockett-- Caroline Chang pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Guia Prático de Primeiros Socorros - o Que Fazer Em Casos de Dr Gerson Trevilato pela Dr Gerson Trevilato (2001)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 13 de Ufsc pela Cidade Futura (2008)
>>> Apesar de Tudo de Mônica de Castro pela Vida e Consciência (2013)
>>> Trangressões de Uzma Aslam Khan pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 15 de Ufsc pela Cidade Futura (2009)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Nº 6 de Ufsc pela Cidade Futura (2005)
>>> Louis Frenzel Jr. - Jose Lucimar do de Luciano Raimundi - Direção pela Susaeta (1989)
>>> Memórias Alinhavadas de Beatriz Viegas pela Artes e Oficios (1997)
>>> Carlota Joaquina na Corte do Brasil de Francisca L. Nogueira de Azevedo pela Civilização Brasileira (2003)
>>> Revista National Geographic Brasil - Junho 2003 de Diversos pela Abril (2003)
>>> Revista National Geographic Brasil - Maio 2003 de Diversos pela Abril (2003)
>>> Os Amantes - Estado de Novo de Rod Nordland pela Harper Collins (2016)
>>> Revista National Geographic Brasil - Abril 2003 de Diversos pela Abril (2003)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 05 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> Hot Metal Vol. II de Guitar pela Guitar (1989)
>>> Revista National Geographic Brasil - Março de 2003 de Diversos pela Abril (2003)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 10 de Ufsc pela Cidade Futura (2007)
>>> História do Brasil - 2ªdição - Revista e Atualizada de Francisco M. P. Teixeira pela Global (2000)
>>> Revista National Geographic Brasil - Janeiro 2003 de Diversos pela Abril (2003)
>>> Cálculo Aplicado à Gestão e aos Negócios de Nelson Pereira pela Intersaberes (2016)
>>> O Último Teorema de Fermat de Simon Singh pela Record (1999)
>>> Três Autos (Alma / Barca do Inferno / /Mofina Mendes de Gil Vicente pela Ediouro (1997)
>>> Corpo a corpo com a mulher. Pequena história das transformações do corpo feminino no Brasil de Mary del Priore pela Senac SP (2000)
>>> Ao Sul do Corpo. Condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia de Mary del Priore pela Edunb/José Olympio (1993)
>>> História do amor no Brasil de Mary del Priore pela Contexto (2006)
>>> História das crianças no Brasil de Mary del Priore. Organização pela Contexto (1999)
>>> Lançamento Col Eu Gosto Mais Caderno de Letras V1 Ed Inf do Professor de Jorge Yunes (dir. Sup) pela IBEP (2015)
>>> Lançamento Coleção Eu Gosto Mais Caderno de Letras V 2 Ed. Infantil de Jorge Yunes pela IBEP (2015)
>>> Coleção Eu Gosto Mais - Caderno de Alfabetização - Lançamento de Célia Passos e Zeneide Silva / Livro do Professor pela IBEP (2015)
>>> XIARARIBÓIACINE - MEMÓRIAS de Ministério da Cultura pela Festival de Niterói (2012)
>>> Tempo de Matemática 6ª série - LIVRO DO MESTRE de Miguel Asis Name pela do Brasil (1996)
>>> Matemática - Conceitos e Histórias 8ª série - EXEMPLAR DO PROFESSOR de Di Pierro Netto pela Scipione (1995)
>>> Interdisciplinar - Estação Criança 1 - Educação Infantil - Trenzinho de atividades- do Professor de Júnia La Scala e Outros pela Quinteto (2015)
>>> História das mulheres no Brasil de Mary del Priore. Organização pela Contexto/Unesp (1997)
>>> Moderna de Geografia vol. 1 - Noções Básicas de Geografia Geral e do Brasil - Primeiro Grau pela Moderna (1995)
>>> Ley Nº 393 - Ley de Servicios Financeiros de Ministério de Economía y Finanzas Públicas pela M.E.F.P
>>> Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas Públicas de Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome pela SNSAN (2012)
>>> PDE Prova Brasil - Plano de Desenvolvimento de Educação - Ensino Fundamental de Ministério da Educação Secretária de Educação Básica pela PDE (2009)
>>> Secretaria de Programas Regionais - Desenvolver as regiões para reduzir as desigualdades de Ministério da Integração Nacional pela M.I.N
>>> Ritmos da História 6º ano - DO PROFESSOR de Flavio de Campos se Outros pela Escala Educacional (2009)
>>> Matemática 2 - DO PROFESSOR de Ênio Silveira e Cláudio Marques pela Moderna (2010)
>>> Porta Aberta - História e Geografia 5º ano - DO PROFESSOR de Mirna Lima pela FTD (2009)
>>> Novo História 8º ano - Conceitos e Procedimentos - DO PROFESSOR de Ricardo Dreguer e Eliete Toledo pela Atual (2009)
>>> Geografia - Rio de Janeiro 3ª série - DO PROFESSOR de Siomara Sodré Spinola pela Ática (2006)
>>> Sociologia em Movimento -1º 2º e 3º anos do Ensino Médio - DO PROFESSOR de Afrânio Silva e Outros pela Moderna (2014)
>>> Práticas Pedagógicas Em Educação Física: Espaço, Tempo e Corporei de Fernando Jaime Gonzalez; M Simone / do Professor pela Edelbra Ltda (2012)
>>> Pensar, Refletir e Filosofar 5º ano - MANUAL DO EDUCADOR de Maria Amélia Vieira e Rute de Souza Galvão pela Construir
>>> Pensar, Refletir e Filosofar 4º ano - MANUAL DO EDUCADOR de Maria Amélia Vieira e Rute de Souza Galvão pela Construir
>>> Pensar, Refletir e Filosofar 2º ano - MANUAL DO EDUCADOR de Maria Amélia Vieira e Rute de Souza Galvão pela Construir
COLUNAS

Quarta-feira, 9/1/2013
A escolha de Gauguin
Humberto Pereira da Silva

+ de 2600 Acessos

Autorretrato ou Em Golgota, 1896, Óleo sobre tela, 76 x 64 cm, São Paulo, MASP

Quem quer que tenha conhecimento que não vá além de sobrevoo sobre a história da arte tem em mente que Paul Gauguin (1848-1903) - um perspicaz investidor que fez fortuna na Bolsa de Valores, colecionava quadros de artistas execrados pela crítica e pintava nas horas vagas -, aos trinta e cinco anos de vida, rompeu com tudo que o prendia ao mundo burguês e se entregou à pintura. A partir de então, sua vida, suas escolhas se radicalizam a ponto de ele romper com a civilização - os valores nos quais de início afirmava sua escolha pela arte, em proveito da vida burguesa - e terminar seus dias no Pacífico Sul: primeiro no Taiti e, finalmente, nas ilhas Marquesas.

Na história da arte, essa experiência forja, em grande parte, a lenda em torno de sua figura, de sua persona, na mesma medida em que coloca questões sobre como avaliar devidamente sua produção artística. Em Gauguin, de fato, um exemplo extremo de como a vida tem relevo na medida em que ela, em si, estabelece as balizas sobre as quais o valor de sua obra se sustenta. Nele, não é possível separar devidamente as escolhas que tornam aquilo que ele é (ou foi) da existência de suas telas: seus quadros são as escolhas de vida que fez.

De modo que não se vê um Gauguin impunemente, com a desinformação de que suas telas resultam de escolhas extremas, que culminam no afastamento do mundo em que vivia. Gauguin é um artista cuja obra está irremediavelmente condenada a que se a veja pelo prisma da ruptura com o mundo burguês e a civilização. Nesse sentido, é inócuo traçar paralelos com outros artistas: a poesia do romântico Lord Byron (1788-1824) pode ser lida sem que se saiba de sua decisão de lutar e morrer no movimento de libertação da Grécia; o pintor expressionista Franz Marc (1880-1916) não é mais ou menos relevante na história da arte em função de seu alistamento militar e morte nas trincheiras da Primeira Guerra; a popularização de Nietzsche deve muito ao colapso que o levou à loucura, mas ele não escolheu a patologia mental.

Outros artistas, poetas, romancistas ou pensadores podem ser aqui invocados, mas o caso é que em Gauguin obra e escolhas de vida são inseparáveis. Assim, parece razoável supor que o nexo entre vida e obra oferece uma base segura para entendê-lo e, por conseguinte, sua arte. Ledo engano, esse nexo é mais rugoso do que pode parecer à primeira vista. De um lado estão suas telas, ou seja, aquilo que realizou em decorrência de suas escolhas de vida, e que está devidamente catalogado na história da arte. De outro, um personagem cujas escolhas - as razões por tê-las feito - sempre instigarão as mais variadas especulações. Assim, à medida que é impossível avaliar um Gauguin com um filtro em sua vida, as razões (ou desrazões) que o tornam Gauguin são uma pedra no sapato.

"Se tivesse atuado de forma mais inteligente e previdente, podia agora levar uma vida agradável e sem preocupações", afirma numa carta Claude-Emile Schuffenecker, amigo com disposição artística como ele, que o amparou em momentos difíceis, e com quem trabalhara na época em que era corretor da bolsa. A carta foi escrita no momento em que Gauguin havia voltado de sua primeira estada no Taiti e se preparava para a volta definitiva. As palavras de Schuffenecker, na aparência repreensão moralista feita por alguém que está bem de vida e aponta o dedo para o erro de quem vê como fracassado, estão carregadas de sentido que, provavelmente, ele não quis dar.

Ambos saíram da Bolsa na mesma época e abraçaram a vida artística. Schuffenecker, no entanto, estava bem acomodado na condição de funcionário público, como professor de desenho. Acomodação esta impensável para Gauguin. Desde a infância com a mãe no Peru, fugidos da França sob Napoleão III, ele se acostumara à vida de aventura, errância e rebeldia. Adolescente, seu propósito era viajar e para isso seguir a carreira de marinheiro. Nesse ponto, contudo, o ponto cego: ele abandona a marinha, casa-se, constitui família e passa a viver confortavelmente como um burguês bem sucedido.

Ora, difícil levar ao pé da letra a ideia de que ele vá romper com a comodidade do mundo burguês - um mundo para o qual ele foi conduzido por circunstâncias fortuitas e no qual ascendeu rapidamente -, pois a ruptura ocorreu antes, quando abandonou a marinha e o propósito de uma vida de aventura. Mas não é difícil especular que ele manteve uma vida dupla, situada entre dois mundos excludentes. Não é difícil especular, outrossim, que ele jamais conseguiu se desvincular totalmente de um desses mundos e priorizar um deles em detrimento do outro. Schuffenecker o conhecia bem; em suas palavras, inevitável insinuar que Gauguin jamais se afastou do que de agradável a vida burguesa lhe oferecia.

Pode parecer afoiteza, ou carência de prevenção, essa interpretação de palavras casuais de Schuffenecker. Mas, vamos lá, em 1876, quando Gauguin trabalhava na Bolsa e se dedicava à pintura nas horas vagas, algumas telas dessa época foram acolhidas e expostas no Salão Oficial de Paris (lembremos que Paul Cézanne foi recusado em suas tentativas). E, em 1880, quando ainda estava na Bolsa, ele participou da exposição dos impressionistas, que notoriamente se recusavam a participar dos Salões.

Nenhum problema nisso, senão pelo fato de que o rumo de sua pintura carece de direção: um estilo próprio que o caracterize como artista parece indefinido (até a ida ao Taiti, ele oscilou entre realistas, impressionistas, pontilhistas, simbolistas, cloisonnistas e nabistas); assim como cabe especular a aparente radicalidade de suas escolhas: um penoso exercício de liberdade; uma busca sincera e vivida da natureza, de um modo de vida selvagem. Muitos de seus gestos, num paradoxo, parecem afirmar que sua vida foi assim, daí a lenda em torno de sua persona; mas igualmente muitos de seus gestos embaralham essa percepção de busca de um ideal de vida selvagem.

A estação com Van Gogh, em Arles, foi fruto de acordo com Theo Van Gogh, que se comprometeu a negociar seus quadros. Sua decisão, portanto, estava longe de expressar amor pela arte e pactuar, com Van Gogh, a ideia de formação de uma comunidade de artistas. Vale dizer: os dez anos que separam sua saída da Bolsa e a primeira viagem ao Taiti são marcados pela tentativa de ser bem sucedido no mundo das artes; ou, no limite da vaidade, alcançar a fama, a glória, ser reconhecido, enfim (não à toa, seu esforço para se imiscuir em grupos e movimentos artísticos que se contrapunham). Seus contatos e articulações com marchands, artistas e poetas simbolistas (Stéphane Mallarmé, Paul Verlaine, Jean Moréas) sugerem um espírito calculista, em contraste com a imagem de um rebelde em busca de liberdade para criação.

A decisão de abandonar o mundo civilizado, portanto a busca de um ideal na natureza que lhe pudesse fornecer elementos para uma arte genuína, carrega um tanto da dubiedade de mundos em que Gauguin vivia; um tanto da dubiedade que alimentou a aparência de radicalidade em suas escolhas. No Taiti ou nas ilhas Marquesas ele vivia, de fato, como um europeu. É certo que, na maior da do tempo, as condições nas quais ele viveu não eram as mais cômodas; mas é igualmente certo que, nas maiores dificuldade por que passou, sempre recorreu aos seus contatos na França.

Gauguin, de fato, nunca esteve totalmente isolado e, tampouco, absorveu o universo cultural no qual supõe estariam presentes os elementos que o possibilitariam uma expressão artística autêntica, selvagem, em contraste, pois, com o que se fazia no mundo civilizado. Seus escritos reunidos no livro Nôa, Nôa (1897), em que descreve suas experiências nos mares do sul, deixam evidente que a compreensão que tinha dos nativos não lhe permitia entrar em seu universo de crenças: por decisão consciente ou não, ele não absorveu o que a cultura nativa lhe podia oferecer.

Disso se extrai que ele não rompeu com a civilização. Dois anos no Taiti (1891-1893) e ele retorna à civilização, para retornar novamente aos mares do sul (1895-1903). Nessa segunda estada, um contrato com o marchand Ambroise Vollard lhe permite viver bem, de um ponto de vista que seria reclamado por Schuffenecker. Deve-se, com isso, tributar ao tráfego de suas telas a criação da lenda do artista que rompe com a civilização em busca de um lugar idealizado para sua criação. E essa lenda aumenta na mesma proporção em que suas experiências nos mares do sul ganham contornos de dramaticidade. Em seus últimos anos de vida, ele passa a conviver com problemas crônicos de saúde, provavelmente pela contração de sífilis, em conflito com autoridades locais e, finalmente, tem uma morte agonizante.

Com isso, o que se tem em vista é a dimensão e a ressonância das rupturas de Gauguin. De uma parte, nele não é possível separar vida e obra: esta é vista pelo crivo da ruptura com o mundo civilizado e pela busca de uma natureza que o possibilitasse uma criação genuína. Mas, sua arte reflete os valores do mundo que nega; e, disso ele não escapa: sua obra se afirma efetivamente na civilização. Ele não consegue - ou calculadamente não teve essa intenção - realizar uma arte maori ou algo parecido. Gauguin está na história como um dos grandes artistas da civilização com que ele, supostamente, havia rompido.

O valor da obra de Gauguin, isso é inequívoco, reflete suas escolhas. As razões destas, contudo, jamais serão suficientemente esclarecidas, em decorrência de sua personalidade dúbia. Com isso se quer sugerir tão somente que, artista genuinamente civilizado, como resultado de suas escolhas sua arte é única - ninguém o seguiu em seu atelier nos trópicos. Se sua vaidade chegou a tanto (sua estada nos mares do sul deixa indícios de que queria voltar, mas desaconselhado pelo marchand Daniel de Monfreid, decidiu jogar com a roleta russa até o fim e sustentar a lenda do pintor do Pacífico Sul), seu nome se impõe como experiência absolutamente singular na história da arte.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 9/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
02. Pergunte às tartarugas de Tais Laporta


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
03. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
04. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MORTE DE UM PERITO - 1ª EDIÇÃO
P. D. JAMES
COMPANHIA DAS LETRAS
(2003)
R$ 15,00



HISTÓRIAS TÃO PEQUENAS DE NOS DOIS
JOÃO MARCOS
ABACATTE
(2011)
R$ 23,00



COMMON CLINICAL DILEMMAS IN PERCUTANEOUS CORONARY INTERVENTIONS
EULOGIO E MARTINEZ
INFORMA
(2007)
R$ 231,15



OS ESTADOS UNIDOS ATRAVÉS DO CONTO
GRAVES GLENWOOD CLARK
MEC
(1958)
R$ 7,82



A PAPISA: A BUSCA DA VERDADE SOBRE A HISTÓRIA DE JOANA, A PAPISA
PETER STANFORD
GRYPHUS
(2000)
R$ 35,00



TEORIA GENERAL DEL ESTADO
HANS KELSEN
LABOR
(1954)
R$ 53,28



INOCÊNCIA EM PERIGO: ABUSO SEXUAL DE CRIANÇAS, PORNOGRAFIA INFANT
PATRICE DUNAIGRE, HÉLIA BARBOSA E OUTROS
UNESCO; GARAMOND
(1999)
R$ 25,82



CURSO DE PORTUGUÊS JURÍDICO - 8ª EDIÇÃO
REGINA TOLEDO DAMIÃO ; ANTONIO HENRIQUES
ATLAS
(2000)
R$ 10,00



CLEÓPATRA - A HISTÓRIA DE UMA RAINHA
EMIL LUDWING
OUTROS
(1943)
R$ 8,64



O ESTADO EM TRANSFORMAÇÃO
CADERNO CRH Nº 35 - JULHOEDEZEMBRO DE 2001
UFBA (SALVADOR)
(2002)
R$ 22,82





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês