Alterações pernambucanas | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mondrian: a aventura espiritual da pintura
>>> 50 anos de poesia concreta
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
Mais Recentes
>>> Efeito Facebook de David Kirkpatrick pela Intrínseca (2011)
>>> Teatro: Lampiao A Beata Maria do Egito de Raquel de Queiroz pela Siciliano (2001)
>>> O Pacifista de John Boyne pela Companhia das Letras (2012)
>>> A descoberta da América pelos turcos de Jorge Amado pela Record (1994)
>>> Inverno do Mundo de Ken Follett pela Arqueiro (2012)
>>> Tracos & trocos de Odayr Miguel de Lima pela Reluz Grafica (2007)
>>> Queda de Gigantes de Ken Follett pela Arqueiro (2010)
>>> Eternidade Por um Fio de Ken Follett pela Arqueiro (2014)
>>> A Linguagem do Corpo de David Cohen pela Vozes (2014)
>>> As margens da tradução de Gustavo Bernardo (org.) pela Faperj - Caetés (2002)
>>> A Voz e o Olhar do Outro (Vol. IV) de Leila Assumpção Harris (org.) pela Letra Capital (2012)
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
COLUNAS

Terça-feira, 25/11/2003
Alterações pernambucanas
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 4000 Acessos

A Guerra dos Mascates (1710-1711) foi o conflito entre os senhores de terra, nos engenhos de Olinda, e os comerciantes portugueses do Recife, os mascates. À época, os proprietários de terra de Olinda estavam endividados em razão da queda internacional do preço do açúcar e, por isso, não aceitaram a emancipação político-administrativa do Recife, onde se concentravam os mascates, posto que este fato só atrapalharia ainda mais a situação dos senhores de Engenho. Mais do que narrar os acontecimentos, o livro A Fronda dos Mazombos, do historiador Evaldo Cabral de Mello, propõe-se a analisar, com riqueza de detalhes, os fatos que cercaram este conflito.

Trata-se, na verdade, de um relançamento, uma vez que a primeira edição do livro saiu em 1995. Desta feita, conforme o próprio autor avisa no início, foram adicionadas informações obtidas em documentação antes existente em Lisboa e que só agora esteve à disposição do historiador. Mais detalhes. Assim, o livro se divide em duas partes. A primeira, “Entre os holandeses e os mascates”, tece impressões sobre a sociedade, vida política e economia das décadas anteriores ao conflito, de 1666 em diante. Já a segunda, “Alterações pernambucanas”, conta o conflito em si.

O historiador inicia sua análise pelo que ele considera ser a gênese do conflito, a destituição de Jerônimo de Mendonça Furtado do cargo de Governador Geral de Pernambuco, em 1666. A partir daí, passa a buscar, nas minúcias, quais foram as causas que levaram ao conflito, sempre tendo a deposição como fio condutor dessa seção. Além disso, preenche a aridez das notas e dos documentos históricos com o relato passional dos cronistas contemporâneos, o que torna a leitura um pouco mais agradável. Entretanto, se por um lado o leitor não se perde com os flashbacks da narrativa, por outro, observa-se que algumas descrições poderiam, sem qualquer defasagem à história, ser suprimidas. Isso porque quem desconhece o assunto corre o risco de ter como foco principal o que ali está como complemento. Já o leitor iniciado, por sua vez, tende a considerar os esclarecimentos ali expostos excessivamente repetitivos, uma vez que a toda hora estes fazem alusão ao que já está sugerido nas primeiras linhas da obra: a luta pelo poder entre os grupos que, mais tarde, se confrontariam.

Isso fica claro no quarto capítulo, quando se tem a totalidade dos eventos que antecedem o confronto entre os nobres e os mascates. Nesse ponto, aliás, o autor consegue tocar o cerne da questão, ao evidenciar o que até aquele momento estava implícito, que é a luta de classes. E a tese se confirma a partir dos relatos de cada parte, que são contrapostos a fim de proporcionar ao leitor uma visão parcial do ocorrido. Observa-se também que essa polarização entre comerciantes e agricultores foi muito peculiar à realidade de Pernambuco. Exemplo disso foi a convivência pacífica entre os dois grupos na Bahia, conforme revela o autor: “A própria facilidade com que os comerciantes ricos pularam a barreira para tornar-se parte da elite impediu-a de se transformar numa corporação fechada que poderia ter marginalizado um grupo social economicamente poderoso e politicamente fraco, situação que quase certamente teria provocado conflito de classe”.

Além disso, Evaldo Cabral de Mello levanta uma explicação necessária para o desmonte do mito da cordialidade do Brasil Colônia ao mostrar como era violenta a sociedade pernambucana naquele momento: “Ao percorrer estas páginas, o leitor poderá interrogar-se sobre a sem-cerimônia com que se mandava espancar e assassinar, práticas ampla e tacitamente aceitas por todas as camadas sociais”.

Outro tópico fundamental, já na segunda parte, é o que versa sobre o governo de Sebastião de Castro e Caldas. Evaldo Cabral gasta boa parte do livro contando as ações dos governadores-gerais (há, inclusive, no anexo uma lista com todos os governadores de 1654 a 1718); no entanto, faz uma análise acurada da gestão de Castro e Caldas, enfatizando, não somente os erros políticos, como também as falcatruas. Nesse sentido, o autor sugere que, após um governo tão parcial para os mascates, o confronto seria inevitável. Ou nas próprias palavras do autor: “Castro e Caldas desfruta lugar indisputado na galeria dos vilões da história pernambucana (...) Ninguém seria tão execrado entre nós quanto este produto típico da pequena nobreza lusitana típica.”

De um modo geral, a análise de Evaldo Cabral consegue aliar estilo à análise factual da Guerra dos Mascates, justamente porque o autor não se furta a contrapor os documentos existentes, sem pender para um dos lados. São válidos, inclusive, as notas de rodapé e o supracitado anexo, que possui também as fontes narrativas utilizadas pelo autor. Contudo, para que se possa chegar ao conflito em si, muitas idas e vindas são necessárias ao longo do livro, o que torna o objeto de estudo, a Guerra, secundário em comparação com o entorno. Ou seja, se é preciso que se entenda o ambiente vivido naquele momento, também é essencial que haja um processo de seleção a fim de que se destaque o que é relevante e o que deveria ser colocado como apêndice de um confronto que, ao passo que é tão importante para a História do Brasil, é, ainda, pouco debatido.

Nossa História viva em revista

Com o objetivo de estimular o gosto pela história do País, a Editora Vera Cruz, em parceria com a Biblioteca Nacional, lança a revista Nossa História. A publicação se propõe a tratar os principais temas que marcaram a formação do Brasil nos últimos 500 anos. Entre os membros do Conselho Editorial da revista, nomes de quilate como o jornalista Marcos Sá Correa, a antropóloga Lilia Moritz Schwarz e o historiador Evaldo Cabral de Mello. Além deste, outro periódico surge para trazer, mensalmente, “a chave para a compreensão de nossa realidade e de nossa perplexidade”: trata-se da revista História Viva, cuja abrangência é mais internacionalista, com enfoque especial para África e Portugal pelo que representam para o nosso povo e nação, segundo as próprias palavras do publisher, Alfredo Nastari.
A despeito das iniciativas válidas, as duas publicações contam com problemas estruturais. Nossa História porque se fixa em temas muito particulares do Brasil, além de ter um caráter professoral em suas matérias. Já a História Viva tende a ser uma versão muito aquém da francesa Histoire, justamente por ter 50% do conteúdo "importado".

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 25/11/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Em defesa das calçadas de Eduardo Carvalho
02. Hilda Hilst de Helena Vasconcelos


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2003
01. Notas sobre Jornalismo Cultural - 11/9/2003
02. Mário Faustino e a poesia - 11/11/2003
03. Civilização Brasileira - 28/10/2003
04. Mongólia: terra estrangeira - 23/12/2003
05. Minha Formação - 14/10/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUATRO RODAS--NOVO HONDA CR-V--JAC J3 E QUENTE OU UMA GELADA?.
ABRIL
ABRIL
(2012)
R$ 16,00



ATRACAO DECODIFIQUE A LINGUAGEM DO AMOR
TRACEY COX
FUNDAMENTO
(2004)
R$ 14,00



A ALIMENTAÇÃO DOS PEIXES DE AQUÁRIO
GASTÃO BOTELHO E OUTROS
NOBEL
(1984)
R$ 10,00



AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E UNIVERSIDADES
LUIZ CARLOS DE FREITAS
KOMEDI
(2018)
R$ 60,00



TRANSITIONS 1 - STUDENT BOOK + WORK BOOK (INTEGRATED ENGLISH)
LINDA LEE
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(1998)
R$ 90,00



MANUAL GERAL DA REDAÇAO
FOLHA DE SAO PAULO
FOLHA DE SAO PAULO
R$ 8,00



MANGÁ - O LIVRO MONSTRO DO MANGÁ
DANIEL DE ROSA
LIVROS ESCALA
(2009)
R$ 15,00



REVISTA NINTENDO WORLD--41--QUEBRA-PAU.
CONRAD
CONRAD
R$ 22,00



DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO
VICENTE PAULO E MARCELO ALEXANDRINO
MÉTODO
(2016)
R$ 100,00



O AVESSO DAS COISAS
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1997)
R$ 12,90





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês