Mongólia: terra estrangeira | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
47718 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo teatral Odila chega ao interior de Caxias do Sul
>>> Empresário caxiense que instalou complexo de energia em aldeia indígena no Acre lança documentário
>>> Fernanda Porto lança música e videoclipe em homenagem a Gal Costa
>>> 75% dos líderes de marketing veem a IA generativa como ferramenta criativa essencial
>>> Printed Editions Online Print Fair
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
>>> Ira! no Perdidos na Noite (1988)
>>> Legião Urbana no Perdidos na Noite (1988)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Flip 2005
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Arte sem limites
>>> BBB, 1984 e FEBEAPÁ
>>> Costume Bárbaro
>>> Infinitely Fascinating People
>>> Era uma vez um inverno
>>> A Auto-desajuda de Nietzsche
Mais Recentes
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Martin Claret (2008)
>>> The Landmark Dictionary - para estudantes brasileiros de inglês de Richmond pela Richmond (2008)
>>> Sherlock Holmes: Um Estudo em Vermelho de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Sherlock Holmes: O Signo dos Quatro de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Bíblia Sagrada - Ed. de Promessas de Vários pela King's Cross
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela José Olympio (2016)
>>> A Casa 7ª edição. de Ronald Claver pela Ed Lê (1998)
>>> Oferenda Lírica - Gitanjali de Rabindranath Tagore pela Coordenada (1969)
>>> Glands Our Invisible Guardians de Glands Our Invisible Guardians M. W. Kapp pela a: Grand Lodge Amorc (1954)
>>> Death in the Afternoon de Ernest Hemingway pela Scribner (2003)
>>> Look at it This Way Capa dura de Justin Cartwright pela McMillan (1990)
>>> Banguê de José Lins do Rego pela José Olympio (2011)
>>> O Espantalho - coleção festa do livro de Luciana Maria Marinho Passos pela Scipione (1995)
>>> Borges em diálogo de Jorge Luis Borges; Osvaldo Ferrari pela Rocco (1986)
>>> Oréstia; Agamêmnon; Coéforas; Eumênides de Ésquilo pela Zahar (1991)
>>> Film Stars Don't Die in Liverpool de Peter Turner pela Penguin (1988)
>>> Théatre - Tango de Slawomir Mrozek pela Albin Michel (1966)
>>> O Cinema Americano dos Anos Cinquenta de Olivier-rené Veillon pela Martins Fontes (1993)
>>> O Cinema de Hollywood de Philippe Paraire pela Martins Fontes (1994)
>>> Cinema e Humanismo de Alberto Silva pela Pallas (1975)
>>> Estudo dirigido agtravés de metodos ativos - Geografia do Brasil de Celso Antunes pela Do Brasil
>>> Manifesto verde de Ignácio e Loyola Brandão pela Global (2014)
>>> Competência - Repertório de jurisprudência e doutrina de Arruda Alvim pela Revista dos Tribunais (1986)
>>> Regras oficiais de atletismo 1985-1988 de Confederação Brasileira de Atletismo pela Sprint (1985)
>>> A questão do indio de Fernando Portela pela Ática (1995)
COLUNAS

Terça-feira, 23/12/2003
Mongólia: terra estrangeira
Fabio Silvestre Cardoso
+ de 7100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Durante dois meses, o jornalista e escritor Bernardo Carvalho esteve na Mongólia com uma bolsa criada em parceria da editora portuguesa Livros Cotovia com a Fundação Oriente. O resultado desse "trabalho de campo" aparece agora com Mongólia, editado pela Companhia das Letras. O livro é uma espécie de diálogo entre dois diários de viagem travado entre um fotógrafo desaparecido e um diplomata (Ocidental) que tem a incumbência de trazê-lo de volta ao Brasil sem que seja criado qualquer alarde internacional. Uma terceira pessoa importante nessa história é o narrador, também diplomata, que passa a se interessar pelos diários do Ocidental muito tempo depois, quando recebe a notícia da morte deste logo no início do livro.

Num primeiro momento, o fato do autor ter viajado até o local onde se desenvolve a trama dá a impressão de que a obra pode privilegiar a descrição do lugar em detrimento da narrativa em si, sendo esta deixada em segundo plano. Entretanto, se por um lado o livro não deixa de expor as peculiaridades de um país distante da realidade ocidental, por outro, é correto afirmar que o romance aborda questões de alta densidade, como choque de culturas e as relações humanas delicadas.

Verifica-se, aliás, que a presença de Bernardo Carvalho na Mongólia foi condição imprescindível para a concepção do romance. Isso porque há alguns detalhes no livro que só quem esteve no lugar poderia contar com tamanha precisão no que se refere aos costumes do povo local, como: "[o guia] trouxe uma Polaroid e me sugere fazer uma foto da família. Basta falar em foto para que todos [os nativos] desapareçam. E em cinco minutos estão de volta, os adultos vestidos com 'dels' e as crianças com trajes de domingo, que reservam para ocasiões extraordinárias".

Quanto ao aspecto geográfico, quando o autor escreve sobre a paisagem e as estepes fica evidente a referência ao romance histórico Taras Bulba, do escritor russo Nikolai Gogol (1809-1952). "Na Mongólia, a terra reflete o céu. A sombra das nuvens corre pelo deserto e pelas estepes. O céu está sempre tão perto. A paisagem não se entrega. O que você vê não se fotografa". E, com efeito, as referências são as mais diversas possíveis. Além disso, surgem outras análises como "pano de fundo", mas que parecem ser o tema principal do romance por algumas páginas.

No entanto, embora as discussões sobre cultura, religião e política sejam feitas, o objetivo do Ocidental é encontrar o fotógrafo desaparecido. Aqui, é notável o momento em que um dos guias tenta lhe explicar sobre nômades e lugares: "Num país nômade, por definição, as pessoas nunca estão no mesmo lugar. Mudam conforme as estações. Os lugares são as pessoas. Você não está procurando um lugar. Está procurando uma pessoa."

Pouco a pouco, o narrador proporciona o debate de impressões entre o Ocidental e o desaparecido. E é curioso notar que algumas das "teorias" são semelhantes. Assim, enquanto o primeiro diz: "O caminho só existe pela tradição. Decidir-se por um caminho novo ou por um desvio é o mesmo que se extraviar. E, no deserto ou na neve, esse é um risco mortal. Daí a imobilidade dos costumes". O segundo afirma: "O nomadismo em si não tem nenhuma graça. A mobilidade é só aparente, obedece a regras imutáveis e a um sistema e a uma estrutura fixos".

Apesar do livro possuir linguagem direta, sem períodos longos, é fundamental que o leitor atente para a forma com a qual os diários se intercalam, isto é, como eles completam a história de maneira que a obra não teria a mesma força sem eles. Ao final, Mongólia surpreende com um desfecho inesperado e que pode ser sintetizado numa frase capital do narrador: "A gente só enxerga o que já está preparado para ver".

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 23/12/2003

Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2003
01. Notas sobre Jornalismo Cultural - 11/9/2003
02. Mário Faustino e a poesia - 11/11/2003
03. Civilização Brasileira - 28/10/2003
04. Mongólia: terra estrangeira - 23/12/2003
05. Minha Formação - 14/10/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/9/2007
19h42min
Gostaria de parabenizar o jornalista por esta mensagem informativa entusiasmante e realmente encantadora, pois está revelando todas as dimensões de um país que tem muito a contribuir com suas riquezas juntamente com seu povo e suas culturtas. O mundo só tem a agradecer toda a diversidade desse país. Seu rabalho informativo só tem a merecer todos os elogios. PARABÉNS! Tiarles Auto de Oliveira
[Leia outros Comentários de Tiarles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fundamentos de Nutricion En El Deporte
Marcia Onzari
Grupo Ilhsa Sa
(2004)



La Corza Blanca 289
Gustavo Adolfo Bécquer
Moderna



A Interpretação dos sonhos 1 e 2
Freud
Imago
(2023)



Normas da Abnt Comentadas para Trabalhos Cientìficos
Jamil Ibrahim Iskandar
Jurua
(2010)



Programa 5s
Reginaldo Pedreira Lapa
Qualitymark
(1997)



Pequena História do Mundo Contemporâneo
David Thomson
Zahar
(1971)



Repensar os Estados Unidos
Daniel Lins
Papirus
(2003)



Ariel Ou La Vie de Shelley
André Maurois
Calmann-levy
(1923)



Os Funerais da Mamãe Grande
Gabriel García Márquez
Record
(2014)



Terra Formars 2
Yu Sasuga
JBc
(2015)





busca | avançada
47718 visitas/dia
1,7 milhão/mês