Minha Formação | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Biblioteca Básica

Terça-feira, 14/10/2003
Minha Formação
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 5700 Acessos

Em certa medida, listas são arbitrárias. Dessa maneira, a minha seleção de dez autores não poderia ser diferente. Prefiro selecionar por autores, porque mais de um livro dos escritores que serão aqui mencionados fizeram e ainda fazem minha cabeça. Além disso, como leitor, tenho predileção pelos clássicos. Isso porque não conto com o faro necessário para descobrir, e apreciar, textos de autores novos. No mais, resta dizer que a lista é composta por três brasileiros, dois franceses, dois ingleses, um russo, um argelino e um colombiano. Vejamos.

O primeiro deles é Machado de Assis, o bruxo do Cosme Velho. Desnecessário dizer sua importância para a literatura brasileira. Desnecessário reafirmar, ainda, que sua contribuição ultrapassa o romance e que pode se inserir como peça-chave para entender os costumes do Brasil. Assim, a despeito de ser um escritor universal (a obra completa de Machado compreende poesia, teatro, crítica literária e teatral, além das crônicas e dos nove romances), creio que “Dom Casmurro” apresenta Machado na sua totalidade. A precisão dos diálogos, o texto conciso e a ironia fina presente em cada descrição de caráter demonstram porque ele é considerado o melhor escritor do Brasil.

O jornalista Gabriel Garcia Márquez é outro autor que foi fundamental na minha formação. Tanto em “Amor nos tempos do Cólera” como em “Cem Anos de Solidão”, o leitor é tragado para dentro do realismo mágico, do fantástico que pode acontecer a qualquer um de nós, mas que só pode ser contado pelos grandes escritores.

Albert Camus também caminha nesse campo da ficção que se confunde com a realidade. Em “O Estrangeiro”, ele evidencia o vazio por intermédio de Meursault, o protagonista. Seja a morte da mãe, seja o assassinato de um desconhecido, a sensação de indiferença é a mesma: não há condição que o ser humano não se adapte, essa é uma das muitas mensagens.

O próximo desta lista é ninguém mais ninguém menos que Honoré de Balzac, autor da Comédia Humana. Não, caro leitor, não li a obra completa do Napoleão das letras. Mas, dos que li, recomendo todos: “Ilusões Perdidas”, “Mulher de Trinta Anos” e “Eugênie Grandet”. E, com certo receio que minhas palavras ecoem o óbvio ululante, cabe ressaltar que Balzac consegue aliar à descrição das cenas uma análise dos sentimentos e do pensar das personagens.

Qual sua idéia de felicidade perfeita? Qual sua característica mais deplorável? Esses são apenas duas das 19 perguntas que compõem o célebre "questionário" de Marcel Proust, autor de “Em Busca do Tempo Perdido”. Acredito que se trata de uma obra para apreciação na vida adulta, uma vez que os conceitos que o escritor apresenta são mais profundos que o cenário aparentemente fugaz da vida parisiense do século XIX. E o fio condutor de toda obra é a idéia de uma memória que não se baseia em datas ou documentos objetivos; mas, sim, na memória involuntária, que pode surgir a qualquer momento, mesmo num simples chá com madeleines.

De volta ao Brasil, século XX. O cenário, agora, é o Rio de Janeiro, na agitada década de 60. E o escritor que, como ninguém, consegue captar as sensações das ruas, num jornalismo vibrante, é Nélson Rodrigues, nos livros “Cabra vadia” e “O Reacionário”. Numa época em que o jornalismo taquigráfico começava a aparecer por estes lados, ele soube antecipar o que mais tarde nos pareceria evidente: só os idiotas primam pela objetividade. Enfim, como ele mesmo dizia, “só os profetas enxergam o óbvio”.

Entre os autores brasileiros, Aluísio de Azevedo foi o primeiro que me fez descobrir um grande romance. É o caso de “O Cortiço”, sua obra-prima. Aluísio de Azevedo denuncia o comportamento humano como extensão do contexto social em que o homem vive. Embora seja um pouco afetado pelo estilo naturalista – claramente influenciado por Zola –, “O Cortiço” em nada perde para os filmes que buscam o enfoque “social”. Pelo contrário. É até mais realista do que a onda ficção-realidade que assola os cinemas e as TVs no Brasil.

E por falar em arte que se confunde com realidade, nada mais oportuno do que falar de George Orwell. Em 2003, por conta do centenário do seu nascimento, muito se comentou a respeito da importância de sua obra, principalmente agora em que os termos-conceito “polícia do pensamento” e “grande irmão” têm sido revistos de maneira nem sempre honesta. Só por isso, valeria a pena ler o apocalíptico “1984”. Agora, se o que se deseja é conhecer a relação causa-efeito das revoluções, é fundamental então a leitura de “A Revolução dos Bichos”. Este, aliás, deveria ser o livro de cabeceira de todos os comunistas.

Certa feita, o jornalista e crítico literário H.L.Mencken escreveu que Fiodor Dostoievski figura como o escritor mais chato de todos os tempos. Se tivesse vivido um pouco mais (Mencken morreu em 1958), ele certamente mudaria de opinião, tendo em vista os ínfimos romances dos professores-escritores que passaram a ganhar notoriedade na segunda metade do século XX. Nos romances de Dostoievski, nota-se, além da ironia e do texto “corrosivo”, que a descrição psicológica é levada aos últimos detalhes, tendo grande importância na estrutura das histórias. Exemplo disso está em “Notas do Subterrâneo” e “Crime e Castigo”.

Em qualquer lista, a menção do dramaturgo William Shakespeare deveria ser isentada de explicações ou comentários. Isso porque a obra do bardo inglês já foi comentada por gente muito mais gabaritada que o signatário desta lista. Críticos como Harold Bloom (basta ler “Gênio” e “Shakespeare: a invenção do humano”) e o próprio Machado de Assis (conforme estudo da ensaísta norte-americana Hellen Caldwell, Machado cita a tragédia “Otelo” 28 vezes ao longo de sua obra). No meu caso, entretanto, caberia, sim, uma elucidação: explicar por qual a razão de eu tê-lo deixado por último. Bem, como jornalista, aprendi que, em determinados textos, o final tem de ser tão interessante quanto o começo.


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 14/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
02. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
03. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
04. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
05. Manual para revisores novatos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2003
01. Notas sobre Jornalismo Cultural - 11/9/2003
02. Mário Faustino e a poesia - 11/11/2003
03. Civilização Brasileira - 28/10/2003
04. Mongólia: terra estrangeira - 23/12/2003
05. Minha Formação - 14/10/2003


Mais Especial Biblioteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ECONOMIA DA ENERGIA: FUNDAMENTOS ECONÔMICOS, EVOLUÇÃO HISTÓRICA E ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL
HELDER QUEIROZ PINTO JUNIOR (ORG.), EDMAR FAGUNDES DE ALMEIDA, JOSÉ VITOR BOMTEMPO, MARIANA IOOTTY, RONALDO GOULART BICALHO
CAMPUS / ELSEVIER
(2007)
R$ 40,00



PRIMEIRA ANTOLOGIA DA ORDEM DOS VELHOS JORNALISTAS
ANTONIO CARLOS TORTORO; E OUTROS
OUTROS
(2005)
R$ 5,00



PRÁTICA DIREITO DE FAMÍLIA E REGISTRO CIVIL DA PESSOA NATURAL
OZÉIAS J SANTOS
VALE DO MOGI
(2008)
R$ 200,00



PRINCIPE PEDRO E O URSINHO
MCKEE, DAVID
MARTINS
R$ 37,40



VIDA AMOR RISO
OSHO
GENTE
R$ 12,00



A HORA DAS SOMBRAS
LUIZ ANTONIO AGUIAR
ATUAL
(1995)
R$ 18,00



A VOZ DO MERCADO
VINCENT P. BARBOSA / GERALD ZALTMAN
MAKRON BOOKS / HBS PRESS
(1992)
R$ 10,00



MINHAS GALERIAS E MEUS PINTORES - 3994
DANIEL_HENRY KAHNWEILER / FRANCIS CRÉMIEUX
L&PM
(1989)
R$ 10,00



MANUEL DE PHYSIOLOGIE 2 VOLS 1 E 2
J. MUELLER
CHEZ J B BAILLIÉRE
(1851)
R$ 337,00



VISUALIZING PROJECT MANAGEMENT
KEVIN FORSBERG, HAL MOOZ, HOWARD COTTERMAN
WILEY
(2000)
R$ 60,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês