Minha Formação | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Circomuns Com Circo Teatro Palombar
>>> Prêmio AF de Arte Contemporânea abre inscrições para a edição comemorativa de 10 anos
>>> Inscrições abertas para o Prêmio LOBA Festival: objetivo é fomentar o protagonismo de escritoras
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Os dois lados da cerca
>>> A primeira vez de uma leitora
>>> Se eu fosse você 2
>>> Banana Republic
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Construção de um sonho
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> A crise dos 28
Mais Recentes
>>> Secrets of Yoga de Jennie Bittleston pela Dk (2000)
>>> Stress Você pode ser o Próximo Previna-se de João Vilas Boas pela Vilas (1998)
>>> O que é Ensinar de Regis de Morais pela E.p.u (1986)
>>> As Aventuras de Sandy e Junior de Toni Brandão pela Simbolo
>>> Humor nos tempos do Collor de Jó Soares / Veríssimo / Millôr Fernandes pela L&PM (1992)
>>> Def 2013 Pocket - Dicionário de Especialidades Farmacêuticas de Merck pela Epuc (2013)
>>> O Biscateiro de Abdias José dos Santos pela Vozes (1981)
>>> Deadpool - Meus Queridos Presidentes de Posehn Duggan - Moore pela Panini Comics (2015)
>>> Europa - Guia Visual - Folha De São Paulo de Publifolha pela Publifolha (2005)
>>> Formação de Professores e Trabalho Docente de Vários Autores pela Metodista (2007)
>>> Coleção Enciclopédia Disney - 8 Volumes de Disney pela Planeta (2001)
>>> Fórum dos Coordenadores de Joaquim Barbosa / Bárbara Sicardi pela Metodista (2003)
>>> O Último Portal de Eliana Martins / Rosana Rios pela Seguinte (2003)
>>> Batman Planetary - Edição de Luxo de Warren Ellis - John Cassaday - Dc Comics pela Panini (2014)
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes de Joyce Meyer pela Thomas Nelson (2001)
>>> Democracia Francesa de V Giscard D Estaing pela Difel (1977)
>>> Esperança Viva - Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora (2016)
>>> Manual Merck de Veterinaria de Merck pela Roca (2001)
>>> Conjugar Es Fácil En Español De España Y De América (spanish Edition) de González Hermoso, Alfredo pela Edelsa Grupo Didascalia (1997)
>>> Amy, Minha Filha - Amy, My Daughter de Micht Winehouse pela Record (2012)
>>> Avaliação da Inteligência de Marília Ancona-Lopez pela E.p.u (1987)
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela Jose Olympio (1973)
>>> Contos E Lendas - Os Doze Trabalhos De Hércules de Christian Grenier - Carlos Fonseca ilustrador pela Cia Das Letrinhas (2013)
>>> Educação do Olhar Vol2 de Vários Autores pela Mec (1998)
>>> Tres Sombras de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos Na Cia (2019)
COLUNAS >>> Especial Biblioteca Básica

Terça-feira, 14/10/2003
Minha Formação
Fabio Silvestre Cardoso
+ de 6900 Acessos

Em certa medida, listas são arbitrárias. Dessa maneira, a minha seleção de dez autores não poderia ser diferente. Prefiro selecionar por autores, porque mais de um livro dos escritores que serão aqui mencionados fizeram e ainda fazem minha cabeça. Além disso, como leitor, tenho predileção pelos clássicos. Isso porque não conto com o faro necessário para descobrir, e apreciar, textos de autores novos. No mais, resta dizer que a lista é composta por três brasileiros, dois franceses, dois ingleses, um russo, um argelino e um colombiano. Vejamos.

O primeiro deles é Machado de Assis, o bruxo do Cosme Velho. Desnecessário dizer sua importância para a literatura brasileira. Desnecessário reafirmar, ainda, que sua contribuição ultrapassa o romance e que pode se inserir como peça-chave para entender os costumes do Brasil. Assim, a despeito de ser um escritor universal (a obra completa de Machado compreende poesia, teatro, crítica literária e teatral, além das crônicas e dos nove romances), creio que “Dom Casmurro” apresenta Machado na sua totalidade. A precisão dos diálogos, o texto conciso e a ironia fina presente em cada descrição de caráter demonstram porque ele é considerado o melhor escritor do Brasil.

O jornalista Gabriel Garcia Márquez é outro autor que foi fundamental na minha formação. Tanto em “Amor nos tempos do Cólera” como em “Cem Anos de Solidão”, o leitor é tragado para dentro do realismo mágico, do fantástico que pode acontecer a qualquer um de nós, mas que só pode ser contado pelos grandes escritores.

Albert Camus também caminha nesse campo da ficção que se confunde com a realidade. Em “O Estrangeiro”, ele evidencia o vazio por intermédio de Meursault, o protagonista. Seja a morte da mãe, seja o assassinato de um desconhecido, a sensação de indiferença é a mesma: não há condição que o ser humano não se adapte, essa é uma das muitas mensagens.

O próximo desta lista é ninguém mais ninguém menos que Honoré de Balzac, autor da Comédia Humana. Não, caro leitor, não li a obra completa do Napoleão das letras. Mas, dos que li, recomendo todos: “Ilusões Perdidas”, “Mulher de Trinta Anos” e “Eugênie Grandet”. E, com certo receio que minhas palavras ecoem o óbvio ululante, cabe ressaltar que Balzac consegue aliar à descrição das cenas uma análise dos sentimentos e do pensar das personagens.

Qual sua idéia de felicidade perfeita? Qual sua característica mais deplorável? Esses são apenas duas das 19 perguntas que compõem o célebre "questionário" de Marcel Proust, autor de “Em Busca do Tempo Perdido”. Acredito que se trata de uma obra para apreciação na vida adulta, uma vez que os conceitos que o escritor apresenta são mais profundos que o cenário aparentemente fugaz da vida parisiense do século XIX. E o fio condutor de toda obra é a idéia de uma memória que não se baseia em datas ou documentos objetivos; mas, sim, na memória involuntária, que pode surgir a qualquer momento, mesmo num simples chá com madeleines.

De volta ao Brasil, século XX. O cenário, agora, é o Rio de Janeiro, na agitada década de 60. E o escritor que, como ninguém, consegue captar as sensações das ruas, num jornalismo vibrante, é Nélson Rodrigues, nos livros “Cabra vadia” e “O Reacionário”. Numa época em que o jornalismo taquigráfico começava a aparecer por estes lados, ele soube antecipar o que mais tarde nos pareceria evidente: só os idiotas primam pela objetividade. Enfim, como ele mesmo dizia, “só os profetas enxergam o óbvio”.

Entre os autores brasileiros, Aluísio de Azevedo foi o primeiro que me fez descobrir um grande romance. É o caso de “O Cortiço”, sua obra-prima. Aluísio de Azevedo denuncia o comportamento humano como extensão do contexto social em que o homem vive. Embora seja um pouco afetado pelo estilo naturalista – claramente influenciado por Zola –, “O Cortiço” em nada perde para os filmes que buscam o enfoque “social”. Pelo contrário. É até mais realista do que a onda ficção-realidade que assola os cinemas e as TVs no Brasil.

E por falar em arte que se confunde com realidade, nada mais oportuno do que falar de George Orwell. Em 2003, por conta do centenário do seu nascimento, muito se comentou a respeito da importância de sua obra, principalmente agora em que os termos-conceito “polícia do pensamento” e “grande irmão” têm sido revistos de maneira nem sempre honesta. Só por isso, valeria a pena ler o apocalíptico “1984”. Agora, se o que se deseja é conhecer a relação causa-efeito das revoluções, é fundamental então a leitura de “A Revolução dos Bichos”. Este, aliás, deveria ser o livro de cabeceira de todos os comunistas.

Certa feita, o jornalista e crítico literário H.L.Mencken escreveu que Fiodor Dostoievski figura como o escritor mais chato de todos os tempos. Se tivesse vivido um pouco mais (Mencken morreu em 1958), ele certamente mudaria de opinião, tendo em vista os ínfimos romances dos professores-escritores que passaram a ganhar notoriedade na segunda metade do século XX. Nos romances de Dostoievski, nota-se, além da ironia e do texto “corrosivo”, que a descrição psicológica é levada aos últimos detalhes, tendo grande importância na estrutura das histórias. Exemplo disso está em “Notas do Subterrâneo” e “Crime e Castigo”.

Em qualquer lista, a menção do dramaturgo William Shakespeare deveria ser isentada de explicações ou comentários. Isso porque a obra do bardo inglês já foi comentada por gente muito mais gabaritada que o signatário desta lista. Críticos como Harold Bloom (basta ler “Gênio” e “Shakespeare: a invenção do humano”) e o próprio Machado de Assis (conforme estudo da ensaísta norte-americana Hellen Caldwell, Machado cita a tragédia “Otelo” 28 vezes ao longo de sua obra). No meu caso, entretanto, caberia, sim, uma elucidação: explicar por qual a razão de eu tê-lo deixado por último. Bem, como jornalista, aprendi que, em determinados textos, o final tem de ser tão interessante quanto o começo.


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 14/10/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (II) de Cassionei Niches Petry
02. Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev de Ricardo de Mattos
03. Mark Dery e o cotidiano virtualizado de Guilherme Mendes Pereira


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2003
01. Notas sobre Jornalismo Cultural - 11/9/2003
02. Mário Faustino e a poesia - 11/11/2003
03. Civilização Brasileira - 28/10/2003
04. Mongólia: terra estrangeira - 23/12/2003
05. Minha Formação - 14/10/2003


Mais Especial Biblioteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Perfect Heresy
S. O'shea
Profile Books
(2011)



Comentários às novas regras conrábeis brasileiras
Osmar Reis Azevedo
IoB
(2010)



Moscow City Guide
Mara Vorhees
Lonely Planet
(2006)



Vida de Don Quijote y Sancho
Miguel de Unamuno
Alianza
(2000)



Revista Bravo! Ano 3 Número 28
Phillippe Starck; Lobo Antunes; Antonio Araújo; Arrigo Barnabé; Bigas Luna
Davila
(2000)



O Camelô Figura Emblemática da Comunicação
Jean Yves Mollier
Edusp
(2009)



Meditação integral: Mindfulness como um caminho para crescer, despertar e estar presente em sua vida
Ken Wilber
Vozes
(2020)



Um amanhecer para recomeçar
Gilvanize balbino pereira pelo espirito saul
Petit
(2010)



Problemas de Cristalografia
P. Ducros - J. Lajzerowicz - Bonneteali
Paraninfo
(1968)



The Mediterranean Table
Sonoma Press
Sonoma Press
(2015)





busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês