Minha Formação | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS >>> Especial Biblioteca Básica

Terça-feira, 14/10/2003
Minha Formação
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 6000 Acessos

Em certa medida, listas são arbitrárias. Dessa maneira, a minha seleção de dez autores não poderia ser diferente. Prefiro selecionar por autores, porque mais de um livro dos escritores que serão aqui mencionados fizeram e ainda fazem minha cabeça. Além disso, como leitor, tenho predileção pelos clássicos. Isso porque não conto com o faro necessário para descobrir, e apreciar, textos de autores novos. No mais, resta dizer que a lista é composta por três brasileiros, dois franceses, dois ingleses, um russo, um argelino e um colombiano. Vejamos.

O primeiro deles é Machado de Assis, o bruxo do Cosme Velho. Desnecessário dizer sua importância para a literatura brasileira. Desnecessário reafirmar, ainda, que sua contribuição ultrapassa o romance e que pode se inserir como peça-chave para entender os costumes do Brasil. Assim, a despeito de ser um escritor universal (a obra completa de Machado compreende poesia, teatro, crítica literária e teatral, além das crônicas e dos nove romances), creio que “Dom Casmurro” apresenta Machado na sua totalidade. A precisão dos diálogos, o texto conciso e a ironia fina presente em cada descrição de caráter demonstram porque ele é considerado o melhor escritor do Brasil.

O jornalista Gabriel Garcia Márquez é outro autor que foi fundamental na minha formação. Tanto em “Amor nos tempos do Cólera” como em “Cem Anos de Solidão”, o leitor é tragado para dentro do realismo mágico, do fantástico que pode acontecer a qualquer um de nós, mas que só pode ser contado pelos grandes escritores.

Albert Camus também caminha nesse campo da ficção que se confunde com a realidade. Em “O Estrangeiro”, ele evidencia o vazio por intermédio de Meursault, o protagonista. Seja a morte da mãe, seja o assassinato de um desconhecido, a sensação de indiferença é a mesma: não há condição que o ser humano não se adapte, essa é uma das muitas mensagens.

O próximo desta lista é ninguém mais ninguém menos que Honoré de Balzac, autor da Comédia Humana. Não, caro leitor, não li a obra completa do Napoleão das letras. Mas, dos que li, recomendo todos: “Ilusões Perdidas”, “Mulher de Trinta Anos” e “Eugênie Grandet”. E, com certo receio que minhas palavras ecoem o óbvio ululante, cabe ressaltar que Balzac consegue aliar à descrição das cenas uma análise dos sentimentos e do pensar das personagens.

Qual sua idéia de felicidade perfeita? Qual sua característica mais deplorável? Esses são apenas duas das 19 perguntas que compõem o célebre "questionário" de Marcel Proust, autor de “Em Busca do Tempo Perdido”. Acredito que se trata de uma obra para apreciação na vida adulta, uma vez que os conceitos que o escritor apresenta são mais profundos que o cenário aparentemente fugaz da vida parisiense do século XIX. E o fio condutor de toda obra é a idéia de uma memória que não se baseia em datas ou documentos objetivos; mas, sim, na memória involuntária, que pode surgir a qualquer momento, mesmo num simples chá com madeleines.

De volta ao Brasil, século XX. O cenário, agora, é o Rio de Janeiro, na agitada década de 60. E o escritor que, como ninguém, consegue captar as sensações das ruas, num jornalismo vibrante, é Nélson Rodrigues, nos livros “Cabra vadia” e “O Reacionário”. Numa época em que o jornalismo taquigráfico começava a aparecer por estes lados, ele soube antecipar o que mais tarde nos pareceria evidente: só os idiotas primam pela objetividade. Enfim, como ele mesmo dizia, “só os profetas enxergam o óbvio”.

Entre os autores brasileiros, Aluísio de Azevedo foi o primeiro que me fez descobrir um grande romance. É o caso de “O Cortiço”, sua obra-prima. Aluísio de Azevedo denuncia o comportamento humano como extensão do contexto social em que o homem vive. Embora seja um pouco afetado pelo estilo naturalista – claramente influenciado por Zola –, “O Cortiço” em nada perde para os filmes que buscam o enfoque “social”. Pelo contrário. É até mais realista do que a onda ficção-realidade que assola os cinemas e as TVs no Brasil.

E por falar em arte que se confunde com realidade, nada mais oportuno do que falar de George Orwell. Em 2003, por conta do centenário do seu nascimento, muito se comentou a respeito da importância de sua obra, principalmente agora em que os termos-conceito “polícia do pensamento” e “grande irmão” têm sido revistos de maneira nem sempre honesta. Só por isso, valeria a pena ler o apocalíptico “1984”. Agora, se o que se deseja é conhecer a relação causa-efeito das revoluções, é fundamental então a leitura de “A Revolução dos Bichos”. Este, aliás, deveria ser o livro de cabeceira de todos os comunistas.

Certa feita, o jornalista e crítico literário H.L.Mencken escreveu que Fiodor Dostoievski figura como o escritor mais chato de todos os tempos. Se tivesse vivido um pouco mais (Mencken morreu em 1958), ele certamente mudaria de opinião, tendo em vista os ínfimos romances dos professores-escritores que passaram a ganhar notoriedade na segunda metade do século XX. Nos romances de Dostoievski, nota-se, além da ironia e do texto “corrosivo”, que a descrição psicológica é levada aos últimos detalhes, tendo grande importância na estrutura das histórias. Exemplo disso está em “Notas do Subterrâneo” e “Crime e Castigo”.

Em qualquer lista, a menção do dramaturgo William Shakespeare deveria ser isentada de explicações ou comentários. Isso porque a obra do bardo inglês já foi comentada por gente muito mais gabaritada que o signatário desta lista. Críticos como Harold Bloom (basta ler “Gênio” e “Shakespeare: a invenção do humano”) e o próprio Machado de Assis (conforme estudo da ensaísta norte-americana Hellen Caldwell, Machado cita a tragédia “Otelo” 28 vezes ao longo de sua obra). No meu caso, entretanto, caberia, sim, uma elucidação: explicar por qual a razão de eu tê-lo deixado por último. Bem, como jornalista, aprendi que, em determinados textos, o final tem de ser tão interessante quanto o começo.


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 14/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2003
01. Notas sobre Jornalismo Cultural - 11/9/2003
02. Mário Faustino e a poesia - 11/11/2003
03. Civilização Brasileira - 28/10/2003
04. Mongólia: terra estrangeira - 23/12/2003
05. Minha Formação - 14/10/2003


Mais Especial Biblioteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Public Relations Writing: the Essentials of Style and Format
Thomas H. Bivins
Mcgraw-hill College
(1998)



Réussir À L International: Toutes Le Clés Pour Developper Sa
Jean Rauscher
L Entreprise
(2009)



Cursos de Noivos Palestras , Dinamicas e Orintacoes Praticas
Gervasio Fabri dos Anjos
Santuário



O Baile das Solteironas Vol 3 - os Militares no Poder
Carlos Castello Branco
Nova Fronteira
(1979)



Tecnologias e Modos de Ser no Contemporâneo
Solange Jobim e Souza e Márcia Moraes
Puc Rio; 7 Letras
(2010)



Crise do Estado e Retomada do Desenvolvimento
João Paulo dos Reis Velloso - Coordenador
José Olympio
(1992)



Engrenagens da Fantasia: Engenharia, Arte e Convivência
Hamilton Moss de Souza
Bazar das Ilusões (rj)
(1989)



Les Troubles de La Voix et Leur Rééducation
C. Dinville
Masson
(1981)



Áurea
Daniela Oliveira
Nova Letra (blumenau)
(2013)



O Caminho de Nostradamus
Dominique e Jérôme Nobécourt
Ponto de Leitura
(2011)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês