Obscura paisagem em peça de Mirisola e Oliveira | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
Mais Recentes
>>> A Força das Pirâmides de Max Toth e Greg Nielsen pela Record (1976)
>>> Deuses, Espaçonaves e Terra - Provas de Däniken de Erich Von Däniken pela Círculo do livro (1977)
>>> O Erotismo Fantasias e Realidades do Amor e da Sedução de Francesco Alberoni pela Circulo do livro (1992)
>>> Uma nova era para educação da humanidade de Nelson Ruas Santanna pela Caravela (1995)
>>> O Último Olimpiano - Volume 5. Série Percy Jackson e os Olimpianos EAN: 9788580575439 de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Documento de teresopolis de Vários Autores pela Cbcisc (1968)
>>> Lições de Ciência Política e Teoria do Estado de Espedito Pinheiro de Souza pela Mackenzie (2000)
>>> Bozza del testo della regola de Giuseppini del Murialdo pela Congregazione di san giuseppe (2005)
>>> A Batalha do Labirinto - Volume 4. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Nero de Alexandre Dumas pela Saraiva (1952)
>>> A Maldição do Titã - Volume 3. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> O Mar de Monstros - Volume 2. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift e Cláudia Lopes pela Scipione (1970)
>>> Líderes e Lealdade - as Leis da Lealdade de Dag Heward-mills pela Central Gospel (2011)
>>> Revista Manchete , Nº 1 , 907 - Novembro de 1988 de Varios pela Bloch (1988)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (1984)
>>> Álbum de família de Mercedes Teixeira João pela Gente (1993)
>>> O Amor Verídico de Tânia Leite Motta pela Própria (1999)
>>> Martelo: uma salada literária de Selma Horta pela Própria (1999)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Rocco (1990)
>>> Milagres e Aparições de Nossa Senhora de Bridget Curran pela Fundamento (2010)
>>> Bible Time Bible readong era de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2000)
>>> El puñal magico de Vários Autores pela Ediciones en lenguas extranjeras beijing (1980)
>>> Epitaph of a small winner de Machado de Assis pela Bard (1979)
>>> The Peter Principles de Dr. Laurene J. Peter e Raymond Hull pela William Morrow and Company (1969)
COLUNAS

Terça-feira, 26/11/2013
Obscura paisagem em peça de Mirisola e Oliveira
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4000 Acessos

A natureza do desejo não é composta de uma paisagem tranquila. Ela pode ser tanto trágica como cômica. Por vezes, uma sopa caudalosa e obscura dos dois elementos juntos. Mais ainda, é um circuito duplo que parece existir para se retroalimentar. Na ordem do desejo, será que os dois elementos existiram em algum momento separadamente? Parece que não. Esse é o caráter da peça Paisagem em Campos do Jordão, de Marcelo Mirisola e Nilo Oliveira, editada em formato digital pela E-Galáxia.

Contendo apenas dois atos, a peça coloca em cena quatro personagens. Dois amigos, Leo e Guga; Bia, a esposa de Leo; e sua filha, a menina Lili. O texto se abre com os dois amigos tomando uísque e ouvindo o cantor brega Elymar Santos. Em seguida, uma revelação feita por Leo ao amigo Guga. É a partir desta revelação que se desdobrarão todos os outros fatos da peça. O segundo ato é a consequência que o fato revelado tem na vida do casal Leo e Bia.

A conversa entre os dois amigos é hilária, primeiro pela sinceridade de Leo em revelar algo "inusitado" para Guga; depois trágica, pelo conteúdo e pelos desdobramentos que tal fato causou na vida de Leo. O que casa os dois elementos é a forma com que os autores descrevem a situação. A pista para se entender o "clima" da situação é a abertura com música (qualquer que seja) de Elymar Santos. Música do amor safado. É o sinal visível de que entramos em campo suspeito.

O título da peça, no mínimo irônico, serve para nos enganar a respeito do que nos espera. Ao contrário da paisagem de Campos do Jordão, que remete a uma vida bucólica, área de descanso de uma burguesia tranquila no reino dos seus desejos domesticados, o que a peça propõe é justamente o contrário, uma paisagem à margem desse mundo. Lugar onde os afetos são livres, ou se permitem entrar, ou acabam entrando, no reino de sua desordem e luxúria. Mas isso só se revela lentamente, em conta-gotas, quando acompanhamos o relato dos fatos pela boca de Leo e o desfecho dado por Bia.

Não há comedimento na fala dos personagens. Eles encarnam sua própria classe, sendo personagens com um devir real de seres humanos concretos em circunstâncias concretas (Lukács tremeu no inferno agora). Clareza e concisão fazem de suas falas o lugar também do desprendimento do desejo livre, de pessoas que não precisam se conter nas suas revelações. Afinal, são amigos há uns vinte anos, que sempre partilharam experiências e o relato das mesmas, vivendo suas putarias em circunstâncias "normais", como acreditava Guga. Ou seja, como sempre participaram de centenas de putarias juntos, pressupõe-se que não só podem se abrir um com o outro como têm quase certeza de que se conheçam intimamente. Nem tanto, pois é a novidade da revelação de Leo que inscreverá um novo capítulo na história dessa intimidade. A questão que Leo se coloca, nesse sentido, é de que não sabe se o mais bizarro é ter feito algo "anormal" ou contar o que fez ao amigo. Essa bizarrice é relatada em termos extremamente cômicos, dada a defesa hilária que justificaria sua "causa".

É aí que entram as categorias insanas do desejo, seu devir marginal, sua espacialidade deslocada, mesmo para quem pensa que está tranquilo em casa (ou numa casa de campo em Campos do Jordão).

Descrente das justificativas do amigo, Guga se agarra a uma série de condenações irônicas e surpresas com a nova atividade sexual do amigo:

"GUGA: Sob o signo da Rainha do Mar, o traveco chupava seu pau... Adivinhei?".

Mas o amigo tenta provar que há uma lógica nesse "desvio" que se apresenta.

"LEO: Para pra pensar, Guga. Você passou a vida inteira com um pau na mão. O seu pau."

Mas tal assertiva é imediatamente reprovada:

"GUGA: Sim. Para meu uso exclusivo. E para a felicidade das mulheres".

Dessas conversas que vão a cada momento se tornando mais hilárias, o que se torna claro é a propensão do desejo a tirar o chão dos personagens. O fato inusitado é a presença da menina Lili, que serve na peça para ser a mediadora e reveladora do beco sujo do desejo. Ao mesmo tempo que é quem revela para Bia, através da arte (um desenho escolar), o lugar impróprio onde Leo mergulhou, é também que acaba por desvelar aquilo que deveria ser secreto, mascarado, tornando a situação de crise o lugar apropriado para que se revele o verdadeiro segredo do desejo dos dois adultos. O rei está nu. A angústia, segundo Kierkegaard, é a vertigem da liberdade.

Desencadeada a crise, as revelações insuportáveis vêm à luz do dia e se tornam, agora, a límpida clareza do que cada um é, o que escondeu de si e do outro. E, principalmente, o que desejam um do outro. A escolha certa foi feita: descobrem-se verdadeiramente amantes.

O desejo oculto estava guardado no quarto do casal, desejo este que se revela apenas na crise das estruturas estabelecidas. Não seria essa peça uma alegoria da arte? Lugar onde o desejo pode viver às claras, fazer-se ouvir, liberar quem com ela toma contato? O desenho feito por Lili, afinal, foi quem desencadeou a revelação.

Nota do Autor:
Optou-se aqui por não se revelar o conteúdo total da peça para não se tirar o prazer do leitor de ser levado, aos sustos e rindo, para dentro de uma paisagem bastante distante da de Campos do Jordão.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 26/11/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um clássico argentino de Daniel Lopes


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2013
01. A Última Ceia de Leonardo da Vinci - 12/2/2013
02. Mondrian: a aventura espiritual da pintura - 22/1/2013
03. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo - 26/2/2013
04. Cinquenta tons de cinza no mundo real - 3/9/2013
05. O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães - 18/6/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sistemas de Comunicação Popular
Joseph M. Luyten
Ática
(1988)



Taipa da Injustiça: Esbanjamento Econômico, Drama Social e Holoca
Juvêncio Mazzarollo
Loyola
(2010)



Manto de Nuvem
Edla Van Steen
Global
(2008)



E. E. U. U., Europa Occidental y Japon: El Triangulo de La Rivali
A. Bogdanov
Progreso
(1986)



Condenado a Muerte
Felix Ros
Nacional (madrid)
(1967)



Interrelaciones Entre La Odontoestomatologia y La Fonoaudiologia
Maria Luisa Segovia
Panamericana (buenos Aires)
(1977)



Todos os Sócios do Presidente
Gustavo Krieger Luiz a Novaes Tales Faria
Scritta
(1992)



Porno Politico
Arnaldo Jabor
Objetiva
(2006)



Cidade de Papelão: Mocós, Cachangas e Malocas
Mário Hélio Trindad de Lima (dedicatória)
Edufes (vitória)
(1998)



Elementi Di Grammatica
Domenico Parisi*francesco Antinucci
Boringhieri
(1984)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês