Glamour e mistério em Belíssima | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 3/1/2006
Glamour e mistério em Belíssima
Luis Eduardo Matta

+ de 11200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Foi com alguma expectativa (não nego) que aguardei a estréia da novela Belíssima, da Rede Globo, no começo de novembro passado. Desde O Clone (2001), uma telenovela não me despertava tanta curiosidade. Talvez tenha contribuído para isso o fato de Belíssima ser ambientada no mundo da moda, à semelhança do que acontece com o meu mais recente romance, 120 Horas. Ou, então, o elenco estelar que conseguiu reunir nomes do quilate de Fernanda Montenegro, Glória Pires, Tony Ramos, Lima Duarte e Irene Ravache. Não importa. O certo é que a imprensa já falava muito de Belíssima no início de 2005, vários meses antes da sua anunciada estréia, antes mesmo de sua antecessora, a maçante e confusa América ir ao ar, quando o público ainda se encontrava às voltas com o dramalhão de Maria do Carmo e a sua filha desaparecida em Senhora do Destino.

Fui um assíduo espectador de novelas durante a minha infância e início da adolescência, o que compreende toda a década de 80 e os primeiros dois anos da de 90. Hoje não faço mais do que assistir a alguns capítulos eventualmente e, mesmo assim, só de uma ou outra produção. Embora meu interesse tenha diminuído sensivelmente, eu reconheço na novela um produto cultural de grande relevância. Aplaudo o capricho e o profissionalismo com que elas são feitas, os cenários, o figurino, todo o moderno aparato técnico envolvido, a atenção perfecccionista a todos os detalhes. As tramas, por outro lado, são um tanto repetitivas, envolvem quase sempre os mesmos arquétipos, as mesmas questões dramáticas e acabam muito parecidas, tornando-se inevitavelmente previsíveis, o que é um dos maiores pecados que uma obra de ficção pode cometer. Como quem dita os rumos da TV comercial é o público e o público atual é muito ágil na hora de usar o controle remoto para mudar de canal quando uma atração não lhe agrada, as emissoras têm muito medo de errar e acabam apostando sempre naquilo que já é conhecido e que tem poucos riscos de causar espécie numa assistência desabituada a mudanças bruscas na programação. De qualquer modo, muitos autores, no afã de agradar a esse público, costumam meter os pés pelas mãos e sacrificam a criatividade e a própria trama em nome da audiência a qualquer custo.

Bem, felizmente, esse não parece ser o caso de Belíssima. Desde o início, a novela tem navegado num enredo glamouroso, bem elaborado, fluente e sem atropelos. A impressão que passa é a de que o autor, Silvio de Abreu, a está escrevendo com muita calma e ciente de cada passo dado. Logo no primeiro capítulo isso ficou evidente. Em vez de apresentar todo o elenco de personagens de forma apressada e desordenada como, por exemplo, fez Gilberto Braga na estréia de Celebridade (2003), Silvio concentrou-se na trama propriamente dita, dando ênfase ao conflito entre a heroína Julia (Gloria Pires) e sua avó, a vilã Bia Falcão (Fernanda Montenegro) e, com grande habilidade, pondo em relevo o caráter de ambas, deixando, dessa forma, claro para o espectador qual seria o principal fio condutor da história. Com absoluta naturalidade, todos os demais personagens foram entrando em cena e os diversos núcleos foram sendo mostrados, sempre a reboque da trama, que é, inegavelmente, o elemento mais importante numa novela e do qual muitos autores, alguns até renomados, costumam se esquecer. Com isso, Belíssima tornou-se uma novela agradável de assistir, bem-humorada, versátil, tensa e sem apelações ou sensacionalismos. Uma novela equilibrada, bem amarrada, que mantém a atenção do espectador e se coloca à altura da sua compreensão, sem, contudo, fazer pouco da sua inteligência.

Para os próximos meses, Silvio de Abreu promete várias reviravoltas, entre elas o desaparecimento da vilã Bia, que dará uma atmosfera de thriller à história. Alguns assassinatos já ocorreram, mas ainda não deflagraram o suspense prometido pelo autor. Com certeza, é uma estratégia. Silvio garante que todos esses crimes estão ligados e que o clima de mistério aparecerá no momento certo. Há muito tempo a televisão brasileira nos deve uma novela que contenha um bom suspense, como ocorreu com O Astro e A Próxima Vítima. Acho que vou mudar os meus hábitos e abrir uma exceção para assistir a Belíssima com mais assiduidade, só para ver de perto o desenrolar dos próximos capítulos.

Uma nova diva para o jazz

Lembro-me perfeitamente da primeira vez em que ouvi a voz aveludada, grave e envolvente de Madeleine Peyroux. Foi há pouco mais de um ano, durante um café vespertino com a minha querida amiga Ellie Koelsch na Livraria Argumento, no Rio. Ellie, ao ouvir a música de Peyroux ressonando pelo salão num suave e agradável som ambiente, prontamente levantou-se da mesa e correu à seção de CDs da livraria, ávida para descobrir de quem era aquela "voz maravilhosa". Voltou com um CD da cantora, Careless Love, recém-lançado, que, por ser importado, lhe custara um bom dinheiro, e com um veredicto: "Não dou seis meses para você se tornar o maior fã dela".

Confesso que demorou mais de seis meses, mas o vaticínio concretizou-se, ao menos parcialmente. Não sei se me tornei o maior fã (acho meio difícil), mas, de qualquer maneira, minha amiga, hoje morando na Noruega, não pôde testemunhar o meu processo de enamoramento pela música de Madeleine Peyroux, processo este que, parafraseando Geisel e Golbery, ocorreu de forma lenta, gradual e segura. Digo segura, porque todo enamoramento, como é sabido, traz consigo uma carga considerável de emoção que, se vier desgovernada, pode nos levar ao colapso nervoso. E esse risco existe concretamente em relação à música desta cantora norte-americana de nome francês, que pode arrebatar de forma fulminante um apreciador mais desprevenido da boa música e é por isso que eu advirto ao leitor amigo: ouça Madeleine Peyroux, mas faça isso com prudência, pois, caso contrário, o seu coração musical poderá ser enfeitiçado de maneira irreversível. Sobretudo se você, como eu, ama o jazz e o blues.

A trajetória de Peyroux é interessante e merece algumas linhas. Ela nasceu em 1973 no estado norte-americano da Geórgia, numa cidade chamada Athens, que também foi berço de bandas célebres como R.E.M. e B-52's. Começou sua carreira na França, para onde se mudou com a família, nos anos 80, munida unicamente de um violão e de sua voz, percorrendo o país com o grupo Riverboat Shufflers. Tinha, na época, em torno de quinze anos. Pouco depois, trocou de banda e passou a fazer parte do The Lost Wandering Blues and Jazz Band, que a levou a viajar pela Europa, cantando músicas de Ella Fitzgerald e Billie Holiday. E foi justamente com o mito Billie Holiday, que ela passou a ser comparada, talvez pela conjugação entre o seu timbre de voz, a sua maneira de cantar e o seu repertório sofisticado, muito semelhantes aos da diva americana, morta em 1959. Peyroux, contudo, recusa a comparação. Afirma que as pessoas reconhecem Billie Holiday em sua voz, talvez porque ela tenha dado os primeiros passos na música ouvindo seus discos. De qualquer modo, a semelhança é inevitável. Ao escutar Peyroux cantando, tem-se de fato a impressão de se estar ouvindo Billie Holiday. Foi exatamente o que eu e minha amiga sentimos naquela tarde no café e que nos causou tanto frisson.

Madeleine Peyroux conta, ao que tudo indica, unicamente com dois CDs lançados até o momento: Dreamland, de 1996 e o já citado Careless Love, que recomendo desde logo, pois trata-se de um bálsamo para os nossos ouvidos, continuamente castigados pela decadência das rádios comerciais, que não se cansam de baixar cada vez mais o nível do seu repertório. Em Careless Love, encontraremos canções como a jazzística "Don't Cry Baby", uma linda regravação de "You're Gonna Make me Lonesome When you Go", de Bob Dylan e uma única faixa em francês, a suave "J'ai Deux Amours", muito bem executada, atestando que Peyroux, que foi morar na França praticamente sem falar francês, aprendeu muitíssimo bem a manejar o idioma de Balzac e Molière.

Não tive ainda o prazer de ouvir Dreamland, mas com relação à Careless Love, a minha sugestão é a seguinte: providencie um ambiente silencioso e à meia-luz, sente-se numa poltrona confortável sob a claridade de um abajur, prepare um drinque, pegue um bom livro para ler e ponha o CD para tocar. Essa verdadeira terapia não só irá deixá-lo(a) mais feliz, como irá fazer com que você nunca mais deseje outra vida.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 3/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
02. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol
03. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes
04. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry
05. Era uma vez um inverno de Elisa Andrade Buzzo


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2006
01. Sim, é possível ser feliz sozinho - 19/9/2006
02. A favor do voto obrigatório - 24/10/2006
03. Literatura de entretenimento e leitura no Brasil - 21/11/2006
04. As novas estantes virtuais - 14/2/2006
05. Reflexões para um mundo em crise - 16/5/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/1/2006
18h47min
LEM, não sou muito noveleira, mas "Belíssima" é realmente instigante e dá vontade de sentar no sofá para assistir. Ela tem o poder das boas novelas: faz a gente ter raiva, simpatia, desprezo pelos personagens. Aliás, essa Julia é uma boboca mesmo, não? Até aceita que o André mande ela ir no salão arrumar o cabelo antes de trabalhar!!! :)
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O NOVO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO - VOL. 1
JOSÉ CARLOS BARBOSA MOREIRA
FORENSE
(1977)
R$ 39,90
+ frete grátis



ATITUDES VENCEDORAS
CARLOS HILSDORF
SENAC
(2003)
R$ 6,50



GUIA PRÁTICO PLANTAS AROMÁTICAS CULINÁRIAS MEDICINAIS COSMÉTICAS
LESLEY BREMNESS
CIVILIZAÇÃO
(1993)
R$ 41,77



O RIO DE JANEIRO DO MEU TEMPO - VOL. 1
LUIZ EDMUNDO
IMPRENSA NACIONAL
(1938)
R$ 90,00



O MANUAL DA CRISE
JOÃO CARLOS M. FERRAZ
ALFA-OMEGA
(2009)
R$ 40,00



UM DIA DAQUELES
BRADLEY TREVOR GREIVE
SEXTANTE
(2004)
R$ 6,00



PSICOLOGIA ATUAL E DESENVOLVIMENTO
PIERRE VAYER E CHARLES RONCIN
MANOLE DOIS
(1990)
R$ 50,00



TELENOVELA, CONSUMO E GÊNERO
HELOÍSA BUARQUE DE ALMEIDA
EDUSC
(2003)
R$ 28,00



RESIDENTIAL SPACES OF THE WORLD, V. 4
IMAGES PUBLISHING GROUP
IMAGES PUBLISHING
(2001)
R$ 70,00



MASCULINO / FEMININO: TENSÃO INSOLÚVEL
MARIA ISABEL MENDES DE ALMEIDA
ROCCO
(1996)
R$ 6,00





busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês