Glamour e mistério em Belíssima | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu amigo Paulo Francis
>>> Grandes Entrevistas do Milênio
>>> 15 de Novembro #digestivo10anos
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
Mais Recentes
>>> Os Verbos Ingleses de R. H. Edwards pela Edições de Ouro (1979)
>>> Herculanum de Wera Krijanowskaia (espírito J. W. Rochester) pela Feb (1989)
>>> O Discípulo de Juan Carlos Ortiz pela Betânia (1980)
>>> Advanced Composition a Book of Models For Writing de John E. Warriner and Others pela Harcourt Brace Jovanovich (1977)
>>> Como Fazer Trabalhos de Alvenaria de N/d pela Globo (1990)
>>> Creative Wedding Florals You Can Make de Terry L. Rye pela Better Way Books (2000)
>>> Nossa Biblioteca no Plano Cósmico - Santo Aéolo III de Ponte para a Liberdade pela Hércules (1979)
>>> Biblioteca Vida e Missão - Plano Nacional: Ênfases e Diretrizes de N/d pela Imprensa Metodista
>>> Suomi de Paulo de Carvalho-neto pela Guanabara (1986)
>>> Dívida Externa e Igrejas: uma Visão Ecumênica de Tamez/ Boff/ Santa Ana/ Vidales/ Assmann/ Arruda pela Cedi (1989)
>>> Terras do sem Fim - Coleção Obras de Jorge Amado VIII de Jorge Amado pela Livraria Martins (1957)
>>> A Garota do Calendário: Março de Audrey Carlan pela Verus (2016)
>>> Manual de Economia e Negócios Internacionais Plt 728 de Marco Antonio Sandoval de Vasconcellos e Outros pela Saraiva (2011)
>>> Pseudo Discipulado de George Verwer pela Juerp (1980)
>>> Almas Aprisionadas de Renato Modesto pelo Espírito Amadeu pela Lumen Editorial (2009)
>>> A Gang do Beijo de José Louzeiro pela Ediouro Publicações (1996)
>>> Taro Adivinhatório de N/d pela Pensamento
>>> Refúgio Contra o Abuso de Nancy Nason-clark e Catherine Clark Kroeger pela Cpad (2006)
>>> Templo da Paz de Ponte para a Liberdade pela Hércules
>>> Summer Ball de Mike Lupica pela Scholastic
>>> Na Teia do Sol de Menalton Braff pela Planeta (2004)
>>> The Sesame Street Library - Volume 4 de Michael Frith and Others pela Funk & Wagnalls (1978)
>>> Medicina e Poesia de Eugênio de Carvalho Junior pela Imprensa Universitária (1971)
>>> Literatura - Autores e Época de Carlos Emílio Faraco e Outros pela Ática
>>> Websters Dicionário Inglês - Português de Antonio Houaiss pela Record (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 3/1/2006
Glamour e mistério em Belíssima
Luis Eduardo Matta

+ de 12000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Foi com alguma expectativa (não nego) que aguardei a estréia da novela Belíssima, da Rede Globo, no começo de novembro passado. Desde O Clone (2001), uma telenovela não me despertava tanta curiosidade. Talvez tenha contribuído para isso o fato de Belíssima ser ambientada no mundo da moda, à semelhança do que acontece com o meu mais recente romance, 120 Horas. Ou, então, o elenco estelar que conseguiu reunir nomes do quilate de Fernanda Montenegro, Glória Pires, Tony Ramos, Lima Duarte e Irene Ravache. Não importa. O certo é que a imprensa já falava muito de Belíssima no início de 2005, vários meses antes da sua anunciada estréia, antes mesmo de sua antecessora, a maçante e confusa América ir ao ar, quando o público ainda se encontrava às voltas com o dramalhão de Maria do Carmo e a sua filha desaparecida em Senhora do Destino.

Fui um assíduo espectador de novelas durante a minha infância e início da adolescência, o que compreende toda a década de 80 e os primeiros dois anos da de 90. Hoje não faço mais do que assistir a alguns capítulos eventualmente e, mesmo assim, só de uma ou outra produção. Embora meu interesse tenha diminuído sensivelmente, eu reconheço na novela um produto cultural de grande relevância. Aplaudo o capricho e o profissionalismo com que elas são feitas, os cenários, o figurino, todo o moderno aparato técnico envolvido, a atenção perfecccionista a todos os detalhes. As tramas, por outro lado, são um tanto repetitivas, envolvem quase sempre os mesmos arquétipos, as mesmas questões dramáticas e acabam muito parecidas, tornando-se inevitavelmente previsíveis, o que é um dos maiores pecados que uma obra de ficção pode cometer. Como quem dita os rumos da TV comercial é o público e o público atual é muito ágil na hora de usar o controle remoto para mudar de canal quando uma atração não lhe agrada, as emissoras têm muito medo de errar e acabam apostando sempre naquilo que já é conhecido e que tem poucos riscos de causar espécie numa assistência desabituada a mudanças bruscas na programação. De qualquer modo, muitos autores, no afã de agradar a esse público, costumam meter os pés pelas mãos e sacrificam a criatividade e a própria trama em nome da audiência a qualquer custo.

Bem, felizmente, esse não parece ser o caso de Belíssima. Desde o início, a novela tem navegado num enredo glamouroso, bem elaborado, fluente e sem atropelos. A impressão que passa é a de que o autor, Silvio de Abreu, a está escrevendo com muita calma e ciente de cada passo dado. Logo no primeiro capítulo isso ficou evidente. Em vez de apresentar todo o elenco de personagens de forma apressada e desordenada como, por exemplo, fez Gilberto Braga na estréia de Celebridade (2003), Silvio concentrou-se na trama propriamente dita, dando ênfase ao conflito entre a heroína Julia (Gloria Pires) e sua avó, a vilã Bia Falcão (Fernanda Montenegro) e, com grande habilidade, pondo em relevo o caráter de ambas, deixando, dessa forma, claro para o espectador qual seria o principal fio condutor da história. Com absoluta naturalidade, todos os demais personagens foram entrando em cena e os diversos núcleos foram sendo mostrados, sempre a reboque da trama, que é, inegavelmente, o elemento mais importante numa novela e do qual muitos autores, alguns até renomados, costumam se esquecer. Com isso, Belíssima tornou-se uma novela agradável de assistir, bem-humorada, versátil, tensa e sem apelações ou sensacionalismos. Uma novela equilibrada, bem amarrada, que mantém a atenção do espectador e se coloca à altura da sua compreensão, sem, contudo, fazer pouco da sua inteligência.

Para os próximos meses, Silvio de Abreu promete várias reviravoltas, entre elas o desaparecimento da vilã Bia, que dará uma atmosfera de thriller à história. Alguns assassinatos já ocorreram, mas ainda não deflagraram o suspense prometido pelo autor. Com certeza, é uma estratégia. Silvio garante que todos esses crimes estão ligados e que o clima de mistério aparecerá no momento certo. Há muito tempo a televisão brasileira nos deve uma novela que contenha um bom suspense, como ocorreu com O Astro e A Próxima Vítima. Acho que vou mudar os meus hábitos e abrir uma exceção para assistir a Belíssima com mais assiduidade, só para ver de perto o desenrolar dos próximos capítulos.

Uma nova diva para o jazz

Lembro-me perfeitamente da primeira vez em que ouvi a voz aveludada, grave e envolvente de Madeleine Peyroux. Foi há pouco mais de um ano, durante um café vespertino com a minha querida amiga Ellie Koelsch na Livraria Argumento, no Rio. Ellie, ao ouvir a música de Peyroux ressonando pelo salão num suave e agradável som ambiente, prontamente levantou-se da mesa e correu à seção de CDs da livraria, ávida para descobrir de quem era aquela "voz maravilhosa". Voltou com um CD da cantora, Careless Love, recém-lançado, que, por ser importado, lhe custara um bom dinheiro, e com um veredicto: "Não dou seis meses para você se tornar o maior fã dela".

Confesso que demorou mais de seis meses, mas o vaticínio concretizou-se, ao menos parcialmente. Não sei se me tornei o maior fã (acho meio difícil), mas, de qualquer maneira, minha amiga, hoje morando na Noruega, não pôde testemunhar o meu processo de enamoramento pela música de Madeleine Peyroux, processo este que, parafraseando Geisel e Golbery, ocorreu de forma lenta, gradual e segura. Digo segura, porque todo enamoramento, como é sabido, traz consigo uma carga considerável de emoção que, se vier desgovernada, pode nos levar ao colapso nervoso. E esse risco existe concretamente em relação à música desta cantora norte-americana de nome francês, que pode arrebatar de forma fulminante um apreciador mais desprevenido da boa música e é por isso que eu advirto ao leitor amigo: ouça Madeleine Peyroux, mas faça isso com prudência, pois, caso contrário, o seu coração musical poderá ser enfeitiçado de maneira irreversível. Sobretudo se você, como eu, ama o jazz e o blues.

A trajetória de Peyroux é interessante e merece algumas linhas. Ela nasceu em 1973 no estado norte-americano da Geórgia, numa cidade chamada Athens, que também foi berço de bandas célebres como R.E.M. e B-52's. Começou sua carreira na França, para onde se mudou com a família, nos anos 80, munida unicamente de um violão e de sua voz, percorrendo o país com o grupo Riverboat Shufflers. Tinha, na época, em torno de quinze anos. Pouco depois, trocou de banda e passou a fazer parte do The Lost Wandering Blues and Jazz Band, que a levou a viajar pela Europa, cantando músicas de Ella Fitzgerald e Billie Holiday. E foi justamente com o mito Billie Holiday, que ela passou a ser comparada, talvez pela conjugação entre o seu timbre de voz, a sua maneira de cantar e o seu repertório sofisticado, muito semelhantes aos da diva americana, morta em 1959. Peyroux, contudo, recusa a comparação. Afirma que as pessoas reconhecem Billie Holiday em sua voz, talvez porque ela tenha dado os primeiros passos na música ouvindo seus discos. De qualquer modo, a semelhança é inevitável. Ao escutar Peyroux cantando, tem-se de fato a impressão de se estar ouvindo Billie Holiday. Foi exatamente o que eu e minha amiga sentimos naquela tarde no café e que nos causou tanto frisson.

Madeleine Peyroux conta, ao que tudo indica, unicamente com dois CDs lançados até o momento: Dreamland, de 1996 e o já citado Careless Love, que recomendo desde logo, pois trata-se de um bálsamo para os nossos ouvidos, continuamente castigados pela decadência das rádios comerciais, que não se cansam de baixar cada vez mais o nível do seu repertório. Em Careless Love, encontraremos canções como a jazzística "Don't Cry Baby", uma linda regravação de "You're Gonna Make me Lonesome When you Go", de Bob Dylan e uma única faixa em francês, a suave "J'ai Deux Amours", muito bem executada, atestando que Peyroux, que foi morar na França praticamente sem falar francês, aprendeu muitíssimo bem a manejar o idioma de Balzac e Molière.

Não tive ainda o prazer de ouvir Dreamland, mas com relação à Careless Love, a minha sugestão é a seguinte: providencie um ambiente silencioso e à meia-luz, sente-se numa poltrona confortável sob a claridade de um abajur, prepare um drinque, pegue um bom livro para ler e ponha o CD para tocar. Essa verdadeira terapia não só irá deixá-lo(a) mais feliz, como irá fazer com que você nunca mais deseje outra vida.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 3/1/2006


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2006
01. Sim, é possível ser feliz sozinho - 19/9/2006
02. A favor do voto obrigatório - 24/10/2006
03. Literatura de entretenimento e leitura no Brasil - 21/11/2006
04. As novas estantes virtuais - 14/2/2006
05. Reflexões para um mundo em crise - 16/5/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/1/2006
18h47min
LEM, não sou muito noveleira, mas "Belíssima" é realmente instigante e dá vontade de sentar no sofá para assistir. Ela tem o poder das boas novelas: faz a gente ter raiva, simpatia, desprezo pelos personagens. Aliás, essa Julia é uma boboca mesmo, não? Até aceita que o André mande ela ir no salão arrumar o cabelo antes de trabalhar!!! :)
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Poirot Investiga
Agatha Christie
Círculo do Livro
(1986)



O Amor Em Gestos - os Sacramentos
Guy Ruffier
Edições Loyola
(1979)



Armadilha Mortal
Roberto Arlt
LPM Pocket
(1997)



Noções de Direito: Direito Usual
Otto Costa
Do Brasil



Wohin Dein Herz Mich Fuhrt
Christine Dorsey
Lübbe
(2003)



Noites de Tormenta
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2011)



Novos Contornos da Gestão Local:conceitos Em Construção
Francisco de Oliveira
Fgv
(2002)



O Código da Vinci
Dan Brown
Sextante
(2004)



Estado e Economia Em Tempo de Crise
Sebastião C. Velasco e Cruz
Relume Dumara
(1997)



Pareceres e Falências
José Xavier Carvalho de Mendonça
Minelli
(2006)





busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês