Glamour e mistério em Belíssima | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
84229 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O pingente que deu certo
>>> Fidelio, primeira parte
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (III)
>>> Os gatos, as bibliotecas e a literatura
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> A brother is a brother
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Um adeus pra Vonnegut Jr
>>> Curso superior de auto-ajuda empresarial
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
Mais Recentes
>>> Livro Quem pensa enriquece de Napoleon hill pela Cdg (2021)
>>> FLAGRANTES - Poemas em Busca de um Alvo de Rosivaldo do Nascimento pela Artner (2020)
>>> Formação Econômica do Brasil de Celso Furtado pela Companhia Edit. Nacional (1976)
>>> A Gorda e a Volta por Cima de Carlos Heitor Cony pela Ediouro
>>> Matemática Aula Por Aula 2° Série Ensino Médio. de Benigno Barreto Filho - Cláudio Xavier da Silva pela Ftd (2005)
>>> Quarto de despejo de Carolina Maria De Jesus pela Atica (2001)
>>> Che guevara por ele mesmo de Vários Autores pela Martin Claret (2005)
>>> O amor me trouxe de volta de Carol Bowman; Simone Lemberg Reisner pela Sextante (2010)
>>> Ramsés - a Batalha de Kadesh (vol. 3) de Christian Jacq pela Bertrand (1999)
>>> O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Suma de Letras (2008)
>>> O Físico - a Epopéia de um Médico Medieval de Noah Gordon pela Rocco (1988)
>>> A Dama Azul de Planeta do Brasil pela Planeta do Brasil (2009)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 9 de Yu Kuraishi pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 4 de Mangá pela Jbc (2017)
>>> Chobits Especial - Vol. 1 de Clamp pela Jbc (2013)
>>> Comer, Rezar, Amar de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2008)
>>> Vida na Terra - Conhecer e Proteger de Rosicler Martins Rodrigues pela Moderna (1991)
>>> Coin Laundry Lady EAN: 9788545703730 de Hiro Kiyohara pela Jbc (2017)
>>> You on a Diet de Mehmet C Oz; Ted Spiker; Lisa Oz pela Simon & Schuster (2006)
>>> As 100 + o Guia de Estilo Que Toda Mulher Fashion Deve Ter de Nina Garcia pela Best Seller (2009)
>>> Fairy Tail - Vol. 52 EAN: 9788545701361 de Mangá pela Jbc (2013)
>>> O Paciente Número Um de Michael Palmer pela Prumo (2009)
>>> Rurouni Kenshin - Especial - versão do autor - Vol. 2 EAN: 9788545701576 de Nabuchiro Watsuki pela Jbc (2018)
>>> Chobits Especial - Vol. 2 EAN: 9788545700302 de Mangá pela Jbc (2013)
>>> Só a Gente Sabe o que Sente de Frederico Elboni pela Benvirá (2017)
>>> Estúpida, Eu? de Camila Coutinho pela Intrinseca (2019)
>>> Diário de uma garota nada popular 1 EAN: 9788576861034 de Rachel Renée Russel pela Verus (2014)
>>> O Catador de Sonhos de Geraldo Rufino pela Gente (2015)
>>> Inteligência - Representações do Cenário Internacional de Alexandre Andrade da Costa pela Paco Editorial (2019)
>>> Agência Enxuta de Natanael Oliveira pela Dvs (2018)
>>> Todas as Cores da Escuridão de Peter Robinson pela Record (2014)
>>> O Último Navio Negreiro da América de Erik Calonius pela Record (2008)
>>> Estação Infinita e Outras Estações de Ruy Espinheira Filho pela Bertrand Brasil (2012)
>>> O Senhor do Lado Esquerdo de Alberto Mussa pela Record (2011)
>>> Vampiratas - Império da Noite de Justin Somper pela Galera (2012)
>>> Vampiratas - Coração Negro de Justin Somper pela Galera (2010)
>>> Vida Assistida de Tess Gerritsen pela Record (2012)
>>> O Filho-presente de Kabouna Keita pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Tenho uma Ideia de Roger Von Oech pela Best Seller (2011)
>>> Tríptico Astrológico de Dane Rudhyar pela Pensamento (1989)
>>> Ayahuasca - Alucinógenos, Consciência e o Espírito da Natureza de Ralph Metzner pela Gryphus (2002)
>>> A sabedoria nossa de cada dia de Augusto Cury pela Sextante (2007)
>>> Íntimo e Perigoso de Linda Howard pela Bertrand Brasil (2010)
>>> Mãos de Luz de Barbara Ann Brennan pela Pensamento (1996)
>>> O Segredo de Shambhala de James Redfield pela Objetiva (2000)
>>> A Vida nos Sonhos de David Fontana pela Record Nova Era (1994)
>>> Veterano? de Ismael Gomes Braga pela Kultura Kooperativo de Esperantistoj (1965)
>>> Filhos brilhantes alunos fascinantes de Agusto Cury pela Academia de Inteligência (2006)
>>> Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos de Patrícia Fernandez pela Travassos (2015)
>>> Leasing Operacional de Carlos Alberto Di Augustini e Outro pela Fgv (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 3/1/2006
Glamour e mistério em Belíssima
Luis Eduardo Matta

+ de 11700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Foi com alguma expectativa (não nego) que aguardei a estréia da novela Belíssima, da Rede Globo, no começo de novembro passado. Desde O Clone (2001), uma telenovela não me despertava tanta curiosidade. Talvez tenha contribuído para isso o fato de Belíssima ser ambientada no mundo da moda, à semelhança do que acontece com o meu mais recente romance, 120 Horas. Ou, então, o elenco estelar que conseguiu reunir nomes do quilate de Fernanda Montenegro, Glória Pires, Tony Ramos, Lima Duarte e Irene Ravache. Não importa. O certo é que a imprensa já falava muito de Belíssima no início de 2005, vários meses antes da sua anunciada estréia, antes mesmo de sua antecessora, a maçante e confusa América ir ao ar, quando o público ainda se encontrava às voltas com o dramalhão de Maria do Carmo e a sua filha desaparecida em Senhora do Destino.

Fui um assíduo espectador de novelas durante a minha infância e início da adolescência, o que compreende toda a década de 80 e os primeiros dois anos da de 90. Hoje não faço mais do que assistir a alguns capítulos eventualmente e, mesmo assim, só de uma ou outra produção. Embora meu interesse tenha diminuído sensivelmente, eu reconheço na novela um produto cultural de grande relevância. Aplaudo o capricho e o profissionalismo com que elas são feitas, os cenários, o figurino, todo o moderno aparato técnico envolvido, a atenção perfecccionista a todos os detalhes. As tramas, por outro lado, são um tanto repetitivas, envolvem quase sempre os mesmos arquétipos, as mesmas questões dramáticas e acabam muito parecidas, tornando-se inevitavelmente previsíveis, o que é um dos maiores pecados que uma obra de ficção pode cometer. Como quem dita os rumos da TV comercial é o público e o público atual é muito ágil na hora de usar o controle remoto para mudar de canal quando uma atração não lhe agrada, as emissoras têm muito medo de errar e acabam apostando sempre naquilo que já é conhecido e que tem poucos riscos de causar espécie numa assistência desabituada a mudanças bruscas na programação. De qualquer modo, muitos autores, no afã de agradar a esse público, costumam meter os pés pelas mãos e sacrificam a criatividade e a própria trama em nome da audiência a qualquer custo.

Bem, felizmente, esse não parece ser o caso de Belíssima. Desde o início, a novela tem navegado num enredo glamouroso, bem elaborado, fluente e sem atropelos. A impressão que passa é a de que o autor, Silvio de Abreu, a está escrevendo com muita calma e ciente de cada passo dado. Logo no primeiro capítulo isso ficou evidente. Em vez de apresentar todo o elenco de personagens de forma apressada e desordenada como, por exemplo, fez Gilberto Braga na estréia de Celebridade (2003), Silvio concentrou-se na trama propriamente dita, dando ênfase ao conflito entre a heroína Julia (Gloria Pires) e sua avó, a vilã Bia Falcão (Fernanda Montenegro) e, com grande habilidade, pondo em relevo o caráter de ambas, deixando, dessa forma, claro para o espectador qual seria o principal fio condutor da história. Com absoluta naturalidade, todos os demais personagens foram entrando em cena e os diversos núcleos foram sendo mostrados, sempre a reboque da trama, que é, inegavelmente, o elemento mais importante numa novela e do qual muitos autores, alguns até renomados, costumam se esquecer. Com isso, Belíssima tornou-se uma novela agradável de assistir, bem-humorada, versátil, tensa e sem apelações ou sensacionalismos. Uma novela equilibrada, bem amarrada, que mantém a atenção do espectador e se coloca à altura da sua compreensão, sem, contudo, fazer pouco da sua inteligência.

Para os próximos meses, Silvio de Abreu promete várias reviravoltas, entre elas o desaparecimento da vilã Bia, que dará uma atmosfera de thriller à história. Alguns assassinatos já ocorreram, mas ainda não deflagraram o suspense prometido pelo autor. Com certeza, é uma estratégia. Silvio garante que todos esses crimes estão ligados e que o clima de mistério aparecerá no momento certo. Há muito tempo a televisão brasileira nos deve uma novela que contenha um bom suspense, como ocorreu com O Astro e A Próxima Vítima. Acho que vou mudar os meus hábitos e abrir uma exceção para assistir a Belíssima com mais assiduidade, só para ver de perto o desenrolar dos próximos capítulos.

Uma nova diva para o jazz

Lembro-me perfeitamente da primeira vez em que ouvi a voz aveludada, grave e envolvente de Madeleine Peyroux. Foi há pouco mais de um ano, durante um café vespertino com a minha querida amiga Ellie Koelsch na Livraria Argumento, no Rio. Ellie, ao ouvir a música de Peyroux ressonando pelo salão num suave e agradável som ambiente, prontamente levantou-se da mesa e correu à seção de CDs da livraria, ávida para descobrir de quem era aquela "voz maravilhosa". Voltou com um CD da cantora, Careless Love, recém-lançado, que, por ser importado, lhe custara um bom dinheiro, e com um veredicto: "Não dou seis meses para você se tornar o maior fã dela".

Confesso que demorou mais de seis meses, mas o vaticínio concretizou-se, ao menos parcialmente. Não sei se me tornei o maior fã (acho meio difícil), mas, de qualquer maneira, minha amiga, hoje morando na Noruega, não pôde testemunhar o meu processo de enamoramento pela música de Madeleine Peyroux, processo este que, parafraseando Geisel e Golbery, ocorreu de forma lenta, gradual e segura. Digo segura, porque todo enamoramento, como é sabido, traz consigo uma carga considerável de emoção que, se vier desgovernada, pode nos levar ao colapso nervoso. E esse risco existe concretamente em relação à música desta cantora norte-americana de nome francês, que pode arrebatar de forma fulminante um apreciador mais desprevenido da boa música e é por isso que eu advirto ao leitor amigo: ouça Madeleine Peyroux, mas faça isso com prudência, pois, caso contrário, o seu coração musical poderá ser enfeitiçado de maneira irreversível. Sobretudo se você, como eu, ama o jazz e o blues.

A trajetória de Peyroux é interessante e merece algumas linhas. Ela nasceu em 1973 no estado norte-americano da Geórgia, numa cidade chamada Athens, que também foi berço de bandas célebres como R.E.M. e B-52's. Começou sua carreira na França, para onde se mudou com a família, nos anos 80, munida unicamente de um violão e de sua voz, percorrendo o país com o grupo Riverboat Shufflers. Tinha, na época, em torno de quinze anos. Pouco depois, trocou de banda e passou a fazer parte do The Lost Wandering Blues and Jazz Band, que a levou a viajar pela Europa, cantando músicas de Ella Fitzgerald e Billie Holiday. E foi justamente com o mito Billie Holiday, que ela passou a ser comparada, talvez pela conjugação entre o seu timbre de voz, a sua maneira de cantar e o seu repertório sofisticado, muito semelhantes aos da diva americana, morta em 1959. Peyroux, contudo, recusa a comparação. Afirma que as pessoas reconhecem Billie Holiday em sua voz, talvez porque ela tenha dado os primeiros passos na música ouvindo seus discos. De qualquer modo, a semelhança é inevitável. Ao escutar Peyroux cantando, tem-se de fato a impressão de se estar ouvindo Billie Holiday. Foi exatamente o que eu e minha amiga sentimos naquela tarde no café e que nos causou tanto frisson.

Madeleine Peyroux conta, ao que tudo indica, unicamente com dois CDs lançados até o momento: Dreamland, de 1996 e o já citado Careless Love, que recomendo desde logo, pois trata-se de um bálsamo para os nossos ouvidos, continuamente castigados pela decadência das rádios comerciais, que não se cansam de baixar cada vez mais o nível do seu repertório. Em Careless Love, encontraremos canções como a jazzística "Don't Cry Baby", uma linda regravação de "You're Gonna Make me Lonesome When you Go", de Bob Dylan e uma única faixa em francês, a suave "J'ai Deux Amours", muito bem executada, atestando que Peyroux, que foi morar na França praticamente sem falar francês, aprendeu muitíssimo bem a manejar o idioma de Balzac e Molière.

Não tive ainda o prazer de ouvir Dreamland, mas com relação à Careless Love, a minha sugestão é a seguinte: providencie um ambiente silencioso e à meia-luz, sente-se numa poltrona confortável sob a claridade de um abajur, prepare um drinque, pegue um bom livro para ler e ponha o CD para tocar. Essa verdadeira terapia não só irá deixá-lo(a) mais feliz, como irá fazer com que você nunca mais deseje outra vida.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 3/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
02. A aproximação entre Grécia e Rússia de Celso A. Uequed Pitol
03. Miguel de Unamuno e Portugal de Celso A. Uequed Pitol
04. Ideologias em forma de spam de Diogo Salles
05. Da necessidade de dizer a que vim de Alessandro Garcia


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2006
01. Sim, é possível ser feliz sozinho - 19/9/2006
02. A favor do voto obrigatório - 24/10/2006
03. Literatura de entretenimento e leitura no Brasil - 21/11/2006
04. As novas estantes virtuais - 14/2/2006
05. Reflexões para um mundo em crise - 16/5/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/1/2006
18h47min
LEM, não sou muito noveleira, mas "Belíssima" é realmente instigante e dá vontade de sentar no sofá para assistir. Ela tem o poder das boas novelas: faz a gente ter raiva, simpatia, desprezo pelos personagens. Aliás, essa Julia é uma boboca mesmo, não? Até aceita que o André mande ela ir no salão arrumar o cabelo antes de trabalhar!!! :)
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Segundo Livro do Catequizando: Em Preparação á Eucaristia
Irmã Mary Donzellini
Paulus
(2011)
R$ 5,00



Gestão Educacional: Experiências Inovadoras
Antonio Carlos da R. Xavier e Outros
Ipea
(1995)
R$ 15,82



Ciências Sociais na Atualidade. Percursos e Desafios
Silvana Tótora
Cortez
(2004)
R$ 11,99



Brincando Com o Perigo - Com Suplemento de Leitura
Laís Carr Ribeiro
Moderna
(1995)
R$ 7,00



Opúsculos Vol 3 Teatro de Camões Antologia de Carnes Buranos Humani...
Jose Cardoso
Appacdm
(1996)
R$ 27,91



Coleção Machado de Assis- Escritos Avulsos I
Machado de Assis
Globo
R$ 20,00



O sítio do estrangeiro
Pierre Fédida
Escuta
(1996)
R$ 30,00



Introdução à Teoria Geral da Administração
Idalberto Chiavenato
McGraw-Hill
(1983)
R$ 16,00



A Maldição do Espelho
Agatha Christie
Nova Fronteira
(1977)
R$ 35,90



Deformação
Vera Albers
Perspectiva
(1980)
R$ 27,00





busca | avançada
84229 visitas/dia
2,4 milhões/mês