O blog no espelho | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Matrix, ou o camarada Buda
>>> Honestidade
>>> Action culturelle
>>> Google Blog
>>> A morte do jornal, pela New Yorker
>>> Mucha Mierda
>>> O trabalho camponês na América
>>> Anna Karenina, Kariênina ou a do trem
>>> Um rancho e um violão
>>> Da fatalidade do desejo
Mais Recentes
>>> O Código da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> A pergunta a varias mãos de Carlos Rodrigues brandão pela Cortez (2003)
>>> Short Cuts - Cenas da Vida de Raymond Carver pela Rocco (1994)
>>> Da Unidade Transcendente das Religiões de Frithjof Schuon, Fernando Guedes Galvão pela Martins (1953)
>>> Lilith, A Lua Negra de Roberto Sicuteri pela Paz e Terra (1985)
>>> Elementos Fundamentais Para Uma Ampliação da Arte de Curar de Rudolf Steiner e Ita Wegman pela Antroposófica (2007)
>>> Filha Mãe Avó e Puta de Gabriela Leite pela Objetiva (2009)
>>> Revenue Management Maximização de Receitas de Robert G. Cross pela Campus (1998)
>>> A Coisa Terrível que Aconteceu com Barnab Brocket de John Boyne pela Companhia das Letrinhas (2013)
>>> Os Criminosos Vieram para o Chá de Stella Carr pela Ftd (2001)
>>> A Outra Face História de Uma Garota Afegã de Deborah Ellis pela Ática (2012)
>>> Toko Ghoul nº2 de Sui Ishida pela Panini
>>> Bíblia de Aparecida para Crianças de Lois Rock pela Santuário (2010)
>>> O Sabor da Qualidade de Subir Chowdhury pela Sextante (2006)
>>> A Aprendiz de Vivianne Aventura pela Landscape (2005)
>>> Auto sugestão Consciente O Que Digo O que Faço de Emile Coué pela Ediouro
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1983)
>>> No Beco do Sabão de Odette de Barros Mott pela Atual (1985)
>>> O Diário de M. H. de Thalles Paraíso pela Talento (2016)
>>> O Principe Fantasma de Ganymédes José pela Atual (1987)
>>> Vidas de Grandes Compositores de Henry Thomaz pela Globo (1952)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Gramática: Teoria e Atividade de Maria Aparecida Paschoalin; Neusa Terezinha Spadot pela Ftd (2008)
>>> Esaú e Jacó de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Tarde Demais para Chorar Cedo Demais para Morrer de Edith Pendleton pela Circulo do Livro
COLUNAS >>> Especial A Arte de Blogar

Sexta-feira, 19/11/2010
O blog no espelho
Marta Barcellos

+ de 3600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Estava mesmo na hora de discutir a relação. Eu andava postergando, com receio de olhar os posts do passado, uma fase em que tudo era novidade, talvez ingenuidade. Se aceitasse o convite, e atendesse ao chamado do Digestivo, um especial sobre blogs, seria obrigada a me deparar com os sonhos me habitavam naquele início. Lembrar dos que se realizaram (os leitores de bom nível), de outros que se mostraram inviáveis (ganhar algum dinheiro com aquilo). Dos temores em relação à exposição ― até hoje uma questão. Precisaria também reconhecer que a minha dedicação se reduzira ultimamente, um reflexo da rotina, sempre ela, a vilã dos relacionamentos.

Mas seria também a oportunidade de olhar as estatísticas, quem sabe me orgulhar da relação afinal estável, apesar dos altos e baixos. Até novembro de 2010, foram três anos e meio ininterruptos, 432 artigos escritos, 667 comentários de 151 usuários. Mais tempo que um namoro. Ao procurar pelos números (clico administração, senha, estatísticas), lembro da remota esperança de me tornar uma pessoa cheia de traquejo tecnológico graças ao blog. A falta de vocabulário para denominar tais pessoas (traquejo tecnológico? O que nerds, geeks ou coisa parecida achariam disso?) denuncia o meu fracasso em relação ao objetivo. Assim como um casamento, um blog não muda ninguém. .

Aproveito para dar uma olhada no "taxímetro" que deixei na primeira página do blog, marcando o número de visitas: mais de 125 mil. Inacreditável, me espanto novamente, como nos tempos em que checava quase todo dia, depois semanalmente, até evitar olhar para não ficar culpada com a produção esporádica, indigna de tantos leitores. Não tenho parâmetros, além dos resultados grandiosos do Digestivo, mas imagino que meus números sejam modestos comparados a blogs mais, digamos, úteis. Ou àqueles que primam pela polêmica ou pela participação dos internautas. No entanto, parecem bons para quem apenas compartilha os próprios textos e esboços de ideias. Viva meus persistentes leitores!

De repente me ocorre, sim, um mérito. Quando comecei, os exemplos bem-sucedidos da chamada blogosfera tinham como atração principal o dinamismo, o compartilhamento do conteúdo que já estava na rede, os posts repletos de links e comentários. Qualquer semelhança com o Twitter e o Facebook ainda inexistentes é mera expressão de tendência. Eu achava aquilo bacana, admirava a capacidade de edição dos grandes blogueiros, mas tinha consciência de que aquela não era a minha praia. Achei a maior graça quando o Interney promoveu um evento chamado "Blogagem inédita", cuja maior dificuldade para participar era fazer um post com... conteúdo original! .

Ok, não faltava conteúdo original ao Espuminha de leite (nome detestado por metade dos amigos, e que fazia algum sentido por causa do antigo subtítulo "dicas, atualidades e assuntos para o café"). Eu também estava satisfeita com o texto entre o jornalístico e o literário (não confundir com jornalismo literário), próximo do gênero "crônica", que mais parecia se adequar à minha ideia de internet naqueles tempos. Como exercício de escrita, não restava dúvida: fazer um blog valia a pena. Mas eu percebia subutilizar outras potencialidades da rede: queria aumentar a interatividade, melhorar o visual do blog, queria aprender a linkar...

"Jornalista não sabe lincar". Eu li a provocação ― e vesti a carapuça ― num raro site que, como eu, achava normal produzir textos originais e caprichados. Experimentei da armadilha dos links bem colocados e, quando dei por mim, tinha aprendido um bocado sobre internet, blogs e tendências culturais, esquecida por horas em leituras no Digestivo. A provocação vinha do Julio, que então colocava lenha e bons argumentos na fogueira alimentada por jornalistas e blogueiros em busca de status na rede (uma discussão que acabou esvaziada com o fim da obrigatoriedade do diploma de jornalista para exercer a profissão). Libriana que sou, vislumbrei habilidades complementares no suposto antagonismo, e consegui não crepitar na fogueira das vaidades. Foi mais ou menos nessa hora que o Julio me chamou para ser colunista no Digestivo.

Voltando ao Espuminha, a princípio a interatividade me deslumbrou. A "relação mais aberta" (eu, blog e comentaristas) era muito mais excitante do que monogamia inicial. Divulgava o blog para os amigos, implorava comentários, escolhia temas com algum potencial para discussões (de bom nível). Apareceram comentaristas diários (no tempo em que os posts também eram diários), alguns carentes da minha atenção, e quase me senti como se já tivesse filhos com o Espuminha. Hoje leio os seus nomes em "estatísticas de comentários por membros": onde estarão? Pois é, alguns recordistas, que comentavam compulsivamente, de repente desapareceram.

Olhando para trás, administração/senha/estatísticas, vislumbro minha própria imagem refletida. Tantos anos na ilusão de driblar a exposição, e lá estou eu. Mencionando inquietações que virariam longos artigos no Digestivo três anos depois. Tentando rir de mim mesma. Nem sempre conseguindo. Deixando vestígios dos caminhos percorridos, fazendo escolhas. Boas, ruins. Experimentando, sempre. Na busca pelo leitor, encontro o espelho. Espero que mesmo assim ele, o meu leitor, goste.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 19/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Você viveria sua vida de novo? de Ana Elisa Ribeiro
02. Os 40 anos de A Banda versus Disparada de Vitor Nuzzi
03. Palmeiras Selvagens e os Sabichões de Alessandro Silva
04. Woyzeck: um brasileiro de Rennata Airoldi
05. Três tragédias de Adriana Baggio


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010
05. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010


Mais Especial A Arte de Blogar
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/11/2010
08h51min
Quando comecei a ler este texto, pensei, ela vai deletar o blog? Tive um medo, pois foi a senhora quem me incentivou a escrever um blog mesmo sem leitores ou comentários, e assim o fiz. É tanto que dele resultou três livros de crônicas, e lá ainda estou escrevendo, sem leitores, sem comentário, é a minha terapia. E acho que estou no final do seu texto, quando pergunta por seus leitores/internautas, estou nas estatísticas, sempre lá ou para sempre lá. Não sei dizer. Acho que a corrência, não com outros blogs, mas com o Facebook, Twitter, Orkut ocupam os leitores. O povo já lê pouco, e agora prefere ler apenas posts de 140 caracteres. Mas estamos aí.
[Leia outros Comentários de Ronaldo Magella]
20/11/2010
21h26min
O espelho é um olhar no paraíso!
[Leia outros Comentários de roberto]
28/11/2010
02h57min
Lendo sua matéria me sinto diante de um espelho.
[Leia outros Comentários de Roberto]
22/3/2011
08h23min
Espelho, espelho meu, o que será do meu blog, sem o Dirceu?
[Leia outros Comentários de Rebeca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eight Famous Elizabethan Plays (capa Dura)
Esther Cloudman Dunn (introduction)
The Modern Library (new York)
(1950)



O Segredo das Ervas
N/d
Europa
(2008)



Heitor Villa Lobos
Loly Amaro de Souza
Moderna
(2001)



Clt Saraiva
Não Sei
Saraiva
(1998)



Como Destruir Seu Casamento
Claudio Paiva
34
(1994)



Rhétorique de Limage; Le Cinéma: Langue Ou Langage ?
Revista Communications, Nº 4 de 1966
Seuil
(1964)



Aproximou-se o Reino de Deus de Mil Anos
Watchtower Bible and Tract Society of Ny
Watchtower Bible and Tract Soc
(1975)



World Class: Thriving Locally in the Global Economy
Rosabeth Moss Kanter
Free Press
(1997)



Introdução a Ciencia do Direito
Roberto Thomas Arruda (capa Dura)
Juriscredi (sp)
(1972)



Sr. Compromisso
Mike Gayle
Tâmisa
(2000)





busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês