O blog no espelho | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma História do LED
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg
>>> Talk Show
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Isto é um experimento
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS >>> Especial A Arte de Blogar

Sexta-feira, 19/11/2010
O blog no espelho
Marta Barcellos

+ de 3700 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Estava mesmo na hora de discutir a relação. Eu andava postergando, com receio de olhar os posts do passado, uma fase em que tudo era novidade, talvez ingenuidade. Se aceitasse o convite, e atendesse ao chamado do Digestivo, um especial sobre blogs, seria obrigada a me deparar com os sonhos me habitavam naquele início. Lembrar dos que se realizaram (os leitores de bom nível), de outros que se mostraram inviáveis (ganhar algum dinheiro com aquilo). Dos temores em relação à exposição ― até hoje uma questão. Precisaria também reconhecer que a minha dedicação se reduzira ultimamente, um reflexo da rotina, sempre ela, a vilã dos relacionamentos.

Mas seria também a oportunidade de olhar as estatísticas, quem sabe me orgulhar da relação afinal estável, apesar dos altos e baixos. Até novembro de 2010, foram três anos e meio ininterruptos, 432 artigos escritos, 667 comentários de 151 usuários. Mais tempo que um namoro. Ao procurar pelos números (clico administração, senha, estatísticas), lembro da remota esperança de me tornar uma pessoa cheia de traquejo tecnológico graças ao blog. A falta de vocabulário para denominar tais pessoas (traquejo tecnológico? O que nerds, geeks ou coisa parecida achariam disso?) denuncia o meu fracasso em relação ao objetivo. Assim como um casamento, um blog não muda ninguém. .

Aproveito para dar uma olhada no "taxímetro" que deixei na primeira página do blog, marcando o número de visitas: mais de 125 mil. Inacreditável, me espanto novamente, como nos tempos em que checava quase todo dia, depois semanalmente, até evitar olhar para não ficar culpada com a produção esporádica, indigna de tantos leitores. Não tenho parâmetros, além dos resultados grandiosos do Digestivo, mas imagino que meus números sejam modestos comparados a blogs mais, digamos, úteis. Ou àqueles que primam pela polêmica ou pela participação dos internautas. No entanto, parecem bons para quem apenas compartilha os próprios textos e esboços de ideias. Viva meus persistentes leitores!

De repente me ocorre, sim, um mérito. Quando comecei, os exemplos bem-sucedidos da chamada blogosfera tinham como atração principal o dinamismo, o compartilhamento do conteúdo que já estava na rede, os posts repletos de links e comentários. Qualquer semelhança com o Twitter e o Facebook ainda inexistentes é mera expressão de tendência. Eu achava aquilo bacana, admirava a capacidade de edição dos grandes blogueiros, mas tinha consciência de que aquela não era a minha praia. Achei a maior graça quando o Interney promoveu um evento chamado "Blogagem inédita", cuja maior dificuldade para participar era fazer um post com... conteúdo original! .

Ok, não faltava conteúdo original ao Espuminha de leite (nome detestado por metade dos amigos, e que fazia algum sentido por causa do antigo subtítulo "dicas, atualidades e assuntos para o café"). Eu também estava satisfeita com o texto entre o jornalístico e o literário (não confundir com jornalismo literário), próximo do gênero "crônica", que mais parecia se adequar à minha ideia de internet naqueles tempos. Como exercício de escrita, não restava dúvida: fazer um blog valia a pena. Mas eu percebia subutilizar outras potencialidades da rede: queria aumentar a interatividade, melhorar o visual do blog, queria aprender a linkar...

"Jornalista não sabe lincar". Eu li a provocação ― e vesti a carapuça ― num raro site que, como eu, achava normal produzir textos originais e caprichados. Experimentei da armadilha dos links bem colocados e, quando dei por mim, tinha aprendido um bocado sobre internet, blogs e tendências culturais, esquecida por horas em leituras no Digestivo. A provocação vinha do Julio, que então colocava lenha e bons argumentos na fogueira alimentada por jornalistas e blogueiros em busca de status na rede (uma discussão que acabou esvaziada com o fim da obrigatoriedade do diploma de jornalista para exercer a profissão). Libriana que sou, vislumbrei habilidades complementares no suposto antagonismo, e consegui não crepitar na fogueira das vaidades. Foi mais ou menos nessa hora que o Julio me chamou para ser colunista no Digestivo.

Voltando ao Espuminha, a princípio a interatividade me deslumbrou. A "relação mais aberta" (eu, blog e comentaristas) era muito mais excitante do que monogamia inicial. Divulgava o blog para os amigos, implorava comentários, escolhia temas com algum potencial para discussões (de bom nível). Apareceram comentaristas diários (no tempo em que os posts também eram diários), alguns carentes da minha atenção, e quase me senti como se já tivesse filhos com o Espuminha. Hoje leio os seus nomes em "estatísticas de comentários por membros": onde estarão? Pois é, alguns recordistas, que comentavam compulsivamente, de repente desapareceram.

Olhando para trás, administração/senha/estatísticas, vislumbro minha própria imagem refletida. Tantos anos na ilusão de driblar a exposição, e lá estou eu. Mencionando inquietações que virariam longos artigos no Digestivo três anos depois. Tentando rir de mim mesma. Nem sempre conseguindo. Deixando vestígios dos caminhos percorridos, fazendo escolhas. Boas, ruins. Experimentando, sempre. Na busca pelo leitor, encontro o espelho. Espero que mesmo assim ele, o meu leitor, goste.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 19/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sábia, rubra, gorda (e gentil) de Adriana Baggio
02. Um bocado da Índia na Mantiqueira de Ricardo de Mattos
03. As cores de Pamuk de Wellington Machado
04. Youtube, o mega-saldão de verão de Pilar Fazito
05. O país dos imbecis de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010
05. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010


Mais Especial A Arte de Blogar
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/11/2010
08h51min
Quando comecei a ler este texto, pensei, ela vai deletar o blog? Tive um medo, pois foi a senhora quem me incentivou a escrever um blog mesmo sem leitores ou comentários, e assim o fiz. É tanto que dele resultou três livros de crônicas, e lá ainda estou escrevendo, sem leitores, sem comentário, é a minha terapia. E acho que estou no final do seu texto, quando pergunta por seus leitores/internautas, estou nas estatísticas, sempre lá ou para sempre lá. Não sei dizer. Acho que a corrência, não com outros blogs, mas com o Facebook, Twitter, Orkut ocupam os leitores. O povo já lê pouco, e agora prefere ler apenas posts de 140 caracteres. Mas estamos aí.
[Leia outros Comentários de Ronaldo Magella]
20/11/2010
21h26min
O espelho é um olhar no paraíso!
[Leia outros Comentários de roberto]
28/11/2010
02h57min
Lendo sua matéria me sinto diante de um espelho.
[Leia outros Comentários de Roberto]
22/3/2011
08h23min
Espelho, espelho meu, o que será do meu blog, sem o Dirceu?
[Leia outros Comentários de Rebeca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




All Set! 3 Teachers Resource Book
Adriana Weigel
Collins
(2008)



50 Tramas e Truques da Conquista
Sharyn Wolf
Saraiva
(1995)



Leituras Críticas Sobre Leonardo Boff
Juarez Guimarães (org.)
Perseu Abramo/ufmg
(2008)



Dialética e Técnica na Teoria Geral do Direito
Oliveiros Litrento - Autografado
Forense
(1983)



Sem Perdão
Frederick Forsyth
Record
(1982)



Roma - guia visual folha de sao paulo
tracy l laquey
Publifolha
(1997)



Chag Vemada Trabalhando Com Ciências no Gan
Gloria Suzana Marczik
Fisesp
(1997)



Technical Analysis of Stocks & Commodities Volume 15
Jack K. Hustson
Traders
(1997)



A Mulher do Mágico
Brian Moore
Companhia das Letras
(2000)



Vetores e Geometria Analítica Exercícios
Dorival Antonio de Mello Renate G. Watanabe
Do Autor
(1985)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês