O futuro do ritual do cinema | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Freud segundo Zweig
>>> Informação, Redes Sociais e a Revolução
>>> Raul Gil e sua usina de cantores
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
Mais Recentes
>>> Como Administrar Pequenas Empresas: Série Gestão Empresarial de Hélvio T. Cury Prazeres pela Centro de Produções Técnicas
>>> De Dores Somos: Para Todas as Mães que Perderam seus Filhos de Lauricy Belletti Rodrigues pela São José (2016)
>>> A História de Águida de Águida Duarte Perdigão pela Do Autor (2004)
>>> O Ouro e o Altar de Edir Macedo pela Unipro (2018)
>>> Nascido da Luz de Marcelo Drumond Furtado pela Código (2011)
>>> Degraus de Glória de Antônio E. S. Moreira pela Do Autor
>>> O Tempo Nosso de Cada Dia de Ruibran Januário dos Reis pela Tcs (2014)
>>> De Volta à Essência de José Moreira Guedes Filho pela Sinai (2009)
>>> Esquizofrenia: Dois Enfoques Complementares de Mário Rodrigues Louzã; Luiz Barros; Itiro Shirakawa pela Lemos (1999)
>>> Work in Progress de Michael Eisner; Tony Schwartz pela First Paperback (1999)
>>> 150 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Jennifer Keller pela Ediouro (2005)
>>> Chi Prega Si Salva de Joseph Ratzinger pela 3Ogiorni (2005)
>>> Donum Vitae: Istruzione e Commenti: Congregazione per La Dotrina Della Fedde de Joseph Ratzinger pela Vaticana (1990)
>>> Il Calice di don Mario de Associazone Amici di Mario Gerlin pela Edizioni (2004)
>>> Per l Opera di un Altro: Vita de Don Virgilio Resi de Gianfranco Lauretano pela Raffaelli (2012)
>>> Cristo Speranza dell Umanità de Don Mario Pieracci pela Pro Sanctitate (2007)
>>> Che Cosa Cercate? de Comunione e Liberazione pela Tracce Quaderni (2008)
>>> Un Metro Lungo Cinque de Lorenzo Vecchio pela Editrice (2005)
>>> Il Tesoro Nascosto e La Perla Preziosa de Tarcisio Bertone pela Fassicomo (2004)
>>> Apertura Dell Anno Della Fede de Cappella Papale pela Vaticana (2012)
>>> La Giustizia è Uguale per Tutti, ma... de Franco Coppi pela 3Ogiorni (2004)
>>> Sono Stanco di Subire! Soltanto Io? de Tommaso Calculli pela Omaggio Dell Autore (2015)
>>> Riscoprire l Eucaristia de Laici Oggi: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2004)
>>> Redescubrir la Eucaristia de Laicos Hoy: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2005)
>>> Un Prete di Montagna: Gli Anni Bellunesi di Albino Luciani de Patrizia Luciani pela Messagero (2003)
COLUNAS >>> Especial Futuro do Cinema

Sexta-feira, 9/4/2010
O futuro do ritual do cinema
Marta Barcellos
+ de 5100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Antes de Avatar salvar o futuro do cinema, eu andava preocupada. Não parecia fazer muito sentido um ritual que junta pessoas dispersivas em uma sala, conversando em duplas e olhando para seus celulares enquanto um filme é projetado na tela. Tentava imaginar uma nova função para a sessão de cinema: um tipo de lanchonete para apreciar boa pipoca (mais cara que o ingresso) ou um ponto de encontro para o "programa de verdade", já que depois as pessoas saem para jantar ou passear no shopping. Se ainda não são, obviamente todos os cinemas serão localizados dentro de shopping centers.

Reduzido a esta experiência, o cinema seria rapidamente trocado por outra atração que o próprio shopping se encarregará de oferecer. Algo mais dinâmico, quem sabe temático, enfim, com a cara das novas gerações. Para a atividade propriamente de assistir a um filme, não faltarão ocasiões e telas: da TV com alta definição de imagem e som surround ao telefone celular, passando por computadores e iPads. E o melhor: sem precisar ouvir o "pssssssiu" dos espectadores que cismam em achar que o silêncio ainda deve reinar na majestade da sala escura de projeção.

Aqui devo confessar que, antes da redenção representada pelo filme de James Cameron, eu era uma das responsáveis pela ameaça que pairava sobre os cinemas. Viciada, não consegui abri mão do ritual à antiga ― apesar dos baldes de pipocas triturados durante toda a sessão, da diversificação de toques dos celulares iluminados, dos comentários sobre as cenas trocados cada vez com mais naturalidade. Se, por um lado, o meu ingresso contribuía para a receita dos exibidores, por outro imagino que eu tenha dissuadido alguns desses "modernos" espectadores de cinema a repetir a experiência. É que, além de "pssssiu", às vezes me ocorre lembrar essas pessoas sobre a sua distração: elas não estão em suas casas.

Provavelmente algumas delas passaram a considerar as vantagens de esticar-se em seus sofás reformados e fazer valer o investimento feito em telas planas de altíssima definição. Pelo menos, admito, essa costuma ser a minha intenção. Da outra solução, a de educá-las, desisti faz tempo.

Mas agora os óculos 3-D prometem concentrar os espectadores dispersivos e atrair novas multidões ao cinema, entretidas com a projeção cinematográfica como se estivessem jogando videogame. A experiência sensorial parece estar à altura da nova mente humana, conseguindo captar a sua atenção por duas horas inteirinhas ou até mais ― Avatar tem 158 minutos! Só que depois disso podem surgir novas questões. E quando os televisores em 3-D se popularizarem e trouxerem uma experiência caseira semelhante? E se os cérebros multitarefa se adaptarem à nova tecnologia e conseguirem acompanhar histórias em três dimensões enquanto conversam e teclam no celular? Será que algum chato (a) vai falar "pssssiu"? Ops, pelo visto em breve estaremos afirmando aqui, novamente, que os cinemas vão acabar.

Veja bem, adorei a experiência de assistir a Avatar, e também fiquei feliz com o fôlego que a nova tecnologia promete dar à indústria cinematográfica. Por obrigação maternal, acompanhei de perto a evolução do 3-D em filmes e desenhos animados. Até então, não me empolgava com a tecnologia, mas fiquei muitíssimo bem impressionada com a apropriação que Avatar fez dela: foi como se o gênero ficção científica finalmente fizesse sentido para mim. No entanto, para "entrar" em histórias ― bem construídas e narradas ― de gêneros cinematográficos que me agradam mais, nunca precisei de grandes artifícios, além do escuro e do silêncio ― ao contrário de meus inquietos vizinhos de poltrona.

Passado o oba-oba tecnológico, teremos de volta a velha questão: se nós, que gostamos do ritual do cinema em grandes salas escuras compartilhadas com solenidade, seremos contemplados com alguma programação no tal cinema do futuro. Na verdade, nem é preciso grandes voos futuristas para compreender a ameaça. Já perdi a conta dos filmes ― especialmente produções nacionais ― que deixo de assistir porque as salas de cinema mais próximas estão tomadas por blockbusters. Isso na zona sul do Rio de Janeiro. O efeito Avatar só não foi maior porque poucos cinemas dispunham de equipamentos em 3-D. Quem não corre para assistir a alguns filmes na semana de estreia muitas vezes tem que se contentar com o lançamento em DVD. E não, para "nós", assistir ao DVD não é a mesma coisa. E não se trata de investir todo o orçamento doméstico em equipamentos de home theater, nem aprender a baixar filmes no computador. Assim como alguns leitores sempre irão preferir livros em papel, há aqueles que gostam de ver filmes no cinema. São pessoas que até enfrentarão alguns percalços, como o estacionamento lotado no shopping, mas que podem acabar sucumbindo se forem expulsos pela programação adolescente e pelos espectadores mal educados.

Por tudo isso, continuo em dúvida se Avatar, ao marcar uma nova era da indústria cinematográfica, também vai garantir a continuidade do meu programa preferido. Talvez eu devesse colocar mais esperança nas iniciativas de alguns exibidores ― como o grupo Estação, no Rio ― para formar novas gerações de cinéfilos, daqueles que prescindem de óculos 3-D para achar que cinema é a maior diversão.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 9/4/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Imagem do Som de Fabio Gomes
02. Essa tal de Dança Contemporânea de Airton Tomazzoni
03. Caetano, não seja velho coronel de Humberto Pereira da Silva
04. Livros na ponta da língua de Eugenia Zerbini
05. Meu filho e Jaime Lerner de Paulo de Resende


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010
05. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010


Mais Especial Futuro do Cinema
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/4/2010
12h33min
Sobre o filme "Avatar", que não foi apenas um filme, mas um paradigma!: Me causa a impressão que quem viu saberá exatamente a sua significância. Talvez tenha sido este o motivo da academia ter se sentido tão incomodada e, principalmente, tão temerosa. É o que eu tenho opinado para aqueles com quem tenho conversado: a tecnologia científica e sua magnitude. Ela está para além da ética e acaba sempre por receber uma certa alforria (ou, como dizem os árabes, "al horria") por sua continência em libertar algumas questões para um além daquilo que precisamente as estavam restringindo - a própria continuidade.
[Leia outros Comentários de Dan Jung]
12/4/2010
13h08min
"Avatar" é um produto extremamente mercadológico, pensado para vender. Como o foram "Parque dos Dinossauros", "Superman", "Spiderman", "Titanic" e muitos outros, todos filmes "revolucionários" em seus efeitos especiais, e todos descartáveis e esquecíveis. Parafraseando um famoso texto sobre deuses mortos, pergunto: onde estão enterrados esses filmes, todos inovadores, todos revolucionários, e todos descartáveis, como todo bom produto de marketing pensado apenas para entreter e vender? Alguém lembrará de pôr flores nos seus túmulos? Espero que não. Que "Avatar" também descanse em paz como um filme-pipoca que nada acrescentou à arte nem à vida das pessoas. Amém.
[Leia outros Comentários de Luciano Pita]
23/4/2010
10h58min
Confesso que saí do cinema bastante satisfeita depois da experiência "Avatar". Também estou um tanto quanto ansiosa para assistir "Alice". Afinal, tenho dois filhos que adoram ir ao cinema e já passei por situações realmente constrangedoras tendo que permanecer com a bunda na poltrona enquanto na telona robôs gigantescos destroem cidades etc. e tal. Meus filhos certamente herdaram minha paixão pela salinha escura e pela carésima pipoca amanteigada e tenho a esperança de um futuro cheio de filmes muito mais interessantes para eles - aqueles que prescindem de toda essa tecnologia, pois o fantástico está no enredo, atuações etc.
[Leia outros Comentários de Daniela]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Autistas do Alem
Nelson Moraes
Petit



Livro - A Arte Mesopotâmica e Persa (col. Saber Ver a Arte)
Jaime Alvar Ezquerra
Martins Fontes
(1991)



Educação Infantil Ii
Maria de Lourdes Trüyillo de Mello
Paulus
(1997)



Fisico Quimica
Vera Lucia Duarte
Atual
(1982)



Livro - A Cabana
William P. Young
Sextante
(2008)



Moderna Plus Literatura - Caderno do Estudante Parte 1 - 10ª Ed
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Switzerland - Lonely Planet
Nicola Williams, Damien Simonis, Kerry Walker
Lonely Planet
(2009)



Consultoria Empresarial - Métodos e Cases dos Campeões - Confira !!!
Mauricio Sita; Dino Carlos Mocsanyi
Ser Mais
(2013)



Meninas Super Poderosas: os Monstros de Giz
E. S. Mooney
Nbl
(2002)



Flores da Ruína - 1ªed
Patrick Modiano
Record
(2015)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês