O futuro do ritual do cinema | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Futuro do Cinema

Sexta-feira, 9/4/2010
O futuro do ritual do cinema
Marta Barcellos

+ de 4100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Antes de Avatar salvar o futuro do cinema, eu andava preocupada. Não parecia fazer muito sentido um ritual que junta pessoas dispersivas em uma sala, conversando em duplas e olhando para seus celulares enquanto um filme é projetado na tela. Tentava imaginar uma nova função para a sessão de cinema: um tipo de lanchonete para apreciar boa pipoca (mais cara que o ingresso) ou um ponto de encontro para o "programa de verdade", já que depois as pessoas saem para jantar ou passear no shopping. Se ainda não são, obviamente todos os cinemas serão localizados dentro de shopping centers.

Reduzido a esta experiência, o cinema seria rapidamente trocado por outra atração que o próprio shopping se encarregará de oferecer. Algo mais dinâmico, quem sabe temático, enfim, com a cara das novas gerações. Para a atividade propriamente de assistir a um filme, não faltarão ocasiões e telas: da TV com alta definição de imagem e som surround ao telefone celular, passando por computadores e iPads. E o melhor: sem precisar ouvir o "pssssssiu" dos espectadores que cismam em achar que o silêncio ainda deve reinar na majestade da sala escura de projeção.

Aqui devo confessar que, antes da redenção representada pelo filme de James Cameron, eu era uma das responsáveis pela ameaça que pairava sobre os cinemas. Viciada, não consegui abri mão do ritual à antiga ― apesar dos baldes de pipocas triturados durante toda a sessão, da diversificação de toques dos celulares iluminados, dos comentários sobre as cenas trocados cada vez com mais naturalidade. Se, por um lado, o meu ingresso contribuía para a receita dos exibidores, por outro imagino que eu tenha dissuadido alguns desses "modernos" espectadores de cinema a repetir a experiência. É que, além de "pssssiu", às vezes me ocorre lembrar essas pessoas sobre a sua distração: elas não estão em suas casas.

Provavelmente algumas delas passaram a considerar as vantagens de esticar-se em seus sofás reformados e fazer valer o investimento feito em telas planas de altíssima definição. Pelo menos, admito, essa costuma ser a minha intenção. Da outra solução, a de educá-las, desisti faz tempo.

Mas agora os óculos 3-D prometem concentrar os espectadores dispersivos e atrair novas multidões ao cinema, entretidas com a projeção cinematográfica como se estivessem jogando videogame. A experiência sensorial parece estar à altura da nova mente humana, conseguindo captar a sua atenção por duas horas inteirinhas ou até mais ― Avatar tem 158 minutos! Só que depois disso podem surgir novas questões. E quando os televisores em 3-D se popularizarem e trouxerem uma experiência caseira semelhante? E se os cérebros multitarefa se adaptarem à nova tecnologia e conseguirem acompanhar histórias em três dimensões enquanto conversam e teclam no celular? Será que algum chato (a) vai falar "pssssiu"? Ops, pelo visto em breve estaremos afirmando aqui, novamente, que os cinemas vão acabar.

Veja bem, adorei a experiência de assistir a Avatar, e também fiquei feliz com o fôlego que a nova tecnologia promete dar à indústria cinematográfica. Por obrigação maternal, acompanhei de perto a evolução do 3-D em filmes e desenhos animados. Até então, não me empolgava com a tecnologia, mas fiquei muitíssimo bem impressionada com a apropriação que Avatar fez dela: foi como se o gênero ficção científica finalmente fizesse sentido para mim. No entanto, para "entrar" em histórias ― bem construídas e narradas ― de gêneros cinematográficos que me agradam mais, nunca precisei de grandes artifícios, além do escuro e do silêncio ― ao contrário de meus inquietos vizinhos de poltrona.

Passado o oba-oba tecnológico, teremos de volta a velha questão: se nós, que gostamos do ritual do cinema em grandes salas escuras compartilhadas com solenidade, seremos contemplados com alguma programação no tal cinema do futuro. Na verdade, nem é preciso grandes voos futuristas para compreender a ameaça. Já perdi a conta dos filmes ― especialmente produções nacionais ― que deixo de assistir porque as salas de cinema mais próximas estão tomadas por blockbusters. Isso na zona sul do Rio de Janeiro. O efeito Avatar só não foi maior porque poucos cinemas dispunham de equipamentos em 3-D. Quem não corre para assistir a alguns filmes na semana de estreia muitas vezes tem que se contentar com o lançamento em DVD. E não, para "nós", assistir ao DVD não é a mesma coisa. E não se trata de investir todo o orçamento doméstico em equipamentos de home theater, nem aprender a baixar filmes no computador. Assim como alguns leitores sempre irão preferir livros em papel, há aqueles que gostam de ver filmes no cinema. São pessoas que até enfrentarão alguns percalços, como o estacionamento lotado no shopping, mas que podem acabar sucumbindo se forem expulsos pela programação adolescente e pelos espectadores mal educados.

Por tudo isso, continuo em dúvida se Avatar, ao marcar uma nova era da indústria cinematográfica, também vai garantir a continuidade do meu programa preferido. Talvez eu devesse colocar mais esperança nas iniciativas de alguns exibidores ― como o grupo Estação, no Rio ― para formar novas gerações de cinéfilos, daqueles que prescindem de óculos 3-D para achar que cinema é a maior diversão.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 9/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
03. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
04. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010
05. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010


Mais Especial Futuro do Cinema
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/4/2010
12h33min
Sobre o filme "Avatar", que não foi apenas um filme, mas um paradigma!: Me causa a impressão que quem viu saberá exatamente a sua significância. Talvez tenha sido este o motivo da academia ter se sentido tão incomodada e, principalmente, tão temerosa. É o que eu tenho opinado para aqueles com quem tenho conversado: a tecnologia científica e sua magnitude. Ela está para além da ética e acaba sempre por receber uma certa alforria (ou, como dizem os árabes, "al horria") por sua continência em libertar algumas questões para um além daquilo que precisamente as estavam restringindo - a própria continuidade.
[Leia outros Comentários de Dan Jung]
12/4/2010
13h08min
"Avatar" é um produto extremamente mercadológico, pensado para vender. Como o foram "Parque dos Dinossauros", "Superman", "Spiderman", "Titanic" e muitos outros, todos filmes "revolucionários" em seus efeitos especiais, e todos descartáveis e esquecíveis. Parafraseando um famoso texto sobre deuses mortos, pergunto: onde estão enterrados esses filmes, todos inovadores, todos revolucionários, e todos descartáveis, como todo bom produto de marketing pensado apenas para entreter e vender? Alguém lembrará de pôr flores nos seus túmulos? Espero que não. Que "Avatar" também descanse em paz como um filme-pipoca que nada acrescentou à arte nem à vida das pessoas. Amém.
[Leia outros Comentários de Luciano Pita]
23/4/2010
10h58min
Confesso que saí do cinema bastante satisfeita depois da experiência "Avatar". Também estou um tanto quanto ansiosa para assistir "Alice". Afinal, tenho dois filhos que adoram ir ao cinema e já passei por situações realmente constrangedoras tendo que permanecer com a bunda na poltrona enquanto na telona robôs gigantescos destroem cidades etc. e tal. Meus filhos certamente herdaram minha paixão pela salinha escura e pela carésima pipoca amanteigada e tenho a esperança de um futuro cheio de filmes muito mais interessantes para eles - aqueles que prescindem de toda essa tecnologia, pois o fantástico está no enredo, atuações etc.
[Leia outros Comentários de Daniela]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PENSE POSITIVO
E. H. SHATTOCK
CÍRCULO DO LIVRO
(1991)
R$ 7,00



OS PERVERTIDOS
HAROLD ROBBINS
RECORD
(1984)
R$ 4,00



ISSO NINGUÉM ME TIRA
ANA MARIA MACHADO
ATICA
(1996)
R$ 8,00



A AUTORIDADE DO PROFESSOR, O QUE PENSAM ALUNOS, PAIS E PROFESSORES
MARIA JOSÉ MAYA
TEXTO
(2000)
R$ 16,66



O PASSARO DE PRATA UMA HISTORIA PARA AQUELES QUE SONHAM
JOYCE PETSCHEK
PENSAMENTO
R$ 7,00



A CRIANÇA E A MÚSICA
KURT PAHLEN
MELHORAMENTOS
(1966)
R$ 15,00



BOTTLE FACTORY OUTING
BERYL BAINBRIDGE
PENGUIN UK
(1995)
R$ 10,00



A TRÍADE
CARLOS ANDRADE E OUTROS
TERRACOTA
(2010)
R$ 15,00



ZAUBER DER FORMEN IN DER NATUR
PETER S. STEVENS
VERLAG MUNCHEN WIEN
(1974)
R$ 70,00



OS DESCOBRIMENTOS PORTUGUESES E O ENCONTRO DE CIVILIZAÇÕES
ANTONIO LUIZ PORTO E ALBUQUERQUE
FUND. CULTURAL BRASIL-PORTUGAL
(1999)
R$ 11,00





busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês