A suprema nostalgia | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Melhores Blogs
>>> Dilbert
>>> Entrevista com Paulo Polzonoff Jr.
>>> Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável
Mais Recentes
>>> Tudo valeu a pena de Zibia Gasparetto pela Vida e consciencia (2003)
>>> Concurso de Credores de Sylvio Martins Teixeira pela Jacintho (1936)
>>> Manual de Direito Processual Civil Vol.4 (Processo de Execução Processo Cautelar Parte Geral) de José Frederico Marques pela Saraiva (1976)
>>> Manual de Direito Processual Civil Vol.3 ( Processo de Conhecimento) 2ª Parte de José Frederico Marques pela Saraiva (1976)
>>> Codigo do processo Civil e Commercial do Estado de São Paulo (Annotações) de João Evangelista Rodrigues pela Revista dos Tribunais (1930)
>>> Traité Des Preuves En Droit Civil Et En Drit Criminel de Édouard Bonnier pela Librairie Plon (1888)
>>> Embargos de Nulidade e Infringentes do Julgado de E.D. Moniz de Aragão pela Saraiva (1965)
>>> Introdução ao estudo do processo Civil de Eduardo J. Couture pela José Bushatsky (1951)
>>> Estudo sobre o processo civil Brasileiro de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1947)
>>> Processão de Execução de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1946)
>>> Eficácia e Autoridade da Sentença e ouros escritos sobre a coisa Julgada. de Enrico Tullio Liebman pela Forense (1984)
>>> Princípios Gerais do Direito Processual de Anésio de Lara Campos Junior pela José Bushatsky (1964)
>>> Doutrina das Acções de José Homem Corrêa Telles pela H. Garnier (1902)
>>> Como Requer em Juízo ( Formulário Cível) de Yara Muller Leite pela Freitas Bastos (1967)
>>> Decisões de Decio Cesario Alvim pela Officinas do Centro da Boa Imprensa (1930)
>>> O Procedimento Sumaríssimo de Domingos Sávio Brandão Lima pela José Bushatsky (1977)
>>> Aspectos Fundamentais das Medidas Liminares de R. Reis Friede pela Forense (1993)
>>> Curso de Direito Processual Civil Volume 3 de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Curso de direito Processual Civil Volume 1 de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Estudo sobre o processo civil Brasileiro de Enrico Tullio Liebman pela José Bushatsky (1976)
>>> Processão de Execução de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1980)
>>> Consultor Civil Acerca de Todas as Acções Seguidas no Fôro Civil de Carlos Antonio Cordeiro e Oscar de Macedo Soares pela H. Garnier (1910)
>>> O Brasil na vidão do artista. O país e sua cultura de Frederico Morais pela Prêmio (2003)
>>> Um certo ponto de vista. Pietro Maria Bardi 100 anos de Emanoel Araújo. Curadoria pela Burti (2000)
>>> A riqueza de um vale. A richly endowed valley de Ricardo Martins pela Kongo (2011)
>>> Tomie Ohake de Ana Paula Cavalcanti Simioni pela Folha de S.Paulo (2013)
>>> Bez Batti. Esculturas de Instituto Moreira Salles pela Ims (2006)
>>> Responsabilidade Civil - Doutrina e Jurisprudência de Yussef Said Cahali (Coordenador) pela Saraiva/ SP. (1984)
>>> O Problema da Língua Brasileira de Homero Senna (Entrev. c/ Prof. Souza da Silveira) pela Dep. Imprensa Nacional/ RJ. (1953)
>>> A Trégua de Mario Benedetti pela Alfaguara (2007)
>>> Divalndo Franco Responde Vol 1 de Divaldo Franco pela Intelitera (2010)
>>> Sonhos de J. J. Benitez pela Record (1995)
>>> Hora de Poesia de Ivan Luís Corrêa da Silva pela Modelo (2008)
>>> (In) Quietude Narrativas de Mim de Walkiria Helena pela Catalão em Prosa e Verso (2010)
>>> O Diário das Bruxas Parte I de F. A. F. Melo pela Catalão em Prosa e Verso (2008)
>>> Resgatando o Capital Humano de Roberto Boclin pela Folha Dirigida (2015)
>>> Personas Sexuais de Camille Paglia pela Companhia das Letras (1994)
>>> Uma Vida com Karol de Cardeal Stanislaw Dziwisz pela Objetiva (2007)
>>> Quem Me Roubou de Mim? de Pe. Fábio de Melo pela Canção Nova (2008)
>>> Saúde de Miramez João Nunes Maia pela Fonte Viva (2016)
>>> Ataque do Comando P. Q. Descobrindo os Clássicos de Moacyr Scliar pela Ática (2004)
>>> Divalndo Franco Responde Vol 2 de Divaldo Franco pela Intelitera (2013)
>>> The Colour Of Memory de Geoff Dyer pela Canongate (2012)
>>> Dark Places de Gillian Flynn pela Phoenix (2009)
>>> O Livro que Ninguém Leu de Owen Gingerich pela Record (2008)
>>> Coisas que Todo Professor de Português Precisa Saber a Teoria na Prática de Luciano Amaral Oliveira pela Parábola (2010)
>>> Políticas da Norma e Conflitos Linguísticos de Xoán Carlos Lagares Marcos Bagno pela Parábola (2011)
>>> Robinson Crusoe de Daniel Defoe pela Barnes & Noble Classics (2003)
>>> Sense And Sensibility de Jane Austen pela Barnes & Noble Classics (2004)
>>> Muito Antes de 1500 de Epiága R. T. pela Madras (2005)
COLUNAS

Sexta-feira, 15/10/2010
A suprema nostalgia
Marta Barcellos

+ de 4300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Não se faz mais nostalgia como antigamente. A formidável frase do jornalista Geraldo Mayrink, resgatada em seu obituário no ano passado, me ocorre ao observar a reação dos espectadores ao filme A suprema felicidade, de Arnaldo Jabor, exibido no Festival do Rio. "Que saudade dos anos 50!", dizem os que sequer tinham nascido naquela década. Em um esforço para entrar no clima, tento encontrar em mim algum resquício da tal nostalgia que todos os meus amigos com mais de 30 anos parecem cultivar com algum orgulho. Mayrink vem ao meu auxílio, e me recordo com saudade dos tempos em que o jornalismo diário preocupava-se com o esmero de seus textos.

Quando cheguei ao jornalismo, além de profissionais admirados pela escrita caprichada, as redações tinham uma boa cota de nostálgicos a suspirar pelo fim das máquinas de escrever, das laudas coladas, do ambiente barulhento e enfumaçado. Como "foca", quase me envergonhava de ter começado a carreira em uma das primeiras redações informatizadas. Intimidava-me com o passado respeitável, mas percebia a confusão: os mais velhos tinham saudade da própria juventude, não dos empregos que certamente depreciavam antes de estarem afastados o suficiente para que suscitassem tanta nostalgia.

Assim como hoje evito criticar quem trata cachorro como filho (vai que na velhice preciso recorrer a tal afeto), esperei que o tempo me trouxesse a inevitável saudade das virtudes e dos valores de outrora. Comecei a desconfiar que a nostalgia não era regra quando a internet proporcionou os primeiros encontros de exs-algum-grupo-do-passado. Não conseguia me identificar. Havia os nostálgicos do colégio, que reencontravam a felicidade perdida e os apelidos de infância entre rodadas de chope, e também os nostálgicos da faculdade, ciosos do vínculo que os manteriam próximos para sempre da deliciosa irresponsabilidade juvenil. Depois da curiosidade inicial, e da constatação da pouca importância desse passado para mim, eu me desinteressava, percebia aquele ritual de recordações como um tanto excessivo.

Em conversas com amigos do presente, descobri outras pessoas que desconfiam da memória seletiva dos saudosistas e dessa constante celebração dos valores antigos, em geral desdenhando as conquistas do presente. A mania é especialmente estranha quando se trata de jornalistas que, por estarem superconectados com a atualidade, deveriam experimentar o estado de excitação diante de tanta novidade, da iminência de novas possibilidades, o mundo tão pequeno e próximo, tudo acessível por um clique.

Tanto assunto, e o meu cronista preferido só fica feliz discorrendo sobre o passado; o presente sempre tratado com azedume e rabugice. Viro a página do jornal, em busca de algum frescor verdadeiro, quem sabe um novo colunista, alguém que ainda perambule pelas ruas com curiosidade, e talvez escreva na internet.

Se o cronista ― talvez estimulado por seu talento para a ficção, mais utilizável no tempo pretérito ― perde-se com frequência em reminiscências, recorro ao ensaísta para organizar o meu pensamento. Roberto Pompeu de Toledo, escavando o conceito de felicidade, critica os pais que impõem esta pesada meta aos filhos e apresenta uma resposta à ardilosa pergunta: "Você é feliz?". Segundo ele, uma solução consequente para a questão exige que coloquemos na balança a experiência passada, o estado presente e a expectativa futura. A conclusão pode não ser clara, ressalta, mas eu concluo que a balança a favor do passado pode identificar nostálgicos em potencial.

Uma infância feliz, disse certa vez a psiquiatra Nise da Silveira, pode ser quase tudo na vida de uma pessoa, e quem sou eu para pregar as vantagens do sofrimento nas idades mais tenras. De qualquer forma, a tal balança mostra a armadilha de se instalar a felicidade em um tempo acessível apenas pela nostalgia, no caso das pessoas que tiveram uma infância e uma adolescência extremamente satisfatórias, repletas de momentos alegres que ficaram marcados na memória. Por sinal, Pompeu de Toledo começa seu ensaio com uma distinção providencial: "Felicidade é uma palavra pesada. Alegria é leve, mas felicidade é pesada."

O peso de ter a própria felicidade ― e não apenas as alegrias boas de relembrar ― irremediavelmente associada ao passado pode fazer a nostalgia transformar-se em uma doença. Não estou aqui exagerando, nem sugerindo que Arnaldo Jabor e os espectadores lamuriosos de seu filme devam procurar tratamento. Refiro-me à origem da própria palavra e de sua primeira utilização. Composto a partir dos radicais gregos "nóstos" (que significa regresso) e "álgos" (dor física ou moral), o termo nostalgia foi usado em 1678 para designar uma enfermidade a que os suíços seriam predispostos quando estavam ausentes do lar. Segundo a dissertação do médico suíço Johannes Hofer, a doença podia ter caráter mortal.

A melancolia capaz de matar tornou-se depois tema de muitos estudos médicos na Europa, que identificaram a doença em exércitos que se afastavam de seus países de origem. Mais tarde, seria aplicada também para explicar o "banzo", que levava os negros africanos escravizados, transportados para terras distantes, a um estado de nostalgia profunda que induzia à apatia, à inanição e, por vezes, à loucura ou à morte. Nos dias atuais, em que sentimentos são facilmente diagnosticados como patologias, não deve ser difícil associar a nostalgia à depressão.

Por tudo isso, recomendo aos amigos doses moderadas de nostalgia, inclusive na arte. Para mim, em pequenas porções ela pode ser especialmente saborosa, mais pela liberdade de ficcionar o passado do que pela tentação de desvalorizar o presente. Feita a advertência, vá ao cinema, ao teatro e aos livros, e descubra em que tempo (no futuro?) mora a sua suprema felicidade.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 15/10/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait
02. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
03. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
04. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
05. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010
05. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/10/2010
02h31min
Se não plantarmos atitudes, se não ilustrarmos a nossa vida de acontecimentos, de poesias, com certeza nossa memória amanhã será de um vazio contemporâneo ilustríssimo. E não estaremos reclamando da nostalgia. Mas do vento que plantamos, esperando as tempestades.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
18/10/2010
12h32min
A nostalgia é um sub-produto da experiência de vida de cada um. As travessuras infantis transmutam-se em transgressões e imprudências até que, aos 40, começamos a pensar no que não mais faremos ou veremos. É tão bom lembrar das goiabeiras no quintal, onde se subia sem medo. Não mais existem quintais ou goiabeiras. E quem é que aos 68 anos, escalaria goiabeiras em busca de frutas? Saudade é memória recente de coisas que talvez ainda possam ser repetidas. Nostalgia, não. Não veremos, sentiremos ou faremos mais o que virou nostalgia: tomar bonde andando quando se tem 13 anos: nem bonde existe mais; ir ao baile com música de conjunto e dançar "coxa a coxa"; comer uma feijoada de combuca no Papai da Aurora à meia-noite.; fazer um terno sob medida, um sapato no Motta e sair com a namorada. E os amigos? Alguns morreram, outros sumiram. Restou a nostalgia, a mumificação da saudade.
[Leia outros Comentários de Raul Almeida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SENHOR AGORA VAI MUDAR DE CORPO
RAIMUNDO CARRERO
RECORD
(2015)
R$ 29,00



O MODELO DE MEDO E RAIVA - 6312
DIOGO LARA
REVOLUÇAO DE IDEIAS
(2006)
R$ 12,00



O ATENEU
RAUL POMPÉIA
ÁTICA
(1984)
R$ 5,00



ELAS ESTÃO DESCONTROLADAS
MARCELO AOUILA
LIVROS ILIMITADOS
R$ 34,90



TRANSPORTES E SEGUROS NO COMÉRCIO EXTERIOR
SAMIR KEEDI
ADUANEIRAS
(2003)
R$ 70,00



DIÁRIO DE LARISSA MANOELA
LARISSA MANOELA
CASA DOS LIVROS
(2016)
R$ 10,00



FÍSICA 2 - TERMOLOGIA - ÓPTICA - ONDULATÓRIA
BONJORNO, E OUTROS
FTD
(2013)
R$ 9,80



A HISTÓRIA DO PARTIDO COMUNISTA DA ÍNDIA (MAOÍSTA)
MATEUS RANZAN
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



LETTERHEAD & LOGO DESIGN (BOOK 5)
CROSS COLOURS
ROCKPORT PUB
(1998)
R$ 50,00



ARTE CONTA HISTÓRIAS: BALÉ DOS SKAZKÁS
KATIA CANTON
NÃO CONSTA
(1996)
R$ 5,50





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês