A escrita | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/4/2003
A escrita
Gian Danton

+ de 3500 Acessos

No século XII, um monge cristão escreveu: "Se não sabes o que é a escrita, poderás crer que a dificuldade é pequena, mas se quiseres uma explicação detalhada, deixa-me dizer-te que o trabalho é penoso: ele embaralha a visão, encurva as costas, esmaga o ventre e as costas, aperta os rins e deixa todo o corpo doendo (...) Como um marinheiro que volta, enfim, ao porto, o escriba rejubila-se ao chegar à ultima linha". É precisamente sobre o ofício de escrever, tão valorizado quanto penoso, que trata o livro "A Escrita - memória dos homens", de Georges Jean, coleção descobertas.

O livro traz uma visão histórica da escrita das primeiras tentativas à modernas rotativas, capazes de imprimir milhões de palavras por minuto.

O leitor poderá acompanhar a aventura da descoberta da escrita e compreender como esta evoluiu do icônico ao simbólico. Um exemplo da escrita cuneiforme (praticada na Suméria antiga) demonstra bem como se deu esse processo. A mulher era representada por um triângulo cortado, em analogia ao púbis. As montanhas, por três montinhos. A união dos dois signos deu origem ao vocábulo "mulher das montanhas", ou seja, escravas do sexo feminino.

Ao mesmo tempo em que os sumérios desenvolviam a escrita cuneiforme, os egípcios criavam os hieróglifos, considerados por Jean os verdadeiros poemas visuais dadas as suas qualidades estéticas. O mesmo se poderia dizer dos pictogramas chineses, tão belos, que eram considerados obras de arte e até hoje são expostos como quadros.

Para além da dimensão estética, há a dimensão fantástica. Hieróglifo significa, literalmente, escrita dos deuses. A escrita parece ter sido, sempre, encarada como uma espécie de dádiva divina e os escribas vistos como detentores de poderes mágicos. "Dominar a escrita é deter os meios de conquistar o mundo", disse Sartre. Na Babilônia, os escribas chegavam a ser mais poderosos que os reis, e na China a invenção da escrita foi creditada a um Imperador, Huang-Che, que teria vivido no século XXVI a.C. Dizem as lendas de que ele se arrependeu, e chorava toda noite.

Se não é a invenção mais terrível, como acreditava o Imperador chinês, é certamente, uma das mais importantes. De fato, só existe História a partir do momento em que surge a escrita. É a partir dela que o homem começa a registrar os fatos cronologicamente, que passa a estabelecer regras jurídicas, contratos de compra e venda e de casamento. É através dela que ficam eternizados os hinos religiosos, contos históricos, máximas de moral, poemas de amor e épicos.

O livro vai dedicar grande espaço à questão da reprodução da escrita.

Na Idade Média, a única forma de conseguir um livro era mandar fazê-lo em um mosteiro por monges copistas. Logo no início do catolicismo, usava-se o papiro organizado em rolos chamados volumen, que apresentavam diversos inconvenientes: eram caros, frágeis e só se podia utilizar uma de suas faces.

A utilização de um novo suporte, o pergaminho, vai modificar completamente a arte manuscrita e, segundo a midiologia de Régis Bedray, permitir ao cristianismo se espalhar por toda a Europa. O pergaminho era conseguido através do tratamento da pele de carneiros, bezerros, cabras ou gazelas. Havia o velino, de qualidade superior, obtido através da pele de bezerros recém-nascidos ou natimortos.

As peles eram mergulhadas em cal e depois limpas de qualquer vestígio de pêlo ou carne. Antes de colocá-las para secar em grades, eram polvilhadas de gesso, que absorvia os restos de gordura. Eram então raspadas com uma espátula.

Diante de um pergaminho, o monge copista deveria poli-lo com uma pedra-pome a fim de retirar manchas e impurezas, e criar uma superfície propícia à absorção da tinta. O pergaminho, mais resistente que o papiro, permitia a costura de várias folhas, o que ficou conhecido como codex. Também possibilitava a utilização da pena de ganso, melhor de trabalhar que o antigo caniço.

O trabalho de copiar textos era tão monótono que alguns monges se punham a ilustrá-los. Com o tempo, isso se tornou um atrativo a mais e alguns copistas especializaram-se em fazer apenas figuras ou capitulares, letras iniciais geralmente escritas em ouro.

Tudo isso mudou com a invenção da imprensa. Johannes Gutemberg, supostamente o inventor da técnica, jamais usufruiu de seus lucros. Afundado em dívidas, teve todo seu equipamento apreendido por um dos sócios.

Se Guteemberg não ficou rico, outros ficaram. Na época havia uma grande demanda por livros, demanda essa que os mosteiros não conseguiam satisfazer. Em pouco tempo, um livro impresso tinha qualidade tão boa que alguns o confundiam com os manuscritos. Até mesmo ilustração e capitulares eram acrescidas à obra para lhe dar valor. A imprensa surge imbuída de espírito renascentista. Fontes como a Garamond Romano eram consideras tão perfeitas em termos de proporção quanto o homem desenhado por Da Vinci.

A invenção da rotativa deu um passo a mais e tornou o processo de reprodução tão rápido que deu origem à imprensa popular. Marco dessa fase é o lançamento, em primeiro de julho de 1846, de dois jornais cuja assinatura custava a metade dos outros. Le Siècle e La Presse saiam a 40 francos anuais, ou seja, 10 centavos por cada exemplar. Vinte anos depois surgia o Le Petit, a cinco centavos o exemplar. Daí para a frente, a imprensa só evoluiu e, mesmo com a invenção de outras mídias, nunca perdeu seu espaço privilegiado de difusora de idéias.

O livro de Jean é perfeito para quem quer se aprofundar no conhecimento dessa invenção tão controversa. Repleto de ilustrações, no formato de bolso e diagramação arrojada, o volume é agradável aos olhos. O texto é profundo, mas não acadêmico e agradará tanto professores e estudantes de letras quanto leigos. É gostoso de ler, além de essencial. Afinal, conhecer melhor a evolução das palavras ajuda a escrever melhor e, como dizia Pascal, "saber escrever bem é saber pensar".

legenda



Gian Danton
Macapá, 18/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Séries? Que papo é esse? de Fernando Lago
02. Steve Jobs (1955-2011) de Julio Daio Borges
03. Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo de Andréa Trompczynski
04. Saleté S.A. de Elisa Andrade Buzzo
05. Coque, o violeiro de uma mão só de Diogo Salles


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2003
01. A teoria do jornalismo e a seleção de notícias - 28/2/2003
02. A análise da narrativa - 24/1/2003
03. Os X-men e o fim da infância - 31/1/2003
04. Experiências e Livros - 7/10/2003
05. Demônio maniqueu e demônio agostiniano - 11/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO ENFRENTAR A ASMA E OUTRAS ALERGIAS
LAIN PONTES DE CARVALHO
JOSÉ OLYMPIO
(1971)
R$ 7,90



ARTE-EDUCAÇÃO NO BRASIL - 7ª EDIÇÃO
ANA MAE BARBOSA
PERSPECTIVA
(2012)
R$ 30,95



SHANGRILÁ 2 - MULHER IMORTAL - CAPA DURA
IRVING STONE
EDART
(1962)
R$ 7,00



REDE DE SABERES DIFERENTES PRÁTICAS E NOVOS SABERES NA FORMAÇÃO DOCENTE
CARLA MARIA KIRILOS MATTAR DE OLIVEIRA (ORG)
NEW HAMPTON PRESS
(2006)
R$ 50,00



OS SENSOS INCOMUNS, CONTOS
MARIA ISABEL BARRENO
CAMINHO
(1993)
R$ 31,26



ROMEU E JULIETA
WILLIAM SHAKESPEARE
MARTIN CLARET
(2007)
R$ 7,90



LA REINA EN EL PALACIO DE LAS CORRINTES DE AIRE
STIEG LARSSON
DESTINO
(2009)
R$ 60,00



PROCESSO DE EXECUÇÃO E CAUTELAR 12
MARCUS VINICIUS RIOS GONÇALVES
SARAIVA
(2003)
R$ 7,00



COMENTÁRIOS À CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DAS LEIS DO TRABALHO
VALENTIN CARRION
ED. SARAIVA
(2002)
R$ 5,00



EDUCAÇÃO FÍSICA MUNDIAL - CAPACIDADE AERÓBICA 2
KENNETH H COOPER
AGIR
R$ 10,00





busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês