Crônica à la Caio Fernando Abreu | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
>>> Ferreira Gullar em dose única
>>> MPB: raízes e antenas conectadas
>>> Bernstein: 5ª de Shostakovich
Mais Recentes
>>> Milagres e Aparições de Nossa Senhora de Bridget Curran pela Fundamento (2010)
>>> Bible Time Bible readong era de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2000)
>>> El puñal magico de Vários Autores pela Ediciones en lenguas extranjeras beijing (1980)
>>> Epitaph of a small winner de Machado de Assis pela Bard (1979)
>>> The Peter Principles de Dr. Laurene J. Peter e Raymond Hull pela William Morrow and Company (1969)
>>> Mistery behind the wall de Gertrude Chandler Warner pela Scholastic inc (1991)
>>> Trotz allem ein Stuck Himmel de Max Ronner pela Gotthelf Verlag (1979)
>>> There is a tide de Agatha Christie pela Dell (1970)
>>> Cantora Revelação de Roberto Belli pela BrasiLeitura (2015)
>>> He - A Chave do Entendimento da Psicologia masculina de Robert A, Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> She - A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> Samuel Hazzan e José Nicolau Pompeo de Matemática Financeira pela Saraiva (2007)
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1998)
>>> Ao ponto da tristeza de Aaron Appelfeld pela Kinnet, Zmora-Bitan, Dvir (2012)
>>> Conhecer & Aprender - Sabedoria dos Limites e Desafios de Pedro Demo pela Artmed (2021)
>>> Stiletto de Harold Robbins pela Record (1980)
>>> Tudo Pela Vida de Danielle Steel pela Record (2003)
>>> Autobiografia De Malcolm X de Malcom X e Alex Haley pela Record (1992)
>>> Uma verdade inconveniente: O que devemos saber (e fazer) sobre o aquecimento global de Al Gore pela Manole (2021)
>>> Estatística Aplicada Às Ciências Sociais de Pedro Alberto Barbetta pela Ufsc (2006)
>>> Asas de Sandra Lya pela All Print (2000)
>>> Pedro A. Morettin; Wilton Oliveira Bussab de Estatística Básica pela Saraiva (2005)
>>> Estórias para contar de William Netto Candido pela Própria (2002)
>>> Matemática financeira e suas aplicações de Alexandre assaf Neto pela Atlas (2021)
>>> Ameaçada pelo Amor de Joanna Maitland pela Harlequin (2003)
COLUNAS

Quinta-feira, 27/2/2020
Crônica à la Caio Fernando Abreu
Elisa Andrade Buzzo

+ de 1200 Acessos

Uma crônica à la Caio Fernando Abreu deve ter uma janela aberta para alguma rua em que um casal de namorados brigue ou que uma mulher lave uma vitrina de uma loja de bicicletas. Daqui deste vidro, não há ninguém, não há ódio; mas também não há amor — há um sentido frio de direção onde corta um trem, onde uma construção repousa, onde um corpo ressona, onde um navio geme por detrás de passadas neblinas.

Ainda, antes de um buraco na parede aberto ao branco rio, em cuja margem oposta no final da tarde domingueira resplandece uma forma de usina atômica e as luzes se acendem como um coro que vai assumindo o controle da voz, deve haver uma escrivaninha. Dali, tudo ganha corpo. Daquelas, bem anos 90, cheia de canetas de sardinhas coloridas, CDs, uma caixa de lenço de papéis, agenda, ingressos de cinema, folhas de sala, um coração vianense, uns recortes de postais, globos de neve.

Nesta escrivaninha, ele soluçaria só de ver fotos de "As pontes de Madison" na internet, dançaria como quem dança como o Coringa, misturando um samba, um bolero, um balé. Ao som de Jorge Ben, Djavan, Bee Gees, The Weather Girls, The Temptations, Etta James, Nina Simone, Sade, Ibrahim Ferrer ou Omara Portuondo ele simularia as leis de um universo alegre e harmônico. Teceria toda uma programação que não existe, serenava e desesperava em cinco minutos, pesquisaria fotos do gueule d'amour Jean Gabin e de Harold Lloyd em "Safety Last". Comeria um naco de queijo e beberia água de coco numa taça de vinho, imaginaria o que não é, o que será, o que não terá sido, o que poderia ter sido. E inventaria a conjugação verbal "quisiria", pois CFA sempre estava a desejar, e desejava, e queria no pretérito, no futuro e no inatingível mais que perfeito.

Passaria horas à música e à escrita, e também à leitura. Exageraria nesses quesitos supremos, ainda que haveria a possibilidade de visualizar a vida de barriga pra cima, em meditação mediúnica. E daria-se conta de que, em viciosos círculos de desejos dilacerados, a literatura continua mesmo sendo uma espécie de fim último e salvação. Escrever uma crônica tal qual o faria CFA é como se enfim déssemos conta de que a engrenagem é sempre a mesma, ainda que tentemos uma fuga classuda e acreditemos que há peças diferentes e originais, que não se encaixam na normalidade mesquinha do dia a dia sonolento. É como se a ficha, ou as fichas, finalmente caíssem, e nos resignássemos ao som do piano comovente de Yann Tiersen ou Tori Amos. Porém, na conturbação física do coração, sobrecoloca-se além das colunas no cais uma tranquila mirada de água trêmula.

Uma crônica à la Caio Fernando Abreu soa como uma tardia forma de adolescência. Lembramos, em uma toada fadística, de Marisa Monte, Elis Regina, João Gilberto, Renato Russo, Cazuza, Clarice, Graciliano, vestibular, bossa nova, geração de 30; situacionamos versos de poemas ou canções. Então, como ele, depois de olhar para dentro olho de novo pela janela, e passa um trem de dois andares com quadrados de luz na noite e silhuetas pretas de gente longe. Ressoa uma mota numa entrega estúpida. Montijo e Barreiro são nada mais que purpurina dourada de Carnaval latejando no rio negro. O navio é um fantasma disfarçado de um escuro menos escuro que o Tejo. A construção em guindastes congelados e nichos iluminados assemelha-se a uma civilização terráquea em destroços, já esquecida de si. Um ônibus amarelecido sobe com um peso e um cansaço imensos o viaduto. Há lençóis e fronhas a lavar. Uma chave no firmamento gira o mecanismo das estações e do inverno soltam-se flores e secura de primavera. Depois, um ruído surdo e incessante toma conta da noite. De onde vem tal brisa soturna? É isto uma junção macabra das vidas que não podemos ver, nem tocar, tremulando?

Naquela cidade cidade boa, quente e cinza, não nos conhecemos. Não nos cruzamos na avenida Paulista, no Cinearte, na rua Augusta, nem no Alvorada; tanto melhor, o desencontro definitivo não traz a solidão sobre a qual ele tanto escrevia. Nada precisamos imaginar acerca de nós, nada precisamos lembrar. Nem mesmo há o que necessite ser esquecido para continuar. Graças a Deus. Nossas folhas são brancas e puras, longilíneas e navegantes, como o rio prestes a caminhar à alvorada. Eis uma crônica, ao modo de Caio Fernando Abreu, como se ele a direcionasse e víssemos que tudo continua igual: chorar, chorar, e abraçar um tórrido carrilhão como quem enfim dominasse um fugitivo tempo.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 27/2/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Silêncio e grito de Ana Elisa Ribeiro
02. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio
03. O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta de Heloisa Pait
04. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? de Gian Danton
05. Cognição Estética contra o Logos (Parte I) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2020
01. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa - 20/8/2020
02. Alma indígena minha - 14/5/2020
03. Na translucidez à nossa frente - 10/12/2020
04. Vandalizar e destituir uma imagem de estátua - 1/10/2020
05. Alameda de água e lava - 29/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tecnologia Em Gestão e Marketing para Pequenas e Médias Empresas Vol 5
Ademir Cavalheiros Leite e Outros
Uniderp
(2009)



Sobre La Agresión: El Pretendido Mal
Konrad Lorenz
Siglo Xxi
(1971)



Ser Como o Rio Que Flui
Paulo Coelho
Gold
(2009)



Somos Todos Iguais Nesta Noite
Marcelo Moutinho
Rocco
(2006)



Química na Abordagem do Cotidiano 2 - Físico-química
Francisco Miragaia Peruzzo e Eduardo Leite...
Moderna
(2010)



Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 6
Masami Kurumada
Jbc



Os Últimos Lírios no Estojo de Seda
Marina Colasanti
Leitura
(2006)



Prática de Cálculos Trabalhistas na Liquidação de Sentença
Paulo Cesar de Castilho
Rt
(1998)



365 Meditations Sur La Bible Tome 2 - Poèmes - les Psaumes
Gaston Brillet
Aubier
(1958)



Fisioterapia Actual
Dr. A. Zauner Gutmann
Editorial Jims
(1971)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês